nutrição de leads

Nutrição de Leads: como fazer de forma eficiente

Atrair clientes, esse é um dos principais objetivos de um estabelecimento, afinal de contas, para que o comércio sobreviva é preciso que alguém consuma os serviços. Portanto, uma das maneiras encontradas para fazer isso é com a nutrição de leads

Entender o público que é atingido por um negócio e mantê-lo com uma produção de conteúdo em troca de dados pode ser uma solução para um comércio que se sente perdido, bem como não sabe de que forma conseguir novos consumidores. 

Nesse sentido, investir na nutrição ajuda o comércio na sua estratégia, já que para o seu bom desempenho ele necessita que as pessoas se interessem por ele. Então, veja como usar esse recurso de modo adequado. 

Nutrição de leads do que se trata?

Para que, por exemplo, uma empresa de motoboy se mantenha, ela precisa de clientes, assim como qualquer comércio. Desse modo, ela procura maneiras para divulgar os seus serviços e captar novos consumidores. 

Assim, ela consegue que mais indivíduos conheçam o seu trabalho, então, quando uma pessoa precisar, vai procurar pelo estabelecimento. Nesse sentido, os leads são esses possíveis consumidores que a empresa vai atingir. 

Na prática, eles ainda não se tornaram clientes, só há a possibilidade disso acontecer porque o indivíduo demonstrou algum tipo de interesse, mas isso não significa que ele vá fazer alguma aquisição. 

Desse modo, quando se tem uma lista de leads, há a necessidade de nutri-los, isso nada mais é do que a elaboração de materiais que interessem a essas pessoas. Assim, para enviar as matérias, os leads fornecem dados que ajudam o comércio a aperfeiçoar a sua tática.

Mas atenção, esses materiais não são sobre qualquer coisa, é preciso que eles tenham relação com o estabelecimento e de preferência que trate de algum problema do lead que foi identificado na estratégia. 

Por que nutrir os leads?

Pode parecer bobagem, ou até tempo desperdiçado, alimentar os interessados,  mas com essa produção os leads são educados e ficam por dentro de suas ações, desse modo, é possível conquistá-los. 

O processo é assim: por meio de e-mails, ou outros formatos que o comércio ache relevante para o seu público, ele recebe conteúdos que tenham relação com o estabelecimento, que podem ser informações sobre promoções ou sobre utilidades. 

Assim, por meio dessas produções, uma loja de convites personalizados, por exemplo, mostra para os seus leads a relevância das suas mercadorias, bem como explica por quais motivos a pessoa deve adquirir esse item.

Esse é o objetivo de nutrir esse indivíduo, aos poucos ele vai sendo convencido de que precisa daquele produto, assim, pessoas que estão próximas disso, com a ajuda dos conteúdos, concluem mais rapidamente a aquisição. 

Mas a técnica também funciona para aqueles que estão no início da jornada de aquisição, assim, quem ainda está conhecendo o comércio e pesquisando também pode ser impactado. 

Nesse caso em específico, o indivíduo está mais longe da aquisição e precisa se convencer de que ele realmente necessita da mercadoria, assim, aqui a nutrição de leads atua como uma espécie de vendedor.

E essa é a diferença do meio digital para o físico, essa atividade de nutrição pessoalmente é feita pelo vendedor no momento do atendimento, ali ele mostra os benefícios, as funções e como outros usuários avaliaram a experiência. 

No meio digital nada disso é possível, por isso a técnica de nutrição é uma solução que consegue desempenhar esse papel e mostrar para o usuário as melhores condições. 

Além disso, essa técnica é vantajosa, pois o comércio que a utiliza pode:

  • Reduzir os custos;
  • Ter um relacionamento direto com o cliente;
  • Ter bons retornos financeiros;
  • Aumentar a possibilidade de compras dos leads.  

Nesse sentido, a equipe de marketing de uma loja de placas informativas para restaurantes, por exemplo, pode ter menos trabalho para conquistar novos clientes, logo, o dono pode reduzir o orçamento para esse setor. 

Isso porque a equipe não precisa se dedicar tanto quanto anteriormente para que os leads sejam conquistados. Com o contato já se consegue fazer isso, porque frequentemente o indivíduo está sendo alimentado. 

Além disso, o negócio sempre está em contato direto com o lead, isso ajuda para que a empresa não seja esquecida. Assim, mesmo que o indivíduo não esteja em um momento de finalizar a aquisição, quando esta hora chegar, ele vai lembrar daquele comércio.

Outro fator é que o recurso traz bons retornos para quem a usa, na prática aqueles indivíduos que não estavam pensando em fazer uma aquisição podem ser convencidos e concluir a ação

Já aqueles que estão pesquisando ou apenas descobrindo a sua empresa também podem ser levados a concluir a ação. Com a técnica, todos que chegam na página de uma loja de notebook para escritório, por exemplo, serão nutridos. 

A diferença é que existe a possibilidade de identificar em que momento da compra cada um está, e assim, disponibilizar conteúdos que se adequem a este momento.

Isso porque se a pessoa só está pesquisando, não faz sentido ela receber um conteúdo de quem está perto da compra. 

Por fim, a técnica ajuda aqueles que estavam perto de finalizar a aquisição, a realmente concluí-la. Assim, as chances de que o indivíduo faça a compra são maiores. 

Como fazer nutrição de leads

Com os resultados que são adquiridos com a técnica e os feitos que são gerados, o negócio pode prosseguir para a próxima etapa, realizando a nutrição de maneira adequada.

Veja como fazer isso:

Faça um planejamento

Tudo nessa vida precisa de planejamento, sendo que com essa estratégia não seria diferente, por isso é essencial que sejam pensadas táticas para atrair os leads. 

Devem ser pensados quais serão os conteúdos, com que frequência eles serão enviados, além dos formatos. 

Tudo deve ser pensado e estruturado para que os resultados alcançados por um comércio de automação industrial empresas, por exemplo, sejam satisfatórios. 

Além disso, é preciso pensar nas necessidades do público para que as produções sejam relacionadas com isso. 

Nesse momento, deve ser analisada a classificação relacionada ao momento que o lead está, ou seja, perto ou não da aquisição. Assim, é possível planejar de forma mais coerente os conteúdos. 

Acompanhe os leads

É essencial que os leads sejam acompanhados pela equipe, assim a qualquer interação que surgir deve ter alguém para responder. Isso porque uma possível venda pode ser perdida por falta de um acompanhamento. 

Apesar do recurso para nutrição de leads mais usado ser o e-mail, existem outros meios em que a técnica pode ser usada como redes sociais, blog e outros canais que forem identificados coerentes para o seu público. 

Assim, uma loja de peças refrigeração industrial, por exemplo, não pode demorar no atendimento, principalmente para evitar que vendas ou negociações sejam perdidas.

Personalize o conteúdo 

Textos que são enviados de modo personalizado com nome têm maiores chances de serem abertos, pelo fato do indivíduo se sentir mais atraído quando mencionado.

Sendo assim, personalize as produções, opte por e-mail com menção ao destinatário, mostre para ele que ele não é mais um no meio de todos, mostre que ele é único. 

Por isso, faça isso no título e no corpo do e-mail, seja educado e cumprimente o lead, assim juntamente com um conteúdo que seja personalizado para o momento que ele se encontra na jornada de aquisição, o e-mail tem mais chances de ser lido. 

Assim, uma loja de instalação elétrica externa, por exemplo, vai ter um melhor desempenho na sua nutrição de leads, além de ter elevadas chances que os seus e-mails sejam lidos. 

Obtenha dados dos leads

A coleta de dados ajuda muito na elaboração de produções que sejam relevantes para a nutrição, quanto mais dados forem obtidos e mais específicos forem, melhor. Fica mais fácil pensar em conteúdos quando se conhece melhor o público. 

Desse modo, isso permite que o comércio compreenda as necessidades, dúvidas e questões de cada momento do lead, assim ele consegue elaborar produções de acordo com cada etapa. 

Assim, um estabelecimento de banner de loja, por exemplo, entende o que o seu cliente que está realizando somente uma pesquisa precisa saber para continuar a sua jornada e ser estimulado a concluir uma aquisição.

Conclusão

A nutrição de potenciais compradores interessados ajuda os estabelecimentos a terem mais conhecimento sobre as produções que eles devem fazer, além disso, é possível que eles fiquem mais próximos dos consumidores e elevem as suas vendas, 

Desse modo, para os comércios que atuam no ambiente digital, investir na técnica ajuda para que vendas não sejam perdidas, além de possibilitar que a estratégia de marketing tenha um bom desempenho. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

CRO

CRO: o que é e como ele funciona

O CRO é uma das maiores preocupações entre profissionais do marketing, bem como uma das maiores e melhores soluções relacionadas à melhoria de compras e relacionamento com clientes, tudo por meio de plataformas online.

A importância dessa técnica, voltada para a conversão de leads, pode ser atingida por meio de algumas dicas, trazendo resultados cada vez melhores para o site de uma empresa. Confira no texto abaixo tudo o que você precisa para melhorar sua taxa de otimização!

Mas afinal, o que é CRO?

CRO nada mais é do que a sigla para Conversion Rate Optimization, que tem como significado em português Otimização de Conversão. A conversão é a ação de mudança de uma pessoa que entra em contato com um negócio por meio de site, para potencial cliente.

Por exemplo, uma escola de ensino fundamental particular passa a fazer suas principais anunciações de novas matrículas por meio de um site, elaborado de maneira totalmente comercial, oferecendo a oportunidade de conhecimento e agendamento de matrícula.

A quantidade de pessoas que entram no site, por meio de anúncios, divulgação ou pesquisa por meio da internet são contabilizadas por sistemas específicos. 

No momento em que passam de visitantes para interessadas pela matrícula da referida escola, é possível entender que houve uma conversão. Essa transformação em potencial cliente, ou seja, pessoa que irá até o local para fechar contrato, chama-se lead.

Essa conversão pode levar a ações tanto imediatas, como no caso de compras online, quanto a interesses pelo produto ou preço, que são sinalizados por meio do preenchimento de informações pessoais ou contato com funcionários pela web.

O CRO é então uma forma de melhorar a conversão dentro sites, incorporando às estratégias de marketing inúmeras formas para mudar a ação de clientes de qualquer tipo de negócio com presença online, seja melhorando páginas de venda ou refazendo ações.

A implementação de atitudes de CRO é possível por meio da análise da taxa de conversão de um site comercial. É por meio desse dado que é possível enxergar qual estratégia pode estar sendo feita da maneira errada e o que pode ser modificado nela.

Para que essa análise possa ser feita de maneira correta, é preciso verificar qual o tráfego do site, os locais na plataforma onde clientes mais se sentem atraídos e também fazer testes  comparativos, dicas que serão melhor aprofundadas ao longo do texto.

Entenda qual a importância do CRO

A importância de um CRO, como bem informado acima, é melhorar a taxa de conversão, ou seja, a quantidade de pessoas que entram no site da empresa e se interessam em comprar ou pedir informações sobre um produto ou serviço oferecido na divulgação.

Chegar a esse resultado pode trazer mais importância do que uma grande quantidade de pessoas interessadas no negócio. Bem como na maior parte dos negócios, um interesse em compra ou até a realização dela traz benefícios para um empreendimento.

O primeiro deles pode ser visto no aumento das vendas,que são um dos principais objetivos de empreendedores, afinal, quanto mais dinheiro entrando, mais um negócio pode ser considerado de sucesso, além de ser uma ótima oportunidade de melhorias.

Uma segunda boa vantagem da melhoria do CRO é o fato de que o ticket médio de compras em um site pode subir, registrando então, uma melhoria nos negócios e uma comprovação sobre as técnicas sendo utilizadas.

Por exemplo, utilizando métodos de otimização de conversão em um site de uma empresa de informática, foi possível entender que além das compras diárias de notebook novo, clientes passaram a comprar, ainda, mouses que apareciam como sugestão. 

Assim, ficou comprovado que o valor médio de rentabilidade no site subiu, algo que animou tanto as equipes quanto os donos da empresa. Essa mudança é um gatilho a mais para uma terceira vantagem do CRO: a redução de gastos para alcançar um cliente.

Muitas vezes, empresas acabam utilizando inúmeras estratégias para chamar a atenção de compradores, quando algumas soluções podem ser facilmente encontradas por meio de mudanças estratégicas dentro do próprio site.

A experiência do usuário, então, passa a ser prioridade das técnicas de CRO, podendo trazer vantagens relacionadas às oportunidades perdidas, ou seja, a quarta vantagem de fazer um CRO de qualidade na plataforma online de uma empresa.

Por exemplo, um layout que não favorece uma compra, nem ao menos chama a atenção de um possível cliente para a obtenção de um produto ou interesse de um serviço é um erro recorrente, mas pode ser facilmente corrigido com uma avaliação de ativos e passivos.

Todas essas vantagens têm como objetivo garantir a alta taxa de importância de uma empresa, bem como a autoridade dessa marca diante de clientes e do próprio mercado em que ela está inserida, trazendo então possibilidades de pioneirismo.

Como otimizar a taxa de conversão?

Agora que você entendeu como é possível modificar a realidade do site da sua empresa para gerar mais receita e vantagens relacionadas ao trabalho com propósito de sua equipe, confira algumas dicas para colocar em prática o CRO:

1. Experiência do usuário é rei

Conforme explicado anteriormente, a experiência de um usuário no site de uma empresa é essencial para que ele afirme o poder de comprar ou não aquela ideal, transformando-se ou não em um lead, também chamado de potencial comprador.

Para incorporar mudanças mais positivas, verifique quais são as partes do site mais clicadas por um visitante. Essas informações podem ser encontradas por meio de um painel de controle e também por aplicativos e ferramentas de marketing disponíveis na web.

Algumas delas são:

  • Design do site;
  • Mídias utilizadas;
  • Palavras e frases;
  • Produtos e serviços;
  • Conteúdos de Blog.

Além de verificar os pontos de interesse, é possível sugerir melhorias ou compreender melhor os gostos e desejos do possível comprador por meio de testes A/B, que funcionam entregando as mesmas informações, mas com comunicações escritas e visuais diferentes.

Por exemplo, em um site A de uma loja de chaveiro automotivo 24 horas algumas informações foram reduzidas à comunicação própria de redes sociais, como palavras ou frases mais curtas e diretas e designs mais intuitivos e minimalistas.

Na página de testes B, a preferência foi por uma comunicação mais séria, com informações detalhadas, imagens mais coloridas e um design mais voltado para o consumo via computadores, menos incorporado de mecanismos de redes sociais.

A partir dessa análise é possível entender qual será a melhor escolha de potenciais clientes, percebendo isso pela quantidade de acessos, fechamentos de contratos e interesse do público via buscadores. Aqui a comparação e análise é essencial!

Um outro ponto, que faz parte da experiência do usuário dentro da página de uma empresa é o tempo que ele passa no site até que todas as informações apareçam. A velocidade do site é, também, algo essencial para a permanência de uma lead nele

2. Implemente a comunicação direta

Seu site permite que o contato de um potencial cliente seja imediato, acompanhando a chegada de seu interesse pela compra? Você poderá entender melhor essa questão ao notar a presença, por exemplo, de robôs de chat, que fazem entregas rápidas.

Esses robôs, também conhecidos como chatbots, são ferramentas de comunicação direta de um cliente com funcionários de uma empresa, de forma com que dúvidas e vontades de compra sejam rapidamente atendidas, mesmo que com informações automáticas.

Também é interessante que o contato seja feito por meio de inúmeros botões ao longo do site, que levam sempre ao contato com pessoas responsáveis pela aquisição do serviço, e precisam estar visíveis, bem como uma sinalização de trânsito horizontal.

3. Aproveite o tráfego de itens específicos

Dentro de suas análises anteriores às práticas de CRO, você pode ter notado que alguns links, informações ou partes do seu site receberam bem mais atenção do público do que outras. Pegue esses conteúdos e utilize-os em outras possibilidades do seu site.

Por exemplo, uma plataforma de uma empresa de sacola de tecido personalizada teve como principal popularidade dentro do site os conteúdos sobre confecção e escolha de tecidos para fabricação caseira de sacolas, um resultado disparado pelas próprias vendas.

É possível utilizar o sucesso dessas publicações para conquistar o desejo de compra de outros produtos, como e-book ou livros sobre esses conteúdos, aulas e produtos únicos, que podem ser utilizados para confecção própria.

4. Crie um fluxo de relacionamento

Além das mudanças e testes dentro do seu site, tente, se possível, investir em ferramentas que possibilitem maior comunicação entre você e um cliente, bem como aquelas que continuam o relacionamento por meio de e-mail ou aplicativos de mensagem.

É possível criar ainda mais vantagens e oportunidades de compra, isso para todas as empresas desde uma que trabalhe com projeto data center até uma loja de roupas. 

Conclusão

Assim que for implementando as mudanças na sua página, por meio das dicas informadas, procure sempre fazer análises, do que vai ou não funcionar. Dessa forma você estará caminhando para a comunicação perfeita com seus clientes, permitindo mais vendas.

Por fim, não tente subestimar o CRO, com ele você verá que seus resultados poderão triplicar.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

networking entre empresas

Networking entre empresas: conheça as vantagens dessa prática

O networking entre empresas é uma estratégia fundamental para conseguir um melhor engajamento de sua marca no mercado, além de criar uma rede importante de contatos para uma série de atividades.

Muitas pessoas acreditam que o networking se resume a entregar cartões de visita e ter alguns contatos com profissionais relacionados com a sua área de atuação. Entretanto, o processo do networking é muito maior e mais funcional do que isso.

Por exemplo, um empreendedor de estrutura metálica tubular precisa que haja interesse para que um diálogo seja feito. Por isso, é preciso se fazer ouvido para conseguir apresentar um conteúdo diferenciado e aumentar seu networking.

A base de uma boa rede de contatos é a construção de relacionamentos. É identificar o que motiva as pessoas a querer saber mais sobre você, e agarrar as oportunidades de contato sempre que possível.

O importante é a via de mão dupla que este tipo de processo representa. Enquanto você conquista contatos profissionais vantajosos, você cria nestes contatos um sentimento de confiança, fazendo eles desejarem estar próximos de você.

O networking existe em diversos momentos e com diversas condições. Existem as interações físicas, como eventos, seminários e congressos, além de ações em conjunto entre as empresas. Mas os avanços da tecnologia criaram uma nova modalidade de networking, o virtual.

Aqui, é interessante pensar no relacionamento como uma ferramenta de engajamento, onde é possível manter contato constante, para evitar que alguém dentro de sua rede de contatos acabe caindo no esquecimento.

Uma empresa de confecção de adesivos personalizados, por exemplo, precisa de contato constante para apresentar suas novidades e conseguir converter novos clientes, com o apoio de um networking de qualidade.

As atividades relacionadas ao networking online são diversas, como algumas que citaremos:

  • Redes sociais;
  • Webinars e eventos online;
  • Videoconferências;
  • Trocas de e-mail.

O grande segredo de um bom networking é sua habilidade de contar histórias. Isso porque é através dessas histórias que você cativará as pessoas, fazendo-as se interessar em te procurar.

As histórias são poderosas ferramentas de vendas, tanto para negociações tradicionais quanto para contar sua história, bem como mostrar o quanto sua empresa tem a oferecer.

Isso porque a maioria das pessoas lembra muito mais de experiências e histórias do que de estatísticas sobre um empreendimento.

Qual a importância do networking?

O networking é uma rede de conexões que pode ser fundamental para sua empresa. Essa troca de experiência, muitas vezes, é proveitosa para ambos os lados, e você deve fortalecê-la sempre que possível.

Para manter sua rede sempre em ordem, é preciso pensar de forma proativa. Não espere a abordagem de alguém que você deseja inserir em sua rede de relacionamentos. Apresente-se e divulgue sua ideia, mostrando o interesse em interação.

Por exemplo, criar um folder de viagem exótica pode ser uma excelente ideia de uma agência para conseguir captar novas possibilidades de negócios.

Dessa forma, você acabará aumentando sua rede de contatos de forma orgânica, com muitas pessoas dispostas a trocar experiências com você.

Estamos o tempo todo realizando diversas ações. Isso significa que seu networking é muito mais do que um círculo social empresarial. Esse tipo de aproximação pode permitir a longo prazo muitas vantagens para ambos os lados.

Parcerias e projetos novos podem surgir de uma conversa com alguém de seu networking, ampliando ainda mais os conceitos das empresas envolvidas e trazendo novos profissionais para o círculo.

Todos os empresários querem um mesmo objetivo, os resultados. Para isso, é importante se aliar a outras empresas do mesmo nicho de mercado, principalmente para criar ações afirmativas e criar contatos relevantes e importantes.

Assim, toda vez que você apresentar uma proposta, seja fisicamente ou por meio da internet, com seu blog ou suas redes sociais, terá apoio de outros empreendedores para indicações e contato, caso seja do interesse de seu networking.

Por isso, é importante ter em mente que os relacionamentos nas redes sociais devem sempre ser benéficos. Isso fará você expandir seu conteúdo de forma natural e orgânica. Além disso, seu networking pode ajudar a conseguir investidores para seu projeto.

Se você tem uma empresa de produtos de higiene pessoal atacado, por exemplo, pode conseguir alavancar resultados muito melhores se tiver contatos que divulguem o trabalho.

Isso porque ao compartilhar seu conteúdo e dar o aval de qualidade, outras empresas estão possibilitando que suas próprias redes verifiquem o trabalho e compreendam que o investimento em você pode ser uma boa.

É importante ter um networking também porque, hoje em dia, é muito difícil realizar qualquer feito sozinho. Uma empresa que não procura por apoio acabará sendo engolida por gigantes do mercado, enquanto outra que possui um bom networking pode prosperar e crescer.

Quanto maior for seu networking, maior será a possibilidade de você apresentar seu conteúdo para novos clientes. Isso porque toda sua rede de contatos pode servir como uma forma de divulgar o seu trabalho.

Você pode, até mesmo, pegar uma sala de reunião para alugar para apresentar seus novos conteúdos a um público selecionado. Quanto maior o número de consumidores, mais fácil será manter o ritmo de trabalho e ampliar os processos de sua empresa.

Você também pode ser beneficiado com essa técnica. Isso porque o networking permite que você evolua sua marca pessoal. Claro, o foco ainda deve ser o crescimento da empresa como um todo.

Mas é muito comum encontrar em grandes corporações multinacionais a importância que seus líderes têm. Então quanto melhor você trabalhar sua imagem, maior será a imagem da empresa como um todo.

Isso acaba fazendo com que pessoas queiram fazer parte de sua empresa. Neste aspecto, o networking permite conhecer novos talentos, bem como aumentar seu time com profissionais qualificados e capacitados.

Mas como criar meu networking?

Embora conhecer pessoas seja muito importante para criar uma rede de contatos, o elemento principal deve ser você. Trabalhe para ser lembrado constantemente, e garanta que as pessoas conhecem você e sua empresa.

Apresenta suas novidades com relação a sua central de monitoramento CFTV, por exemplo, para os contatos corretos e tenha garantia de melhorar ainda mais suas vendas.

O networking funciona muito melhor quando recebe contatos diretos de pessoas interessadas no que você tem a oferecer. Algumas dicas podem ajudar ainda mais no processo de criação desta rede. Confira:

1.    Pro atividade

Para um empresário, a pro atividade é fundamental. Ela permitirá que você esteja sempre um passo à frente da concorrência, estimulando sua equipe e desenvolvendo cada vez mais trabalhos.

É importante fugir das armadilhas da reatividade. Uma pessoa reativa tende a somente reagir aos problemas quando eles aparecem, e nunca está à frente deles, pensando em soluções inovadoras.

Anote todas as possibilidades de problemas antes que eles aconteçam. Você pode ter um moleskine capa mole, por exemplo, com ideias de soluções que podem ser úteis no futuro, principalmente voltadas à gestão de crise.

2.    Especialização

Uma vez que você tem definido o nicho no qual sua empresa trabalha, é preciso demonstrar conhecimento especializado para se destacar dos demais.

Quando uma pessoa inicia uma rede de contatos, ela espera trocar conhecimentos e informações, então é preciso ter algo a oferecer para conseguir engajar um relacionamento profissional.

Se você não acrescentar algo, a relação entre seu networking pode acabar ficando maçante, afastando os profissionais da área e diminuindo as possibilidades de contato que você tem.

Uma boa forma de mostrar seu conteúdo é através de publicações, seja na internet, por meio de um site ou blog de sua empresa, ou nas redes sociais. A criação de conteúdo útil e de qualidade acaba passando um ar mais profissional para você.

Além disso, as pessoas começarão a identificá-lo como referência. Isso é fundamental para o crescimento de sua companhia, e fará com que muitas pessoas te procurem para iniciar relacionamentos de networking.

3.    Interesses em comum

Procure outros empresários com interesses em comum aos seus. Se você estiver em contato com pessoas com interesses diferentes, as trocas acabarão ficando muito limitadas, e acabarão não tendo um resultado muito adequado.

Por isso, é fundamental pensar em contatos de qualidade acima da quantidade, para conquistar trocas profundas e evolutivas.

Essas pessoas são profissionais qualificados em suas áreas, então é preciso que você tenha em retorno todo o desenvolvimento que está se propondo a entregar.

4.    Fuja do óbvio

Existem diversas empresas que trabalham em um mesmo setor. Todos os dias, novas marcas surgem para tentar gerar engajamento com o público. 

Portanto, para conseguir a atenção de pessoas relevantes e crescer ainda mais sua rede de contatos, é preciso sair do óbvio.

Sua escola de danças pode se especializar em aula de ballet criativa, por exemplo, apresentando novas possibilidades para qualquer interessado. Bem como pode criar um networking forte com outra escola da área.

Não é suficiente ser bom no que você faz. É preciso pensar de formas inovadoras e inteligentes, oferecendo conteúdos de qualidade e diferentes.

Considerações finais

Não aproveitar as vantagens de uma rede de contatos próspera é algo impensável para empreendedores nos dias de hoje. 

A sobrevivência no mercado depende de parcerias e trocas de informações relevantes. Por isso, mantenha sempre as portas abertas para ampliar sua rede de contatos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

taxa de rejeição

Taxa de rejeição: o que é e como superá-la

Já não é segredo para ninguém que trabalha com marketing digital o quanto aparecer nos motores de busca é importante. Mas se tem um tema que ainda deixa dúvidas e causa receios é o da taxa de rejeição, a famosa bounce rate.

De fato, em um mundo em que a geração de conteúdo se torna cada vez mais importante para as marcas, sejam multinacionais de roupa esportivas ou um berçário infantil, o engajamento e as interações tendem a se tornar cada vez mais importantes.

Um dos vários modos de calcular se o pessoal está engajando e interagindo com seus conteúdos é, justamente, por meio da taxa de rejeição. Afinal, quanto tempo a pessoa passa em suas páginas, ou ainda, em quantos botões ela clica?

Se você investe bastante em CTA (Call to Action), que são as Chamadas para Ação, e nem assim seus materiais são clicados, baixados ou mesmo abertos, realmente existe algum ponto errado na sua estratégia, concorda?

Por exemplo, se uma pessoa adora consumir o conteúdo gratuito de um blog de aula de violão para crianças, é natural que mais hora menos hora ela acabe baixando um e-book, depois alguns vídeos e, enfim, que se torne cliente da plataforma.

Mas pode ficar tranquilo, se isso não acontece com você, não quer dizer que seu conteúdo é necessariamente ruim. Ocorre apenas que o marketing digital não é tão simples quanto alguns dizem, e que vários detalhes podem fazer a diferença no fim das contas.

É aí que entra o papel das análises, das métricas e dos índices como o próprio bounce rate. Ao aprender como exatamente ele funciona, qual sua importância e como superá-lo, certamente os resultados vão melhorar e o crescimento virá.

Então, se você quer entender como tudo isso funciona, basta seguir adiante na leitura.

O que exatamente é o bounce rate?

Como dito, trata-se de um assunto que ainda causa muitas confusões. Em termos técnicos, a taxa de rejeição nada mais é do que a contagem de pessoas que acessam um site e logo o deixam, sem qualquer interação com ele.

Na prática, isso pode acontecer de várias maneiras diferentes, entre as principais:

  • O usuário simplesmente fecha a página/aba;
  • A pessoa clica em voltar pelo navegador;
  • O leitor clica rapidamente em um link de outro site;
  • O usuário digita outro endereço na barra do navegador;
  • A pessoa fica inativa por mais de 30 minutos.

O erro mais comum aqui é considerar bounce rate e “taxa de saída” (outra métrica que é possível extrair de qualquer página da internet) como sendo a mesma coisa, quando na verdade não são.

Ora, a taxa de saída remete ao fluxo da página, como os índices de entrada, visualização, impressão e saída de um site.

Uma página excelente sobre empresas de instalação elétrica pode ter um número alto, e isso ser positivo, indicando que ela teve, no fundo, várias entradas.

Já a taxa de rejeição, como explicado, refere-se ao tipo de interação e de engajamento que o site está conseguindo manter.

Como hoje vivemos a era dos conteúdos e do inbound marketing, é natural que uma marca precise de pessoas que engajem, comentem, curtam, compartilhem, baixem arquivos e daí em diante, concorda?

Aí é que está não apenas o papel do bounce rate, como a sua importância nas estratégias de marketing digital e, claro, a importância de superar essa taxa caso ela esteja negativa.

Atenção à leitura desse índice

Se tem algo fundamental no mundo das métricas e análises digitais, é saber o que fazer com os números que foram coletados. Ou seja, não adianta você ter vários relatórios em mãos no fim do mês, se não souber apurá-los.

O índice ou taxa de rejeição é um exemplo desse tipo de confusão. Pense bem, um site sobre curso de musicalização infantil cheio de links com vídeos, materiais gratuitos, formulários para preenchimento e CTAs precisa de cliques e interação?

“Com certeza”, diríamos. Porém, depende do ponto de vista. Podemos dizer que uma página com essas características precise mesmo, já que o objetivo dela é gerar esse tipo de ação. Mas a página e o site inteiro não são a mesma coisa, concorda?

O fato é que existe, dentro do mesmo site, páginas que não são feitas necessariamente para gerar interação por cliques, ou mesmo um tempo estendido de leitura. 

Um exemplo muito claro é o campo de contato, que pode conter apenas endereço e número telefônico.

Assim, um site de marmitas para empresa que não seja focado em venda ou fechamento pela web, mas apenas publique seus conteúdos como se a internet fosse um cartão de visitas online, por exemplo, vai precisar ter outra visão sobre o seu bounce rate.

Como saber se a taxa está alta?

Para que o ponto detalhado acima fique claro, é preciso explicar melhor quais são, afinal, os casos em que o bounce rate pode realmente indicar uma falta de eficiência.

Como vimos, o marketing digital é mais complicado do que pode parecer em um primeiro momento, então nem sempre certos índices vão indicar que seu conteúdo, produto ou serviço tem realmente um problema.

Quem recentemente fez uma pesquisa profunda sobre isso foi a QuickSprout, uma empresa norte-americana que estuda o mercado digital, cujo resultado indica a taxa comum de rejeição para cada plataforma, conforme o segmento:

  • Blogs (sem e-commerce): 70% a 98%;
  • Uma landing page comum: 70% a 90%;
  • Ramo varejista em geral: 20% a 40%;
  • Serviços e geração de leads: 30% a 50%;
  • Portais noticiosos: 10% a 30%.

Se percebermos, um blog sem produto, focado apenas em conteúdo, pode chegar a quase 100% na taxa, ao passo que um site de varejo e venda talvez devesse ficar em 20% apenas, dependendo do caso.

Certamente, levar em conta essa pesquisa vai tornar suas ações muito mais assertivas e direcionadas, sobretudo na hora de superar realmente uma taxa negativa.

Por dentro dos maiores problemas

Todo mundo já teve a experiência de entrar em um site qualquer e simplesmente não conseguir navegar, não é mesmo?

Aparece um banner no topo, outro embaixo, um pop-up enorme no meio da tela e mais um anúncio ao canto. Aí fica difícil, não é mesmo? 

Claro, um site stand feira pode aproveitar para fazer propaganda de parceiros, ou mesmo ativar as redes de links patrocinados, que vão trazer banners de vários sites.

Mas isso não pode ser exagerado ou causar desequilíbrio. Portanto, uma dica de ouro para superar taxas negativas de rejeição é pensar e repensar a navegabilidade do seu site, o layout e a experiência que o cliente vai ter.

Lembrando que a usabilidade também aponta para o tempo de carregamento, então é preciso que o site abra rapidamente, e que os menus e botões funcionem.

Hoje, já existem softwares que ajudam a escanear seu site diariamente para verificar isso.

Outra dica semelhante é a da responsividade, que permite que o site abra tanto em computadores quanto em dispositivos móveis, como celulares e tablets.

Cuidado com os links utilizados

Outro modo infalível de superar as taxas de rejeição é tomando cuidado com os links. 

Isso causa muita confusão também. Afinal, todo mundo já ouviu falar de link building, então, quanto mais links melhor, certo? Não é bem assim.

Como já mencionado, se a pessoa entra no seu site e clica em um link externo muito depressa, isso pode prejudicar sua taxa de rejeição.

Então, uma dica é ficar de olho nos famosos clickbaits, que são sites cujos conteúdos têm unicamente a finalidade de “caçar clicks”, para gerar tráfego e receita em cima disso. Se algum campo de banner seu estiver promovendo conteúdos assim, cuidado.

Um modo pró-ativo de trabalhar os links é investindo em conteúdos internos. Não que você não possa fazer link externo. Até pode, desde que tenham realmente a ver com o assunto, e que não acabem simplesmente canalizando sua audiência.

Se o site fala sobre as aulas do ensino médio particular, crie você mesmo páginas de blog sobre assuntos ligados, como disciplina de Português, de Matemática, de Física, etc.

Considerações finais

Como vimos, o bounce rate não é algo tão simples quanto parece num primeiro momento.

Mas, com certeza, prestar atenção nesse indicador e trabalhar para que ele se torne um fator positivo é algo que pode mudar suas estratégias de patamar.

Na linha de todas as dicas dadas aqui, o essencial do marketing digital sempre vai ser o conteúdo, a originalidade e a relevância.

Ou seja, se uma página trata de sala de reunião para alugar, é preciso que gere conteúdos realmente novos, e que valorize a interação com o seu público.

Usabilidade, escaneabilidade, layout, CTAs e chamadas atraentes podem ajudar, mas no fim das contas, sempre vai ser o material entregue o que vai fazer a taxa de rejeição cair.

Levando em conta todas as dicas dadas acima, vai ficar ainda mais fácil superá-la, sempre que necessário.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

marketing boca a boca

Marketing boca a boca, continua sendo um pilar importante para as imobiliárias

Compreenda a importância do marketing boca a boca para o seu negócio imobiliário e dê um passo à frente para abrir portas e fechar mais contratos!

O grande desafio para as imobiliárias em Florianópolis que querem se manter competitivas no mercado é apostar em uma boa campanha de marketing. Contudo, nem sempre apenas investir em tecnologia e nas últimas tendências de vendas é a única alternativa para atingir um público-alvo.

O marketing boca a boca pode ser uma ferramenta valiosa. Afinal, é um dos mais importantes tipos de marketing para a maioria das marcas, produtos ou serviços. Isso ocorre porquê o marketing boca a boca faz com que pelo menos 92% das pessoas comprem um produto que foi indicado por uma pessoa da sua rede de relacionamento.

Hoje em dia, o marketing boca a boca está se tornando muito importante especialmente para pequenas lojas e marcas locais que não têm um enorme orçamento de marketing. Eles podem prestar um bom serviço e obter os retornos por causa das relações pessoais que ajudam a manter em relevo.

Grandes retornos sobre o investimento

O marketing boca a boca é um dos mais antigos, e atualmente a tática de marketing mais forte para qualquer comerciante, desde quem anuncia frutas até quem deseja emplacar apartamentos à venda nos Ingleses. Um produto ou serviço recém-lançado pode se tornar um sucesso ou um fracasso devido ao marketing boca a boca. À medida que a popularidade e a penetração da internet e das mídias sociais aumentam, o marketing boca a boca está se tornando cada vez mais importante para todas as marcas. Contudo, tenha atenção: é mito que o marketing boca a boca não custa nada. Você precisa investir na prestação de um serviço sólido aos clientes para gerar boa repercussão. No entanto, uma vez que você dá esse serviço, você terá um enorme retorno sobre o investimento.  Ás vezes, alguns clientes ficam tão felizes com sua marca que se tornam defensores da marca. Esses clientes são os que geram o máximo de negócios para você via marketing boca a boca – sem nenhum custo para você!

Marketing negativo significa enormes perdas

Quando um cliente experimenta um produto ou um serviço, e recomenda o produto ou o serviço para outra pessoa, oralmente ou via comunicação escrita, então isso é conhecido como marketing positivo. Evidentemente, nem sempre todos são agradados com um produto ou serviço. Assim, uma campanha boca a boca negativa pode causar enormes perdas para um produto ou marca recém-lançado. É por isso que as empresas precisam se concentrar no marketing boca a boca positivo o tempo todo. O marketing boca a boca pode ser tanto – bom ou ruim. Pode ser bom se a recomendação for positiva ou pode ser ruim se a recomendação for negativa. A razão pela qual o marketing boca a boca é tão importante para os profissionais de marketing é por causa disso geralmente uma recomendação pessoal de alguém que você conhece – e, portanto, é conhecida por ter uma taxa de conversão muito alta – maior do que qualquer outra forma de marketing.

Boca a boca também existe nas redes sociais

Uma menção especial precisa ser dada às mídias sociais e seu poder por causa do marketing boca a boca. Já viu um filme recente ser lançado e o filme ir um FLOP dentro de 2 dias de seu lançamento? Quem faz isso? As pessoas ficam na frente dos cinemas e gritam que o filme é ruim? Não. Eles só precisam digitar linhas 2 no Facebook ou Twitter. Quanto mais positivo o feedback, mais o filme será um sucesso. De fato, as mídias sociais se tornaram tão poderosas, que todas as eleições políticas em todo o mundo estão acontecendo mais nas mídias sociais do que offline. Muitos políticos estão focados em melhorar sua imagem online compartilhando regularmente as melhores fotos e ações nas mídias sociais. Se eles cometem um erro, isso é engessado na internet. Nos dias de hoje, se você quer um boca a boca positivo, é impossível obtê-lo se você não se concentrar nas mídias sociais. Desse modo, uma imobiliária que deseja ter imagem positiva nas redes sociais deve estabelecer os sinais sociais certos com seus clientes, e é provável que você gere mais positivo boca a boca e obtenha muito mais perguntas para o seu negócio a partir de uma boa indicação. Hoje, as mídias sociais controlam o boca a boca de uma forma importante.

O efeito do boca a boca negativa

Publicidade negativa boca a boca é devastadora para qualquer negócio. Hoje, com a internet e as mídias sociais, o boca a boca negativo é um grande problema para marcas, produtos e serviços – inclusive imobiliários. Assim como o marketing boca a boca positivo significa que os clientes recomendam o produto para outros clientes em potencial, o boca a boca negativo significa que os clientes impedem outros potenciais clientes de comprar o produto ou o serviço. O boca a boca negativo tem um enorme impacto no resultado final ou nos lucros de qualquer organização. As vendas de produtos em qualquer plataforma de comércio são um exemplo de como as classificações negativas podem resultar imediatamente em uma queda nas vendas.

No entanto, há muitos clientes inteligentes que tomam as classificações negativas com uma pitada de sal. O motivo? Pessoas que tiveram experiências negativas são muito mais propensas a dar avaliações negativas em comparação com pessoas que tiveram experiências positivas. Portanto, se você ama um produto ou um serviço, certifique-se de que você está dando uma avaliação positiva para ele, caso contrário, avaliações negativas puxarão para baixo o produto ou serviço e pode destruí-lo do mercado.

Ferramentas adequadas

Um dos fatores mais comuns para o marketing boca a boca positivo é dar atendimento rápido e eficaz aos clientes. Isso torna sua marca ou produto confiável e o cliente irá recomendo fortemente a outros por causa da confiabilidade. A qualidade de seu atendimento faz uma enorme diferença no boca a boca gerado para um produto ou serviço. Se o cliente estava esperando uma boa qualidade, e ele superou isso, espere que um retorno muito positivo seja gerado para o seu atendimento. Por outro lado, se a qualidade estava abaixo das expectativas, então espere feedback negativo também. Os clientes podem não se lembrar de sua marca. Eles podem não se lembrar do produto também. Mas se você tem as pessoas certas em sua empresa, mais do que provavelmente, as pessoas construirão boas relações com o cliente final. Uma pessoa errada pode fazer os clientes irem embora, por isso, capacite sempre muito bem seus corretores.

Gostou destas informações? Compartilhe este post!

twitter

Birdwatch: Twitter anuncia novo programa piloto de checagem de fatos

Na busca por combater a desinformação e as fake news em sua plataforma, o Twitter lançou, na segunda-feira (25), o programa Birdwatch. Inicialmente disponível apenas nos Estados Unidos, o projeto-piloto reunirá cerca de mil usuários, que poderão adicionar notas e contextos informativos em tuítes considerados enganosos.

De acordo com um post de Keith Coleman, vice-presidente de produto do Twitter, no blog da companhia, a intenção não é dar um veredito de “verdadeiro” ou “falso” ao tuíte, mas sim, possibilitar que a própria comunidade forneça contexto útil para melhor o entendimento e a avaliação da publicação.

“Acreditamos que essa abordagem tem o potencial de responder rapidamente quando informações enganosas se espalham, adicionando contexto em que as pessoas confiam e consideram valioso”, diz a postagem.

Primeiramente, o usuário do Birdwatch classificará o tuíte duvidoso — os participantes do piloto também poderão adicionar notas em tuítes de outros usuários do programa. “Contém um erro factual”, “Apresenta uma afirmação não verificada como um fato” e “Trata-se de uma piada ou sátira que pode ser interpretada erronamente como um fato” são alguns exemplos.

Depois, o usuário poderá classificar os danos que o tuíte pode causar e deverá postar um contra-argumento para a publicação, dando mais contexto ou apresentando novos fatos à postagem.

Exemplo de nota na plataforma Birdwatch, do Twitter
Exemplo de notas postadas em tuítes duvidosos na plataforma Birdwatch. Foto: Twitter/Reprodução

Todos os dados contribuídos para o Birdwatch estarão disponíveis publicamente e poderão ser baixados em arquivos TSV. Já os algoritmos usados para impulsionar o programa serão publicados no Guia do Birdwatch, disponível na página GitHub do Twitter.

shutterstock_580499569

As 6 grandes tendências do e-commerce brasileiro para 2021

Depois de um ano em que vimos um crescimento histórico, o que vem por aí neste 2021?

Para o bem ou para o mal, os últimos 12 meses foram inesquecíveis. A pandemia acelerou a digitalização do varejo de uma forma que seria impossível imaginar: no primeiro semestre de 2020, o e-commerce teve o maior crescimento dos últimos 20 anos, avançando 47%. As empresas precisaram investir em canais digitais para poder continuar em contato com os clientes. Quem tinha um e-commerce atualizou seus sistemas, quem estava offline correu para abrir um site ou entrar em um marketplace. O WhatsApp se tornou estratégico e as lojas físicas ganharam a função de hub de distribuição.

E o crescimento do e-commerce continuou acelerado no segundo semestre. Uma boa referência é a Black Friday, em que as vendas cresceram 32% na comparação anual, considerando somente a sexta-feira. Em todo o mês de novembro, a expansão foi de 70%. O varejo foi de vez para o online, incluindo segmentos como materiais de construção e supermercados, e o consumidor gostou.

Como resultado, o varejo brasileiro nunca mais será o mesmo.

O novo ano começa com a expectativa de tempos melhores, mas ainda com a promessa de turbulências. O fim do apoio emergencial e indefinições a respeito de um cronograma de vacinação (ou mesmo de quais vacinas estarão disponíveis) criam mais tensão, mas todos nós estamos imersos nesse ambiente e vamos precisar lidar com ele. A diferença estará em quem conseguir identificar os caminhos para estar mais próximo dos clientes e digitalizar ainda mais seus negócios.

Por isso, neste 2021 todo varejista deveria estar atento aos seguintes pontos, que farão a diferença entre ser líder e ficar para trás:

1) Integração online e offline

O fechamento das lojas físicas de todo o varejo considerado não essencial (responsável por cerca de dois terços das vendas do setor) teve um efeito benéfico inesperado. Com as lojas fechadas ao público, ficou claro que o PDV poderia – e deveria – ser mais que um lugar para a venda de produtos. No melhor exemplo de “se Maomé não vem à montanha, a montanha vai a Maomé”, a loja passa a estar à disposição do cliente de todas as formas possíveis.

Os varejistas perceberam que suas lojas físicas poderiam funcionar como hubs avançados de distribuição para atender os pedidos online dos clientes da vizinhança. Dessa forma, conseguem reduzir significativamente os custos logísticos e os prazos de entrega e ganhar competitividade. O ship from store ganhou um enorme impulso ao longo de 2020: dados da Linx Digital mostram que, na Black Friday, essa modalidade teve um aumento de 142% no número de pedidos e representou 63% de todos os pedidos omnichannel.

Em 2021, mais varejistas irão adotar a entrega a partir das lojas físicas, estimulando a modernização dos sistemas e acelerando a implementação de sistemas OMS. Ao mesmo tempo, o “clique e retire”, a forma mais conhecida de omnichannel, voltará a ganhar força com a vacinação e o aumento do fluxo de clientes nas lojas.

2) Siga as letras: ESG

Os cuidados com práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) ganharam espaço durante a pandemia e, neste ano, serão um fator cada vez mais importante na escolha das marcas e na fidelização dos clientes. Empresas com um posicionamento ESG relevante terão uma melhor imagem e tenderão a crescer mais rápido – desde, é claro, que as ações ESG sejam reais.

Isso é muito positivo para o e-commerce, que pode se beneficiar de várias maneiras: usando embalagens recicláveis ou retornáveis; comunicando melhor suas ações de redução da “pegada de carbono” ou para ajudar comunidades carentes; e se envolvendo em causas sociais e/ou ambientais. Empresas que são referência em ESG mostram aos clientes que têm um propósito mais nobre que a venda de produtos. E isso traz resultados financeiros.

3) Inteligência Artificial que funciona

Inteligência Artificial (IA) foi uma das expressões mais presentes nas conversas, em eventos e nos materiais de marketing. Fornecedores dizem que seus sistemas se baseiam em IA, empresas dizem que usam a tecnologia para conhecer melhor seus clientes, e assim se conquista uma imagem de modernidade. Mas é preciso ir muito além disso.

A IA oferece benefícios reais em qualquer atividade que dependa da coleta e da análise de dados para melhorar o relacionamento com os clientes. Neste ano, mais e mais aplicações de tecnologia terão IA embutida. A chave para o sucesso é entregar valor real ao cliente. A IA que funciona é aquela que antecipa demandas dos consumidores para solucionar problemas do varejo e da indústria, como ruptura, planejamento de demanda e personalização de promoções e ações de comunicação.

4) Live streaming

No meio da pandemia, o varejo descobriu o live streaming como uma forma de levar calor humano para as transações online. Uma maneira de tornar o e-commerce mais “com cara de loja física”. Em um primeiro momento, com um jeito bem vintage: apresentar ofertas em vídeo e estimular o cliente a acessar um outro canal para fechar a transação é uma forma de descrever os canais 1406 dos anos 90 (em que o cliente ligava para um número de telefone para fazer o pedido).

O exemplo da China aponta o caminho para o que será o live streaming neste 2021: comprar diretamente do vídeo, sem sair da transmissão e sem direcionar o cliente para outro canal de relacionamento. A integração dos mecanismos de compra às transmissões oferece uma experiência mais imersiva.

Não é à toa que o Interactive Advertising Bureau estima que as vendas geradas pelo live streaming alcancem US$ 120 bilhões em todo o mundo neste ano. Os consumidores querem sentir uma conexão com as marcas, não querem somente comprar produtos. O live streaming consegue oferecer essa conexão, mantendo a segurança do isolamento social. É de se esperar que, passada a crise, os consumidores voltem às lojas, mas o live streaming continue sendo uma força importante para o relacionamento com as marcas.

5) Social commerce, finalmente!

Há anos as vendas pelas redes sociais são uma tendência indicada como “agora vai”. Com a pandemia, mais pessoas passaram a interagir online com suas marcas preferidas, encurtando o caminho para as compras online. Como Instagram, Facebook e TikTok são sinônimo de internet para boa parte dos seus usuários, as experiências de compra nas redes sociais estão se sofisticando. Projeções indicam um crescimento da ordem de 30% nas vendas globais via social commerce nos próximos cinco anos. Mais poder para as big tech, mais desafios para as marcas de varejo.

6) Uma nova logística

A logística é um aspecto estratégico do e-commerce, já que a velocidade de entrega dos produtos é um enorme fator de diferenciação e um dos principais elementos decisivos de compra, ao lado do valor do frete. Novas soluções de entrega diminuem o prazo e reduzem o custo do delivery de produtos, o que torna o e-commerce ainda mais interessante para os clientes e alavanca vendas.

Além do ship from store, que transforma as lojas físicas em hubs logísticos, outro movimento importante dos varejistas online é a busca por novas modalidades de entrega. Os marketplaces estão reforçando suas estruturas de entrega, com investimentos em Centros de Distribuição, carros elétricos, aviões e drones. Startups dedicadas à logística de última milha aumentam as possibilidades do uso de lockers e parceiros de coleta e retirada de entregas. O varejo precisa levar em conta essas novas realidades e desenvolver um mix de entregas que alie velocidade e custos baixos. Essa será uma equação vencedora no e-commerce de 2021.

Fonte: e-commerce Brasil

youtube1

YouTube testa venda direta de produtos que aparecem nos vídeos

O YouTube está testando uma maneira de fazer com que as pessoas possam comprar produtos apresentados nos vídeos diretamente pela plataforma. O recurso em si não é novo – o Instagram já faz isso, por exemplo – e é uma evolução de uma outra ferramenta do site, testada em abril, que mostrava detalhes dos produtos na tela.

“Espectadores verão uma lista dos produtos apresentados clicando no ícone da sacola de compras no canto inferior esquerdo do vídeo. A partir daí, poderão explorar a página de cada produto para ver mais informações, vídeos relacionados e opções de compra”, explica o YouTube.

A novidade, por enquanto, está restrita a um número limitado de criadores dos Estados Unidos. Em outubro, um porta-voz do YouTube disse ao site Bloomberg que a plataforma estava testando uma nova integração com a Shopify para vendas. Não está claro como o site geraria receita a partir da ferramenta, mas, nas assinaturas de membros dos canais, o YouTube leva uma comissão de 30%.

Youtube e e-commerce

De maneira geral, o Google tem tido pouco sucesso no e-commerce. A empresa tem preferido focar em venda de anúncios que direcionam as pessoas a outras lojas digitais, em vez de vender os produtos ela mesma. Porém, a pandemia de Covid-19 afetou os orçamentos de marketing das empresas, principalmente nos setores de viagens e varejo físico, que são os principais anunciantes do Google.

Por outro lado, o comércio eletrônico vem crescendo na medida em que as pessoas ficam mais tempo em casa, comprando mais produtos online. Uma pesquisa da RBC Capital com profissionais de marketing revelou o “comércio social” como uma área importante para companhias como Facebook e o Pinterest.

Há meses, os executivos do Google sinalizam que o YouTube será fundamental para sua estratégia de comércio eletrônico. O CEO da empresa, Sundar Pichai, já sugeriu que vídeos de unboxing — quando alguém abre as embalagens dos produtos — poderiam ser transformado em ótimas oportunidade de compra. Outras categorias populares, como tutoriais de maquiagem e culinária também serviriam como vitrine para os produtos.

Fonte: Olhar Digital

inteligência artificial no e-commerce

4 maneiras que a inteligência artificial pode ser aplicada no e-commerce

A tecnologia tem tido avanços cada vez mais impressionantes. Hoje em dia, pensar em inteligência artificial no e-commerce deixou de ser um elemento de ficção científica, para ser uma realidade próxima, com diversas vantagens para os profissionais.

As IAs, ou Inteligências Artificiais, são um dos principais recursos tecnológicos da atualidade. Tratam-se de sistemas que simulam a inteligência humana, ultrapassando a programação pré-realizada pelo especialista e tomando decisões de forma autônoma.

Cientistas buscam aperfeiçoamentos tecnológicos em fronts que vão desde partes mais técnicas, como o cabeamento estruturado de redes, até elementos que parecem ter saído de filmes de ficção científica, como robôs e máquinas pensantes.

Esse último contexto foi o que gerou toda a estrutura de pesquisa em inteligências artificiais. Esse tipo de recurso vem sendo estudado há décadas, com testes e pesquisas de como aprimorar estas tecnologias e encontrar soluções adequadas para todos os setores do mercado.

As IAs têm uma excelente capacidade de adaptação, buscando em enormes bancos de dados as soluções mais adequadas para problemas que se apresentam de forma orgânica, eliminando a necessidade de manutenções e interferência humana constante.

Em sua base, a inteligência artificial é uma máquina capaz de tomar decisões de forma independente, apoiada em dados anteriores que são analisados de forma extremamente rápida.

Isso acaba melhorando a capacidade do ser humano de resolver problemas práticos, deixando para as máquinas o serviço repetitivo e podendo se focar em pontos mais importantes.

Por exemplo, um pintor ainda usará seu trabalho mecânico para concluir uma obra, mas pode comprar um galão de tinta branca e deixar a IA misturar tonalidades até achar a cor ideal, sem gastar além do necessário.

Dentro da lógica do mercado, as inteligências artificiais podem ser grandes aliadas na hora de trabalhar com seu e-commerce. Inclusive, as estratégias de marketing digital têm trabalhado em união com esses novos conceitos tecnológicos.

Como usar as IAs em seu e-commerce?

Dentre as inúmeras opções de serviços prestados por inteligências artificiais, algumas são particularmente atrativas para o comércio, sendo muito bem utilizadas para qualquer tipo de loja.

Nesse aspecto, os e-commerces se destacam ainda mais, uma vez que todo o processo da loja é realizado em um campo digital, área nativa de atuação das IAs. Por isso, confira 4 maneiras de utilizar a Inteligência Artificial na sua loja online.

1.    Vitrines automatizadas

Conhecidos como sistemas de recomendação, essas inteligências artificiais ganharam força com os serviços de streaming, identificando os padrões de consumo dos usuários para apresentar opções similares que possam interessá-los.

Neste aspecto, a funcionalidade para o comércio toma forma de uma vitrine personalizada, onde a máquina identifica o que um cliente está buscando e oferece outros produtos similares, que possam ser do interesse do cliente e o façam consumir mais.

Uma pessoa procurando por uma cadeira confortável para escritório, por exemplo, pode acabar encontrando diversas alternativas de itens para salas comerciais, uma vez que a inteligência artificial identifica essa necessidade.

Essas vitrines são moldadas de forma automática pela própria IA, que avalia constantemente as escolhas dos usuários, para apresentar uma experiência única para cada pessoa que entra em seu e-commerce.

Esse tipo de ação acaba atraindo mais pessoas para consumirem, uma vez que conseguirão encontrar os produtos que desejam e outras opções de forma natural e sem nenhum tipo de invasão na privacidade da compra.

Em alguns casos mais avançados da ferramenta, ela pode inclusive posicionar as propagandas em locais diferentes da página, criando uma interface mais amigável para o usuário e melhorando a experiência de compra como um todo.

Essas inteligências artificiais também podem ser programadas para apresentar conteúdos fixos, como promoções e lançamentos, além de identificar os principais itens de gosto do cliente que está consumindo em sua loja.

2.    Buscas inteligentes

Alguns sistemas de busca utilizam as inteligências artificiais para refinar seus resultados, principalmente os principais motores de pesquisa da web. Entretanto, existem algumas ferramentas especializadas em comércio para ajudar o usuário a encontrar o que precisa.

Dentre as propriedades encontradas em buscadores inteligentes podemos destacar:

  • Velocidade;
  • Busca por similaridade;
  • Busca por cores;
  • Análise comportamental.

O uso mais comum de um buscador inteligente é para apresentar um resultado mais rapidamente ao cliente. Hoje em dia, as pessoas desejam muito mais dinamismo em suas ações, principalmente na internet.

Por isso, uma IA que consiga identificar as palavras que estão sendo digitadas e comece a apresentar resultados antes mesmo de terminar a digitação, acaba passando uma impressão mais profissional da loja para o usuário.

Caso você erre alguma parte da grafia ao procurar por uma loja de material de construção, por exemplo, a ferramenta irá entender a mensagem e procurar mesmo assim a solução para você.

Além disso, muitas IAs estão programadas para identificar similaridades fonéticas. Isso permite que, mesmo que você não saiba exatamente como escrever um nome de produto, ou digite alguma letra errada, a ferramenta encontre o produto que você deseja e outros similares.

O comércio eletrônico tem cada vez mais diversificado suas linhas para atender melhor os clientes.

Por isso, muitos e-commerces começaram a trabalhar com a busca por imagens para identificar produtos que muitas vezes a pessoa não sabe o nome ou como encontrá-lo, mas possui imagens sobre ele.

Algumas IAs mais avançadas possuem, até mesmo, ferramentas de identificação de cor, evitando uma série de erros e facilitando a pesquisa para o usuário interessado.

Assim, se você tirar uma foto de, por exemplo, um papel de parede para sala pequena que achou interessante, a IA pode identificar se a peça existe na loja e apresentar para você o produto.

Quando você faz muitas pesquisas sobre um mesmo assunto, é comum que a IA registre esse histórico. Então, quando você procurar um item similar na loja, o mecanismo encontrará produtos baseados no seu comportamento de consumo.

3.    Utilização de chatbots

O atendimento ainda é parte fundamental de qualquer tipo de venda, seja ela física ou virtual. No caso dos e-commerces, é comum que os clientes tenham diversas dúvidas, uma vez que não conseguem ver os produtos ou tocá-los para testar.

Por conta disso, é muito comum que diversos usuários tenham as mesmas dúvidas, o que pode acabar dando muito retrabalho para a equipe de atendimento. Para facilitar esse tipo de serviço, foram criados os chatbots.

Perguntas simples, como o quão resistente é uma tela para janela, podem ser respondidas automaticamente, facilitando assim a comunicação entre cliente e marca.

Tratam-se de inteligências artificiais de interação, que conseguem compreender as mensagens dos clientes e responder a maioria das perguntas mais frequentes de forma natural.

Além disso, os chatbots incluem perguntas em seus bancos de dados, para expandirem sua capacidade de resposta. Essas ferramentas são fundamentais para um atendimento mais rápido e personalizado.

Com os chatbots, você também tem a vantagem do atendimento irrestrito. Isso porque funcionários têm um período de atendimento, além de pausas regulares para alimentação e descanso.

Os chatbots funcionam 24 horas por dia, 7 dias por semana. Isso significa que mesmo um cliente que esteja em sua página no meio da madrugada, tem chances de encontrar as respostas que ele estava procurando.

Isso garante que alguém que precisa de uma resposta urgente, como um organizador de festas que precise de um stand evento, tenha todas suas dúvidas sanadas e possa adquirir o produto imediatamente.

Vale lembrar que o uso de chatbots não elimina a necessidade de uma equipe de atendimento.

Essas inteligências artificiais funcionam como uma linha de frente, eliminando uma série de etapas para que apenas os clientes com dúvidas mais complexas tenham que aguardar o atendimento com uma pessoa real.

4.    Melhora na experiência do usuário

As inteligências artificiais são capazes de uma série de pequenas ações que acabam melhorando a experiência de compra de um cliente em seu e-commerce.

Através da análise e captação de dados, por exemplo, um cliente que abandonou um carrinho recentemente pode receber essa proposta de compra em seu e-mail, lembrando-o de seu interesse inicial.

Esse tipo de interação é possível porque as inteligências artificiais são capazes de captar inúmeros dados por segundo, identificando pontos como o perfil de consumo e os passos que o cliente fez até abandonar o carrinho de compras.

Muitas vezes, a pessoa decide comprar em um outro momento e acaba esquecendo que queria aqueles itens em primeiro lugar.

Por exemplo, os materiais para a pintura de fachada que você acabou deixando para depois podem aparecer em seu e-mail, lembrando de seu desejo de concluir essa reforma.

Por isso, quando uma IA identifica e envia essa tentativa de compra ao usuário, está conectando o cliente e abrindo uma nova oportunidade.

Além disso, muitas empresas precisam do feedback recebido pelos clientes. Esses feedbacks atestam a qualidade e a confiabilidade da empresa, além de serem excelentes argumentos de venda.

Considerações finais

Hoje em dia, não utilizar os avanços tecnológicos pode ser um grave problema para qualquer empresa, principalmente uma que existe dentro da rede.

A utilização de inteligências artificiais dentro dos e-commerces é um passo no futuro, que permite uma automação muito maior de processos padronizados, permitindo que você e sua equipe se foquem no contato com o cliente e em formas de ampliar as vendas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

instagram para academias

Saiba como usar o Instagram para a divulgação da sua academia

Usar o Instagram para academias pode ser uma maneira muito interessante de conseguir novos alunos e tornar o seu estabelecimento reconhecido no mercado. 

Afinal de contas, as redes sociais já fazem parte do nosso dia a dia e são cada vez mais usadas por todos os tipos de estabelecimento.

Só no Brasil, são mais de 50 milhões de usuários do Instagram. Ao todo, a rede contabiliza cerca de 1 bilhão de pessoas, sendo uma das plataformas que mais cresce no mundo.

Contudo, diante desse amplo aumento, é preciso considerar algumas estratégias para se destacar no Instagram, já que a competitividade é alta.

No artigo de hoje, saiba como usar o Instagram para a divulgação da academia e conheça algumas dicas para investir na rede social. Acompanhe a leitura!

1 – Crie uma identidade visual para o seu perfil

É importante que o perfil da sua academia tenha uma identidade visual muito bem planejada. A recomendação é seguir as especificações da sua marca, usando a mesma paleta de cores e tipografia do logo.

Mas a identidade visual também se refere a escolher um tom para a sua rede. Ou seja, se a sua academia é focada em dar aula de dança sertanejo, a escolha de cores, letras e imagens deve fazer sentido com o serviço oferecido.

Importante ressaltar que muitas academias investem em um perfil fitness, voltado a um estilo de vida mais saudável. Isso é importante, mas também busque se diferenciar da maioria, trazendo algo que possa conquistar o seu público.

Com uma identidade visual bem construída, aos poucos os usuários vão conhecer melhor a sua marca e, logo de cara, vão associar quais são as suas publicações. Ou seja, é possível construir uma espécie de top of mind.

2 – Produza conteúdo relevante

A informação é a grande moeda de troca da internet – em especial, nas redes sociais.

Hoje em dia, a pessoa não segue o perfil de uma academia com hidroginástica somente para ver anúncios promocionais. O usuário também está em busca de conteúdo relevante, como dicas de exercícios, curiosidades, entre outros materiais.

Por esse motivo, mais do que investir em boas imagens, é interessante ter um planejamento de produção de conteúdo, que será fundamental para tornar o seu perfil no Instagram muito mais atraente.

Algumas opções de conteúdos no Instagram são:

  • Reels com esquetes e desafios;
  • IGTV com aulas de até 1 hora;
  • Carrossel de imagens com dicas de exercícios;
  • Legendas bem formuladas, com informações relevantes.

Além disso, a produção de conteúdo relevante constrói a autoridade do seu estabelecimento, algo que ajuda na conquista de novos alunos.

Isso porque as pessoas vão preferir fechar um contrato com uma empresa que domina informações sobre a área, do que um local que somente divulga flyers academia no Instagram.

3 – Conheça o seu público-alvo

Conhecer o seu público é a melhor forma de produzir conteúdo relevante e investir no direcionamento do seu perfil no Instagram.

Para isso, é necessário fazer uma pesquisa de mercado, ou até mesmo consultar as informações sobre seus seguidores através dos relatórios da própria rede social.

Outra dica é usar os dados da sua catraca com biometria da academia, para verificar qual é o perfil dos seus alunos. 

Lembre-se: quanto mais segmentada é a sua ação de marketing nas redes, melhor são os seus resultados no Instagram.

4 – Use o stories todos os dias

O story é um recurso do Instagram capaz de publicar conteúdos instantâneos, que ficam disponíveis por até 24 horas. Essa funcionalidade foi criada para competir com outra rede social, o Snapchat e, acabou conquistando os usuários do Instagram.

Usar os stories é uma boa maneira de construir uma aproximação com o público. Com ele, as pessoas ficam sabendo o que ocorre no seu dia a dia, sendo uma forma de humanizar mais o seu perfil.

Você pode usar o stories para gravar um exercício na esteira para academia, divulgar uma aula, ou criar conteúdos de interação (enquetes, perguntas, entre outros).

Nos stories, também vale a pena compartilhar conteúdos criados pelos seus alunos e que marcaram a academia. Assim, os seus clientes irão se sentir valorizados, o que estimula o sentimento de pertencimento e identificação.

5 – Escreva boas legendas

Embora o Instagram seja uma rede de forte apelo visual, é importante saber como escrever as legendas da sua publicação. Inclusive, elas chamam os usuários para alguma ação ou fornecem informações.

A dica é tomar cuidado com a grafia, pontuação e não exagerar no uso de frases muito informais. Por mais que a sua academia seja descontraída, vale a pena manter o profissionalismo, para que os usuários tenham confiança no seu negócio.

Também vale a pena usar os emojis. Eles deixam sua legenda mais leve e divertida, para que os usuários tenham uma experiência de leitura mais agradável.

6 – Use hashtags em suas publicações

As hashtags, também chamadas de “jogos da velha”, são palavras-chave específicas, antecedidas pelo símbolo #, que tornam esses termos linkáveis, conectando a sua publicação com uma comunidade de postagens semelhantes.

Desse modo, se uma empresa que vende camiseta dry fit amarela usa a hashtag #vidasaudavel, e a sua academia usa o mesmo termo, tanto os usuários da primeira publicação quanto da segunda conseguem ver o conteúdo.

A dica é usar hashtags que façam sentido para a sua academia e que tenham relação com o conteúdo compartilhado. Por isso, use-as com coerência e inteligência.

Além disso, é recomendado não ultrapassar 10 hashtags por postagem, visto que o excesso pode ser prejudicial (o Instagram vai encarar como um spam, fazendo com que a visualização do seu conteúdo caia).

7 – Interaja com os seus seguidores

As redes sociais são excelentes canais de comunicação. Por esse motivo, além de usá-las para divulgar a sua academia, também é importante interagir com os seus seguidores.

Assim, caso alguém mande uma pergunta sobre a sua aula de pilates para coluna pelo direct do Instagram, é importante não ignorar o usuário.

Além das mensagens direcionadas, também é importante responder os comentários e compartilhar resultados de interações nos stories. Dessa maneira, o seu engajamento será cada vez maior, o que irá melhorar a visibilidade do seu perfil no Instagram.

8 – Explore todos os recursos do aplicativo

É importante explorar todos os recursos oferecidos no Instagram para conquistar mais seguidores, divulgar a sua marca e obter reconhecimento com o seu perfil.

Apesar do Instagram não afirmar que privilegia as contas que usam todos os recursos, percebe-se que a rede social tem uma tendência para oferecer conteúdos diversificados.

Por isso, se a sua intenção é divulgar um cartão de visita nutricionista parceria, mas o seu feed já está saturado de imagens, opte pela criação de um Reels, por exemplo.

9 – Faça promoções e concursos

As promoções e concursos do Instagram são conteúdos muito famosos. Além de oferecer uma grande possibilidade de engajamento e aumento no número de seguidores, é uma maneira de alcançar potenciais clientes para a sua academia.

Quando a sua academia oferece um mês de aula gratuita em um sorteio, há grandes chances do vencedor continuar na sua academia. Ou seja, você já ganha um novo aluno!

Fora que é uma maneira muito divertida e simples de aumentar o número de seguidores, gerar engajamento e contribuir para o crescimento do seu perfil.

10 – Faça parcerias com influenciadores

Hoje em dia, grande parte das decisões de compra são influenciadas pelas pessoas famosas da internet – os chamados digital influencers.

No Instagram, é possível encontrar várias personalidades desse tipo. Eles não só colaboram com a divulgação da sua marca, mas ajudam a aumentar consideravelmente o número de leads (potenciais clientes) e alunos da sua academia.

A dica é fechar uma parceria com algum influenciador que tenha relação com o seu conteúdo. No caso de academias, os instagrammers fitness são os mais recomendados.

Mas também é possível iniciar uma parceria com outros conteudistas, como nutricionistas, fisiculturistas, pessoas em busca de uma mudança no estilo de vida, entre outros.

Conclusão

O Instagram é uma das redes sociais mais famosas da atualidade. Muito disso, deve-se ao seu grande crescimento nos últimos anos, além do forte apelo imagético. Dessa forma, fica muito mais fácil se aproximar do público.

O artigo de hoje trouxe algumas dicas de como ter um perfil interessante para a sua academia no Instagram. Dessa forma, será possível alcançar um número maior de seguidores e, ao mesmo tempo, aumentar o número de potenciais clientes.

Por esse motivo, se você tem uma academia e ainda não investiu no Instagram, está na hora de começar a pensar em alguma estratégia para a rede social.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.