newsletter-4308826_1280

Como uma newsletter pode ajudar a estratégia do seu e-commerce

A newsletter tornou-se um dos principais recursos para uma marca se comunicarem com seu público. E apesar de ser enviada por e-mail, ela não é a mesma coisa que um e-mail marketing.

Essa comunicação feita pela internet é muito importante para qualquer tipo de negócio, mas principalmente para as plataformas e-commerce, uma vez que elas dependem dessa conexão virtual para venderem seus produtos e serviços.

É um modelo de negócio eletrônico que realiza todo processo de compra e venda pela internet, assim, nada melhor do que usar os canais disponibilizados pela própria web para falar com clientes e potenciais clientes.

Para isso existem diversos recursos, mas o e-mail continua sendo um dos principais, afinal, ele é mais pessoal e permite a veiculação de muitos conteúdos, inclusive a newsletter.

Só que para trabalhar essas ações da maneira mais assertiva, é preciso conhecê-las e saber diferenciá-las para usar nos momentos mais adequados e para as finalidades mais apropriadas.

Pensando nisso, neste artigo, vamos falar sobre o que é e-mail marketing e newsletter, a diferença entre eles e sua importância para as plataformas e-commerce. Acompanhe!

O que é e-mail marketing?

E-mail marketing é uma estratégia baseada no disparo de e-mails para um determinado público, proveniente de uma lista de contatos selecionada, fruto de outras estratégias.

Seu objetivo é estabelecer a comunicação entre empresa e consumidor. Esse disparo é feito a partir da segmentação de contatos, juntamente com ferramentas de automação, que permitem personalizar as mensagens.

Uma loja on-line de materiais de construção, que venda forro de gesso para quarto pode usar essa estratégia para:

  • Ofertar produtos;
  • Avisar sobre promoções;
  • Confirmar uma compra;
  • Informar envio de um pedido;
  • Entre outros.

Esses são os usos mais comuns dessa estratégia, mas ela pode ser aplicada a outras finalidades, dependendo da necessidade da empresa.

O que é newsletter?

Já que ela pode ser veiculada pelo e-mail, e também é uma estratégia importante para o Marketing Digital, é indispensável que as plataformas e-commerce saibam que newsletter também pode ser conhecida como “boletim informativo”.

Trata-se de uma publicação fixa de empresas para clientes e potenciais clientes, e possui certa periodicidade como uma revista, com linha editorial, linha visual etc.

Por conta disso, ela costuma ser confundida com e-mail marketing, só que é muito mais focada em produção de conteúdos do que vendas.

Portanto, uma auto escola que use a newsletter para falar sobre aulas de volante e outros assuntos relacionados ao seu nicho, não tem a intenção de usar essa estratégia como uma mala direta para promover suas promoções e novidades.   

Outro fator que destaca suas características, é que a newsletter não chega para pessoas aleatórias, mas para pessoas que aceitaram receber esse material, por meio do preenchimento de um formulário on-line.

Diferenças entre newsletter e e-mail marketing

Enquanto a newsletter é focada em um grupo seleto de pessoas que optaram por recebê-la, transmite as principais notícias de um mercado ou marca específicos e é mais voltada para a promoção de conteúdos, o e-mail marketing é voltado para outros objetivos.

Ele pode veicular uma newsletter, por exemplo, mas também pode exercer muitas outras funções. 

Além disso, atende a um número maior de pessoas, pois nem todo mundo que deseja receber e-mails de loja on-line de criolipolise braço opta por também receber sua newsletter.

Por exemplo, as plataformas de venda precisam confirmar todo o processo de compra de um cliente, para que ele saiba como está o andamento. Então, um e-commerce vai usar o e-mail marketing para:

  • Confirmar a compra;
  • Confirmar o pagamento;
  • Confirmar a preparação do pedido;
  • Confirmar o envio do produto;
  • Informar código de rastreio.

Essas informações nada têm a ver com uma newsletter, pois são apenas confirmações do processo de compra de um cliente.

Portanto, podemos dizer que a principal diferença entre essas duas modalidades é que a newsletter tem a função apenas de informar, enquanto o e-mail marketing pode veicular vários tipos de conteúdos, com objetivos diferentes.

De qualquer forma, os dois são importantes para as plataformas e-commerce e veremos mais sobre isso nos tópicos a seguir.

Importância do e-mail marketing para o e-commerce

Essas plataformas podem vender qualquer coisa, desde espirômetro de incentivo até roupas para cachorro, e dependem única e exclusivamente da internet para fazer isso. 

Só que um e-commerce também depende da internet para suas estratégias, como o e-mail.

Para os negócios eletrônicos, o e-mail marketing traz vantagens que explicam a sua importância, tais como:

1 – Mantém uma estratégia de nutrição de leads

Para o e-commerce, essa ação é vista como um meio de a loja on-line manter um relacionamento próximo com seu cliente.

A jornada de compra é dividida em diferentes etapas, onde a necessidade de conhecimento por parte do consumidor vai se alterando.

Por isso, as lojas on-line podem usar o e-mail marketing para nutrir seus leads por meio de conteúdos adequados, de acordo com os dados que elas obtêm deles.

Lembrando que essa comunicação deve ter uma frequência sem exageros e sem muita ausência, sempre focada em lançamentos, promoções, dicas e outros conteúdos do tipo.

2 – Ajuda a fidelizar clientes

Independentemente do mercado de atuação de uma plataforma e-commerce, seja para serviços de conserto de persianas externas ou vendas de peças automotivas, é muito importante saber reter os clientes.

Atrair novos compradores é muito bom, afinal, é isso o que melhora o conhecimento da marca por parte do público.

Mas a fidelização é ainda mais importante, porque ela torna a receita da loja on-line mais segura, e essas pessoas podem trazer outros compradores para a loja.

Com o e-mail marketing para e-commerce, é possível alcançar essa fidelidade. 

Mas isso vai depender de um bom contato com o cliente, mostrando que a marca sempre estará presente quando ele precisar.

3 – Aumenta as vendas

O e-mail marketing é muito poderoso para aumentar as vendas. 

Isso porque toda vez que o consumidor abrir o seu e-mail, ele vai se lembrar da loja on-line que vende o que ele precisa.

Mesmo se ele digitar “escolas perto de mim” no Google, pode visualizar algum tipo de anúncio de uma loja, por conta do contato frequente que ele mantém com essa empresa.

Esses e-mails também aumentam a taxa de visitas no site, por meio de ações como a construção de links para suas páginas, não importando qual seja a finalidade.

Importância da newsletter para o e-commerce  

Assim como o e-mail marketing é importante para uma marca por diversos motivos, a newsletter também é. E dentre as principais razões, podemos citar:

1 – Cria e fortalece a relação com o público

Quando uma plataforma e-commerce investe no envio constante de newsletter, seja uma loja de bactericida ar condicionado central ou qualquer outra, fortalece a relação que tem com seus clientes.

Essa estratégia obedece às necessidades de manter um contato constante com os consumidores e potenciais clientes, pois isso, gera e aumenta o interesse nos produtos e serviços, evoluindo a marca e melhorando a percepção do público quanto a ela.

2 – Demonstra conhecimento

Pelo fato de a newsletter não se tratar de promoções e anúncios, abordando assuntos relevantes, ela consegue transparecer o conhecimento que a marca tem a respeito daquilo que faz.

No caso, pode mostrar que uma plataforma on-line de aluguel de retroescavadeira possui bons conhecimentos a respeito dos equipamentos, tornando o público mais confiante para fazer negócio.

3 – Excelente custo-benefício

Trata-se de um recurso que traz excelentes resultados com um investimento baixo, se comparado aos custos de outras práticas.

4 – Otimiza resultados

Assim como qualquer outra estratégia de Marketing Digital, é preciso que o e-commerce também analise os resultados, para saber se os objetivos estão sendo atingidos.

Dessa forma, é possível perceber o que pode ser melhorado ou o que deve ser mantido.

Para analisar e medir, é importante verificar a taxa de abertura dos e-mails, taxa de cliques na newsletter, taxa de inscrições canceladas, entre outros.

Conclusão

A comunicação sempre foi importante para as pessoas e as empresas. 

Somente por meio dela, é possível tomar conhecimento sobre marcas, produtos e serviços. E a internet é o principal canal de comunicação hoje em dia.

Por isso, é necessário que todos os tipos de negócio estejam atentos às possibilidades de comunicação com o público-alvo que a internet oferece, principalmente as plataformas e-commerce.

Isso porque elas dependem da internet para vender seus produtos e serviços, e dessa forma, este é o ambiente que elas têm para atrair e converter o seu público em clientes.

Para isso, ela pode usar o e-mail marketing para se comunicar sobre diversos assuntos e utilidades, e também usar a newsletter para informar o seu público e se tornar uma referência em seu mercado de atuação.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Marketing de Conteúdo para empreendedores de e-commerce

Você já conhece o valor do Marketing de Conteúdo para os empreendedores que atuam com um e-commerce? Ele pode ser essencial para o sucesso da loja virtual, conquistando clientes de maneira eficaz e duradoura.

Que o marketing digital se tornou um elemento fundamental para o crescimento de qualquer empresa na internet, disso ninguém duvida. 

Promover o estabelecimento e o que ele faz é parte integrante de quem reconhece que a tecnologia já faz parte do dia a dia das pessoas. 

Isso quer dizer que um nutricionista esportivo sp zona sul que tenha por objetivo conquistar pacientes no mundo virtual precisará investir em ações totalmente voltadas para o público-alvo que procura pelos seus serviços online. 

Assim, ele precisará colocar em prática uma série de ações, que podem ir desde a criação de um site próprio, até o uso das redes sociais, tanto de modo orgânico quanto patrocinado. 

Mas esse é apenas o primeiro passo. Afinal, ainda existem várias outras possibilidades.

Uma delas, que pode ser diretamente responsável pelo desenvolvimento adequado do seu negócio, é o marketing de conteúdo. 

Independentemente do setor em que se atua, utilizar estratégias voltadas para a divulgação de materiais interessantes para o seu público pode ser uma ótima maneira de conquistar a atenção dele e de garantir o seu espaço no mercado.

Sendo assim, se você é empreendedor e quer saber como aplicar o marketing de conteúdo no seu e-commerce, siga na leitura deste artigo e entenda a importância dessa ferramenta para o seu negócio e onde utilizá-lo com maior eficiência.

O que é o Marketing de Conteúdo?

Uma pessoa que deseja investir na decoração da sua casa pode querer conhecer possibilidades para otimizar a aparência da sala de estar. 

Para isso, ela procurará opções na internet, encontrando um conteúdo sobre a aplicação de teto de gesso flutuante.

Isso só é possível porque, certamente, o proprietário do estabelecimento percebeu que, para impactar os seus potenciais clientes de modo mais assertivo, ele precisava fornecer informações a respeito do que ele faz. 

Ou seja, para que o cliente consiga entender que ele precisa adquirir algo, muitas vezes é necessário que a empresa encontre meios de comunicar isso a ele, educando-o. 

Essa pode ser uma das principais atribuições do marketing de conteúdo, que tem como funções:

  • Levar conhecimentos relevantes;
  • Tornar um tema acessível para os leitores;
  • Aumentar a visibilidade da marca;
  • Captar e fidelizar clientes;
  • Possibilitar a interação da empresa com seu público;
  • Entre outros.

Como é possível perceber, o marketing de conteúdo é de grande importância para um e-commerce por vários motivos. Entendê-los melhor pode ajudar você a compreender a necessidade dessa estratégia para a sua loja virtual.

1. Levar conhecimento relevante para o público

Uma das melhores maneiras que uma empresa possui para falar com o seu público é por meio da divulgação de conteúdos relevantes. 

Se o potencial cliente de uma academia precisa iniciar uma atividade física, mas não se identifica com a musculação, ele pode compreender os benefícios de uma aula de dança contemporânea ao ser impactada por um artigo disponível no blog do estabelecimento.

Assim, aquele conhecimento pode ser transmitido para os leitores, de modo que ele se interesse pelo que é oferecido no local. 

O mesmo deve ser feito no e-commerce, já que um produto anunciado ali pode ser o ideal para suprir a necessidade de um cliente.

2. Tornar um tema acessível para os leitores

Como o marketing de conteúdo tem por objetivo produzir materiais que eduquem o público, ele pode ser indispensável para tornar um determinado assunto mais acessível para os leitores. 

Ou seja, um médico que precise falar sobre um procedimento de criolipolise no braço pode facilmente produzir um vídeo explicando como funciona o método e quais são as indicações e benefícios para quem o faz, tornando o tema acessível para os seus clientes. 

3. Aumentar a visibilidade da marca

Para que um e-commerce cresça na internet, ele precisará apostar em ações de marketing digital para conquistar uma boa visibilidade no mundo virtual. 

Nesse sentido, quando se produz materiais variados, como artigos, vídeos ou ebooks, a marca se torna mais conhecida e visível para o seu público, já que uma pesquisa nos buscadores pode trazer como resultado a página da empresa.

Por isso, torna-se essencial desenvolver conteúdos que possam ajudar o público a encontrar o seu negócio na internet, aumentando a visibilidade do e-commerce. 

4. Captar e fidelizar clientes

O marketing de conteúdo também é eficaz para captação e fidelização dos clientes, levando em consideração que eles podem buscar o que é oferecido no seu e-commerce por meio de uma pesquisa na internet. 

Um exemplo disso pode ser o de uma pessoa que quer saber qual é o preço de aulas particulares de direção, e utiliza o Google para entender qual o valor desse serviço. 

Nesse momento, ela poderá ser impactada por um conteúdo que traga os dados sobre o assunto, dentro do blog de uma autoescola. 

Com isso, encontrará o telefone de contato do estabelecimento na página e poderá ligar para obter informações e agendar aulas. 

O mesmo ocorre com um e-commerce. Se ele oferece um artigo que explique sobre um dos produtos que está anunciado na loja virtual, a probabilidade de captar clientes é maior, e a produção contínua de novos materiais pode ser responsável pela fidelização deles. 

5. Possibilitar a interação da empresa com o público

Como empresário, certamente você já se perguntou como interagir de modo fácil com o seu público. E a resposta é simples: por meio do marketing de conteúdo.

Ao disponibilizar um conteúdo que explica o processo de confecção de um vinho tinto suave doce oferecido pelo e-commerce, você estabelece um contato mais próximo com os leitores dos seus materiais. 

Além disso, você ainda poderá abrir um campo de comentários, para que os seus clientes enviem perguntas sobre o tema abordado, ou pedir para eles comentarem nas suas postagens das redes sociais sobre o que acharam do conteúdo. 

Isso ajuda na identificação do que deve ser tratado no blog do seu e-commerce e nas plataformas de interação social. 

O marketing de conteúdo é de grande importância para os empreendedores que atuam com lojas virtuais e que desejam atingir um bom posicionamento da sua marca, ao mesmo tempo em que conquistam cada vez mais clientes para o seu negócio. 

Como e onde aplicar o Marketing de Conteúdo?

Conhecer as razões pelas quais você deve investir em marketing de conteúdo é fundamental para que você aplique essa ferramenta o quanto antes, atingindo o sucesso da sua empresa. 

Mas quais são os melhores canais para divulgar os seus materiais e assim fortalecer o seu e-commerce perante o público? Há diversas possibilidades, como veremos a seguir. 

1. Marketing de conteúdo para blog

Se você tem um e-commerce especializado na venda de espirometro portatil, uma ideia valiosa de produzir conteúdos e oferecê-los ao seu público é criar um blog. 

Para que a página ganhe visibilidade e possa atrair clientes para a sua loja virtual, é fundamental manter a periodicidade nas postagens e utilizar técnicas de SEO (Search Engine Optimization) para otimizar os conteúdos. 

Usar boas imagens do que você vende, palavras-chave como “placa de forro mineral 60×60” que ajudem o interessado a encontrar a sua página, além de investir em um formato responsivo, são exemplos de técnicas indispensáveis para o seu blog.

2. Marketing de conteúdo para e-mail marketing

Utilizar o e-mail marketing é uma ótima estratégia para promover um negócio e garantir que os clientes tenham contato com os materiais produzidos pela loja virtual.

Assim, ao criar um novo artigo, você pode enviá-lo por e-mail para a sua lista de leads e de clientes, fazendo com que eles saibam mais sobre o e-commerce, as promoções e as utilidades oferecidas por lá. 

Para tanto, você pode descrever bem os itens vendidos na sua loja, que certamente vão despertar o interesse do cliente em adquiri-lo. 

3. Marketing de conteúdo nas redes sociais

As redes sociais também são plataformas indispensáveis para aplicar o marketing de conteúdo com o intuito de fortalecer a sua marca e o e-commerce. 

Há diversas maneiras de interagir e de publicar materiais para os seguidores, fazendo pesquisas sobre o que eles gostariam de ler, assim como postar links que levem os usuários para a sua loja ou blog. 

Com isso, além de aumentar o tráfego nas suas páginas, você certamente conseguirá aumentar o número de vendas, e ser seguido por cada vez mais pessoas que valorizam o conteúdo postado por você.

Considerações finais

O marketing de conteúdo deve ser utilizado amplamente pelos empreendedores que desejam conquistar maior sucesso na atuação do seu e-commerce. 

Para potencializar os resultados dos materiais produzidos por você, não deixe de levar em conta a persona da sua marca, conhecendo as características, preferências, linguagem adequada e temas que podem despertar a curiosidade dessas pessoas.

Dessa maneira, o marketing de conteúdo aplicado à sua loja virtual trará resultados cada vez mais positivos e lucrativos para o negócio. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências:

https://rockcontent.com/blog/como-utilizar-marketing-de-conteudo-no-ecommerce/

https://resultadosdigitais.com.br/especiais/marketing-de-conteudo/#

funil2

Funil de vendas: o que é e como desenvolver para seu negócio

O funil de vendas é um dos principais conceitos do Inbound Marketing, sendo usado para acompanhar a jornada de compra dos clientes e melhorar os resultados das empresas, seja para o aumento de vendas ou para a fidelização dos clientes

Embora não seja usado somente em ambientes online, o funil de vendas é amplamente empregado no marketing digital, garantindo a eficácia da estratégia.

No artigo de hoje, acompanhe o que é e como desenvolver o funil de vendas para o seu negócio, além de dicas valiosas para aplicar o conceito na sua empresa. Continue a leitura!

O que é o Funil de Vendas?

O funil de vendas, também conhecido como pipeline, é uma representação gráfica da jornada de compras do cliente, desde seu primeiro contato com a empresa, até a concretização da compra do produto ou serviço, ou até além dela.

Na prática, o funil de vendas envolve a primeira vez que uma pessoa vê uma persiana rolô double vision, por exemplo, seja por um blog post ou por um anúncio patrocinado em rede social, até o momento em que o usuário resolve comprar o artigo

Essas ações também envolvem os pós-venda realizados pela loja. É importante verificar que a compra não é um processo homogêneo, mas ocorre por etapas. 

Logo, durante toda a jornada, o cliente passa por vários momentos que revelam se ele está realmente próximo a concretizar o negócio.

Assim, temos o momento em que ele ouve falar pela primeira vez do produto ou serviço, posteriormente faz a pesquisa sobre o assunto e, somente após uma reflexão, decide por realizar a compra e recomendá-lo para outra pessoa, quando a experiência é positiva.

Por esse motivo, para determinar qual é a maturidade do cliente em relação à compra, o funil de vendas é dividido em algumas etapas, que ajudam a elaborar uma estratégia de captação de clientes mais assertiva.

Afinal de contas, uma pessoa que acabou de conhecer o amortecedor de carro de uma determinada empresa tem outra percepção quando comparada a um usuário que já conhece o produto.

As etapas do funil de vendas são:

  • Topo do funil: aprendizado e descoberta;
  • Meio do funil: consideração;
  • Fundo do funil: concretização da compra;
  • Pós-venda: fidelização do cliente.

Nesse sentido, fica mais fácil pensar em ações de marketing, direcionadas e assertivas, capazes de influenciar a tomada de decisão dos consumidores.

Quais são as etapas do funil de vendas?

Como vimos, o funil de vendas é dividido, basicamente, em quatro etapas principais. 

Em cada uma delas, é necessário orientar a estratégia de marketing, conforme o nível de maturidade do cliente.

A seguir, conheça algumas especificações e iniciativas de marketing para cada estágio do funil de vendas.

1 – Topo do funil

O topo do funil, ou ToFu, é o momento da consciência, pois até então o usuário não conhecia o produto/serviço, bem como era indiferente à sua própria necessidade.

Por exemplo, alguém que está procurando informações sobre sintomas que envolvem animais de estimação pode se deparar com o serviço de um veterinário oftalmologista, algo desconhecido anteriormente pelo usuário.

Em resumo, o internauta não buscava pela atividade, devido ao próprio desconhecimento da demanda. 

Mas ao ter o primeiro contato com o empreendimento, no exemplo o veterinário, acaba compreendendo que existe essa necessidade e, por isso, acaba procurando mais informações sobre o serviço.

Diante disso, o topo do funil é o melhor momento para se colocar como especialista no tema. Isso irá ajudar a moldar a percepção do visitante com conteúdos valiosos e de qualidade e respeito do seu negócio.

Aqui, a empresa geralmente lida com usuários que chegaram até o site de alguma forma, mas que não possuem nenhuma informação concreta sobre o produto ou serviço.

Ou seja, a pessoa pode ter visto um anúncio sobre disco de desbaste diamantado e, assim, ter sido redirecionada a uma página web. Porém, o visitante ainda precisa de mais conteúdos sobre o produto. 

Portanto, é o momento de oferecer materiais ricos, na tentativa de converter os usuários em leads (potenciais clientes).

Algumas ações de marketing interessantes para o topo de funil são:

  • Criação de blog posts;
  • Criação de landing pages;
  • Elaboração de postagens em redes sociais;
  • Produção de vídeos e ativos de marketing.

Importante ressaltar que o marketing de conteúdo é o grande aliado do funil de vendas. 

Afinal, o consumidor da internet não quer apenas se deparar com uma propaganda sensacionalista, mas sim verificar um material de qualidade, com informações pertinentes.

Sendo assim, vale muito mais a pena produzir um folder 2 dobras com conteúdo valioso, do que uma propaganda apelativa e comercial.

2 – Meio do funil

O meio do funil (MoFu) define a passagem da primeira para a segunda etapa, a partir do momento em que o visitante tem reconhecimento do problema.

Quer dizer que o usuário já leu o suficiente sobre o assunto e verificou que tem uma demanda, sendo assim, ele está em busca de maneiras para solucionar o contratempo.

Nesta etapa, estamos lidando com os leads, isto é, pessoas que já interagiram com o conteúdo da empresa, forneceram informações básicas de contato (como e-mail ou telefone), em busca de um aprofundamento maior a respeito do produto ou serviço.

Nesse sentido, o lead já sabe que está procurando uma escola período integral, por exemplo, mas ele ainda precisa de mais informações para tomar a decisão correta.

Sendo assim, é importante que a empresa seja honesta e transparente, deixando claro que o objetivo é ajudar o consumidor, não vender algo diretamente. Isso ajuda a estabelecer uma relação de confiança, aproximando o usuário da compra.

Aqui, o ideal é trabalhar com materiais ainda mais ricos, como e-books, webinars, newsletters e diálogo periódico com clientes (através de e-mails, troca de mensagens, entre outros meios).

3 – Fundo do funil

O fundo do funil (BoFu) é a etapa da compra propriamente dita. Neste momento, estamos lidando com os MQLs (Marketing Qualified Leads), que são os leads que já conhecem o produto ou serviço, e estão prontos para fazer contato com vendedores.

Ou seja, as pessoas que estão no fundo do funil perceberam que precisam de ajuda para resolver um problema – e isso significa fechar negócio com a sua empresa. 

Porém, elas precisam ter certeza de que estão fazendo a coisa certa e, por esse motivo, buscam não só pelo seu negócio, mas também pela concorrência.

Assim, no serviço de adição de categoria a, por exemplo, o fundo de funil é o estágio certo para mostrar o quanto a sua autoescola é referência no mercado e o porquê ela é a melhor escolha para o seu cliente.

Por esse motivo, vale a pena continuar com a criação de materiais relevantes, mas com foco nos diferenciais do produto ou serviço, além de citar as principais vantagens da empresa em relação à concorrência.

Também é importante que os vendedores tenham em mãos todos os dados do cliente e saibam orientar sua abordagem de modo direcionado, já que ninguém quer receber informações duplicadas ou conteúdos incorretos.

Por isso, vale a pena investir em ferramentas de automação de marketing, capazes de armazenar e compartilhar dados em tempo real, tornando a comunicação mais efetiva.

4 – Pós-venda

Apesar de nem todas as empresas incluírem o pós-venda como etapa do funil, percebe-se que a fidelização dos consumidores é muito maior quando a estratégia é adotada. 

Afinal de contas, é preciso fazer com que as pessoas se lembrem da sua empresa e, como consequência dessa iniciativa, busquem realizar novas compras e indicar o seu negócio para outras pessoas.

Por exemplo, após a aquisição de uma balança digital 300kg, o empreendimento pode enviar um e-mail ao cliente, pedindo um feedback sobre a mercadoria. Assim, é possível saber o que o consumidor gosta no produto e o que é preciso melhorar.

As estratégias de pós-venda incluem o envio de newsletters, além de outras mensagens, com ofertas, cupons de desconto e até programas de fidelidade.

Conclusão

O funil de vendas é uma representação da jornada de compras do cliente, que tem ajudado a moldar estratégias de marketing direcionadas, como forma de auxiliar na tomada de decisão dos consumidores, bem como aproximá-los do fechamento do negócio.

É fundamental ter em mente que todas as iniciativas precisam contemplar os interesses e preferências de cada usuário, já que o processo de compra não é homogêneo, mas sim, é influenciado por inúmeros fatores.

Assim, com a aplicação do funil de vendas, de modo prático e estratégico, é possível melhorar os resultados de venda, aumentando a conversão de leads, educando o público a respeito dos produtos e serviços e melhorando sua lucratividade e rentabilidade.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://rockcontent.com/blog/funil-de-vendas/

https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-funil-de-vendas/

inbound

5 dicas de como utilizar Inbound Marketing para e-commerce

O Inbound Marketing é uma estratégia muito eficaz na prospecção de clientes, ainda mais para quem trabalha com a internet, como e-commerces e lojas virtuais.

Ao contrário das tradicionais experiências de propaganda, com anúncios invasivos e sensacionalistas de produtos ou serviços, o Inbound vai de encontro ao novo perfil do consumidor, muito mais interessado em adquirir conhecimento e ter informações valiosas.

Diante disso, ao invés de anunciar uma oferta de uma cadeira de escritorio sem rodinha, por exemplo, o Inbound Marketing irá desenvolver um conteúdo relevante, com dicas de decoração para home office, entre outras especificações para atrair os clientes.

De acordo com uma pesquisa da HubSpot, cerca de 75% das empresas que aplicam o Inbound Marketing acreditam que suas estratégias são eficazes. 

Ao lado disso, 59% dos profissionais de marketing afirmam que o método é capaz de oferecer leads (potenciais clientes) de melhor qualidade para a equipe de vendas.

As vantagens do Inbound são inúmeras, já que o público não se sente invadido pela publicidade, mas sim, contemplado com materiais ricos sobre um determinado assunto.

Assim, a estratégia leva em conta todas as etapas do processo de compra, oferecendo informações interessantes para influenciar na tomada de decisão. 

Ou seja, o Inbound Marketing converte conteúdos para os estágios de:

  • Aprendizado e descoberta;
  • Reconhecimento do problema;
  • Consideração de soluções;
  • Decisão da compra.

Em resumo, o Inbound entrega o conteúdo certo, para o perfil ideal do cliente, no momento mais adequado. 

Por esse motivo, o método é bastante eficiente na conversão de leads e no aumento das vendas nos comércios eletrônicos.

No artigo de hoje, conheça algumas dicas de como utilizar o Inbound Marketing para e-commerce e alcançar ótimos resultados!

1 – Invista na criação de conteúdo informativo

O conteúdo é o coração da estratégia de Inbound. Não é à toa que o marketing de conteúdo é o grande protagonista das campanhas, seja para o compartilhamento de materiais em blogs, redes sociais ou outras plataformas midiáticas.

Segundo a Content Trends, o marketing de conteúdo consegue gerar 4 vezes mais visitas em sites ou blogs, além de render 5 vezes mais leads para as empresas. No Brasil, mais de 70% das empresas utilizam a estratégia.

Para uma produção de qualidade, não basta falar apenas do produto ou serviço, mas trazer informações relevantes, que possam ser úteis para a audiência.

Por exemplo, se um e-commerce vende um gabinete de cozinha 2 metros, pode ser interessante falar sobre as vantagens dos móveis pré-fabricados. 

Ou seja, é trazer materiais sobre o nicho de atuação, sem necessariamente mencionar a mercadoria.

Importante ressaltar que a produção de conteúdo também deve ser diversificada e respeitar as especificações de cada mídia, até porque o artigo de um blog é diferente de uma legenda para um perfil no Instagram.

2 – Use técnicas de SEO (Search Engine Optimization)

O SEO, ou otimização para os mecanismos de busca, é um conjunto de técnicas que visa melhorar a classificação da sua página web nos buscadores, em especial o Google. 

Dessa forma, o seu conteúdo pode aparecer em destaque dentro dos resultados de pesquisa, o que gera aumento no tráfego orgânico e maior conversão de leads.

É interessante notar que o SEO trabalha em conjunto com o marketing de conteúdo. Muito disso, deve-se à própria dinâmica do algoritmo do Google, que lê majoritariamente códigos e textos. 

Por isso, é comum que os e-commerces tenham blogs em seus sites, para compartilhar artigos e melhorar a classificação nos buscadores.

Uma das técnicas mais comuns do SEO é o emprego de palavras-chave. 

Assim, ao tratar sobre banho de niquel, por exemplo, o responsável irá empregar os termos mais pesquisados nos mecanismos de busca dentro do conteúdo, para ajudar no rankeamento.

Mas o SEO também faz uso de outros recursos, como:

  • Considerar uma boa experiência de leitura do usuário;
  • Ter linkagens dentro do artigo (link building);
  • Oferecer uma boa navegabilidade em dispositivos móveis;
  • Construir um material atrativo e relevante.

Conforme dados do SEO Trends, os e-commerces no Brasil que investem em otimização conseguiram 13,2 vezes mais visitantes e 5,7 vezes mais clientes.

Por esse motivo, cada vez mais empresas buscam adaptar seus conteúdos com SEO. 

Diante disso, 61% dos profissionais de marketing afirmam que a estratégia é responsável pelo aumento da presença orgânica, sendo prioridade no Inbound.

3 – Identifique as personas

O Inbound Marketing tem como principal característica a oferta de conteúdo para um determinado público-alvo. Isso quer dizer que os materiais sobre micrometro centesimal, por exemplo, serão oferecidos para pessoas interessadas, com reais intenções de compra.

Para isso, é importante definir quem são as personas, isto é, o perfil ideal dos clientes. 

Somente assim, é possível orientar as campanhas, com conteúdos altamente segmentados, direcionados e assertivos.

A persona é um personagem semi-fictício, elaborado com base nas características do público-alvo do negócio. Para coletar esses dados, é necessário fazer uma pesquisa de mercado, coletando algumas informações, tais como:

  • Faixa etária;
  • Estado civil e gênero;
  • Escolaridade;
  • Nível socioeconômico;
  • Comportamentos de compra;
  • Localidade;
  • Entre outros.

Quanto mais dados, melhor. No entanto, a persona precisa ir além – tem que ter uma história de vida, um contexto. 

Isso ajuda na humanização do conteúdo e, consequentemente, as pessoas passam a confiar mais no seu e-commerce.

4 – Acompanhe o funil de vendas

Além de oferecer o conteúdo para a pessoa certa, o Inbound também direciona materiais no momento certo. 

Quer dizer, talvez o usuário ainda esteja longe de comprar cloreto de magnesio pa em pó 1kg porque ainda não recebeu informações suficientes para tomar essa decisão.

Por causa disso, o Inbound Marketing deve acompanhar o funil de vendas, isto é, a jornada de compra do consumidor. Dessa forma, é possível verificar em qual estágio o usuário está (mais próximo ou mais afastado do fechamento do negócio).

Normalmente, o funil de vendas é dividido em três etapas: 1) topo do funil (descobrimento); 2) meio do funil (consideração); 3) fundo do funil (compra).

Para o primeiro estágio, recomendam-se os blogs posts, em que o usuário irá conhecer mais sobre o produto ou serviço. 

Assim, é possível usar o SEO para que mais visitantes possam se deparar com um artigo sobre o uso da espatula de laboratorio, por exemplo.

No meio do funil, o usuário já conhece o produto ou serviço, sabe que tem um problema e precisa resolvê-lo, mas ainda não está completamente decidido. 

Aqui, vale a pena investir em ações de e-mail marketing, bem como demais iniciativas que ofereçam conteúdos continuamente e aprofundados aos leads.

Por fim, o fundo do funil é a compra propriamente dita. Neste momento, o cliente está levando em consideração possíveis concorrentes, então, é a hora de falar sobre os diferenciais do seu produto ou serviço. 

Por exemplo, o porquê a sua lona para tatame personalizada é considerada a melhor do mercado.

5 – Monitore os resultados

Há muitas maneiras de investir em Inbound Marketing. O segredo é saber direcionar as ações conforme o público-alvo, verificando os estágios de compra e considerando a produção de conteúdo informativo, relevante e de qualidade.

No entanto, assim como toda estratégia de marketing, o Inbound também exige o monitoramento e acompanhamento de resultados. 

Afinal, somente com a análise precisa de relatórios, é possível verificar se as iniciativas estão, de fato, gerando bons resultados ou é preciso adaptá-las.

Por exemplo, de nada adianta ter um grande número de visitantes no seu blog, se não há conversão de leads. 

Quando isso ocorre, é necessário pensar em novas estratégias para melhorar essa porcentagem e, assim, ter maiores chances de vendas.

Hoje em dia, há ferramentas especializadas na análise de resultados. Desse modo, os conteudistas podem ver o engajamento de uma publicação no Facebook sobre gaveteiro com rodinhas e comparar os dados.

No entanto, um erro muito comum é esquecer de fazer essa análise. 

Por isso, separe um dia do mês somente para verificar cada uma das iniciativas de Inbound e, se preciso, refazer algumas ações conforme os objetivos do seu e-commerce.

Conclusão

O Inbound Marketing visa atrair, encantar e fidelizar clientes, diferentemente do marketing tradicional. 

A abordagem faz uso de conteúdo relevante, oferecendo soluções para problemas específicos de um determinado público-alvo e influenciando a tomada de decisões durante a jornada de compra.

Talvez por isso a estratégia ganha cada vez mais notoriedade no mercado, já que grande parte dos conteudistas e profissionais de marketing consideram o Inbound como um dos métodos mais eficazes para prospecção de clientes.

No caso dos e-commerces, o Inbound se destaca ainda mais, visto que a estratégia é aplicada confortavelmente na internet, através de ações de blog posts, compartilhamento em redes sociais, e-mail marketing, entre outros.

Apesar de muito amplo, com as dicas acima, já é possível elaborar um planejamento assertivo de Inbound Marketing e, com isso, conquistar o reconhecimento no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://rockcontent.com/blog/estatisticas-sobre-inbound-marketing/

https://inteligencia.rockcontent.com/estatisticas-de-seo/

https://blog.lahar.com.br/marketing-digital/inbound-marketing-e-commerce/

https://ecommercenapratica.com/como-usar-o-inbound-marketing-no-seu-ecommerce/

GettyImages-1212189013

Instagram aposta no e-commerce e expande acesso a sua loja virtual

Rede social, do Facebook, libera novos recursos para ajudar marcas, pessoas e pequenas e médias empresas a venderem pela plataforma

A rede social Instagram está dando nesta quinta-feira, 9, mais um passo na tentativa de ser relevante no comércio eletrônico. A partir de hoje a rede social vai estender a compra de produtos e serviços a qualquer loja virtual ou criador de conteúdo na rede – como influenciadores, por exemplo. Até agora, apenas um grupo restrito de empresas tinha esse benefício. A ideia é que as marcas possam usar o Instagram como uma vitrine, expondo ali os preços de seus produtos, e a partir dali redirecionar os seguidores para sites de fora do Instagram.

Ao menos por enquanto, a vitrine virtual será gratuita. A julgar pela receita dos demais anúncios na rede social, trata-se de um negócio e tanto. No ano passado, o Facebook faturou perto de 70 bilhões de dólares com publicidade. Só 6% desse total vêm de grandes empresas como Unilever e Adidas, que na semana passada anunciaram um boicote global à rede social fundada por Mark Zuckerberg por causa da política frouxa contra o discurso do ódio em suas plataformas. O grosso da publicidade vem de mais de 8 milhões de anunciantes – muitos deles pequenos negócios, numa estratégia de cauda longa.

Não é só o Facebook está de olho nesse público. O aplicativo chinês de vídeos TikTok lançou uma opção Business no final de junho. Em uma plataforma própria, a empresa permite que marcas criem campanhas de vendas. Até mesmo o Google entrou na onda. A empresa lançou o Business Messages, canal que permite que os clientes conversem com as empresas a partir do buscador ou do Google Maps.

Fonte: Exame

shutterstock_580499569

E-commerce brasileiro cresce 39,7% em junho, mas desacelera ritmo; Turismo cresce pela primeira vez

A pandemia trouxe um grande crescimento para as vendas online, é o que aponta levantamento da Conversion, consultoria de SEO e marketing de performance; setor cresceu 39,7% em junho na comparação com o momento anterior ao novo coronavírus.

“Com as medidas de quarentena, as pessoas passaram a ficar mais em casa e usaram a Internet para comprar”, explica Diego Ivo, CEO da Conversion. “Há um grande e irreversível movimento em prol do e-commerce, que está batendo recorde sobre recorde”, diz Ivo.

Por outro lado, quando se compara o mês de junho a maio, há uma leve queda de 6,28% no setor, que se deve a uma sazonalidade natural do mês (em maio há o Dia das Mães) e, possivelmente, ao início da reabertura de lojas físicas e shopping centers, ainda que parcialmente.

Turismo volta a crescer pela primeira vez

Outro dado que traz o levantamento da Conversion é que, pela primeira vez desde o início da pandemia, o setor de Turismo (que acumula perdas de 74%) voltou a crescer e acumulou ganhos de 28% em relação a maio.

Ainda é muito cedo, entretanto, para dizer que tudo está ótimo. Com a reabertura gradativa, Diego Ivo vê um novo normal: “com a volta, é claro que as pessoas não vão ficar só em casa, mas os novos hábitos, especialmente os de consumir online, foram fortalecidos”, prevê o executivo.

Crescimento de setores durante a pandemia (junho x fevereiro)

Categoria Crescimento
Eletrônicos 139,92%
Casa 83,04%
Moda 71,88%
Comida 61,66%
Pet 60,50%
Mercado 37,53%
Grande varejo 34,59%
Farmácia & Saúde 27,24%
Cosméticos 17,67%
Outros 16,42%
Educação & Livros -2,57%
Importados -10,09%
Turismo -73,49%
Média geral 39,66%

Crescimento de setores mensal em junho (junho x maio)

Categoria Crescimento
Turismo 28,06%
Comida 0,17%
Outros -0,23%
Casa -1,00%
Eletrônicos -1,98%
Pet -3,11%
Mercado -8,45%
Grande varejo -8,73%
Farmácia & Saúde -9,54%
Moda -11,71%
Importados -11,86%
Educação & Livros -12,90%
Cosméticos -16,67%
Total geral -6,29%

Uma nova corrida e-commerce no Brasil

Seguindo a linha de empresas como Amazon, Facebook e Apple, que já superaram seu valor de mercado pré-coronavírus, no Brasil espera-se uma nova corrida pelo e-commerce, que se tornou a única modalidade de vendas para muitos varejistas.

Durante a pandemia, o e-commerce foi o único canal de vendas para praticamente todos os varejistas (B2C – Business to Consumer) e até indústrias, que chegam ao online pela modalidade de vendas conhecida como D2C (Direct to Consumer). Vendas online aumentaram 51%.

Pensando nesse movimento, a Conversion preparou um guia para e-commerce, que traz as melhores práticas para operação, site e marketing de sites de comércio eletrônico e também tem visto um aumento na demanda por estratégias online.

“No primeiro momento as empresas tomaram um verdadeiro susto, mas muitas empresas já perceberam que os canais online são a solução e os investimentos estão sendo retomados”, afirma o CEO da Conversion, que prevê um crescimento em 70% nos negócios da consultoria até o fim do ano.

Ranking dos 50 principais sites de e-commerce (tráfego em milhões)

Metodologia

O levantamento foi realizado pela consultoria Conversion no dia 7 de julho de 2020, utilizando ferramentas de inteligência competitiva digital, tais como SimilarWeb e SEMRush.

Os dados deste estudo se referem ao tráfego dos principais sites de e-commerce, que foram selecionados de acordo com o critério de, majoritariamente, ser transacional (ou seja, vender online).

 

Escrito por: Thiago Nassa

Fonte: Conversion

People purchsing goods e-commerce online shopping

Comércio eletrônico: pequenos negócios conseguem sobrevida em meio à pandemia

Quase 60% (57,7%) das empresas pesquisadas no estado de Minas Gerais conseguiram aumentar as vendas com o comércio eletrônico durante a pandemia. É o que mostra a 4ª edição da pesquisa O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios, realizada pelo Sebrae entre 29 de maio e 2 de junho, de acordo com informações do O Popular.

Comércio eletrônico

A pesquisa mostra que entre os 59% que vendem online em Minas Gerais, 45% disseram que já comercializavam pela internet antes da pandemia. E 14% começaram a vender online.

Principais ferramentas para vendas online:

  • WhatsApp: 84,3% dos entrevistados
  • Instagram: 55,2% dos entrevistados
  • Facebook: 48,2% dos entrevistados
  • Site próprio: 14,7% dos entrevistados
  • Vendas por telefone e aplicativos móveis (iFood, Uber Eats, Rappi, GetNinjas e outros): 7,9%

A pesquisa ouviu 481 empresas em Minas Gerais e 7.403 empresas no Brasil. O Popular informa que mais da metade (51%) da amostra do estado atua no setor do comércio, 40% em serviços, 4% na indústria e 3% na construção civil.

Fonte: ecommerce Brasil

instagram reels

Conheça o Reels do Instagram

Recentemente o Instagram lançou uma nova ferramenta ainda em período de testes, o Reels. Lançado inicialmente no Brasil, um formato novo e aprimorado, resultado do teste de Cenas que foi rodado com exclusividade no país ao longo dos últimos meses. Além do Brasil, a ferramenta está sendo expandida para teste na França e Alemanha. Com o Reels, as pessoas podem gravar e editar vídeos de 15 segundos com múltiplos cortes, incluindo áudio, efeitos e novos recursos criativos. Além do Stories, agora você pode compartilhar seus reels com amigos e seguidores no Feed e, se tiver uma conta pública, diretamente no Explorar, assim ele poderá ser visto por uma audiência ainda maior.

O Reels permite que você se expresse e ao mesmo tempo crie conteúdo de entretenimento, seja testando uma dança divertida com os seus amigos ou dividindo mensagens sobre temas importantes para você com uma audiência global e diversa. Mais do que compartilhar seus reels diretamente no Explorar, em uma nova seção que evoluiu do “Top Cenas”, esse espaço também te permite assistir ao conteúdo de qualquer pessoa no Instagram e se inspirar para criar o seu.

Como funciona

Reel Image

Como criar com Reels

Selecione Reels na parte inferior da câmera do Instagram. Você verá uma variedade de ferramentas de edição criativa à esquerda da tela que podem ser usadas para criar o seu reel.

Reels podem ser gravados de diferentes formas: em uma série de trechos (um de cada vez), todos de uma só vez ou usando uploads de vídeo da sua galeria. Grave o primeiro trecho pressionando e segurando o botão de captura. Você verá um indicador de progresso na parte superior da tela enquanto grava. Pare a gravação para finalizar cada trecho.

  • Áudio: pesquise uma música da biblioteca de músicas do Instagram para o seu reel. Você também pode usar seu próprio áudio original simplesmente gravando o reel com ele. Quando você compartilha um reel com o áudio original, ele é atribuído a você e, se você tiver uma conta pública, as pessoas podem criar Reels com o seu áudio, selecionando “Usar áudio” no seu Reel. Por exemplo: se você gravar um Reel incentivando as pessoas a se engajarem com uma causa social, outros poderão clicar em “Usar áudio” no seu reel e usar seu som para criar suas próprias versões do vídeo.
  • Efeitos de Realidade Aumentada: Selecione um dos muitos efeitos em nossa biblioteca de filtros, criados pelo Instagram e criadores de todo o mundo, para gravar vários trechos com efeitos diferentes. Por exemplo: use a “Tela Verde” para se sobrepor à frente de uma foto da praia do seu rolo da câmera e gravar um videoclipe de verão com seus amigos.
  • Temporizador e contagem regressiva: defina o temporizador para gravar qualquer um dos trechos com as mãos livres. Depois de pressionar gravar, você verá uma contagem regressiva 3-2-1, antes de gravar o trecho durante o tempo selecionado.
  • Alinhar: alinhe objetos do trecho anterior antes de gravar o próximo, o que ajuda a fazer transições perfeitas, como trocas de roupa ou adição de novos amigos ao seu reel.
  • Velocidade: escolha acelerar ou diminuir a velocidade de parte do vídeo ou áudio selecionado, o que ajuda você a manter um ritmo ou a criar vídeos em câmera lenta.

Para compartilhar um Reel

Share Reel

Com o Reels você tem a opção de compartilhar com seus seguidores e ainda pode ser descoberto por uma enorme e diversa comunidade do Instagram dentro do Explorar.

  • Se você possui uma conta pública: é possível compartilhar seu reel em um espaço dedicado na aba Explorar, o que dá ao seu reel a chance de ser visto e descoberto pela comunidade do Instagram. Você também pode compartilhar no Feed para que seus seguidores possam ver o seu reel. Quando você compartilha reels com determinadas músicas, hashtags ou efeitos, seu reel também pode aparecer em páginas dedicadas sempre que alguém clica nessa música, hashtag ou efeito.
  • Se você possui uma conta privada: é possível compartilhar no Feed para que seus seguidores possam ver o seu reel.

Quando o seu reel estiver pronto, escolha o botão compartilhar, onde você poderá alterar a imagem da capa, adicionar uma legenda, hashtags e marcar seus amigos. Você também pode salvar um rascunho do seu reel se quiser fazer uma pausa e voltar a ele em outro momento. Depois de compartilhar o seu vídeo, ele ficará em uma guia Reels separada em seu perfil, onde as pessoas poderão encontrar outros reels que você já compartilhou. Você poderá ver curtidas, comentários e quantas vezes seu reel já foi reproduzido.

Independentemente de ser uma conta pública ou privada, pode também pode compartilhar seu reel no Stories ou por uma mensagem no Direct. Se você optar por fazer isso, seu reel será como um Stories comum – ele não será compartilhado no Feed, perfil ou na aba Explorar e desaparecerá após 24 horas.

Para assistir Reels

Watch Reels

O Reels na aba Explorar é um novo espaço para curtir reels criados por toda a comunidade do Instagram. Descubra seu novo comediante favorito, profissional inspirador, tendências de dança ou de beleza em um feed vertical customizado para você. Se você gostar de um reel, pode facilmente curtir, comentar ou compartilhar com seus amigos.

Os usuários nos países em que o Reels está disponível (atualmente Brasil, França e Alemanha) poderão navegar no Reels na aba Explorar e criar seus próprios. As pessoas de outros países verão apenas os reels das pessoas que seguem no Feed.

Você também poderá ver alguns reels com o rótulo “Em destaque”. Esta é uma seleção de reels escolhidos pela curadoria do Instagram para ajudá-lo a descobrir conteúdo original, que pode te entreter e inspirar. Nossa equipe de curadoria é formada por pessoas com diversas experiências e conhecimento em conteúdo de vídeo, jornalismo e/ou curadoria. Eles revisam os reels públicos e selecionam aqueles que são divertidos e culturalmente relevantes.Nosso objetivo é apresentar reels que são alinhados com esses valores e princípios:

  • Proporcionar uma experiência divertida ou significativa
  • Contar uma história cultural ou amplamente relevante
  • Valorizar diversidade e inclusão
  • Inspirar a criação através da originalidade e de fatores que criem conexão
  • Promover uma comunidade segura e com respeito

Se o seu reel estiver em destaque na aba Explorar, você receberá uma notificação. Durante a fase de teste, nós vamos aprender e nos adaptar de acordo com o feedback que receberemos da comunidade, e poderemos mudar a maneira como selecionamos Reels em destaque à medida que a ferramenta se expande.

Estamos entusiasmados por testar esta nova versão do Reels em novos países e ver o que nossa comunidade está criando. Este é um teste e estamos comprometidos em obter a experiência certa – continuaremos aprendendo e construindo conforme avançamos.

Para mais informações sobre o Reels, visite nossa Central de Ajuda.

Fonte: Instagram

conteudo

As vantagens do Marketing de Conteúdo para e-commerce

O Marketing de Conteúdo é uma das principais estratégias de marketing digital, sendo considerado muito importante para qualquer nicho de mercado, incluindo as plataformas e-commerce.

Esse modelo de negócios, inclusive, cresceu muito no ano de 2020 por conta da pandemia do coronavírus, e a previsão é de que movimente cerca de R$ 106 bilhões até o final do ano, um crescimento de 18% em relação ao ano de 2019.

Os principais fatores que contribuem para isso, além do atual cenário, é uma tendência normal de prevalência desse modelo de compra e venda futuramente, além dos marketplaces e compras por meio dos smartphones.

Isso significa que, assim como a tendência é que as vendas aumentem, cresça também a concorrência. Dessa forma, é necessário que as plataformas e-commerce invistam em estratégias para se destacarem dos demais comércios.

Para isso, é importante ter em vista que, além de o consumidor moderno preferir as compras pela internet, ele também está sempre em busca de informações a respeito do produto ou serviço que deseja.

Por isso, neste artigo, vamos falar sobre o que é Marketing de Conteúdo e sua importância para as plataformas e-commerce. Acompanhe a leitura!

O que é Marketing de Conteúdo?

O marketing digital se tornou a principal maneira de divulgação de marcas, produtos e serviços, uma vez que a internet é, hoje, o principal meio de comunicação.

Sendo assim, a disseminação rápida de informação transformou o comportamento dos consumidores, assim como o uso das redes sociais para esses fins. Por isso, eles querem saber mais a respeito daquilo que pretendem comprar.

Aqui entra a relevância do Marketing de Conteúdo, trazendo materiais que abordem todo tipo de assunto, desde a importância da valvula de retenção para caixa d’agua, até dicas de como escolher o melhor tipo de decoração para sua casa.

Sendo assim, o Marketing de Conteúdo é definido como uma estratégia que tem a missão de atrair clientes pode meio de conteúdos relevantes, que podem assumir diversos formatos, tais como:

  • Vídeos;
  • Textos;
  • Infográficos;
  • E-books.
  • Entre outros.

Não trata-se de uma estratégia que deseja somente promover a marca, mas que atrai o público-alvo por meio de soluções, transformando o negócio em autoridade naquilo que faz.

Sendo assim, quando a marca precisa de uma estratégia focada em engajar o seu público-alvo, crescer sua rede de clientes e potenciais clientes, ela cria materiais relevantes e de valor.

Com isso, atrai, envolve e gera valor para as pessoas, criando uma percepção positiva sobre a marca e aumentando a oportunidade de novos negócios.

O Marketing de Conteúdo para e-commerce

O crescimento rápido do e-commerce no Brasil e no mundo reforça a necessidade que esses negócios têm de investir em Marketing de Conteúdo para captar leads, transformá-los em clientes e fidelizá-los.

Para isso, uma loja e-commerce de masseira pequena, por exemplo, deve investir em conteúdos informativos e relevantes, que apresentem mais do que serviço ou produto ao cliente. Tudo isso permite que o negócio eletrônico tenha acesso a vantagens como:

1 – Mais tráfego para o site

Quase 100% dos usuários da internet utilizam-na para se informar a respeito de alguma coisa. 

Portanto, o site de uma empresa é a porta de entrada para novas oportunidades, sendo o Google um caminho até ela.

Dessa forma, uma loja virtual não deve focar-se apenas nos produtos que expõe no site, mas também em conteúdos informativos e relevantes, que ajudam a colocar o site na primeira página do Google.

É isso que fará com que a marca seja encontrada por seu público-alvo, uma vez que essa estratégia comprovadamente aumenta em até 4 vezes o número de visitas em um site.

2 – Aumenta o engajamento

O engajamento é importante para que uma empresa de tamani bauru e muitas outras construam um relacionamento próximo e constante com uma audiência mais seletiva.

Isso porque, quando os conteúdos de qualidade aumentam as interações das pessoas com a marca, o engajamento cresce. Como resultado, a marca ganha verdadeiros fãs que a defendem e recomendam.

3 – Educa o mercado

É comum que algumas pessoas não compreendam o mercado de atuação que uma empresa está inserida, do que se trata o produto ou serviço que ela vende etc.

Assim sendo, são os conteúdos informativos que vão responder às dúvidas dos compradores e educá-los a respeito dos seus produtos, de modo que eles fiquem cientes de tudo o que é necessário para tomar uma decisão de compra.

Conteúdos que realmente têm qualidade quebram objeções e aumentam a satisfação do cliente. Isso porque essas pessoas vão comprar tendo total consciência do produto e como utilizá-lo.

4 – Gera vendas

O principal objetivo de qualquer negócio é vender, principalmente de uma loja virtual, que concentra todas as suas atividades em vendas. 

E apesar de esse não ser o principal objetivo do Marketing de Conteúdo, ele certamente ajudará a vender mais.

Neste caso, aumentar as vendas diz respeito a focar na produção de conteúdos que visam guiar os leads por toda a jornada de compra, preparando-os para o processo de decisão.

Para isso, é necessário identificar exatamente qual é o público-alvo, pois quem tem interesse em banho cromo dourado não deve receber conteúdo direcionado a pessoas interessadas em outros produtos.

5 – Impulsiona a geração de leads

Para que uma loja on-line tenha sucesso, não basta que ela crie um site e espere as vendas acontecerem. É preciso obter informações dos visitantes para que seja possível criar um conteúdo adequado e que gere oportunidades.

Os leads são potenciais clientes que, além de terem chances de compra, ajudam a empresa a entender o que seu público deseja e outras informações. 

E por meio de Marketing de Conteúdo, uma loja virtual consegue conquistar muito mais leads.

Trata-se de uma estratégia e que traz excelentes resultados no longo prazo, aumentando tráfego e leads, mesmo que a produção não seja frequente.

6 – Reduz o CAC (Custo de Aquisição de Clientes)

Para que uma fabricante de cracha de identificação conquiste um novo cliente, ela precisa investir em Marketing e Vendas.

Quando esse custo não é alto, rapidamente a compra do cliente cobre os gastos para adquiri-lo, mas geralmente custa mais caro, porque o principal hábito das marcas é injetar dinheiro em mídia paga.

Só que o Marketing de Conteúdo também ajuda a atrair novos clientes, por meio de materiais que eliminam as dúvidas deles e facilitam a compra.

Por isso, recomenda-se até que a equipe de vendas trabalhe com e-books, webinars e outros conteúdos que ajudam a diminuir todo o processo de vendas.

O mesmo material fornecido para o cliente pode ser aproveitado pela equipe de vendas, o que sem sombra de dúvidas vai aumentar a conversão de leads, construir autoridade dentre outros benefícios.

7 – Gera brand awareness

Se uma loja virtual de pulseiras tyvek atacado usa a produção de conteúdo, mais pessoas passam a reconhecê-la, bem como seus serviços.

E tudo isso com pessoas mais propensas a comprar, que são familiares com a marca e que se sentem atraídas por ela.

Para exemplificar, o leitor assíduo do blog de uma loja virtual de materiais de construção, que venda pvc para sublimação, vai preferir essa loja quando quiser comprar alguma coisa.

Isso acontece porque ele já conhece a loja, e mesmo que nunca tenha comprado nada na plataforma, ela sempre lhe ajudou com os conteúdos quando mais precisou.

8 – Aumenta o Lifetime Value (LTV)

LTV é uma sigla para Lifetime Value que mostra o valor que o cliente gasta com uma marca. Por exemplo, se numa loja virtual de jóias os consumidores costumam gastar duas vezes R$500,00, então o LTV dele é de R$ 1000,00.

Além disso, todo proprietário de negócio, seja uma loja física ou on-line de catraca com biometria sabe que é muito mais barato vender de novo para um cliente atual do que conquistar um novo cliente.

Portanto, podemos considerar que o uso de uma boa estratégia de marketing de conteúdo com esse objetivo é uma boa prática, porque consegue manter o cliente engajado com a marca.

Inclusive, é possível usar diferentes tipos de conteúdo no pós-venda, como envio de newsletter, oferecer novos produtos e divulgar descontos.

Conclusão

Não existe nada mais valioso para os consumidores do que empresas que têm capacidade para informar e compartilhar informações com o público.

Com isso, elas conseguem provar que mais do que vender, está disposta a ajudar seus clientes com suas soluções. 

Ela demonstra que quer entendê-lo e que ele saiba quais são as melhores soluções, mesmo que isso descarte a venda.

Para as plataformas e-commerce isso não é diferente, uma vez que esse modelo de negócio está totalmente inserido em um mercado moderno. 

E se vende pela internet, precisa de boas estratégias em marketing digital para predominar seu ambiente.

E com o Marketing de Conteúdo, as lojas virtuais conseguem atrair seu público, mostrar sua autoridade no mercado e aumentar as vendas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

student-849819_1280

Como usar o Marketing de Relacionamento no seu e-commerce

O crescimento do e-commerce no Brasil acompanha o desenvolvimento de novas tecnologias e a ampliação da internet pela população. 

Isso revela um novo consumidor cada vez mais preocupado com informação de qualidade e em adquirir produtos ou serviços personalizados.

Por esse motivo, o Marketing de Relacionamento tornou-se indispensável para os comércios eletrônicos que desejam se destacar no mercado, oferecendo um atendimento diferenciado aos clientes e construindo uma proximidade com o público.

Ou seja, a estratégia promete fidelizar os compradores, algo essencial para aumentar as vendas e ajudar na captação de novos nichos. 

Afinal de contas, as pessoas querem ser bem atendidas e dão preferência para empresas que confiam.

Mas, como usar o Marketing de Relacionamento no seu e-commerce?

O artigo de hoje pretende responder a esta pergunta e dar dicas de como aplicar a estratégia no comércio eletrônico. Acompanhe mais com a leitura!

Mas, afinal, o que é Marketing de Relacionamento?

O Marketing de Relacionamento consiste em um conjunto de ações tomadas pela empresa, com o intuito de criar e manter uma proximidade com os clientes.

Por exemplo, um professor que dá aula de bateria, ao tratar bem seu aluno, constrói um relacionamento saudável, fazendo com que o estudante queira continuar tendo aulas, isto é, adquirindo o serviço.

Para reforçar essa relação, o Marketing de Relacionamento conta com algumas estratégias, oferecendo benefícios aos seus consumidores para fidelizá-los. 

Dessa maneira, os clientes se tornam fãs dos produtos e serviços prestados pela empresa, recomendando-os para outras pessoas.

Em resumo, o Marketing de Relacionamento engloba os seguintes aspectos:

  • Construção de uma marca forte;
  • Criação de autoridade no mercado;
  • Fidelização dos clientes;
  • Comunicação próxima com o público;
  • Contato em diferentes canais de marketing.

Diferentemente do marketing tradicional, em que se vê uma propaganda de persiana double vision que somente tem a intenção de vender, o Marketing de Relacionamento leva em conta todo o processo, desde a produção de conteúdo até o pós-venda.

Nesse sentido, o foco não é somente incitar a compra, mas sim, encantar os clientes. 

Desse modo, cria-se uma relação de confiança e o consumidor passa a defender a marca dentro do seu círculo social.

Quais as vantagens do Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce?

Vivemos em uma era em que vender não é tudo. Atualmente, não adianta nada conseguir vender um gerador eólico, por exemplo, se a empresa não é capaz de manter um bom atendimento ao cliente.

As organizações perceberam que existe algo muito valioso nos negócios: a satisfação dos consumidores. 

Por esse motivo, elas mantêm os clientes em primeiro lugar em todas as suas estratégias, desde o desenvolvimento do produto até depois de ter feito uma compra.

Em conjunto a isso, quando um cliente está contente com a sua marca, ele pode indicar a empresa para amigos e familiares, tornando-se um promotor da empresa. 

Grande parte dos lucros virá de consumidores já existentes e do famoso marketing “boca a boca”.

A seguir, confira algumas vantagens do Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce.

1 – Aproximação com os clientes

Um dos principais objetivos da estratégia é aproximar os seus clientes da marca, ao ponto em que é possível conhecer melhor quem são os consumidores e, com isso, oferecer as soluções ideais para cada um.

Dessa maneira, é possível segmentar melhor o público e ter uma comunicação mais direcionada, entregando justamente aquilo que o cliente precisa.

Afinal de contas, uma pessoa interessada em um serviço de hidrojateamento, por exemplo, está em busca de um processo de limpeza mais complexo e, portanto, é preciso um atendimento personalizado.

2 – Aumento do faturamento

O Marketing de Relacionamento ajuda a melhorar o faturamento das empresas, visto que o CAC (Custo de Aquisição por Cliente) custa de 5 a 7 vezes mais do que manter um antigo. 

Além disso, quando se mantém os consumidores, há maiores chances de revenda de outros produtos ou serviços.

Fora que o ROI (Retorno sobre Investimento) também é maior, ainda mais quando cada um de seus compradores indica a sua empresa para outras pessoas.

3 – Melhor posicionamento no mercado

Com um relacionamento personalizado e próximo, garante-se a satisfação e a confiança do público. 

Como consequência, o seu negócio pode tornar-se uma referência no mercado e se diferenciar da concorrência.

Afinal de contas, mesmo que muitos comércios eletrônicos tenham uma tecnologia similar de led para piscina, por exemplo, a audiência costuma preferir os e-commerces que se destacam pelo atendimento, pela credibilidade e pela reputação.

4 dicas de Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce

O Marketing de Relacionamento serve para formar uma relação constante e progressiva com cada indivíduo. Isso pode ser feito de várias formas, especialmente com o auxílio de ferramentas digitais, para implantação de uma estratégia a médio e longo prazo.

Vale dizer que o Marketing de Relacionamento é uma ação complementar a várias outras iniciativas dentro da empresa. 

Por exemplo, é possível produzir conteúdo relevante sobre uma treliça de ferro, em uma abordagem que privilegia a oferta de materiais interessantes para aproximar o público.

Por esse motivo, a construção do relacionamento é feita em conjunto com demais iniciativas de marketing. Abaixo, conheça algumas técnicas para de Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce.

1 – Criação de conteúdo em blogs

Atualmente, o consumidor não quer apenas se deparar com uma propaganda invasiva, como um banner preço das mercadorias. Ao contrário, ele quer ser bem informado sobre o produto ou serviço que está prestes a adquirir.

Sendo assim, o Marketing de Relacionamento pode oferecer exatamente a informação que o público procura, por meio da criação de conteúdo em blogs posts.

Para isso, é necessário conhecer a audiência, quais são suas demandas, preferências e características. 

Dessa forma, é possível elaborar materiais direcionados, que vão realmente chamar a atenção dos potenciais clientes.

Assim, é fundamental que a empresa crie as personas, isto é, representações semifictícias dos clientes, com base nas especificações do público-alvo. 

Depois disso, a criação de conteúdo será muito melhor, com uma linguagem adaptada aos seus consumidores.

2 – Envio de mensagens por e-mail marketing

O e-mail marketing é uma ferramenta poderosa para criar uma proximidade com seus clientes. 

A estratégia é baseada na comunicação entre a empresa e seus consumidores ou leads (potenciais clientes), por meio do envio de mensagens segmentadas.

Normalmente, o e-mail marketing utiliza recursos de automação, para personalizar o conteúdo e enviar mensagens conforme o estágio do funil de vendas em que cada cliente está (ou seja, mais perto ou mais afastado para realizar uma compra).

Além disso, o e-mail marketing também é usado para receber feedbacks dos consumidores. 

Por exemplo, após adquirir um adesivo jateado, a empresa pode enviar uma mensagem ao cliente, perguntando como foi a experiência com o produto.

3 – Participação em programas de fidelidade

Os programas de fidelidade têm como objetivo oferecer vantagens aos clientes que realizam compras recorrentes no seu e-commerce. 

É uma maneira eficiente de fidelizar os consumidores, construindo um relacionamento mais duradouro com a marca.

Mais do que descontos e recompensas, os programas de fidelidade criam vínculos fortes com o público, pois os compradores se sentem especiais e, com isso, tendem a comprar mais com a sua empresa.

4 – Construção de relacionamento por redes sociais

Estar presente nas redes sociais permite que a empresa possa levar o seu conteúdo para um número cada vez maior de usuários. 

Afinal de contas, esses canais crescem exponencialmente na internet e, por isso, são amplamente usados como parte das estratégias de marketing.

Contudo, justamente pelo grande alcance das redes sociais, todos os conteúdos, comentários e respostas ao público devem ser muito bem pensados. 

Até porque, do mesmo modo que uma publicação pode se tornar viral em benefício do seu e-commerce, ela também tem o poder de prejudicar os negócios.

As redes sociais permitem o trabalho com vários tipos de conteúdos, incluindo promoções, anúncios patrocinados, oferta de materiais e publicações interativas para gerar engajamento. 

Portanto, procure saber como trabalhar em cada mídia, para oferecer o melhor material ao seu público.

Conclusão

O Marketing de Relacionamento é uma estratégia extremamente vantajosa para os e-commerces. 

Com capacidade de aproximar a audiência, fidelizar clientes e alcançar novos nichos de mercado, suas técnicas vão muito além da venda, abarcando a construção de laços, mesmo após a compra.

Por esse motivo, é importante trabalhar com o Marketing de Relacionamento em todos os processos de contato com os clientes – desde uma simples publicação em um blog, até uma pesquisa de satisfação enviada por e-mail.

Desse modo, é possível alcançar não só um aumento de vendas, mas o reconhecimento do mercado e o destaque perante a concorrência.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://neilpatel.com/br/blog/importancia-do-marketing-de-relacionamento/#:~:text=Implementar%20um%20programa%20de%20recompensa,Gastar%20mais%20em%20cada%20transa%C3%A7%C3%A3o.

https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-marketing-de-relacionamento/#:~:text=Marketing%20de%20Relacionamento%20%C3%A9%20o,defensores%20e%20divulgadores%20da%20marca.

https://www.e-commerce.org.br/como-o-marketing-de-relacionamento-influencia-no-e-commerce/

https://tangerin.com.br/5-vantagens-do-marketing-de-relacionamento-para-o-seu-negocio/

https://rockcontent.com/blog/marketing-de-relacionamento/

https://rockcontent.com/blog/tudo-sobre-email-marketing/

https://www.sunoresearch.com.br/artigos/programa-de-fidelidade/