person-holding-blue-ballpoint-pen-on-white-notebook-669610

Como benchmarking pode ajudar a estratégia do seu e-commerce

Você sabe o que é benchmarking e como ele pode ser essencial para auxiliar nas estratégias do seu e-commerce?

Toda empresa precisa desenvolver um planejamento para encontrar as melhores maneiras de atuar no mercado, levando em consideração as características do seu segmento para atingir melhores resultados.

Independentemente do tamanho do seu e-commerce, é preciso conhecer o setor onde você atua e, em especial, as suas concorrentes. 

Quem pensava que só empresas grandes investem em um planejamento e em benchmarking, certamente mudou de opinião ao iniciar o seu próprio negócio. 

Afinal, quando você abre uma loja por exemplo, para a venda de uniforme social, é preciso entender quais são os produtos preferidos, qual a média de preço do mercado e saber quais são as suas principais concorrentes.

Tudo isso pode ser obtido por meio de um benchmarking. Afinal, ao ter um panorama sobre o seu segmento, é possível tomar decisões muito mais assertivas, que certamente trarão resultados positivos para o seu negócio. 

Mesmo para quem atua na internet, o benchmarking é essencial. Isso porque um e-commerce pode ter uma abrangência maior do que um estabelecimento físico que só atua regionalmente, de modo que saber como anda o seu nicho é fundamental. 

Se você quer saber o que é o benchmarking e como ele pode ser utilizado para melhorar os resultados da sua loja virtual, siga na leitura deste artigo. 

O que é benchmarking?

Se você está planejando fazer um benchmarking para a sua empresa de entrega de marmitex, é indispensável saber o que isso quer dizer e qual deles é o tipo mais indicado para o seu negócio. 

A tradução do termo benchmarking é “ponto de referência”. Ele se trata de um estudo onde pesquisas entre empresas do mesmo nicho são feitas com o objetivo de analisar o desempenho dos seus produtos ou serviços em relação aos concorrentes. 

No benchmarking é preciso fazer:

  • Uma análise do seu segmento;
  • Uma interpretação dos processos;
  • Uma avaliação do estabelecimento e dos seus concorrentes;
  • Uma mensuração das informações coletadas. 

Para que o seu estudo traga informações valiosas, é preciso captar esses dados e entender o que eles significam, assim como saber como podem beneficiar a sua empresa. 

Um despachante sp que decide fazer um benchmarking do seu negócio precisa identificar os elementos que impactam no desempenho do estabelecimento.

Com isso, ele pode definir métricas para entender os KPIs (os conhecidos indicadores-chave de performance) de acordo com o seu segmento. 

Ao coletar essas informações, elas poderão ser utilizadas pelo setor de marketing do negócio para o desenvolvimento de frentes que tragam melhores resultados para a empresa, e ajudem na conquista do seu espaço no mercado.

Os tipos de benchmarking e como aplicá-los no seu e-commerce

O benchmarking pode ser elaborado com várias finalidades, dependendo das necessidades do seu e-commerce. 

Conheça alguns dos principais tipos a seguir, de modo a aplicá-lo no seu estabelecimento de acordo com o seu objetivo. 

1 – Benchmarking competitivo

O benchmarking competitivo é elaborado utilizando as concorrentes de um negócio como parâmetro, para entender como os produtos ou serviços de uma empresa estão em relação a outros estabelecimentos do mesmo nicho. 

Eles podem ser feitos com o uso de dados oficiais que são divulgados pelas empresas para o mercado, tal como o faturamento ou os números do crescimento desses negócios. 

Você pode buscar as informações de outros e-commerces que atuam no mesmo segmento que o seu, entendendo se os preços praticados, os prazos de entrega e a qualidade dos produtos estão dentro de uma margem segura e coerente.

2 – Benchmarking genérico

O benchmarking genérico é aquele aplicável em negócios que possuem processos internos parecidos, mas que não são necessariamente de empresas do mesmo segmento. 

Esse pode ser o caso de uma academia de ginástica funcional e de um studio de pilates que, apesar de não serem concorrentes diretos, possuem um modelo de captação de clientes e de desenvolvimento de planos bastante parecidos. 

Com isso, é possível melhorar elementos do atendimento ao público ou de outros processos que precisam ser aprimorados no funcionamento do estabelecimento. 

3 – Benchmarking funcional

A versão funcional do benchmarking tem como objetivo saber quais etapas devem fazer parte de um negócio, independentemente do setor de atuação dele. 

Um e-commerce que venda caixa de papelão grande, por exemplo, precisa ter um site bem desenvolvido, assim como uma parceria com uma transportadora de qualidade, e uma organização financeira eficiente. 

Do mesmo modo, uma loja virtual especializada em roupas para crianças depende das mesmas características para funcionar adequadamente. 

Por isso, o benchmarking funcional pode ser um grande auxílio na estruturação do seu e-commerce. 

4 – Benchmarking interno

O benchmarking interno também pode ser importante para o seu e-commerce. Como em diversos tipos de estabelecimentos, é importante dividir toda a gestão do negócio em setores, para que a coordenação seja mais simples e eficaz. 

Mesmo assim, pode ser que um departamento tenha melhor desempenho do que outro. 

Nesse caso, o benchmarking interno pode ser de suma importância para que você consiga analisar os processos e melhorar os que possuem dificuldades em sua atuação. 

Um exemplo disso pode ser o de uma empresa que oferece curso de brigadista, que precisa contar com um bom atendimento ao cliente, ao mesmo tempo em que precisa de uma equipe de professores qualificada. 

Se o atendimento possui processos mais burocráticos, talvez seja importante saber como o time de professores coordena o seu dia a dia para oferecer a mesma qualidade em ambas as áreas. 

5 – Benchmarking de cooperação

O benchmarking de cooperação pode ser de grande ajuda para duas empresas parceiras, que podem oferecer informações valiosas sobre os seus processos internos, para contribuir uma com a outra. 

Um e-commerce que possua um atendimento ao cliente eficiente, que consegue solucionar e prestar assistência para os seus compradores de modo prático, pode fazer uma parceria com uma loja virtual que tenha um desempenho invejável nas suas vendas.

Dessa maneira, é possível fazer um estudo minucioso sobre essas áreas em cada um dos negócios, e entender quais aspectos precisam ser mudados ou reestruturados para garantir o sucesso desses e-commerces. 

Elas podem também analisar em conjunto alguns casos, como o de uma empresa especializada na venda de manta asfáltica aluminizada, para que outros elementos de sucesso possam ser incorporados nas suas estratégias. 

Você pode utilizar o tipo de benchmarking que for mais conveniente de acordo com o momento da sua loja virtual, colhendo os resultados mais apropriados para transformar a sua atuação e conseguir melhorias internas eficazes.

A importância do benchmarking para um e-commerce

O benchmarking é um estudo que tem como objetivo a comparação entre um ou mais negócios, e que pode servir como uma base para que um e-commerce cresça e atinja o posicionamento desejado mais rapidamente.

O bom desempenho da concorrência pode ser o propulsor de uma loja virtual, principalmente quando um empresário percebe que ele possui qualidades suficientes para garantir uma boa fatia do mercado. 

Muitas vezes, são pequenos detalhes que precisam de ajustes e, ao serem modificados, os resultados em termos de venda e de fidelização de clientes se tornam mais visíveis. 

O benchmarking, nesse sentido, pode ser muito mais do que um estudo do seu mercado. Ele pode ser aplicado para estimular o crescimento de um negócio, por meio da obtenção de insights obtidos na análise minuciosa dos seus concorrentes.

Vale lembrar que todos os processos aplicados em um estabelecimento concorrente podem não ser os mais indicados para a sua empresa. 

Por isso, eles devem ser estudados e aprimorados para trazer maior efetividade para o seu e-commerce.

Além disso, se você tem uma loja virtual especializada em sat fiscal, e fez um estudo para trazer melhores resultados para as suas vendas, você precisa analisar esse material e encontrar os pontos que devem ser aprimorados no seu negócio.

Isso também não quer dizer que, ao encontrar uma falha dentro de um processo interno do seu e-commerce, você precise remodelar todo o negócio, assim como ao identificar possíveis erros, você deve fazer ajustes graduais. 

Mudanças bruscas podem trazer impactos negativos para o negócio, além de fazer com que ele perca traços da sua identidade. Esses elementos podem influenciar também nas suas vendas, e até mesmo deixar os seus clientes confusos.

Sendo assim, antes de aplicar todos os pontos coletados no seu benchmarking, analise, mensure e faça adaptações coerentes na sua empresa. Dessa maneira, é possível colher vários benefícios. 

Considerações finais 

O benchmarking pode ser a ferramenta que falta para que o seu e-commerce consiga o desempenho desejado e, com isso, maior sucesso na sua atuação. 

Sendo assim, é indispensável escolher o tipo mais indicado para o seu negócio e, com isso fazer os ajustes necessários no seu funcionamento. 

Além de aprimorar áreas que precisavam de uma remodelagem, também é possível conhecer as práticas que trazem bons resultados para as suas concorrentes, e aprender com elas informações valiosas. 

Por isso, considere fazer um benchmarking para o seu e-commerce o quanto antes, conseguindo assim atingir suas expectativas e um bom posicionamento no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

brand-voice

Saiba o que é Brand Voice e a importância para seu e-commerce

A revolução proporcionada pela internet modificou várias relações na sociedade, especialmente as de compra. Hoje, ao invés de procurar em lojas físicas, muitas pessoas buscam um e-commerce que atenda às suas necessidades, para a realização de compras online – sem nem precisar sair de casa.

Contudo, os comércios eletrônicos também precisam ter atenção nas estratégias de marketing usadas em trabalhos de divulgação. 

Afinal de contas, mesmo pela internet, o contato com os clientes é fundamental, sendo necessário pensar em formas de fidelização do público e reconhecimento da marca.

É aí que surge o Brand Voice, um conceito que pode ser usado em todas as estratégias de marketing digital e para qualquer e-commerce, desde uma loja virtual de roupas, até em um site de uma clínica veterinária popular.

Quer saber o que é Brand Voice e a importância para seu e-commerce? Então acompanhe o artigo de hoje!

O que é Brand Voice?

Em português, “Brand Voice” quer dizer “Voz da Marca”. O conceito refere-se a um conjunto de esforços direcionados a encontrar o tom de voz mais adequado para representar a sua empresa. 

Dessa maneira, é possível estabelecer uma relação fiel e duradoura com os clientes.

Como exemplo, podemos pensar na identidade visual da organização. Ela é usada para criar uma proximidade com o público, fazendo com que as pessoas possam encontrar facilmente a sua marca e ter um destaque perante à concorrência.

Ou seja, é a maneira para definir o tom de voz correto para se comunicar com a audiência, fortalecendo a relação entre a empresa e o consumidor.

O Brand Voice também é aplicado ao Marketing de Conteúdo, pois ele define a forma como os textos serão escritos. 

A intenção, nesse sentido, é aumentar o engajamento com o usuário e transmitir os valores de maneira natural.

Por exemplo, ao produzir um banner preço diferenciado para a promoção de um produto do seu e-commerce, é preciso adotar um tom de voz adequado, que estabeleça uma relação com o público.

Toda essa ação do Brand Voice contribui para a fidelização dos clientes, pois eles passam a compreender melhor o comportamento da sua marca e, como consequência, se identificam com o tipo de comunicação.

Por conta disso, adotar uma linguagem bem definida é a melhor maneira de mostrar a personalidade da sua marca nos canais de comunicação, ajudando a audiência a conhecer melhor seus valores, ideais e objetivos.

Com um planejamento apropriado do Brand Voice, o seu e-commerce aumenta as chances de convencer os clientes, que passam a confiar na empresa, influenciando positivamente nas vendas.

Importante dizer que, caso a voz da marca não seja respeitada, o e-commerce corre risco de transmitir mensagens incoerentes e, assim, perder clientes. 

Ou seja, o resultado esperado é totalmente ao contrário, por isso, a necessidade de cuidar da linguagem, dos termos empregados e do nível de formalidade.

3 vantagens do Brand Voice para o seu e-commerce

O Brand Voice é a alma da comunicação dos negócios. A sua empresa pode conseguir boas vendas de uma bateria de caminhão, por exemplo, se adotar uma voz que se comunica com eficiência com o público-alvo.

Mas, além das boas probabilidades de venda, há outras vantagens em adotar o Brand Voice, tais como:

1 – Destaque da marca no mercado

Hoje em dia, é possível encontrar uma série de ferramentas online, além de estratégias que possibilitam a divulgação de produtos e serviços na internet. 

No entanto, fica cada vez mais difícil se destacar dentro de um mercado cada vez mais exigente, competitivo e concorrido.

Pesquisas na área de marketing digital mostram que o fortalecimento e reconhecimento da marca, ao lado da geração de engajamento, são os principais objetivos de quem deseja se destacar no mundo online.

Assim, com a aplicação correta de um Brand Voice, é possível se destacar no ambiente digital, já que o e-commerce pode mostrar uma comunicação própria e exclusiva. 

O resultado é um estilo que se assemelha à linguagem do público e, com isso, promove o engajamento da audiência.

2 – Aproximação com os clientes

Imagine a seguinte situação: o seu e-commerce precisa vender uma transpaleteira. Contudo, esse é um equipamento muito específico, voltado para um perfil de clientes altamente segmentado. 

Por isso, é necessário ter uma campanha de marketing que “fale a mesma língua” dos consumidores.

Com o Brand Voice, além de adotar um tom mais adequado ao público, a tonalidade faz com que o consumidor tenha mais confiança na sua marca, gerando uma aproximação maior e um relacionamento mais saudável, o que resulta na fidelização dos clientes.

Afinal de contas, as pessoas se sentem mais confortáveis ao confiar seus recursos em uma empresa que compartilha dos mesmo valores, ideais e objetivos.

3 – Assertividade na comunicação com clientes

A maneira como a empresa se comunica com os seus clientes é um fator cada vez mais importante nas estratégias de marketing. 

Não adianta produzir um artigo altamente informativo, se a linguagem adotada não é dirigida ao público-alvo.

Assim, ao adotar um tom de voz, pode-se ter mais assertividade nas campanhas de marketing e nas vendas do seu e-commerce.

Por exemplo, se a audiência interessada no seu serviço de laudo veicular é formada por pessoas mais velhas, é interessante optar por um tom mais sério e formal, ao invés de uma linguagem despojada.

Dessa forma, ao estabelecer um tom de voz para a marca, a estratégia de comunicação é mais eficiente, sendo possível ter resultados ainda mais positivos e alcançar, muito mais facilmente, os objetivos estipulados.

Como criar um Brand Voice para o seu e-commerce

Agora que já sabemos o que é um Brand Voice e qual é a importância de adotar uma tonalidade correta para a sua marca, está na hora de saber como aplicar essa técnica na prática de divulgação do seu e-commerce.

Vale destacar que o Brand Voice é válido para todo o tipo de negócio, seja para uma loja que venda filtro de carvão ativado, ou qualquer outro empreendimento. Confira abaixo!

1 – Conheça o seu público-alvo

O primeiro passo para elaborar uma estratégia de Brand Voice é, justamente, conhecer quem são os seus clientes. Para isso, é necessário fazer uma pesquisa de público-alvo, destacando as principais características da audiência:

  • Faixa etária;
  • Gênero;
  • Nível socioeconômico;
  • Grau de escolaridade;
  • Hobbies e interesses.

A partir desses aspectos, é possível conhecer melhor seus clientes e saber como orientar a tonalidade certa. 

Afinal, não adianta nada usar uma linguagem formal para divulgar um adesivo jateado, se a maior parte dos seus clientes é formada por jovens.

2 – Escolha os canais de comunicação adequados

Além de conhecer seus clientes, é preciso saber onde eles estão. Já que as campanhas e ações de marketing devem ser anunciadas nos canais de comunicação certos, para atingir justamente o público-alvo.

3 – Tenha uma tabela para definir o tom de voz

Uma dica muito importante para não errar no tom de voz é escolher o estilo de linguagem da sua marca. 

Por exemplo, você pode pensar em três palavras que representam o seu e-commerce e completar a tabela com o que fazer e o que não fazer. Isso te ajuda a ter uma referência melhor nas mãos.

Em uma propaganda de venda de uma urna de acrílico, vale a pena conferir quais palavras podem ser usadas para definir melhor os valores da empresa.

4 – Adote uma linguagem mais humana

As pessoas querem se conectar com as empresas, não somente serem bombardeadas por anúncios invasivos e sensacionalistas. Por isso, é interessante pensar que a marca também tem sentimentos, valores e comportamentos.

Isso irá refletir na forma como o usuário vê a sua empresa, pois ele passa a se identificar e se reconhecer nessas características. 

Com isso, há uma humanização do conteúdo, capaz de humanizar e aproximar o público do seu e-commerce.

Para isso, vale a pena criar um “rosto” para a empresa. 

Quer dizer, imagine um personagem com nome e características reais para atender os clientes. Dessa maneira, fica mais fácil conquistar a confiança da audiência e fidelizar os consumidores.

Conclusão

O Brand Voice é o coração e a alma da comunicação da sua empresa. 

A tonalidade vai além de palavras e frases específicas, mas diz respeito à forma como o seu negócio se comunica com o público, como ocorre a transmissão de valores e o compartilhamento de objetivos com a audiência.

Por esse motivo, é importante pensar que a sua empresa tem uma personalidade, para humanizar as mensagens que são repassadas e transmitidas ao público. 

Tudo isso pode fazer com que as pessoas se apaixonem e se aproximem da marca.

Afinal, os consumidores não somente adquirem algo somente por necessidade, eles também compram pela conexão a nível emocional. Daí a importância de saber como, quando e onde falar.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa

O que é Marketing Digital? Um resumo visual

Conheça a Estratégia Auris 4.0 empregada em centenas de clientes

Recentemente publicamos um artigo sobre as tendências de marketing digital  que mostra as últimas inovações usadas lá fora e que podem ser aplicadas ao mercado brasileiro. Mas voltamos ao básico para definir o marketing digital. Isso é importante, pois para algumas empresas, em especial os comerciantes ou proprietários de empresas mais tradicionais, o termo “digital” é simplista para significar “nosso site” ou “nossa página no Facebook”. Esse pensamento limita o escopo e a oportunidade do que é gerenciado e significa que as atividades que devem ser gerenciadas podem ser perdidas.

Tipos de marketing digital

Eu prefiro usar a terminologia “canais de marketing digital” em vez de “tipos”, pois cada canal usado para alcançar clientes em potencial pode ser complexo, dependendo do nível de integração e das táticas aplicadas em sua estratégia de marketing digital e campanhas.

Nossa Estratégia Auris 4.0, mapeia a jornada do cliente on-line em todos os pontos de contato em potencial, mostrando a escala e a oportunidade que o marketing digital oferece – mais do que apenas “um site” ou “uma página no Facebook”.

Jornada do cliente.

Jornada do cliente.

Os 5Ds do Marketing Digital

Para você entender a importância do marketing digital para o futuro do marketing em qualquer negócio, é útil pensar em quais interações do público precisamos entender e gerenciar. Hoje, o marketing digital envolve muitos mais tipos de interação do público-alvo do que website ou email … Envolve gerenciar e aproveitar esses ‘5Ds de Digital’. Eles definem as oportunidades epara os consumidores interagirem com as marcas e para as empresas alcançarem e aprenderem com seus públicos de diferentes maneiras:

  1. Dispositivos digitais – o público experimenta marcas à medida que interage com sites comerciais e aplicativos móveis, normalmente por meio de uma combinação de dispositivos conectados, incluindo smartphones, tablets, computadores de mesa, TVs e dispositivos de jogos.
  2. Plataformas digitais – a maioria das interações nesses dispositivos é feita por meio de um navegador ou aplicativos das principais plataformas ou serviços, como Facebook (e Instagram), Google (e YouTube), Twitter e LinkedIn.
  3. Mídia digital – diferentes canais de comunicação pagos, próprios e ganhos para alcançar e envolver públicos, incluindo publicidade, email e mensagens, mecanismos de pesquisa e redes sociais.
  4. Dados digitais – o insight que as empresas coletam sobre seus perfis de público e suas interações com as empresas, que agora precisam ser protegidas por lei na maioria dos países.
  5. Tecnologia digital – a tecnologia de marketing ou pilha martech usada pelas empresas para criar experiências interativas de sites e aplicativos móveis a quiosques e lojas de email na loja.

Definindo Marketing Digital

O uso da Internet e de outras mídias e tecnologias digitais para apoiar o “marketing moderno” deu origem a uma gama desconcertante de rótulos e jargões criados por acadêmicos e profissionais. Foi chamado de marketing digital, marketing na Internet, marketing eletrônico e marketing na web e esses termos alternativos variaram ao longo do tempo … como mostra esse gráfico de 2014 a 2020 do Google Trends.

Google Trends.

Google Trends.

Você pode ver que o marketing digital é o termo usado com mais frequência hoje, como podemos ver nessas definições de marketing digital, portanto é o termo em que focamos. Como seria de esperar, a demanda por habilidades de marketing digital também está em ascensão, como mostram esses dados do recente relatório de tendências de contratação de marketing da Mckinley.

Devido ao recente debate sobre o uso do termo “marketing digital”, pensamos que seria útil definir exatamente o que significa digital. As definições são importantes? Acreditamos que sim, uma vez que particularmente dentro de uma organização ou entre uma empresa e seus clientes, precisamos de clareza para apoiar as metas e atividades que dão suporte à Transformação Digital. Como veremos, muitas das outras definições são enganosas.

Resumindo em sua forma mais simples, o marketing digital é definido no livro Digital Marketing: Strategy, Implementation and Practice da seguinte maneira:

“Atingir objetivos de marketing através da aplicação de tecnologias e mídias digitais.”

Amplio essa definição de marketing digital para explicar que, na prática, o marketing digital inclui o gerenciamento de diferentes formas de presenças on-line da empresa, como sites da empresa, aplicativos móveis e páginas da empresa de mídia social. Isso ocorre em conjunto com as técnicas de comunicação on-line, incluindo marketing de mecanismos de pesquisa, marketing de mídia social, publicidade on-line, marketing por e-mail e acordos de parceria com outros sites.

Essas técnicas são usadas para apoiar os objetivos de adquirir novos clientes e fornecer serviços aos clientes existentes que ajudam a desenvolver o relacionamento por meio de CRM e automação de marketing. No entanto, para que o marketing digital seja bem-sucedido, ainda é necessário integrar essas técnicas às mídias tradicionais, como impressão, TV e mala direta, como parte das comunicações de marketing multicanal.

Se observarmos essas outras definições de marketing digital, como a definição de marketing digital da Wikipedia, podemos ver que geralmente há um foco na promoção de produtos e serviços usando mídia digital, em vez de uma definição mais holística, cobrindo as experiências dos clientes, o desenvolvimento de relacionamentos e enfatizando a importância da integração multicanal. Portanto, para nós, o escopo do termo deve incluir atividades em todo o ciclo de vida do cliente:

  • Mídia digital e canais de comunicação.
  • Experiências digitais e móveis, como web design e aplicativos móveis.
  • Gerenciamento de prospects e relacionamento com clientes através da automação de marketing.
  • Estratégia digital e integração de comunicações e experiências multicanais.
  • Tecnologias e plataformas digitais para gerenciar todas as atividades de marketing digital.

O papel das plataformas digitais no suporte ao marketing multicanal integrado é um componente importante do marketing digital, mas muitas vezes é ignorado. De várias maneiras, isso destaca a importância de dividir os silos entre os departamentos de marketing “digital” e “tradicional”. Os canais on-line também podem ser gerenciados para dar suporte a todo o processo de compra, da pré-venda à venda e pós-venda, além do desenvolvimento do relacionamento com os clientes.

Definindo Marketing

É importante lembrar que, apenas porque o marketing digital usa técnicas de comunicação diferentes do marketing tradicional, seus objetivos finais não são diferentes dos objetivos que o marketing sempre teve. Pode ser fácil definir objetivos para o marketing digital com base em “métricas de vaidade“, como o número de “curtidas” ou seguidores, por isso é útil ter em mente essa definição de marketing avançada pelo Chartered Institute of Marketing:

“O marketing é o processo de gerenciamento responsável por identificar, antecipar e satisfazer com rentabilidade os requisitos do cliente”.

Essa definição enfatiza o foco do marketing no cliente e, ao mesmo tempo, implica a necessidade de vincular-se a outras operações de negócios para alcançar essa lucratividade. No entanto, é uma definição fraca em relação ao marketing digital, pois não enfatiza as comunicações que são tão importantes para o marketing digital. Podemos observar que o marketing digital pode ser usado para apoiar esses objetivos da seguinte maneira:

  • Identificação – a Internet pode ser usada para pesquisas de marketing para descobrir as necessidades e desejos dos clientes.
  • Antecipar – a Internet fornece um canal adicional pelo qual os clientes podem acessar informações e fazer compras – avaliar essa demanda é essencial para governar a alocação de recursos.
  • Satisfação – um fator chave de sucesso no marketing digital é alcançar a satisfação do cliente por meio do canal digital, o que levanta questões como: o site é fácil de usar, o desempenho é adequado, qual é o padrão do serviço ao cliente associado e como os produtos físicos são despachados ?

Otimizar o marketing digital pode ser complicado, e uma definição simples não se traduz necessariamente em algo que seja útil para alcançar os objetivos de negócios. É aí que entra a Estratégia Auris 4.0, pois pode ajudar a dividir o marketing digital em áreas mais fáceis de gerenciar que podem ser planejadas, gerenciadas e otimizadas.

Nossa definição gráfica resumida do escopo do marketing digital

Para responder à pergunta ‘O que é marketing digital?’, Reunimos essa nova definição visual que resume todas as atividades que formam o marketing digital que precisam ser gerenciadas na Estratégia Auris 4.0. Explicamos as melhores práticas para tudo isso em nosso curso “O Mestre do Marketing”. O infográfico é dividido em atividades para desenvolver e gerenciar a estratégia digital na parte superior das atividades de marketing na parte inferior.

Estratégia Auris 4.0.

Estratégia Auris 4.0.

Conclusão

Portanto, o marketing digital é sobre a utilização da tecnologia digital para alcançar os objetivos de marketing. Não há necessidade essencial de o marketing digital estar sempre separado do departamento de marketing como um todo, pois os objetivos de ambos são os mesmos. No entanto, por enquanto, continua sendo um termo útil, pois o marketing digital requer um certo conjunto de habilidades para utilizar a tecnologia digital de maneira eficaz.

 

André Cardia
Especialista em Marketing Digital