black friday

Black Friday: Saiba como preparar seu e-commerce

A Black Friday é um grande potencializador de negócios. A data é uma das maiores do mundo para o comércio, e participar dela é importantíssimo para a saúde financeira de sua empresa.

Um empreendimento que trabalha com serviço de motoboy, por exemplo, pode alavancar muito as vendas de seu serviço com uma boa infraestrutura desta data comemorativa.

A origem da Black Friday é antiga, e o termo é uma referência a graves crises no mercado dos Estados Unidos. Esses agravamentos levaram as empresas a baixar seus preços para tentar manter um lucro no mercado, que era aproveitado pelos consumidores.

Surgido na Filadélfia, o evento tornou-se a pouco tempo o maior dia de compras do mundo, ganhando impacto internacional ao se espalhar, gerando a ideia de um dia com grandes descontos por parte do comércio, facilitando o poder de compra das pessoas.

É essencial pensar na Black Friday como uma grande oportunidade de gerar novas conversões e ganhar muitos novos clientes, no entanto, é preciso cautela e atenção para um planejamento adequado que não prejudique seu comércio.

Começando no Brasil em 2010, diversas lojas têm incorporado em seus calendários a data, que normalmente é o dia seguinte ao feriado norte-americano conhecido como “Dia de Ação de Graças”, sendo realizado na última sexta-feira do mês de novembro.

Muitas empresas alugam até mesmo uma estrutura de galpão para dar conta de estocar os itens que serão vendidos na data.

Os valores movimentados anualmente são impressionantes e, hoje em dia, é difícil pensar em não participar da Black Friday, pois o prejuízo pode ser muito grande.

Pensando nisso, neste artigo, apresentamos algumas dicas de como seu negócio deve preparar-se para a Black Friday, bem como algumas dicas para conseguir vender bem nessa data. Acompanhe!

Como se preparar para a Black Friday

Não basta colocar descontos em seus produtos e esperar os clientes chegarem até eles. 

Hoje em dia, uma boa estratégia de marketing é fundamental para o funcionamento de uma empresa, e em datas como essa, é mais importante ainda as ações planejadas.

É ideal possuir um pedestal organizador de fila para colocar na área externa de sua loja física, uma vez que a organização deve ser fundamental durante esse dia.

Muitas empresas já costumam tomar a dianteira e anunciar suas promoções antes da data específica. Isso permite que o consumidor faça as escolhas do que pretende comprar e se programe financeiramente para os gastos.

Esse tipo de ação acaba desenvolvendo um gatilho mental no público-alvo, que começa a criar expectativas para a data.

Promoções que realmente se destaquem têm ainda a possibilidade de expandir sua rede de clientes e alcançar novos consumidores que não tinham acesso a seu nicho.

Para não perder o momento, é interessante que toda a campanha prévia a data da Black Friday seja trabalhada em torno de descontos menores e promoções rápidas, que atraiam o cliente e os façam começar a consumir antes mesmo da sexta-feira.

Logo, no dia, a empresa pode preparar a parte pesada das promoções, fazendo com que as pessoas que estavam acompanhando tenham possibilidade de adquirir muito mais.

Comparar preços com a concorrência é uma estratégia que deve ser realizada o ano inteiro.

Um cliente irá procurar pela internet qualquer produto, até mesmo um colar 7 chakras, para avaliar a diferença de preços e de produção. Por isso, é importante ser honesto e ético com as promoções da Black Friday.

Além disso, é preciso identificar o quão dentro do mercado seus produtos ou serviços estão. Entretanto, vale a pena conferir promoções especiais e descontos de Black Friday que os concorrentes estão sugerindo.

Dessa forma, você pode avaliar a situação e identificar um preço competitivo e agradável ao público, sem perder uma margem de lucro. É fundamental que o preço seja qualificado, entretanto.

Um valor muito baixo para um produto pode levantar dúvidas sobre a qualidade e a segurança do item apresentado, diminuindo as chances de venda. Mantenha-se competitivo, ainda que com preços baixos.

Se você fizer as contas e não conseguir diminuir o preço abaixo de seu concorrente, vale a pena tentar outras formas de conquistar o cliente.

Um desconto ou isenção de frete vale muito nesse tipo de situação, e uma diminuição no tempo de entrega pode ser o diferencial que fechará a compra.

Mesmo em serviços, você pode oferecer, por exemplo, um preço promocional para motoboy contrato mensal, melhorando seu portfólio e ganhando mais clientes.

Tenha seu e-commerce bem estruturado

Além das dicas dadas acima, é importante preparar seu site para a Black Friday é fundamental. Só assim ele alcançará os resultados adequados para a data, com um planejamento estratégico completo e uma ação de marketing contundente.

Garantir o estoque de seus produtos é uma excelente sacada. Estime com base nos resultados de anos anteriores para criar uma estrutura adequada, pensando nos produtos com mais saída e nos destaques de suas divulgações.

Como a maioria das lojas oferecem opções alternativas de frete, busque opções menos custosas e que ofereçam o melhor serviço para o cliente.

Durante esse período, junto das vendas que crescem vertiginosamente, a demanda de atendimento também pode aumentar. Não hesite em contratar funcionários temporários para suprir a necessidade de atendimento.

Por serem pessoas que não estão a muito tempo na empresa, é fundamental que haja uma capacitação boa e qualificada, para não causar nenhum tipo de transtorno no atendimento.

Seus colaboradores devem saber exatamente o que você está vendendo, para uma melhor conversação. Se você está tentando vender bermuda tactel elastano, é preciso compreender o tipo de questionamento que um consumidor fará, por exemplo.

No começo da difusão da Black Friday no Brasil, muitas pessoas tentaram fazer promoções falsas e aplicar golpes no consumidor. Isso gerou uma desconfiança que muitas vezes permanece nos clientes.

Por isso, é de fundamental importância que suas promoções sejam reais e honestas. 

Ofereça opções realmente boas, uma vez que a maioria das pessoas tem buscado em históricos e faz uma publicidade negativa forte em empresas que tentam passar a perna no consumidor o durante o evento.

Dicas para vender bem na Black Friday

O consumidor costuma procurar lojas que tenham descontos especiais durante a época. Por isso, criar uma página exclusiva com todas suas promoções pode ser um excelente meio de atrair mais público.

Coloque seu vinho halberth em destaque para conseguir alcançar mais pessoas com a promoção.

É ideal que a página reflita o evento, usando cores temáticas e várias chamadas para ação (CTAs) que destaquem a qualidade de seus serviços ou produtos e por que aproveitar as promoções que você está fazendo.

Reduzir preços progressivamente também é uma excelente estratégia de venda. Nesse caso, a expectativa é ganhar pela quantidade. Oferecer um desconto de 20% que aumenta progressivamente a cada item adicional comprado pode alavancar muito suas vendas.

Anúncios são fundamentais para melhorar suas vendas durante a Black Friday. Dentre as opções de engajamento, você pode divulgar através de:

  • Rádio e TV;
  • Internet;
  • Redes sociais;
  • Panfletos e outdoors.

Qualquer elemento que possa difundir suas promoções é válido. Aproveite também a ocasião para aumentar seu engajamento em redes sociais, utilizando hashtags e outras ferramentas para que sua publicidade alcance mais pessoas.

Além disso, ganhar novos clientes é ótimo, mas é preciso pensar em vantagens para aqueles que já são fiéis a sua empresa. 

Essas pessoas se engajam com o estabelecimento e seguem consumindo, sendo uma importante figura do desenvolvimento da saúde financeira do empreendimento.

Clientes recorrentes de uma empresa de controle de bens patrimoniais têm grandes chances de contratar mais dos serviços com um preço promocional.

Pensando nisso, o ideal é criar promoções exclusivas para clientes já fidelizados, e havendo a impossibilidade de baixar mais os preços, incentivar o consumo com brindes e outros pequenos agrados que farão o cliente ficar ainda mais próximo da empresa.

Verificar sua infraestrutura também é muito importante nesse período. Se você possui um site de vendas, ele deve ficar hospedado em um servidor. É essencial pensar que esse servidor tem grandes chances de sobrecarregar com o excesso de pessoas acessando.

Para conseguir tirar o melhor proveito dessa data, é imprescindível que o estabelecimento mantenha-se em ordem durante todo o período.

Se seu site fica em uma empresa terceirizada de hospedagem, pode ser interessante avisá-los com antecedência para evitar qualquer tipo de transtorno que possa ser causado durante os dias que antecedem e procedem a Black Friday.

Tão relevante quanto a infraestrutura, são os conceitos de segurança. Em compras online, seus consumidores colocarão dados pessoais e financeiros sob a sua responsabilidade.

Garanta que não haverá nenhum vazamento de dados, para evitar uma situação muito complicada após o evento.

Considerações finais

A criatividade é o elemento chave para se destacar na Black Friday. A maioria das empresas irá oferecer produtos com descontos imbatíveis, então pense fora da caixinha para chamar a atenção do público e converter mais resultados.

Ademais, é essencial lembrar que o sucesso da Black Friday é ótimo, mas ainda trata-se de só um dia de ofertas. Seu trabalho de engajamento e vendas durante esse período pode gerar uma imensa base de apoio de consumidores.

Se investido corretamente, o relacionamento com essas pessoas pode tornar sua empresa ainda maior e melhor.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

frete

Conheça os fatores que influenciam no valor do frete

Muitos fatores podem influenciar o valor do frete cobrado pelas empresas aos clientes quando estes compram com a companhia, e não referem-se apenas à distância ou à localização do destinatário.

Cada empresa transportadora faz o seu próprio cálculo, de acordo com a sua tabela de frete, e para isso considera diversas variáveis. Uma delas é a característica do serviço prestado, que chega a um consenso do quanto será cobrado.

Existe um desafio maior quando diferentes transportadoras prestam serviço para uma mesma empresa. Esta passa a ter que controlar várias tabelas que contemplam cálculos diversos.

Tudo isso dificulta a conferência manual dos valores, no entanto, ainda assim, é essencial mensurar um valor correspondente.

Se não for calculado adequadamente, a empresa pode sofrer prejuízos financeiros, que vão desde a perda de uma venda até a necessidade de arcar com custos que não estavam no orçamento.

Levando tudo isso em conta, conclui-se que é necessário entender por que o frete varia, os fatores que o tornam diferente e como as empresas podem reduzir esses custos, e é exatamente sobre esse assunto que este artigo se trata.

Se você quer entender melhor para buscar outras alternativas e oferecer condições adequadas de frete aos seus clientes, acompanhe a leitura!

Mas, afinal, por que o valor do frete varia?

O valor do frete, às vezes, pode parecer impossível de prever. Para se ter uma ideia, um mesmo destino e carga podem variar até 300% do preço de uma transportadora para outra.

Quando o consumidor se vê diante dessas alterações, muitas vezes acredita que não existe uma regra para esse cálculo, e que tudo não passa de “chutes” das empresas.

A verdade é existem razões plausíveis que fazem com que os serviços de motoboy entrega ou por meio de outros transportes variem bastante, e dentre elas temos:

  • Tipo de veículo utilizado;
  • Taxas e extras;
  • Área de atuação;
  • Insumos;
  • Mão de obra;
  • Lucro.

No tópico a seguir, vamos esmiuçar alguns fatores que podem diferenciar o valor do frete de uma empresa para outra, para você entender melhor.

Fatores que mudam o valor do frete

O consumidor moderno tem optado cada vez mais por comprar tudo o que precisa pela internet. Só que mesmo em vista de sua praticidade, muitas pessoas desistem de um produto por causa da alta taxa de entrega.

Outras pesquisam em várias lojas para ver em qual delas o frete demora menos ou está mais barato, isto é, analisam se o custo-benefício e o valor da entrega é tão relevante quanto o próprio produto.

Só que os valores cobrados para os fretes dependem de muitos fatores, embasados na tabela usada pela empresa de locação de ônibus que faz o serviço. Nesta tabela, são levados em conta fatores como:

1 – Distância entre saída e destino

Quanto mais longe um do outro, mais é preciso arcar com combustível e manutenção. Como resultado, o frete fica mais alto.

Portanto, uma das bases para se ter uma ideia do quanto vai custar essa entrega é ter noção do quanto o endereço de saída está longe do endereço de entrega.

2 – Características do destinatário

Os fretes também costumam ser mais caros em lugares de difícil acesso ou que apresentam algum risco. Obviamente, as transportadoras não querem ter prejuízos, então cobram mais caro de acordo com a periculosidade e as dificuldades.

Algumas vezes, existe a cobrança de uma taxa extra para movimentar cargas, relacionada à gestão de riscos e logística.

3 – Proteção da carga

As empresas de serviço motoboy ou qualquer outra que realiza entregas circulam com cargas que, muitas vezes, são de valor e, por esse motivo, estão sujeitas a riscos como acidentes, roubos e furtos.

Muitas empresas que realizam esse serviço contam com seguro ou realizam viagens com comboio. Portanto, tudo isso influencia no valor cobrado, para que seja possível garantir a proteção das cargas.

4 – Preço da carga

O preço do produto apresentado na nota fiscal também influencia o valor do frete. Isso está diretamente relacionado ao item anterior, uma vez que saber o valor da carga determina o tipo de proteção que ela precisa.

Outros impostos e taxas também levam em conta o preço do produto. Em outras palavras, quanto mais cara for uma mercadoria, mais caro é o seu frete.

5 – Qualidade do trajeto

Se você comprar um espumante importado que custa caro, é responsabilidade da entregadora fazer com que ele chegue até você intacto.

A proteção da embalagem conta, mas existem outros aspectos que garantem a integridade dos produtos e dos transportes usados que pesam no valor do frete e no estado que a mercadoria chega até os clientes.

As condições das vias, como estradas e ruas, da mesma forma compõem o valor da entrega. Se o caminhão precisa atravessar uma estrada em péssimas condições, ele pode ter vários prejuízos, como danos à sua parte mecânica e às mercadorias.

6 – Impostos e tarifas

Existem vários custos que são cobrados das transportadoras para que elas possam circular com mercadorias, como aparelho academia. Alguns exemplos são pedágios e taxas, além de:

  • Taxa de gerenciamento de risco;
  • Taxa de coleta e entrega;
  • Imposto sobre serviço de qualquer natureza;
  • Tarifa mínima;
  • Taxa de restrição ao trânsito.

Além disso, há também o imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS), que é um tributo bastante variável.

7 – Prazo de entrega

O prazo do frete é definido pela empresa e depende de seu fluxo de produção. Mas o cliente pode optar por um prazo menor do que o estipulado, no entanto, vai pagar mais caro.

Ademais, existem dois tipos de entrega: a econômica e a expressa.

8 – Logística reversa e reenvio

Alguns imprevistos podem prejudicar a remessa, o que acaba por aumentar o valor do frete. Exemplos disso são as dificuldades de entrega para o consumidor final, por conta de restrições de horário, se a carga ficar parada, etc.

Outro exemplo é o reenvio porque o produto não pôde ser entregue na primeira tentativa. 

Aqui também entram os custos com logística reversa, que é quando a transportadora precisa recolher um produto, como creme para cabelo cacheado para trocas ou devoluções.

9 – Peso e cubagem

Cubagem é o espaço que a mercadoria vai ocupar dentro do veículo; o peso, por sua vez, influencia no desgaste dos pneus e o quanto de combustível será necessário.

Levando essas informações em conta, muitas transportadoras consideram a cobrança do frete por quilo movimentado. O valor também pode considerar a comparação entre peso bruto e cubado.

Para isso, é feita a multiplicação das dimensões da embalagem por um fator determinado, usando a maior para fazer o cálculo.

A intenção é tornar a cobrança mais justa, principalmente quando a mercadoria é leve e volumosa, ocupando o lugar de outras cargas, como os materiais usados por um chaveiro mais próximo.

Como reduzir os custos do frete?

O valor do frete pode influenciar na decisão de compra do cliente, o que significa que ele pode desistir. Para evitar situações como essa, as empresas podem recorrer a algumas estratégias que reduzem o valor do frete.

Uma delas é o frete grátis, uma das melhores ações para atrair e fidelizar clientes, e que também aumenta muito as vendas.

Só que para optar por essa ação é preciso elevar um pouco o custo dos produtos para cobrir o valor total da entrega ou parte dela.

Da mesma forma, se uma revenda de botijão de gás 13kg quiser, pode manter o preço original dos produtos e arcar com as despesas do frete. Só que isso precisa ser feito de modo organizado e sem prejudicar a receita da empresa.

Outra opção é o frete subsidiado, em que o valor é dividido entre a empresa e o cliente, o que traz benefícios para ambos os lados.

Além de possibilitar que o cliente pague menos pela entrega do que seus concorrentes, ele ainda pode ter acesso a um produto mais em conta.

Outra possibilidade muito aplicada é a isenção ou desconto no frete acima de um valor estipulado. Essa estratégia atrai os consumidores e os faz comprar mais para conseguir o desconto da entrega.

Mais uma opção parecida é oferecer frete grátis para clientes VIPs, ou seja, que já compraram outras vezes. Isso atrai a atenção dos consumidores, facilitando as vendas e a fidelização.

Conclusão

Receber um produto em casa é sinônimo de conforto, praticidade e segurança, no entanto, ainda assim, algumas pessoas se assustam com o preço dessa facilidade.

Mas uma coisa é fato: é preciso compreender bem o frete, pois as compras online estão cada vez mais comuns. Se o seu negócio não compreender bem como funciona essa cobrança, vai perder boas oportunidades de venda.

Cada vez mais os serviços de entrega serão parte do dia a dia das organizações, e quanto mais íntimo você estiver dele, melhor.

Além de poder trabalhar melhor com esse serviço, você saberá encontrar maneiras de abrandar seus custos e atrair mais clientes pelo valor da entrega.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

dropshipping

Dropshipping: saiba o que é e como funciona

Que a internet trouxe uma série de possibilidades de atuação para as empresas, disso ninguém duvida. Entre elas é importante mencionar o Dropshipping, que se mostra uma alternativa bastante interessante para o crescimento de um negócio. 

O número de empresários que aposta em uma atuação online vem crescendo constantemente. Isso porque além de ser um formato mais fácil de administrar, ele exige menores investimentos para a operação e manutenção da empresa. 

Assim, é cada vez mais comum encontrar lojas online de diferentes segmentos, como os e-commerces de venda de calçados ou de carpete em rolo. Tudo isso ocorre graças ao auxílio da tecnologia e da simplicidade dos processos de compra virtuais. 

Mas é muito comum que algumas pessoas que pensem em abrir um negócio digital tenham dúvidas e receios sobre o investimento, imaginando que seja preciso juntar um montante alto de dinheiro, principalmente para abrir uma plataforma e comprar o seu estoque. 

De fato, essa é uma necessidade para que qualquer loja física possa funcionar, mas ela não é a única alternativa para quem deseja construir um e-commerce.

O modelo de negócio Dropshipping veio justamente para isso: possibilitar a abertura de uma loja virtual para quem quer vender na internet, mas possui limitações financeiras para comprar grandes quantidades de produtos. 

Sendo assim, quem antes tinha uma desculpa para não empreender no mundo virtual pode hoje aproveitar essa facilidade para começar o quanto antes. 

Grandes plataformas do mercado já atuam nesse formato. Afinal, além de beneficiar os seus negócios, há vantagens também para os pequenos empresários que desejam crescer e que podem desfrutar do tráfego desses sites para conseguir resultados mais rápidos. 

Se você já ouviu falar em Dropshipping ou se ainda não conhece mas se interessou por essa alternativa, este artigo pode ajudar a esclarecer melhor o tema, dando o suporte necessário para quem quer investir nesse tipo de negócio. 

Por isso, siga na leitura deste conteúdo e entenda como utilizar o Dropshipping para abrir e manter um e-commerce lucrativo com maior facilidade. 

O que é Dropshipping?

A internet comporta uma série de possibilidades para quem deseja trabalhar com aluguel de empilhadeira ou com a venda de artigos esportivos, de modo que abrir um site para atuar nesse espaço se torna cada dia mais simples. 

O Dropshipping é um exemplo claro disso: hoje, você não precisa ter um estoque de produtos no seu estabelecimento físico para poder receber pedidos e ter um faturamento interessante. 

O formato vem ganhando cada vez mais adeptos, inclusive grandes magazines do Brasil e do mundo aproveitam da facilidade do Dropshipping para vender mais, atuar em diferentes regiões e conquistar os seus potenciais clientes. 

Para dar início ao novo negócio, é necessário buscar por fornecedores, chamados de parceiros Dropshipping, que ficam responsáveis pelo despacho e entrega das encomendas. 

Assim, após receber o pedido de uma escada andaime, por exemplo, o e-commerce envia a solicitação para o seu parceiro, que vai preparar o pacote e fazer o envio para o cliente. 

Essa alternativa de trabalho tornou possível a abertura de várias lojas virtuais, permitindo que o mercado fosse aquecido e que muitas pessoas descobrissem uma nova forma de ganhar dinheiro sem que fosse necessário investir altas quantias com espaço e estoque. 

As vantagens do Dropshipping

Depois de entender o que é o Dropshipping, é interessante conhecer algumas das principais vantagens de atuar nesse formato de negócio, conseguindo assim abrir uma loja online e ter sucesso no mundo virtual. 

1. Menor investimento inicial

Se para abrir um e-commerce de semijoias alianças era necessário ter uma boa quantia financeira para comprar produtos, com o Dropshipping isso não é preciso. 

Afinal, todo artigo vendido na loja é enviado por um fornecedor, que ficar responsável por separar e preparar o pacote e despachá-lo para o cliente. 

Esse benefício ainda pode ser sentido no aluguel de um espaço físico para o armazenamento de itens, de modo que quem abre um e-commerce para trabalhar com Dropshipping pode fazer isso sem precisar de um endereço comercial. 

Outro ponto interessante é a economia com mão de obra. Quem trabalha com van fretamento, por exemplo, depende de uma equipe completa de motoristas para atuar. No formato Dropshipping, isso também não é necessário. 

2. Facilidade para abrir o negócio

A abertura e a administração de um e-commerce por Dropshipping é bastante simplificada, o que agiliza o início de qualquer negócio. 

Sendo assim, é uma alternativa prática e funcional para quem quer trabalhar de modo autônomo rapidamente. 

3. Maior variedade de produtos

Quem deseja abrir uma loja online para vender diferentes tipos de artigos, que podem ser desde um ferro de passar profissional até itens de alimentação, pode apostar no Dropshipping para se beneficiar. 

Para tanto, será necessário encontrar bons fornecedores em segmentos distintos, sempre se preocupando em selecionar aqueles que trabalham com produtos de qualidade e que são bem avaliados no mercado. 

Dessa forma, o e-commerce pode ter uma abrangência muito maior, impactando clientes com diferentes perfis e necessidades. 

4. Crescimento simplificado

Em geral, quanto uma empresa deseja crescer ela precisa considerar uma série de fatores, tais como a locação de novos espaços físicos ou a contratação e treinamento de novos colaboradores.

No Dropshipping isso pode ser dispensável. Afinal, todo o controle pode ser feito por um sistema, e o estoque nunca será um problema para a empresa. 

Nesse sentido, o desenvolvimento do negócio se torna muito mais simples e eficaz, trazendo retornos interessantes para quem deseja atuar nesse formato de trabalho. 

Essas são algumas das vantagens de começar um e-commerce tendo como base o Dropshipping, permitindo que a empresa alcance bons resultados em pouco tempo. 

O que considerar antes de começar com essa prática?

Atuar com Dropshipping facilita bastante o processo de quem quer ter um negócio virtual de modo descomplicado. Mas antes de começar com essa prática, é fundamental considerar alguns aspectos para evitar surpresas posteriores. 

Um dos pontos fundamentais é ter um bom relacionamento com os seus parceiros. Isso porque a satisfação e a boa avaliação dos seus clientes dependem de uma entrega eficiente e de produtos de qualidade.

Por isso, saber selecionar de maneira criteriosa os fornecedores do seu negócio, verificando se eles possuem uma boa estrutura de entrega expressa transportadora é essencial para o crescimento da sua empresa. 

Além disso, é necessário que o seu catálogo de produtos esteja sempre atualizado com o dos fornecedores, evitando o risco de fazer a venda de itens que não estão disponíveis no parceiro. 

Esse cuidado evita frustração e devolução de valores, sendo que esses elementos podem trazer feedbacks negativos dos seus compradores. 

Também vale mencionar que é indispensável ouvir os seus clientes, entendendo o que eles querem encontrar na sua loja virtual. 

Sendo assim, criar um canal de relacionamento com os consumidores é essencial para colher sugestões e para ampliar o seu negócio, de modo que seja possível obter um crescimento interessante e a fidelização do público. 

Por fim, uma dica estratégica para ajudar na visibilidade do seu e-commerce é investir em marketing digital, criando campanhas de publicidade eficazes e que tragam cada vez mais clientes para o seu negócio. 

Ao tomar esses cuidados, o Dropshipping sem dúvida será um sucesso na sua jornada, garantindo que o seu site se torne uma referência na internet. 

Os resultados esperados com o Dropshipping

Quem decide atuar com vendas virtuais, seja para comercializar etiqueta adesiva grande ou produtos de limpeza, deseja que o seu e-commerce possa crescer e atingir bons resultados. 

Dessa maneira, entender como funciona o Dropshipping e saber utilizá-lo a favor do crescimento do seu site é a melhor forma de conquistar o retorno que se espera. 

Depois de conhecer bem o mercado, pesquisar fornecedores bem avaliados e investir em um atendimento ao cliente de excelência, certamente a loja virtual poderá crescer sem dificuldades ou limitações. 

Nesse processo, saber como cuidar da usabilidade e navegabilidade da sua página é a melhor maneira de fazer com que os visitantes do seu site queiram fazer compras e que recomendem a plataforma para os seus amigos. 

Ao mesmo tempo, ter uma central de relacionamento ágil e empenhada em resolver dúvidas e oferecer soluções para o público é parte importante de qualquer loja virtual.

Por fim, construir uma ponte de comunicação eficiente com os parceiros Dropshipping é o segredo para montar uma base sólida nesse formato de trabalho, de maneira que se possa conquistar bons desempenhos na sua empresa. 

Sendo assim, se você já estava considerando o Dropshipping como uma possibilidade interessante de montar o seu próprio negócio, certamente esse conteúdo ajudou no esclarecimento de algumas dúvidas. 

Então, não deixe de investir nos pontos abordados acima e tenha a tranquilidade de atingir bons resultados no seu negócio virtual.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

e-commerce

5 dicas para melhorar a entrega de produtos do seu e-commerce

A entrega de produtos comprados pela internet é de grande responsabilidade de de um e-commerce, sendo um dos momentos mais aguardados e importantes para os consumidores modernos, uma vez que a maioria das compras, hoje em dia, é feita online.

Só que pode ser uma grande decepção se o produto atrasa ou vem danificado, e isso pode prejudicar a imagem do seu negócio.

As plataformas e-commerce ganharam destaque nos últimos meses, especialmente durante a pandemia, quando as pessoas começaram a comprar ainda mais pela internet devido o isolamento social.

Só que para se manter competitivo no mercado e ter condições de enfrentar a concorrência, é preciso ir além de bom preço, bem como se atentar à qualidade dos serviços prestados.  

Muitas pessoas preferem pagar mais caro apenas por saberem que determinada loja entrega mais rápido, mesmo que o valor do frete também seja mais alto. No entanto, quem vende pela internet não tem como fugir dessa questão.

Melhorar a entrega é como aprimorar o negócio como um todo, afinal, ele passa a ser visto com bons olhos pelos consumidores.

Pensando em tamanha importância, neste artigo, vamos falar sobre a importância da etapa de entrega, dar dicas para melhorá-la e mostrar os impactos que ela pode trazer para o e-commerce. Acompanhe!

Importância da etapa de entrega para o e-commerce

Uma empresa online de sucesso deve levar em conta diversos fatores, que vão desde a qualidade do produto ou serviço oferecido, atendimento de valor e o momento em que a compra chega na casa do cliente.

A entrega é um fator de peso, uma vez que é essa etapa que vai determinar se o cliente voltará ou não a comprar daquele e-commerce.

Muitas lojas online possuem seu próprio setor de entrega, no entanto, ele demanda um gasto muito maior, inacessível para a maioria, como ter a própria frota.

Os pequenos negócios não saem prejudicados nisso, pois podem contar com alternativas como transportadora cargas pequenas.

Ao terceirizar esse serviço, muito tempo e dinheiro é poupado, ao mesmo tempo em que a empresa consegue alcançar um público ainda maior.

Isso porque as empresas que se dedicam a esse trabalho visam suprir as necessidades das lojas virtuais e de seus clientes ao mesmo tempo.

Esses e-commerces entendem que o produto não fala por si só, pois é possível encontrar o mesmo item, pelo mesmo preço, mas em uma loja que faça uma entrega melhor e mais rápida.

Quem faz uma compra é porque deseja aquele determinado produto, e a mesma situação acontece com os consumidores que compram pela internet. A diferença é que esse público preza pelo conforto e comodidade que só os e-commerces podem oferecer.

Comprar de casa, a qualquer horário do dia ou da noite, por um preço muito mais acessível e com uma entrega rápida feita por serviço de motofrete é o que tem levado os consumidores e preferir essa modalidade.

Inclusive, isso tem chamado a atenção de lojistas que estão estendendo seus espaços para a internet, a fim de entrar nesse mercado cada vez mais promissor.

Só que, para se diferenciarem da concorrência, precisam investir na etapa que mais pesa: a entrega.

Por isso, quem entrega mais rápido conquista mais clientes e um espaço maior no mercado, transmitindo imagem de confiança. Mas de que maneira isso pode ser feito? É o que veremos no próximo tópico.

Dicas para fazer uma boa entrega

As plataformas e-commerce trabalham com vendas 100% virtuais. O cliente não pode tocar ou ver o produto pessoalmente até que ele chegue em sua casa, por isso, a expectativa da entrega é tão grande.

Não é como esperar a entrega de remédio que estamos habituados a consumir; é uma espera ansiosa por algo que desejamos.

O momento da entrega da compra é quando a experiência do consumidor finalmente é concretizada. Mesmo que o site da sua loja seja espetacular e ofereça a melhor usabilidade, nada se compara à ocasião em que o cliente recebe o que comprou.

Qualquer erro na entrega pode frustrar o cliente, como um sapato para um casamento que chegou em tamanho errado ou somente após o evento, um objeto que veio com defeito,  entre outras situações que podem desanimar as pessoas que compram pela internet.

Para evitar tudo isso, é preciso investir em soluções que melhorem a entrega do seu e-commerce, tais como:

1. Caprichar na embalagem

A embalagem faz toda a diferença. Por isso, ela deve ser valorizada sendo, além de bonita, resistente contra possíveis impactos que o produto possa sofrer.

Lembrando que quanto mais frágil for o item, mais importante é a embalagem para entrega dele. Você pode até usar sacolas de papel artesanal e plásticos bola, desde que tudo esteja seguro e protegido. Dentre os que mais precisam de proteção são:

  • Vidros;
  • Eletroeletrônicos;
  • Brinquedos;
  • Joias;
  • Móveis.

Todos devem chegar em bom estado para o consumidor, portanto, é papel do vendedor classificar a sua necessidade.  

2. Disponibilizar o rastreio no e-commerce

Se uma gráfica recebeu um grande pedido de impressão de calendário de mesa, sabe que seu cliente gostaria de acompanhar a entrega do produto.

A mesma situação acontece com uma plataforma e-commerce que, aliás, deixam os consumidores bastante ansiosos e até preocupados com o andamento da entrega.

Ao invés de o seu SAC responder às dúvidas deles, que tal oferecer o código de rastreio para o cliente? Várias modalidades de entrega o disponibilizam por meio do e-mail ou até mensagens SMS e, assim, o cliente pode acompanhar sua compra com mais tranquilidade.

3. Entregar o quanto antes

O tempo de entrega é o fato mais importante desse processo. Boa parte dos consumidores, inclusive, paga mais caro para receber o produto o quanto antes.

Uma nova modalidade está crescendo no Brasil, conhecida como “same-day delivery”, que em tradução livre seria “entrega no mesmo dia”.

É mais comum em grandes centros urbanos, próximos a distribuidoras e em compras de produto de maior giro. Caso sua loja online ainda não possa fazer esse tipo de entrega, vale negociar prazos com as transportadoras.

Assim como você escolhe aquelas que usam plástico bolha para mudança para proteger o produto, pode escolher uma que trabalhe com prazos menores.

4. Cumprir os prazos

O cliente fica mais insatisfeito com entregas fora do prazo do que com entregas que demoram, mas ainda estão dentro do período previsto. Não garanta um tempo curto se o seu negócio não é capaz de fazer isso.

Respeitar o prazo é ter respeito com os planos do comprador, como no exemplo do sapato que mencionamos acima. Se alguém precisa dele para o casamento, não é interessante que ele chegue depois.

O ideal é dar a garantia de um tempo longo para entrega e surpreender seu cliente entregando o produto bem antes, do que tentar promessas que você não pode cumprir.

5. Oferecer modalidades diferentes

As plataformas e-commerce podem usar diferentes modalidades de entrega, que vão além das disponibilizadas pelos serviços postais.

Pequenos e médios negócios podem ter sua demanda atendida por eles, mas para quem tem um número alto de vendas, contar com transportadoras privadas é uma necessidade.

Se você vai fazer uma entrega próxima, pode usar meios como as bicicletas. Inclusive, existem empresas especializadas nesse tipo de transporte.

Caso também conte com uma loja física, pode oferecer ao cliente a compra pelo site e a retirada na loja, como costumamos ver.

Um serviço de motoboy terceirizado também pode agilizar etapa e deixar o seu cliente ainda mais satisfeito.

Combinar várias soluções deixa os consumidores mais confortáveis e seguros e ainda pode ser mais econômico, uma vez que seu negócio pode empregar o tipo de entrega de acordo com o local e o produto.

Impactos positivos no e-commerce

Uma boa entrega vai impactar positivamente o e-commerce, primeiro mostrando ao consumidor que ele pode confiar na empresa.

A confiança é um fator muito importante e melhora a imagem do negócio. Ter uma boa imagem é necessário tanto para uma empresa de automação corporativa, quanto para qualquer e-commerce. Ele torna-se essencial.

Algumas pessoas ainda se sentem inseguras ao comprar pela internet, mas se você tem uma boa imagem, consegue atraí-las e fazer com que se sintam mais à vontade para consumir em seu estabelecimento.

Por fim, se o cliente recebe o que adquiriu com rapidez e segurança, vai comprar mais vezes, pois ele sabe que os produtos sempre chegarão dentro do prazo combinado.

É importante fidelizar o cliente para que ele compre mais vezes e cada vez mais. Em períodos sazonais como o Natal, por exemplo, ele pode até mesmo indicar a sua loja para amigos e familiares.

Conclusão

As vendas pela internet têm crescido muito, e a tendência é que as pessoas migrem de vez para esse gênero. Sendo assim, é fundamental ter diferenciais que destaquem a sua loja virtual das demais.

Uma das melhores estratégias para fazer isso é melhorando as entregas, que são o ponto mais importante para qualquer consumidor.

Quem tem uma entrega rápida e segura, torna-se preferência entre os compradores e atrai cada vez mais pessoas.

Com as dicas que demos aqui, certamente seu e-commerce vai se destacar nesse processo e estar entre os preferidos dos consumidores. Afinal, garantir uma boa entrega é investir na imagem e no crescimento do seu negócio.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

tail

Long Tail e Head Tail: saiba os diferentes tipos de palavras-chave

Palavras-chave Long Tail e Head Tail estão presentes nas estratégias de marketing digital de empresas no mundo todo. São compostas por uma ou mais palavras e dizem respeito aos termos que as pessoas mais usam para fazer pesquisas.

Esses tipos de palavras-chave são usadas em buscadores como o Google, sendo fundamental entender bem sobre elas para saber aplicá-las. 

É especialmente importante abordar sobre as long e head tails quando começamos a elaborar um planejamento de estratégias em SEO (Search Engine Optimization, ou otimização para mecanismos de busca).

Não dá para fazer SEO sem as palavras-chave e sem saber usá-las, uma vez que são elas que vão otimizar um texto e fazer com que ele seja encontrado mais facilmente pelos usuários, quando estes realizarem uma pesquisa.

De maneira resumida, trata-se, nada mais nada menos, do que a maneira que o usuário escreve sua dúvida no Google.

É dessa forma que o buscador pretende esclarecer suas dúvidas para você obter as respostas que deseja. No entanto, esses termos também norteiam as ações no momento de criar posts, blogs e sites.

Por isso, neste artigo, vamos explicar a importância das palavra-chaves, como elas influenciam as estratégias de SEO, além de abordar sobre os seus dois principais tipos: long tail e head tail. Acompanhe a leitura!

Importância da escolha da palavra-chave

O marketing digital já predomina os esforços das empresas para divulgar sua marca, produtos e serviços na internet, uma vez que o ambiente online faz parte do dia a dia das pessoas em muitos momentos.

Se a maioria dos indivíduos estão conectados, logo os clientes de qualquer negócio estarão lá, como uma joalheria que venda anel de compromisso folheado a ouro.

É preciso que as empresas também marquem essa presença online, mas somente “estar” não é o suficiente; é preciso usar algumas estratégias e técnicas bem elaboradas.

Devemos pensar como usuários da internet para tomar algumas decisões. Por exemplo, quando queremos esclarecer uma dúvida, qual o primeiro lugar que pensamos em pesquisar? Certamente, no Google.

Pode até ser que você tenha outras fontes, mas o Google é a porta de entrada para a pesquisa de diversos assuntos na internet, até mesmo no acesso pelos computadores convencionais.

O Google recebe cerca de 100 bilhões de pesquisas por mês, o que significa que muitas pessoas estão pesquisando sobre variados temas mensalmente. É essencial que as empresas estejam entre os resultados que os usuários vão obter a cada pesquisa.

A razão é óbvia, e podemos usar como exemplo uma empresa de segurança bancária que aparecer entre os resultados de pesquisa de um usuário. Com isso, ela tem muito mais chances de atraí-lo e conquistá-lo como cliente.

É aqui que mora a importância de escolher bem a palavra-chave que será usada em uma estratégia, afinal, é por meio dela que o cliente ou potencial cliente (lead) vai ou não encontrar o seu negócio nos resultados.

No entanto, existem milhares de concorrentes lutando por uma boa posição do Google, por isso é necessário saber quais os termos ideais a serem usados em seus conteúdos. Isso significa que mais do que escolher, é importante pesquisar com calma as palavras-chave.

Essa ação envolve um estudo bem detalhado, conhecimento de público e outras ações importantes, principalmente porque esses termos influenciam diretamente nas estratégias de SEO.

Seu objetivo é otimizar o site e colocar a página em uma boa posição no ranking de resultados. Logo, se uma pessoa pesquisou sobre empresa de escavação, as empresas que fizeram boas escolhas de palavras-chave tendem a aparecer nas primeiras posições.

Nem sempre é uma tarefa fácil, uma vez que muitos acreditam que os termos usados devem ser aqueles que as pessoas mais pesquisam, mas é necessário pensar que a maioria das empresas também podem estar usando as mesmas opções de palavras.

O ideal é escolher as palavras-chave que melhor se encaixam no conteúdo e que realmente descrevam o que tem nele.

Tipos de palavras-chave

Existem dois tipos muito usados de palavra-chave, como mencionamos no início deste conteúdo. Vamos explicar um pouco sobre cada um desses modelos a seguir.

Long tail

O primeiro tipo de palavras-chave é o que chamamos de long tail. Ela ajuda a melhorar as ações em marketing de conteúdo, aumentando o tráfego e atraindo visitantes qualificados.

Trata-se de um termo mais pontual, que atende a uma demanda específica do usuário. Traduzindo para o português, seu nome quer dizer “cauda longa”, e possui quatro ou mais termos em sua estrutura.

Portanto, é destinada a uma pesquisa mais específica. Um exemplo disso é uma pessoa que pesquise algo como “creme rejuvenescedor e clareador em Campinas”. Note que ela procura um creme exclusivo em uma cidade específica.

No entanto, se essa mesma pessoa digitar “creme” no Google, ela ter diversos resultados diferentes como resposta. Em outras palavras, as palavras-chave long tail fornecem resultados mais direcionados.

Usar esse tipo de termo é muito importante para as empresas, pois ele traz vantagens como:

  • Facilitar conversão;
  • Melhor custo-benefício;
  • Clientes mais qualificados;
  • Baixas taxas de rejeição;
  • Aumento do tráfego.

As palavras de cauda longa devem ser usadas frequentemente, pois quanto mais a empresa é específica em seus conteúdos, mais fácil ela aparecerá nos resultados do Google.

É importante ser bastante direcionado, por exemplo: uma farmácia de manipulação pode escolher o termo “shampoo manipulado para oleosidade” em seus conteúdos, pois trata-se de um assunto pontual, que apenas pessoas específicas irão pesquisar.

Para usar uma long tail do jeito certo, também é importante escolher com cuidado o assunto que será abordado. Muitos temas podem tratar um assunto com uma palavra-chave de cauda longa, por isso, o segredo é produzir vários, mas bem direcionados.

Esse tipo de termo também pode ser aplicado em qualquer etapa do funil, mas é preciso ter habilidade em seu uso, além de planejar bem o conteúdo.

Head tail

Além das long tail, também existem as head tail, que dizem respeito a termos mais gerais de busca. Trata-se de uma única palavra que tem como intuito responder a uma pergunta.

Por exemplo, uma clínica para tratamentos na coluna pode usar a palavra “shiatsu nas costas” como tema central de seu blog, caso esta seja sua especialidade.

São termos menores e com alto volume de busca, o que significa que há muitas pessoas pesquisando ao mesmo tempo, o que exige um planejamento estratégico para usá-los.

Essas palavras também são importantes para as estratégias, uma vez que elas conseguem impactar um número maior de usuários. As head tail também complementam as ações com as palavras de cauda longa, por isso, recomenda-se seu uso junto à elas.

Como resultado, as head tails atraem pessoas que tenham um perfil compatível com os produtos ou serviços oferecidos pela marca.

Essas palavras-chave devem ser usadas também porque nem sempre o tema específico do conteúdo será pesquisado.

Por exemplo, se uma gráfica criou um conteúdo sobre “quando solicitar uma impressão digital em cores em papel transparente”, poucas pessoas usarão o termo, mas muitas podem pesquisar somente “impressão digital colorida”.

Esse exemplo de head tail vai fazer com que mais pessoas cheguem até aquele conteúdo que usa uma long tail como tema central de seu conteúdo. Ou seja, uma complementa a outra.

Nem sempre as pautas de atração são o foco dos materiais feitos pelas marcas. No caso do funil de vendas, por exemplo, é importante produzir conteúdos de decisão e consideração.

O tema central não é algo muito procurado, pois o consumidor sabe que tem um problema, mas não sabe qual solução aplicar.

Vamos pensar, por exemplo, em uma mulher que está em sua primeira gravidez. É natural que ela busque informações sobre tudo o que diz respeito a sua nova condição, o que inclui roupas.

Uma confecção terá conteúdos mais específicos, como calça jeans com elástico na cintura, um tipo de vestimenta ideal para as gestantes. Mas não é usando esse termo que ela vai fisgar a grávida.

Isso porque a mulher ainda não sabe que sentirá falta de usar um jeans quando a barriga estiver maior. Portanto, ela vai pesquisar termos como “roupas para gestantes”; “calça jeans grávida”, entre outros.

Portanto, se a confecção em questão quiser atrair esse público mais inexperiente, terá que usar termos mais gerais, como as head tail.

Outro exemplo disso é uma pessoa que acabou de adotar um filhote e precisa dar a primeira vacina no animal. Dificilmente ela procurará informações como “veterinário vacina importada primeira dose”, mas sim algo mais abrange como “clínica veterinária 24hrs”.

Conclusão

As palavras-chave são determinantes para fazer com que as páginas de um blog ou site apareçam entre os primeiros resultados de uma pesquisa. Só que é preciso saber usá-las e conhecer os seus diferentes tipos.

Neste artigo, você aprendeu sobre as palavras de cauda longa e as head tails, bem como quando cada uma deve ser usada. Assim, fica mais fácil criar conteúdos que estejam de acordo com as pesquisas do público-alvo e os mecanismos do Google.

Desse modo, os clientes e potenciais clientes tomam conhecimento dos produtos, serviços e soluções que a marca tem a oferecer, independentemente do nível de conhecimento do consumidor e da especificação do termo usado pela marca.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

shutterstock_580499569

5 fatores que influenciam a decisão de compra do consumidor no e-commerce

Quem deseja abrir um e-commerce precisa estudar de maneira aprofundada sobre o nicho em que vai atuar e, além disso, conhecer os Fatores de decisão de compra dos usuários, sabendo o que deve priorizar na loja virtual. 

É cada vez mais comum que os empresários decidam ampliar os seus negócios, atuando no mundo virtual. Há, inclusive, aqueles que enxergam o potencial da internet e acabam por decidir pela abertura de um e-commerce sem ter um estabelecimento físico.

Mesmo que uma empresa que já faz atendimento presencial queira investir em uma loja virtual, é essencial conhecer o perfil do consumidor desses dois meios de compra, principalmente porque eles não são exatamente iguais.

Pode ser que uma pessoa que deseja adquirir um anel diamante grande não queria fazer um pedido online por não conseguir visualizar o produto de perto, enquanto um consumidor que tenha pouco tempo prefira comprar pelo site para receber em casa. 

Sendo assim, entender os fatores que influenciam na decisão de compra do cliente é essencial para desenvolver um trabalho de vendas assertivo, e que traga os retornos desejados. 

Para ajudar nesse processo, este conteúdo traz os principais elementos que interferem no momento da compra, de forma que entendê-los melhor pode fazer toda a diferença no sucesso do seu e-commerce. 

Então, siga na leitura para conhecer melhor o mercado e saber no que é preciso investir para garantir o sucesso da sua loja virtual.

Compra online ou virtual: o que influencia nesse momento?

Quando um cliente precisa comprar um porta celular acrílico, ele possui duas opções principais de compra: ir até o endereço físico de uma loja ou acessar a internet e encontrar um e-commerce. 

Para saber qual dessas alternativas seguir, é comum que o comprador considere os prós e os contras, tanto no formato presencial, quanto no online. 

Já existem diversas pesquisas que mostram informações relevantes sobre o cenário, de modo que o empresário pode ter acesso a dados que o ajudem a tomar decisões mais assertivas para guiar o seu negócio. 

Segundo o relatório Think with Google de 2018, 63% das experiências com compras começam na internet. Assim, mesmo que o cliente decida fechar negócio em uma loja física, a busca dele começou em sites ou blogs. 

Além disso, a plataforma Episerver fez um levantamento onde constatou que 62% dos entrevistados afirmaram fazer compras virtuais todos os meses. 

Dessa maneira, é preciso entender que alguns pontos podem influenciar no processo que o cliente passa até optar pela ida até um estabelecimento ou pegar o celular do bolso e efetuar a encomenda online de um banner informativo, por exemplo. Eles podem ser:

  • O preço dos produtos;
  • A urgência;
  • A comodidade;
  • A experiência com a marca.

Um dos fatores mais importantes no momento da compra é o preço do produto. Assim, se a loja física oferece bons descontos, ela pode ser escolhida em detrimento de um e-commerce com valores mais altos, e vice-versa.

Outro ponto essencial é a urgência que o consumidor possui em ter o item em mãos. Quando não há uma emergência, o pedido virtual pode atender as necessidades tranquilamente, mesmo que demore alguns dias para chegar. 

A comodidade é mais um elemento de peso na decisão. Se o comprador possui fácil acesso ou mora próximo de um estabelecimento, ele acaba por comparecer no local. 

Mas, caso o produto não seja fácil de encontrar nas proximidades, a encomenda virtual se torna a melhor opção. 

Por fim, é importante mencionar a experiência positiva que ele teve com a marca. Se ao alugar um estúdio para ensaio ele foi bem atendido pela empresa, certamente se fideliza ao estabelecimento. 

Mas, se a expectativa do cliente não for atendida, ele busca novas opções, que podem ser tanto presenciais quanto virtuais. 

Ter em mente esses pontos relevantes na decisão de compra do cliente pode ser essencial para que você aprimore os processos do seu e-commerce e consiga conquistar o seu público de maneira muito mais simples e eficaz. 

O que motiva o cliente a fazer compras online?

Depois de conhecer o cenário entre os negócios físicos e virtuais, é possível ter um maior conhecimento sobre quais itens devem ser bem trabalhados na sua marca, para que ela possa ser vista pelos consumidores. 

Ao mesmo tempo, é essencial saber o que faz com que o cliente prefira comprar etiquetas adesivas personalizadas na internet em vez de ter que ir até um estabelecimento físico. 

1. O custo do frete

Um dos fatores que pesa na decisão do cliente em uma compra online é o preço do envio que, a depender da localidade, pode não ser vantajoso para o comprador. 

De acordo com a plataforma Statista, 63% dos consumidores virtuais abandona o carrinho de compras ao ser impactado por um preço elevado de despacho. 

Não à toa, grandes lojas virtuais buscam serviços de logística que possam diminuir os custos de envio, sendo que algumas delas preferem até mesmo oferecer o frete grátis para conquistar a preferência do público. 

2. As formas de pagamento

Seja para comprar um notebook ou para pedir um tempero tandoori pela internet, o cliente busca opções para realizar o pagamento, de forma que esse é um fator de peso na escolha pela compra em um determinado site. 

Sendo assim, se você deseja que a sua loja seja a melhor alternativa para quem quer fazer um pedido virtual, não deixe de oferecer a quitação do pedido por cartão de crédito ou débito, boleto bancário, transferência virtual, depósito em conta, etc.

Isso porque quando um site possui poucas opções de pagamento e o cliente que não tiver como pagar com as formas que a plataforma disponibiliza, certamente ele sairá da página e deixará de concluir o pedido. 

Dessa maneira, é essencial construir uma loja virtual bastante variada em termos de formatos de pagamento. 

3. A usabilidade do site

As compras virtuais devem ser sempre descomplicadas e práticas para o cliente, seja para adquirir uma pulseira berloque prata fina ou pedir uma capa para sofá. 

Afinal, mesmo que muitas pessoas já tenham aderido às compras online, entrar em um site que não é claro ou que é pouco funcional faz com que o consumidor acabe desistindo do pedido. 

Por isso, é essencial criar páginas para vender os produtos que tenham uma boa descrição, que ofereçam um campo para cálculo de frete e um processo de pagamento rápido e enxuto. 

Com essas características, é possível que o cliente se sinta mais confortável para efetuar a compra, sem ficar cheio de dúvidas em relação ao caminho a seguir até o pagamento do item. 

4. O processo de troca

Alguns segmentos, como os de roupas e calçados, podem ter desafios em relação ao processo de venda virtual. Isso porque o cliente pode acabar solicitando uma peça com tamanho errado, o que exigirá a troca do produto. 

Dessa forma, desenvolver um processo de troca descomplicado, que ajude o comprador a não se sentir lesado ou prejudicado ao receber um item que precisará ser substituído, é um meio eficaz de fidelizar e de amparar o comprador em uma situação inesperada. 

Para contornar essa dificuldade, é importante investir em ações que evitem a confusão do cliente no momento da compra. 

Na venda um anel de formatura folheado a ouro, por exemplo é essencial colocar uma tabela com o diâmetro e com a medida em centímetros, o que possibilita que o consumidor possa verificar esse dado antes de confirmar o pedido. 

Com sapatos e peças de roupas a dica é a mesma: evite apenas mencionar tamanhos P, M e G, sendo importante destacar as medidas conforme o caimento do produto no corpo. 

Ao investir nesses cuidados, os índices de retorno podem diminuir de maneira positiva, o que reduz também custos extras e prejuízos desnecessários. 

5. A avaliação dos produtos e da marca

A reputação que um produto e que uma marca possuem na internet pode fazer toda a diferença na decisão de compra de um usuário. 

Esse fator é ainda mais relevante se aquele for o primeiro pedido do cliente na sua página, pois é cada vez mais comum que as pessoas busquem depoimentos de outros compradores antes de finalizar um pedido em uma loja virtual. 

Sendo assim, construir uma boa reputação e trabalhar para que boas avaliações sejam realizadas pelos compradores, é essencial para que o seu e-commerce cresça na internet e conquiste melhores resultados. 

Considerações finais

Conhecer os fatores que influenciam os clientes que fazem compras virtuais é fundamental para que se possa controlá-los adequadamente e conseguir conquistar a preferência de quem quer comprar pela internet. 

Dessa forma, se você oferece as melhores opções para os seus potenciais clientes, os benefícios colhidos podem ser vários, como o retorno do consumidor para um novo pedido, a indicação da loja para amigos, a fidelização do público, etc.

Por isso, agora que você já conhece esses elementos, não deixe de investir para que eles atendam às exigências dos usuários, aumentem consideravelmente a sua carteira de clientes e potencializem o faturamento do seu negócio.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

shopping-5200288_12800

Google Shopping: como anunciar seu produto e ficar na primeira página

O Google Shopping surgiu em 2011 e tem como objetivo comparar e exibir produtos de diferentes lojas virtuais. Isso possibilita ao usuário encontrar aquilo que precisa por meio de uma busca tradicional no Google.

É uma ferramenta importante para as empresas, principalmente por levar em conta a mudança no comportamento de consumo das pessoas.

Comprar pela internet tornou-se um hábito e a tendência é que essa modalidade de compra cresça cada vez mais, afinal, é muito mais prático e rápido adquirir um produto online.

Isso porque as pessoas não precisam sair de casa e podem obter tudo o que precisam para seu consumo a qualquer hora e em qualquer dia. É como um shopping que funciona 24 horas por dia e ainda leva os produtos até os consumidores.

Mais do que poder comprar pela internet, as pessoas podem pesquisar e comparar preços, encontrando lojas e empresas que ofereçam as melhores condições. Portanto, o Google Shopping surgiu como um facilitador nesse momento.

É por isso que, neste artigo, vamos falar sobre o que é Google Shopping, como ele funciona, como anunciar nesta plataforma e as vantagens que ela traz para os negócios. Acompanhe!

O que é o Google Shopping?

O Google Shopping funciona como uma vitrine virtual, que exibe produtos relevantes de acordo com aquilo que o usuário pesquisou.

Ele conta com fotos do produto e ainda reviews de usuários que já o adquiriram. É como um site de vendas gigante, que une produtos e compara seus preços e avaliações, sendo integrado aos resultados de busca.

Então, se alguém procura por anel de formatura folheado a ouro, vai se deparar com resultados de diferentes lojas e opções de escolha.

Antigamente, existiam duas versões, a paga e a gratuita. No entanto, para que uma loja apareça na plataforma do Google Shopping, ela precisa pagar por esse serviço.

Também é muito fácil entender como funciona o Google Shopping, bastando digitar o que está sendo buscado. Ao fazer isso, o Google integra o Shopping ao conjunto de resultados patrocinados.

No resultado da pesquisa, são exibidas a foto do produto, o nome da loja e o preço para localizar onde está sendo feita cada oferta.

Trata-se de uma maneira muito simples para os usuários encontrarem o que precisam, pois na própria SERP (Search Engine Results Page, ou “Página de Resultados”) do buscador é possível clicar na seta do lado direito para ver o carrossel de opções. 

Ao clicar no link, o usuário é direcionado à página do assinante.

Como anunciar no Google Shopping?

Para anunciar nesta plataforma, é preciso seguir um passo a passo, que mostraremos a seguir, confira:

1 – Criar a conta

Um restaurante de comida para empresas, por exemplo, precisa, primeiro, se cadastrar no Google Merchant Center.

Nesse ambiente, será necessário preencher as informações solicitadas e seguir os passos de verificação do site, que garante a propriedade do canal.

2 – Carregar os produtos

A cada novo produto que a marca deseja anunciar na plataforma, é preciso preencher dados importantes, tais como:

  • Nome do produto;
  • Imagem;
  • Descrição;
  • Categoria.

No entanto, a ferramenta é prática e a loja não precisa cadastrar produto por produto, isso porque é possível usar uma extensão ou um aplicativo que extraia tudo o que consta no site da empresa, formatando-os automaticamente.

No Google é possível encontrar vídeos que explicam como fazer isso. Depois disso, o site faz uma espécie de diagnóstico para verificar que os itens, como bateria automotiva 65a, apresentam todas as informações.

Alguns desses elementos podem ser tamanho e estoque, e é possível acompanhar o que foi enviado na área “Produtos” na aba “Itens Ativos”.

3 – Vincular o Merchant Center ao Google Ads

Assim que todos os produtos estiverem prontos no Merchant Center, é importante vinculá-lo ao Google Ads.

Além disso, antes de iniciar uma campanha, é necessário verificar se todos os requisitos foram cumpridos no que diz respeito às campanhas do Google Shopping.

Caso esteja tudo dentro dos conformes, é o momento de gerar a campanha dentro da plataforma.

4 – Criar a campanha

Para criar a campanha, é necessário: fazer login no Google Ads; clicar em “Campanhas”; Selecionar o botão de adição (+); opção “Nova Campanha”; e, por fim, em “Tipo de Campanha” selecionar “Shopping”.

Em seguida, é preciso selecionar os objetivos da campanha, que podem ser vendas, leads, tráfego do site ou até mesmo não ter um objetivo.

5 – Definir as configurações e orçamentos da campanha

Para definir as configurações e orçamentos da sua campanha, é necessário configurar o lance máximo de CPC (custo por clique), o orçamento em si e qual é a prioridade da campanha.

Caso tenha alguma dúvida ao anunciar uma empresa de desinfetante ou qualquer outro tipo de negócio, recomenda-se ler o Google Ads para iniciantes, uma espécie de glossário que contém os erros mais comuns.

6 – Criar um grupo de anúncios

Após salvar as alterações, é hora de criar um grupo de anúncios. Para isso, vá até a seção “Tipo de grupo de anúncios”, para decidir de que maneira organizar a campanha.

É possível promover os produtos individualmente ou usar o Showcase Shopping para promovê-los de maneira coletiva. Na prática, todo esse passo a passo é mais simples do que parece.

Também existem algumas estratégias que podem ser colocadas em prática e que tornam os resultados ainda melhores. Isso envolve rankeamento, taxas de conversão e retorno sobre os investimentos (ou ROI).

Para isso, é interessante otimizar o título dos anúncios no Google Shopping que tenham menos de 70 caracteres.

Também é recomendável otimizar as descrições dos anúncios do Google Shopping para até 500 caracteres, sendo rico em palavras-chave e bem ilustrativo. Também evite usar linguagens promocionais em excesso.

Vantagens do Google Shopping para os negócios

Seja uma loja que venda peças para oficina mecânica para caminhões ou uma fabricante de roupas infantis, anunciar no Google Shopping traz diversas vantagens.

Uma delas é o aumento do tráfego para o site da empresa, o que melhora seu rankeamento nas buscas. Isso também atrai leads mais qualificados, pois eles já têm interesse no produto, precisando apenas serem nutridos com algumas informações.

Isso aumenta o número de conversões, o que acaba por gerar maior lucratividade. Além disso, o site da empresa tem uma presença maior nos sites de busca, pois ela estará tanto no Google Shopping, quanto em anúncios.

A exposição da marca também melhora consideravelmente, pois ao anunciar, por exemplo, urna acrilica grande no Google Shopping, a empresa conquista uma visibilidade muito maior.

Isso acontece porque o negócio sempre vai aparecer quando um usuário pesquisar o que ele anunciou, tornando a loja mais evidente para pessoas que ainda não o conhecem.

Anunciar nesta plataforma permite maior controle financeiro, pois é o negócio que determina o quanto quer investir, funcionando como qualquer ferramenta de link patrocinado.

Quando o usuário clica no anúncio, o valor X é debitado da conta do anunciante, o que garante total controle do orçamento destinado a ela.

Ela também traz mais oportunidades de negócio. Para comprovar isso, basta pesquisar os principais concorrentes, como de uma fabricante de banner colorido, e ver a média de preço praticado.

Caso seja possível, recomenda-se oferecer valores mais baixos, para ficar entre os primeiros resultados exibidos. Isso aumenta as chances de cliques e de direcionamento para o site do anunciante.

Além disso, em seu comparador de preços, o Google adicionou vários filtros para quem deseja fazer uma compra.

Com isso, é possível escolher por precificação e faixa de preço. Para o anunciante isso é muito vantajoso, afinal, assim tem mais chances de aparecer nos resultados de pesquisa.

Diferenças entre Google Shopping e Google Ads

O Google Ads aparece quando o usuário busca um produto, por exemplo, chave com chip no Google ou em outros sites.

No entanto, no Google Shopping você anuncia seu produto e o Google define quais palavras-chave são mais relevantes, ao contrário do Google Ads, em que o anunciante escolhe as palavras-chave para se posicionar.

É importante entender essa diferença, para que seja mais fácil trabalhar com essa plataforma e anunciar de maneira que traga bons resultados para seu negócio.

Conclusão

Vender pela internet tornou-se uma prática muito comum para qualquer tipo de empresa, pois é isso que os consumidores têm buscado cada vez mais.

Por ser um modelo de compra mais prático, a concorrência na web é maior e mais acirrada, por isso, os negócios precisam investir em meios que ajudem a destacá-las.

O Google Shopping é uma dessas ferramentas, fundamental para que uma marca possa expor aquilo que vende, atraindo um maior número de interessados e gerando mais oportunidades de negócio.

Apesar de paga, essa plataforma é fundamental para quem quer conquistar um espaço maior e vender com muito mais facilidade. Portanto, uma estratégia importante que não deve ser deixada de lado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

amazon-pack7

Conheça as vantagens de anunciar seu produto na Amazon

A Amazon é o maior marketplace que existe atualmente, e por meio dele é possível comprar e vender uma variedade infinita de produtos e serviços.

A empresa foi criada em 1994 por Jeff Bezos, antes mesmo da popularização da internet e, a princípio, seu foco era a venda e distribuição de livros.

Essa plataforma tem ajudado milhares de pessoas e empresas a venderem pela internet, pois é altamente confiável e possibilita a venda para o mundo todo.

É comum, por exemplo, que plataformas e-commerce que estejam começando agora utilizem a Amazon como um canal de vendas, até se estabilizarem e se estruturarem no mercado.

Com o alto crescimento das vendas pela internet, esse marketplace tornou-se a primeira opção entre as pessoas que querem adquirir diversos produtos ou serviços.

O site é vantajoso tanto para quem vende, quanto para quem compra, afinal, é possível encontrar produtos de diversas partes do mundo, por um preço atraente. Isso fez com que marcas do mundo todo se reunissem na Amazon.

Se você está pensando em vender por meio da Amazon, neste artigo, vamos explicar o que ela é, para quê serve, como anunciar, suas vantagens e os resultados que podem ser alcançados por meio dela. Confira!

O que é a Amazon?

A Amazon é uma gigante do varejo online, que também permite que indivíduos e empresas vendam e exibam seus produtos através de sua plataforma.

É a mais popular entre empresas individuais e também entre as grandes lojas, pois está disponível em vários países e em muitos idiomas.

Dentre seus produtos mais populares está o Amazon Kindle e sua loja de aplicativos online. Ela também oferece serviços de software e infraestrutura para empresas e indivíduos.

No entanto, seu maior foco está na venda online de produtos dos mais variados setores, tais como:

  • Eletrônicos, como computadores, smartphones e câmeras;
  • Acessórios masculinos e femininos, como jóias e relógios;
  • Roupas e calçados;
  • Brinquedos e jogos;
  • Produtos para casa, cozinha e jardinagem;
  • Livros e papelaria;
  • Produtos automotivos.

Isso significa que muitos tipos de empresas podem vender pela Amazon, como no caso de uma loja de placa em acrilico para fachada, por exemplo.

Portanto, além de vender produtos próprios, como softwares e e-books, essa plataforma também serve para distribuir produtos dos mais variados tipos ao redor do mundo.

Como anunciar na Amazon?

Qualquer pessoa física ou empresa pode vender seus produtos na Amazon. Para isso, é necessário possuir um CNPJ ou um CPF válido.

Não é necessário ter contrato social ou qualquer documento do tipo para se cadastrar na plataforma. Isso facilita o processo para qualquer um que queria começar a vender por lá.

Para começar, é necessário se registrar como vendedor, fornecendo informações pessoais como nome, endereço, e-mail, telefone e documento de identificação.

Também é necessário possui um cartão de crédito internacional e uma conta bancária vinculada ao CPF ou CNPJ cadastrado. Após fazer o registro, basta publicar os produtos e começar a vender pelo site.

Tanto para quem quer vender rótulos em inglês, quanto para quem vai vender outros tipos de produtos, existem dois tipos de planos que serão escolhidos pelo vendedor.

O primeiro é para quem deseja vender menos de 10 itens por mês; e o outro, para quem tem um número ilimitado de vendas. Ambos os planos incluem o pagamento de uma taxa.

Além disso, é necessário pagar um valor de comissão a cada item vendido, que diz respeito a uma porcentagem do preço total da venda, o que inclui valor do item, despesas de envio e embalagem para presente.

Os vendedores recebem seu pagamento pela Amazon a cada quinze dias, através de depósito em conta bancária, que é informada no instante do registro.

O site da empresa disponibiliza um canal para que os vendedores acompanhem os pagamentos e as datas em que os depósitos serão realizados.

Essa forma de pagamento acontece mesmo quando o cliente opta por pagar suas compras parceladas. Ou seja, se ele comprou uma impressora evolis dualys 3 parcelada em 3 vezes, o vendedor vai receber o valor integral.

Vendedores que optarem pelo plano profissional podem vender seus produtos internacionalmente. Mas só é possível fazer vendas pelas plataformas da Amazon dos Estados Unidos, Canadá e México.

Todas as vendas podem ser gerenciadas por meio de uma única conta, não sendo necessário criar um acesso em cada uma dessas plataformas.

Além das categorias que citamos anteriormente, existem outras, no entanto, nestas é necessária uma aprovação. Dentre elas estão:

  • Alimentos e bebidas;
  • Produtos de beleza;
  • Games;
  • Produtos para bebês;
  • Saúde;
  • Cuidados pessoais.

Vantagens e resultados de anunciar na Amazon

A Amazon conseguiu se estabelecer como a primeira plataforma de marketplace do mundo. Com isso, uma loja de sistema de detecção e alarme de incêndio wireless, por exemplo, consegue ter acesso a uma série de vantagens e resultados, tais como:

1 – Mais vendas

Não é necessário pensar muito, e uma única empresa tem milhões de clientes ativos todo mês, visitando o site em busca dos mais variados produtos.

A Amazon possui mais de 300 milhões de contas ativas por mês e mais de 170 milhões de visitantes únicos, com mais de 100 bilhões de rendimentos. Portanto, é a melhor opção para a maioria dos compradores.

Quando o varejista lista seus produtos na Amazon, automaticamente adquire mais credibilidade e confiança por parte do público consumidor.

Isso acontece porque alguns clientes preferem comprar apenas a partir da Amazon, e isso inclui produtos como pulseira berloque prata fina.

Visto que no site eles encontram excelência e serviço de primeira qualidade, que não sabem se encontrarão em uma loja que nunca ouviram falar.

Isso atrai inúmeros compradores para a plataforma, inclusive em países onde o comércio online ainda não engatou.

Exemplo disso é uma loja que venda 10 peças de roupas por dia em seu site, passar a vender 20, somado às vendas da Amazon. 

2 – Expansão internacional

A Amazon é uma das maiores e mais confiadas plataformas de compra e venda do mundo, além de ser extremamente fácil começar a vender por meio dela.

Isso é somado ao fato de que, para que uma loja comece a vender para o mundo todo, ela precisa traduzir o seu site para diferentes idiomas, seja uma loja de roupas ou até mesmo de uma fabricante de balcão promocional expositor.

Isso custa tempo e dinheiro, além de não ser atraente para quem está começando agora. A Amazon poupa esse esforço e permite que um pequeno negócio se expanda para qualquer país.

Isso permite que um varejista teste, de maneira rápida, se os seus produtos interessam ao mercado global, apenas com a criação de uma listagem na Amazon local.

Por sua vez, isso poupa o inconveniente de passar por sistemas de pagamento locais, logísticas e operações. 

Então, uma loja de produtos para casa que venda apenas no Brasil, pode começar a exportar seus produtos para países como os Estados Unidos.

3 – Baixo custo com marketing

A plataforma atrai, naturalmente, milhões de clientes interessados.

Dependendo do nicho da empresa, como no caso de uma loja de produtos de limpeza para cozinha de restaurante, por estar inserida em um mercado aglomerado, pode começar a vender no mesmo dia que se cadastrar.

Isso tudo acontece sem que seja preciso investir em marketing, ou seja, não há um investimento inicial para atrair o cliente e começar a vender.

No entanto, não podemos desprezar o fato de que existe uma competição intensa, o que faz com que seja preciso se destacar em meio aos concorrentes.

Isso significa que, apesar de não precisar de investimentos em marketing, se o vendedor tiver uma boa presença digital conseguirá se destacar com mais facilidade em meio a enorme base de vendedores da Amazon.

Exemplo desse baixo custo com marketing é a empresa não precisar divulgar suas vendas pela Amazon, pois os compradores a encontrarão. 

4 – Não precisa de estoque

A Amazon possui mais de 100 centros de distribuição ao redor do mundo, logo, o vendedor tem a opção de enviar todos os seus produtos do estoque em massa para um deles.

Lá, o inventário de uma confecção de adesivos personalizados, por exemplo, é armazenado, embalado e enviado para os clientes.

A Amazon FBA (Fulfillment By Amazon) é o armazém de estoques, gerente e remetente, e todo o serviço é feito por uma quantia bem pequena, em comparação ao que seria pago para outra empresa.

Portanto, além de se livrar do esforço de remessa, os produtos são qualificados automaticamente para o frete Amazon Prime, e priorizados para o Buy Box, o que gera um impacto muito positivo para as vendas.

Conclusão

Muitos negócios têm vantagens imensas e atingem excelentes resultados ao vender pela Amazon. Como você pôde ver, é uma plataforma interessante, tanto para quem está começando, quanto para quem já está há tempos no mercado.

As vendas online estão crescendo, e nada mais ideal do que contar com o maior marketplace do mundo para impulsionar o crescimento dos seus negócios.

Isso trará excelentes retornos, fortalecendo-o no mercado e conferindo a ele mais credibilidade perante o público-alvo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Annotation 2020-09-01 234402

Conheça as melhores maneiras de estruturar a descrição de um produto no seu e-commerce

A descrição do produto é um dos fatores que mais impacta na percepção do cliente sobre o seu e-commerce. Por conta disso, é preciso ir além da exposição das características da mercadoria, mas usar uma série de artifícios de marketing, para encantar e atrair o público.

Além do mais, a descrição do produto colabora para o reconhecimento da sua loja virtual na internet, sendo parte das estratégias de SEO (Search Engine Optimization). 

Isso quer dizer que, quando bem formulada, ela pode atrair visitantes para o seu site e melhorar o rankeamento do seu e-commerce no Google.

No artigo de hoje, conheça as melhores maneiras de estruturar a descrição de um produto no seu e-commerce para atrair clientes. Acompanhe a leitura!

O que é a descrição do produto?

Quando passamos por um estabelecimento comercial físico, é comum nos depararmos com um banner para vitrine expondo os preços, ou até mesmo o nome dos produtos. 

De certa forma, isso nada mais é do que uma descrição breve dos itens para chamar a atenção dos potenciais clientes.

Na internet, a descrição do produto funciona basicamente da mesma forma. Porém, devido à dinâmica virtual, ela é muito mais detalhada e específica, trazendo informações que vão muito além do preço.

Para uma descrição do produto eficiente, é necessário responder algumas perguntas:

  • O que é o produto?
  • Qual o preço da mercadoria?
  • Para que serve?
  • Quais os diferenciais?
  • Como o produto é usado?

Ou seja, uma boa descrição do produto é usada para destacar as principais características do artigo, seus benefícios e fornecer argumentos válidos aos visitantes, influenciando na decisão de compra.

Observe a descrição de um porta lápis de acrílico, por exemplo:

Porta Lápis de acrílico transparente 345.9 – R$10,00/unidade

Feito em termoplástico de alta resistência, na cor cristal (transparente), com dimensões de 57 x 57 x 86 cm. Peso aproximado: 186g. Recomendado para escritórios, home office e recepções, tem um design moderno e sofisticado.

Na descrição do produto acima, podemos visualizar as informações principais a respeito do porta lápis, mas também outras características que destacam o artigo.

Ao contrário do que se pensa, a descrição pode ser breve, no entanto, ela deve trazer os principais dados do produto e responder os questionamentos mais pertinentes do usuário.

Qual a importância da descrição do produto?

A descrição do produto é usada para todo e qualquer e-commerce. Quer dizer que desde uma empresa de detergente até uma loja de roupas deve investir em um texto bem construído sobre as principais informações da mercadoria.

 

Isso porque a descrição do produto é fundamental para a atração de visitantes para o seu site, bem como para a otimização da página nos mecanismos de busca.

Mas a descrição também colabora com outros pontos positivos. São eles:

1 – Maior confiança

Um texto bem escrito, com as informações sobre a mercadoria, representa o profissionalismo. 

Por isso, a descrição do produto é uma oportunidade para mostrar comprometimento com a qualidade e, como consequência, aumentar a confiança do público no seu negócio.

Afinal de contas, os usuários preferem comprar uma mala estilo vintage, por exemplo, em uma loja virtual que dá mais detalhes a respeito do item, do que em um site que mostra apenas o preço do produto. 

2 – Aumenta o desejo de compra

Diferentemente dos estabelecimentos físicos, os clientes não podem sentir ou tocar o produto na internet. 

Sendo assim, a descrição do produto é uma ferramenta indispensável para despertar o desejo de compra e a imaginação do público.

Além do recurso textual, a descrição pode vir acompanhada de fotos, para que a audiência possa ter uma ideia ainda melhor das características físicas do item.

Por exemplo, uma camiseta personalizada com logo pode ter a descrição do material usado na confecção do vestuário, em conjunto com fotos de vários modelos do artigo, para que o cliente veja as possibilidades de personalização.

3 – Alivia os canais de atendimento

Sem a descrição do produto, os usuários podem ficar confusos sobre as características da mercadoria e fora as chances de desistência, eles podem entupir os canais de atendimento com uma série de perguntas.

Aliás, uma boa maneira de saber o quê escrever na sua descrição é consultar as principais dúvidas dos clientes e, dessa forma, construir um texto claro e objetivo.

Lembre-se: a descrição do produto funciona como uma espécie de banner informativo, mas abre espaço para incrementar o texto com maiores detalhes. Com isso, é possível responder às dúvidas dos clientes e aumentar as chances de compra.

6 dicas para escrever uma boa descrição do produto

A descrição do produto pode ser responsável por estimular ou interromper o desejo de compra. Por esse motivo, é importante focar na qualidade do texto.

A seguir, confira algumas dicas para te ajudar a escrever uma boa descrição do produto.

1 – Descreva de que material o produto é feito

Um dos pontos que não pode faltar em uma descrição é mostrar de que o produto é feito ou o serviço que ele inclui.

Vamos voltar ao exemplo do nosso porta lápis. Na descrição fica claro que ele é feito em termoplástico transparente, o acrílico. Portanto, o cliente já tem uma noção maior das características físicas do produto.

Caso o item tenha alguma característica específica, como o uso de materiais orgânicos ou sustentáveis, é importante que essa informação também conste na descrição.

Se preciso, peça uma ficha técnica ao fabricante, para verificar todos os dados pertinentes.

2 – Coloque as dimensões do produto

As dimensões dos produtos precisam ser claras, para que o cliente saiba exatamente o tamanho da mercadoria e, com isso, compre o artigo de acordo com as suas necessidades.

Por exemplo, na construção de piscinas pequenas, o usuário tem em mãos as medidas do projeto. Portanto, na hora de comprar a piscina, ele irá escolher a que melhor se encaixa, para evitar transtornos.

No caso dos vestuários, vale a pena ir além das medidas “P”, “M”, e “G”. É preciso incluir as medidas para cada parte do corpo. 

Normalmente, as lojas virtuais trabalham com uma tabela de medidas, incluindo o tamanho (em centímetros) da cintura, busto e quadris.

3 – Leve em conta os interesses da persona

A persona (perfil do cliente ideal) tem anseios, preferências, gostos e características específicas. Ao produzir uma descrição de produto, é necessário escrever para esse usuário específico, não para um grupo de estranhos.

Quando escrevemos para um público-alvo específico, fica mais fácil cativar as pessoas potencialmente interessadas e convencê-las a adicionar o produto no carrinho.

4 – Use palavras-chave específicas

A descrição do produto é capaz de melhorar o SEO do seu e-commerce, desde que o texto seja produzido com palavras-chave específicas que se refiram à mercadoria, mas também sejam termos procurados no Google.

Uma dica é usar algumas ferramentas, como o Keyword Planner ou o Search Console, que ajudam na escolha das melhores palavras-chave.

No entanto, lembre-se que não vale rechear a sua descrição com palavras-chave e esperar uma boa classificação no Google. 

O algoritmo do buscador leva em consideração a qualidade do conteúdo como um dos principais fatores de rankeamento, por isso, os termos devem ser inseridos de forma natural e dentro de um contexto.

5 – Especifique as condições de pagamento e entrega

Além de trazer as características do produto, os usuários também estão interessados em conhecer as condições de pagamento e de entrega, já que o valor da mercadoria é algo que influencia na decisão de compra.

Sendo assim, se o seu e-commerce disponibilizar parcelamento do preço no cartão de crédito, ou oferecer desconto no boleto, insira essas informações na descrição. 

Também coloque um simulador de frete, com opções de envio por serviço de motoboy terceirizado, SEDEX, PAC, entre outros.

6 – Use listas

As listas são ótimas aliadas da descrição dos produtos. Afinal de contas, elas facilitam a compreensão das informações, além de elencar as características principais de uma mercadoria – o que é ótimo para os leitores apressados.

Voltando ao nosso exemplo do porta lápis, veja a descrição com lista:

Porta Lápis de acrílico transparente 345.9 – R$10,00/unidade

A organização do seu escritório ou home office é fundamental para garantir a produtividade em um dia de trabalho. Além disso, é a chave para evitar perdas de materiais, equipamentos e acessórios – o que pode ser fundamental para otimizar as suas atividades rotineiras.

Feito em termoplástico de alta resistência, na cor cristal (transparente), o porta lápis de acrílico une a sofisticação de um artigo moderno com um toque de personalidade. Afinal de contas, qualquer decoração combina com o acrílico e você pode dar aquele toque pessoal.

Ficha técnica:

  • Dimensões: 57 x 57 x 86 cm
  • Peso: 180g aproximadamente
  • Material: termoplástico acrílico
  • Cor: transparente

Para melhorar ainda mais a sua descrição, conte uma história que pode inspirar e gerar a identificação do consumidor. No exemplo acima, usamos a questão da produtividade e da sofisticação para atrair os usuários.

Conclusão

A descrição do produto é fundamental para o seu e-commerce, afinal, na internet, os consumidores não têm o contato físico com as mercadorias.

Portanto saber como transmitir as informações e despertar o interesse dos usuários é a chave para aumentar as conversões, além de garantir o sucesso de vendas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Funil de vendas - o que é e como desenvolver para seu negócio

Funil de vendas: o que é e como desenvolver para seu negócio

O funil de vendas é um dos principais conceitos do Inbound Marketing, sendo usado para acompanhar a jornada de compra dos clientes e melhorar os resultados das empresas, seja para o aumento de vendas ou para a fidelização dos clientes

Embora não seja usado somente em ambientes online, o funil de vendas é amplamente empregado no marketing digital, garantindo a eficácia da estratégia.

No artigo de hoje, acompanhe o que é e como desenvolver o funil de vendas para o seu negócio, além de dicas valiosas para aplicar o conceito na sua empresa. Continue a leitura!

O que é o Funil de Vendas?

O funil de vendas, também conhecido como pipeline, é uma representação gráfica da jornada de compras do cliente, desde seu primeiro contato com a empresa, até a concretização da compra do produto ou serviço, ou até além dela.

Na prática, o funil de vendas envolve a primeira vez que uma pessoa vê uma persiana rolô double vision, por exemplo, seja por um blog post ou por um anúncio patrocinado em rede social, até o momento em que o usuário resolve comprar o artigo

Essas ações também envolvem os pós-venda realizados pela loja. É importante verificar que a compra não é um processo homogêneo, mas ocorre por etapas. 

Logo, durante toda a jornada, o cliente passa por vários momentos que revelam se ele está realmente próximo a concretizar o negócio.

Assim, temos o momento em que ele ouve falar pela primeira vez do produto ou serviço, posteriormente faz a pesquisa sobre o assunto e, somente após uma reflexão, decide por realizar a compra e recomendá-lo para outra pessoa, quando a experiência é positiva.

Por esse motivo, para determinar qual é a maturidade do cliente em relação à compra, o funil de vendas é dividido em algumas etapas, que ajudam a elaborar uma estratégia de captação de clientes mais assertiva.

Afinal de contas, uma pessoa que acabou de conhecer o amortecedor de carro de uma determinada empresa tem outra percepção quando comparada a um usuário que já conhece o produto.

As etapas do funil de vendas são:

  • Topo do funil: aprendizado e descoberta;
  • Meio do funil: consideração;
  • Fundo do funil: concretização da compra;
  • Pós-venda: fidelização do cliente.

Nesse sentido, fica mais fácil pensar em ações de marketing, direcionadas e assertivas, capazes de influenciar a tomada de decisão dos consumidores.

Quais são as etapas do funil de vendas?

Como vimos, o funil de vendas é dividido, basicamente, em quatro etapas principais. 

Em cada uma delas, é necessário orientar a estratégia de marketing, conforme o nível de maturidade do cliente.

A seguir, conheça algumas especificações e iniciativas de marketing para cada estágio do funil de vendas.

1 – Topo do funil

O topo do funil, ou ToFu, é o momento da consciência, pois até então o usuário não conhecia o produto/serviço, bem como era indiferente à sua própria necessidade.

Por exemplo, alguém que está procurando informações sobre sintomas que envolvem animais de estimação pode se deparar com o serviço de um veterinário oftalmologista, algo desconhecido anteriormente pelo usuário.

Em resumo, o internauta não buscava pela atividade, devido ao próprio desconhecimento da demanda. 

Mas ao ter o primeiro contato com o empreendimento, no exemplo o veterinário, acaba compreendendo que existe essa necessidade e, por isso, acaba procurando mais informações sobre o serviço.

Diante disso, o topo do funil é o melhor momento para se colocar como especialista no tema. Isso irá ajudar a moldar a percepção do visitante com conteúdos valiosos e de qualidade e respeito do seu negócio.

Aqui, a empresa geralmente lida com usuários que chegaram até o site de alguma forma, mas que não possuem nenhuma informação concreta sobre o produto ou serviço.

Ou seja, a pessoa pode ter visto um anúncio sobre disco de desbaste diamantado e, assim, ter sido redirecionada a uma página web. Porém, o visitante ainda precisa de mais conteúdos sobre o produto. 

Portanto, é o momento de oferecer materiais ricos, na tentativa de converter os usuários em leads (potenciais clientes).

Algumas ações de marketing interessantes para o topo de funil são:

  • Criação de blog posts;
  • Criação de landing pages;
  • Elaboração de postagens em redes sociais;
  • Produção de vídeos e ativos de marketing.

Importante ressaltar que o marketing de conteúdo é o grande aliado do funil de vendas. 

Afinal, o consumidor da internet não quer apenas se deparar com uma propaganda sensacionalista, mas sim verificar um material de qualidade, com informações pertinentes.

Sendo assim, vale muito mais a pena produzir um folder 2 dobras com conteúdo valioso, do que uma propaganda apelativa e comercial.

2 – Meio do funil

O meio do funil (MoFu) define a passagem da primeira para a segunda etapa, a partir do momento em que o visitante tem reconhecimento do problema.

Quer dizer que o usuário já leu o suficiente sobre o assunto e verificou que tem uma demanda, sendo assim, ele está em busca de maneiras para solucionar o contratempo.

Nesta etapa, estamos lidando com os leads, isto é, pessoas que já interagiram com o conteúdo da empresa, forneceram informações básicas de contato (como e-mail ou telefone), em busca de um aprofundamento maior a respeito do produto ou serviço.

Nesse sentido, o lead já sabe que está procurando uma escola período integral, por exemplo, mas ele ainda precisa de mais informações para tomar a decisão correta.

Sendo assim, é importante que a empresa seja honesta e transparente, deixando claro que o objetivo é ajudar o consumidor, não vender algo diretamente. Isso ajuda a estabelecer uma relação de confiança, aproximando o usuário da compra.

Aqui, o ideal é trabalhar com materiais ainda mais ricos, como e-books, webinars, newsletters e diálogo periódico com clientes (através de e-mails, troca de mensagens, entre outros meios).

3 – Fundo do funil

O fundo do funil (BoFu) é a etapa da compra propriamente dita. Neste momento, estamos lidando com os MQLs (Marketing Qualified Leads), que são os leads que já conhecem o produto ou serviço, e estão prontos para fazer contato com vendedores.

Ou seja, as pessoas que estão no fundo do funil perceberam que precisam de ajuda para resolver um problema – e isso significa fechar negócio com a sua empresa. 

Porém, elas precisam ter certeza de que estão fazendo a coisa certa e, por esse motivo, buscam não só pelo seu negócio, mas também pela concorrência.

Assim, no serviço de adição de categoria a, por exemplo, o fundo de funil é o estágio certo para mostrar o quanto a sua autoescola é referência no mercado e o porquê ela é a melhor escolha para o seu cliente.

Por esse motivo, vale a pena continuar com a criação de materiais relevantes, mas com foco nos diferenciais do produto ou serviço, além de citar as principais vantagens da empresa em relação à concorrência.

Também é importante que os vendedores tenham em mãos todos os dados do cliente e saibam orientar sua abordagem de modo direcionado, já que ninguém quer receber informações duplicadas ou conteúdos incorretos.

Por isso, vale a pena investir em ferramentas de automação de marketing, capazes de armazenar e compartilhar dados em tempo real, tornando a comunicação mais efetiva.

4 – Pós-venda

Apesar de nem todas as empresas incluírem o pós-venda como etapa do funil, percebe-se que a fidelização dos consumidores é muito maior quando a estratégia é adotada. 

Afinal de contas, é preciso fazer com que as pessoas se lembrem da sua empresa e, como consequência dessa iniciativa, busquem realizar novas compras e indicar o seu negócio para outras pessoas.

Por exemplo, após a aquisição de uma balança digital 300kg, o empreendimento pode enviar um e-mail ao cliente, pedindo um feedback sobre a mercadoria. Assim, é possível saber o que o consumidor gosta no produto e o que é preciso melhorar.

As estratégias de pós-venda incluem o envio de newsletters, além de outras mensagens, com ofertas, cupons de desconto e até programas de fidelidade.

Conclusão

O funil de vendas é uma representação da jornada de compras do cliente, que tem ajudado a moldar estratégias de marketing direcionadas, como forma de auxiliar na tomada de decisão dos consumidores, bem como aproximá-los do fechamento do negócio.

É fundamental ter em mente que todas as iniciativas precisam contemplar os interesses e preferências de cada usuário, já que o processo de compra não é homogêneo, mas sim, é influenciado por inúmeros fatores.

Assim, com a aplicação do funil de vendas, de modo prático e estratégico, é possível melhorar os resultados de venda, aumentando a conversão de leads, educando o público a respeito dos produtos e serviços e melhorando sua lucratividade e rentabilidade.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://rockcontent.com/blog/funil-de-vendas/