clinica

Marketing 4.0: aprenda a implementar na sua clínica

O Marketing 4.0 já é uma realidade para diversos negócios e pode transformar a realidade da sua clínica de modo rápido, escalável e consistente! Quer saber como implementá-lo e suas principais vantagens? Leia este conteúdo.

O Marketing nasce e é até hoje permanece como o estudo voltado a entender o mercado e suas possibilidades (mercadologia), bem como público, produtos e serviços.

Acontece que com o passar do tempo a forma de “estudar e analisar” o mercado passou por grandes mudanças, o que obrigou as empresas se atualizarem.

O chamado Marketing 1.0 surgiu logo após a Revolução Industrial e o foco era tornar produtos acessíveis a maior parte das pessoas a fim de estimular o consumo.

O 2.0 emerge na chamada era da informação, época em que as pessoas passaram a ter acesso a diferentes empresas, produtos, preços e a possibilidade de fazer comparações. O cliente era a prioridade de fábricas e negócios. 

A terceira fase do Marketing ainda possui influência no mercado atual. Ele é fundamentado em responsabilidade social com as empresas transmitindo seus valores, princípios éticos, missão e buscando conexão com o público para além de um produto ou serviço.

Agora vamos ao que interessa!

O Marketing 4.0 na prática

Para entender o Marketing atual é preciso ter em mente que ele é a evolução constante de todas as etapas anteriores e acompanha as tendências digitais.

O Marketing 4.0 está diretamente relacionado com a revolução digital e como pessoas e empresas se posicionam em relação a ela.

Basicamente, uma clínica pode realizar campanhas de Marketing e anúncios sobre procedimentos como clareamento dental com moldeira, aparelho ortodôntico transparente ou qualquer outro procedimento sem adotar as “estratégias tradicionais”.

Inclusive, Marketing Digital e tradicional não só podem como devem trabalhar juntos com a segmentação das redes sociais e os anúncios com links patrocinados de grande alcance.

Então, para ter sucesso com o Marketing 4.0 você vai precisar investir em:

1 – Conteúdo

Lembra da era da informação? Pois bem, ela está mais presente que nunca nas redes sociais e internet de maneira geral.

Diante disso, pense que hoje os consumidores possuem os mesmos problemas de antes porém buscam por resoluções rápidas e ainda têm um grande leque de opções.

Isso significa que a produção de conteúdo relevante será rei para o seu Marketing!

Logo, conheça bem o seu público, seus desejos, dores, problemas e entregue a eles informações relevantes que proponham soluções.

Por exemplo, se um paciente tem questões não resolvidas com o seu sorriso, conteúdos sobre dicas de cuidado, higiene, procedimentos estéticos como lente de contato de dente e muitos outros podem colaborar para a resolução desse problema.

No geral, o conteúdo na sua estratégia de Marketing trará os seguintes benefícios à sua clínica:

  • Autoridade dentro do segmento;
  • Fortalecimento da marca;
  • Fãs da marca;
  • Autoridade.

2 – Ofereça uma experiência completa

Dentro do Marketing 4.0 oferecer um ótimo serviço continua sendo importante, a diferença é que só isso não basta.

Sabe quando a NuBank só aceita um novo cliente por meio de indicação, após a aprovação manda o cartão com uma carta pedindo para a pessoa publicá-la no Instagram e depois interage com esse usuário online?

Pronto! O banco já ofereceu uma experiência que está além de um mero serviço.

Sendo assim, proponha a interação com seus pacientes de modo com que eles tenham uma imersão na realidade de clínica, isso faz com que ele se sinta especial e se torne um fã.

É como diz Kotler, pai do Marketing, reter clientes é melhor que se esforçar para trazer novos. Outro ponto é: compradores satisfeitos recomendam o serviço e propagam a marca espontaneamente.

3 – Crie sua marca e a humanize

Pessoas compram de empresas, mas só confiam em pessoas, essencialmente.

O conceito de organização irredutível, império e coisas do tipo cada vez mais caindo por terra simplesmente porque as pessoas não se identificam mais com essa postura.

Por isso, desenvolva uma persona, crie um tom de comunicação, identidade visual e faça com que isso se conecte com seus clientes por meio de interações, experiências e coisas do tipo.

A marca humanizada cria laços afetivos com seus clientes, faz com que eles se tornem fieis e cria um motivo maior para as pessoas consumi-la.

Afinal, refrigerante, família na mesa, natal e felicidade te remetem a alguma marca, não é mesmo?

Este conteúdo foi produzido por Vue Odonto, clínica especializada em implante dentário e odontologia estética

tiktok-5503208_1280

TikTok para empresas: como seu negócio pode usar essa plataforma para crescer

Popular entre os jovens e com capacidade de gerar conteúdos virais, o TikTok para empresas não foi inicialmente pensado para o mundo dos negócios, mas a sua popularidade e poder de engajamento foram decisivos para as marcas.

Desde 2019, o aplicativo desbancou o Instagram e o Facebook, alcançando a marca de 2 bilhões de downloads. O TikTok já registrou um faturamento de US$ 456,7 milhões, sendo que 72,3% desse valor é da China.

A partir de março de 2020, com a pandemia da Covid-19, o TikTok alcançou o ápice, pois as pessoas passaram a buscar novas formas de entretenimento durante a quarentena. Tanto que o aplicativo chinês se espalhou para todo o mundo, incluindo no Brasil.

Mas como seu negócio pode usar essa plataforma para crescer?

O artigo de hoje pretende responder a essa pergunta, dando dicas de produção de conteúdo e marketing para o TikTok. Quer saber mais? Então, continue lendo!

O que é o TikTok?

O TikTok é uma plataforma focada na criação de vídeos curtos, entre 15 a 60 segundos de duração, com inúmeras ferramentas simples e intuitivas para edição, corte, inserção de filtros e, até mesmo, de trilha sonora.

O aplicativo foi criado pela empresa ByteDance, da China, em uma união com a antiga rede social de música Music.ly.

O que antes começou timidamente, com pequenos tutoriais de receitas de bolos ou petit four de goiabada, bem como vídeos de dublagem, tornou-se um grande fenômeno mundial, com vídeos sobre os mais variados assuntos.

No entanto, o humor é a chave principal para a produção de conteúdo no TikTok. Por isso, os influenciadores (chamados de tiktokers) investem na elaboração de esquetes, mas também em desafios coreográficos.

A rede social é a mais popular entre os jovens de 16 a 24 anos, um público extremamente engajado e que busca cada vez mais por conteúdos de entretenimento na internet.

Diante disso, as empresas que atendem essa faixa etária ou que desejam produzir materiais diferenciados, encontraram no TikTok a oportunidade que faltava para alavancar os negócios e acompanhar as tendências virais das redes.

6 dicas para usar o TikTok no seu negócio

Só pelo grande número de usuários, o TikTok já desperta o interesse de qualquer empresa. Além disso, o aplicativo ainda é pouco explorado no Brasil, sendo uma oportunidade para melhorar o posicionamento da marca e se destacar da concorrência.

No entanto, é preciso lembrar que o TikTok tem como público majoritário os adolescentes. Por isso, dependendo do perfil do seu negócio, a plataforma pode não trazer os resultados esperados – principalmente, se a sua audiência é mais formal.

Por esse motivo, antes de começar a investir na rede, faça uma pesquisa de mercado para avaliar se vale mesmo a pena a produção de conteúdo no TikTok. Dito isso, vamos à algumas dicas de como usar a plataforma:

1 – Tenha espontaneidade

O TikTok não faz uso das tradicionais ferramentas de impulsionamento, como os anúncios patrocinados do Instagram e do Facebook.

Sendo assim, para ter um alto engajamento com os conteúdos, é necessário focar na produção de qualidade e com entretenimento.

Uma dica é produzir vídeos do dia a dia da empresa, incluindo os processos de produção, embalagens de produtos e outras rotinas do seu negócio.

Por exemplo, uma escola de música pode produzir um vídeo de uma aula de sertanejo, com um estudante tocando o trecho de uma música popular, de até 1 minuto.

2 – Participe dos desafios

Os desafios (challenges) do TikTok são ações divulgadas por meio de hashtags, com a intenção de estimular determinadas atividades por várias pessoas. Pode ser uma dança, uma dublagem ou qualquer outra ação criativa.

O intuito do challenge é interagir com outros usuários. Para as empresas, a participação nesses desafios mostra que a marca está atenta às tendências.

Por exemplo, uma academia de treinamento funcional para obesos pode entrar em um challenge de dança, mostrando que todos os corpos são capazes de dançar, se mexer e praticar exercícios físicos.

É uma ótima maneira de interagir com outros usuários e ainda divulgar a ideia do “body positive”, que visa desestimular práticas preconceituosas e gordofóbicas.

3 – Faça parcerias com os influenciadores

Muitos influenciadores digitais surgiram com o TikTok. Em alguns casos, os tiktokers já eram populares em outras redes, como no Instagram e no YouTube, mas há famosos que alcançaram o reconhecimento só com o aplicativo chinês.

Para as empresas, essas pessoas são ótimas para o marketing de influência, pois elas podem recomendar produtos e serviços para seus vários seguidores, tornando o seu negócio muito mais reconhecido e aumentando as chances de conversão.

Por exemplo, uma empresa de confecção de adesivos personalizados pode firmar parceria com um influenciador e propor um challenge. Isso dá ainda mais poder de viralização do conteúdo, o que é fundamental para a popularidade da marca.

No entanto, é preciso focar em tiktokers que sejam representativos para o público-alvo. Por isso, vale a pena ficar atento aos seguintes pontos sobre os seguidores:

  • Eles teriam interesse na marca?
  • Qual a faixa etária?
  • É algo que agrega valor aos usuários?
  • O influenciador fala a mesma língua da empresa?
  • Os valores compartilhados são os mesmos?

Ao responder a essas perguntas, fica mais fácil escolher qual tiktoker representa melhor o seu negócio e pode contribuir para o crescimento da empresa.

Além disso, lembre-se de estudar bem a vida do influenciador. O marketing de influência tem uma relação muito próxima com a pessoalidade dos famosos e, por conta disso, é necessário escolher pessoas que representam os valores da marca.

Há muitos casos de influenciadores que perderam contratos grandes com as empresas, porque se portaram de maneira preconceituosa ou arrogante – o que não é bem visto pela sociedade e, consequentemente, pelos negócios.

4 – Crie vídeos virais

Não é fácil criar um conteúdo viral, mas o TikTok te ajuda nessa produção. Muito disso deve-se à praticidade dos recursos de edição, que pode ser usado por qualquer usuário, até mesmo os leigos.

Uma dica para criar conteúdos virais é analisar o que pode ser interessante para a audiência. Por exemplo, um vídeo curto com dicas de emagrecimento para homens tem poder de se tornar viral, justamente por conta do assunto.

No entanto, conteúdos espontâneos, divertidos e engraçados também são passíveis de viralidade, por isso são extremamente populares no TikTok.

O importante é investir na criatividade, pois esse é o aspecto que mais conta na criação de conteúdos virais.

Afinal de contas, precisamos lembrar que as redes sociais são plataformas de entretenimento, não um canal publicitário. 

Ou seja, um vídeo com a propaganda de um salão de festa rústico pode não fazer tanto sucesso no TikTok, enquanto uma esquete é muito melhor vista pelos usuários.

5 – Tenha uma frequência de postagens

Assim como as demais redes sociais, não basta criar uma conta no TikTok, postar um único desafio, e já esperar que a sua marca conquiste o engajamento. Ao contrário, é preciso ter uma frequência de postagens.

Lembre-se que o aplicativo é extremamente dinâmico, o que significa que a sua postagem do dia anterior sobre toy art em papel pode ser facilmente engolida por outros conteúdos.

Quando lidamos com o público jovem, essa efemeridade é ainda maior.

Por isso, tenha um cronograma de postagens e, se possível faça pelo menos um vídeo por dia no TikTok.

6 – Use uma linguagem jovem

Parece óbvio falar isso diante do público-alvo do TikTok, mas esse é um erro muito comum das empresas. 

Por vezes, os empreendimentos se esquecem de tratar os seguidores como usuários que são muito mais do que clientes e, dessa forma, acabam usando uma linguagem muito corporativa e formal.

No TikTok, esse erro pode comprometer todo o engajamento da sua empresa. Por esse motivo, ao mostrar o processo de embalagem de produtos com sacola tnt lembrancinha, por exemplo, use uma linguagem despojada, informal e dinâmica.

Não se prenda aos jargões, mas também não use palavras de baixo calão, pois isso é mal visto por qualquer seguidor, independentemente da rede social.

Conclusão

O TikTok é um fenômeno mundial. A rede social atingiu o maior índice de downloads em 2020, mas perspectivas mostram que a plataforma só tende a crescer.

Dinâmico, criativo e divertido, o aplicativo é notável pela criação de vídeos virais e pelo alto poder de engajamento dos usuários. Tanto que, por isso, o TikTok atraiu as empresas, principalmente as que possuem um público-alvo jovem e antenado.

No entanto, é importante verificar que o marketing no TikTok é bem diferente das outras redes. 

Por não conter anúncios pagos, as empresas precisam investir bastante na criatividade, pois só assim elas conseguem realmente cativar os seguidores e expandir o reconhecimento da marca.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

instagram

Saiba como usar a estratégia de Marketing de Conteúdo no Instagram

Recorrer ao uso do marketing de conteúdo no Instagram se tornou uma necessidade para empresas de diversos setores, pois estamos falando da rede social que mais cresce no Brasil e no mundo.

Para se ter uma ideia, o Instagram é a segunda plataforma mais usada no mundo todo, reunindo consumidores de diferentes perfis. Por esse motivo, estar presente nessa mídia é uma estratégia essencial para que a marca seja vista.

No entanto, é preciso saber como fazer isso para orientar a percepção da empresa, estabelecer a imagem e criar a comunicação de forma adequada.

Isso significa que estar lá não é o suficiente, pois quando falamos de marketing de conteúdo é preciso planejamento e uma boa execução.

Assim, é importante entender o que é o Instagram e o que é Marketing de Conteúdo, além de saber usar as ferramentas e estratégias que eles proporcionam para a imagem da marca.

Dessa forma, qualquer empresa pode fazer boas campanhas nessa rede social, usando um dos principais pilares do marketing digital.

Afinal, os consumidores estão sempre em busca de informações ricas e relevantes, por meio dos canais que eles mais usam.

Pensando nisso, neste artigo vamos falar sobre o que é Instagram, o que é marketing de conteúdo, como usar essa estratégia de marketing nessa plataforma e quais resultados esperar

Entenda o que é o Instagram

O instagram é uma rede social focada no compartilhamento de imagens com amigos e que é feita por meio de dispositivos móveis.

Esse é um app que pode ser encontrado para sistema Android e IOS, podendo ser baixado gratuitamente, para compartilhar fotos que podem conter efeitos para serem compartilhadas com amigos.

Além disso, as empresas como buffet para festa de aniversário podem compartilhar instantaneamente as publicações do Instagram em outras redes sociais, como Facebook. Auxiliando na percepção da marca e na interação com o público em diversos canais.

Com isso, é possível atingir um número maior de pessoas, podendo ampliar o alcance por meio do uso das hashtags (#) – que permitem que os usuários encontrem publicações relacionadas.

O que é Marketing de Conteúdo?

O marketing de conteúdo é a produção de informações e materiais relevantes e valiosos para a persona, visando levá-la a realizar uma ação, além de atrair e engajar o público.

Para isso, o conteúdo pode se apresentar em vários formatos, tais como:

  • Textos;
  • Áudios;
  • Vídeos;
  • Infográficos.

Ao investir nessa estratégia, as empresas conseguem impactar as pessoas de maneira positiva, gerando autoridade e mais oportunidades de negócios.

Esses conteúdos podem ser divulgados por meio de diversos canais, como sites, blogs e as redes sociais, como o Instagram, que já é usado por 90% dos usuários da internet. 

Com isso, ao adotar as ações nas mídias, uma fabricante de piso led festa consegue:

  • Divulgar sua marca;
  • Engajar a audiência;
  • Gerar tráfego;
  • Aumentar as oportunidades.

Exatamente por isso, é preciso que as empresas estejam presentes nesta plataforma.

Mais ainda, para possam sair na frente da concorrência e se destacar, o marketing de conteúdo no Instagram pode ser um grande diferencial.

Como usar o Marketing de Conteúdo no Instagram

Existem muitas ferramentas valiosas que ajudam a produzir conteúdo relevante para o Instagram.

Afinal, é preciso investir em ações que elevam a marca nessa plataforma para que a identidade da marca seja reconhecida e a presença online direcione a percepção da marca.

Para isso, algumas estratégias podem ser adotadas, tais como:

  1. Use diferentes tipos de posts

O marketing de conteúdo tem como foco fazer com que a marca, como no caso de uma empresa de restauração em deck de madeira, leve conteúdo de valor para o seu público.

Isso pode ser feito de diversas maneiras no Instagram, como por meio dos stories. Pelo fato de ficar disponível apenas por 24 horas, esse recurso tem o poder de atrair mais pessoas do que qualquer outro formato e pode ser usado para humanizar a imagem da empresa.

Vale ainda destacar que enquanto nem todos os seguidores do perfil de uma empresa vão receber o que ela publica no feed de notícias, o stories é entregue a 100% dos seguidores.

Assim, publicar um pequeno vídeo nesse formato mantém o público engajado e interagindo com a marca. 

Para isso, esse vídeo pode mostrar, por exemplo, o dia a dia da empresa, fazendo com que as pessoas se sintam mais próximas dela.

Também é possível criar anúncios para o Instagram, assim como uma empresa de paisagismo para quintal com piscina cria no Facebook, de modo a alcançar possíveis clientes.

Os anúncios são feitos pela mesma plataforma, com uma interface simples e que agrade os usuários. 

Vale destacar nesse ponto que é possível que a empresa defina quem é a sua persona ao realizar as estratégias de marketing de conteúdo pelo Instagram.

Isso permite segmentar o público, criando leads com um excelente custo-benefício. 

Para isso, uma alternativa é criar campanhas de retargeting, pois nesse tipo de anúncio as pessoas que já acessaram algum conteúdo no site ou outras redes sociais podem visualizá-lo e fixar a imagem da marca.

Isso é muito vantajoso porque as pessoas que já viram um conteúdo estão procurando por um produto/serviço que a empresa oferece e estão mais propensas a comprar do que aquelas não viram.

Também é possível criar vídeos maiores com conteúdos de interesse do seu público e publicá-lo no IGTV. Trata-se de uma funcionalidade que compete com o YouTube e deve ser bem usada nas estratégias de marketing de conteúdo para aprofundar determinados temas.

Os vídeos podem ter até 1 hora e possibilitam que uma clínica emagrecimento ofereça informações relevantes de assuntos que interessam aos seguidores da página, como os hábitos para adotar uma rotina de exercícios que auxiliam na perda de peso.

O foco é fazer produções profissionais, levando conteúdo de qualidade, que engaje os usuários e mostre que o empreendimento é referência na área. Além disso, é possível que ensine os seguidores a usarem o produto ou serviço que sua empresa oferece.

Os vídeos também podem ser compartilhados na página do Instagram, em que será mostrado apenas os minutos iniciais do vídeo, atraindo a atenção.

Caso o usuário demonstre algum interesse, ele consegue clicar na publicação e o vídeo continuará de onde parou. Tais ações podem ser mensuradas e relacionadas às estratégias do estabelecimento

Esse tipo de conteúdo também é vantajoso porque permite usar descrições, ajudando a levar mais tráfego para o blog ou site da empresa.

  1. Tenha uma boa frequência de postagens

Uma empresa de plano alimentar individualizado precisa mais do que ter um perfil no Instagram, ela precisa ter uma estratégia eficiente e recorrente de Marketing de Conteúdo. Por conta disso, ela deve dar atenção à frequência das publicações.

Portanto, é recomendável criar um calendário de publicações, planejando o que será publicado com antecedência, além de usar ferramentas que automatizem as postagens por meio de ferramentas diversas.

Isso vai permitir que o administrador do perfil tenha mais tempo para realizar outras tarefas importantes, sem deixar de ter um perfil de sucesso na rede social.

 

Com as ferramentas, uma academia de aula de fitdance para iniciantes, consegue agendar os conteúdos e alcançar uma boa frequência, com cuidado para realizar uma boa distribuição do conteúdo para alcançar seu público.

  1. Use linguagem apropriada

A linguagem usada varia de negócio para negócio. Por exemplo, uma loja de roupas masculinas sociais não vai usar a mesma linguagem de uma loja de roupas infantis.

Apesar de as duas serem lojas de vestuário, atendem a públicos diferentes e o perfil das pessoas não muda apenas porque elas estão no Instagram.

Para escolher o tipo de linguagem ideal para se comunicar com o público que acompanhará as postagens na plataforma, o indicado é conhecer a sua audiência e suas particularidades.

Vale destacar que essa recomendação é válida para qualquer canal de comunicação, ou seja, tanto nas redes sociais quanto em sites, blogs e e-mails.

  1. Promova concursos

É comum vermos lojas fazendo promoções para atrair as pessoas e os concursos no Instagram têm o mesmo objetivo.

Nesse contexto, uma fabricante de banner para academia pode criar um concurso para que os seguidores compartilhem e divulguem a marca, que realizarão a ação por conta do benefício e confiança que a marca possui.

Para usar essa estratégia, é necessário estabelecer algumas regras, como compartilhar a postagem do anúncio no stories, seguir o perfil e convidar outras pessoas para participar comentando na publicação.

Apesar de ser um pouco trabalhosa, essa estratégia ajuda a alcançar uma boa audiência, incentivando a divulgação da marca pelos seguidores. Quanto mais pessoas participarem, mais retorno a marca vai ter.

Resultados que podem ser alcançados

O marketing de conteúdos pelo Instagram pode trazer excelentes resultados para uma empresa, a começar pelo aumento no engajamento.

Além disso, a empresa se torna mais visível e quanto mais pessoas conhecem, mais oportunidades de bons negócios a marca terá.

Além da visibilidade, o conteúdo constrói uma imagem de autoridade que desperta a confiança das pessoas com relação ao que a organização tem a oferecer.

Mais ainda, isso também faz que a marca se destaque em seu mercado de atuação, ultrapassando a concorrência na preferência dos consumidores.

Conclusão

Só pelo fato de a sua empresa usar o Instagram, ela já está se aproximando mais de seu público. No entanto, é importante investir em boas estratégias, como o Marketing de Conteúdo, para fazer valer os esforços da marca.

Dessa forma, as pessoas se conscientizam a respeito dela e passam a considerá-la uma solução para seus problemas e necessidades.

O Instagram já oferece os recursos que permite que um negócio se destaque. Isso unido às estratégias de marketing de conteúdo, os resultados podem ser ainda mais compensadores.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

analytics-3680198_1280

Métricas do Facebook: conheça as mais importantes para a sua estratégia de Marketing

Que as redes sociais são cada vez mais utilizadas pelas pessoas e por empresas de diversos segmentos, disso ninguém duvida. Mas você sabe quais são as Métricas do Facebook e por que elas são importantes?

O Facebook é hoje a rede com maior número de usuários. Segundo dados da própria plataforma, a quantidade de contas já superou os 2 bilhões. 

Tudo isso se deve, em grande medida, pelas várias funcionalidades oferecidas pelo Facebook. Ela é uma das mais completas em termos de entretenimento e de publicidade, sendo utilizada de maneira pessoal e comercial com facilidade. 

Não à toa, quem está procurando por uma clínica de acupuntura na internet pode utilizar a plataforma para conhecer diversos estabelecimentos e as avaliações de outras pessoas que já marcaram uma consulta no local, garantindo uma boa escolha. 

Ao mesmo tempo, se uma empresa quer expandir os seus negócios virtualmente, ela pode utilizar as diferentes alternativas de anúncios, que vão impactar os usuários e fazer com que ela venda mais. 

De fato, utilizar o Facebook traz vantagens para os mais diversos usuários, que podem aproveitar todos os recursos disponibilizados na rede para realizar vários tipos de ações. 

Para um estabelecimento, isso não é diferente. Quando há a intenção de aproveitar os recursos da mídia social para promover o seu negócio, o uso do Facebook pode ser ainda mais eficiente e assertivo. 

Isso porque, além dos anúncios, a plataforma oferece métricas que ajudam a ter um maior detalhamento sobre os impactos da publicidade escolhida para o seu estabelecimento. 

Sendo assim, se você ainda não conhece essas estatísticas mas quer entender mais sobre elas, siga na leitura deste conteúdo e saiba mais sobre o assunto. 

Quais maneiras de divulgação o Facebook possui?

Depois de conhecer um pouco mais sobre a estrutura da plataforma, é importante saber quais são os tipos de ações que podem ser utilizados para promover estabelecimentos na rede, sejam eles estúdios de música ou uma empresa de contabilidade. 

Depois de fazer a criação de página comercial, onde serão publicados diferentes tipos de conteúdo para divulgar a sua empresa, é possível também utilizar os anúncios oferecidos pela plataforma, que podem ser elaborados em quatro formatos diferentes:

  • Anúncio em foto;
  • Anúncio em vídeo;
  • Anúncio em carrossel;
  • Anúncio de coleção.

Essas ações, que incluem as postagens na sua página e também as opções patrocinadas, geram alguns dados importantes que precisam ser analisados para que se possa criar campanhas cada vez mais assertivas. 

Uma postagem falando sobre uma dieta semanal para emagrecer, por exemplo, pode trazer novos seguidores, fazer com que os leitores compartilhem o conteúdo, gerar cliques na publicação e mais uma série de ações que oferecem resultados para a empresa. 

Desse modo, conhecer as principais métricas que o Facebook oferece para que você tenha um maior controle do que funciona para divulgar o seu negócio é de suma importância e, por isso, não deixe de conferir quais são essas estatísticas a seguir. 

As principais métricas do Facebook

Um dos principais recursos que o Facebook oferece para quem faz um anúncio sobre troféu de acrílico para personalizar são as métricas da plataforma, que permitem que se tenha subsídios para poder analisar o sucesso de uma campanha. 

Da mesma forma que existem vários objetivos para o investimento em publicidade, também existem diferentes estatísticas para essa medição, de maneira que saber quais são e a utilidade delas é indispensável para uma ação mais eficaz. 

1. Curtidas

O número de curtidas mostra quantos usuários ou seguidores tiveram acesso ao seu conteúdo e deixaram um “joinha” por aprovar a postagem, mostrando o crescimento da satisfação da sua audiência. 

As descurtidas também são dados que podem ser vistos nas suas métricas. Ao ter acesso a esses índices, você consegue ter maior clareza de quais postagens podem ter impactado negativamente o seu público. 

Em paralelo, as publicações que tiveram melhores retornos também são um subsídio para que você saiba o que agrada os seus seguidores, para poder investir mais e potencializar as suas curtidas. 

2. Alcance

O alcance é a métrica que define quantas pessoas viram uma publicação que você tenha feito sobre dicas para reforma de varandas, por exemplo. Ele mostra os resultados tanto das publicações orgânicas, quanto das pagas. 

Outras informações relevantes que o alcance traz estão relacionadas a postagens que são classificadas pelos usuários como spam, as que foram ocultadas ou mesmo as descurtidas. 

Apesar de não parecerem bons dados para uma empresa, essas informações são essenciais para aprimorar o trabalho realizado nas redes sociais e, por isso, devem ser acompanhadas de perto.

3. Volume

O volume não se trata de uma métrica que mede somente a quantidade de publicações ou de interações.

Ela serve para que você saiba se está sendo mencionado pelas pessoas, sendo conhecida na plataforma como “pessoas falando sobre isso”. 

Por isso, a métrica de volume se refere às conversas e discussões sobre a sua marca, que devem ser acompanhadas no dia a dia e coletadas mensalmente, para que se tenha noção do impacto que a sua empresa está causando nos usuários. 

4. Engajamento

Uma das métricas mais famosas do Facebook é a do engajamento, de modo que uma clínica emagrecimento, que investe em produção e distribuição de conteúdo com o intuito de construir a autoridade da sua marca, precisa acompanhar essas estatísticas de perto. 

Elas representam o número de curtidas, de compartilhamentos e de comentários que são feitos em cada publicação da sua página ou perfil. 

Isso quer dizer que é possível mensurar o quanto os usuários interagem com o conteúdo postado ali diariamente, mostrando se o trabalho de marketing realizado no Facebbok está sendo positivo e pode trazer ótimos resultados. 

Não à toa, é indicado que se acompanhe esses números diariamente e em cada uma das postagens.

Ao mesmo tempo, para ganhar mais domínio sobre a métrica, uma ideia interessante é elaborar relatórios periódicos, para entender o cenário geral de crescimento.

Ao mensurar de perto cada uma dessas métricas, a sua página de Facebook pode ser aprimorada, garantindo que se possa medir cada uma das ações de divulgação aplicadas nessa rede e identificando a necessidade de alteração ou de continuidade da estratégia.  

O que são métricas de vaidade?

Você já ouviu falar em métricas de vaidade? Elas se tratam dos números de curtidas que um vídeo falando sobre paisagismo quintal dos fundos, ou um texto com dicas de decoração para festas infantis, teve no seu perfil. 

O número de seguidores de uma página do Facebook também se enquadra nessa definição. Na prática, o que isso quer dizer?

Essas quantidades, que podem ser bastante grandes em algumas publicações ou perfis da plataforma, precisam contar com o auxílio de outras métricas para trazerem subsídios reais para que você possa elaborar ações cada vez mais assertivas.

Isso porque quando o número de curtidas e seguidores são vistos de forma isolada, eles podem trazer certa satisfação para os donos da página, mas podem não significar nada em termos de estratégia para aumentar vendas ou promover serviços. 

Dessa maneira, saber como utilizá-las, e de modo especial em parceria com a métrica de engajamento, é possível obter dados valiosos para as suas estratégias de marketing. 

Quais as vantagens de saber analisar essas métricas?

Se você é professor e oferece aula particular piano no Facebook, talvez esteja se perguntando agora quais são os benefícios de saber analisar essas métricas, não é mesmo?

Na verdade, as vantagens são práticas e diretas, sendo as principais:

  • Entender o perfil dos seus clientes;
  • Justificar mudanças em ações de marketing;
  • Otimizar investimentos;
  • Definir o que traz maiores resultados para o seu negócio.

Quando se analisa métricas como curtidas, alcance, volume e engajamento, é possível entender melhor o perfil dos seus clientes, ou seja, o que eles querem, o que valorizam, o que os atrai e o que eles acham que merece ser compartilhado. 

Ao mesmo tempo, também permite saber o que não os agrada. Isso pode ser medido, como já mencionado, em conteúdos classificados como spam, aqueles que deixaram de ser curtidos ou os que foram ocultados do feed de notícias dos seus seguidores.

Além disso, as métricas permitem que os seus investimentos, financeiros e de tempo, sejam melhor utilizados, de maneira que seja possível apostar mais em um determinado anúncio e remover do ar aquele que teve baixo impacto nos seus resultados. 

Por fim, as métricas permitem que você identifique quais ações realizadas na sua página trazem mais resultados. Se o seu público curte mais postagens em vídeo, por exemplo, talvez seja importante dar maior destaque para eles. 

Sendo assim, conhecer as métricas e saber como elas podem influenciar no sucesso da sua página no Facebook é fundamental. Por isso, não deixe de visualizá-las diariamente e periodicamente, garantindo bons retornos para a sua empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Screenshot 2020-09-29 123051

Métricas de vaidade: saiba como elas podem atrapalhar sua estratégia de Marketing Digital

Medir o desempenho das campanhas é algo essencial para qualquer estratégia de marketing digital. No entanto, muitas vezes somos enganados pelas chamadas “métricas de vaidade”.

Isso significa que muitas informações atraentes, mas que não ajudam na tomada de decisões estratégicas, podem atrapalhar na percepção dos resultados da estratégia.

Ou seja, se cairmos no erro de observar os indicadores incorretos, podemos comprometer todas as demais iniciativas de marketing e, ao mesmo tempo, não oferecer um diagnóstico preciso de desempenho.

Por conta disso, é importante compreender mais sobre as métricas de vaidade e saber como elas podem atrapalhar na sua estratégia de marketing digital. Acompanhe mais no artigo de hoje!

O que são métricas de vaidade?

As métricas de vaidades são indicadores utilizados nas campanhas de marketing, mas que revelam informações que não ajudam em uma tomada de decisão ou interferem na percepção do resultados de campanhas.

Um exemplo bem popular refere-se ao número de curtidas em publicações nas redes sociais. 

Por exemplo, uma postagem sobre um kit lanchinho para festa infantil pode ter várias curtidas, mas se elas não se converterem em outras ações, como a geração de leads, de nada adianta.

 

Isso não significa que as métricas de vaidade devem ser ignoradas completamente. Mas, cabe destacar, que sozinhas não ditam o desempenho total do seu negócio. 

Mais ainda, elas não representam a visão macro das estratégias de marketing.

No exemplo acima, a quantidade de curtidas pode ser relevante para perceber quais conteúdos são preferidos pelos seguidores, mas elas não impactam diretamente na performance da empresa.

Para isso, ao invés de medir as curtidas, o melhor indicador seria a taxa de conversão.

Quais são as principais métricas de vaidade existentes?

Como dito, as métricas de vaidade envolvem qualquer indicador que não ajude na tomada de decisão.

Por esse motivo, elas podem variar conforme os objetivos da estratégia de marketing digital.

Entretanto, existem algumas evidências mais populares e que, em geral, são bem populares entre as métricas de vaidade. Conheça-as abaixo:

Likes e curtidas

É muito comum que as campanhas de marketing no Facebook sejam baseadas no número de likes na redes social.

Por exemplo, o anúncio de um anel de compromisso folheado a ouro pode ter tipo mais de mil curtidas. Contudo, além de definir o gosto do público, o que se faz com essa informação?

Ou seja, não há nenhum dado concreto que conduza a uma decisão estratégica. Por esse motivo, os likes são extremamente perigosos e são considerados a métrica de vaidade mais arriscadas da internet.

Fora isso, é preciso ter sempre uma suspeita quanto ao excesso de curtidas, já que, em muitos casos, é possível “comprar likes” de robôs.

Downloads de aplicativos

As marcas que trabalham com aplicativos muitas vezes se impressionam com a quantidade de downloads dos programas, mas isso não quer dizer, necessariamente, que o faturamento vai bem.

É preciso compreender a relação entre o número de downloads e as compras de pacotes de serviços. Até porque, ao mesmo tempo em que muitas pessoas baixam os app, também há uma grande taxa de desinstalação.

É claro que se uma empresa de desinfetante, por exemplo, acabou de criar um aplicativo e lançou o programa há pouco tempo, o número de downloads é uma métrica importante, pois verifica a aceitação do app no mercado.

Entretanto, a longo prazo, esse indicador pode não fazer tanto sentido mais. Por isso é sempre bom comparar e relacionar as métricas, para melhor avaliação da qualidade de uma campanha.

Isso indica que também é importante contextualizar tais métricas, bem como os objetivos da empresa para avaliar quais são os indicadores importantes para cada ação.

Cliques

Dependendo de como é vista, a taxa de cliques também é considerada uma métrica de vaidade. 

Isso porque, mesmo que as pessoas estejam clicando no seu anúncio, nem sempre isso leva ao objetivo da estratégia, que pode ser a venda ou o download de material, por exemplo.

Assim como nas curtidas, uma grande taxa de cliques com pouca conversão, não revela necessariamente um bom desempenho da campanha.

Por conta disso, recomenda-se ter certo cuidado com os “clickbaits”, que são aquelas famosas chamadas nas redes sociais, que prometem algo revelador, mas só estão ali para atrair cliques e fazem com que o público sinta-se enganado/lesado.

Seguidores

O número de seguidores aparece como uma das métricas mais populares nas redes sociais, principalmente no Facebook, Instagram e Twitter. 

Claro que se o perfil de uma funilaria para carros blindados tiver um grande número de seguidores, é algo interessante para a empresa, mas isso não é o único indicador relevante para a sua estratégia de marketing.

Tanto o Instagram quanto o Facebook contam com relatórios de análises muito mais amplos, que permitem verificar o que, de fato, está dando certo.

Compartilhamentos

Pode até parecer contraditório, mas em alguns casos, o número de compartilhamentos das suas publicações também é uma métrica de vaidade.

Embora esse indicador revele o engajamento do público e, ao mesmo tempo, garanta um tráfego maior para a sua página ou rede social, é necessário focar em estratégias posteriores.

Tal medida é essencial para que esses visitantes permaneçam no seu site e sejam convertidos em leads.

Por exemplo, um post no Reels do Instagram tem uma boa taxa de compartilhamento. 

Desse modo, um buffet de festas de 15 anos pode usar esse material para produzir um vídeo engraçado, mas mesmo com um alcance alto, é preciso ir além.

Por esse motivo, é importante associar a quantidade de compartilhamento com outros indicadores, para que esse número não estacione como uma métrica de vaidade.

Quais métricas realmente importam?

Diante de tantas métricas de vaidade, pode ser difícil para os gestores analisarem o real desempenho das suas campanhas. 

Para as agências, a dificuldade é ainda maior, pois é preciso apresentar resultados para os clientes, mostrando o porquê o número de seguidores não é, necessariamente, um indicativo de sucesso.

Muitas vezes, quando se faz campanhas para várias empresas de instalações elétricas prediais, por exemplo, os clientes querem ver números práticos e, por isso, há uma grande associação com as métricas de vaidade.

Apesar disso, há indicadores que fazem mais sentido e podem representar melhor os resultados do seu negócio. São eles:

Taxa de conversão

A taxa de conversão é uma das métricas mais relevantes no marketing digital. Ela revela a quantidade de visitantes ou seguidores que se tornaram leads, tendo um grande potencial para fechar negócio com a sua empresa.

Claro que nem sempre o objetivo da conversão é a venda. Isso irá depender muito dos objetivos da sua campanha. 

Por esse motivo, em alguns casos, esse indicador pode representar:

  • Quantidade de pessoas que baixaram um material rico;
  • Número de usuários que entraram em contato com a empresa;
  • Quantas pessoas optaram por um determinado produto;
  • Número de inscritos no formulário de e-mail marketing.

Independentemente disso, o mais importante é alinhar as análises das métricas com os objetivos da empresa, para elaboração de um relatório completo e bem organizado.

Conversões no funil

A partir do momento em que se tem o lead, ele já entrou no funil de vendas da sua empresa. Agora é o momento de alimentá-lo com conteúdos interessantes, para que ele caminha por todas as etapas.

Pode ser que o cliente esteja muito próximo de fechar a compra e, nesse momento, os detalhes se tornam importante.

Com isso, oferecer uma sacola TNT lembrancinha como mimo já pode fazer toda a diferença para a campanha.

Por esse motivo, é importante identificar em qual estágio o lead está e ofertar um conteúdo que realmente importa e voltado para solucionar a sua dor.

LTV (Lifetime Value)

O LTV mostra o relacionamento da sua empresa com o cliente, bem como o quanto aquele lead vale para o seu negócio.

Em geral, essa métrica é bastante associada com serviços por assinatura e estratégias de retenção, já que ela aborda o tempo gasto pelo cliente na sua empresa, incluindo as compras que ele fez em um determinado recorte temporal.

Assim, quando um lead faz o projeto de stand com a sua empresa e, depois de 12 meses, volta a fechar negócio, o cálculo envolve todo esse tempo e o dinheiro gasto pelo cliente, o que pode ser interessante para os lucros.

CAC (Custo de Aquisição por Cliente)

O CAC é uma métrica que avalia a relação entre o investimento feito pelo seu negócio e a prospecção do cliente. Ou seja, é o quanto a empresa gasta para conquistar o consumidor.

Esse indicador é fundamental para empresas que buscam um crescimento financeiro saudável, já que é possível orientar os investimentos conforme a demanda e necessidade.

Conclusão

Curtidas, seguidores, compartilhamentos. De fato, são fatores que crescem aos olhos de muitas pessoas, ainda mais quando se tem uma quantidade muito grande, com inúmeros likes em uma publicação, ou um boom de seguidores no seu Instagram.

Contudo, esses indicadores sozinhos não mostram o real desempenho da sua campanha: são métricas de vaidade. 

Por isso, vale a pena ir além, cruzando dados e olhando para outros pontos de performance (muitas vezes esquecidos, mas extremamente necessários).

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://rockcontent.com/br/blog/metricas-de-vaidade/#:~:text=M%C3%A9tricas%20de%20vaidade%20s%C3%A3o%20informa%C3%A7%C3%B5es,seus%20esfor%C3%A7os%20no%20marketing%20digital.

shopping-5200288_12800

Google Shopping: como anunciar seu produto e ficar na primeira página

O Google Shopping surgiu em 2011 e tem como objetivo comparar e exibir produtos de diferentes lojas virtuais. Isso possibilita ao usuário encontrar aquilo que precisa por meio de uma busca tradicional no Google.

É uma ferramenta importante para as empresas, principalmente por levar em conta a mudança no comportamento de consumo das pessoas.

Comprar pela internet tornou-se um hábito e a tendência é que essa modalidade de compra cresça cada vez mais, afinal, é muito mais prático e rápido adquirir um produto online.

Isso porque as pessoas não precisam sair de casa e podem obter tudo o que precisam para seu consumo a qualquer hora e em qualquer dia. É como um shopping que funciona 24 horas por dia e ainda leva os produtos até os consumidores.

Mais do que poder comprar pela internet, as pessoas podem pesquisar e comparar preços, encontrando lojas e empresas que ofereçam as melhores condições. Portanto, o Google Shopping surgiu como um facilitador nesse momento.

É por isso que, neste artigo, vamos falar sobre o que é Google Shopping, como ele funciona, como anunciar nesta plataforma e as vantagens que ela traz para os negócios. Acompanhe!

O que é o Google Shopping?

O Google Shopping funciona como uma vitrine virtual, que exibe produtos relevantes de acordo com aquilo que o usuário pesquisou.

Ele conta com fotos do produto e ainda reviews de usuários que já o adquiriram. É como um site de vendas gigante, que une produtos e compara seus preços e avaliações, sendo integrado aos resultados de busca.

Então, se alguém procura por anel de formatura folheado a ouro, vai se deparar com resultados de diferentes lojas e opções de escolha.

Antigamente, existiam duas versões, a paga e a gratuita. No entanto, para que uma loja apareça na plataforma do Google Shopping, ela precisa pagar por esse serviço.

Também é muito fácil entender como funciona o Google Shopping, bastando digitar o que está sendo buscado. Ao fazer isso, o Google integra o Shopping ao conjunto de resultados patrocinados.

No resultado da pesquisa, são exibidas a foto do produto, o nome da loja e o preço para localizar onde está sendo feita cada oferta.

Trata-se de uma maneira muito simples para os usuários encontrarem o que precisam, pois na própria SERP (Search Engine Results Page, ou “Página de Resultados”) do buscador é possível clicar na seta do lado direito para ver o carrossel de opções. 

Ao clicar no link, o usuário é direcionado à página do assinante.

Como anunciar no Google Shopping?

Para anunciar nesta plataforma, é preciso seguir um passo a passo, que mostraremos a seguir, confira:

1 – Criar a conta

Um restaurante de comida para empresas, por exemplo, precisa, primeiro, se cadastrar no Google Merchant Center.

Nesse ambiente, será necessário preencher as informações solicitadas e seguir os passos de verificação do site, que garante a propriedade do canal.

2 – Carregar os produtos

A cada novo produto que a marca deseja anunciar na plataforma, é preciso preencher dados importantes, tais como:

  • Nome do produto;
  • Imagem;
  • Descrição;
  • Categoria.

No entanto, a ferramenta é prática e a loja não precisa cadastrar produto por produto, isso porque é possível usar uma extensão ou um aplicativo que extraia tudo o que consta no site da empresa, formatando-os automaticamente.

No Google é possível encontrar vídeos que explicam como fazer isso. Depois disso, o site faz uma espécie de diagnóstico para verificar que os itens, como bateria automotiva 65a, apresentam todas as informações.

Alguns desses elementos podem ser tamanho e estoque, e é possível acompanhar o que foi enviado na área “Produtos” na aba “Itens Ativos”.

3 – Vincular o Merchant Center ao Google Ads

Assim que todos os produtos estiverem prontos no Merchant Center, é importante vinculá-lo ao Google Ads.

Além disso, antes de iniciar uma campanha, é necessário verificar se todos os requisitos foram cumpridos no que diz respeito às campanhas do Google Shopping.

Caso esteja tudo dentro dos conformes, é o momento de gerar a campanha dentro da plataforma.

4 – Criar a campanha

Para criar a campanha, é necessário: fazer login no Google Ads; clicar em “Campanhas”; Selecionar o botão de adição (+); opção “Nova Campanha”; e, por fim, em “Tipo de Campanha” selecionar “Shopping”.

Em seguida, é preciso selecionar os objetivos da campanha, que podem ser vendas, leads, tráfego do site ou até mesmo não ter um objetivo.

5 – Definir as configurações e orçamentos da campanha

Para definir as configurações e orçamentos da sua campanha, é necessário configurar o lance máximo de CPC (custo por clique), o orçamento em si e qual é a prioridade da campanha.

Caso tenha alguma dúvida ao anunciar uma empresa de desinfetante ou qualquer outro tipo de negócio, recomenda-se ler o Google Ads para iniciantes, uma espécie de glossário que contém os erros mais comuns.

6 – Criar um grupo de anúncios

Após salvar as alterações, é hora de criar um grupo de anúncios. Para isso, vá até a seção “Tipo de grupo de anúncios”, para decidir de que maneira organizar a campanha.

É possível promover os produtos individualmente ou usar o Showcase Shopping para promovê-los de maneira coletiva. Na prática, todo esse passo a passo é mais simples do que parece.

Também existem algumas estratégias que podem ser colocadas em prática e que tornam os resultados ainda melhores. Isso envolve rankeamento, taxas de conversão e retorno sobre os investimentos (ou ROI).

Para isso, é interessante otimizar o título dos anúncios no Google Shopping que tenham menos de 70 caracteres.

Também é recomendável otimizar as descrições dos anúncios do Google Shopping para até 500 caracteres, sendo rico em palavras-chave e bem ilustrativo. Também evite usar linguagens promocionais em excesso.

Vantagens do Google Shopping para os negócios

Seja uma loja que venda peças para oficina mecânica para caminhões ou uma fabricante de roupas infantis, anunciar no Google Shopping traz diversas vantagens.

Uma delas é o aumento do tráfego para o site da empresa, o que melhora seu rankeamento nas buscas. Isso também atrai leads mais qualificados, pois eles já têm interesse no produto, precisando apenas serem nutridos com algumas informações.

Isso aumenta o número de conversões, o que acaba por gerar maior lucratividade. Além disso, o site da empresa tem uma presença maior nos sites de busca, pois ela estará tanto no Google Shopping, quanto em anúncios.

A exposição da marca também melhora consideravelmente, pois ao anunciar, por exemplo, urna acrilica grande no Google Shopping, a empresa conquista uma visibilidade muito maior.

Isso acontece porque o negócio sempre vai aparecer quando um usuário pesquisar o que ele anunciou, tornando a loja mais evidente para pessoas que ainda não o conhecem.

Anunciar nesta plataforma permite maior controle financeiro, pois é o negócio que determina o quanto quer investir, funcionando como qualquer ferramenta de link patrocinado.

Quando o usuário clica no anúncio, o valor X é debitado da conta do anunciante, o que garante total controle do orçamento destinado a ela.

Ela também traz mais oportunidades de negócio. Para comprovar isso, basta pesquisar os principais concorrentes, como de uma fabricante de banner colorido, e ver a média de preço praticado.

Caso seja possível, recomenda-se oferecer valores mais baixos, para ficar entre os primeiros resultados exibidos. Isso aumenta as chances de cliques e de direcionamento para o site do anunciante.

Além disso, em seu comparador de preços, o Google adicionou vários filtros para quem deseja fazer uma compra.

Com isso, é possível escolher por precificação e faixa de preço. Para o anunciante isso é muito vantajoso, afinal, assim tem mais chances de aparecer nos resultados de pesquisa.

Diferenças entre Google Shopping e Google Ads

O Google Ads aparece quando o usuário busca um produto, por exemplo, chave com chip no Google ou em outros sites.

No entanto, no Google Shopping você anuncia seu produto e o Google define quais palavras-chave são mais relevantes, ao contrário do Google Ads, em que o anunciante escolhe as palavras-chave para se posicionar.

É importante entender essa diferença, para que seja mais fácil trabalhar com essa plataforma e anunciar de maneira que traga bons resultados para seu negócio.

Conclusão

Vender pela internet tornou-se uma prática muito comum para qualquer tipo de empresa, pois é isso que os consumidores têm buscado cada vez mais.

Por ser um modelo de compra mais prático, a concorrência na web é maior e mais acirrada, por isso, os negócios precisam investir em meios que ajudem a destacá-las.

O Google Shopping é uma dessas ferramentas, fundamental para que uma marca possa expor aquilo que vende, atraindo um maior número de interessados e gerando mais oportunidades de negócio.

Apesar de paga, essa plataforma é fundamental para quem quer conquistar um espaço maior e vender com muito mais facilidade. Portanto, uma estratégia importante que não deve ser deixada de lado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Screenshot 2020-09-23 000257

Análise SWOT para e-commerce: saiba como montá-la e suas vantagens

Compreender como reconhecer problemáticas e verificar dados são atitudes imprescindíveis para todo empreendimento digital. Tanto que a Análise Swot para e-commerce tornou-se um dos métodos de verificação mais usados nos dias de hoje.

Embora a sua origem não seja recente, a estratégia é muito eficaz para as iniciativas digitais, devido ao seu alto poder de precisão e capacidade de cruzar informações de maneira simples, fácil e prática.Com isso, os gestores podem fazer uma varredura completa, mas sem gastar muito tempo, o que pode comprometer o desenvolvimento de campanhas online.

No artigo de hoje, conheça mais sobre a análise SWOT para e-commerce, saiba como montá-la e suas vantagens. Acompanhe a leitura!

O que é a Análise SWOT?

Também chamada de “Matriz FOFA”, a análise SWOT é um método de verificação do desempenho empresarial, sendo uma ferramenta usada para compreender os fatores internos e externos de uma empresa e, com isso, ter dados para tomada de decisões.

A análise SWOT é muito prática, o que permite a aplicação para os mais variados tipos de negócios – desde um prestador de serviços autônomos, até um buffet para festa de aniversário de grande porte.

Por isso, o método é frequentemente aplicado na administração de lojas virtuais, já que são necessárias constantes adaptações.

O termo SWOT é um acrônimo para Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats, que em português significa Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, respectivamente (daí a sigla FOFA).

O método foi desenvolvido com base nos dados coletados das empresas Fortune 500, uma das classificações mais renomadas do mundo, que faz a organização das 500 maiores corporações existentes. 

Os quatro pilares da SWOT significam:

  • Strengths: tudo no que a empresa é boa;
  • Weaknesses: no que a empresa tem dificuldade;
  • Opportunities: as oportunidades do mercado;
  • Threats: as forças que ameaçam o negócio.

Na matriz, as forças e as fraquezas são categorizadas como “causas internas” de uma empresa. Já as oportunidades e ameaças, externos.

Além do mais, as forças e oportunidades são vistas como pontos positivos, enquanto as fraquezas e ameaças, são negativos.

Em resumo, a análise SWOT pode ser representada com o seguinte desenho:

Pense, por exemplo, em um e-commerce especializado na venda de jóias. Uma das “forças” do negócio pode ser a comercialização do anel de ouro feminino delicado, um dos carros-chefe da loja virtual.

Temos aí um fator interno e positivo. Ao mesmo tempo, o comércio eletrônico tem dificuldades para a confecção de conjuntos, como pares de brincos e colares, pois o público acredita que o preço de mercado não está competitivo. 

Aqui, temos uma das “fraquezas”, que é um fator interno ainda, porém negativo.

Ao mesmo tempo, não há perspectiva para melhora nos preços, uma vez que o mercado de ouro está com uma alta inflação. O que configura a “ameaça”, como fator externo e negativo.

O e-commerce está confeccionado um novo modelo de anel de formatura folheado a ouro, que é uma “oportunidade”, já que o seu público está com um nível de escolaridade cada vez mais alto (fator externo e positivo).

Como compreender os 4 quadrantes da SWOT?

Em geral, a análise SWOT é uma ferramenta relativamente simples. Por conta disso, uma parcela das estratégias dos negócios começam suas avaliações com o método e, posteriormente, incrementam novos modos de observação dos cenários.

Contudo, para colocar em prática a SWOT, é necessário compreender a fundo o que cada um dos seus quadrantes significa. 

A seguir, conheça com detalhes as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças:

1 – Strengths (Força)

Para averiguar quais fatores internos são capazes de representar bem o seu negócio, isto é, uma “força” da organização, vale a pena responder às seguintes perguntas:

  • Quais são as melhores atividades e processos da organização?
  • Quais os melhores produtos comercializados?
  • Quais recursos são diferenciais da concorrência?
  • O que a empresa oferece de novo aos clientes?

Por exemplo, um e-commerce de mochilas e bolsas pode ter como diferencial um produto único, que é a mala estilo vintage, com um excelente custo-benefício. Quer dizer que é uma mercadoria que a concorrência não tem e que faz sucesso com os compradores.

2 – Weaknesses (fraquezas)

Aqui temos o oposto da “força”, isto é, o quadrante representa o que falta à empresa, as desvantagens internas que podem limitar e prejudicar a atuação do negócio.

Para identificar esses fatores, responda:

  • A equipe tem uma boa qualificação?
  • Qual é a qualidade dos insumos e materiais?
  • Os processos operacionais são confiáveis?
  • Os preços são competitivos com o mercado?
  • A concorrência tem diferenciais que não possuímos?

Nos e-commerces, a questão do preço é muito importante, visto que a internet é capaz de oferecer um leque de vantagens, inclusive ofertas com melhores valores.

Mas vale dizer que a qualidade também é fundamental. Não adianta nada oferecer um super desconto em produtos de limpeza para cozinha de restaurante, se a mercadoria não tem qualidade e não agrada o cliente.

Isso também pode prejudicar os negócios e, neste caso, a falta de qualidade para manter o preço baixo é uma fraqueza.

3 – Opportunities (oportunidades)

As oportunidades referem-se aos aspectos externos que influenciam positivamente o seu e-commerce. Neste caso, é necessário ficar atento às condições do mercado, como:

  • Alguma política pública beneficia o meu negócio?
  • Há alguma redução de taxas de impostos?
  • Há algum atrativo na região que possa ser proveitoso?
  • O novo comportamento dos consumidores é favorável?

Um exemplo notório é o crescimento das vendas online após a pandemia do novo coronavírus.

Embora a crise financeira, as lojas virtuais tiveram a oportunidade de crescer, já que as pessoas não podiam sair de casa e as compras eram feitas na internet.

4 – Threats (ameaças)

Por fim, as ameaças representam os aspectos externos que prejudicam a sua empresa. 

Neste caso, há uma perda não só de lucros, mas fatores que determinam a sobrevivência ou não do seu negócio no mercado. Algumas perguntas para construir esse quadrante são:

  • Há algum grande concorrente?
  • Houve alguma mudança nos impostos?
  • A crise financeira está impactando os negócios?
  • O novo comportamento do consumidor é desfavorável?

Voltamos ao exemplo da pandemia da Covid-19. Embora fosse uma chance para os e-commerces, negócios como um transporte executivo bilíngue estão tendo que lidar com a queda, justamente devido ao isolamento social.

Como é um serviço que depende diretamente do contato presencial, não sendo feito online, a área de transportes, viagens e turismo, por exemplo, estão enfrentando uma crise e precisam se adaptar ao “novo normal”.

Quais as vantagens da análise SWOT para os e-commerces?

Uma das principais vantagens da análise SWOT é a sua facilidade de aplicação em qualquer tipo de negócio. 

Nesse sentido, as lojas virtuais que trabalham com a entrega de produtos ou que prestam serviços, como a instalação de um som para festa completo, podem usar a matriz para o planejamento estratégico assertivo da organização.

Vale dizer que os benefícios da SWOT impactam as empresas a longo prazo, já que a análise dos quatro fatores envolvidos no métodos ajuda a traçar novos planos e adaptações para as empresas.

Além do mais, a metodologia permite:

  • Compreender mais sobre o mercado e o seu negócio;
  • Traçar novas metas e objetivos;
  • Avaliar as condições favoráveis ou desfavoráveis para venda;
  • Conhecer melhor os concorrentes e os clientes;
  • Identificar possíveis tendências e novos mercados;
  • Prevenir-se de situações e cenários indesejados;
  • Trabalhar na melhoria contínua dos negócios;
  • Potencializar as qualidades da sua empresa;
  • Reunir diversos tipos de informações e dados;
  • Orientar investimentos e gastos.

A análise SWOT é interessante para que sua empresa crie um planejamento estratégico, tático e operacional efetivo.

Afinal, a organização passa a se conhecer muito melhor, tendo maior noção de quais são suas qualidades e fraquezas, bem como o contexto externo em que está inserida. Inclusive, a análise SWOT pode ser aplicada de modo pontual. 

Por exemplo, se uma loja quer saber se vale a pena investir em sacola kraft lisa para a embalagem de seus produtos, a metodologia é capaz de avaliar o cenário, a concorrência e até mesmo as preferências dos clientes.

Assim, o e-commerce saberá se esse tipo de invólucro é realmente ideal para o seu negócio, ou se é preciso procurar por novos tipos de sacolas.

Conclusão

A análise SWOT firmou-se como um dos meios fundamentais para a verificação das estratégias de empresas, incorporadas aos negócios online, como os e-commerces e lojas virtuais.

Prático e eficaz, o método apresenta os princípios internos e externos que podem prejudicar ou colaborar com a sua empresa, sendo possível traçar objetivos mais direcionados, assertivos e orientados.

Com isso, é possível reduzir significativamente os erros e prever cenários. Assim, mesmo em tempos de crise, os e-commerces já dispõem de soluções detalhadas, para garantir a sobrevivência no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

pexels-magda-ehlers-1054713

Vantagens que um podcast pode acrescentar para a sua empresa

Nenhum empresário ou autônomo tem desculpas para ignorar, nos dias atuais, a importância do marketing de conteúdo. De todas as novidades que têm surgido nesse meio, e uma das mais bacanas e promissoras é a dos Podcasts.

O marketing de conteúdo ou content marketing, como é referido nos EUA, simplesmente revolucionou o modo de fazer publicidade hoje em dia. Sua proposta central é a da prática da prospecção passiva, baseada na evolução gradual do funil de vendas.

Dito de outro modo, o marketing de conteúdo deixa de lado as antigas estratégias de impacto (prospecção ativa de clientes) como as famosas promoções arrasadoras, os preços e prazos malucos, e os diferenciais mais comuns do comércio em geral.

Isso não quer dizer que elas não funcionem mais, assim como a televisão, o rádio e a panfletagem, que  ainda podem trazer resultados, mesmo com a internet tendo se tornado cada vez mais o principal canal de marketing e divulgação de produtos e serviços.

Isso indica que o marketing de conteúdo tem suas regras próprias e elas precisam ser seguidas para que ele funcione. 

De fato, hoje as grandes marcas do mercado praticam essa modalidade como modo natural de pensar no médio e longo prazo.

Muitas vezes, as mesmas marcas também lançam mão do marketing antigo, da prospecção ativa ou mesmo do formato offline. Lembrando que isso vale tanto para grandes multinacionais, quanto para empresas locais e pequenos negócios.

Seja como for, o que motivou o surgimento do marketing de conteúdo foi a mudança de hábitos das últimas gerações, também conhecidas como Gerações Y e Z, que são, respectivamente, os nascidos na década de 1980 e de meados dos anos 2000 para cá.

Nesse público, o modo de consumir e de se relacionar com as marcas (para não falar das facilidades da tecnologia, que vai dos computadores até os smartphones), é significativamente diferente quando comparado a gerações mais antigas.

É aí que entra o papel do podcast, que nada mais é do que uma forma de publicação de conteúdos, por meio de transmissão que faz lembrar o rádio. Geralmente, trata-se de uma bate-papo, onde o entrevistado responde perguntas sobre seu segmento.

Portanto, engana-se quem pensa que o marketing de conteúdo se limita a ter um blog, postar regularmente nas redes e distribuir e-books ou infográficos por aí. 

Essas estratégias ainda são fundamentais, mas podem melhorar e muito com a ajuda dos podcasts.

Se você quer entender como dar essa turbinada na sua geração de conteúdos, aumentando sua autoridade, engajando cada vez mais e, portanto, vendendo mais, siga adiante na leitura.

O que exatamente é um podcast?

Acima mencionamos a questão da mudança de hábitos entre as últimas gerações. 

Os podcasts são uma resposta a isso, pois acumulam uma série de traços que, somados, simplesmente atendem à demanda corrida do dia a dia da maioria de nós.

Imagine que você atua na área de dieta semanal para emagrecer. São tantas as novidades que ocorrem nessa área, que talvez a produção constante de e-books ou disparo de e-mail marketing não deem conta da correria.

Se você mantiver um programa que é um misto de transmissão radiofônica com a proposta do on demand (sob demanda), que permite ao público ouvir o material quando puder, certamente sua conexão com as pessoas vai ser bem maior, concorda?

É disso que se trata. Geralmente, os podcasts são disponibilizado por meio de um arquivo que pode ser baixado, ou mesmo em um streaming que a pessoa acessa por meio de login e senha, mediante pagamento ou não.

Além disso, ele ainda pode ser ouvido em diversas plataformas e dispositivos diferentes, o que obviamente ajuda ainda mais na popularização. 

Como a proposta é lidar com assuntos pertinentes ao seu segmento, a adesão também é grande e gera uma audiência fiel.

Seja para falar de produtos de alto alcance (alimento, roupas, joias), ou de reciclagem de papel alumínio, o formato permite uma eficiência enorme em termos de comunicação. Além de que pode levar educação, informação, entretenimento e muito mais.

Aqui vale soltar a criatividade e inovar cada vez mais, surpreendendo seu público. O importante é que já não estamos nos tempos em que o rádio era monopolizado por poucos, ou que baixar um arquivo demorava muito. Hoje tudo é dinâmico e democrático.

Sobre as plataformas e os agregadores

Falamos sobre os avanços tecnológicos que permitiram o surgimento dos podcasts. De fato, esse tipo de material conta com várias plataformas que facilitam o trabalho de produção e distribuição de conteúdos.

São os famosos agregadores de podcasts, que permitem ouvir direto do aplicativo do celular, consumindo menos dados. 

Todos eles são compatíveis com gravação de áudio para propaganda, mas não interferem na gravação original, só a transmitem.

Os principais agregadores são os voltados para Windows Phone, iPhone e Android, que são, respectivamente, o Podcast Picker, o WeCast, o Overcast, o Stitcher Radio; e o Podcast & Radio Addict, o Podcast Republic e o Pocket Casts.

Já em termos de postagem e compartilhamento, os agregadores incluem as seguintes opções mais famosas:

  • Soundcloud;
  • Google Podcast;
  • Spotify;
  • Deezer;
  • Apple Podcast;
  • Castbox.

O mais bacana é que não há uma nichificação artificial, que tornasse cada agregador mais indicado para um segmento específico. 

Na verdade, falar sobre microfone sennheiser e906 não impede que no dia seguinte o assunto seja menos técnico e específico.

Além disso, como você deverá trabalhar com uma agenda, é possível construir uma relação com o público. Assim, eles já vão saber o que esperar para o próximo programa, e você vai conduzindo os temas de modo mais aprofundado ou mais genérico, conforme a estratégia.

Essa organização facilita para todos os lados: seus ouvintes e clientes sabem o que esperar, e você também pode ir preparando o conteúdo de antemão, sempre tendo uma cota antecipada de materiais que serão aprofundados.

Como pôr a mão na massa e fazer CTA?

A questão do modo como criar um podcast é bastante relativa. Primeiro que ela pode ser mais difícil para uma determinada pessoa e mais fácil para outras, dependendo mesmo da inclinação de cada um.

Segundo que o formato e o conteúdo devem andar juntos. Talvez seu sócio no estúdio musical profissional tenha mais domínio técnico, então ele pode ficar responsável pelo conteúdo. Já quem tem mais facilidade com tecnologia, pode pegar a produção.

Para pôr a mão na massa, vale tentar sozinho primeiro, gravar sua própria voz, ouvir, depois pedir o conselho de alguém, e daí em diante. 

Quando for começar, tenha um roteiro em mãos, com tema e partes bem definidos no papel, como uma checklist.

Um ponto fundamental é o da frequência, pois assim como nos blogs e redes sociais, você cria o hábito de o público já contar com sua presença naquele dia e horário específicos. Além disso, um ponto igualmente importante é o do CTA (Call to Action).

Trata-se das chamadas para ação. Elas podem ser feitas de vários modos diferentes, e são importantes pois refletem sua chance de atingir seus objetivos mais práticos, inclusive os de ordem comercial, se for o caso.

Uma clínica de acupuntura, por exemplo, tem várias maneiras de fazer um CTA eficiente. Tecnicamente, você pode chamar o público para simplesmente ler seu site, curtir suas redes ou preencher algum formulário.

É a partir daqui que você pode anunciar a venda de produtos e serviços, já sinalizando algum material pago atrelado a esse conteúdo gratuito. 

No fundo, são como ações menores dentro de uma campanha bem maior.

Funil de vendas e jornada da compra

Por fim, não é possível falar sobre marketing digital sem falar em jornada da compra. 

Acima mencionamos que os podcasts são uma prospecção de tipo passiva, lembra? Além disso, explicamos que eles são baseados na “evolução gradual do funil de vendas”.

Essas etapas da jornada/funil nada mais são que o caminho que o público percorre entre o estágio de quem desconhece sua marca ou seu pet shop de cachorro banho e tosa, até o estágio de comprador fidelizado e disposto a indicar sua empresa.

As etapas tradicionais são as seguintes:

  1. Aprendizado e descoberta;
  2. Reconhecimento do problema;
  3. Consideração da solução;
  4. Decisão de consumo/compra.

É fundamental ter isso em mente, especialmente para seu CTA (explicado acima) e cada ação comercial futura funcionar de modo bem amarrado. Basta a enumeração feita para ficar claro que não adianta tentar “queimar” etapas.

Realmente, imagina se um lead entra em seu site apenas para ler sobre auto escola para aprender dirigir, você concorda que ainda nem sabe onde a pessoa mora, qual a idade dela, se o interesse é comercial ou estudantil, e daí em diante?

Ao aplicar essa lógica nos podcasts, você vai aprender a direcionar os conteúdos conforme o tema. 

É preciso ser capaz de falar de maneira mais abrangente (a primeira etapa), e só depois mais específica (quando for, por exemplo, uma pergunta direcionada).

Com isso, vemos que são muitas as vantagens e benefícios que um podcast pode trazer para a realidade da sua empresa, bem como os principais passos para atingir o sucesso nessa modalidade incrível.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

seo_t20_Nxp07B

SEO: Como ele pode aumentar as vendas do seu e-commerce

Quando falamos sobre SEO para e-commerce estamos nos referindo, sem dúvida, a alguns dos termos mais importantes do universo digital. A razão para isso é bem simples, e vai ficar clara mais adiante.

Por um lado temos os e-commerces, que nada mais são do que o comércio eletrônico como um todo, o que envolve sites, plataformas e marketplaces que vão desde a venda de produtos de grande apelo popular, até venda entre empresas.

Esse tipo de negociação está entre as que mais cresceram nas últimas décadas, e hoje já concorrem seriamente com as lojas físicas. Já o termo SEO remete aos motores de busca, pois é uma sigla para Search Engine Optimization.

Trata-se da famosa otimização de sites, que faz o ranqueamento das páginas de modo a permitir que elas apareçam com destaque para ferramentas de busca como o Google, Bing e Yahoo, que hoje são os mais utilizados pela média dos brasileiros.

Só de ler isto, certamente você já se identifica com esse cenário e não deve duvidar que seja mesmo dessa forma. Ademais, há números e pesquisas que comprovam esse fato, ano após ano.

Uma pesquisa recente, realizada pelo Compre&Confie, demonstrou que o e-commerce cresceu mais de 70% no último período. O que, em termos de faturamento, significa mais de R$ 27 bilhões movimentados em apenas um ano.

Já sobre os buscadores, podemos nos focar no Google, que é o maior do mundo e concentra cerca de 90% das pesquisas totais. Segundo a Internet Live Stats, conceituada empresa de pesquisas, o número deles vem crescendo muito.

Atualmente, cerca de metade da população mundial realiza ao menos uma busca por dia. 

Isso significa que a plataforma Google processa mais de 3,5 bilhões de pesquisas, ultrapassando o número de um trilhão de buscas anuais.

Agora, imagina se você tiver um e-commerce ou se estiver migrando seu negócio físico para o digital, e consegue bons posicionamentos nesse motor de busca. A pesquisa por seu portfólio e suas soluções promete crescer espantosamente.

Com isso já fica um pouco mais claro o quanto faz sentido falarmos sobre SEO para e-commerce, não é mesmo? 

Para isso, é preciso ponderar que, embora tudo isso seja democrático e sirva a qualquer empresa, há dicas que não podem passar em branco.

Então se você quer compreender melhor como oxigenar suas vendas no e-commerce por meio da otimização das suas páginas, siga adiante na leitura e tome nota.

Qual a importância da palavra-chave?

Hoje em dia, quase todo mundo já utilizou um site de busca. Se você chegou aqui, pode ter sido por meio do link direito, talvez por indicação de alguém, mas é bem provável que tenha sido por uma pesquisa realizada no Google, no Bing ou no Yahoo.

No caso de ser por pesquisa, qual não foi a importância da palavra-chave que você utilizou, não é mesmo? Os buscadores registram buscas que vão desde sacolas de papel artesanal, até “melhor restaurante de comida japonesa perto de mim”.

Esse tipo de variação também diz muito sobre a importância da palavra-chave, sendo as mais comuns:

  • “Perto de mim”;
  • “Em SP” (RJ, MG, etc.);
  • “Comprar”;
  • “Detalhes”;
  • “Vantagens”;
  • “Preço”.

Isso mostra a conveniência e a facilidade que a plataforma costuma oferecer aos usuários.

O que pouca gente sabe é que a escolha das palavras-chave é uma técnica, quase uma ciência, que pode ser mensurada e agir conforme previsões bem acertadas. Não trata-se de sorte ou de “atirar no escuro”.

O que chamamos cauda longa são as palavras maiores, e cauda curta, as menores. Se você precisa ser encontrado pelas primeiras, como “empresas de instalações elétricas prediais”, certamente quanto mais assertivo for, melhor.

Hoje o próprio Google Ads, por exemplo, oferece o seu “Planejador de palavras-chave”, e ali, você verifica quais as variações mais assertivas dos principais produtos que comercializa no seu e-commerce.

Refere-se a um dos pontos essenciais da melhoria de sites, embora haja vários outros algoritmos que são igualmente importantes, de acordo com o que está aprofundado abaixo.

Sobre a descrição dos seus produtos

Uma dica fundamental para e-commerces é a da descrição do produto. Claro que toda descrição de produto é importante, mesmo fora da internet, porém, aqui se trata, como vimos acima, de cumprir algoritmos ou os famosos “robôs do Google”.

Não é difícil imaginar que muito do que os grandes buscadores posicionam foi selecionado por programação, e não manualmente. Isso é um algoritmo, é ele que se relaciona com você quando procura por vinho frutado tinto.

Eles têm evoluído cada vez mais, como para entender (baseado no seu histórico de pesquisa) se você procura vinho para comprar, ou se você apenas costuma ler artigos a respeito. Este é só um exemplo de possibilidades de interação.

Portanto, descrever bem seus produtos é essencial. Você será encontrado pelo texto, pela descrição dos itens do seu e-commerce. O mais importante aqui é a originalidade, e tem muito site grande que deixa isso passar batido.

Certamente é fácil copiar a descrição que está na caixa original do produto, mas, e se você conseguisse personalizá-la e dizer o mesmo só que do seu modo? Pratique isso, pois assim, o buscador vai reconhecer originalidade no seu conteúdo e priorizá-lo.

Às vezes, no próprio manual do software para loja de brinquedos que você anunciou, existem informações mais ricas sobre aquela solução. Pode ser que os outros sites não tenham explorado isso, então se você o fizer, com certeza vai sair na frente.

A originalidade e a relevância são o ponto central aqui. Também é possível fazer descrições mais aprofundadas ao pé da página, como se fosse um blog dentro da landing page ou página de vendas do seu e-commerce, tendência que tem crescido.

Dominando a parte técnica das páginas

Como estamos falando sobre algoritmos, programação e afins, há alguns termos técnicos que não podem ficar de fora. 

A vantagem é que essas plataformas são feitas para serem intuitivas e utilizadas por quase todo internauta.

Então, não se assuste ao ler algo como “meta description”. Trata-se da meta descrição e tem tudo a ver com o que dissemos cima. É simples, se você pesquisa por anzol triplo, sabe aquela descrição curta que aparece logo abaixo dos links?

Trata-se dela, que idealmente não deve ultrapassar 160 caracteres e precisa resumir perfeitamente o que o leitor vai encontrar ali. A dica de ouro é ser chamativo sem ser enganoso, afinal não adianta prometer algo que a página não entrega.

Outra questão técnica e igualmente fácil de manejar é a das URLs, que nada mais são que o endereço do site escrito “por extenso”, por assim dizer. Ou seja, o termo completo que aparece na barra de endereços do navegador.

Quanto mais amigável ela for, melhor será o seu posicionamento. Lembrando que aqui você não “conversa” apenas com os robôs da plataforma, mas também com seu leitor/cliente, que pode prestar mais atenção nisso do que você imagina.

Se o produto é guardanapo de papel infantil, certamente o mais atrativo (além de ter afinidade com o produto, lembrando da regra de não ser enganoso) vai ser algo como: www.seusite.com.br/promoção-de-guardanapo-de-papel-infantil.

Ou seja, esqueça aqueles endereços confusos, quase criptografados, que apresentam caracteres estranhos e são enormes ou sem sentido. Hoje, as próprias plataformas de desenvolvimento de site facilitam essa configuração.

Avaliações: sua história de sucesso!

Tudo o que foi dito até aqui deve ter reforçado a importância que a internet, os e-commerces e os motores de busca atingiram. Certamente, eles se comparam com a importância da televisão e do rádio nas décadas anteriores.

Uma vantagem gritante é que quase ninguém podia pagar por um anúncio em horário nobre na maior emissora do país. Hoje você pode aparecer na maior vitrine do mundo com sua empresa terceirizada de motoboy e com seu e-commerce que venda itens da área.

Mais do que aparecer, você pode escrever uma história de sucesso, oxigenando suas vendas, ampliando seu negócio e lançando bases sólidas para um crescimento escalável e sustentável, tendo resultados desde já, pensando no médio e longo prazo.

Você ainda pode transformar essa história de sucesso em outro fator de otimização. Muita gente utiliza a internet para buscar ou deixar opiniões sobre seu trabalho. 

Então, fique de olho nas avaliações que você recebe por lá, pois essas qualificações dizem muito.

Imagine a importância dos comentários em um produto como anel de formatura folheado a ouro, que lida diretamente com o sonho das pessoas e de uma família inteira, por remeter a um momento tão especial quanto uma formatura acadêmica.

Também não é preciso dizer que se trata de outro algoritmo mensurado pelos robozinhos do Google, não é mesmo? Então acompanhe, agradeça os clientes que deixaram bons feedbacks e considere contatar rapidamente os que manifestaram algo negativo.

Tudo isso demonstra como as técnicas de otimização podem aumentar as vendas do seu e-commerce.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Screenshot 2020-09-10 130733

Teste A/B: entenda como essa estratégia auxilia seu blog a ter mais tráfego

O Teste A/B é um dos experimentos mais eficazes no marketing digital, usado para verificar se uma determinada iniciativa está realmente obtendo sucesso ou se é necessário realizar algumas modificações na campanha.

No artigo de hoje, entenda como essa estratégia auxilia seu blog a ter mais tráfego e saiba como aplicar o teste A/B na avaliação das métricas em marketing digital.

O que são testes A/B?

Os testes A/B são comparações entre algumas variáveis de marketing, com a intenção de verificar qual componente irá gerar os melhores resultados.

Por exemplo, você pode testar duas landing pages: a primeira com um banner colorido próximo ao CTA (Call to Action) e a segunda somente com a chamada para a ação, sem figuras, botões ou qualquer outro elemento.

A partir disso, verifica-se qual página teve uma taxa melhor de conversão, sendo possível criar uma campanha mais assertiva da próxima vez.

Os testes A/B não é um teste multivariável, isto é, ele não permite analisar mais de uma variável em uma mesma iniciativa. Em geral, a avaliação é feita apenas com duas variações, com o objetivo de escolher a melhor entre elas.

No caso do exemplo anterior, a variável escolhida era a presença de elementos visuais, com destaque para o banner.

A grande vantagem dos testes A/B nas campanhas de marketing digital é a eliminação de suposições acerca da efetividade de uma determinada ação. 

Por meio da análise, é possível tomar decisões mais embasadas, justificadas em números, diminuindo o risco de falhas.

A eficácia é tanta que o teste A/B é aplicado em muitos contextos. Por exemplo, a avaliação pode ser usada para escolher o melhor rótulo de um vinho para lembrança, com base no número de produtos vendidos com a ilustração X, e outro com a ilustração Y.

Como usar o teste A/B?

Como mencionado, o teste A/B pode ser empregado em uma série de análises dentro do marketing digital. Entretanto, ele é mais usual para medir taxas de conversão.

Até porque quando a intenção é analisar mais de uma variável, há outros tipos de testes possíveis, que podem se mostrar mais relevantes, dependendo do contexto. 

Por conseguinte, é importante ter critério na hora de empregar a verificação.

Diante disso, o teste A/B é fortemente recomendado para as landing pages, sendo possível analisar inúmeras variáveis na página, incluindo:

  • Os títulos;
  • As descrições;
  • Os CTAs;
  • O layout;
  • As cores;
  • O domínio (URL);
  • O formulário;
  • Entre outros.

Fora as landing pages, os testes A/B são muito usados em estratégias de e-mail marketing, já que elas também atuam na conversão e nutrição dos leads.

Por exemplo, ao oferecer desconto em materiais escolares personalizados, através de uma mensagem por e-mail, é possível enviar dois conteúdos: o primeiro com fotos dos produtos, o segundo só com o botão de chamamento. 

A partir daí, verifica-se a taxa de cliques em cada um dos conteúdos. Isso irá ajudar a perceber se o que faz diferença é mesmo o recurso visual, ou a forma como o CTA é desenvolvido/escrito.

Para os blogs, os testes A/B são fundamentais para aumentar o tráfego, uma vez que eles podem apontar quais variáveis são mais atrativas para o público e, consequentemente, elevam o número de visitantes.

Dicas para aplicar o teste A/B nas campanhas

Um dos pontos positivos do teste A/B é a sua facilidade de aplicação, embora isso não implique em uma simplicidade ou reducionismo da análise.

Ao contrário, essa praticidade mostra que a avaliação pode ser aplicada em várias situações, como na oferta de um software para portaria virtual por e-mail, no download de um e-book específico, entre outros.

Nesse momento, pode surgir uma dúvida sobre como aplicar o teste A/B nas campanhas de marketing digital. Abaixo, confira algumas dicas.

1 – Use ferramentas tecnológicas e personalizadas

A evolução tecnológica permitiu que a realização do teste A/B pudesse ser feita com o auxílio de ferramentas digitais, como é o caso do Google Analytics

Isso ajuda a diminuir a ocorrência de erros, visto que muitos cálculos e comparações podem ser passíveis de falhas, seja por desatenção do analista ou por qualquer outro motivo.

2 – Tenha uma significância estatística

A efetividade de um teste A/B deve ser garantida por uma significância estatística. 

Ou seja, se a intenção é analisar duas versões de uma landing page, que oferece um e-book de como fazer uma ambientação 3d, é preciso que um certo número de pessoas acesse a página, para gerar os dados.

 

Ao contrário do que se parece, a significância não é sinônimo de grande volume de dados, mas sim um número relativo aos objetivos da sua empresa.

3 – Escolha boas variações

A melhor maneira de determinar a amostragem do teste A/B é escolhendo as variações certas. Vale dizer que a análise deve, obrigatoriamente, ter apenas um elemento de diferença.

Por exemplo, verificar a ação de uma imagem em uma campanha de e-mail marketing com oferta de serviço de entrega com fiorino é uma boa variação. Mas trocar apenas uma palavra no CTA da iniciativa pode não ser a melhor estratégia.

4 – Estabeleça uma meta

Toda estratégia de marketing necessita de um planejamento e não seria diferente com o teste A/B. Por isso, é necessário determinar o que se espera com a campanha, para identificar o que realmente precisa ser melhorado.

Por exemplo, mesmo observando um crescimento na taxa de conversão em uma landing page com uma imagem do projeto de stand, a porcentagem resultante não é suficiente para as metas da empresa.

4 – Teste as duas versões ao mesmo tempo

O objetivo do teste A/B é verificar como a audiência reage a um determinado conteúdo/ação de marketing. 

Por isso, para realmente avaliar a eficácia das campanhas, é preciso que os testes sejam feitos simultaneamente para avaliar o comportamento do público em um mesmo período.

Isso porque o contexto pode influenciar os resultados. Em um período de alta procura por sala reunião pequena, mesmo que a landing page tenha poucos recursos imagéticos, ela pode ter uma boa taxa de conversão.

Como medir os resultados dos testes A/B?

A última etapa da aplicação do teste A/B é verificar os resultados da avaliação. Ou seja, é o coração da estratégia, pois a análise dos dados irá orientar o desenvolvimento das próximas campanhas de marketing.

A seguir, veja algumas maneiras de medir os resultados.

1 – Espere o tempo certo

Não é preciso conferir os resultados a cada minuto, logo após a aplicação do teste A/B. Dê tempo ao tempo, pois a avaliação pode demorar dias, dependendo dos objetivos.

No caso específico do tráfego em blogs, o período de incubação do teste é de 15 a 30 dias, para uma significância estatísticas. 

2 – Use apenas uma métrica

Caso a sua empresa não possua uma ferramenta tecnológica para automatizar a avaliação do teste A/B, é preciso lembrar de empregar a mesma “fórmula” na análise de ambas versões, verificando a mesma métrica.

Isso ajuda a comparar melhor cada campanha, sendo possível perceber realmente o que está “certo” ou “errado”.

CRO x teste A/B: quais as diferenças?

Muitas pessoas confundem o teste A/B com uma outra forma de análise, o CRO (Conversion Rate Optimization). De maneira geral, este segundo método é um esforço sistemático para otimização das taxas de conversão de um site.

Ou seja, o CRO considera não só as principais variáveis, mas também outros aspectos, como a arquitetura da informação, o UX Design da página, o copywriting, entre outros.

O objetivo do CRO é aproveitar melhor o tráfego já existente na página, aprimorando a experiência do usuário. Como consequência, o público terá uma visão melhor das campanhas, o que é extremamente importante para aumentar as vendas nas empresas.

Daí a importância de estabelecer um planejamento prévio e objetivos, para evitar o emprego de métodos de análise diferenciados, que podem ter efeitos divergentes, comprometendo a análise.

Conclusão

Se tem uma coisa extremamente vantajosa no marketing digital é a possibilidade de avaliação dos resultados de forma precisa, devido à capacidade de armazenamento e análise de dados de cada uma das campanhas.

Nesse sentido, a realização dos testes A/B é fundamental para perceber quais elementos são capazes de conquistar a atenção do público e, consequentemente, melhorar as taxas de conversão, o tráfego orgânico, entre outras métricas.

O artigo de hoje teve a pretensão de trazer algumas informações sobre a aplicação dos testes A/B, embora a eficácia de análise irá depender diretamente dos objetivos e metas da empresa. 

Por isso, vale a pena investir em um planejamento detalhado e personalizado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.