8 filmes sobre comunicação e marketing para assistir na Netflix

Confira os 7 filmes que Uchoa indica em seu canal no Youtube para ensinar e, ao mesmo tempo, entreter

A empresa Netflix tem mais de 100 milhões de assinantes em todo o mundo. O serviço de transmissão online foi fundado em 1997 nos Estados Unidos. Hoje mais de 190 países tem acesso à plataforma, que disponibiliza filmes, séries e documentários para seus clientes. Há uma grande variedade de títulos. O especialista em oratória criativa, Augusto Uchoa, dá algumas dicas para quem quer ver filmes com a temática sobre Comunicação e Marketing e aprender com esses filmes.

O diabo veste Prada (2006)– o filme com Meryl Streep é ótimo e tem muito mais que o mundo da moda, mostra o preço que ela paga pela ambição. O filme “As 48 leis do poder” explora isso. Você está a fim de pagar o preço pelo sucesso?  O filme coloca na balança qual é o preço pela entrega.

                                                               O diabo veste Prada

 

Obrigada por fumar (2005)– é a história de um lobista que tem um gigantesco poder de argumentação. Ele é porta-voz de uma empresa de tabaco que defende de forma persuasiva os interesses da empresa. A cena que tem os lobistas de alimentos, armas e cigarros jantando, o diálogo entre eles e quem mata mais é um primor. O personagem Nick Naylor usa os argumentos de maneira correta.  Ele usa gatilhos da persuasão de Robert Cialdini, autor de “As armas da persuasão”.

Obrigada por fumar

O discurso do rei (2010)– com tópico sobre comunicação e coaching, tutoria e aprendizado, o filme conta a estória do rei que tinha que discursar para milhares de pessoas e tinha problemas de dicção, o que gerava descrédito. Com a ajuda de um professor de fonoaudiologia, o discurso passou a ter uma nova percepção do público. Então é interessante perceber que quando você começa a falar, as portas se abrem. Não é dom ou sorte. É encontrar a pessoa certa e se expor. É uma grande metáfora para quem está começando a falar.

O discurso do rei

A rede social (2010)– Marc se junta e monta um negócio com um parceiro no quarto de faculdade em Harvard. O filme é interessante para perceber os novos meios de comunicação e a modificação da maneira das pessoas se comunicarem com estratégias já existentes. É uma grande metáfora. Mostra o poderoso impacto das redes sociais nos dias de hoje. A oratória é explorada também no filme.

                                                               A rede social

O advogado do diabo (1997) – o filme tem Al Pacino como diabo. É interessante para questionar ética e ambiente (como ele molda as pessoas) e principalmente, ninguém está isento da coerção que o ambiente exerce sobre nós (o Cisne Negro também explora isso numa visão mais psicológica). Ele está sempre dando opções para o advogado, até com certa falta de ética. Nossos pais faziam isso (é estratégia de oradores antigos). Eles davam as opções em que ambas as escolhas eram interessantes apenas para eles. O ego e a vaidade fazem com que a pessoas troquem tudo: família, amor, etc. Fama e vaidade são os novos likes.

                                                               O advogado do diabo

O lobo de Wall Street (2013) –na opinião de Uchoa, é uma pena o ator Leonardo Di Caprio não ganhar o Oscar, principalmente naquela cena em que ele aparece drogado tentando entrar no carro. O jovem fez fortuna no mercado financeiro, mas ficou preso por lavagem de dinheiro e fraude. Os fins não justificam os meios. Mas qual é a ética e o tribunal do travesseiro por traz disso? Neste mundo conectado vale desconfiar do bom demais para ser verdade, os modelos de pirâmides e as fórmulas de lançamento. O filme acaba com Di Caprio se transformando em guru e ajudando as pessoas. É uma crítica aos gurus de palco.

                                                               O lobo de Wall Street

Steve Jobs (2015) – é uma obra prima que mostra o perfil sociopata dele, mas a paixão que ele tinha pelos produtos que criava. Explora também um pouco de oratória. A maior ênfase é o storytelling, como ele transmitia das ideias dele. Ele não gostava de gente, mas gostava do que estava entregando, e se transformou no garoto propaganda da marca dele, depois de muito treinamento.

Steve Jobs

Fome de Poder (2016) – A história da ascensão do McDonald’s. Após receber uma demanda sem precedentes e notar uma movimentação de consumidores fora do normal, o vendedor de Illinois Ray Kroc (Michael Keaton) adquire uma participação nos negócios da lanchonete dos irmãos Richard e Maurice “Mac” McDonald no sul da Califórnia e, pouco a pouco eliminando os dois da rede, transforma a marca em um gigantesco império alimentício.

Fome de Poder

Fonte: Ad News

O que são ações FANG?

O FANG é o acrônimo para quatro ações de tecnologia de alto desempenho no mercado a partir de 2017 – Facebook, Amazon, Netflix e Google (agora Alphabet, Inc.).

O termo foi cunhado pelo apresentador Mad Mone da CNBC, Jim Cramer .

Ações FANG

O FANG representa as ações de tecnologia mais populares e de melhor desempenho no mercado que geraram retornos espetaculares para seus investidores. As quatro ações – Facebook, Amazon, Netflix e Alphabet – são negociadas no NASDAQ , que mede o desempenho de mais de 3.000 ações de tecnologia e crescimento, consideradas um reflexo da economia e do mercado de capitais.

O S & P 500, que se baseia na capitalização de mercado das 500 maiores ações listadas na NYSE e na NASDAQ, incluindo ações da FANG, é considerado a melhor representação do mercado norte-americano. A partir de 10 de agosto de 2017 – enquanto o Nasdaq 100 subiu 19% e o S & P 500 subiu 8,9%  no acumulado do ano (YTD)  – os FANGs subiram mais de 2x que o segundo. No acumulado do ano, o Facebook (FB) cresceu 45%, a Amazon (AMZN) 27%, a Netflix (NFLX), 36% e a Alphabet’s Google (GOOG), 16%, superando o retorno de ambos os índices.

 

Dentro do índice S & P 500, FB, AMZN, NFLX GOOG e são classificados 4 o , 3 o , 67 o , e 9 o (e 10 o ), respectivamente. (A razão pela qual o Alphabet’s Google tem duas posições é porque a empresa tem duas classes de ações atualmente negociadas nos mercados públicos – GOOG e GOOGL – a diferença é que GOOG não tem direito a voto e GOOGL sim.) Devido a sua alta classificação, as ações FANG têm um impacto maior sobre o valor do índice do que outras empresas. Com efeito, quando eles sobem (ou diminuem), o mercado em geral tende a subir também (ou abaixo), dado que o índice S & P 500 caracteriza o mercado.

Cada uma das ações da Fang são ações de grande capitalização que se concentram em serviços de tecnologia e internet. Eles também são considerados estoques de crescimento devido ao contínuo surgimento de dispositivos tecnológicos como dispositivos de armazenamento em nuvem, big data, mídias sociais e ferramentas de e-commerce. Os relatórios financeiros do relatório trimestral 13-F , exigido de todos os gerentes de investimento com mais de US $ 100 milhões em ativos, revelaram que os gerentes de fundos de hedge mais proeminentes têm FANGs em seus portfólios. As ações foram incluídas como estoques de crescimento e momentum por fundos conceituados como Berkshire, Soros, Renaissance e Citadel no primeiro trimestre de 2017.

Na semana de negociação de cinco dias de 24 a 28 de julho de 2017, três das quatro ações da FANG foram negociadas com seus preços mais altos de todos os tempos. O Facebook atingiu um pico de US $ 175,49, o da Amazon chegou a US $ 1.083,31, o Netflix registrou uma alta recorde de US $ 191,50 e o Google subiu para US $ 988,31.

Uma Bolha de Ações FANG?

Embora os FANG tenham obtido retornos positivos consistentemente, alguns analistas acreditam que essas ações de tecnologia são uma imagem espelhada das ações de tecnologia que apresentaram um impulso semelhante antes do crash das pontocom . Como os investidores precificaram altos níveis de crescimento em cada uma das avaliações de ações, esse crescimento esperado pode ser insustentável. Em junho de 2017, analistas de empresas como Goldman Sachs e UBS afirmaram que as altas avaliações e a baixa volatilidade incomum atribuída a essas ações são semelhantes às ações de tecnologia que caíram após o estouro da bolha tecnológica em 2000.

Apesar das FANGs serem comparados a ações pontocom do final da década de 1990, a maioria dos analistas concorda que o crescimento desses estoques de crescimento é sustentável, desde que haja mais avanços tecnológicos, especialmente em inteligência artificial (IA) e aprendizado de máquina. Embora os investidores possam diversificar seu portfólio de valor com essas ações de crescimento, eles também devem ser diligentes na leitura e compreensão dos fundamentos e métricas por trás da força crescente das ações da FANG.

Fonte: Investopedia

Ações da Alphabet Versus Ações da Amazon.com: Qual é a melhor compra?

Quando se trata da Alphabet Inc (NASDAQ: GOOGL , NASDAQ: GOOG ) e da Amazon.com, Inc. (NASDAQ: AMZN ), há várias semelhanças. Ambas as empresas são titãs da tecnologia. As ações da Amazon têm o segundo maior valor de mercado do mundo; A  ação GOOGL é a terceira..

Mas há muitas diferenças. O mais óbvio é em termos de avaliação. De fato, a escolha agora parece ser crescimento versus valor.

AMZN é uma ação de crescimento clássico – talvez a ação de crescimento final. Ela ainda negocia com ganhos futuros de 85x, uma avaliação incrível para uma empresa que está chegando no 24º aniversário de sua fundação. Em contrapartida, as ações da GOOGL parecem francamente baratas, no consenso EPS 24x 2019, e mais próximas de 22x ao fazer o backout do caixa da empresa.

Apesar da lacuna em múltiplos, há muito tempo tenho sido otimista em AMZN e muito mais cauteloso em GOOGL. Mas, no momento, admito que escolher entre as duas ações da FANG (FANG – Facebook, Amazon, Netflix e Google) é uma escolha difícil.

A incrível corrida da AMZN – a ação subiu quase 75% desde o final de novembro e acumulou mais de US $ 350 bilhões em valor de mercado durante esse período – só aumentaram as preocupações com a avaliação. Enquanto isso, a Alphabet teve um bom desempenho e até agora refutou uma série de preocupações de céticos como eu.

Por enquanto, eu ainda dou uma pequena vantagem ao AMZN no batalha “Google versus Amazon”. Mas neste mercado, admito que os investidores poderiam escolher o GOOGL – ou a estes níveis, talvez nenhum dos dois.

Crescimento

O que é interessante sobre as duas ações é que a lacuna de avaliação parece quase ridícula, considerando os perfis de crescimento mais ou menos semelhantes nos últimos tempos. Em 2017, a Amazon.com aumentou sua receita em impressionantes 31%. As vendas da Alphabet aumentaram 22,8% ano a ano.

Mas se você excluir a aquisição da rede de supermercados Whole Foods pela Amazon, o desempenho das empresas parece quase idêntico. Os números pro forma da Amazon 10-K sugerem que as vendas cresceram 23,1% – apenas três décimos de ponto percentual mais rápido do que a Alphabet. E enquanto a receita operacional do Alphabet subiu 10% em 2017, a Amazon na verdade caiu 2%.

De um ponto de vista puramente fundamental, então, a Alphabet parece ter uma enorme vantagem. É uma receita crescente, tão rápida quanto a Amazon, pelo menos em uma base orgânica. No entanto, seu múltiplo de ganhos futuros, excluindo seu caixa, é um quarto do seu rival. Mas existem razões pelas quais a lacuna faz algum sentido.

Propaganda

Um dos maiores motivos é o negócio de publicidade das respectivas empresas. Para a Alphabet, a publicidade é o negócio. Mais de 86% da receita de 2017 veio de publicidade, por 10-K.

O segmento de “Outras Apostas” da empresa tem alguns negócios interessantes, incluindo a unidade de automóveis autônomos Waymo, avaliada em cerca de US$ 70 bilhões. Mas mesmo esse valor impressionante é menos de um décimo da capitalização de mercado da Alphabet.

E é o negócio de publicidade que causa preocupação. O custo por clique continua subindo, aumentando os medos de redução das margens. A mudança para os aplicativos – tanto em termos de dispositivos móveis quanto no sistema operacional Windows 10 – aumenta o risco de menor demanda de pesquisa.

Enquanto isso, os anunciantes continuam questionando a inserção de anúncios no YouTube, em particular a Cisco Systems, Inc. (NASDAQ: CSCO ) juntamente com a Procter & Gamble Co (NYSE: PG ) e Unilever NV  (NYSE: UL ) em pausa ou reduzir os gastos nessa plataforma .

A Amazon, ao contrário, tem um pequeno negócio de publicidade – pelo menos por enquanto. Mas tem uma oportunidade real de desafiar o Google e o Facebook, Inc.(NASDAQ: FB ) nesse segmento. Adicionar publicidade em vídeo pode contribuir com bilhões de dólares em receita com margens enormes. E por causa do gigantesco alcance da Amazon entre os compradores e seu vasto arsenal de dados de intenção de compra, seu negócio de anúncios aparentemente teria muito menos risco.

Hardware

Uma semelhança interessante na batalha entre o Google e a Amazônia é que ambas as empresas se debateram notavelmente no espaço do hardware. O Fire Phone da Amazon foi um dos maiores erros da companhia. O Google também lutou com seu Pixel, e até mesmo a unidade da Nest parece ter sido uma decepção até o momento. Seu acordo com a HTC não parece resolver a fraqueza de longa duração da Alphabet neste ramo. E nenhuma das duas empresas provou ser uma concorrente valiosa para a Apple Inc. (NASDAQ: AAPL ), particularmente em smartphones.

Qual escolher: Google ou Amazon

Quando se trata de escolher entre ações da AMZN e ações da GOOGL, a preferência do investidor provavelmente é um grande fator. Os investidores em valor podem ver o caixa da Alphabet, o crescimento dos lucros mais atraentes do que a participação de mercado da Amazon e a sua enorme valorização.

Mas o sucesso a longo prazo  de ambas as ações provavelmente terão um aumento nas suas margens. Para a Amazon, o argumento é que as margens irão se expandir em algum momento, uma vez que a empresa pare de investir. Essa expansão pode vir através de aumentos de preços, como o recente aumento nas taxas de assinatura Prime. A Amazon poderia recuar em alguns dos seus atuais esforços que geram prejuízos. Ou pode encontrar novas áreas para rentabilizar, como publicidade.

No entanto, o caso real das ações da AMZN é que as margens estão artificialmente baixas neste momento e, portanto, os investidores não podem se concentrar apenas nos ganhos de 2019.

Para a ação GOOGL, o argumento é invertido. O medo da Alphabet é que suas margens estão próximas ao máximo . Se a demanda de procura por ações cair e os custos de aquisição não, as margens (que se comprimiram modestamente em 2017) cairão. O crescimento do lucro irá desacelerar, se não for revertido em algum momento.

O argumento é que a imensa quantidade de dados da Alphabet, o aumento das capacidades em IA (Inteligência Artificial) e possivelmente o sucesso em “Outras apostas” como Waymo, Verily e Nest serão mais do que suficientes para superar qualquer fraqueza de anúncios, caso venha a ocorrer. Como tal, as preocupações com as margens que enfrentam as ações da GOOGL são tão imediatas quanto aquelas enfrentadas pela AMZN, embora de uma maneira muito diferente.

Forçado a escolher neste momento, eu ainda escolheria a AMZN porque é mais fácil (e mais sábio) possuir um negócio com potencial para expansão de margem em oposição a um que simplesmente tenta proteger sua estrutura existente. Mas, neste ponto, também admito que a batalha do Google contra a Amazônia pode  ser vista por outros investidores de maneira muito diferente.

Autor: Vince Martin
Fonte: Yahoo Finance

Google investe US $ 550 milhões na segunda maior varejista online da China

O Google revelou planos de investir US $ 550 milhões no JD.com – um dos titãs de comércio eletrônico da China. É uma parceria crucial para o Google, que ganha alavancagem no importante mercado consumidor chinês, enquanto envia uma mensagem para concorrentes como a Amazon. Mas isso não quer dizer que o JD.com também não irá colher recompensas do sindicato.

Ao ingressar no Google Shopping, a JD.com – que já tem investimentos da Tencent e Walmart – ampliará seu perfil de forma mais global e conquistará milhões de clientes em potencial no sudeste da Ásia, Europa e Estados Unidos.

Quanto ao Google, a aliança dá à empresa uma vantagem contra os jogadores estabelecidos Alibaba e Amazon . A JD.com é a segunda maior varejista on-line da China e possui experiência em cadeia de suprimentos e logística que o Google pode usar para sua vantagem. O plano subjacente do Google é “acelerar a maneira como os ecossistemas de varejo proporcionam experiências aos consumidores” em escala global, bem como no crescente setor on-line do Sudeste Asiático.

O acordo também continua com a tendência de os produtos do Google se infiltrarem nas fronteiras digitais da China , apesar dos problemas enfrentados por seu mecanismo de busca no passado. Em janeiro, o Google investiu US $ 120 milhões na plataforma de e-Sports Chushou, que está rapidamente se transformando em rival do Twitch.

Fonte: Yahoo Financial