Man working on laptop computer

Marketing digital: Qual é a experiência de consumo que o seu e-commerce oferece aos clientes?

O marketing digital é composto por uma série de ações e estratégias que tem como o objetivo ajudar um negócio a conquistar cada vez mais clientes para o negócio. 

Essas estratégias abordam ações de fidelização, autoridade, reforço da imagem e até o uso de banner impressao, assim como outras.

Ocorre que dentre todas essas táticas existe uma muito importante que deve ser vista com um grande potencial de mudança de realidade.

Pois, trata-se de mudar a forma de atuação para si e passar a agir pensando quase sempre no consumidor.

Ótima experiência de consumo

Estamos falando da Experiência do Cliente ou Customer Experience que consiste basicamente em priorizar a percepção e interações que o público tem com a empresa. 

Por meio dessa análise é preciso definir métricas a fim de conquistá-los para sempre. 

O mercado está se tornando um universo extremamente competitivo o que faz uma acao de marketing promocional de anos anteriores ser totalmente inadequada para o sistema que é vivência hoje, por isso, existe a necessidade da constante evolução de estratégias.

Antes era comum as empresas oferecerem um produto por serem as únicas a terem no mercado aquela necessidade dentro de seus universos, hoje, praticamente há concorrência para qualquer tipo de setor. 

Isso não significa que não há pessoas para comprar, pelo contrário, existem muitos mais clientes do que antes.

Entretanto, todas essas pessoas estão centralizadas por empresas que entenderam que apenas vender não gera o maior lucro possível. 

Os clientes fazem uma espécie de impressao digital das empresas que estão aderindo as novas compras. 

São avaliados diversos aspectos da empresa e comparada com outras que podem ter tido algum tipo de experiência anterior.

São analisados alguns tópicos como:

  • Qualidade dos produtos;
  • Qualidade do atendimento (virtual ou por telefone);
  • Prazo de entrega;
  • Qualidade da entrega;
  • Autoridade no assunto;
  • Tratamento pessoal;
  • Embalagens únicas;
  • Promoções exclusivas.

Esses são alguns pontos que a Customer Experience tenta trazer para as empresas com o objetivo de conquistar os clientes dando a eles a melhor compra que já fizeram. 

Algumas empresas atuam tão bem no ramo que possuem apenas um flyer digital.                             Isso ocorre porque os próprios consumidores fazem o marketing da empresa. 

Quem nunca discutiu com uma pessoa que é tão fã de uma determinada empresa ou produto que é incapaz de criticá-la seja lá qual forem os erros que ela cometer?

Isso ocorre porque o consumidor está tão identificado com a marca e teve experiências tão positivas que cria um apego sentimental por ela. 

Sempre que possível ele tentará fazer com que seus familiares e amigos compartilhem da mesma experiência que ele. 

Eis então a principal importância de atuar com a experiência de cliente dentro da sua empresa. 

É preciso levar em consideração que o consumidor anseia por ser bem tratado e cada vez mais o mercado pede por isso. 

O novo consumidor

O novo consumidor é aquele que está totalmente integrado à internet ou está migrando totalmente para os grandes benefícios que ela tem a trazer. 

Ocorre que por diversas experiências positivas e negativas eles acabaram se tornando grandes sábios das compras.

Isso significa que os novos consumidores estudam muito um produto antes de comprá-lo e acabam por buscar diversas referências de produtos que oferecem algo a mais para eles. 

O preço não é algo tão relevante, mas a qualidade de serviço e a exclusividade. 

Quando nós vemos os funcionários de uma empresa com uma camisa de empresa bordada todos iguais, o que identificamos? Que dentro daquele local existe uma organização feita por alguém que pede para que os funcionários usem as mesmas roupas.

Deste modo fica mais fácil identificá-los e solicitar a ajuda caso necessário. 

Pois, muitas vezes o consumidor já sabe o que deseja e chama o funcionário somente para sanar alguma dúvida ou procurar um a diferente daquele que ele viu. 

Portanto, ele quer que ele esteja pronto com todas as informações na mente e disposto a ajudá-lo, se tudo for comprido a compra será efetiva e você terá um cliente feliz. 

Sendo assim, pense se o funcionário não estiver devidamente uniformizado como será identificado. O cliente não saberá dizer quem é a pessoa que ele deverá tirar suas dúvidas.

Portanto, se o líder não estiver visível há todos à quem o funcionário irá recorrer. Assim como se o sistema da loja ou site travar. 

Até mesmo se a pesquisa que for feita tiver dado informações erradas. Todas essas perguntas devem ser respondidas e resolvidas pelos responsáveis por criar uma boa experiência de cliente. 

Se uniformes não são a cara da sua empresa, ao menos uma camisa gola polo personalizada pode ser o caminho, seja criativo. 

O atendimento de qualidade ajuda a todos 

Muitas pessoas acreditam que o atendimento por telefone está morrendo, mas esquecem que atender um cliente vai além de falar bem no telefone, atualmente é preciso levar em conta o atendimento físico, por aplicativos de mensagens e chats online.

Existem diversos métodos de atender o cliente e todos eles precisam ser feitos com alta qualidade. 

Para que isso seja feito, será preciso que os líderes treinem bem as pessoas que irão fazer esses atendimentos e se possível deixar pautas com saídas para as situações.

Lembre-se que os atendentes também precisam ser bem tratados, eles também são pessoas e a forma como eles estiverem se sentindo  no dia refletirá clientes com quem eles forem entrar em contato.

O uso da tecnologia com robôs que lidam com assuntos simples e um bom modelo de atendimento 24  horas pode resolver os problemas que envolvem esses temas, tirando a sobrecarga dos funcionários e dando a eles outras tarefas.

A rotatividade é importante para que todos saibam atuar em diferentes áreas e sentir como os colegas se sentem, principalmente, quando se trata de modelos menos hierárquicos. 

Invista em bons sites e boas páginas de venda

Da mesma forma que o novo consumidor é carente por atenção ele tem o tempo escasso.

Sendo assim, ele quer a atenção no momento exato que tiver alguma dúvida ou precisar de algo, mas fora essa realidade tentará resolver por conta própria. 

O cliente não estará procurando um produto em um busdoor anuncio em Amazonas, mas em sites de vendas e blogs que oferecem produtos que geram interesse. 

Por isso, é preciso que a empresa tenha um bom site e que ele funcione super bem.

Uma das piores sensações que um consumidor tem é quando tenta entrar em um determinado site e ele não carrega ou quando a  página de comprar não dá prosseguimento nas ações. 

Uma boa empresa que investe na experiência do cliente, trata de investir na tecnologia de seu site de vendas por entender que o potencial gerado de compras virtuais é enorme. 

Portanto, se faz cada vez mais necessário nos dias de hoje.

Pense no que você gostaria de ter

Por fim, uma das maiores estratégias realizadas para as pessoas que querem ter uma boa experiência de usuário em suas empresas é se colocar no lugar do cliente. 

Essa estratégia é extremamente efetiva para entender os pontos fortes e fracos da sua empresa.

Portanto, verá que precisará estudar bastante para conseguir agradar um número grande de consumidores. 

Até as cores do seu site e a forma como as informações são mostradas podem interferir na maneira com que os consumidores enxergam o seu trabalho. 

O empreendedor por natureza tem que ter a capacidade interna de querer melhorar os serviços que alí compõe o seu esquema de vendas. 

Sendo assim, não há forma melhor para isso do que estudar e se aprimorar referente a técnicas e modelos de atendimento.

Por isso, torne-se cliente de seu concorrente, com isso queremos dizer que passe por todos os processos que seus clientes que preferem o seu concorrente passam e identifique os motivos que fazem eles serem bons ou que fazem você se diferenciar deles.

Não necessariamente somos piores que nossos concorrentes, mas é interessante se espelhar em empresas que tem um poderio de venda maior que a sua, e que geram mais interações nas redes sociais ou na fala popular.

Compreender o que faz dessas marcas gigantes é um processo interessante é bastante necessário. 

Se o seu concorrente faz adesivacao de carros propaganda, se fizer sentido para você faça também só que coloque LED, aprimore e seja melhor veja se deu certo e evolua. 

Os clientes permanecerão mudando de opinião e serão cada vez mais difíceis de serem conquistados, mas com uma boa Customer Experience você será capaz de trazê-los para a sua empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos. 

Mature student using computer

Como o seu e-commerce pode oferecer suporte para Bugs e evitar a evasão de clientes?

O mercado digital possibilitou muitas mudanças na forma de se fazer comércio. Com o avanço dos sites e plataformas online, muitas empresas passaram a sofrer com o chamados bugs encontrados em diversos sistemas no mundo todo.

Um bug é basicamente um problema não previsto pelos desenvolvedores que ocorre no decorrer do funcionamento de um sistema e passa a prejudicar todo um processo de um determinado segmento.

Existem diversas histórias que dizem explicar a origem do termo “bug”, mas a mais aceita de todas envolve o grande inventor Thomas Edison.

Em um determinado dia Thomas foi utilizar seu fonógrafo e uma mosca acabou o encontrando dentro do aparelho.

A presença do animal prejudicou todo o funcionamento do sistema e foi preciso toda uma parafernalha para conseguir retirá-lo e fazer o fonógrafo voltar a funcionar adequadamente. 

Desde então o termo tornou-se famoso ao fazer referência a erros não previstos.

Os sites recebem o acesso de diversas pessoas que precisam comprar algo como uma camisa com logo bordado ou livros e cursos.

As possibilidades são muitas, mas quanto mais digital o sistema mais será preciso de cuidados para fazer o sistema funcionar. 

Desenvolvedores tem como objetivo testar uma série de possibilidades que envolvem os programas que estão sendo disponibilizados pelas empresas que comprarem seus sistemas, mas é humanamente impossível que tudo seja devidamente testado.

Quando o sistema é vendido para uma empresa de e-commerce, por exemplo, o sistema então passa a ser utilizado de diferentes formas por inúmeras pessoas para os mais diferentes fins. 

Isso resulta em uma gama bem maior de situações não previstas pelos desenvolvedores, neste momento são descobertos os bugs do sistema. 

Em outras palavras, é como uma pessoa que busca por um adesivo de vinil para realizar a pesquisa em um campo de endereço.

Ocorre que o desenvolvedor não tinha previsto que as pessoas procurariam por produtos dentro de um campo feito para colocar o endereço e em vez do sistema recusar, ele simplesmente trava ou faz o formulário voltar desde o início. 

Quase todas as pessoas que mantém contato diário com sistemas de computadores, sejam instalados em uma máquina ou acessados pela internet já se depararam com um bug em algum momento de suas vidas.

Dentro do ramo dos analistas de desenvolvimento de sistemas existe um setor específico que fica realizando testes de diversos sistemas em busca de bugs

Portanto, é bem comum que exista um botão dentro desses programas que se chama “reportar um bug”.

Deste modo os usuários conseguem avisar os desenvolvedores de um erro frequente que precisa ser corrigido. 

Dessa maneira são feitas atualizações dentro do programa e enviadas aos usuário para que sejam instalados, assim os erros são corrigidos. 

É como realizar a impressao digital dos problemas e encaminhar aos responsáveis para correção. 

No universo dos jogos digitais isso é algo bem comum e visto como algo padrão para milhares de jogadores, mas infelizmente em um setor de vendas esses erros geram um problema gravíssimo.

Clientes de um e-commerce costumam não ter muita paciência com erros que consideram simples de serem resolvidos (apesar de não serem) e o impedimento no momento de realizar uma compra pode ser fatal para nunca mais tê-lo dentro do site novamente.

É por isso que surge a necessidade de criar estratégias de suporte para que os bugs sejam cada menos presentes principalmente nos canais de venda das empresas. Deste modo é possível evitar a evasão dos clientes.

A confiança é a chave principal que deve moldar a internet uma vez que muitos usuários ainda ficam com um pé atrás no momento de realizar a compra de um colar feminino folheado a ouro ou qualquer que seja o outro produto que está sendo comprado.

Avise e encaminhe os clientes

Como dissemos, prever todos os bugs que um sistema pode gerar é algo impossível de ser feito.

Entretanto, é possível entender que eles podem aparecer e estar preparados para esse tipo de solução.

O primeiro e melhor processo de suporte contra bugs é encaminhar uma mensagem quando algum tipo de erro ocorrer.

Isso pode ser feito em uma função no momento em que a página demora muito para carregar ou o sistema estiver travando. 

Há também épocas sazonais em que os sites podem estar com um alto número de acessos e dessa forma o sistema fica mais lento. 

Um aviso prévio pode ser feito, deste modo o cliente sabe que não vai precisar de uma assistencia tecnica de informatica computador.

Eles também tentam encontrar horários em que acreditam que o sistema esteja menos superlotado como madrugada e de manhã. 

Esses avisos são importantes para mostrar que você está ciente dos erros que possam vir a ocorrer e já promoveu uma solução a ser feita.

Verifique a necessidade de um suporte especializado

Esse é um ponto que pode vir a ocorrer e independente da sua boa vontade, somente profissionais especializados conseguirão resolver o problema. 

Muitos acessos e um alto número de dados alinhados em um sistema integrado podem gerar problemas.

Toda empresa em um determinado momento precisa se render a necessidade de contratar pessoas especialistas em tratar da sua rede de usuários. 

Além de lidar com a manutenção de tudo o que estiver ocorrendo, eles podem elaborar sistemas mais fáceis de serem utilizados.

O flyer digital do seu e-commerce pode ser o produto, mas a fachada dele é a celeridade em que os sistemas funcionarão. 

Portanto, chegará um momento em que sozinho não será possível administrar tudo. 

Você como empreendedor terá de tomar a decisão no momento certo, pois quanto mais acessos e mais vendas, maior será a necessidade de buscar por ajuda. Quando o negócio for pequeno não existe a necessidade. 

Acione a sua plataforma paga

Tornou-se bem comum pessoas leigas no desenvolvimento de sites, pagarem por plataformas que entregam sites prontos para o uso, por um valor mensal de diferentes ferramentas e possibilidades.

Ocorre que um grande erro das empresas é deixar de acionar essas empresas no momento em que precisam de ajuda e apoio. 

Lembre-se, o que está em jogo é o seu sustento e a sua empresa, por isso sempre que algo de estranho ocorrer acione a plataforma.

Existem equipes que trabalham para isso e no momento em que você paga pela plataforma eles prometem o apoio ao usuário. 

Tudo isso acaba por facilitar todos os trâmites que envolvem a formação e administração do site. 

Pense que você trabalha com advocacia, contabilidade ou até outro setor que precise da efetivação da entrega de encomendas com motoboy ou digitalmente.

É preciso que o consumidor se sinta confiante em entregar sua privacidade, por isso a necessidade de um sistema que gere essa confiança. 

Erros que ocorrem com frequência

Diferentes de bugs que são erros não previstos, existem erros que podem vir a acontecer, mas que poderiam ter sido evitados e ainda podem.

Basta que os administradores do site estejam cientes do que fazer caso algum deles tenha ocorrido. Vejamos alguns deles:

  • Sites lentos que não carregam e links quebrados;
  • Funções visíveis, mas não disponíveis;
  • Sites pouco seguros com muitos pop-ups;
  • Sites que parecem ser do segmento da marca.

Cada um desses erros podem ser evitados antes mesmo da criação do site. 

Todos os erros afetam a decisão final do consumidor em finalizar a compra do seu e-commerce.

Além de que dependendo do que ocorrer eles saem antes de verem os produtos.

Imagine uma pessoa que busca fazer o reparo do Iphone de um familiar, mas quando entra no site depara com um design infantil que não transpassa autoridade. 

Além disso, os links de orçamentos e informações sobre a empresa não funcionam ou não carregam.

Esses cuidados precisam ser tomados para que afete a confiança do seu cliente, evitando a evasão deles no seu e-commerce.

Considerações finais

A evasão de um e-commerce pode ocorrer por diversos fatores e um deles são os erros aparentes no próprio site. 

Podemos elencar tópicos simples como erros de ortografia até erros gravíssimos como o vazamento de dados do cartão dos seus clientes.

Cada esfera de erro afeta na forma como o seu consumidor enxerga sua empresa, por isso existe a necessidade oferecer suporte para bugs e diminuir a evasão. 

Existe uma taxa de evasão de clientes que é natural de todo o negócio, mas não pode ter referência com erros.

Toda a empresa precisa garantir o bom funcionamento de seu e-commerce e dar o máximo de confiança para o consumidor realizar todas as suas compras ali dentro. 

No decorrer do artigo demos uma série de exemplos que podem ser seguidos para evitar essa situação.

Uma forma interessante é se espelhar em um concorrente muito maior que você e ver como eles trabalham. 

No mercado digital é preciso ter boas referências, se o concorrente faz sucesso, algo de certo ele está fazendo é interessante entender os porquês. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Two young businesswomen working on a report

Entenda como a sua loja pode aproveitar a tendência do Social commerce e se destacar no mercado

Se pensa que o e-commerce ainda é uma tendência, saiba que ele é uma realidade inerente aos nossos hábitos cotidianos, nem que seja apenas para pedir comida. Mas, na verdade, há outro conceito embutido que está em ascensão: o social commerce.

Se nunca ouviu falar sobre ele, então você precisa entender o que é essa nova tendência de mercado para destacar sua loja e aproveitar tudo o que há de melhor das estratégias que fazem parte disso.

O que é social commerce?

Social Commerce é uma vertente do e-commerce que acontece de forma exclusiva, nas plataformas de redes sociais.

Visto que há investimentos por para de seus criadores para torná-las ambientes propícios para esses tipos de transações.

Em outras palavras, as redes estão se tornando verdadeiros shoppings por meio de um bom conteúdo.

Por exemplo, você pode navegar e comprar produtos no Facebook, como camisa gola polo personalizada, ou seja, fazer a compra na própria rede social, sem sair dela ou ter que acessar outro site. 

Essa é a grande sacada do social commerce, que aproveita o uso massivo dessas redes por grande parte da população para se tornar um local virtual de compras, enquanto há diversão, entretenimento e absorção de conhecimento. 

É uma maneira simples de trazer a funcionalidade básica do e-commerce diretamente para a lógica das plataformas de redes sociais. 

Quais são as vantagens?

Hoje em dia, a boa experiência do cliente é “quanto menos passos tiver melhor”. 

E por que não aproveitar o tempo na rede social para fazer uma compra rápida após clicar em banner impressao de algo que você viu e gostou? 

Comprou? Então já é possível em poucos segundos voltar à navegação de novo e até postar o item que você comprou, sem ter que sair da rede social para entrar em um site. 

Além disso, quando os clientes estão satisfeitos com a marca de grafica online atual card e se a experiência de compra foi fluida.

Eles fazem recomendações para os amigos ou familiares fica ainda mais fácil por conta disso por causa do rápido compartilhamento em um simples clique de botão.

Para empresas e suas marcas, o social commerce oferece grandes vantagens, desde uma maior visitação às páginas de redes sociais ao aumento do envolvimento do cliente com a companhia, facilitando o famoso marketing boca a boca. 

Quais estratégias seguir para ter sucesso?

Compartilhe conteúdo regularmente para aparecer mais no feed do seus seguidores. 

Isso ajuda muito a construir oportunidades e tornar as marcas de grafica de impressao digital mais poderosas em seu impacto nas redes sociais. 

Ao fazer isso, seus seguidores aumentarão porque sua marca tende a ser mais recomendada para outras pessoas. 

O social commerce, ao se desenvolver cada vez mais, vai tornando a necessidade de as empresas levarem um bom atendimento a esses canais, e quem prestar atenção nisso e tiver uma boa estratégia nesse sentido sairá na frente.

O aumento do público é nítido quando se foca no social commerce, ou seja, na recorrência e na qualidade dos seus conteúdos, sejam eles para fins educativos ou apenas comerciais. 

O que interessa é que ambos se retroalimentam, pois, bilhões de pessoas já estão ativas nas redes sociais. 

Sendo essa é uma oportunidade de aumentar o tráfego, e consequentemente, as vendas.

Cada empresa pode procurar maneiras diferentes de expandir seus negócios e vender seus produtos para seu público-alvo.

O social commerce, por envolver a necessidade de consumo por parte das pessoas, ajudou muito no desenvolvimento de várias empresas.

Por exemplo, as marcas de camisa de empresa bordada, que aproveitaram essa tendência para melhorar suas presenças nas redes sociais, elevando a experiência ao cliente.

Além desse caráter de marca que o social commerce impulsiona, essa vertente do e-commerce se destaca pela facilidade que deu para os consumidores.

Além disso, ainda incentiva um maior tíquete médio para as empresas. 

Por exemplo, uma assistencia tecnica de informatica computador pode estabelecer em suas redes sociais instalação do serviço com um simples botão a partir de um cadastro mínimo feito pelo cliente.

Isso é de extremo valor para a pessoa que precisa do serviço. Por isso, provavelmente, ela sempre voltará lá por causa da facilidade ou ela indicará quem precisar. 

Portanto, fica claro que as redes sociais têm um papel de convencimento das pessoas a gastar mais pela experiência de compra mais assertiva e objetiva. 

Não importa onde estiverem: com poucos toques no smartphone já é possível adquirir algo. 

Por dentro das redes sociais

As principais plataformas de redes sociais têm em sua experiência de navegação o social commerce, sensação dos chamados online shoppers. 

Isto posto, estamos falando das seguintes redes sociais:

  • Facebook;
  • Instagram;
  • WhatsApp;
  • Pinterest;
  • LinkedIn;
  • TikTok.

No Facebook, as empresas conseguem emitir um catálogo próprio de produtos, permitindo a integração do que você quer vender a um e-commerce na própria rede social. 

Esse catálogo pode ser integrado ao Instagram e ao WhatsApp, que fazem parte do mesmo conglomerado possuído por Mark Zuckerberg.

A partir disso, é possível, por exemplo, fazer transmissões ao vivo, que estão em alta, de forma sincronizada com o seu catálogo nas redes sociais. 

Sendo assim, as pessoas podem assistir a live e comprar sem sair da tela, com o link ali mesmo disponível.

No caso do Instagram, a integração do catálogo é feita pela navegação da ferramenta Instagram Shopping. 

Dessa forma, sua empresa pode criar posts com tags de preços em cima dos produtos na própria postagem. 

É possível já ver o preço ali mesmo, e ao clicar, o cliente já será direcionado para a página do produto para visualizar as especificações do produto e efetuar a compra.

Além da ferramenta do Instagram, o WhatsApp, com seu serviço de pagamento disponível nas próprias mensagens.

O que facilita e muito por meio do social commerce porque você pode estar conversando com um atendente, e em questão de minutos, já fazer o pagamento ali mesmo, também sem sair da rede social. 

Os pequenos negócios, panfleto para hamburgueria, se beneficiam e muito dessas ferramentas de social commerce das principais plataformas de redes sociais.

O Pinterest, que é uma rede social muito voltada a referências de produtos e de imagens exuberantes, também adotou o social commerce e ativou a funcionalidade de compra por meio de uma simples foto. 

Sempre que sua loja coloca algo no catálogo, um post já replica isso para o Pinterest e cria automaticamente um card de compra. 

E se muda o preço? Isso também é atualizado conforme vão sendo definidas as promoções e novas precificações.

O TikTok, a rede social do momento, também vem testando a modalidade de social commerce muito parecida com a do Instagram, formando parcerias com grandes redes de e-commerce para se estabelecer neste mercado.

Vale mencionar aqui que a ByteDance, empresa controladora do TikTok, já havia lançado o aplicativo Douyin, que segundo a Bloomberg, acumulou ganhos por meio do social commerce de 26 bilhões de dólares em apenas um ano de lançamento. 

Isso mostra a tendência que veio realmente para ficar, de acordo com o comportamento dos consumidores. 

O papel dos influenciadores

O surgimento do marketing de influência com uso de flyer digital foi concomitante ao social commerce. 

As pessoas se baseiam e se referenciam muito nas redes sociais em seus ídolos e grandes influenciadores nas redes sociais.

O papel deles é essencial para o crescimento do social commerce no mundo. Em canais seguidos por milhões de pessoas e às vezes até em participações no canal principal das empresas, os influenciadores

Eles são capazes de mover multidões para os perfis das empresas, basta seguir as recomendações deles. 

Os seguidores, geralmente, seguem à risca, portanto, de forma direta ou indireta, a participação deles é enorme no social commerce. 

O influenciador, então, tem um potencial altamente explorável pelas marcas. As suas formas de comunicação chamam atenção de forma que uma empresa talvez não poderia, adequando-se a novos públicos. 

Considerações finais

Portanto, nesse sentido, uma das tendências que as companhias devem seguir, pegando a onda dos influenciadores, é a transformação do cliente em um real promotor da marca. 

É assim que as grandes empresas chegam onde elas chegaram. 

A marca é boa, a qualidade também, mas sem uma boa estratégia de comunicação, dificilmente se ganha projeção em um mercado altamente competitivo como o da internet, abrangendo diversos tipos de negócio e de serviços. 

É altamente desafiador ter que se sobressair neste cenário, mas as alternativas são várias e esta que vimos neste conteúdo é uma das grandes apostas de quem realmente acredita no e-commerce. 

Por isso, o social commerce é altamente recomendável para estes casos e para qualquer empresa que precise alavancar seu negócio de forma exponencial, explorando tudo o que as redes sociais podem oferecer.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Innovative idea and marketing business for new company

Conheça mais sobre o futuro do e-commerce: O Conversational Commerce

Já não é possível um empresário ou gestor ignorar o papel da internet, especialmente no sentido do comércio eletrônico. Nessa linha, uma tendência que tem se disseminado é a do Conversational Commerce, que veio para ficar.

O nome pode soar um pouco estranho, mas isso se deve justamente à ousadia da proposta. Trata-se de inserir nas negociações e transações digitais um elemento mais humanizado, para que a ponte entre a marca e o cliente não pareça algo robótico demais.

Imagine negociar um lote de embalagem de madeira para exportacao, tudo pela internet, sem que os dois lados jamais venham a se conhecer presencialmente. Certamente, a empresa não poderá ser fria, objetiva e sucinta o tempo todo.

É preciso que haja uma relação mais humana e até mais dinâmica. No fundo, essa busca por contato e conversação vem de um elemento que já estava em voga no mundo corporativo, que é o da customização e personalização das soluções.

Ou seja, nos últimos anos já não adiantava uma grande empresa oferecer aos seus clientes produtos ou serviços genéricos, como se o cliente fosse apenas um número a mais. Então, customizar a experiência é algo que vinha acontecendo cada vez mais.

Hoje isso culminou no Conversational Commerce, que é o Comércio de Conversação, também chamado de Varejo de Bate-Papo. Graças a ele, sem deixar de lado o aspecto objetivo e ágil da internet, é possível engajar e conquistar mais clientes.

Por exemplo, quando uma empresa faz uma acao de marketing promocional, isso não quer dizer que ela vai “massificar” sua clientela, vendendo para mais pessoas do que ela suportaria atender em termos de suporte.

Pelo contrário, é preciso ter uma estratégia de antemão para garantir que todos terão uma jornada digital facilitada, humanizada e otimizada. Assim, é preciso que o processo seja de excelência para ambos os lados, não só para a marca.

Por isso decidimos escrever este artigo, mostrando como o Conversational Commerce tem tudo para se tornar o futuro do comércio eletrônico, especialmente por ser um apanhado de várias tendências que já vinham se cristalizando.

O mais interessante é que ele já tem evoluído bastante, então realmente pode ajudar no processo de vendas de qualquer segmento ou nicho, seja para lidar com venda de produtos ou com serviços como a criação de panfleto para hamburgueria.

Então, se você quer compreender melhor como essa estratégia pode mudar seu negócio de patamar, tornando sua marca muito mais conectada e preparada para o futuro, basta seguir adiante na leitura.

O que é o C-Commerce?

Sigla para Conversational Commerce, vimos acima que se trata de uma estratégia que simplesmente tomou consciência de vários fatores e elementos antigos, que já vinham pairando sobre o mundo corporativo.

Em essência, o que o Comércio Conversacional ou Varejo Online de Bate-Papo propõe é uma nova visão sobre o fenômeno da jornada de compra na esfera digital.

Na prática, ele surge com novos veículos de comunicação entre a parte consumidora e a parte vendedora ou prestadora de serviço.

Como exemplo de que isso já vinha acontecendo em certa medida, basta pensarmos em certos serviços, como um de impressao digital, que já exigia várias etapas de comunicação entre as partes.

Tanto é assim que uma pesquisa recente da empresa Aivo Brasil, marca argentina da área de softwares, revelou que só no ano passado a conversação digital entre pessoas e marcas verificou um aumento de 500%.

Quem ajuda nisso são os serviços e aplicativos de mensagens, que permitem que com poucos cliques os consumidores enviem textos ou mesmo áudios para as empresas.

Entendendo essas tendências

Não é de agora que uma marca que queira crescer precisa compreender melhor o comportamento do seu público-alvo.

Na verdade, isso sempre foi assim, desde o surgimento do marketing, que veio como um reforço para ajudar a vender o excesso de produção ocasionado pela Revolução Industrial.

O que ocorre é que, após o advento da internet, verificamos uma outra espécie de revolução, agora com efeitos de várias ordens, tais como:

  • Ordem cultural;
  • Ordem econômica;
  • Ordem sociológica;
  • Ordem psicológica.

Um modo de se referir a isso é o recorte geracional das famosas Gerações Y e Z, das pessoas nascidas de meados de 1980 e 2000 para cá, respectivamente.

A princípio pode não parecer, mas a mudança de comportamento foi tão grande que ao falarmos de algo como a criação de ações e campanhas publicitárias, ou de um simples banner informativo, estamos nos referindo também a esses novos consumidores.

Trata-se de pessoas que cresceram com maior acesso à informática, à internet e à informação como um todo, o que as torna muito mais críticas e exigentes, inclusive na hora de comprar.

No caso da Geração Z, são pessoas que já se desenvolvem com a tecnologia na palma das mãos, literalmente, graças aos smartphones e tablets.

Assim, fenômenos como as salas de bate-papo e as redes sociais vão imprimindo nesse perfil consumidor um desejo maior por conversação e customização.

Com isso, o modo como tudo isso aponta para o Conversational Commerce já se tornou evidente e muito mais claro. O fato é que hoje a atenção personalizada é um ativo, ou seja, um valor a mais que ajuda as marcas a proporcionarem experiências positivas.

Por fim, as empresas se tornam capazes de atender o cerne da expectativa das novas gerações consumidoras. Ao passo que aquelas que não se adaptarem, simplesmente acabarão ficando para trás.

Como aplicar a estratégia?

Em termos de funil de vendas e de jornada de compra, o C-Commerce ocorre sobretudo no fundo do funil, depois que o cliente já entendeu a proposta da solução que a marca está prestando.

Ou seja, a fase de captação de leads e de nutrição desses contatos já foi. Portanto, as estratégias de prospecção e até alguns gatilhos podem entrar aqui, de modo a trabalhar o fechamento e já começar a pensar na fidelização.

Por isso, vamos aprofundar logo abaixo os veículos mais indicados para colocar em prática o Conversational Commerce, no seu sentido mais original e promissor.

Mensagens instantâneas

Ninguém que tenha smartphone com acesso à internet deve ignorar como os aplicativos de mensagens instantâneas revolucionaram a comunicação.

Nomes como WhatsApp, Telegram, WeChat e Viber simplesmente dominam a nossa rotina, tanto no sentido pessoal quanto profissional.

De fato, se uma loja vende caixa display papelao, esse é o primeiro passo que ela deve dar na direção do Conversational Commerce, como modo de entrar em cheio na conversação com o cliente.

Uma comprovação disso são as soluções que têm surgido mais recentemente, como a do WhatsApp Business, que adapta a plataforma justamente para aplicação comercial, facilitando formas de pagamento, de contato e afins.

O poder do chat ou bate-papo

Outro ponto realmente inevitável é o dos chats ou bate-papos, especialmente por meio das mídias sociais. Porém, já não como plataforma de postagens, curtidas e compartilhamento apenas.

É preciso ir além, pensar fora da caixa e abrir espaço para uma conversa personalizada com o cliente. Um exemplo são as redes que oferecem um campo de chat, como o próprio Messenger do Facebook, ou o Direct do Instagram.

Na verdade, cada vez mais essas grandes plataformas trazem opções de conversação direta, pensando justamente no Conversational Commerce.

Assim, se a empresa lida com flyer digital, o cliente pode tirar dúvidas sobre preços, prazos e customização do seu pedido, que pode demandar alguns cuidados especiais. Isso cumpre a essência da proposta.

Outro exemplo é o dos próprios sites, como os chatbots que você pode implementar na sua loja virtual, unindo o C-Commerce com a automatização – mas não deixe tudo nas mãos dela, para não perder em termos de personalização.

Lives, webinários e “ao vivo”

Uma dica que serve como bônus é a de “dar a cara” como modo de entender melhor sua clientela, mostrando a face humanizada da marca e fazendo um Conversational Commerce bem diferenciado.

Trata-se das transmissões ao vivo, como as famosas lives, nas quais algum representante da empresa (ou o próprio dono), faz uma programação especialmente voltada para o público, com direito a interação pelos comentários.

Uma empresa de motoboys pode convidar profissionais da área e tornar tudo ainda mais dinâmico. O mesmo vale para os webinários, que são lives ainda mais específicos, com foco na geração de conteúdo e em dar algo para o público.

Considerações finais

Tudo o que analisamos acima indica que o Conversational Commerce realmente veio para ficar, até porque ele acumula tendências que já existiam.

Como as pessoas querem serviços cada vez mais personalizados e experiências marcantes, a personalização que o C-Commerce traz é um grande diferencial.

Agora, basta você seguir nossas dicas, assumindo o tom de voz da sua marca, estudando as melhores plataformas que podem ajudar e correr para a mudança.

O importante é não ficar parado, mas sim, usar o Conversational Commerce como um modo de ressignificar toda a relação entre sua marca e o público.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Smiling woman recording her video blog.

Live commerce: Descubra o que é e como usar essa tendência de mercado na sua loja!

O live commerce é uma estratégia que se utiliza da interação das lives para impulsionar as vendas. É como se fosse um comércio ao vivo, para promover produtos e serviços dentro das plataformas e-commerce.

Muitos consumidores talvez não saibam, mas provavelmente, já se depararam com uma ação de live commerce na internet. Inclusive, alguns já realizaram compras por meio desse tipo de negócio.

As plataformas e-commerce cresceram consideravelmente nos últimos anos e já não são mais novidade para ninguém. 

Mas, devido ao mundo cada vez mais conectado, o live commerce entra como um recurso que alavanca as vendas dos negócios digitais.

Isso porque as vendas pela internet estão sempre se reinventando, e com isso encontram novas maneiras de chegar aos consumidores e engajá-los.

Portanto, se você tem uma loja virtual e quer torná-la mais conhecida, e principalmente, vender mais, não pode deixar passar essa estratégia. 

Sendo assim, se você ainda não sabe do que se trata, não tem problema. Neste artigo, vamos apresentar o conceito de live commerce, explicar por que as lives devem fazer parte das suas ações e de que forma elas ajudam no desenvolvimento do e-commerce.

Entendendo o conceito de live commerce

Live commerce nada mais é do que uma modalidade de vendas que une o streaming ao comércio eletrônico. 

É uma metodologia que surgiu na China, mas que está ganhando adeptos do mundo todo.

Essa estratégia promove interação por meio de transmissões ao vivo, conferindo ao vendedor mais proximidade, maior engajamento e aumento das conversões.

Além de investir em acao de marketing promocional, durante o live commerce, as marcas convidam vendedores treinados, blogueiros e até influenciadores para criar o que chamamos de “buzz” acerca das ofertas.

Também utilizam gatilhos mentais, como o de urgência e escassez, além de postura de autoridade, que são verdadeiros diferenciais para as conversões.

Mas, o papel dos vendedores não se limita apenas a promover o produto e garantir a venda, eles atuam como um entretenimento.

Sua função é instruir o consumidor para que ele compre de maneira segura e correta, transmitindo uma imagem de confiança e com uma abordagem muito convincente.

Desde quando surgiu, na China, essa modalidade já reúne mais de 1000 sites de streaming ao vivo e a tendência é que ela continue em alta nos próximos anos.

Como usar essa estratégia em seu negócio

Vender produtos ao vivo é uma ação capaz de aumentar as vendas de qualquer negócio. Mas, para isso, é necessário investir nas seguintes práticas.

Conhecer o público

Em qualquer estratégia de marketing, tanto digital quanto offline, como impressao digital de panfletos, é essencial conhecer bem o público-alvo. E no que diz respeito à live commerce, a situação é a mesma.

De acordo com uma pesquisa realizada pela ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), a participação do e-commerce no faturamento brasileiro foi de 10% em 2020.

Entretanto, quando pretendemos investir em live commerce, precisamos de informações um pouco mais profundas sobre o público.

É necessário saber que tipo de conteúdo eles consomem, em quais horários, os influenciadores que acompanham, dentre outros dados.

Investir em promoções

A transmissão pode atrair um número ainda maior de pessoas se você utilizá-la para oferecer descontos, promoções e condições especiais.

Assim, quem estiver assistindo, pode fazer a compra no mesmo momento.

É importante saber trabalhar bem os gatilhos mentais, como escassez e urgência, visto que eles são capazes de potencializar as taxas de conversão.

Outra estratégia muito boa é oferecer um brinde para as pessoas que comprarem durante a live ou oferecer um desconto para os itens que serão exibidos durante a transmissão.

E se uma gráfica de banner impressao quiser agilizar ainda mais as compras, pode disponibilizar para os seus clientes um QR Code.

Garantir uma boa estrutura para a transmissão

Existem alguns itens básicos que garantem a qualidade da transmissão, e é necessário checá-los e testá-los algumas vezes antes da transmissão. E esses elementos são:

  • Cenário;
  • Filmagem;
  • Iluminação;
  • Som;
  • Internet.

Verifique, também, se o seu site tem capacidade para receber um número maior de visitas. 

Se ele não suportar essa mudança de tráfego, pode apresentar problemas e frustrar o consumidor.

Buscar influenciadores adequados

As lives também são uma forma de entretenimento, por essa razão, elas devem contar com carisma e conteúdo relevante, só assim vai conquistar um bom índice de engajamento com o público.

E uma das formas de garantir tudo é fazer parcerias com influenciadores. Mas, esse influenciador não precisa ser, necessariamente, aquele que tenha milhões de usuários.

Dependendo do segmento comercial, é possível fazer parcerias com influenciadores de 10 mil ou pouco menos de 10 mil seguidores.

Mais do que avaliar a quantidade de seguidores que essa pessoa tem, veja se o perfil de público dela é compatível com o seu.

Criar um bom roteiro

Todo tipo de conteúdo criado para a internet, inclusive as lives, precisa contar com um bom roteiro. 

Nele, é necessário incluir os produtos que serão mostrados, quais são suas características e em quais momentos você vai interagir com o público.

Antes de começar a gravação, é interessante repassar o roteiro no estúdio para ensaio que vai transmitir a live. 

Dessa forma, tudo será feito de maneira mais organizada e tranquila, o que minimiza o risco de imprevistos.

Fazer uma live humanizada

Esta última dica é muito importante porque o objetivo da live commerce é aproximar o seu comércio eletrônico dos clientes. 

Por isso, é necessário humanizar essa transmissão, explorando os recursos visuais e todos os detalhes das ofertas.

O objetivo, com isso, é encantar o consumidor e fazer com que ele sinta que a compra realmente vale a pena.

Impactos positivos da live commerce para as lojas virtuais

Portanto, agora que você já viu quais são as principais estratégias para elaborar e executar uma boa transmissão de live commerce, vamos falar um pouco sobre as suas vantagens.

Quando uma marca investe em cenografia para eventos para fazer lives que impulsionam suas vendas, têm acesso a uma série de benefícios.

Portanto, dentre os principais impactos positivos desta modalidade está a oportunidade de mostrar, com detalhes, os seus produtos e serviços.

Durante a transmissão ao vivo, o vendedor tem total liberdade para mostrar as características de suas soluções usando recursos audiovisuais.

Os itens podem ser mostrados sob diferentes ângulos, inclusive, é possível mostrar como ele pode ser usado, como funciona, ligá-lo, enfim, mostrar tudo o que a mercadoria pode fazer pelo cliente, caso ele a compre.

Outra vantagem é o aumento do engajamento do público com a marca. Não importa se você vende brinquedos ou camisa com logo bordado, a live desperta o interesse das pessoas.

Isso faz com que o público sinta vontade de curtir, comentar e compartilhar a transmissão, o que faz com que ela chegue a um número ainda maior de pessoas.

Outro impacto positivo gerado pela live commerce é a melhora da experiência dos usuários. É comum, durante as compras em lojas virtuais, que as pessoas tenham dúvidas sobre determinado produto.

Para sanar a dúvida, recorrem ao Google ou leem a descrição da mercadoria no site. Mas, isso demanda tempo e pode tirar o foco do cliente em seu processo de compra.

Entretanto, se você está fazendo uma transmissão ao vivo, o cliente pode fazer uma pergunta ao apresentador, que será respondida rapidamente. 

Sem dúvidas, isso é capaz de melhorar, e muito, a experiência de compra.

Por fim, as transmissões ao vivo de comércios eletrônicos ajudam a impulsionar a venda de produtos e serviços durante os períodos de promoção, principalmente em datas sazonais, como Black Friday, Natal, entre outras.

Um fabricante de camisa gola polo personalizada pode transmitir todas as suas promoções em tempo real e aumentar o seu faturamento, já que as lives têm um alcance maior e mais pessoas vão ficar sabendo.

E quanto mais pessoas souberem das ofertas e promoções em determinadas datas, maior será o interesse delas em comprar com você.

Conclusão

Isto posto, o comércio eletrônico vem crescendo continuamente, e a cada ano ele traz novidades que melhoram ainda mais o desempenho dos negócios que atuam dessa maneira.

A novidade que está em alta no momento é a live commerce, em que uma gráfica de banner com foto pode oferecer seus serviços enquanto faz uma transmissão ao vivo.

Você pode aproveitar e incrementar a sua live com um conteúdo bacana e que fale sobre algum assunto do interesse do seu público. Misturar ofertas e materiais ricos podem tornar a sua loja online uma marca irresistível e que tem o melhor para oferecer.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

pexels-andrea-piacquadio-3761509 (1)

Humanização de marca: entenda como usar essa estratégia na sua empresa

No meio de tantas estratégias e meios de gerar mais resultados para uma empresa, surge a humanização de marca que quebra todos os paradigmas e estereótipos criados em torno de um negócio e de como ele deve se comunicar com seus clientes. 

Os internautas estão cada vez mais interessados em pessoas e não apenas em produtos ou serviços.

Isso significa que toda aquela linguagem robotizada criada pela internet já não faz mais sentido. 

Isso porque os profissionais que usam as redes sociais para divulgar o seu trabalho e os usuários que a utilizam para comprar algum produto ou serviço, no fim das contas, são a mesma coisa, seres humanos. 

Por mais óbvio que isso possa parecer, muitos ainda acham que todos do outro lado da tela são robôs, mas este é um conceito que está morrendo aos poucos. 

Portanto, iremos abordar o conceito de humanização de marca, a sua importância, os benefícios que traz ao seu negócio e dicas práticas para você aplicá-lo e mudar por completo a relação da sua marca com seus clientes. 

O que é humanização de marca? 

O conceito de humanização de marca é justamente tornar o seu negócio mais humano.

Sendo assim, trazer características da vida real para as redes sociais e fazer os internautas entenderem que estão sendo tratados de acordo com aquilo que eles são, pessoas. 

É normal que um negócio como a consultoria TOTVS protheus produza conteúdos e crie anúncios nas redes sociais de maneira automática e com uma linguagem mais genérica e aberta, sem especificar seu público e buscar um relacionamento com ele. 

O usuário acaba entendendo que aquele negócio não é tão bom assim, justamente por não chamar a sua atenção e mostrar o seu diferencial perante as milhares de marcas que existem no mercado. 

Hoje, as pessoas estão à procura de relações saudáveis e recíprocas, e isso também engloba o universo dos negócios, os clientes querem um relacionamento com a marca que estão tendo contato. 

Humanizar a sua marca vai muito além de prestar um bom atendimento na hora de fazer um orçamento de assessoria contábil da sua empresa, é mostrar que ela não é perfeita e também possui os seus momentos difíceis. 

É muito fácil identificarmos as qualidades e bons momentos, mas é muito difícil reconhecer e falar sobre aquilo que não está bom.

Entretanto, é justamente este o ponto crucial que irá ajudar a humanizar a sua marca. 

Qual a importância da humanização de marketing? 

A construção dessa imagem mais humanista traz um ar mais leve e real para a marca, pois com as redes sociais, as pessoas tendem a acreditar que tudo é um conto de fadas, perfeito e sem defeitos, mas sabemos bem que não é assim. 

Lembrando que a internet é uma grande ferramenta de uso para as pessoas, ela mudou completamente a forma das pessoas se relacionarem, e encontrar uma fibra óptica para indústria, por exemplo, ficou ainda mais fácil. 

Porém, ela também trouxe os seus malefícios que acabam sendo responsáveis até mesmo por transtornos como ansiedade, depressão e compulsão alimentar devido aos conteúdos compartilhados nas redes sociais. 

Mas, quando um internauta se depara com uma marca que não faz questão de demonstrar os seus lados negativos, seus desafios e momentos difíceis, ele se enxerga naquela marca e entende que nada nessa vida é perfeito como parece. 

Tomar essa atitude de humanizar o seu negócio, traz diversos benefícios como:

Maior relacionamento com o cliente 

A humanização de uma marca faz com que o cliente se sinta mais confiante e pronto para comprar da sua marca.

Isso porque essa estratégia gera empatia e emoção entre o cliente e a sua marca. 

Caso você seja o gerente de uma equipe de fornecedores de brindes corporativos, a humanização da sua marca garante que esses clientes se sintam mais próximos da cultura do seu negócio. 

É a intimidade que gera um relacionamento saudável e confiável, que garante a conquista e fidelização desse cliente junto a sua marca. 

Comunicação natural 

Pense que você está em um almoço de domingo com amigos e conversando sobre a vida e a procura de um escritório de contabilidade na Zona Sul de SP

A última coisa com a qual irá se preocupar é utilizar um linguajar formal e sério com os seus amigos. 

Pois bem, essa é a ideia que a humanização também traz, você não precisa abraçar toda aquela pressão de venda e de relacionamento para falar com o seu cliente. 

Basta entender que ele será como um amigo seu, e a comunicação de vocês fluirá. 

Quando não entendemos isso, é comum adotar uma linguagem mais formal e séria que nem sempre é bem recebida pelos clientes. 

Por isso, personalize a sua comunicação e faça ela ser natural entre a sua marca e os seus clientes. 

Feedbacks reais 

A humanização de uma marca gera uma relação mais próxima com os clientes que permitem a devolutiva com feedbacks reais que realmente irão ajudar a empresa a crescer. 

Assim como clientes deixam o seu feedback em sites de marcas de montagem de câmara fria preço, por exemplo.

Eles também podem enviar esses comentários por meio das redes sociais e dos comentários na publicação da sua marca. 

Portanto, são aqueles que realmente irão acrescentar algo na sua empresa e ajudá-los a ver o que precisa ser mantido e o que precisa ser mudado na marca. 

Os feedbacks são extremamente importantes para a construção de um negócio que atinja os desejos de seu público-alvo e ele só consegue aparecer com um relacionamento saudável e humano entre a marca e o cliente. 

3 dicas para humanizar o seu negócio 

Por fim, selecionamos algumas dicas para você colocar todo este conceito em prática e humanizar a sua marca Confira: 

Fale com seus fregueses diariamente 

Um relacionamento não é construído do dia para a noite, é necessário esforço, atenção e comunicação de ambos os lados e diariamente. 

Portanto, isso não muda quando falamos da construção de um relacionamento entre a marca e seus clientes. 

Por meio das redes sociais é possível se comunicar todos os dias com seus seguidores através de ferramentas de comunicação fornecidas nas redes sociais, como:

  • Stories;
  • Enquetes;
  • Caixa de perguntas;
  • Live;
  • Publicações no feed

Tudo isso ajuda na construção da humanização da sua marca e do relacionamento saudável entre você e seus clientes. 

Mostre o seu rosto 

Muitos donos de empresas acham que não é necessário dar a sua cara a tapa e aparecer nas redes sociais da marca.

Por isso, criam logos e símbolos para ocuparem o seu lugar, mas isso é impossível. 

Quando um possível cliente busca por um despachante em Londrina e encontra uma marca que possua não apenas uma boa identidade visual, mas também a presença de um rosto na marca, tudo fica ainda mais confiável.

Isso porque as pessoas irão entender que por trás daquele negócio existe uma pessoa assim como ela, e essa identificação, acaba gerando uma proximidade, confiança e segurança ainda maior entre a sua marca e esse possível cliente. 

Compartilhe os bons e maus momentos 

As redes sociais tendem a compartilhar tudo o que é bom, o que reforça a ideia das pessoas acharem que tudo é perfeito, e isso acaba gerando uma grande desilusão quando elas não veem tudo perfeito em suas próprias vidas. 

Por exemplo, se um internauta vê uma CRLV digital BA perfeita e adquire pensando que o seu resultado será igual ao do seu amigo, ele pode se frustrar ao ver que tudo foi muito diferente do que ele pensava. 

Mas, nem sempre o problema está no produto ou serviço, mas sim nas altas expectativas que o cliente cria em cima daquilo e que são reforçados pelo ambiente das redes sociais. 

Quando esses internautas se deparam com pessoas e marcas que não escondem os seus lados negativos e os problemas que aparecem, eles se sentem mais confiantes e caem na realidade que é a vida, nada é perfeito. 

E isso é mais uma forma de construir uma relação duradoura com seus clientes e humanizar a sua marca por meio daquilo que é normal e presente em tudo na vida, os erros, defeitos, desafios e momentos difíceis. 

Considerações finais 

Humanizar a sua marca é uma atitude de coragem, pois você estará disposto a mostrar os lados positivos e negativos de uma empresa e da rotina de um negócio. 

Por mais que isso gere medo e desconforto no início, é algo que irá gerar grandes frutos lá na frente. 

Mais do que números e resultados, é importante criar uma marca que se preocupa em ouvir e se comunicar com aqueles que sempre irão ser o motivo da existência e sucesso do seu negócio, os seres humanos. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Marketing team.

6 dicas para trabalhar com marketing de conteúdo

O tempo passa e o marketing de conteúdo se mantém como uma opção de destaque para atrair novos clientes.

Não é de hoje que a produção de conteúdo proporciona campanhas de sucesso para as empresas.

Contudo, a popularização do marketing digital trouxe novas possibilidades, visto que agora, uma marca pode usar vários formatos para transmitir mensagens para todo o mundo.

Desse modo, esse tipo de estratégia ganha novos contornos, portanto, vamos apresentar o conceito de marketing de conteúdo, a importância de fazer uso dele e 6 dicas para aplicá-lo da melhor maneira, confira.

Apresentando o marketing de conteúdo

Como denuncia o nome, essa vertente do marketing se baseia na produção de conteúdos relevantes como forma de agregar valor à marca.

Hoje, mais do que nunca, as empresas que se esforçam para influenciar o dia a dia das pessoas são aquelas que mais têm sucesso.

Para isso, não basta investir em anúncios atrativos, é necessário demonstrar na prática como a empresa pode mudar a vida de quem entra em contato com ela.

O marketing de conteúdo serve especificamente para isso.

Vamos usar lojas de películas automotivas como exemplo, para conquistar o maior número possível de clientes, não basta só fazer propagandas deste produto.

É importante alimentar sites, blogs ou redes sociais com informações complementares às películas automotivas. 

O objetivo deve ser informar o público sobre o que está sendo oferecido.

Quanto mais informações as pessoas obtiverem por meio das suas plataformas, mais preparadas elas estarão para fechar negócio com você.

Sendo assim, o marketing de conteúdo é uma maneira de atender às necessidades do público-alvo ao mesmo tempo em que se valoriza o produto anunciado.

Entenda a importância do marketing de conteúdo

Portanto, agora você conhece o conceito que estamos abordando. O próximo passo é saber em detalhes quais os benefícios de aplicá-lo em uma empresa de projeto usinas solares, por exemplo.

Mais visibilidade na web

O Google privilegia os sites e blogs que produzem conteúdo original. Os métodos de rastreio dos motores de busca identificam páginas desse tipo como mais relevantes.

Dessa forma, investir em marketing de conteúdo significa trabalhar para ter mais visibilidade no ambiente virtual.

Portanto, seguir as estratégias de SEO é vital para concretizar essa possibilidade. 

Interação com o público

Usar as plataformas de comunicação virtuais é primordial se uma empresa fabricante de divisórias sanitárias para banheiros coletivos quer interagir com seus clientes.

Isso inclui:

  • Responder comentários;
  • Acompanhar as reações;
  • Prestar assistência técnica;
  • Tirar dúvidas.

Uma resposta atenciosa ou um compartilhamento podem inclusive se transformar em publicidade espontânea para a marca.

Além disso, o conjunto de ações que um post desperta (engajamento) define a relevância de um perfil nas redes sociais.

Nutrição de leads

Os leads são as pessoas que demonstraram interesse em um produto ou serviço, mas ainda não o adquiriram ou contrataram.

Para transformá-los em clientes efetivos, você precisa nutri-los com as informações necessárias.

Por exemplo, se uma mulher que está construindo uma nova casa pesquisou sobre borda de piscina antiderrapante e chegou ao seu site, é essencial que ela seja exposta a conteúdos que a convençam a fazer a compra.

Esse direcionamento de conteúdo deve ser baseado no chamado funil de vendas, que consiste nas etapas que cada lead percorre até completar uma compra.

Cada perfil tem características próprias, portanto, acompanhe-os para definir quais são os conteúdos mais adequados para eles.

Diminuição do CAC

O CAC é o custo de aquisição de clientes. Essa métrica indica quanto uma empresa gasta para conquistar um novo cliente.

Existem várias formas de fazer isso, mas só o marketing de conteúdo incentiva o tráfego orgânico e a fidelização com um custo-benefício baixo.

Afinal, se você produzir material de qualidade sobre restauração de fachadas preço e souber divulgá-lo nas redes, com o tempo o público vai acessar seu site sem precisar de intermediários como anúncios.

Boa reputação

O marketing de conteúdo é essencial para construir uma boa reputação na internet. 

As empresas que investem nisso têm mais chances de se tornarem referência no ramo de atuação.

Basta pensar que a consultoria de direcionamento de carreira que se dedica a entregar posts relevantes para os seguidores se faz mais presente na vida deles.

As pessoas valorizam marcas que assumem uma postura mais próxima, quando houver necessidade, elas consideram primeiro esse tipo de empresa.

Foco no pós-venda

As ações que a marca assume no pós-venda são partes fundamentais do processo de fidelização de clientes.

Um marketing de conteúdo consistente é um grande auxílio nesta etapa.

Portanto, invista em atendimento online, FAQ e e-mail marketing a fim de incentivar os clientes a continuarem com você. Esse tratamento diferenciado causa uma ótima impressão.

6 dicas para aplicar o marketing de conteúdo

Tendo ciência dos benefícios que essa prática pode proporcionar para a sua atuação profissional, o interesse aumenta.

A seguir, separamos 6 dicas para ter uma atuação impactante no mercado usando essa estratégia, acompanhe.

1- Crie um blog

É essencial que você tenha uma plataforma acessível para publicar o conteúdo produzido. Nesse aspecto, o mais indicado é criar um blog.

Na época das mídias sociais os blogs podem parecer ultrapassados, mas, na verdade, eles são muito úteis para que você tenha o controle do seu marketing de conteúdo.

Depender apenas das redes sociais para repercutir os materiais sobre transferência de veículo valor, por exemplo, pode ser arriscado.

Além disso, em um blog há a possibilidade de pensar todo o layout e o design das páginas para proporcionar uma excelente experiência aos visitantes.

2- Use as técnicas de SEO

As técnicas de SEO já foram citadas no texto anteriormente. Elas consistem em medidas para obter um bom posicionamento nos motores de busca.

Algumas dessas técnicas são:

  • Uso de palavras-chaves;
  • Uso de imagens, listas e vídeos;
  • Produção de conteúdo 100% original;
  • Fácil legibilidade.

Não se esqueça de também valorizar a experiência do usuário. Isso significa não encher o texto de palavras-chaves e vídeos visando apenas o posicionamento.

3- Invista em conteúdos ricos

Os conteúdos ricos são materiais voltados para educar o lead sobre aspectos do produto ou serviço oferecidos.

A principal função deles, além da função didática, é incentivar que os leads forneçam informações pessoais em troca de e-books sobre seguro de moto valor em Curitiba, para citar um exemplo concreto.

Normalmente esses conteúdos são oferecidos por meio de landing pages, páginas independentes do seu site que tem como finalidade conseguir mais conversões.

Os dados que a empresa consegue captar a partir dessa estratégia podem ser usados para segmentar campanhas de anúncios e aprimorar o atendimento ao cliente como um todo.

4- Pense nas redes sociais como aliadas

É preciso pensar nas redes sociais além do senso comum. Elas não são apenas grandes plataformas de entretenimento, muito pelo contrário.

Uma marca que investe em redes sociais está investindo em uma comunicação mais direta e efetiva com a sua base de clientes.

Não é à toa que plataformas como o Twitter e o Instagram são os principais canais de consumo de conteúdo hoje em dia.

Pesquise as principais funcionalidades de cada rede e estude quais são mais interessantes para você, de acordo com os hábitos dos seus clientes.

Elas são ferramentas fundamentais para construir uma imagem positiva na web.

5- Acompanhe os resultados

As principais ferramentas de marketing de conteúdo possibilitam que os usuários acompanhem de perto os resultados obtidos.

No Facebook, são os números de curtidas, compartilhamentos e comentários. No Instagram, o número de visualizações nos stories e cliques nos links.

Esses são apenas alguns exemplos de como você pode mensurar os resultados das suas campanhas.

É importante destacar que nem sempre um grande número de visualizações se traduz em conversões.

Portanto, o melhor a se fazer é analisar o impacto dos seus posts e trabalhar para que cada vez mais pessoas se tornem clientes a partir deles.

6- Faça e-mail marketing

O e-mail é um método de comunicação já consagrado na internet. Você pode pensar que as redes sociais o tornaram obsoleto, mas isso não é verdade.

O ponto é que, hoje em dia, o e-mail vai além do envio de mensagens.

É possível separar o público por áreas de interesse, segmentar mensagens para um tipo de cliente, enviar e-mails promocionais e investir em newsletters, cartas digitais que contêm as principais novidades da empresa.

Só tome o cuidado de não enviar e-mails com frequência excessiva e segmentar o público corretamente.

Esse texto traz todas as informações básicas sobre o marketing de conteúdo, desde a definição até as formas de aplicação.

Portanto, você sabe em detalhes a importância da produção de conteúdo para a divulgação dos produtos ou serviços de uma empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

toy boxes in small shopping cart on laptop, e-commerce concept

Como melhorar a exposição de produtos no e-commerce?

A exposição de produtos em um comércio eletrônico é essencial para causar uma primeira impressão agradável ao cliente. Afinal, diferentemente das lojas físicas, os consumidores só conseguem ver os itens à venda por meio de imagens.

Eles não podem tocar, sentir o cheiro ou saber qual é a textura do produto, portanto, convencê-lo a comprar depende da qualidade da imagem e da maneira como as mercadorias são organizadas em uma loja online.

Você pode fazer uma rápida pesquisa na internet sobre determinado produto e analisar todos os sites que dispõem do item. Verifique a forma como a imagem é divulgada e veja com qual deles você prefere comprar.

Imagine que uma pessoa esteja em busca de uma poltrona para a sala. Ela entra em um site e lê a seguinte descrição: Poltrona rosa, tecido suede, pés palito. Apesar da descrição, não existe nenhuma imagem, e o usuário não consegue ver o produto.

Desse modo, com certeza ele estará propenso a procurar a mesma poltrona em um site que tenha uma boa fotografia e comprar lá. Este é apenas um exemplo clássico da importância de expor bem um produto em uma loja online, e é sobre isso que vamos falar neste artigo.

Por que expor adequadamente os produtos em uma loja online

A maneira como uma plataforma e-commerce se apresenta visualmente é fundamental. Desde o layout da página até os botões de compra, tudo vai influenciar na decisão de compra do cliente.

Mas o que de fato cria a boa e velha emoção de compra nos consumidores é a fotografia, que expõe o item à venda.

A imagem é a primeira venda de um e-commerce, por isso, ela precisa se comunicar bem com os visitantes. Caso contrário, ela acaba antes mesmo de o consumidor ler a descrição do produto.

Se você ver a foto de uma caixa display papelao, vai ser diferente de ler a descrição dela. Por mais detalhado e complementar que seja o texto, nada se compara à visualização.

A fotografia é a base da exposição das mercadorias que você vende em sua loja virtual, e para que as imagens sejam realmente boas, é preciso lançar mão de alguns recursos, como o zoom e imagens em 360 graus.

Saber expor os produtos tem a ver com a credibilidade do negócio, portanto, este é um fator que afeta a confiança do usuário. Como alguém vai passar seus dados pessoais e de seu cartão de crédito para uma plataforma repleta de imagens mal feitas?

Isso pode causar a impressão de amadorismo e falta de profissionalismo. Ademais, se a sua loja online não tem cuidado com o modo como expõe as mercadorias, por que se preocuparia em garantir um site seguro que suporte as transações de pagamento?

O ideal é investir em um bom equipamento fotográfico ou em um profissional da fotografia, que cuide de toda a exposição dos itens, desde as fotos até a digitalizacao 3d.

Assim, os produtos vão ser expostos do jeito certo, transmitindo confiança e mais credibilidade para o seu e-commerce.

Dicas para expor os itens de seu e-commerce

Agora que você já sabe qual é a importância de expor de maneira correta os produtos em sua loja virtual, neste tópico, vamos dar algumas sugestões de como fazer isso.

Para tornar as mercadorias do seu site mais atraentes e fazer mais vendas, é essencial saber expor os produtos, realizando algumas ações, como:

1. Investir na resolução da imagem

É importante que o consumidor visualize bem o produto, assim, ele vai se decidir em relação à compra. É por isso que você precisa se preocupar com a resolução da imagem.

Quanto mais pixels ela tiver, mais nítida será, o que não quer dizer inserir uma imagem muito pesada, visto que a visualização dela por parte do visitante vai demorar mais tempo para carregar.

Independentemente da mercadoria que você quer expor, como um painel em papel, o ideal é que as imagens retangulares tenham entre 640 x 480 pixels e que as imagens quadradas tenham entre 640 x 640 pixels.

Ademais, dentre as principais características de uma boa imagem para expor produtos em uma loja virtual estão:

  • Imagem com fundo branco;
  • Não incluir informações na imagem;
  • Não ser maior do que 16MB;
  • Não inserir o logotipo da loja.

No Google Shopping, você pode encontrar outras informações mais detalhadas sobre as características essenciais da imagem. Então, vale a pena conferir.

2. Incluir palavras-chave de cauda longa

Inclua palavras-chave de cauda longa (long tail) nos títulos dos produtos, visto que elas ajudam a descrever os produtos para públicos-alvo distintos.

Um bom exemplo de palavra de cauda longa seria “banner impressao colorido 3D”. Ela possui mais de 2 palavras e já descreve um pouco mais o tipo de impressão.

As buscas com termos maiores são pesquisas orientadas, uma vez que o usuário está procurando a solução para um problema específico.

É dessa forma que uma loja virtual consegue prospectar clientes com necessidades pontuais e direcioná-los a uma página em particular.

3. Oferecer a função zoom

Várias plataformas e-commerce hoje oferecem a função zoom, que permite ao usuário visualizar melhor o item. Esse recurso é fundamental para que o consumidor consiga enxergar os detalhes do produto que pretende comprar.

Isso permite que ele tenha uma noção melhor da mercadoria, principalmente em casos como de móveis e artigos de decoração.

Assim, tanto em um flyer de divulgacao quanto em um site, a pessoa tem uma ideia de como seria o tecido de um sofá, por exemplo.

4. Fazer uma boa descrição

A imagem é importante, mas a descrição complementa, com riqueza de detalhes, aquilo que o cliente está vendo na foto.

Vamos usar como exemplo um celular. Pelas imagens, vemos todo o aspecto físico do aparelho, mas é a descrição que vai dar detalhes sobre as funcionalidades e tamanho do aparelho.

A descrição informa sobre o espaço de memória, resolução da câmera, aplicativos que já estão instalados, dentre outras particularidades técnicas do celular.

A mesma situação se aplica à uma empresa que faz aluguel de projetor de imagens pela internet. Ela vai incluir a imagem do projetor e descrever como ele funciona, aplicações mais indicadas, dentre outras particularidades que o usuário precisa saber.

Portanto, além de uma boa imagem, é essencial investir em boas descrições, uma vez que, além de falar sobre o produto em si, também será sua maneira de argumentar com o cliente.

Impactos positivos dessa ação

Saber expor os produtos em sua loja virtual traz muitos impactos positivos para o seu e-commerce. Dentre eles o fator de trabalhar apenas com imagens de qualidade, algo essencial para induzir o consumidor à compra.

As fotos serão mais nítidas e amplas, valorizando bem cada detalhe do produto, como a mobília vendida por uma empresa de cenografia arquitetura.

Se a imagem tem uma qualidade acessível, então o visitante do site vai conhecer bem a mercadoria antes mesmo de comprá-la, o que traz mais confiança no momento de fechar negócio.

Ao expor adequadamente as mercadorias vendidas pela sua empresa, seu e-commerce conquista a confiança dos usuários.

Uma imagem de qualidade e uma boa descrição transparecem o profissionalismo e a seriedade do negócio. Comprar pela internet, apesar de já ser algo natural, ainda é uma opção que deixa alguns consumidores preocupados.

Por isso, se uma loja virtual não sabe expor seus produtos, logo o consumidor acredita que ela não oferece boas soluções. Mesmo que isso não seja verdade, a maneira como os itens foram expostos causou essa impressão.

Ademais, quando uma loja de materiais para construção sabe organizar o seu site e expor itens como lampada de led para jardim, acaba conquistando um diferencial de mercado.

Ao invés de fotografar o produto de qualquer jeito, usar imagens do fornecedor ou fazer uma descrição mediana, ela preferiu investir em um trabalho profissional, por isso, conquistou credibilidade em seu mercado de atuação pela web.

Além disso, assim é possível organizar essa exposição de um jeito único, coerente com sua imagem e de acordo com seus próprios valores. Naturalmente, o e-commerce se destaca dos concorrentes, atraindo um número maior de clientes.

Conclusão

Vender pela internet é uma modalidade de negócios que atrai muitas pessoas, entretanto, é preciso saber como expor as soluções para os clientes, para que eles queiram comprar.

Lembre-se de que outras lojas estão vendendo as mesmas opções, e vai sair na frente quem souber se destacar. Tudo o que fizer para sua loja online precisa ter como foco o diferencial, e com a exposição dos produtos, o pensamento é o mesmo.

Neste artigo, você aprendeu um pouco mais sobre a importância desse trabalho e de que maneira ele precisa ser realizado para trazer bons resultados. Com as dicas que trouxemos aqui, seu e-commerce certamente vai receber muito mais lucros. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

E-commerce

O seu e-commerce é bem visto pelos clientes? 5 Dicas para melhorar a imagem da sua empresa

O e-commerce é uma modalidade de compra e venda que está crescendo muito nos últimos anos. Os empreendedores já entenderam todas as vantagens trazidas por esse tipo de negócio, que tem atraído muitos que sonham em ter uma empresa.

Ter uma loja virtual não demanda gastos como no caso de uma loja física, visto que não precisa arcar com custos como aluguel, contas de água e luz e pagamento de funcionários.

Uma plataforma de vendas exige apenas um site bem estruturado e organização por parte do empreendedor.

Para os clientes, o e-commerce também é muito vantajoso porque, com ele, as pessoas podem fazer suas compras no conforto do lar, no momento em que for mais adequado, com segurança e receber tudo em casa.

Esse modelo de negócio traz vantagens para os dois lados da moeda, ou seja, tanto para empreendedor quanto para consumidor.

Se você já tem sua plataforma de vendas, sabe de todas essas vantagens. Mas, mesmo que seja um negócio muito lucrativo, é importante ter uma boa imagem. Portanto, será sobre esse assunto que falaremos neste artigo.

Importância de manter uma boa imagem no e-commerce

Uma loja virtual tem como base para seu funcionamento o site, portanto, ele pode ser considerado como a fachada de uma loja online.

Pensando por esse lado, podemos dizer que o site é a porta de entrada da sua marca na web, portanto, demanda cuidado e capricho quando for construído e durante as manutenções.

Para que o cliente compre um produto e receba-o em embalagens delivery personalizadas, primeiro, é necessário convencê-lo acerca da identidade da loja e expressar os seus valores de forma clara e efetiva.

É dessa forma que construímos uma boa imagem e mostramos ser a melhor opção de compra para o consumidor.

Inclusive, a personalização da marca depende de sua imagem, para que ela seja personalizada de acordo com o público-alvo. Desse modo, ela é apresentada da melhor forma.

Tudo isso ajuda a conquistar a confiança do cliente, que é o objetivo principal da construção de uma boa imagem.

O consumidor moderno é muito exigente, e mais do que produtos com qualidade e preço acessível, ele deseja estabelecer uma relação de confiança com as empresas.

Portanto, se a sua plataforma e-commerce tem uma imagem positiva na internet, naturalmente, vai atrair a atenção de um número maior de clientes.

Por isso, no próximo tópico, vamos dar algumas dicas sobre esse assunto. Confira.

Dicas para melhorar a imagem de sua loja virtual

Imagine que uma pessoa precisa de impressao digital para um trabalho de faculdade. 

Ao pesquisar, ela decide fechar negócio com uma gráfica que é nova no mercado, mas que ofereceu um bom atendimento durante o orçamento.

Outra gráfica, que está há anos no mercado, deixou a desejar nesse sentido, por isso, acabou perdendo uma oportunidade de negócio.

Este é um exemplo clássico do quanto a imagem de um negócio faz diferença na decisão de compra dos consumidores, e com as plataformas e-commerce o cenário é o mesmo.

Com isso, é fundamental investir em estratégias para melhorar a imagem do seu negócio na web, por meio de ações, como:

1. Conhecer o público-alvo

O primeiro passo é conhecer bem o seu público-alvo. Quem são as pessoas que compram com você, o que elas procuram, quais são suas necessidades, e como é seu comportamento de consumo.

Com base nessas informações, fica mais fácil direcionar suas campanhas de marketing para as pessoas certas.

2. Decidir a imagem que visa transmitir

Seja na hora de criar um flyer de divulgacao ou qualquer outro trabalho de branding, pense na imagem que você deseja registrar na imagem dos seus clientes.

É necessário se envolver com estratégias voltadas para a construção da imagem do e-commerce e corrigir tudo aquilo que não estiver de acordo.

Não se esqueça de que, uma vez que o negócio conquistar uma fama, sendo ela boa ou não, vai ser difícil mudar a opinião das pessoas futuramente.

3. Criar conteúdo de qualidade

O marketing de conteúdo é uma das principais estratégias de marketing digital hoje em dia. 

Trata-se da criação de materiais ricos e de qualidade, com foco em assuntos interessantes para o público-alvo de uma marca.

Por meio deles, sua plataforma e-commerce constrói uma imagem positiva, oferecendo informações relevantes para a audiência. 

Os conteúdos podem assumir diferentes formatos, como:

  • Vídeos;
  • Textos;
  • Imagens.
  • Áudios;
  • Infográficos.

Dessa forma, eles podem ser divulgados em diferentes canais, como redes sociais, sites e blogs.

O blog é o canal mais adequado para a publicação, assim como as redes sociais são ótimas para o compartilhamento dos materiais e para veiculação de acao de marketing promocional.

Independentemente de qual formato você escolher, por meio de conteúdos ricos e criativos, fica mais fácil construir uma imagem positiva e se posicionar como autoridade no mercado em que atua.

4. Interagir com o público

Uma plataforma e-commerce depende inteiramente da internet e de seus canais para sobreviver. 

A boa notícia é que a web proporciona várias maneiras para a sua marca se comunicar e interagir com a audiência.

As redes sociais são um bom exemplo disso. Nelas, é possível responder comentários de seguidores, conversar com eles por mensagens instantâneas e criar uma relação mais próxima e amigável.

O e-mail onde uma empresa entrega encomendas e as lojas virtuais podem interagir com seu público e melhorar consideravelmente sua imagem no mercado.

5. Disseminar os valores do empreendimento

A imagem da sua loja online está diretamente relacionada aos valores dela. Portanto, é essencial transmiti-los de forma clara entre os clientes.

Lembre-se de que a imagem é o bem mais precioso para qualquer tipo de negócio, e uma das melhores formas de transmiti-la é fazendo um bom trabalho em marketing digital.

Dessa forma, toda vez que alguém se deparar com a marca, vai relacioná-la a algo de valor para o seu dia a dia.

Impactos de longo prazo

Investir em maneiras de melhorar a imagem do seu negócio traz muitas vantagens, seja ele um e-commerce ou uma empresa de gravacao de copo twister.

Em longo prazo, esse trabalho vai melhorar a reputação do seu negócio, ou seja, vai fazer com que as pessoas pensem bem a respeito dele.

Consequentemente, isso vai impactar a decisão de compra, em outras palavras, se o seu objetivo é maximizar as vendas, ter uma boa imagem é fundamental.

E isso não se refere apenas aos clientes, mas também à qualidade da negociação com parceiros. Com uma boa reputação, fica mais fácil chegar a bons acordos ao longo do tempo.

Outro impacto positivo de longo prazo, tanto para uma loja virtual quanto para uma gráfica de impressao adesivo perfurado, é que uma boa imagem ajuda a criar um diferencial para a sua marca.

Tendo em vista que o mercado está cada vez mais concorrido, é imprescindível investir em boas táticas para se destacar e vencer a concorrência.

A internet é como um shopping gigante, com infinitas possibilidades de compra e vende aquele que, além de oferecer as melhores condições, tem uma boa reputação.

Não é algo que acontece da noite para o dia, mas com trabalho e dedicação, o destaque será seu.

Por fim, uma imagem positiva traz mais consistência para a sua marca e a posiciona como algo de confiança para as pessoas.

Muita gente se pergunta como algumas empresas conseguem se manter por décadas entre as preferências dos clientes. A resposta é muito simples: elas são consistentes e se consolidaram no mercado.

Esse é resultado de anos de trabalho e investimento em estratégias que conquistam a confiança dos consumidores. 

Por isso, alguns preferem uma express grafica rapida em detrimento de outra.

Mesmo que você ofereça os melhores produtos, com preços competitivos e boas opções de pagamento no seu e-commerce, se não estiver vendendo bem, a resposta pode estar na imagem da sua marca.

Conclusão

Portanto, as lojas virtuais ganharam o coração dos consumidores modernos, e é exatamente por isso que tantas pessoas estão investindo nesse tipo de negócio.

É uma oportunidade para ter o próprio negócio, mas que aumenta a concorrência no mercado, além de ter que enfrentar quem já tem mais experiência no ramo.

Uma das formas de passar por cima disso é investir em maneiras de construir uma imagem positiva para sua loja online. 

Assim, além de se destacar e impactar as pessoas certas, vai conquistar a confiança delas.

As vendas se tornam uma consequência natural para quem sabe se posicionar no mercado e construir uma boa reputação. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Happy smiling couple shopping online at home. Technology, e-commerce concept

Quais passos tomar para definir o cliente ideal para o seu e-commerce?

Hoje em dia, é muito comum ouvir falar sobre persona do público, perfis da persona e público-alvo. Mas será que realmente todas as empresas e todos os gestores de marketing sabem como impactar o seu cliente ideal, gerando mais vendas?

A internet também ajudou na disseminação dessas ideias, trazendo conceitos e até conselhos que podem ajudar as marcas. Porém, é muito comum vermos certas confusões acontecendo na hora de aplicar as ideias, o que acaba comprometendo os resultados.

Se repararmos na quantidade de acao de marketing promocional diariamente na internet, veremos que muitas marcas estão tentando melhorar seus números, ou simplesmente fortalecer o negócio e marcar presença online.

Quando falamos em e-commerce tudo isso tem ainda mais fundamento, seja no sentido do crescimento ou dos desafios que cada firma encontra no meio do caminho. Quem confirma isso é uma pesquisa da Ebit|Nielsen Webshoppers.

O levantamento demonstra que a crise da pandemia de 2020 não retraiu o segmento. Pelo contrário, trouxe uma curva de crescimento que nunca se viu, chegando a atingir algo acima de 50% e cerca de 15 milhões de novos consumidores online.

É justamente nesse cenário que uma empresa precisa entender melhor quais são os passos corretos para definir o seu cliente ideal, de modo a impactá-lo, engajá-lo e conseguir transformar a loja virtual em tudo aquilo que ela pode ser.

No fundo, trata-se do mesmo esforço de sempre, que o marketing já enfrentava ao vender caderno de anotacoes personalizado em uma papelaria de bairro, e agora enfrenta nesse universo cheio de novidades que é a internet.

Trata-se de entender a fundo o cliente e pensar com a cabeça dele, conseguindo estar no lugar certo, na hora certa e do jeito ideal. Só assim é possível ter um resultado sólido e sustentável, que se confirmará no tempo.

O mais interessante é que essas estratégias de definição do cliente ideal evoluíram tanto, que elas realmente podem ajudar qualquer segmento, seja para vender maquinário industrial ou prestar serviços como educacao infantil bercario.

Sendo assim, se você quer entender de uma vez por todas como criar laços profundos com sua clientela, indo muito além de simplesmente ter picos de vendas e depois cair no ostracismo, então basta seguir adiante na leitura.

O que é um “cliente ideal”?

Antigamente, as empresas pagavam instituições para fazer censos demográficos complexos, ou usavam por subsídio dados de instituições como o próprio IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mas, nos dias de hoje, ainda há muitos escritórios de consultoria para esse tipo de levantamento, embora empresas menores possam conseguir dados semelhantes por meio da internet de vários modos diferentes, como veremos adiante.

O que tudo isso demonstra, desde já, é que as informações necessárias para definir qual realmente é o cliente ideal de uma marca não surge de “achômetros”, mas sim, de um esforço muito sério e profissional.

Se a firma lida com aluguel de stand para divulgacao, que é um serviço B2B (de empresa para empresa), pode ser ainda mais complicado do que nos casos tradicionais do B2C (de empresa para consumidor).

Ademais, se antes esse esforço já era grande e girava em torno de definir o público-alvo, hoje descobrir o “cliente ideal” ainda passa por etapas mais modernas. É justamente aí que surge a noção da persona da marca e dos perfis da mesma.

Por isso, o primeiro passo para definir o cliente ideal para o seu e-commerce é entender esse conceito tal como estamos explicando aqui, de modo aprofundado.

1 – Definindo o público-alvo

Um erro comum é considerar que, uma vez que o e-commerce e a internet trouxeram a necessidade das personas, falar em público-alvo é algo ultrapassado e desnecessário.

Na verdade, continua sendo extremamente importante definir esse público, até porque é a partir daí que você poderá aprofundar os perfis da persona.

Afinal, se a empresa trabalha com estampagem de camisetas, como ela começa a entender melhor as expectativas e os hábitos dos seus clientes?

O público-alvo precisa definir traços mais gerais, tais como:

  • A profissão;
  • A faixa etária;
  • O poder aquisitivo;
  • O endereço;
  • Os gêneros.

Às vezes a marca pode atender todos os gêneros, mas certamente tem um que é mais inclinado para aquela solução, então é preciso identificá-lo em termos percentuais.

Enfim, aqui está o segredo, no esforço de criar esse modelo inicial do cliente, fazendo um recorte que permita tatear o mercado, em vez de simplesmente partir do pressuposto de que todo mundo é seu cliente em potencial.

2 – Sobre os perfis da persona

Antes de sair criando estratégias de venda com base na imagem inicialmente criada, é preciso dar esse passo a mais, que é o do conceito de persona.

Também é comum as marcas definirem logo a persona de público, esquecendo-se de que o esforço começa com a persona da marca. Ou seja, sua filosofia e os famosos pilares de Missão, Visão e Valores.

Por exemplo, uma empresa de mobiliario urbano em sao paulo pode abraçar bandeiras como a da sustentabilidade, mostrando a importância de tornar o espaço comum da vida em sociedade melhor para todos, indo muito além de apenas querer “vender mais e mais”.

Então, a definição da persona do público pode ser feita com a ajuda da sua equipe de marketing, ou com um empresário autônomo que está começando sozinho.

O importante é que, além de perguntar-se apenas sobre profissão, endereço e dados genéricos, você entre fundo na psicologia do seu consumidor, questionando:

  • Onde está meu cliente ideal?;
  • O que ele faz nas horas vagas?;
  • Como ele consome notícias?;
  • Ele curte músicas, filmes e séries?;
  • Quais as convicções políticas dele?;
  • O que ele ama ou odeia que uma marca faça?;
  • Qual sua rede social preferida?;
  • Ele assiste TV ou ouve rádio?;
  • Entre outros.

Enfim, ao responder essas perguntas da persona, você dá o passo seguinte: criar dois ou três perfis semi fictícios, com nome e até foto de alguém real.

Assim, cada ação ou campanha do seu e-commerce será feita tendo em vista esse “cliente ideal”, de modo que a assertividade do seu marketing vai aumentar muito.

Os subsídios podem vir das pesquisas que já citamos, mas também dos clientes que você já tem (por meio de entrevistas, enquetes, quizzes e afins), além de plataformas digitais, como as mídias sociais, que dão um material farto para isso.

3 – O poder da segmentação

O importante até aqui é compreender que, além do passo a passo para chegar a montar esses modelos, é fundamental saber como implementá-los na prática, ou então tudo não passará de teoria e jamais sairá do papel.

Um exemplo muito prático que pode trazer resultados para qualquer e-commerce é o da automatização do funil de vendas, baseado em segmentação de leads.

Imagine um e-commerce que vende insumos para flyer de divulgacao. Ele simplesmente pode montar um banco de leads e, com base nos perfis já definidos, criar baterias filtradas de disparo de e-mail automático, aumentando a assertividade.

Assim, em vez de simplesmente disparar as promoções a torto e a direito, sem levar em conta qual lead realmente tem sinergia com aquela proposta, você vai utilizar a tecnologia a seu favor, com base nas definições do seu “cliente ideal”.

Lembrando que isso não vai aumentar apenas as vendas e resultados no curto prazo, mas também a satisfação do seu cliente, que vai se sentir especial.

4 – Diferenças entre cliente ideal e persona

Por fim, outro exemplo de como seu e-commerce pode aplicar estratégias de vendas com base nos conceitos trazidos aqui, está na comunicação que você estabelece com o público.

Alguns chamam esse modelo de “cliente ideal” de Ideal Customer Profile (Perfil de Cliente Ideal), outros chamam de Buyer Persona (Persona do Comprador). Na verdade, há uma diferença sutil entre ambos, que você precisa levar em conta.

A estratégia de “cliente ideal” deve focar mais nas dores e nos valores do público, já a persona vai além e traz os hábitos e convicções, tal como já colocamos.

Na prática, isso faz diferença, uma vez que você deve aplicar a noção de “cliente ideal” em suas estratégias internas, direcionando os esforços de vendas, como no caso da segmentação de leads que citamos acima.

Já a persona é algo que pensa diretamente na linguagem utilizada e no contato com o mundo externo. Por exemplo, um banco de leads ou uma pesquisa sobre o universo da impressao digital, com foco no comportamento e na receptividade.

Enfim, ao calibrar bem essa divisão de trabalho você dá um passo fundamental, no sentido de utilizar a definição de cliente ideal de modo a tornar o e-commerce ainda mais eficiente.

Conclusão

Com isso chegamos ao fim, deixando claro que definir o cliente ideal para o seu e-commerce passa por etapas que vão desde conceitos até aplicação prática.

Se o público-alvo e os perfis da persona podem ajudar, também é verdade que não podemos confundi-los, ou não atingiremos a assertividade necessária para aumentar as vendas.

Finalmente, além de conseguir resultados melhores no curto prazo, o mais bacana é que tudo isso traz um crescimento sustentável, com foco também no médio e longo prazo dos seus negócios online.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.