Lead Magnet over paper background attracting and retaining many spheres, symbol of new customers. B2B inbound marketing concept. 3D illustration

Inbound ou Outbound: qual a melhor estratégia de marketing para sua empresa?

As estratégias de marketing de uma empresa podem ser trabalhadas de duas formas diferentes, com o Inbound e o Outbound Marketing. Enquanto o primeiro busca despertar o interesse dos clientes com conteúdos relevantes para que eles cheguem até o produto, o Outbound utiliza técnicas mais tradicionais, com propagandas físicas e digitais.

Com a crescente popularidade da internet, é comum que os empreendedores tenham dúvidas sobre as melhores formas de divulgar o seu negócio. 

É preciso ter em mente que não existe ação de marketing superior ou inferior. Nesse caso, ambas podem ser extremamente benéficas para os negócios, dependendo do segmento de atuação ou da dimensão das empresas.

Contudo, é cada vez mais importante que os empreendedores entendam as principais diferenças entre as estratégias. Assim, fica mais fácil decidir qual estratégia tem maior potencial para alavancar a empresa.

O que é Inbound Marketing?

O Inbound Marketing é uma estratégia que tem como principal foco a atração e fidelização dos consumidores. Em uma tradução livre do inglês para o português, o conjunto de ações também pode ser chamado de Marketing de Atração. 

A ideia não é ir atrás do cliente. O Inbound foca em despertar o interesse dele, para que ele venha até a empresa com interesse nas soluções que ela oferece.

Essa atração é uma conquista que ocorre por meio de materiais informativos, de qualidade e úteis para o público da empresa, disponíveis em blogs, sites ou redes sociais.

Como a produção de conteúdos é a base do Inbound Marketing, é extremamente necessário que eles sejam adequados para o público da empresa.

Para despertar o interesse genuíno na audiência pelos produtos ou serviços oferecidos, é fundamental que os empreendedores conheçam bem o seu público. Interesses, dúvidas e desafios comuns à audiência da empresa irão guiar a produção de materiais.

Assim, as empresas conseguem oferecer informações relevantes. Elas ajudam na resolução de problemas, fazendo o potencial cliente enxergar uma oportunidade, em que o produto da empresa se mostra uma solução.

A empresa deve investir em conteúdos para as diferentes etapas da jornada de compras. Assim, ajuda o público a caminhar até a fase final, quando ele se efetiva como cliente.

Portanto, por meio do Inbound Marketing, os conteúdos atrativos ajudam a aumentar o tráfego do site da empresa. Com pontos de conversão (como formulários ou landing pages), as marcas também conseguem transformar os visitantes em contatos. Eles representam potenciais compradores e também podem ser chamados de Leads.

Com uma boa base de Leads, a empresa pode até criar um canal de relacionamento com os clientes, por meio do Email Marketing. Assim, ela consegue nutrir essa pessoa com informações relevantes, que incentivem a sua intenção de compra.

Por isso, quando o Inbound Marketing é bem planejado e executado, ele se mostra relevante principalmente para os clientes, com conteúdos adequados e não intrusivos. A venda acaba sendo um resultado de ações bem orientadas e específicas.

O custo do Inbound Marketing talvez seja uma grande vantagem a se destacar. É possível fazer pequenos investimentos e ter grandes retornos. Com o tempo, quanto melhor o conteúdo produzido e promovido pela marca, menor tende a ser a necessidade de investimento em mídias pagas.

Portanto, para resumir o Inbound Marketing, trata-se de uma metodologia pautada em:

  • Conteúdos para educar ou entreter o público;
  • Atração do cliente até a empresa;
  • Comunicação em duplo sentido;
  • Clientes atraídos em ferramentas de pesquisas, pelo SEO;
  • Menor custo médio para aquisição de clientes;
  • Movido a criatividade e esforço na produção de material;
  • Marketing de permissão com conteúdos relevantes.

O Inbound Marketing na prática

O Inbound Marketing pode ser aplicado para a promoção de empreendimentos de diferentes setores e proporções, e não só para o segmento de tecnologia, como muitas pessoas podem pensar.

Um hospital para animais, por exemplo, pode investir na produção de conteúdos para atrair e reter os proprietários de pets.

Para isso, o primeiro passo é criar um site para a instituição. Ele deve ser otimizado com boas práticas de SEO (Search Engine Optimization) e estruturado para proporcionar uma boa experiência aos usuários. 

Depois, recomenda-se a criação de um blog. Uma transportadora de mudanças, para exemplificar, pode utilizar o blog como canal para atração dos clientes, abordando as principais dúvidas do público.

Vale lembrar a jornada de compra que o cliente percorre até a decisão final. Os visitantes do site podem estar em diferentes etapas da jornada. 

No caso de um blog de uma empresa especializada em aluguel de caçamba entulho, por exemplo, o visitante pode ainda não estar convencido da importância do serviço, no início da jornada. Por outro lado, pode haver outros que já estejam pesquisando empresas para a contratação.

Por isso as empresas devem investir em materiais para suprir as necessidades do público em todas as fases. Assim, consegue despertar o interesse de diferentes tipos de consumidores em potencial.

Depois de atrair e captar os potenciais clientes, ou leads, a empresa de instalação de placa solar, por exemplo, pode pensar em formas de nutrir e manter um relacionamento com essas pessoas. Então, a marca pode criar campanhas de Email Marketing.

O que é Outbound Marketing?

Por sua vez, o Outbound Marketing também pode ser chamado de Marketing Tradicional. Ele atrai os clientes e potenciais clientes pelo oferecimento direto de produtos ou serviços.

No Outbound Marketing a marca vai atrás do consumidor de maneira mais ativa, sem necessariamente gerar um interesse genuíno no cliente em potencial.

As estratégias tradicionais são bastante populares em canais como programas de rádio, de televisão, jornais, revistas, correspondência por mala direta, cartazes e outras formas comuns de publicidade.

Além disso, hoje em dia o Outbound Marketing também pode ser aplicado no meio digital. Nesses casos, os usuários são surpreendidos com propagandas. Elas podem aparecer em pop-ups, banners em sites, emails disparados em massa, etc.

Geralmente o Outbound demanda um investimento maior, em comparação com a metodologia Inbound. O ponto negativo disso é que, caso a empresa precise cortar os investimentos na área, ela pode simplesmente sumir da mídia. 

Já os conteúdos do Inbound continuam na internet e podem ser acessados a qualquer momento e de diversos tipos de dispositivos.

Portanto, para resumir o Outbound Marketing, trata-se de uma metodologia pautada em:

  • Propagandas ativas, com divulgação direta dos produtos;
  • A empresa procura o cliente;
  • Comunicação em um único sentido;
  • Prospecção ativa com outdoors, flyers e anúncios;
  • Maior custo médio de aquisição de clientes;
  • Pouco ou nenhum valor agregado com os conteúdos;
  • Marketing baseado na interrupção.

O Outbound Marketing na prática

Embora alguns empreendedores pensem que a metodologia Outbound serve apenas para empresas mais tradicionais, tratam-se de ações que podem ser bastante benéficas para empresas de diversos segmentos e dimensões.

Um despachante, por exemplo, pode divulgar uma promoção na consultoria para laudo cautelar veicular por meio de flyers. Além de fazer uma ação de panfletagem, também pode investir em propagandas em rádios, atraindo o público local, interessado especialmente nas ofertas.

Por outro lado, para garantir presença digital, uma construtora, por exemplo, pode divulgar os serviços com anúncios pagos nas redes sociais. Assim, pode alcançar interessados em boas condições para serviços como a restauração de fachada predial.

As ações contribuem para que as empresas alcancem um elevado número de pessoas, sendo que dentre elas haverá aqueles que podem ser atraídos pelas ofertas, com interesse em se tornarem clientes.

Inbound e Outbound: como mesclar os dois?

Para garantir o crescimento exponencial das empresas, o ideal é que elas invistam em ambas as técnicas, já que uma não anula a outra.

Para vender um armário de aço escritorio, a fabricante pode produzir conteúdos informativos para o blog, abordando as vantagens do material, problemas que o móvel ajuda a resolver, dicas para escolher o armário ideal, entre outras ideias. 

Mas também pode promover diretamente o produto quando houver promoções ou descontos especiais.

O que a empresa deve levar em conta é o ROI (Retorno sobre o Investimento), que vai apontar as ações e canais que podem valer mais a pena o investimento de tempo e dinheiro.

Para ambas as metodologias, as plataformas digitais possibilitam o acompanhamento dos resultados. Na rádio ou TV, por exemplo, pode ser mais difícil descobrir quantas pessoas tiveram acesso ao anúncio e quantas foram atraídas por ele.

Contudo, o que de fato pode guiar na mistura entre as estratégias é o conhecimento sobre o perfil dos clientes, a jornada de compra que eles realizam, ticket médio que costumam gastar e outros aspectos. 

O empreendedor também deve considerar o modelo de gestão da sua empresa, e contar com profissionais qualificados, com experiência para garantir as ações mais adequadas.

Para unir as estratégias, uma ideia é a promoção do serviço de recepcionista para eventos com indicações no meio offline impulsionadas por e-mails, por exemplo.

Por fim, tendo em mente que uma metodologia não exclui a outra, as empresas conseguem atrair cada vez mais clientes, formando uma poderosa estratégia de marketing para impulsionar as vendas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Cropped shot of Young asian man is working at home with his laptop to protect against Corona virus or Covid-19.

Estratégias de comunicação nas Redes Sociais e a Pandemia do Coronavírus

Desde que a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou o novo coronavírus como uma pandemia, várias empresas estão colaborando para diminuir a transmissão da doença, e investindo no compartilhamento de informações relevantes e verdadeiras no combate ao Covid-19.

Afinal de contas, há muitas notícias falsas circulando por aí, especialmente na internet, que podem desinformar as pessoas, indo na contramão do que recomendam os órgãos de saúde.

Por esse motivo, é importante pensar em estratégias de comunicação, principalmente dentro das redes sociais, que tragam conteúdos verdadeiros a respeito da pandemia do coronavírus, para que os usuários possam ser, de fato, informados com responsabilidade.

Enquanto empresa, é necessário compreender que, em momentos de crise como este, é dever da gestão manter as redes de relacionamento e comunicação como forma de manter a proximidade com o público-alvo, a afinidade com os clientes fiéis e o respeito com a audiência.

Isso torna a sua empresa credível dentro do mercado e é uma maneira de se destacar, em meio de um boom de informações falsas.

Além disso, se você tem um negócio que não é da área da saúde, como uma retifica de motores automotivos, deve introduzir como parte da sua estratégia de comunicação nas redes sociais a procura por fontes confiáveis e que têm autoridade no assunto.

No artigo de hoje, vamos falar mais como compartilhar informações verdadeiras a respeito da pandemia do coronavírus, e a adotar esse hábito como parte das estratégias de comunicação para redes sociais. Acompanhe a leitura!

Coronavírus: o que é importante saber

De acordo com o Ministério da Saúde, o Coronavírus (CID10) é o nome dado a uma família de vírus que são responsáveis por infecções respiratórias. 

O novo coronavírus, ou Covid-19, foi descoberto em dezembro de 2019, na China.

Os sinais e sintomas do atual agente do vírus são principalmente respiratórias, bem semelhantes a uma gripe. 

Contudo, o vírus pode causar infecção no trato respiratório inferior, ocasionando possíveis pneumonias e, até mesmo levar a óbito, em casos de pessoas imunocomprometidas, crianças e idosos.

Ainda estão sendo feitas novas pesquisas e investigações acerca dos sintomas do Covid-19, porém, os sinais mais conhecidos são:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Dificuldade para respirar;
  • Espirros.

Atualmente, diversos governos estão adotando medidas preventivas para conter a transmissão do coronavírus, incluindo as orientações de distanciamento social, higienização periódica das mãos (com água e sabão, além do uso de álcool gel), bem como optar por ambientes ventilados.

Desse modo, muitas pessoas estão realizando suas atividades em casa, via internet.

Setor automotivo como exemplo de comunicação através das Redes Sociais

A tecnologia tem dado muito respaldo à isso, visto que é possível fazer a renovação de CNH vencida quase toda online.

Quanto à transmissão, o Ministério da Saúde diz que as investigações ainda estão em andamento, mas constata-se a disseminação da doença de pessoa para pessoa, por meio de gotículas respiratórias ou de contato físico.

Assim, qualquer um que tenha contato próximo (cerca de 1 metro) de alguém infectado, ou que apresente sintomas do Covid-19, está em risco de ser exposto à infecção.

Como pensar em estratégias de comunicação nas redes sociais diante do coronavírus?

Devido o distanciamento social, recomendado como medida de prevenção, muitas empresas estão autorizando seus colaboradores para o trabalho remoto.

Além disso, tem a parcela da população que resolveu cumprir as recomendações da OMS e dos demais órgãos de saúde, isolando-se em casa.

Diante desse cenário, buscam-se informações sobre o coronavírus em todos os lugares da internet, em especial nas redes sociais. 

Porém, é preciso ter cuidado com as famosas “fake news”, isto é, notícias falsas, que não disseminam informações verdadeiras a respeito da pandemia.

Por esse motivo, é importante pensar em novas estratégias de comunicação das redes sociais para todas as empresas, desde multinacionais, até empreendimentos que não são do ramo da saúde, como uma oficina de vistoria para carros.

Vale dizer que, o compartilhamento de conteúdo nas redes sociais fortalece o posicionamento das marcas, ainda mais quando prioriza informações verdadeiras e de fontes confiáveis.

Esse tipo de compartilhamento agrega valor à empresa, fortalecendo a imagem no mercado e ajudando a construir uma boa imagem aos consumidores.

Abaixo, confira algumas estratégias de comunicação para redes sociais que podem ajudar.

1 – Lembre-se de educar a sua audiência

Quando se compartilha um conteúdo nas redes sociais, a intenção não é somente fornecer uma informação, mas sim, educar o público a respeito de um determinado assunto.

Por exemplo, a produção de um artigo explicando o que é um tacógrafo caminhão tem muito mais valor do que uma simples propaganda.

O mesmo vale para casos como o atual cenário do coronavírus. É preciso pensar que, toda informação compartilhada nesses canais, ajudam a formar uma compreensão do usuário a respeito do tema. 

Portanto, é preciso pensar no compartilhamento como algo educativo.

2 – Tenha uma regularidade de postagem

Imagina que você entrou em uma página do Facebook, com a intenção de saber mais sobre laudo veicular ecv, mas percebeu que o perfil não é atualizado há muito tempo. 

Isso pode afetar a sua percepção sobre a marca, que abandonou a rede social e não produziu nenhum conteúdo novo.

Por conta disso, é importante ter uma regularidade de postagem, de modo que as pessoas esperem pelo seu próximo post.

A regularidade é também um fator de credibilidade, pois mostra que você está acompanhando as notícias e o que está acontecendo no mundo.

3 – Compreenda o ambiente das redes

Faça um teste: procure por bateria para carro Moura nas redes sociais e depois faça a mesma pesquisa em um blog. É bem provável que você encontre as mesmas informações, mas apresentadas de modo diferente.

Isso acontece porque nas redes sociais tem-se uma maior liberdade para falar com o público, sendo possível adotar uma linguagem mais informal e pessoal.

Além do mais, é preciso ter compreensão do ambiente das redes e saber qual tom de linguagem adotar, dependendo do conteúdo.

Por exemplo, se for para dar uma notícia sobre o número de casos do coronavírus no Brasil, não dá para abordar o assunto com uma linguagem que mostra entusiasmo. Além de ser totalmente desrespeitoso, os usuários não irão ter uma boa imagem da sua empresa.

Deixe para usar a tonalidade mais expansiva quando for falar de assuntos como as vantagens de uma injeção eletrônica automotiva, entre outros temas.

4 – Procure o engajamento dos usuários

Essa é uma das estratégias de comunicação nas redes sociais mais complexas. Afinal de contas, promover o engajamento dos usuários não é assim tão fácil – você precisa de um conteúdo atrativo, rico, confiável e que desperte o interesse do leitor para tecer algum comentário, crítica ou compartilhamento da postagem.

No entanto, o engajamento é o principal responsável pela credibilidade e poder de influência sobre os seus seguidores.

Ora, um conteúdo sobre laudo veicular Ecv, quando tem um bom engajamento, costuma ser melhor visto pelos usuários e, como consequência, passa a ter autoridade no assunto.

Por isso, no caso específico sobre os acontecimentos do coronavírus, é importante promover discussões relevantes, sempre ter atenção às fontes, e priorizar um conteúdo informativo de qualidade, ao invés da autopromoção.

5 – Tenha uma equipe qualificada para as redes sociais

Não caia na bobeira de deixar qualquer pessoa tomar conta da sua rede social. Conduzir estratégias de comunicação e implementá-las não é algo simples – ao contrário, requer conhecimento específico.

É possível perceber a diferença de um anúncio sobre vidro blindado automotivo produzido por uma pessoa que tem experiência em redes sociais, do que um post de um leigo.

Em tempos de crise, como a do coronavírus, é essencial ter alguém próprio e qualificado para gerenciar as redes sociais. 

Afinal, qualquer informação compartilhada de modo errôneo pode ser o suficiente para comprometer a imagem da empresa.

Conclusão

O momento que estamos vivendo, com a expansão da pandemia de coronavírus, fez com que a sociedade tivesse que ressignificar seus comportamentos, modos de trabalho e pensar em estratégias de comunicação, não só nas redes, mas em todos os canais, para evitar a disseminação de notícias falsas.

Vale dizer que, as consequências das fake news são inúmeras e podem ser alarmantes, atingindo os campos sociais, econômicos, políticos, pessoais e psicológicos. 

Por esse motivo, é preciso pensar em formas de comunicar com responsabilidade – e isso vale para todos nós.

No cenário de pandemia de coronavírus, já é possível perceber muitas consequências das notícias falsas, que afetam o modo como as pessoas encaram a situação, por exemplo.

Sendo assim, as empresas, agências e até mesmo seguidores leigos devem pensar em como vão se comunicar e o que desejam transmitir.

A melhor estratégia é sempre optar por fontes confiáveis e pesquisar muito antes de compartilhar qualquer assunto, ainda mais quando não temos um conhecimento específico sobre o tema.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

aaab

Aprenda a diferença entre e-mail marketing e newsletter

 diferença entre e-mail marketing e newsletter pode até parecer um detalhe desinteressante para muitos empreendedores. 

Mas, nos ambientes digitais cada pequeno aspecto conta para o sucesso das estratégias de divulgação de produtos ou serviços.

Quando bem utilizadas, ambas as ações podem render ótimos resultados, auxiliando às empresas em suas estratégias a curto, médio e longo prazo. 

Entretanto, é essencial que o envio de e-mail marketing ou newsletter seja bem planejado, para que o investimento de recursos compense, com mais proximidade e identificação entre empresa e seus clientes e potenciais clientes.

Por isso, é fundamental entender a diferença entre e-mail marketing e newsletter, compreendendo como explorar estrategicamente cada tipo de ação em benefício das empresas dos mais diversos ramos de atuação.

Qual é a importância do e-mail?

Muito se comenta sobre a relevância das redes sociais, que cresceram consideravelmente nos últimos anos. 

Mas o e-mail continua sendo um canal eficiente na distribuição de conteúdo relevante, principalmente, por meio dos fluxos de nutrição adequados. 

Com um fluxo de nutrição automatizado, um centro de usinagem 5 eixos, por exemplo, pode divulgar materiais que auxiliam os clientes a seguir pela jornada de compras, independentemente do momento em que eles se encontram. 

Para tanto, as mensagens são elaboradas com conteúdo para ajudar os consumidores com dúvidas que eles podem ter em diversas fases, até a efetivação da compra.

Os e-mails são um canal de comunicação muito aproveitado pelos adultos online. Muitas pessoas também utilizam a ferramenta diariamente, principalmente para questões profissionais, embora também haja quem envie e-mails a amigos ou familiares.

Para o envio de mensagens, é importante que o destinatário autorize, cedendo o seu endereço, que é considerado bastante pessoal. 

É bastante recomendada a criação de uma lista própria, com contatos que tenham autorizado o recebimento das mensagens da marca de empilhadeira articulada, para exemplificar.

Assim, a empresa evita o estranhamento que as pessoas sentem ao ver um e-mail em suas contas pessoais de uma marca que nem conhecem. 

Geralmente, as pessoas encaminham a mensagem para spam, muitas nem leem o conteúdo – o que pode prejudicar bastante, até mesmo, a imagem da marca.

No entanto, quando as empresas investem em campanhas por e-mail, com contatos orgânicos e conteúdos de qualidade, podem se aproximar bastante da sua audiência. 

Para isso, podem contar com o e-mail marketing ou newsletters.

O que é e-mail marketing?

Além de impulsionar as vendas, o e-mail marketing tem como objetivo a construção de um bom relacionamento com os clientes. 

Sendo assim, trata-se de uma importante maneira de incentivar as compras de produtos ou contratações de serviços, fortalecendo as marcas no ambiente digital, com a construção de boas estratégias.

Os e-mails nesse formato costumam ter um apelo comercial mais forte, com enfoque em ofertas, promoções ou lançamentos. 

Isso faz com que eles sejam bastante utilizados por e-commerces, como um comércio online de cantoneira de ferro galvanizado, por exemplo.

Como são enviados para grandes quantidades de pessoas, o e-mail marketing deve ser planejado e realizado com alguns cuidados, para que as mensagens não sejam caracterizadas como spam. 

Evitar CAPS LOCK no assunto das mensagens e e-mails formados apenas por imagens são algumas das dicas, além de investir na segmentação dos contatos.

O que é newsletter?

Ao contrário do e-mail marketing, a newsletter não visa a venda de produtos ou serviços. O objetivo da newsletter é despertar o engajamento em seu público-alvo. 

Para isso, as boas newsletters costumam ser enviadas com uma periodicidade fixa, semanalmente ou mensalmente. 

A montagem de uma newsletter deve levar em conta a existência de outros canais, como o site de uma fabricante de bico aspersor de água, por exemplo. 

As mensagens costumam contar com:

  • Links para as melhores publicações do site em determinado período;
  • Conteúdos exclusivos para assinantes, com informações complementares;
  • Promoção da empresa nas redes sociais;
  • Divulgação de atualizações sobre a empresa e mercado;
  • Estímulos à interatividade com a empresa;
  • Entre outros itens.

O e-mail marketing ou newsletter depende de ações bem planejadas, com a consultoria de profissionais especializados. 

Uma estratégia mal elaborada pode comprometer a eficiência na aproximação com o público.

Principais erros no envio de e-mail marketing e newsletter

Para evitar que o investimento de tempo e dinheiro em estratégias de marketing por e-mail seja em vão, é importante tentar evitar alguns dos principais erros que os empreendimentos cometem ao adotar o e-mail marketing e a newsletter. 

Dentre eles destacam-se:

Falta de permissão para enviar e-mail

Os empreendedores precisam ter em mente que, além de prejudicar as estratégias, a compra de listas de contatos pode desvalorizar a empresa e dificultar a construção de uma imagem forte e sólida.

O envio de mensagens sem a autorização do seu proprietário corresponde a um desrespeito, mesmo que o material oferecido seja de interesse do consumidor de revestimento de poliuretano, por exemplo.

Conteúdo excessivo

Outro erro que pode ser comum na elaboração de planos para ambas as estratégias é o excesso de material. 

As marcas precisam ter em mente que a maioria das pessoas está constantemente ocupada e não têm tempo ou disposição para ler uma mensagem muito longa ou complexa todos os dias.

Por isso, as estratégias de uma empresa especializada em instrumentos de medição, como o miliohmímetro digital, por exemplo, devem focar em conteúdos necessários, evitando materiais muito longos ou com muitos links. 

Eles podem distanciar os clientes e até causar o cancelamento das assinaturas, se for o caso.

Falta de personalização nas mensagens

O ideal é que os e-mails sejam sempre simples, diretos e objetivos, com um layout de fácil carregamento. 

Contudo, a personalização também ganha pontos, aumentando o impacto do e-mail marketing ou da newsletter no leitor.

Quando as mensagens possuem os nomes dos clientes, os consumidores se sentem valorizados pelas empresas, com a sensação de exclusividade.

Texto relevante

Tanto no e-mail marketing quanto na newsletter, o envio de mensagens sem relevância para os destinatários pode distanciar empresa e audiência.

Por outro lado, vamos imaginar a seguinte situação: quando uma empresa especializada em programação CLP siemens envia materiais que os leitores irão achar importantes, pode ter mais facilidade em atingir os seus objetivos com a estratégia. 

Hoje em dia, o público está em constante movimento e, em muitos casos, veem as chegadas em suas caixas de e-mail na rua, no transporte público ou no trabalho. 

Por isso uma mensagem atraente, que o consumidor vai querer abrir e ler ao bater o olho, tem grande valor.

Resultados do e-mail marketing e newsletter

Tanto e-mail marketing quanto newsletter podem ser usados pelas empresas, independentemente do segmento de atuação ou das dimensões do negócio. 

Uma consultoria ambiental, por exemplo, pode divulgar uma promoção na realização de outorga daee, com uma ação de e-mail marketing. 

Ao mesmo tempo, também pode tentar se aproximar do público compartilhando postagens sobre a importância de licenças e laudos técnicos para o uso de recursos hídricos, em newsletters.

Entretanto, é evidente a importância de entender quando escolher cada um dos modelos, principalmente devido às características, finalidades e estratégias diferentes. 

É válido que a equipe de profissionais responsáveis se pergunte o objetivo do envio de mensagens, a periodicidade adequada, o conteúdo das mensagens, entre outros aspectos, para analisar se vale a pena optar pelo e-mail marketing ou adotar o envio de newsletters.

É preciso evitar os erros mais comuns, garantindo mensagens de qualidade e atraentes para o público. 

Outra dica é a escolha de uma ferramenta de automação de e-mail com funcionalidades suficientes para as atividades planejadas. 

A possibilidade de mensuração rápida e prática de resultados também acrescenta qualidade, principalmente, com a realização de testes em busca do melhor desempenho.

Desta forma, as empresas conseguem se consolidar no mercado e garantir autoridade entre os seus clientes e potenciais clientes. 

Devido ao fato de se fazer presentes no cotidiano da sua audiência, com e-mails frequentes e relevantes, ela tende a estabelecer um grau de proximidade e identificação maior. 

Ao final, as ações contribuem para as empresas ganharem a preferência do seu público, com a proximidade entre ambos e a oportunidade de acompanhar cada potencial cliente pela jornada de compras. 

Mesmo após a conclusão das transações, o envio de mensagens por e-mail contribui para as marcas continuarem presentes, proporcionando uma boa experiência com os produtos. 

Isso ajuda a impulsionar indicações e até a fidelização.

Por isso, pode-se dizer que o envio de e-mail marketing e newsletter contribui até mesmo para a construção de uma base fiel de contatos, que representam clientes e potenciais clientes, ou pessoas que têm identificação com as empresas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site-juridico

Como o Marketing Jurídico pode ajudar seu escritório de advocacia

Com o advento da internet e do marketing digital, uma série de áreas viu novas possibilidades surgirem no seu radar de técnicas comerciais. Esse é o caso da advocacia e do marketing jurídico.

Neste caso, porém, além das diferenças radicais entre o marketing on-line e o off-line, entre o mercado de hoje e o de duas décadas atrás, temos ainda outra questão em jogo.

Trata-se do Código de Ética da OAB, que veda aos advogados a aplicação da publicidade no sentido mais mercadológico do termo, embora não proíba ações de marketing que tenham cunho mais informativo e de conscientização.

O interessante é que com isso ele restringe o campo de atuação comercial dos advogados e escritórios de advocacia, mas não apenas.

Isso porque também é verdade que aquela parcela da estratégia que é permitida, equivale ao que há de mais promissor na atualidade, que é o marketing de conteúdo.

Portanto, se você quer ficar por dentro de como o marketing jurídico pode ser feito, ajudando um escritório ou profissional liberal a se tornar uma referência em seu mercado, siga conosco até o final da leitura.

O que diz o Código de Ética da OAB?

Embora alguns países de primeiro mundo, como os próprios Estados Unidos da América, não tenham tantas limitações legais quanto à divulgação do trabalho de um advogado, este não é o caso do nosso país.

Contudo, ao contrário do que pode parecer em um primeiro momento, isso não proíbe todo e qualquer tipo de “divulgação” do trabalho. Ou seja, um escritório ou profissional não está fadado a crescer apenas organicamente, no famoso “boca a boca”.

Para entender melhor, vamos ao próprio Código de Ética da OAB, no seu Capítulo IV, intitulado “Da Publicidade”, no artigo 28.

Nele, está descrito que um advogado, ou empresa, pode abordar seus serviços de maneira informativa com “discrição e moderação”.

Pois bem, o debate que isto põe na mesa vai além do campo jurídico: é o das diferenças existentes entre branding, marketing e publicidade.

Adiante iremos compreender um pouco melhor do que se trata o marketing jurídico e essa diferenciação e como isso pode ajudar com que as ações sejam mais assertivas e promissoras.

A importância do branding e do marketing

Quase todo mundo já ouviu falar em publicidade e marketing. Já em branding, nem todo mundo. Além disso, é muito comum usarmos marketing e publicidade como sinônimos, embora em termos técnicos os dois não sejam idênticos.

Então vamos entender melhor esses três termos: o branding, primeiramente, é o processo de criação de uma marca qualquer.

Desde uma grande indústria, até uma empresa que trabalha com motoboy express, ambas precisam definir os seguintes pontos:

  • O seu logotipo e cores;
  • O seu slogan ou tagline;
  • A sua identidade visual;
  • A sua identidade verbal, etc.

Não é preciso estender muito para perceber que um escritório de advocacia também pode/precisa fazer o seu branding. Na sequência vem o papel do marketing.

Peguemos, agora, o caso de um negócio que trabalha com portaria virtual e automação, atendendo demandas como controle de acesso linear.

Após definir sua própria persona (branding) e como ela se coloca no mercado, é hora de entender melhor o próprio mercado e como a marca pode impactá-lo de modo positivo.

Também aqui, o advogado ou escritório de advocacia precisa entender a realidade do seu mercado, as demandas do seu público-alvo, o posicionamento da “concorrência” e assim por diante.

De fato, o marketing jurídico é um dos principais fatores que podem fazer o seu escritório de advocacia deslanchar e atingir resultados incríveis.

Marketing de conteúdo e marketing jurídico

Como vimos acima, a publicidade comercialmente apelativa é o último estágio de uma campanha de marketing, sendo perfeitamente possível fazê-lo sem recorrer à ela.

Também já fizemos uma referência ao termo Marketing de Conteúdo, que é importante pois, nesse contexto todo, ele se torna praticamente um sinônimo de marketing jurídico.

Também chamado de content marketing, o marketing de conteúdo está em todo lugar. Hoje, se uma empresa quiser atrair clientes da área de aluguel de gerador de energia, por exemplo, ela precisa gerar conteúdo.

Os canais mais comuns para isso são:

  • E-mail marketing e newsletters;
  • Blogs, vlogs e canais similares;
  • E-books, infográficos e afins;
  • Webinários, podcasts e lives.

Em suma, os conteúdos criados precisam ser relevantes e distribuídos gratuitamente com uma cadência que crie laços entre as partes.

É exatamente do mesmo modo que o marketing jurídico trará resultados para um escritório ou profissional liberal.

Como ficou claro, o conteúdo gerado vai desde textos mais frios e objetivos, distribuídos entre visitantes desconhecidos da marca, até interações ao vivo, geralmente feitas com foco em contatos que já entraram pelo famoso Funil de Vendas.

Assim, se o escritório desejar tratar sobre a área de empresa de automação residencial, terá de criar conteúdos jurídicos com detalhes sobre esse universo, o que atrairá o tipo de cliente que ele espera.

Vejamos abaixo o que é o famoso funil de vendas e como utilizá-lo para trazer melhores resultados dentro do universo do marketing jurídico.

O funil de vendas e a jornada da compra

O funil de vendas anda lado a lado com o conceito de jornada da compra. Esta, por sua vez, compreende as etapas percorridas por um cliente, que costuma ir desde a situação de ignorância a respeito de um produto/serviço, até a compra efetiva.

Por exemplo, uma pessoa física ou mesmo jurídica pode enfrentar uma série de dificuldades na hora de comprar ou vender um carro, sem saber que algumas agências realizam o famoso laudo pericial veicular, que dá suportes nesse sentido.

Essa pessoa começa sua jornada da compra na fase de descoberta e aprendizado. Ao entrar em contato com o marketing de conteúdo de quem oferta a solução, entra na fase de “Reconhecimento do Problema”.

Na sequência surgem as considerações, como negociações sobre prazo e preços. Enfim, há a decisão ou ato da compra.

Do mesmo modo, se um escritório advocatício quer se especializar na área de laudo avcb, (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros, obrigatório a todos os estabelecimentos do Estado de São Paulo), ele precisa gerar conteúdos nessa área.

O nome que se dá ao contato que percorre as etapas do funil é lead. Ao utilizar os vários canais citados acima, estreitando laços com o seu público e dando suporte gratuito, o profissional da área do Direito irá captar cada vez mais leads.

Com o tempo, além de enriquecer seu banco de contatos e possibilidades, ele poderá trabalhar um tipo de “pós-venda”. 

Assim, irá fidelizar os clientes já conquistados, tornando-os fãs e defensores da marca, isto é, do escritório.

Usando a internet e indo além dela…

Além dos exemplos citados acima, existe outro ponto muito importante. Na verdade são dois pontos: o primeiro, sobre como tornar seus conteúdos mais visíveis na internet. 

Já o segundo é sobre não se esquecer de que ainda há muitas oportunidades fora da esfera digital.

1. Dominando a esfera digital

Qualquer blog ou página criada para promover conteúdos precisará aparecer com destaque na primeira página dos grandes buscadores.

Afinal, eles são, em qualquer segmento que seja, a maior vitrine do mercado. Assim, quando um cliente precisa de algo como instalação de som ambiente, ele vai abrir um motor de busca no celular ou computador e pesquisar por essa palavra-chave.

Certamente, os resultados que estiverem na primeira página terão preferência. O modo de conseguir isso é praticando SEO (Search Engine Optimization, em português: Otimização para Motores de Busca).

Lembrando que, como essa estratégia só diz respeito à relevância e configuração das páginas da internet, ela não fere em nada o Código de Ética da OAB, de modo que cabe perfeitamente nas campanhas de marketing do seu escritório de advocacia.

2. Marcando presença no mercado

A internet, embora fundamental, não detém o monopólio das oportunidades. No caso do Direito, isto é ainda mais verdadeiro. Isso porque, as feiras e congressos que acontecem durante todo o ano são essenciais para qualquer profissional dessa área.

Nesses encontros, promover palestras e expor presencialmente alguns conteúdos de qualidade é um excelente modo de marketing jurídico.

Além dos workshops nichados, se o escritório quer focar na área de projeto de paisagismo residencial, também pode participar de exposições do setor, bem como em qualquer outro no qual deseje angariar clientes.

De fato, há vários recursos de marketing que um escritório de advocacia pode utilizar, com o que ele conseguirá alcançar resultados cada vez melhores.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site-medico

Saiba como fazer Marketing Médico seguindo os preceitos éticos da profissão

É possível utilizar o marketing médico de maneira eficiente, trazendo resultados para o seu consultório e seguindo os preceitos éticos da sua profissão.

A rotina de grande parte das pessoas conta com acesso à internet de modo simples, fazendo com que smartphones sejam muito utilizados para pesquisar diversos temas e assuntos.

Dessa forma, uma oportunidade para o crescimento de um profissional da área da saúde, bem como a conquista de novos pacientes, pode ser pela utilização da internet e do marketing médico.

Desse modo, quando as pessoas realizam pesquisas para saber se um neurologista trata depressão, ou sobre alguns sintomas que elas possam estar apresentando naquele momento, elas desejam obter conteúdos que possam ajudá-las a entender um quadro e, então, buscar ajuda profissional.

Sendo assim, você precisa garantir a sua presença no mundo virtual, para que seus futuros pacientes possam encontrá-lo e conhecer mais sobre o seu trabalho.

Mas como fazer isso do modo ideal, sem sair da linha ética que a profissão exige? Este artigo traz dicas para aplicar o marketing médico de modo assertivo, garantindo que você consiga obter resultados para o seu consultório.

Quais os desafios dentro do marketing médico?

O marketing médico possui restrições, afinal a profissão envolve informações e procedimentos bastante sérios e importantes.

Não à toa, o CFM (Conselho Federal de Medicina) possui um documento próprio, trazendo diretrizes para que a publicidade do seu consultório esteja dentro dos padrões éticos necessários.

Entre os principais erros cometidos no marketing médico estão:

  • Dizer-se como ‘o melhor’ dentro do seu ramo de atuação;
  • Promover-se como o único capaz de solucionar um problema;
  • Prometer resultados em um determinado procedimento;
  • Diagnosticar ou sugerir tratamentos sem realizar uma consulta;
  • Classificar-se como especialista sem ter um certificado;
  • Entre outros pontos.

O código ético traz regulamentações sobre cada um desses pontos. Eles foram instituídos para evitar uma concorrência injusta e promessas que não podem ser cumpridas, além de diferentes tipos de fraudes.

Sendo assim, é vedado dentro de um anúncio médico dizer-se o melhor ou o mais capacitado para resolver o problema de saúde de um paciente.

Além disso, não é permitido que um médico se caracterize como o único capaz de curar uma doença.

Há também erros envolvendo promessas para um determinado tipo de procedimento. Ou seja, um cirurgião, por exemplo, não pode prometer que um resultado será alcançado e utilizar fotos de antes e depois para afirmar isso.

Na internet, é comum que as pessoas busquem informações sobre vários tipos de sintomas e, por isso, é vedado ao médico diagnosticar ou sugerir medicamentos para tratar uma doença sem realizar uma consulta presencialmente.

Outro erro comum no marketing médico é dizer-se especialista em um determinado segmento sem possuir o diploma. Por isso, é fundamental tratar de assuntos em que você seja certificado para tal, evitando prejuízos para possíveis pacientes.

Ainda existem vários outros elementos que regulamentam o marketing médico, que podem ser consultados na Resolução CFM 1974/11, com o arquivo disponível para download diretamente pelo site do CFM.

Depois de conhecer mais sobre os principais desafios envolvendo os anúncios do marketing médico, conheceremos algumas possibilidades dentro desse tipo de publicidade, para que o seu consultório possa ser visto de modo mais eficiente na internet.

As possibilidades do marketing médico

Assim como uma academia deve divulgar os seus diferentes tipos de exercícios, tal como o treinamento funcional para idosos ou outras aulas para os mais variados públicos, um consultório médico pode se beneficiar do uso do marketing dentro do seu segmento.

Nesse caso, você pode optar por aplicar suas estratégias de marketing em diferentes casos, como no seu site ou blog, nas suas redes sociais ou mesmo por e-mail marketing.

Por isso, você pode investir em artigos de qualidade na sua página, de acordo com a sua especialidade médica.

Um dermatologista, por exemplo, pode desenvolver textos relatando as etapas e o os cuidados posteriores de um preenchimento no rosto, esclarecendo ao público interessado no processo como ele funciona.

Desse modo, o futuro paciente pode avaliar as etapas do procedimento e se programar previamente para uma futura aplicação.

Além do blog/site, é possível investir também nas redes sociais. Essa é, sem dúvida, uma das ferramentas mais utilizadas hoje, dada a facilidade de acesso e o número de usuários ativos nessas plataformas.

Lá, você pode disponibilizar diferentes conteúdos, descrevendo como funciona um preenchimento mandibular e interagindo com seu público, que pode utilizar o espaço para tirar dúvidas ou relatar sobre o procedimento feito na sua clínica.

O e-mail marketing também é uma solução para o marketing médico, já que ele possibilita uma ponte de contato com seus potenciais clientes e com aqueles que já se tornaram pacientes.

Com o envio de e-mails, você pode mostrar um engajamento da sua clínica em promover saúde e bem-estar, enviando conteúdos com dicas de dieta ou de beleza, recomendando algumas sessões de drenagem linfática abdominal, por exemplo, para reduzir inchaços corporais.

Com tudo isso, o seu trabalho ganhará credibilidade e, claro, conquistará mais público interessado no seu serviço.

Estratégias na produção de conteúdos para marketing médico

Depois de entender mais sobre onde aplicar o marketing médico, você deve aprender algumas das principais estratégias para confecção de artigos e textos interessantes para o seu público.

Entre elas, podemos elencar:

  • Produzir um texto com linguagem acessível;
  • Escrever conteúdos claros e diretos;
  • Usar imagens para facilitar o entendimento;
  • Aplicar palavras-chave nas suas postagens.

A linguagem médica, às vezes é um pouco complicada para o público comum, afinal o segmento envolve uma série de termos próprios, que precisam ser adaptados para uma publicação mais acessível.

Ao explicar a necessidade do uso de uma cinta pós cirurgica lipoaspiração, um cirurgião pode abordar o tema partindo do uso de expressões simplificadas, para que os leitores possam entender sobre o assunto.

Por isso, apostar em conteúdos claros e diretos é fundamental para que os seus pacientes leiam o seu artigo e absorvam as informações, tirando dúvidas quando necessário.

Para facilitar nesse processo, você pode investir no uso de imagens ou de vídeos que complementem o assunto, tornando o seu conteúdo muito mais didático para o público.

Um dermatologista particular que queira atuar de modo mais ativo na internet, pode desenvolver uma série de postagens abordando temas de interesse comum, como o cuidado da saúde da pele ou outros pontos.

A utilização de vídeos informativos é uma boa forma de montar esses conteúdos. Dessa forma, mais pessoas serão estimuladas.

Outra dica interessante para as suas publicações médicas pode ser o uso de palavras-chave dentro dos seus textos. 

Isso, porque muitas pessoas realizam pesquisas com expressões simples, que ao serem inseridas dentro do seu conteúdo ajudam no bom posicionamento da sua página na internet.

Um medico acupunturista, por exemplo, pode desenvolver um artigo e aplicar termos como “acupuntura para enxaqueca” ou “dor nas costas e acupuntura”, de modo a alcançar pessoas que buscam soluções para esses problemas.

Com conteúdos bem desenvolvido, é mais provável que o público note o seu consultório ou serviço, agregando mais credibilidade para você.

A importância do marketing médico

Atualmente, o marketing é visto de maneira muito positiva. Isso, porque já não se trata apenas de publicidade, mas sim de levar informações importantes para as pessoas, garantindo que elas sejam beneficiadas de diferentes maneiras.

O marketing médico, nesse sentido, possui uma relevância ainda maior: ele pode ajudar uma pessoa a entender mais sobre problemas de saúde e sobre como resolvê-los de modo acessível.

Por isso, mais do que promover a sua clínica, quando você aposta na confecção de um artigo com informações, você está proporcionando conhecimentos para o seu público, ajudando-os em diversos pontos.

Assim, o marketing médico ganha uma nova característica, possibilitando oferecer melhorias e bem-estar aos seus leitores com poucos minutos de pesquisa.

Afinal, a medicina é uma das áreas mais importantes de atuação, pois ela pode ser responsável por proporcionar aos seus pacientes mais conforto e tranquilidade.

Nesse sentido, conciliar os benefícios do marketing médico para o público e para a sua clínica pode ser uma maneira interessante de obter bons resultados para o seu consultório.

Ao promover bons conteúdos, você pode ser reconhecido como uma autoridade do seu segmento e ganhar um bom número de pacientes devido a isso.

A opinião de um médico especializado pode ser indispensável para um leitor que está buscando mais informações sobre o seu quadro, fazendo com que ele agende uma consulta com você.

Por isso, você deve investir no marketing médico, respeitando os preceitos éticos da profissão e utilizando meios mais práticos de auxiliar o público. 

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site-Recuperado

Marketing de Conteúdo para novos empreendedores

Nos últimos anos a internet tem ganhado cada vez mais importância, não apenas na esfera pessoal da maioria das pessoas do mundo, como também na rotina das empresas e marcas que, por meio de várias estratégias, dependem bastante dela. Inclusive, uma das táticas mais disseminadas na atualidade é justamente a do Marketing de Conteúdo.

Esse tipo de marketing é, na verdade, quase que um conceito, sob o qual se encontram várias modalidades distintas e uma gama enorme de possibilidades, vantagens e benefícios. 

De modo geral, sua maior promessa é a de tornar uma marca referencial em seu segmento, de modo que a empresa se torne uma autoridade no assunto. E tudo sem grandes gastos.

O que é mais interessante é que o marketing de conteúdo pode ser aplicado por qualquer nicho ou formato de negócio. 

De tal modo que é possível constatar casos em que ele traz resultados tanto para quem vende infoprodutos sobre depilação pubiana feminina na internet, por exemplo, quanto para uma indústria química multinacional.0

Portanto, se você quer entender como isso é possível e já começar a desenhar planos que realmente possam mudar seu negócio de patamar, siga adiante na leitura.

O cliente é o novo horizonte da publicidade

O principal ponto a ser compreendido aqui remete a uma mudança que, mais que meramente comercial, é cultural e até sociológica. 

Trata-se do modo como as novas gerações se relacionam com as empresas e marcas, e qual a expectativa delas para os novos formatos da relação de compra e venda.

Até alguns anos atrás o estilo mais praticado de publicidade era o de outbound marketing. Essa estratégia remete ao que se chama prospecção ativa, ou seja, à captação comercialmente apelativa de clientes e compradores.

Nesse formato antigo, uma empresa de detergente para lava louças industrial, por exemplo, só tinha uma escolha: fazer anúncios, panfletos e até comerciais em rádio e televisão explorando as vantagens da sua marca em relação à concorrência, bem como seus presumidos diferenciais em termos de produto e solução.

Ora, hoje em dia a abordagem já não é tão simples. Atualmente o foco não pode se dar apenas no produto, na concorrência ou mesmo na marca que faz a oferta, senão no novo protagonista do marketing de conteúdo: o cliente/comprador.

Isso que vale para produtos de apelo popular, como roupas, calçados, perfumes, alimentação, viagens e afins, vale também para setores mais industriais e nichados. 

Tal como aqueles que lidam com torres de resfriamento e controle de temperatura, por meio de bico aspersor e das demais peças de kits de aspersão e resfriamento.

Em todos esses casos, o que encontramos são clientes antenados em relação aos produtos que consomem e aplicam em suas vidas pessoais ou profissionais; igualmente engajados com os serviços/produtos de que realmente gostam e dependem.

Mais importante do que captar leads e converter clientes, hoje o foco da empresa deve ser o de tornar seus compradores um fã e defensor da marca. Sem isso, o risco de acabar perdendo espaço para a concorrência é cada vez maior.

Quais os principais modos de gerar conteúdo?

Também chamado de content marketing, o marketing de conteúdo vem se popularizando cada vez mais no Brasil, embora em países de primeiro mundo ele já tenha angariado alguns cases incríveis de superação e ampliação de negócios.

Há casos de empresas que começaram do absoluto zero e se tornaram referência nacional no seu segmento, bem como algumas que estavam prestes a fechar as portas, até conhecerem algumas estratégias que as permitiram recomeçar e recuperar seu lugar.

Para tanto, porém, não há fórmulas mágicas. Embora em termos de investimento financeiro o marketing de conteúdo custe bem menos que as modalidades antigas de publicidade e divulgação, é preciso ter e acumular muito conhecimento na área.

Por exemplo, uma indústria de aço e ferro que queira ser uma autoridade quando o assunto for laminados e tubos, barra redonda trefilada, vigas estruturais, aço ressulfurado e afins, certamente precisará dominar e muito o assunto.

Mas não se trata apenas desse tipo de expertise: também é preciso ter a disposição de conhecer melhor o próprio marketing de conteúdo, bem como seus principais conceitos e táticas mais utilizadas, quais sejam:

  • Inbound marketing;
  • Funil de vendas e captação de leads;
  • Conteúdos de blogs e vlogs;
  • Newsletters e e-mail marketing, etc.

Talvez o termo inbound marketing seja até mais popular do que o “marketing de conteúdo”. De fato, nem todo mundo sabe que este último é um conceito mais amplo, que inclui o anterior e o reduz a apenas mais uma de suas possibilidades.

O inbound marketing nada mais é que o marketing de prospecção passiva, em contraposição ao supracitado outbound marketing. 

Ele remete mais à parte prática da geração de conteúdo, ao passo em que o marketing de conteúdo remete a teorias mais abrangentes.

Como captar o máximo possível de leads

Como o content marketing não lida com prospecção ativa, nem se utiliza de apelos comerciais para atrair a atenção de clientes, ele encontra alguns desafios em termos de captação de leads.

Um conceito que ajuda bastante nesse momento é o de funil de vendas. Sem ele seria bem difícil administrar todos os contatos entre visitantes, prospects, suspects, clientes e daí por diante.

Se uma pessoa entra no seu site para ler sobre outorga de poço, por exemplo, ela ainda é um visitante apenas. Então, só se ela decidir deixar seus próprios dados para contato, é que chegará a ser um lead.

Daí a importância do conteúdo: seria preciso explicar, no exemplo dado, como funciona o certificado de outorga para perfuração de poços artesianos, deixando bem claro que você sabe do que está falando.

Ao mesmo tempo, seria preciso deixar algumas lacunas, de modo que o visitante quisesse entender mais, e deixasse os dados para receber novidades por e-mail. É assim que você consegue enriquecer seu banco de leads, dos quais você depende bastante.

Hoje se ouve falar de empresas que conseguem captar centenas ou mesmo milhares de leads com uma única campanha ou conteúdo. Também é aí que entra o papel dos blogs e vlogs, que veremos adiante.

O que os blogs e vlogs representam hoje

Os blogs e vlogs são a essência do marketing de conteúdo, uma vez que são os meios mais eficientes para a veiculação gratuita de informações de qualidade, as quais deverão ser capazes de realmente agregar valor aos leitores.

Em termos de funil de vendas, são eles a porta de entrada para que o visitante se torne um lead e comece a avançar pelas demais etapas. 

Nesses termos um prospect nada mais é que um lead já qualificado, cuja probabilidade de compra aumentou muito. E embora ele ainda não a tenha realizado, é questão de tempo.

A pessoa deixou contato em um artigo a respeito de cossinete manual, por exemplo, após tirar dúvidas sobre condições de pagamento e de entrega. 

Ora, também conhecido como tarraxa, esse produto é bem específico e serve para rosqueamento de máquinas de usinagem/siderurgia, de tal modo que seu visitante sabe exatamente do que precisava.

Se o seu conteúdo já encantou e a pessoa tirou dúvidas técnicas, e bem possível que vá comprar. Mas, caso o valor ou alguma condição se torne um impeditivo real, então ela se torna um suspect: alguém que precisa da sua solução, mas não está no momento ideal.

A diferença do blog para o vlog é que este último tende a atrair mais pessoas. Afinal, vivemos a era das imagens e do elemento visual. 

Hoje as pessoas vivem com o celular nas mãos, conectadas enquanto se locomovem, se alimentam, se exercitam, etc. De tal modo que às vezes é mais fácil consumir um vídeo/áudio, do que um texto.

Entenda o segredo das newsletters

Se os blogs e vlogs são a essência do marketing de conteúdo, em termos de disseminação de material gratuito e de qualidade, as newsletters são a alma da fidelização de clientes e do aumento da carteira de compradores.

Se uma empresa tem os melhores conteúdos digitais sobre ciclone industrial, por exemplo, que são equipamentos industriais voltados para a purificação da água, do ar e até de gases reutilizáveis, é certo que conseguirá cada vez mais leads.

No entanto, embora conquistar clientes novos seja uma boa estratégia, também é preciso trabalhar as taxas de fidelização e retenção de compradores, não é mesmo? Neste caso, é preciso continuar alimentando seus leads, mesmo depois de se tornarem clientes.

O ideal aqui é dividir tudo em dois grupos: os prospects e suspects de um lado, e do outro lado os já convertidos. Se um cliente seu consumiu a solução do revestimento autonivelante, por exemplo, que além de poder ser aplicado direto no contra-piso é uma superfície impermeável e fácil de limpar, você pode continuar instruindo-o sobre isso.

Ao disparar newsletters personalizadas para ele, sobre como manter o brilho, a qualidade e a durabilidade desse tipo de material, certamente ele perceberá que você não é daquele tipo que “só está preocupado na hora da venda”, e passará a indicá-lo.

Com essas táticas e todas as demais mencionadas, certamente você irá extrair do marketing de conteúdo o que ele tem de melhor: o poder de transformar um novo empreendedor em uma empresa de renome e autoridade.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site-industry

5 dicas de como utilizar Inbound Marketing para o setor industrial

O Inbound Marketing é um conceito criado em 2006, por Brian Halligan e Dharmesh Shah, da empresa americana Hubspot. Eles desenvolveram um software de gerenciamento de campanhas e, em 2009, lançaram essa estratégia no livro “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, a mídia social e os blogs”.

De maneira resumida, o Inbound Marketing é toda estratégia de marketing que se baseia em ganhar o interesse do público, ao invés de comprá-lo. 

Quer dizer que a ideia é criar conteúdos relevantes, para um determinado nicho de pessoas e, dessa maneira, conquistar, cativar e obter a permissão para se comunicar de forma direta, para um melhor relacionamento da empresa com os potenciais clientes.

O planejamento do Inbound Marketing é voltado, principalmente, para ações online. Por essa razão, a estratégia faz parte do conjunto de ações do Marketing Digital, sendo um dos métodos mais eficientes para encantar o público.

Mas, para que o Inbound Marketing tenha efeito, é preciso colocar o potencial cliente no centro do processo. Assim, a estratégia utiliza o conceito de “persona”, que nada mais é que uma imagem representativa do cliente ideal e suas características (sexo, idade, profissão, hobbies, etc). 

Com isso, o usuário pode ser levado aos diferentes estágios de compra, dando prioridade para a informação e consumo de conteúdo relevante, antes de efetivar a compra.

O Inbound Marketing no setor industrial

O marketing para indústrias, e incluindo o Inbound Marketing, consiste em toda e qualquer ação estratégica de divulgação, com planejamento de ações digitais, para negociação de venda e para gerar experiências impactantes, com o intuito de captar e reter clientes.

É algo muito próximo do que as empresas que lidam com consumidores finais fazem (as chamadas business to client, ou B2C). No entanto, há diferenças no modo de abordagem, bem como nas maneiras de despertar o interesse e manter o cliente fidelizado.

A diferença principal está no perfil dos clientes. O empreendedor industrial não é o mesmo que o B2C, por isso, a indústria deve ter atenção quanto às necessidades e interesses desse cliente. 

Por exemplo, ao comercializar um maquinário como a empilhadeira a combustão, o cliente não pensa somente no preço, mas também, na produtividade do equipamento e no que a máquina irá agregar ao seu fluxo produtivo.

Ademais, o perfil de clientes do ramo industrial é composto de pessoas que conhecem bem o mercado e, por isso, se reconhecem como especialistas. Sendo assim, a produção de conteúdo em marketing para indústrias deve gerar autoridade, isto é, ser capaz de informar com precisão.

Isso quer dizer que, ao tratar de processos industrial, por exemplo a dobra de chapa, o Inbound Marketing deve oferecer um conteúdo relevante, mas que leve em consideração os conhecimentos prévios do clientes. 

Eles já sabem o que é a produção e como ela é feita, no entanto, é necessário orientar sobre outras informações específicas.

Vale ressaltar que o Inbound Marketing para indústrias tem como objetivos:

  • Atrair novos potenciais consumidores;
  • Reter e fidelizar os clientes atuais;
  • Verificar quais são os problemas do público e oferecer soluções;
  • Ter mais presença no setor no mundo digital;
  • Ter consolidação no ramo, sendo referência no assunto.

O Inbound Marketing para indústrias também pode ser definido como B2B (business to business), ou seja, a venda é feita para outras empresas. Sendo assim, os profissionais envolvidos são altamente capacitados e treinados nos processos de compra. 

Outra característica está no valor alto das mercadorias e, com isso, a decisão de compra é geralmente feita por um grupo de pessoas, não por um indivíduo isolado.

Por exemplo, o valor de um barramento de cobre para painel, dependendo das especificações e da quantidade, pode ter um preço elevado. Assim, a empresa compradora verifica se a organização como um todo irá decidir o poder de compra. 

A decisão envolve vários processos, como a manifestação de interesse, a concorrência, as negociações de contrato, entre outros.

Diante desse cenário, as estratégias de Inbound Marketing são desenvolvidas de maneira mais complexa, já que a prospecção envolve representações, propostas e negociações de contratos.

Dicas de como utilizar o Inbound Marketing para as indústrias

1 – Utilize o Marketing de Conteúdo

O marketing de conteúdo é o grande aliado do Inbound Marketing, inclusive para indústrias. Com a entrega de algo relevante ao público, é possível resolver os problemas dos clientes e, desse modo, demonstrar que a indústria se preocupa com as suas dores e, ainda, tem competência para atendê-los.

Para produzir conteúdo com o Inbound Marketing, é possível utilizar os seguintes canais:

  • Postagem em blogs;
  • Postagem em redes sociais;
  • E-mail marketing;
  • Newsletters;
  • E-books;
  • Webinars.

Com base na produção desses conteúdos, também é possível criar relacionamentos com o público. 

Em um blog da indústria, por exemplo, os textos publicados podem trazer informações importantes sobre os mais variados produtos, como as especificações do termômetro de globo digital, entre outros.

2 – Utilize as técnica de SEO

Mais de 100 bilhões de buscas são feitas no google mensalmente. Isso quer dizer que grande parte dos usuários pesquisam sobre produtos e/ou serviços através dos mecanismos de busca, principalmente o Google. 

Assim, a indústria pode se aproveitar dessa informação para melhorar seu posicionamento – esse é objetivo do SEO (otimização nos mecanismos de busca).

O Google faz uso de vários critérios para determinar se uma URL é ou não digna de estar na primeira página de resultados e, um desses fatores, é o SEO. Basicamente, a técnica consiste em utilizar palavras-chave ao longo do texto, em uma determinada quantidade de vezes. 

Assim, ao tratar de rosca transportadora helicoidal, é possível produzir um conteúdo com palavras específicas e, desse modo, aumentar as chances de aparecer na primeira página do Google.

3 – Utilize os links patrocinados

Apesar de muitas pessoas acharem que os anúncios pagos não vão de encontro com os princípios do Inbound Marketing, se bem aplicado, a propaganda pode ser ótima na atração dos clientes e na influência da decisão de compra. 

Os links patrocinados permitem uma segmentação específica do público e, por essa razão, ele são altamente assertivos.

Dessa maneira, ao anunciar um inversor de frequência Siemens, é possível segmentar a propaganda para clientes que já possuem maquinários ou equipamentos da Siemens, e que fazem uso do dispositivo. 

Os links patrocinados podem ser feitos das seguintes formas:

  • Search (anúncios na pesquisa): consiste na compra de palavras-chave no Google Adwords, que aparecem como link patrocinado para o site de conteúdo, na pesquisa do usuário. A resposta ocorre pelo número de cliques, por isso, os anúncios devem estar alinhados com o conteúdo do site.
  • Display (anúncios em banners na rede de conteúdo): os banners são ótimas estratégias para chamar a atenção dos usuários, ainda mais porque eles fazem uso de imagens, vídeos e animações. Por meio dele, é possível selecionar os canais e, assim, orientar os usuários para acessar os sites. Em resumo, os displays funcionam como um “atalho”, para que o anunciante possa fazer a propaganda de um produto, como uma cinta de lixa e vincular com conteúdo de site/blog
  • Facebook Ads: o Facebook Ads é a maneira mais eficiente de realizar divulgação por meio das redes sociais, especialmente do Facebook. A grande vantagem está na alta segmentação do público, que pode ser separada por localização, faixa etária, sexo, profissão, etc.

4 – Crie ofertas

As ofertas podem ser uma ótima forma de converter usuários em leads. De modo geral, elas são categorizadas em: ofertas diretas e indiretas. 

No primeiro caso, elas são diretamente voltadas à compra, como por exemplo, pedidos de orçamento, demonstração de produtos, teste gratuitos, exemplificação de resultados (mostrar como ficou a instalação de um rack metalico para armazenagem), entre outros.

Já as ofertas indiretas são focadas em estágios mais avançados da jornada de compra, com o objetivo de educar e resolver os problemas dos leads. 

No Inbound Marketing, elas são fundamentais para influenciar na decisão de compra, pois posicionam a empresa como referência do mercado, em um determinado assunto.

5 – Incorpore o Inbound Sales

O Inbound Sales (traduzido como “vendas internas”) tem como objetivo manter uma equipe de vendedores que utilizam tecnologias de comunicação para reuniões com clientes, demonstrações e fechamento de contratos. 

A grande vantagem está na proximidade do relacionamento com o cliente, além disso, é possível ter um controle maior sobre a atuação do time de vendedores, tendo resultados das vendas, controle de bonificações, etc.

Quer dizer que, mais do que oferecer praticidades aos clientes, o Inbound Sales também é uma maneira de criar estratégias eficientes de treinamento dentro da própria empresa. Isso influencia diretamente na decisão de compra, uma vez que há maiores chances do cliente concretizar a venda, se bem atendido.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site

4 motivos para ter um blog para sua empresa

Depois de criar um site, certamente você se perguntará qual é a próxima etapa para que a sua página ganhe cada vez mais visitas e alcance bons resultados. A resposta é bastante simples: ter um blog.

É cada vez mais comum que as empresas invistam em estratégias para atrair mais público para o seu site e, mais do que pagar anúncios, elas utilizam táticas para aumento de tráfego que podem ser bastante interessantes.

Um blog é exatamente isso: uma forma atrativa de fidelizar o seu público.

Quem já possui um site em funcionamento, costuma inserir essa nova categoria, pois ela é capaz de atrair novas visitas, aumentar o tráfego e visibilidade da sua página.

Tudo isso porque no blog você pode publicar sobre os mais diversos conteúdos, que normalmente são relacionados à sua área de atuação. 

Por isso, quando um potencial cliente entra na internet para buscar mais informações sobre algo que ele precisa, ele certamente entrará na sua página.

Mas para que isso aconteça, existe uma regra básica para as postagens em blog: conteúdo de qualidade.

Afinal, para ser encontrado na internet, você deve possuir alguma relevância e ser uma autoridade no assunto.

E você será essa autoridade no seu segmento quando você investir na postagem de bons conteúdos, que atraiam o público e incentivem a participação dos leitores na sua página, com comentários e compartilhamentos, por exemplo.

Assim, se você fizer uma postagem sobre os benefícios da acupuntura para dor de cabeça, os seus leitores podem interagir de maneira ativa na sua página, fazendo com que ela ganhe maior relevância na internet.

Essas são algumas das ações que fazem com que o seu blog cresça na internet. E se ele cresce, é porque cada vez mais pessoas estão interessadas no seu conteúdo.

Se você possui um site de venda de componentes para ar condicionado e cria uma postagem que trata da limpeza de ar condicionado de janela, dando dicas para o seu leitor e falando sobre os benefícios desse serviço, certamente ele irá se interessar em ler mais conteúdos relacionados.

Sendo assim, ele provavelmente irá se cadastrar para receber as novidades que forem surgindo no seu blog, o que cria uma audiência recorrente para a sua página.

Por isso, o blog se mostra uma ferramenta complementar de grande importância para o seu site.

Neste artigo, selecionamos 4 motivos relevantes para que você tenha um blog para a sua empresa.

  1. Ter um blog faz com que você seja encontrado

Você já ouviu falar sobre marketing de conteúdo? Se você deseja criar um blog, certamente já sabe do que se trata.

O marketing de conteúdo tem por objetivo a criação de conteúdos de qualidade para que o público encontre a sua página com maior facilidade.

Por isso, ter um blog é essencial para colocar em prática essa estratégia.

Ela é bastante eficiente pois faz com que seu site/blog possua um bom posicionamento dentro dos principais buscadores, de modo que quando um cliente busca por um conteúdo que está publicado e bem desenvolvido no seu blog, você terá maior visibilidade e relevância na internet.

Um exemplo disso é se uma pessoa está buscando entender como funciona a vistoria cautelar veicular e, ao buscar o assunto na internet, encontra a sua página que fez uma publicação abordando todas as etapas e informações sobre esse serviço.

Quando você auxilia um leitor a entender sobre um assunto, de maneira simples e objetiva, você ganha a atenção dele e faz com que ele aprove o seu conteúdo, e queira receber as suas atualizações periodicamente.

Por esse motivo, ter um blog pode te ajudar a ser encontrado por clientes e potenciais clientes.

  1. Ter um blog faz você fidelizar os seus clientes

Entre as principais preocupações de uma empresa está a fidelização de um cliente. Ter um blog, nesse caso, faz toda a diferença.

Isso porque você pode fazer uma venda seu site, mas não necessariamente aquele cliente vai retornar e comprar novamente. Por isso, você precisa aplicar estratégias para fidelizar esses clientes.

Entre as principais, estão:

  • Um bom atendimento;
  • Ofertas atrativas;
  • Oferecimento de descontos;
  • Envio de brindes;
  • Proporcionar uma boa experiência de compra;
  • Criar um blog e realizar postagens de bons conteúdos;
  • Entre outras.

Sem dúvida um bom atendimento é grande parte do processo de fidelização do cliente. Afinal, quando você realiza adquire um produto/serviço espera ser bem tratado, já que está pagando por ele.

Até porque isso vai determinar a sua avaliação. Por isso, se você vai em uma clínica de estética para passar por uma drenagem linfática abdominal, você deseja que o profissional responsável pelo procedimento seja simpático e cuidadoso, prestando um bom serviço.

Nessa mesma linha, certamente boas ofertas e descontos podem ser um elemento importante da fidelização. 

Se uma pessoa realiza uma compra no seu site e você envia um cupom de desconto para motivá-la a comprar novamente, ela certamente aproveitará a oportunidade.

Pode ser interessante também apostar no envio de brindes. Isso faz com que o cliente tenha uma boa impressão da sua loja. Assim, se ele compra um balizador de embutir para o seu jardim e recebe uma lâmpada led, por exemplo, ele certamente ficará surpreso e agradecido, e voltará a fazer compras com a sua loja.

Outra estratégia importante de fidelização é a boa experiência de compra. Por isso, investir em um layout descomplicado no seu site faz toda a diferença. E se você unir a isso uma boa embalagem, um frete econômico e uma entrega rápida, o cliente ficará muito satisfeito.

Depois disso, é possível aplicar a estratégia da comunicação com o cliente, que pode ser feita com e-mail marketing e por meio do seu blog.

Afinal, sempre que você realizar uma nova postagem, pode comunicá-lo por e-mail, fazendo com que ele visite constantemente a sua página.

No blog, quando você posta sempre conteúdos bastante atrativos e informativos, você faz com que seu cliente crie o hábito de visitá-lo. Isso faz parte de uma estratégia interessante de fidelização, já que as pessoas buscam cada vez mais informação de maneira acessível.

  1. Ter um blog torna a sua empresa uma autoridade

As boas empresas são sempre reconhecidas pela qualidade dos seus produtos/serviços, mas também por serem especialistas em sua área.

Uma empresa pode prestar os serviços de locação de equipamentos para obras e utilizar o seu blog para compartilhar conteúdos informativos para o seu público-alvo, de maneira a abordar diferentes tipos de itens necessários para uma construção.

E assim fazer uma postagem indicando qual é o melhor tipo de martelete para alugar, de acordo com as características do produto e as suas principais aplicações.

Depois, ela pode ainda investir em uma série de postagens que abordem outras ferramentas para canteiros de obras, o que fará com que seus clientes ampliem a capacidade de entendimento do setor.

Assim, as postagens seguintes podem abordar temas como a necessidade de um gerador locação para não haver interrupções no serviço, sobre a importância de se adquirir materiais de qualidade para a construção, ou sobre os equipamentos de segurança essenciais para os funcionários, etc.

Desse modo, a empresa mostra que possui um amplo conhecimento da sua área de atuação, o que a torna uma referência em seu setor.

Por isso, o blog se mostra uma ferramenta importante para a empresa, fazendo com que ela seja reconhecida como uma autoridade.

  1. Ter um blog pode melhorar os seus resultados

Justamente porque um blog permite que a sua empresa seja encontrada, que você fidelize os seus clientes e faz com que você seja visto como uma autoridade no seu setor, o resultado final disso é um crescimento dos resultados.

Por isso, ter um blog pode apresentar bons resultados para sua empresa e, consequentemente, bons lucros para seu negócio.

Se uma empresa que faz venda de redes para quadras esportivas se dedica em alimentar o blog com assuntos relacionados a essa atividade, como os tipos de esportes mais praticados, os benefícios da prática de atividades físicas e os tipos de redes utilizados em cada esporte, certamente vai atrair pessoas que precisam adquirir os seus produtos.

E isso vai impactar diretamente nas vendas da empresa, já que ela não apenas vende itens, mas educa o seu público-alvo e faz com que eles entendam a importância do segmento em que estão atuando.

Por isso, um blog deve fazer parte de uma estratégia de marketing e de resultados, justamente porque ele trará novos clientes e interessados, e fará com que a empresa possua maior relevância e destaque no seu setor.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.