digitl retail

Pela primeira vez, varejo online deve superar o varejo físico na China

País mais populoso do mundo e considerado um dos grandes berços do e-commerce, a China está bem próxima de registrar um novo grande feito no comércio eletrônico. Em 2021, pela primeira vez na história, o varejo online deve superar o varejo físico e se tornar uma das principais forças econômicas internas do país.

Segundo estudo da eMarketer, o varejo online deve representar 52,1% de todas as vendas no valor (em valor) em 2021. O instituto mostra que as vendas online chinesas devem acelerar acentuadamente dos 44,8% do total alcançado em 2020.

O número é extremamente representativo. A China está tão disparada no varejo online que a Coreia do Sul, segunda no ranking, deve ter 28,9% do total de vendas do varejo via e-commerce. O Reino Unido vem em terceiro lugar, com um varejo online que deve representar 28,3% do total neste ano.

Leia também: Exemplos da China: IA, tecnologias e experiências que podem inspirar os lojistas brasileiros

Segundo a eMarketer há vários fatores por trás do boom. Um é o comércio social. A estimativa é que ele tenha crescido 44,1% na China no ano passado e cresça mais 35,5% neste ano, atingindo 363,26 bilhões de dólares.

Os “Mini Programs” do WeChat se tornaram “onipresentes”, uma vez que o aplicativo da Tencent está na China há quase uma década. Mas foi “apenas recentemente que sua interface começou a facilitar o comércio eletrônico de terceiros”, de acordo com o eMarketer.

A eMarketer prevê um crescimento de 11% nas vendas online no próximo ano e espera que a barreira de 3 trilhões de dólares nas vendas de e-commerce seja ultrapassada em 2022.

Fonte: e-commerce Brasil

packet

A importância das embalagens no e-commerce

As embalagens no e-commerce são extremamente importantes, pois elas asseguram a integridade dos produtos contra danos, avarias e outros problemas que podem ocorrer durante o envio das mercadorias.

Mas, além disso, os invólucros também são uma maneira de cativar o cliente, demonstrando que a empresa tem cuidado com os produtos e realiza um trabalho profissional, com atenção aos mínimos detalhes.

No artigo de hoje, saiba mais sobre a importância das embalagens no e-commerce e quais as vantagens de usá-las no seu negócio. Acompanhe a leitura!

Por que devo usar embalagens?

Seja com uma caixa de encomenda 6b ou uma simples sacola, as embalagens tornaram-se imprescindíveis para as empresas. Afinal de contas, elas asseguram a qualidade dos produtos, fazendo com que eles cheguem inteiros à casa do consumidor.

Porém, percebeu-se que as embalagens também são ótimas ferramentas de marketing, pois além da proteção, elas igualmente melhoram o relacionamento com o público, imprimem a identidade da marca e ajudam na divulgação do seu negócio.

Portanto, as embalagens tornaram-se um fator de competitividade essencial dentro de um mercado cada vez mais competitivo e exigente.

As marcas de luxo dão um bom exemplo nesse sentido. Não é incomum vermos sacola de tecido personalizada, com o logo da empresa e as cores da identidade visual, ou até mesmo, caixas belíssimas que ajudam na composição do produto.

Fora que a abertura das embalagens fornece uma experiência única aos compradores. Podemos ver isso nos famosos unboxings (desembalando), que são conteúdos famosos e populares no YouTube e perfis no Instagram.

Ou seja, os invólucros são parte do marketing visual, sensorial e de experiência, para que o cliente sinta que adquiriu muito mais do que um simples produto, mas também está comprando algo diferenciado e especial.

Fora que a proteção é incomparável! Imagine que um motoboy entregador acaba deixando a mercadoria cair no chão durante o trajeto até o consumidor final.

Sem uma embalagem adequada, o produto pode se danificar, ainda mais se for algo frágil, como vidro. Mas com o invólucro correto, é possível assegurar que o item se mantenha inteiro, sem danos.

Isso vale para todos os tipos de envios, não só com a contratação de serviço de motoboy terceirizado, mas a logística de caminhões, por exemplo, também pode oferecer riscos à integridade das mercadorias, quando não protegidas adequadamente.

Como escolher as embalagens certas para seus produtos?

Diante de todas as vantagens das embalagens, os negócios estão priorizando cada vez mais o uso de invólucros resistentes, ainda mais os e-commerces (já que eles trabalham diretamente com a entrega dos produtos).

No entanto, muitas pessoas têm dúvidas de como escolher as embalagens certas. Afinal de contas, não se pode usar a mesma caixa que abriga marmitas para empresa para embalar peças de roupas, por exemplo.

Por isso, separamos algumas dicas que podem te ajudar na escolha dos pacotes corretos. Confira!

1 – Conheça quais produtos irá oferecer

Entender as características dos produtos é o primeiro passo para escolher a embalagem certa. Para isso, leve em consideração alguns pontos da mercadoria:

  • Tamanho;
  • Peso;
  • Fragilidade;
  • Perecividade;
  • Temperatura ideal.

Essas especificações ajudam na escolha da embalagem com o nível de resistência correto e, além disso, caso a sua mercadoria exija um condicionamento específico, é possível procurar pelo invólucro correto.

Por exemplo, no embalo de uma lava louça compacta, é preciso escolher uma embalagem que suporte os atritos do deslocamento. Porém, ao abrigar um alimento, é necessário optar por pacotes com capacidade térmica.

Da mesma forma, é fundamental conhecer a quantidade média de produtos adquiridos para a venda, especialmente se o seu e-commerce costuma vender itens em grande quantidade, ou mescla mercadorias grandes, pequenas e médias.

Isso facilita na hora de escolher as embalagens ideais para a logística.

2 – Considere os quesitos de proteção

Como percebemos, a questão da proteção é um dos itens mais importantes na escolha das embalagens. Por esse motivo, vale a pena conhecer quais são os principais materiais usados na confecção de embalagens, bem como na proteção dos produtos. São eles:

  • Almofadas de ar: para produtos pequenos;
  • Plástico-bolha: para produtos mais frágeis;
  • Papel kraft ou papel seda: para envolver produtos resistentes;
  • Caixa de papelão ou envelope: para diversos tipos de produtos.

Aqui, nos quesitos de proteção, vale a pena considerar a facilidade de transporte também. Por exemplo, na logística de um kimono infantil judô, pode ser muito mais fácil usar um envelope do que uma caixa grande de papelão.

3 – Tenha embalagens personalizadas

Para atingir os objetivos de marketing, vale a pena investir em embalagens personalizadas para os seus produtos.

Verifique o custo de estamparia, bem como a impressão do logo em alguns invólucros. Isso ajuda na geração de brand awareness, além de ser uma forma de mostrar a sua empresa para um número maior de pessoas.

4 – Explore os cinco sentidos do comprador

Mais do que entregar um produto sem avarias, as embalagens também são parte da experiência de compra. Por esse motivo, elas se tornaram indispensáveis para todos os tipos de empresas, principalmente os e-commerces.

Sendo assim, vale a pena explorar mais os cinco sentidos dos compradores para criar uma afetividade do público com a marca.

Você pode usar materiais com um toque diferenciado, ou até mesmo borrifar uma essência nos produtos. Além disso, vale a pena incluir alguns brindes, como balinhas ou canetas.

Outra alternativa é incluir um cartão da loja ou até mesmo uma cartinha, agradecendo o consumidor pela compra. É um gesto simples, mas que faz toda a diferença na fidelização dos clientes.

5 – Desenvolva embalagens que facilitem o carregamento

Além de pensar nos compradores, é importante levar em conta a facilidade do carregamento, tanto para os clientes quanto para os responsáveis logísticos.

Inclusive, quanto mais fácil for de carregar, menor é o risco de avarias. Assim, no caso de mercadorias grandes, como uma mesa grande para escritório, vale a pena dividi-la em mais de uma caixa, por exemplo.

6 – Coloque o valor do frete

O valor do frete deve estar incluso como parte da compra do consumidor. Dessa forma, o cliente saberá que está pagando para ter segurança no envio da sua mercadoria, já que toda a compra de embalagens e o envio logístico têm um custo para os e-commerces.

No entanto, tente realizar algumas promoções, como fretes grátis em compras acima de um limite de gastos, ou descontos. Isso ajuda a convencer os clientes, tornando-os mais próximos de fazer uma compra com você.

Importante ressaltar que as embalagens menores e mais leves tendem a custar menos. Ou seja, você tem a oportunidade de baratear o frete, mas sempre mantendo o cuidado com a segurança da mercadoria.

Quais são os principais tipos de embalagens?

Agora que você já sabe como escolher a embalagem ideal, está na hora de conhecer quais são os principais pacotes usados pelos e-commerces. Dessa forma, você terá uma ideia mais concreta de qual invólucro é o melhor. Veja a seguir:

Caixas de papelão

As caixas de papelão são as embalagens mais famosas dos e-commerces, pois elas ganham no quesito versatilidade. Afinal, elas são capazes de transportar a grande maioria dos produtos, tendo diversidade de tamanhos e comprimentos.

Além disso, as caixas de papelão ocupam pouco espaço e são fáceis de montar. Por isso, são as preferidas dos responsáveis logísticos.

Para escolher as caixas certas, uma dica é identificar a quantidade média de produtos vendidos, para encontrar embalagens padronizadas para o seu negócio.

Não deixe de usar proteção interna, como plástico-bolha ou almofadas de ar, no caso de produtos frágeis.

Envelopes de papel kraft

O papel kraft ajuda na criação de embalagens com diversas resistências. Inclusive, a grande vantagem desse modelo é que a maioria já vem com uma fita colante, que ajuda no fechamento do invólucro.

Em geral, os envelopes de papel kraft são usados para empacotar livros, CDs, bijuterias e pequenas peças de roupas. Por vezes, podem ser substituídos por envelopes de plástico.

Além disso, esse tipo de embalagem é mais fácil e barato de personalizar. Por esse motivo, os envelopes são a preferência de grande parte dos e-commerces.

Conclusão

As embalagens são fundamentais para os e-commerces. Mais do que ajudar a proteger os produtos contra avarias e danos, elas também contribuem com a experiência de compra. 

Não é à toa que muitos e-commerces são conhecidos pelo envio de embalagens diferenciadas, que encantam o público.

O artigo de hoje buscou trazer algumas dicas de como escolher a embalagem ideal, considerando as características da sua mercadoria. Dessa forma, você poderá melhorar o marketing da sua empresa e se destacar da concorrência.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

security

8 dicas para tornar o seu e-commerce mais seguro

As compras online não são uma novidade. No entanto, apesar das tecnologias de criptografia, é cada vez mais necessário deixar o seu e-commerce mais seguro, seja para atrair clientes ou mesmo para deixar o seu comércio mais profissional.

Sendo assim, ampliar as tecnologias e os métodos de segurança é uma forma de transmitir confiança aos consumidores, ainda mais porque os pagamentos por cartão de crédito são os mais comuns nesse tipo de transação.

Então, para que o cliente sinta que pode informar os seus dados no seu site, separamos algumas dicas para tornar o seu e-commerce mais seguro e protegido contra ataques de hackers, bem como de pessoas mal-intencionadas.

1 – Escolha uma plataforma ideal

O primeiro passo é observar se a sua plataforma e-commerce é realmente confiável. Afinal de contas, a hospedagem da sua loja virtual faz toda a diferença na segurança (e isso vale tanto para canais pagos, quanto gratuitos).

O ideal é ter uma plataforma que permita a comercialização de produtos do seu e-commerce e faça o gerenciamento de toda a infraestrutura. Normalmente, é cobrado um valor mensal ao lojista, justamente para manter essas questões de segurança.

Esse gerenciamento é semelhante a um monitoramento virtual, pois ele assegura que todos os dados da sua loja virtual permaneçam protegidos contra invasão de hackers. Só aí já é possível aumentar as questões de segurança do seu e-commerce.

2 – Tenha certificado SSL e selos de segurança

O certificado SSL pode ser comprado, mas também pode vir instalado com as plataformas de hospedagem. Daí a importância de escolher um canal de qualidade.

O principal objetivo do certificado SSL é garantir a criptografia digital do seu site, tanto que ele é representado por um cadeado, que aparece logo na barra de endereço da página.

Dessa forma, quando o cliente digita os seus dados, o SSL criptografa as informações e as envia com segurança para o servidor da loja.

A verificação desses dados funciona como uma espécie de controle de acesso externo, pois só pessoas devidamente autorizadas podem ter contato com as informações.

Se a sua loja virtual não possuir a certificação SSL, o Google irá bloquear o site. Em alguns aplicativos de celular, os sites sem SSL nem mesmo carregam, o que já mostra que o e-commerce não é totalmente seguro.

Na prática, o certificado SSL funciona da seguinte maneira:

  1. O usuário coloca os dados pessoais no site;
  2. As informações são recebidas e trancadas no servidor;
  3. Somente o servidor do site pode acessar os dados;
  4. O processo se repete para informações enviadas ao cliente.

Percebe-se que o SSL trabalha com um sistema altamente seguro, que impede o acesso e o uso indiscriminado das informações.

Já os selos de segurança funcionam como uma barreira a mais para a sua loja. Com eles, é possível monitorar e cuidar do e-commerce, reduzindo os riscos de perda ou roubo de dados. Hoje em dia, os selos mais famosos são o Site Blindado e Loja Protegida.

3 – Tenha um site blindado

Ter um site blindado significa combater as possíveis vulnerabilidades de invasão. Isso ajuda a impedir que o seu site seja derrubado ou comprometido pela presença de vírus e malwares.

Você deve blindar todas as páginas do seu e-commerce, até mesmo a que somente exibe o colar comprido feminino, que é um de seus produtos, por exemplo.

É possível tomar essas medidas de resguardo com a busca de brechas. Assim, dá para consertá-las antes da ação dos hackers

Por isso, obrigue a sua loja a passar por análises frequentes de caça, mesmo diante das mínimas aberturas.

Para isso, instale ferramentas precisas, que são capazes de mostrar os espaços por onde os hackers entram. Essa verificação pode ser feita por um scanner que promove a varredura completa da loja virtual.

Entre as vantagens desse fluxo de escaneamento, destacam-se:

  • Aviso prévio antes dos ataques;
  • Levantamento de provas de falhas de segurança;
  • Redução das chances de invasão;
  • Maior segurança aos clientes.

Diferentemente do certificado SSL, nenhum site ou loja virtual é obrigado a ter uma página blindada. Contudo, é uma boa maneira de tornar o seu e-commerce mais seguro.

Procure contratar uma instituição com experiência para o escaneamento e instalação das ferramentas. Assim, você terá a certeza de uma blindagem efetiva.

4 – Sugira senhas que não sejam fáceis

Para ter um e-commerce mais seguro, vale a pena orientar os clientes acerca de algumas atitudes que podem ampliar a proteção contra ações ilegais. Entre elas, a sugestão de senhas mais difíceis.

Na hora de fazer o cadastro para as compras, seja para qualquer aquisição, desde uma peça de roupa até um anel de prata com diamante, a dica é sugerir um nível de dificuldade para a senha, como o uso de números e letras maiúsculas obrigatórias.

Quanto maior é a dificuldade da senha, mais difícil é a ação dos hackers. Ainda mais porque muitos ataques não são feitos diretamente às plataformas das lojas virtuais, mas sim, no cadastro do cliente.

Por isso, se você é um consumidor e está lendo este artigo, lembre-se de reforçar as suas senhas na hora de ir às compras virtuais.

5 – Considere a instalação de um WAF

O WAF (Web Application Firewall) é outra maneira de blindar o seu site. Essa ferramenta é especialmente designada para agir de maneira proativa, ou seja, interrompendo e identificando ações suspeitas em tempo real.

Além do mais, o WAF protege o seu e-commerce contra ataques de DDoS (ataque de negação de serviço), sendo capaz de funcionar 24 horas por dia.

Normalmente, o WAF é indicado para grandes negócios ou organizações que lidam com dados em excesso, como indústrias que fabricam filtro de combustível diesel.

6 – Cuidado com o armazenamento de dados sensíveis

O lojista também deve considerar o armazenamento de dados sensíveis, que são as informações necessárias para efetuar as transações comerciais nos e-commerces.

A recomendação é usar tecnologias enxutas e práticas, para evitar grandes problemas com o extravio de informações.

Inclusive, essa questão também é válida para outros tipos de serviços online, como entrega motoboy por aplicativos.

Atualmente, todos os comércios, sites, lojas virtuais, aplicativos e sistemas devem se adequar às recomendações da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais), para o armazenamento e uso das informações.

7 – Instale ferramentas antifraude

Muitos empreendedores digitais consideram que o custo das ferramentas antifraude é dispendioso, mas é necessário encarar isso como um investimento.

Afinal de contas, se a sua loja virtual for vítima de um ataque cibernético, é bem provável que os custos para lidar com esse problema sejam muito maiores. Então, nada melhor do que dispor de recursos preventivos para evitar essas ações ilegais.

Importante ressaltar que vários pedidos recebidos por lojas online não passam de fraudes. Essa é uma barreira que impede a expansão das operações de um e-commerce, ou até mesmo de um aplicativo que trabalha com moto para entrega.

Sendo assim, a instalação de sistemas antifraude é uma forma de bloquear pedidos fraudulentos, além de outros “golpes” que são comuns na internet.

Claro, não existe um recurso 100% eficaz contra fraudes. Mas essas ferramentas ajudam a reduzir consideravelmente as chances de atos ilegais.

Os sistemas antifraude utilizam a tecnologia de inteligência artificial (IA), para a verificação de dados e autorização da compra. 

Isso é extremamente benéfico para todas as lojas virtuais, mas principalmente as que trabalham com produtos de alto valor, como a venda de computador novo.

8 – Acompanhe o desenvolvimento das tecnologias

Os avanços tecnológicos caminham a passos largos nos dias de hoje. Por essa razão, é fundamental acompanhar as últimas tendências na área digital, visto que muitas delas são elaboradas justamente para oferecer maior segurança aos usuários.

Sendo assim, é importante ficar de olho nas principais inovações e lançamentos, bem como nas atualizações dos certificados de segurança.

Como vimos, o certificado SSL, por exemplo, tornou-se obrigatório para os sites que desejam aparecer no Google e aplicativos de dispositivos móveis. Ou seja, é a segurança demonstrando que também faz parte da experiência do usuário.

Conclusão

A segurança é primordial em todos os lugares, incluindo a internet. Apesar de conhecermos a tecnologia criptografada, não estamos isentos de golpes, fraudes e ações de hackers, que podem usar nossos dados para atividades ilícitas.

Por esse motivo, é dever dos e-commerces, bem como dos clientes, buscarem formas alternativas para aumentar ainda mais a proteção nos websites.

O artigo de hoje trouxe algumas dicas de como realizar isso, através da instalação de programas de segurança, certificações e, até mesmo, recomendações quanto ao uso de senhas nas lojas virtuais.

Assim, os clientes sentem mais confiança em comprar com você, já que o seu site oferece um grande respaldo de segurança.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

imagens-e-commerce

A importância das imagens para o e-commerce

Imagens para o e-commerce são formas essenciais de escolha de clientes, já que grande parte desses consumidores acaba não tendo contato com um produto previamente, e utiliza as mídias como parâmetro de suas escolhas de compra.

Hoje em dia grande parte das pessoas que são privilegiadas com a utilização constante da internet preferem resolver questões básicas da vida diária por esse canal, pela simplicidade e rapidez na resolução de necessidades ou problemas.

Por exemplo, uma das principais formas de comprar por ingressos de cinema é por meio da internet, por sites de vendas chamados e-commerce, que disponibilizam uma experiência de usuário capaz de providenciar maior autonomia e facilidade de compra.

Alguns sites entregam produtos e serviços comprados em um tempo similar ao de uma compra presencial, mantendo então a proporção de eficiência trazida pela internet, mostrando que a compra online é uma das melhores e mais seguras formas.

Por exemplo, por meio de um e-commerce de doces finos para aniversário é possível comprar os produtos desejados por meio de imagens e descrições do produto, que entregam uma experiência tal como de uma loja, tirando o fator olfato.

As melhores opções de produtos são facilmente escolhidas pelo cliente por meio das ferramentas disponíveis na plataforma, que quase sempre procuram estabelecer uma maior proximidade do cliente com o que será comprado, entregando um atendimento impecável.

Mas, isso só acontece por componentes como fotos e descrições detalhadas, que fornecem tudo aquilo que faz parte da decisão de compra de um cliente, ainda que ele estivesse fisicamente no local de uma loja de entregas rápidas, por exemplo.

Logo, trabalhar questões que envolvem os sentidos do consumidor são formas interessantes de dar continuidade a um trabalho presencial, auxiliando ainda mais na hora de verificar se um produto deve ser comprado ou não. 

Como no caso de:

  • Imagens;
  • Vídeos;
  • Detalhamentos;
  • Depoimentos.

E dentro dessa decisão, uma das opiniões mais decisivas acontece após a visualização de imagens, fotografias que contam mais sobre um determinado produto e sua usabilidade, provando por meio do virtual que essa pode ser uma escolha, no fim das contas.

Imagens na decisão de compra

A imagens de um site tem uma tarefa importante dentro do poder de decisão de compra, já que são a prova mais real e concreta de que o produto é da forma como está sendo imaginado por consumidores que estão fazendo uma compra online.

Por exemplo, na divulgação de um estúdio para ensaio é interessante que o espaço conceda em um site de vendas imagens de como o ambiente é realmente, já que isso pode  ser decisivo para um grupo com um alto número de integrantes.

Uma outra forma de esclarecimento por meio de fotos é essencial quando os produtos são muito específicos, mexendo com a idealização de uma estética específica, como a venda de anel de diamante noivado em um site.

Por ser um objeto que vai estar em constante mostra após ser comprado e utilizado por alguém, é preciso saber se ele tem um visual interessante para o cliente, que provavelmente solicitará por provas do produto, bem como a descrição de suas medidas.

As cores são importantes em e-commerces também, pois evidenciam de que forma é aquele produto que estamos interessados, algo que muitas vezes traz problemas de diferenciações ao vivo, o que pede um cuidado extra de empreendedores.

É bem comum que, por exemplo, uma luminária LED grande apresente uma cor específica em um site, que varia entre tons terrosos. 

No entanto, ao vivo ela apresenta cores mais vivas, uma diferença que quase sempre acontece pela diferença de dispositivos.

Por isso, é uma boa pedida que empresas passem a ter preocupações em como as imagens de produtos estão sendo distribuídas, para que haja um maior cuidado na informação correta, como em cores, que são diferentes em algumas situações.

E dentro de um trabalho de vendas, quanto mais informações visuais um negócio se comprometer a passar, mais ele terá chances de conquistar um cliente, algo que também mexe com a credibilidade da empresa dentro do processo de compra.

Isso acontece no caso da contratação virtual por serviços de cenografia para eventos, onde é interessante que sejam mostrados trabalhos anteriores feitos pela empresa, provando que os ambientes montados são de interesse do futuro cliente.

Dessa forma, quanto mais fotos, mais provas de que um serviço está sendo honesto em sua divulgação, ainda que a quantidade não seja mais importante que a qualidade e outros fatores decisivos na hora de subir mídias para um site.

Por exemplo, dentro de um site de acessórios, a principal referência na compra de uma tornozeleira dourada feminina são poucas imagens, mas que mostram uma naturalidade de seu uso, como no caso de modelos, que trazem uma proximidade com o cliente.

Essas e outras preocupações na hora de cuidar de um e-commerce devem ser sempre colocadas em observação por uma empresa, já que podem atrapalhar ou ajudar diretamente na hora de um consumidor continuar na página comprando.

Dessa forma, escolher a imagem certa e cuidar de cada detalhe de sua postagem se torna tão essencial quanto a entrega presencial de um produto, podendo ser ainda mais impactante que o contato ao vivo, como na situação de uma entrega de moto.

Como escolher a imagem correta

Escolher a imagem correta para um site varia de acordo com cada necessidade do cliente e cada tipo de produto.

Afinal, comprar um serviço de jardinagem pode não demandar tanto compartilhamento de imagens como na hora da compra de um vestuário.

No entanto, é possível utilizar como base algumas preocupações recorrentes dentro de e-commerces, com o foco contínuo de valorizar o produto e a empresa por meio de uma forma visual, ainda que ela não responda totalmente pela decisão da compra.

Por exemplo, a disponibilização de fotos e vídeos de um produto de limpeza nem sempre fará com que uma pessoa compre, mas, de acordo com uma pesquisa do E-commerce Quality Index, 85% dos consumidores não compraria em um site sem imagens.

Dessa forma, sabemos então que algumas medidas precisam ser tomadas por um site para que suas vendas aconteçam em maior quantidade, por meio de imagens. 

E sobre essa utilização, entenda mais sobre três principais fundamentos:

Ângulos do produto mostrado

Sempre que puder procure mostrar todos os ângulos e um produto a ser oferecido, já que a melhor forma de uma plataforma de compra online traduzir a experiência ao vivo do consumidor é dando opções para que ele veja o que quer comprar de vários lugares.

Por exemplo, em um e-commerce de produtos usados voltados para dispositivos eletrônicos, é interessante que sejam visualizados alguns detalhes, como carcaça desses aparelhos, câmeras, botões e outras questões pessoais e específicas.

Em outro caso, na situação de uma venda de um móvel, por exemplo, entender quais são as medidas e eventuais detalhes nos itens acaba sendo uma forma eficaz de melhorar as ações de compra, já que são estas questões que interferem na aquisição do produto.

Qualidade em primeiro lugar

Sempre que for subir uma imagem ou até mesmo um vídeo para uma plataforma de compra, é interessante que sejam priorizadas as qualidades das fotos, já que uma foto com péssima resolução, por exemplo, pode ter um efeito negativo na compra.

Por exemplo, em um site de venda de imóveis é interessante que o cliente tenha uma visualização excelente do local onde morará, já que essa opção de conexão com as imagens pode fazer com que o cliente marque ou não uma visita.

Além disso, quanto mais uma imagem mantém sua qualidade em primeiro lugar, mais a empresa é considerada séria e confiável, estando disposta a auxiliar ao máximo na hora de uma compra.

Humanização sempre

Quando possível, é interessante incorporar às fotos dentro de um e-commerce uma utilização real de um produto, já que isso aproxima um cliente que não está tocando em um produto, algo essencial dentro de uma ação de compra.

Por exemplo, ao ver uma modelo utilizando uma blusa em um site de roupas, o cliente pode verificar qual tamanho está sendo vestido e como aquela peça é se molda ao corpo, algo que pode ajudar na hora de uma compra, favorecendo a empresa.

Além disso, a humanização também é uma maneira de entender o quanto um produto pode ser pequeno ou grande, já que o índice comparativo é o corpo humano, como uma mão, uma perna ou o caimento de produtos sendo utilizados.

Conclusão

Imagens são essenciais para fechamentos de negócios em e-commerces, e já que grande parte das vendas vem acontecendo de forma online, nada mais essencial do que incorporar fotos dentro da descrição de um produto ou serviço.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Screenshot 2021-02-24 003835

Remarketing para e-commerce: saiba como fazer

O retargeting é uma estratégia muito usada para atrair pessoas que entraram em seu site para comprar, mas acabaram desistindo. O remarketing para e-commerce consegue identificar páginas que o usuário está acessando para tentar engajá-lo novamente.

Esses anúncios podem aparecer em diversos locais, como:

  • Redes sociais;
  • Motores de busca;
  • Portais de notícia;
  • E-mails.

A frequência e os locais onde serão incluídas as propagandas depende da estratégia que você pretende utilizar para encontrar seu público.

Uma pessoa pode encontrar sua loja em um flyer digital, escolher alguns produtos e abandonar o carrinho. É preciso compreender o porquê esse cliente fez isso e como trazê-lo de volta.

O remarketing é uma estratégia fundamental para o aumento de vendas de seu e-commerce, além de diminuir taxas de abandono de carrinhos e outras métricas que podem prejudicar o desempenho da empresa.

Entretanto, para conseguir atingir seus clientes, é preciso conhecimento sobre seu público-alvo. É importante em estratégias de remarketing que você consiga criar campanhas que efetivamente atraiam interessados para concluir a compra.

Quanto mais informações você conseguir sobre seu público-alvo, melhor conseguirá qualificá-lo.

Isso significa saber onde moram, quanto ganham por mês, qual a influência que eles possuem dentro de casa no que diz respeito a poder de compra, entre muitas outras informações relevantes para conseguir identificar um padrão.

Uma pessoa que procure um vinho pequeno para lembrança, provavelmente, terá um evento especial próximo, por isso é importante rapidez para conseguir converter o cliente de volta.

Vale lembrar que muitas pessoas costumam entrar em sites do qual já são clientes para observar produtos, e costumam ser o tipo de público que deixa um carrinho de compras abandonado.

Neste caso, é importante cruzar informações de compras anteriores e de dados informativos deste cliente para conseguir encontrar a melhor forma de ação para tomar, conhecendo-o melhor no processo.

Com o avanço da tecnologia, ferramentas de inteligência artificial têm tomado espaço em análises e controle desse tipo de informação.

Um e-commerce de refeições para empresa pode usar essas ferramentas para conseguir encontrar os melhores resultados de clientes em busca de seus serviços.

Assim, um cliente que deseje um produto, coloque-o no carrinho, mas desista porque o item está acima de sua capacidade de compra.

Ele acabará recebendo informativos e propagandas personalizadas, indicando opções similares ao que ele desejava, porém com um valor mais acessível.

Esse tipo de ferramenta acaba sendo um grande auxílio para as empresas, que conseguem identificar as necessidades dos clientes automaticamente, aumentando a capacidade de criar um bom recurso de remarketing.

Por que as pessoas desistem?

De acordo com pesquisas realizadas pelo SEBRAE, o número de conversões médias em um e-commerce ainda é muito baixo. 

Por conta disso, muitas empresas têm buscado mudar esses resultados, entendendo que existe um enorme potencial de mercado neste formato.

Mesmo empresas de serviço, como motoboy expresso, tem uma alta taxa de abandono em suas opções digitais.

Um dos grandes indicadores dessas pesquisas é a quantidade de carrinhos abandonados em sites. 

Um carrinho abandonado é a representação do ato de escolher um produto e desistir na hora de completar o pagamento.

Muitas vezes, a pessoa pode apenas estar procurando opções de valores mais em conta ou não encontrou o produto específico que estava procurando. 

Outras pessoas acabam desistindo por falta de informações no site, o que deve ser reparado o quanto antes.

Entretanto, existem alguns fatores importantes que devem ser levados em conta quando pensamos em abandono de carrinhos de compra. Verifique se seu site possui uma forma simples de conclusão ou se o processo é burocrático.

Muitas pessoas desistem de comprar quando existe um trabalho muito grande para conseguir concluir o cadastro e efetuar o pagamento, sendo um fator importante para o abandono de carrinho.

Uma empresa que trabalha com gravação áudio precisa compreender o que fez o cliente desistir para conseguir tentar mudar a cabeça dele.

Além disso, identifique se você oferece abertamente todos os protocolos de segurança financeira. 

Uma vez que os clientes terão que passar dados importantes, como número de cartão e documentos, é imprescindível que o cliente se sinta seguro na hora da operação.

Quanto mais detalhes você conseguir identificar, melhor será o processo de chamar novamente seus clientes e conseguir efetuar a conversão.

Vantagens do remarketing

A ferramenta apresenta diversos benefícios, que vão muito além do óbvio que é o retorno financeiro. 

Por isso, quanto mais clientes você conseguir trazer de volta e completar a compra, melhor sua empresa ficará.

Exposição

Quanto mais um cliente estiver exposto a uma marca, mais chances ele terá de consumí-la. Por isso, é importante que ele tenha um contato frequente e direto com sua empresa. Entretanto, é preciso tomar cuidado com essa estratégia.

Assim, uma pessoa que esteja procurando um anel de diamante noivado acabará encontrando diversas opções no seu site.

Se a propaganda surgir de forma incômoda, atrapalhando a leitura de um artigo ou a utilização de uma rede social, isso pode acabar tendo um efeito negativo e afastando o cliente.

É importante que ele mantenha a marca sempre na cabeça para voltar ao site e comprar.

Um cliente exposto por muito tempo poderá ponderar sobre os valores e a vontade de consumir o produto, voltando ao e-commerce para concluir a operação e tornar-se um consumidor de fato.

Aumento de conversão

A taxa de conversão é quando o cliente avança no funil de vendas. Esse termo é utilizado em todas as etapas, sendo a principal delas a de vendas, na qual a conversão se dá quando o cliente efetivamente compra um produto da marca.

Mais pessoas comprarão suas semijoias alianças com uma boa estratégia de remarketing para trazer seus clientes de volta.

Por isso, quanto mais você conseguir cativar o cliente e fazê-lo voltar com as estratégias de remarketing, maiores serão as chances de você conseguir efetivar uma conversão. 

Esse tipo de ação é fundamental para conseguir bons resultados para a empresa.

Melhoria no ROI

A sigla ROI significa Return of Investment, inglês para o termo retorno de investimento. Trata-se do valor recuperado após uma venda.

Todo o gasto feito para adquirir o cliente, desde o custo de produção até publicidade e outros fatores cria o CAC ou custo de aquisição do cliente.

Essa métrica então é utilizada junto com o ROI para definir se a empresa está de fato obtendo lucro ou se está sendo prejudicada na operação.

O ideal é que se faça uma balança, na qual o valor do CAC deve ser sempre muito menor que o do ROI. Isso significa que você está conseguindo converter cada vez mais clientes usando menos investimento, e por consequência gerando lucro.

As estratégias de remarketing costumam não ter custos elevados, e podem acabar conseguindo reduzir o CAC e aumentar o retorno do investimento para a conquista de um determinado cliente.

Segmentação de público

Quanto mais você conhecer seu público-alvo e identificar os detalhes que as pessoas que deixam o carrinho abandonado possuem em suas rotinas, mais você pode criar esforços para conseguir acessar essa clientela.

Assim, você conseguirá compreender quais ações devem ser tomadas para conseguir um melhor engajamento com uma parte específica de seu público. 

O importante é conseguir converter em compra, diminuindo assim a taxa de abandono de carrinho.

Uma empresa de serviço de motoboy precisa identificar seu público e quem está interessado em consumir os serviços para conseguir uma melhor conversão.

Isso ajuda você a conseguir encontrar um espaço melhor de mercado e aprimorar seus números, conseguindo conversões melhores e compreendendo quais ações de marketing tomar no futuro para evitar esse abandono.

Além disso, quanto mais segmentado seu público for, mais fácil será criar estratégias que atinjam diretamente as pessoas, conseguindo resultados muito maiores por conta da valorização de seu público alvo.

Flexibilidade de orçamento

Todas as ferramentas de marketing e publicidade tem um custo que deve estar inserido em seu orçamento para este fim. 

Entretanto, algumas ações exigem um pouco mais desse orçamento para conseguir resultados positivos.

Uma das principais vantagens do remarketing é justamente que o valor de orçamento que deve ser separado para ações desse tipo é altamente maleável, se adaptando a necessidade e a realidade da empresa para conseguir uma boa resposta.

Além disso, você pode identificar quais são as melhores ferramentas de divulgação que se pode investir, selecionando aquelas que apresentam bons resultados. Com isso, você conseguirá aumentar suas possibilidades de engajamento.

Considerações finais

O remarketing é uma estratégia fundamental para qualquer e-commerce, pois ele visa reencontrar um cliente que estava próximo da conversão e desistiu. 

Assim, você não só consegue completar uma transação, mas diminui a taxa de abandono em seu site.

Essas métricas são muito importantes para conseguir identificar os resultados que sua empresa tem apresentado, o que é um norte para todas as ações de estratégia de marketing que serão escolhidas para o e-commerce.

Por isso, quanto mais você conseguir trazer de volta clientes que chegaram perto de concluir uma operação, melhor ficará o resultado final da empresa, alcançando um status de liderança no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Vitrine da Lojas Americanas, no Shopping Iguatemi.

Lojas Americanas e B2W estudam combinação de operações

As Lojas Americanas e a B2W anunciaram na sexta-feira (19) que vão criar comitês especiais independentes para avaliarem uma combinação de suas operações no momento em que os impactos das medidas de isolamento social catapultaram o comércio eletrônico.

As empresas anunciaram que a combinação como Universo Americanas e não deram detalhes sobre quando os estudos poderão ser concluídos e assembleias de acionistas serem convocadas.

A B2W é atualmente controlada pela Lojas Americanas em 62,5%. A companhia possui alguns dos principais sites de comércio eletrônico do país, como Submarino, além de uma relevante operação digital de pagamentos, a Ame.

Omnichannel mais amplo
Ambas as companhias já vinham há meses anunciando parcerias entre si para a criação do chamado omnichannel, em que clientes podem fazer compras pela internet e optarem pela retirada de produtos em lojas físicas ou usarem infraestrutura de lojas como pequenos centros de armazenagem de produtos.

Em apresentação sobre os propósitos da operação, as companhias afirmaram que a combinação criará um “poderoso motor de fusões e aquisições”.

Juntas, as empresas possuem uma rede de 1.700 lojas físicas em 750 cidades do país e um marketplace online com mais de 87 mil vendedores. As companhias também citaram que a união poderá criar um “poderoso negócio” de publicidade integrado, reunindo fornecedores, vendedores e outros parceiros.

Leia também: Americanas diminui prazo de entrega para compras internacionais

Fonte: e-commerce Brasil

Screenshot 2021-02-24 003240

Marketing Sazonal: como aproveitar as etapas do ano para vender mais

O marketing sazonal é uma estratégia fundamental para que sua empresa consiga manter as vendas em alta o ano inteiro. Vender é o que garante o funcionamento de seu estabelecimento, e o foco nesse objetivo deve ser mantido.

Por isso, é importante compreender elementos que podem auxiliar suas vendas, bem como entender o funcionamento do mercado para conseguir explorá-lo da melhor forma possível. Para isso, o primeiro passo é saber o conceito de sazonalidade.

Uma empresa de banheiro químico, por exemplo, pode conseguir ótimos resultados em épocas do ano onde existem grandes eventos ao ar livre, como o ano novo ou o carnaval.

A palavra sazonal significa algo temporário, que acontece em uma época específica. Portanto, um evento ou atividade sazonal é algo que se repete sempre no mesmo período, mas não ocorre durante o ano inteiro.

Isso acontece com datas comemorativas e eventos de diversos tipos, nos quais produtos específicos para essa época são produzidos em massa e comercializados, seja objetos de decoração ou itens de consumo e outros tipos de bens materiais.

Realizar um bom planejamento em eventos sazonais pode ajudar a vender mais em épocas específicas do ano, aproveitando corretamente as oportunidades e conquistando resultados satisfatórios, entre eles:

  • Aumento nas vendas;
  • Maior organização e integração de equipes;
  • Criação de campanhas assertivas;
  • Reconhecimento da marca;
  • Entre outros.

Existem alguns meses em que as vendas acabam caindo, por uma série de fatores. Esses eventos então surgem como uma forma de conquistar novos clientes e incentivá-los a comprar, mantendo a economia ativa.

Se você vende fantasia de carnaval infantil, precisa se reinventar para conseguir resultados o ano inteiro, identificando outras datas além do carnaval em que as fantasias podem ter um bom impacto de vendas.

Portanto, as ações de marketing sazonal procuram compreender essas datas para que a empresa possa se antecipar, conseguindo os melhores preços de compra e venda para os produtos que ela oferece.

Por que realizar o marketing sazonal?

Quanto mais bem estruturada for sua estratégia de marketing para aproveitar as datas comemorativas, maior serão os resultados alcançados. Isso porque a sazonalidade é uma excelente maneira de alavancar negócios.

Entretanto, é preciso muito mais do que saber quando as datas comemorativas vão cair para conseguir criar ações relevantes e aumentar suas vendas.

É necessário que uma empresa de caixa de som para eventos tenha organização para que as ações estejam prontas e funcionais no momento certo, para ter conhecimento das melhores épocas de trabalho e em que momentos precisa se reinventar.

Quanto mais você se aprofundar nas pesquisas durante a etapa dessa estratégia, melhor você conseguirá compreender os principais elementos que farão você vender.

Embora alguns períodos do ano sejam claros em questão de vendas, isso não quer dizer que você não pode explorar novos nichos e encontrar espaços para aproveitar e conseguir mais vendas.

O marketing sazonal torna-se, então, uma ferramenta fundamental para seu negócio conseguir adaptar sua realidade e ampliar as vendas, alcançar novos públicos e manter-se apresentando resultados o ano inteiro.

Alguns itens, como um champagne magnum, podem ser consumidos em maior quantidade em datas especiais, como o ano novo.

Mas isso não impede que outras situações, como comemorações especiais e datas especiais, não sejam uma boa oportunidade de vendas.

Como montar uma boa estratégia?

Entender a necessidade de um bom planejamento sazonal é o primeiro passo para conseguir bons resultados. Logo, é preciso montar uma boa estratégia, com alguns elementos primordiais, entre eles:

1 – Elabore um planejamento e faça um cronograma

Para estar preparado para agir corretamente em ações de impacto durante o ano, é preciso ter conhecimento das datas especiais e quais serão as ações em cada uma delas.

Embora alguns desses momentos sejam um fator comum no comércio, existem outros que você pode optar por fazer ou não uma ação especial.

Depois de definir o calendário que será adotado em sua empresa, é hora de identificar quais medidas pretende tomar em cada uma das datas especiais ao longo do ano. Assim, você já pode começar a preparar a infraestrutura do seu estabelecimento, caso ele seja físico.

Se você vende chocolates, por exemplo, é importante pensar em que momento do ano deve intensificar a produção de pirulito de chocolate personalizado, como na Páscoa.

Além disso, para que a campanha seja efetiva, é necessário que todo o material de divulgação esteja pronto com antecedência, para não gerar atrasos que atrapalhem o desempenho das vendas.

Assim, você também manterá uma comunicação mais saudável com seu público, tendo ideia de como serão as ações e o que precisará ser feito para conseguir concluí-las. 

Algumas empresas até mesmo precisam contratar colaboradores temporários para dar conta das atividades.

Ademais, a melhor forma de conseguir seguir o planejamento é através de um cronograma estruturado. Aqui, é hora de oficializar todas as ações planejadas no começo do processo.

Isso porque o tempo é um elemento crucial no sucesso de uma campanha de marketing sazonal, uma vez que tudo precisa estar funcionando perfeitamente antes da data comemorativa chegar.

As ações que envolvem uma comemoração específica, principalmente se for uma data comercial, no qual há um crescimento na compra de itens para presentes, devem acontecer nos dias que antecedem o evento.

Não vale a pena fazer uma campanha em cima da hora, principalmente porque não haverá tanta visibilidade, mas realizar as ações com muita antecedência também não traz bons resultados, pois as pessoas acabam esquecendo.

Por isso, o cronograma é crucial para que todos os aspectos da ação estejam pontuados na hora que você começar a divulgar. Assim, conseguirá um resultado muito maior e melhor para sua empresa.

2 – Seja criterioso nas ações

Você precisa ser muito criterioso quando escolher quais datas comemorativas irá utilizar em suas campanhas e quais ações realizar.

Isso porque escolher uma data que não converse com seu público-alvo pode ser muito prejudicial em termos de marketing, além de gerar desperdício financeiro.

Identificar o melhor momento de apresentar uma pasta personalizada com orelha com a temática de uma data comemorativa é parte do processo que você deve fazer para que a campanha faça sentido.

Quando estiver na etapa de planejamento, procure identificar o seu público-alvo e suas rotinas de consumo para acessar corretamente esses padrões e estabelecer em quais momentos suas atividades podem gerar resultados positivos.

Assim, você conseguirá economizar dinheiro e agir corretamente em vários momentos do ano, aproveitando os eventos sazonais.

3 – Realize um levantamento

Ações desse porte costumam ser bastante impactadas por todo o planejamento. Por isso, é preciso definir tudo o que você precisará levantar para conseguir realizar as atividades com sucesso.

Isso inclui desde a mão de obra e ações de divulgação até serviços digitais que ajudem a espalhar o conteúdo, como e-mail marketing e landing pages para impulsionar a ação.

É necessário que tudo seja calculado previamente, para que seu negócio esteja habilitado para se adequar ao orçamento e às necessidades da ação escolhida.

Em muitos casos, você pode até mesmo fechar parcerias, que acabam beneficiando ambas as empresas que se unem para atingir resultados melhores com uma atividade sazonal.

Por se tratar de um elemento fora do comum, muitas empresas não têm estrutura para uma ação em massa sozinha e preferem fazer parcerias.

4 – Estabeleça uma mensagem marcante

Como dissemos, um dos principais pontos do marketing sazonal é aproveitar as datas comemorativas. São momentos onde as pessoas gostam de se presentear e trocar mensagens emocionais com seus amigos e familiares.

Portanto, quando você decide investir em uma estratégia de marketing que leva a esse tipo de data comemorativa, é importante ter em consideração a mensagem que você vai passar para seus consumidores.

Ter um cartão de visita preto e branco que identifique sua marca é um grande diferencial, principalmente se a mensagem no cartão for simbólica a um determinado momento.

Enquanto marca, sua responsabilidade é criar um conceito amplo, que atinja a maior parte de seu público-alvo de forma emocional, ao mesmo tempo em que incentiva o cliente a consumir seu produto.

Defina suas estratégias de forma clara, para que sua mensagem cumpra corretamente os objetivos escolhidos e consiga encantar o público a ponto dele buscar os produtos para si ou para presentear uma pessoa querida.

5 – Realize ajustes, se necessário

Tão importante quanto a pré-análise e o planejamento, é seguir ajustando sua campanha conforme ela acontece. Para isso, avalie constantemente o desempenho de cada ação sazonal.

Um chaveiro profissional pode criar uma estratégia de marketing temática para tentar conseguir mais clientes, e deve avaliar se os resultados estão ou não adequados para poder ajustar a campanha, conforme sua necessidade.

Aquelas que não trouxerem os resultados esperados precisam ser repensadas ou novas estratégias precisam ser criadas para suprir as falhas da anterior.

Enquanto as ações que foram um sucesso devem ser estudadas para que se produzam melhorias e que você replique a ação em outras ocasiões, se necessário.

Resultados esperados e considerações finais

As opções de ações sazonais são inúmeras no mercado. Praticamente durante o ano inteiro existem datas comemorativas que podem acabar sendo excelentes opções de engajamento com seu público-alvo, criando novas e interessantes estratégias para gerar resultados.

Entretanto, para que você consiga alcançar os seus objetivos, é preciso muito estudo e planejamento para saber exatamente o momento de agir e quando você deve dar um passo atrás e repensar seu planejamento.

Assim, será possível explorar com tranquilidade todas as datas comemorativas que façam sentido com sua marca e conquistar muito mais vendas ao longo de todo ano, mantendo sua competitividade no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

scoring

Lead scoring: saiba mais sobre o tema

Você já ouviu falar do lead scoring? Para quem trabalha com marketing digital, conhecer mais sobre esse conceito é algo imprescindível para a análise das suas campanhas, já que é possível descobrir como anda a conversão de leads (potenciais clientes).

Então, se você ainda não conhece essa classificação, acompanhe o artigo de hoje e saiba mais sobre o tema!

O que é lead scoring?

O lead scoring nada mais é que um sistema de pontuação, que classifica os seus clientes, determinando se eles estão realmente prontos para fazer uma compra. Ou seja, assim que o lead recebe determinados pontos, o time de vendas já pode entrar em contato.

Isso aumenta as chances de venda, visto que nem sempre, um usuário que acabou de encontrar o seu creme para clarear o rosto está pronto para fazer uma compra. Às vezes, é preciso alimentá-lo com mais conteúdo, convencendo-o dos benefícios do seu produto.

A pontuação do lead scoring é definida com base no perfil do seu potencial cliente, em comparação com a persona da empresa, bem como por suas ações durante a jornada de compra. 

Nesse sentido, quanto mais próximo o lead for da sua persona, mais pontos ele ganha.

Ao mesmo tempo, se o lead realizar ações junto a sua empresa, como download de materiais, participação em pesquisas, visitantes constantes à sua página, entre outras coisas, ele também vai aumentando os pontos.

Afinal de contas, essas ações mostram que o usuário pode estar interessado no seu produto ou serviço.

Quais as vantagens do lead scoring?

O lead scoring é uma das estratégias mais importantes do marketing digital, já que é possível visualizar o quanto um usuário está realmente interessado no produto ou serviço da sua marca.

Além disso, dá para perceber que nem todo lead é igual. Por vezes, uma pessoa que acabou de conhecer a sua empresa de refeições coletivas decide fechar um negócio rápido, enquanto um outro usuário demora mais tempo.

Desse modo, os vendedores podem trabalhar com dados concretos sobre cada um dos leads, orientando a melhor abordagem e melhorando o relacionamento com os clientes.

A seguir, conheça algumas das principais vantagens do lead scoring para o seu negócio.

Redução de custos

Quando aplicamos o lead scoring, é possível conhecer mais sobre o lead e, consequentemente, direcionar melhor os esforços de marketing e vendas. Com isso, há uma significativa redução de custos, principalmente com estratégias desnecessárias.

Além do mais, os times de marketing e vendas vão gastar menos tempo preparando e abordando os leads, ao mesmo tempo em que têm um boa taxa de conversão.

Ou seja, é uma diminuição do CAC (Custo de Aquisição de Clientes), com o encurtamento do tempo médio de vendas, bem como a menor quantidade de recursos para conquistar o consumidor.

Vale dizer que essa redução pode ser vista em qualquer negócio, tanto em uma empresa de montagem de stands para feiras, quanto comércios de mais serviços.

Ganho de produtividade

Diferentes departamentos da sua empresa podem usar o sistema de pontuação para avaliar o nível de amadurecimento dos leads, incluindo:

  • Marketing;
  • Vendas;
  • Atendimento;
  • Relacionamento.

Isso quer dizer que diferentes profissionais são beneficiados com o lead scoring, o que contribui para o aumento da produtividade do seu negócio.

Além do mais, as informações do lead scoring ajudam a equipe de marketing a concentrar seus esforços nos leads que têm uma pontuação ideal, ao mesmo tempo em que é possível acompanhar os outros potenciais clientes e investir em fluxos de nutrição.

Com o tempo, mais pessoas passam a conhecer mais sobre a sua empresa, seja por meio de conteúdo relevante ou flyer de festa. De qualquer forma, o resultado é um crescimento na taxa de conversão.

Estratégias mais assertivas

Para gerar e nutrir os leads, a equipe de marketing precisa elaborar uma série de campanhas, como produção de conteúdo, oferta de materiais ricos, entre outros.

Em conjunto, é necessário ter uma forte presença nas redes sociais. Até porque dá para encontrar de tudo nessas plataformas, desde anúncios de terapia manual até conteúdos interativos.

Assim, à medida que o lead scoring torna-se recorrente na sua empresa, é possível fazer análise do desempenho de cada campanha e, desse modo, identificar quais conteúdos tiveram mais sucesso entre os potenciais clientes.

O sistema de pontuação também permite descobrir qual o melhor padrão de linguagem para lidar e interagir com o público, aumentando as chances de conversão.

Ou seja, as suas estratégias de marketing tornam-se mais eficientes, desde a simples elaboração de placas informativas personalizadas, até a criação de conteúdos valiosos.

Como aplicar o lead scoring na sua empresa?

Diante de todas as vantagens do lead scoring, várias empresas buscam aplicar a estratégia de pontuação para analisar o amadurecimento dos potenciais clientes. No entanto, antes de tudo, é preciso focar em um planejamento adequado.

A falta de um plano detalhado pode comprometer toda a aplicação da sua estratégia. Tanto que alguns negócios buscam ajuda de agências especializadas em marketing.

Abaixo, separamos algumas dicas de como aplicar o lead scoring na sua empresa. Confira!

1 – Identifique o MQL e o SQL

O primeiro passo para colocar em prática a estratégia do lead scoring é identificar quem são os MQL (Marketing Qualified Leads) e os SQLs (Sales Qualified Leads).

De modo resumido, os MQLs são os leads que já conhecem a sua empresa, mas ainda não estão prontos para a compra. Por isso, a equipe de marketing deve focar na entrega de mais conteúdos relevantes.

Já os SQLs são os leads que podem ser repassados para o time de vendas.

Assim, se um usuário está pronto para comprar, os vendedores podem sugerir opções de delivery do produto com motoboy entrega, ou até mesmo um desconto, para convencer o SQL a fechar a compra.

A partir dessa definição, é possível entender mais sobre a realidade do seu negócio e aplicar o lead scoring corretamente, de acordo com as necessidades de cada departamento da sua empresa.

2 – Analise as informações da base de leads

Depois de identificar os MQLs e SQLs, é o momento de analisar as informações da sua base de leads. Assim, você consegue definir a pontuação que cada um dos leads deve receber ao longo da jornada de compra.

Uma dica: para ter um lead scoring eficaz, vale a pena fazer uma pesquisa de mercado, identificando a sua persona e as características do público. Até porque os usuários interessados em encadernação capa dura, por exemplo, têm um perfil específico.

Por conta disso, faça o cruzamento de dados para obter a melhor pontuação para o seu lead scoring.

3 – Determine pontos de ativação

Agora é o momento de determinar qual é a pontuação que encaminha o lead para o time de vendas. Essa decisão deve ser tomada em conjunto entre o time de vendedores e de marketing, para evitar quaisquer erros que possam prejudicar a compra.

Ao estabelecer um limite de ativação, é mais fácil decidir o nível de maturidade do cliente, além de classificá-lo dentro do sistema de pontuação.

4 – Crie um padrão de pontuação

O próximo passo é definir um padrão de pontuação. Pode parecer meio óbvio, mas o planejamento é essencial para determinar quantos pontos cada ação tem e o quanto um lead precisa alcançar para estar próximo da compra.

Por mais conhecimento que o time de marketing tenha, os pontos não devem ser definidos aleatoriamente, ou distribuídos de maneira igual para todos os leads.

Ao contrário, é preciso considerar as particularidades de cada usuário, bem como as atividades mais e menos importantes. A partir daí, é possível orientar a estratégia e a abordagem correta para os clientes.

O padrão de pontuação impede que os leads sejam classificados erroneamente e passem para o time de vendas sem estarem prontos para a compra. Se isso ocorrer em demasia, a empresa pode ter mais gastos e menos lucros, pois as vendas não são concretizadas.

Por esse motivo, vale a pena determinar critérios realistas, além de considerar as individualidades de cada lead no processo de compra.

Considerações finais

O lead scoring é uma das estratégias mais eficientes para a classificação dos potenciais clientes, em especial no marketing digital.

Com um sistema de pontos bem definidos, é possível orientar as melhores estratégias e verificar se o usuário está perto de realizar uma compra. Porém, para que isso traga resultados, é fundamental ter um planejamento.

O artigo de hoje trouxe algumas dicas de como aplicar o lead scoring na sua empresa. Desse modo, você vai perceber todas as vantagens da estratégia e o aumento das vendas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

ciclo-de-vida-venda

Ciclo de venda: o que é e como auxilia na sua estratégia

O ciclo de venda diz respeito ao tempo que um produto ou serviço leva para ser vendido. Este depende de várias etapas, que vão desde o primeiro contato do cliente com a marca até a fase do pós-venda.

Vender é uma necessidade, mas também um desafio para qualquer empresa. Isso acontece porque uma série de obstáculos pode surgir até que o cliente realmente queira adquirir o que você oferece.

Daí surgem as dúvidas sobre como passar em cada etapa da venda, sem perder uma boa oportunidade de negócio.

Entender como funciona o ciclo de vendas é o primeiro passo a ser dado, afinal, esse processo se encaixa perfeitamente à nova relação de compra e venda que existe atualmente.

O consumidor moderno não é mais tão fácil de ser influenciado, uma vez que tem acesso a muita informação e a diferentes possibilidades para comprar um mesmo produto ou serviço.

Isso exigiu novas habilidades da marca e estar por dentro do funcionamento do ciclo de vendas é uma forma de vencer a concorrência.

Por isso, neste artigo, vamos explicar o seu conceito, quais são suas etapas, como montar o ciclo de vendas mais adequado para seu tipo de negócio, bem como suas vantagens. Confira!

O que é ciclo de vendas?

O ciclo de vendas planeja cada ação, que começa assim que o cliente tem o primeiro contato com a marca e se encerra no pós-venda, etapa que se inicia logo após o fechamento de um negócio.

Tudo começa quando a marca prospecta novos leads, e toda a sua sequência é definida como um ciclo. Alguns processos inerentes à qualquer organização, como uma fabricante de creme para rosto, fazem parte desse ciclo.

O financeiro é o primeiro deles, e diz respeito ao investimento feito para disponibilizar determinado produto ou serviço ao cliente, afinal, é quando ele compra que o capital investido se transforma em lucro.

O processo de vendas consiste nas tarefas que levam o produto ou serviço até as mãos do cliente. 

Por fim, há o processo de compra, que depende do cliente e de seus hábitos de consumo.

Obter lucro com aquilo que você vende é um requisito mínimo, afinal, é dessa maneira que o seu negócio se mantém ativo no mercado.

As vendas acontecem quando a marca considera os hábitos e desejos de seus clientes, pois assim a experiência deles é muito melhor.

Só que perceber que o ciclo de vendas se baseia no tempo é a melhor forma de obter sucesso. Por isso, negociar um preço por muito tempo não é vantajoso, visto que pode levar a uma falta de recursos financeiros para a empresa.

Sem falar que você corre o risco de ter esse ciclo interrompido pelo próprio cliente, devido a uma experiência que não se encaixou no tempo dele.

Ademais, quando uma gráfica de calendário personalizado com fotos reduz os gastos para encerrar o ciclo, por exemplo, consegue aumentar sua produtividade e aumentar as vendas.     

O funcionamento é bem simples, e consiste em acompanhá-lo para entender a situação do lead. Assim, os processos são bem executados em cada estágio, por meio de abordagens, materiais e estratégias adequadas.

Vários setores da empresa trabalham ao mesmo tempo para fechar uma venda o quanto antes e garantir a satisfação do cliente. É assim que se começa a entender a importância do ciclo de vendas.

As empresas que trabalham com vendas mais complexas, como as B2B (Business-to-Business, ou de empresa para empresa), não costumam diminuir esse ciclo. 

Mas, mesmo no caso de vendas mais simples, muitos negócios se perguntam qual o momento ideal de entrar em contato com o cliente.

É normal não saber se ele teve tempo para pensar e, com isso, solicitar uma resposta. Seria ótimo se soubéssemos com precisão qual é o momento de partir para uma abordagem de venda.

Portanto, o ciclo de vendas ajuda tanto uma empresa de convites personalizados como um autônomo a identificar melhor esse momento, daí a sua importância. Isso acontece por meio de estágios, conforme veremos a seguir.

Etapas do ciclo de vendas

Independentemente de qual segmento seu negócio está inserido, o ciclo de vendas depende das mesmas etapas, que são:

  • Prospecção;
  • Contato inicial;
  • Qualificação;
  • Apresentação;
  • Avaliação;
  • Fechamento;
  • Pós-venda.

A prospecção é quando a marca está em busca de seus potenciais clientes. Já o primeiro contato é aquele e-mail inicial, um brinde em uma feira de negócios, a oferta de um conteúdo rico, entre outros.

A qualificação consiste em saber quais dos leads estão prontos para a compra, e assim, seguir para a etapa de apresentação.

Nessa fase, uma fabricante de lembrancinha com chocolate, por exemplo, apresenta o seu produto e sua proposta comercial.

Durante a etapa de avaliação, empresa e cliente começam a negociar, o que pode envolver um tempo de espera, até que o cliente analise a proposta.

No fechamento, por sua vez, é quando a compra é efetivada e aí entra o pós-venda, que é descobrir se o cliente está satisfeito e solicitar que ele indique a sua marca para outras pessoas.

Para elaborar o seu ciclo de vendas, é preciso definir quais dessas etapas são cabíveis para a sua organização e saber como cada uma será realizada.

Trata-se de estabelecer metas e objetivos alinhados com as estratégias do seu negócio e com o processo de compra do cliente.

Assim, é necessário conhecer esse processo, que engloba objetivos e metas da marca, mas também os hábitos e desejos do consumidor, sendo que estes últimos são vitais para o ciclo de vendas.

Por exemplo, se o seu cliente costuma pesquisar soluções na internet, não faz sentido anunciar seu produto ou serviço no jornal para estabelecer um primeiro contato.

É necessário saber quais são os hábitos de compra dele, como é influenciado, de que maneira ele realiza suas pesquisas, com quem busca indicações, quando está disponível, os lugares que costuma frequentar e o que é importante para ele.

Quanto mais informações uma loja de vinho malbec argentino conseguir levantar, mais assertiva será a sua abordagem e melhor será o tempo do ciclo de vendas.

A elaboração dele vai além de saber o que fazer, mas também como, onde e quando fazer. É necessário se atentar à qualificação do lead para saber se ele está pronto para a abordagem de vendas.

Para isso, também é importante investir em estratégias de Inbound e Outbound Marketing. No caso do Inbound, fazer uso de estratégias de nutrição de leads, como a criação de conteúdo relevante para eles.

No caso do Outbound, é fundamental usar estratégias para alcançar quem decide pela compra, ou seja, quem tem autonomia para comprar ou não.

Da mesma forma, é interessante usar algumas ferramentas de auxílio, como o CRM (Customer Relationship Management, ou Gestão de Relacionamento com o Cliente), que ajuda a acompanhar e gerir o ciclo de vendas.

Por fim, seja uma empresa de serviço de entrega motoboy ou uma loja de roupas infantis precisa acompanhar as métricas, como os indicadores de venda, que são essenciais para garantir bons rendimentos.

Quais os resultados e vantagens obtidos?

Usar o ciclo de vendas corretamente traz uma série de benefícios que se refletem diretamente nos resultados da organização.

Por exemplo, é por meio dele que você vai saber o momento de agir, assim, a empresa evita entrar com uma abordagem de vendas com um lead que ainda não está maduro para a decisão de compra.

Uma empresa de aluguel de endereço fiscal ainda consegue conhecer melhor os seus consumidores, visto que ela terá acesso aos hábitos de seu perfil de cliente.

Esse tipo de informação ajuda a reformular o processo de vendas e até a realizar projetos de maneira mais efetiva.

É uma forma de compreender a situação dos leads e entender suas dores, trabalhando uma abordagem personalizada, oferecendo aquilo que seja realmente do interesse dele.

Também é uma maneira de prever melhor as vendas, uma vez que estamos nos referindo a uma prática repetitiva e constante, que depois de um tempo, torna as vendas mais previsíveis.

Com isso, fica mais fácil mensurar alguns indicadores, como número de conversões, fechamento em algumas épocas, ticket médio constante, entre outras possibilidades.

Esse ciclo, por fim, alinha as estratégias de marketing e vendas, melhorando a relação entre elas e estabelecendo o papel de cada setor. Essa união tem como objetivo fazer com que as áreas trabalhem juntas para alcançar o mesmo objetivo.

Conclusão

O ciclo de vendas é capaz de auxiliar empresas dos mais variados setores, como uma papelaria que produz carimbo empresarial a organizar melhor esse processo e conseguir vender mais e melhor.

Assim como posicionar a sua marca como uma organização preocupada em solucionar os problemas e necessidades de seus clientes..

Ele é benéfico para a marca, que consegue investir em esforços mais eficazes para vender, mas também para os clientes, que receberão propostas quando realmente estiverem maduros para a compra.

Além disso, vão adquirir produtos e serviços que realmente sejam úteis para as suas necessidades, o que melhora a imagem e a credibilidade de uma marca.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

images

Clubhouse pode ser aposta do marketing para os negócios; veja dicas

Com boom nas últimas semanas, rede social entrou no radar de marcas e empresas, mas traz “mundo novo” aos profissionais de marketing

Quando a rede social Clubhouse caiu nas graças dos brasileiros nas últimas semanas, a montadora Audi não perdeu tempo. Usou a rede social como mais um dos espaços que a Internet garante para os negócios contarem suas histórias e tentar gerar algum impacto.

O Clubhouse funciona como um fórum, em que diversas salas temáticas são criadas para discussões simultâneas, sobre algum tema específico. Tudo por voz. Uma boa forma de defini-lo é um “podcast ao vivo”.

Os usuários podem seguir clubes que discutem assuntos que são do seu interesse e buscar salas dentro de temas gerais como esportes, religião, línguas e tecnologia.

Apesar de o aplicativo ter sido desenhado para pessoas, ele pode ser uma oportunidade para marcas.

Pessoas serão porta-vozes

O Clubhouse ainda não tem, porém, um perfil específico para páginas institucionais, de empresas e negócios. O foco é realmente nas pessoas. Isso pode estimular que as marcas adotem posturas de utilizar os funcionários como porta-vozes, personificando sua identidade e estimulando discussões de impacto para seus negócios.

A sala promovida pela Audi na última semana foi sobre o futuro dos carros elétricos, com a presença de funcionários da empresa, que tem em sua descrição a ocupação no trabalho. Na visão do diretor de comunicação e marketing da Audi Brasil, a rede social tem um perfil profissional.

“Qualquer fala que eu tenha ali dentro é associada à Audi, a responsabilidade é grande. Eu acho muito bacana que a rede social exija que seja um perfil pessoal. Como é uma plataforma de áudio, vai ter sempre alguém falando como a marca. Não dá para ter um ‘ghost’ ou um robô por trás”, explica Cláudio Rawicz.

Entre as dicas para os profissionais que estão entrando na rede, Rawicz afirma que é importante perguntar para a organização se a pessoa pode entrar ali com o título profissional.

De acordo com a Rawicz, a decisão de entrar com seu perfil na rede social em nome da Audi, já que o Clubhouse não permite ainda perfis institucionais, foi para testar e experimentar a rede.

“Eu achei o Clubhouse interessante porque ali tinha um público qualificado, potenciais clientes para a Audi. Ali, discutimos questões além da marca, mas conseguimos até gerar interesse de um dos participantes em fazer um teste-drive com um caro”

Apesar do entusiasmo e de confirmar que a Audi seguirá com novas salas, Rawicz admite que o formato foi beta. Ele destaca também que as pessoas que entrarem ali em nome de suas empresas ou marcas devem estar treinadas para representá-las. Há que se atentar para a responsabilidade de entrar ali como porta-voz.

Pioneirismo ou cautela?

Uma encruzilhada que algumas marcas podem se ver, e que explica por que a maioria ainda não entrou no aplicativo, é a oposição entre já entrar no Clubhouse para ser pioneiro ou fazer a entrada com algum planejamento, ou até esperar que a rede crie políticas e possibilite perfis institucionais.

“As marcas estão tateando ainda, e isso é aos poucos. Estão aprendendo, vendo o que funciona e o que funciona. Ao mesmo tempo, tem a questão do ineditismo e do pioneirismo. A plataforma é muito barata e fácil. Não demanda pré-produção, câmera. Outro ponto legal é que as conversas são nichadas”, explica o professor de marketing do Insper e da PUC-RS Renato Mendes.

Sem filtro

Apesar de ter a opção de salas em que só pessoas definidas podem falar, o Clubhouse acaba sendo uma rede social sem filtros quando alguém “levanta a mão” e é autorizado a falar. Isso pode ser um problema para empresas mais sensíveis à exposição;

“O marketing costuma não gostar de surpresas. Entrar no Clubhouse envolve aceitar que isso envolve riscos”, opina Renato Mendes.

Para o diretor de comunicação da Audi, as empresas têm que entender essa vulnerabilidade de forma natural e lidar com com algum comentário negativo que possa vocalizado da mesma forma que elas lidaram se ele fosse escrito.

Antes de entrar no Clubhouse, o professor Mendes destaca alguns pontos de reflexão para os profissionais de marketing.

Primeiro, é necessário se familiarizar com a rede, entendendo a etiqueta dela e como funciona.

Em segundo lugar, é verificar se há indícios de que seu público está ali dentro. Na visão do professor Renato Mendes, a rede social parece ser frequentada por pessoas mais velhas. Como o aplicativo é exclusivo para iPhones, há também um corte de renda.

Em terceiro, também é importante checar qual tema se quer abordar e como explorar a audiência para isso.

Topo, meio ou fundo de funil?

No marketing, os canais e os conteúdos podem ser classificados conforme o seu propósito na jornada de compra do consumidor. Lives no Youtube e postagens em blogs sobre assuntos genéricos, não necessariamente ligados à marca, são o topo do funil, que atraem pessoas por aquele tema, e não necessariamente pelo seu produto.

O Clubhouse tem uma vocação para essa posição de topo de funil, segundo o professor Renato Mendes. É um lugar para criar reforço de marca, com o chamado “awareness”. Ali, uma possível conversão é mais difícil.

Os indicadores (ou KPIs) que as marcas devem ficar atentas nesses casos são a quantidade de pessoas impactadas.

Apesar de reconhecer que a vocação do Clubhouse é de topo de funil, o diretor de comunicação da Audi vê a possibilidade de explorar as outras etapas também: a do meio e a do fundo do funil.

“Você pode usar o Clubhouse para qualquer etapa. No topo do funil, você pode usar discussões genéricas, como a era dos carros elétricos. Já na próxima etapa, de consideração, poderíamos criar uma sala falando sobre um produto específico, como o novo Audi A4″.

E o futuro?

A pergunta que fica é se a rede social conseguirá manter o apelo depois do frenesi inicial, causado principalmente pela entrada de personalidades como Elon Musk.

Como a rede é exclusiva para o sistema operacional iOS, da Apple, ainda pode ter um forte crescimento de público se decidir funcionar nos sistemas Android.

Independentemente se ela veio para ficar ou não, as marcas devem começar a entrar nela mais fortemente nas próximas semanas, segundo Renato Mendes, que já foi procurado por empresas para prestar assessoria.

As lições que ficaram para a Audi, após a primeira experiência, foram positivas. Segundo Cláudio, ele viu que é possível utilizar aquele canal como ferramenta de marketing. Além da Audi, outras marcas brasileiras que já estão tateando a rede social são a Nestlé e a corretora Genial Investimentos.

A Diageo, que produz bebidas como o Whisky Johnnie Walker, estreia no aplicativo nesta sexta-feira.

Assim como a maioria das outras marcas, ela entra no Clubhouse sem um perfil institucional, mas utilizando pessoas para iniciar uma discussão sobre diversos assuntos como sustentabilidade, diversidade, o papel da inteligência artificial e o consumo responsável de bebidas alcóolicas. Vão participar da sala Astrid Fontenelle, João Vicente de Castro e executivos da empresa.

Fonte: Exame