00002072

Métricas da Vaidade: como não se entregar a elas

Quando falamos de redes sociais, a primeira coisa que vem em sua cabeça é número de seguidores, certo? Vejo muita gente se gabar por ter milhares de seguidores! Legal, mas será que isso é de fato uma métrica relevante? As métricas da vaidade são um problema para quem decide investir em marketing digital nas mídias sociais.

Empresas e profissionais liberais em vez de qualificar o que realmente tem importância em uma rede social ou blog, se preocupam em quantificar números que não expressam se uma estratégia deu certo, se houve conversão.

Uma vez recebi uma cliente aqui na agência questionando o porquê de não conseguir converter em vendas as promoções que postava no seu perfil: “eu não entendo, tenho 16 mil seguidores é só minhas amigas compram de mim”, comentou a cliente que estufou o peito para se referir ao número de seguidores em seu perfil.

Fazendo uma rápida análise, observamos que as interações em suas postagens não passavam de 1%, onde muitos likes e comentários eram de público masculino que com certeza não estavam interessados em comprar um vestido tubinho para uma baladinha sábado à noite.

Esse é um típico exemplo de métricas da vaidade. Quando apresentadas para um público não técnico, podem até parecer grandes coisas, mas quando submetidas a um julgamento crítico e profissional, se desmancham como um castelo de areias.

Então o que são as métricas da vaidade?

Definimos as métricas da vaidade, sejam elas em um site ou em redes sociais, como indicadores que medem quantidade e não qualidade.

Um perfil com 200.000 seguidores no Twitter pode ser um número espetacular, não acham? Bem, se você fizer uma análise minuciosa e descobrir que 1,5% dos seguidores deste perfil são realmente ativos, acredito que irá mudar de ideia.

Uma análise técnica deste perfil, chegamos à conclusão que esses números são pura ilusão e tomar decisões em dados que não correspondem o que realmente é preciso analisar, é o caminho para o fracasso, seja o ramo de atuação que for.

Números simples e rápidos de se obter, geram uma miopia que tornam essa “qualificação” equivocada que prejudica qualquer estratégia digital. O que importa é estabelecer métricas que realmente medem o valor e não a sua popularidade.

Alguns exemplos clássicos de métricas da vaidade

1 – Likes e coraçõezinhos no Instagram & cia

É muito comum comentários do tipo, meu perfil vai muito bem! Conseguimos X likes essa semana! Legal, mas e daí? O que você ganha de fato com isso? Ah já sei! Faz bem para o ego rs.

Posso ter dado um like porque gostei do título, ou da imagem com um gif de um cachorrinho fofinho que você colocou junto ou de uma foto sua fazendo pose na academia.

Considero Likes ou curtidas com a mais maldita das métricas que pode existir em uma postagem sem objetivo bem definido. Tive uma namorada que quando postava uma foto sua, ficava contabilizando o número de curtidas que havia recebido. Se o número era baixo, ela entrava quase em depressão, uma lágrima podia escorrer de seus olhos. Mas quando atingia uma marca satisfatória, ela ia radiante trabalhar, se sentia uma verdadeira super-star.

2 – Cliques

Outra métrica que geralmente soa como importante mas que pode se tornar mera vaidade.

A quantidade de cliques em uma postagem pode ser interessante para você saber quantas pessoas está levando para um site ou blog, ou estão clicando em um anúncio. Se não tiver uma estratégia bem definida, um objetivo, de nada adianta os cliques.

O post possui muitos cliques mas a taxa de conversão é baixíssima, o tempo de permanência no site é ínfimo, é preciso avaliar se a página de direcionamento condiz com a postagem e se sacia a expectativa da chamada.

3 – Compartilhamentos

Muitas pessoas compartilham a sua postagem, isso pode significar que algo deu certo!

Mas a quantidade de compartilhamento de uma postagem pode não dizer necessariamente que a sua estratégia deu certo. Por exemplo o compartilhamento de uma postagem de humor ou algo que não tenha nenhum objetivo por trás.

Compartilhamentos de seus conteúdos geram tráfego para o seu site. Mas quando esse tráfego já está bem definido, o que realmente importa é colocar esse usuário dentro de um funil de vendas, entregando conteúdo que realmente desperte o seu interesse em prosseguir em uma jornada de compra. Ai sim podemos medir a efetividade de postagens em uma rede social.

Existem muitas outras métricas como taxa de rejeição, downloads de seu aplicativo, seguidores, número de páginas visitadas, que se não tiverem objetivos bem definidos, não servem para nada.

Como fugir das métricas da vaidade

A primeira coisa a fazer é ser humilde o suficiente para entender o seu real tamanho e influência no mercado que atua. É preciso ser frio e analítico e definir quais métricas realmente são importantes para a sua estratégia.

Não é pelo número de seguidores que você tem no Twitter ou no Linkedin que vai determinar que você seja uma referência na área que atua. O número de seguidores não é uma métrica que necessariamente o define como um influenciador.

Não é pelo fato de você ter mais de 30 mil pessoas seguindo o seu perfil no Twitter ou Instagram, que você realmente seja uma referência na área em que atua. Passar o dia inteiro em busca de fãs ao invés de produzir conteúdo de qualidade, que gerem engajamentos, só vai trazer resultado para uma coisa: o seu ego.

Se você já conhece a Auris Ideias Digitais, você já sabe que a gente ajuda empresas a implementar vendas pela Internet. Então se esse for o seu caso e você precisa de uma ajuda para vender mais, é muito provável que podemos ajudá-lo. Logo abaixo clique em fale comum especialista e a gente vai poder entrar em contato com você e entender um pouco mais da sua empresa para ver se realmente a gente pode ser uma ajuda para o seu negócio.

[sc name=”call-to-action-especialista”]

Autor: André Cardia

20blog-20

15 dicas de marketing pessoal

Atualmente, com a competitividade cada vez mais acirrada no mercado de trabalho e no mundo corporativo, ter um diploma e uma boa atuação profissional já não são mais garantia de conseguir (e manter) aquela vaga dos sonhos.

É preciso, antes de mais nada, mostrar ao mundo suas qualidades e potencialidades. Tudo isso sem, contudo, parecer egocêntrico, arrogante ou prepotente. Parece difícil? Pois saiba que não é tão complicado assim!

Estamos falando aqui da construção de um bom marketing pessoal. Quer aprender o que é isso e ainda ficar por dentro de ótimas dicas para transformar teoria em prática? Então acompanhe o nosso post de hoje!

O que é marketing pessoal?

Quem nunca ouviu aquele velho ditado que diz que “quem não é visto não é lembrado”? Pois é exatamente essa uma das principais bases do marketing pessoal! Afinal, de que adianta ser um excelente profissional, dotado de capacidades e qualidades extremamente valorizadas pelo mundo corporativo, se absolutamente ninguém sabe disso?

Para que seja efetivamente reconhecido perante chefes, gestores e demais colaboradores em sua área de atuação, você não pode passar despercebido. Assim, quando bem aplicadas, as estratégias de marketing pessoal podem fazer milagres por você nesse quesito.

O marketing pessoal é a melhor maneira de promover imagem, conteúdo e trabalho, de maneira a se destacar não só na empresa em que atua como no mercado de trabalho em geral. No entanto, atenção: marketing pessoal não é, de maneira nenhuma, sinônimo de culto ao ego ou simples vaidade pessoal, ok?

Na verdade, é apenas uma maneira de destacar positivamente suas habilidades, entregando valor às pessoas e fazendo com que elas tenham uma excelente impressão a seu respeito.

Está bastante enganado quem pensa que saber fazer um bom marketing pessoal é uma qualidade que já nasce com determinadas pessoas. Muito pelo contrário! Essa habilidade pode ser aprendida, desenvolvida e aprimorada. Para isso, basta querer.

E então? Quer descobrir 15 dicas de marketing pessoal extremamente úteis e fáceis de colocar em prática? Então pule para o próximo tópico!

Como colocar o marketing pessoal em prática?

1. Aja com naturalidade

A primeira e mais valiosa dica é ser você mesmo e agir naturalmente, independentemente da situação. Tente não criar um personagem profissional que nada tenha a ver com você. Assim, se você é uma pessoa alegre e extrovertida, está tudo bem ser assim também no escritório.

No entanto, aqui vale fazer uma ressalva: isso não significa adotar gírias ao travar conversas formais, tampouco gargalhar aos brados dentro do ambiente de trabalho por ser essa a maneira como você interage com sua família e seus amigos, por exemplo.

Por mais que tudo flua melhor agindo naturalmente, lembre-se de que tudo tem um limite e que cada ambiente exige uma determinada postura.

2. Seja pontual

Se você quer fazer um bom marketing pessoal, nada de seguir o (mau) exemplo de profissionais que estão quase sempre atrasados ou em cima da hora para compromissos e prazos de entrega.

Você sabia, aliás, que há empresas que desclassificam candidatos antes mesmo de entrevistá-los, justamente porque eles chegaram atrasados ao local da entrevista?

Então aprenda desde já a gerenciar melhor o seu tempo e, de preferência, acostume-se a chegar sempre com 15 minutos de antecedência a todo e qualquer compromisso. Esse cuidado automaticamente passa uma imagem de pessoa comprometida e interessada.

3. Tenha um aperto de mão firme

Esse é um detalhe que faz toda a diferença. Nós, brasileiros, já estamos acostumados a nos aproximar com abraços e beijos no rosto. Mesmo assim, em uma situação profissional, esse cumprimento não é muito indicado.

Em vez disso, prefira apertar a mão das pessoas com firmeza. Essa atitude demonstra, ao mesmo tempo, seriedade e autoconfiança.

4. Olhe nos olhos das pessoas

Olhar nos olhos é uma forma de demonstrar, de maneira não-verbal, transparência e sinceridade. Por isso, é importante que você mantenha contato visual mesmo quando estiver falando de um assunto difícil.

Além disso, também é uma comprovação física de que você está interessado no que a outra pessoa tem a dizer. Então, quando estiver conversando, evite olhar para as mãos, para o chão ou para o que está ao redor.

5. Fique atento à sua postura corporal

Isso não é mito: a postura corporal transmite mensagens sobre você a todos que o rodeiam. Uma pessoa que se senta de maneira torta na cadeira, por exemplo, não impõe muito respeito. Alguém que está sempre curvado ou de braços cruzados parece isolado, sem vontade de se enturmar. Mãos nos bolsos são um sinal de falta de interesse ou tédio.

Em vez disso, procure manter a coluna ereta, olhar sempre para a frente e deixar os braços soltos ao lado do corpo. Essencialmente, sua postura deve transmitir uma imagem de atenção, interesse, autocontrole e abertura.

Existe uma forma simples de saber se está funcionando: observe se as pessoas tentam se aproximar espontaneamente de você, pois uma boa postura corporal atrai as pessoas à sua volta.

6. Adapte a vestimenta

Não há como negar: uma pessoa adequadamente vestida passa muita confiança e uma ótima imagem pessoal. Então, leve isso em consideração sempre que for escolher o vestuário para ocasiões profissionais.

A dica aqui é vestir-se de acordo com o cargo que almeja alcançar. Se quer ser gerente um dia, por exemplo, observe como quem ocupa esse cargo na sua empresa se veste e tente se aproximar do estilo, mas sem abrir mão do seu toque próprio — afinal, são as particularidades que o distinguem dos demais.

Além das roupas, essa dica também é válida para o corte de cabelo, para os acessórios e para a maquiagem das mulheres. Todo o seu visual é um cartão de visitas.

7. Tenha iniciativa

Investir em marketing pessoal significa, dentre outras coisas, destacar-se na multidão. Nada melhor nesse quesito do que demonstrar iniciativa. Assim, não espere que os outros digam o que deve ser feito. Tome a frente e vá atrás, preferencialmente buscando soluções para problemas que sequer ocorreram.

Proponha alternativas que facilitem o trabalho e exponha suas ideias para se mostrar uma pessoa indispensável. Demonstre que você tem um lado inovador. Se a sua ideia não for bem recebida logo no começo, tudo bem.

Entenda que, pelo simples fato de participar, você já está deixando uma marca e colaborando com o grupo. É uma situação bem melhor do que ser aquela pessoa que fica no canto, sem participar ou se manifestar. Aos poucos você construirá mais aceitação e conquistará o seu espaço!

8. Procure conhecer-se

Para que você possa entender melhor os outros, é necessário, antes de mais nada, que conheça a si mesmo. Então, pare por um minuto e pense tanto nos seus pontos fortes como nos fracos. Faça uma análise SWOT pessoal.

Saiba exatamente o que você tem de bom a oferecer e efetivamente ofereça. Ao mesmo tempo, aprenda sobre os aspectos que devem ser aprimorados e como administrá-los. No entanto, não entenda esse conselho como uma recomendação para acomodar-se em relação aos seus pontos fracos.

É importante reconhecer suas limitações exatamente para que seja possível tentar superá-las. Em outras palavras, em vez de alimentar pensamentos como “eu não entendo desse assunto, então vou ficar de fora”, busque um estado mental de “se eu não entendo desse assunto, então, vou aprender tudo o que puder”.

9. Saiba ouvir

Um dos maiores problemas do mundo corporativo atual e da sociedade como um todo está na nossa extrema dificuldade em saber escutar o que os outros têm a dizer. Já reparou como, normalmente, só estamos interessados em falar sobre nós mesmos, expondo nossas opiniões e ideias? Essa postura acaba já.

Reverta de vez esse quadro, aprendendo a ouvir! Colegas de trabalho, chefes e estagiários: todos têm algo a ensinar. Além do mais, mostrar-se um bom ouvinte faz com que as pessoas tenham apreço e admiração por você. Então aproveite a chance de aprender enquanto promove seu marketing pessoal!

10. Atualize seus conhecimentos

Na era do conhecimento, toneladas de novas informações, técnicas, teorias e metodologias sobre absolutamente todas as áreas do conhecimento são lançadas no mercado diariamente. Por isso, acomodar-se não é uma solução.

Esteja sempre na vanguarda do conhecimento em sua área de atuação, frequentando congressos, palestras e workshops, lendo publicações recentes ou matriculando-se em um curso de pós-graduação, MBA ou especialização.

Além de aumentar o seu conhecimento, fazendo de você um colaborador essencial à empresa, essas atitudes ampliam significativamente seu networking profissional, fazendo com que seu marketing pessoal ultrapasse as fronteiras do ambiente de trabalho.

11. Acompanhe as notícias

A nossa última dica nem vai exigir muito de você. De fato, acompanhar as notícias é algo que já faz parte da rotina das pessoas. Porém, é ainda mais importante se você deseja melhorar o seu marketing pessoal e causar uma boa impressão.

Afinal, você não vai querer ficar sem resposta quando, em um evento ou uma entrevista, alguém perguntar sua opinião sobre um evento da política, da economia ou do meio ambiente, certo?

Portanto, procure acompanhar as principais notícias diariamente. Você pode ler ou assistir jornais. Caso isso pareça inviável na sua agenda de compromissos, não tem problema. Muitos dos melhores meios de comunicação do mundo também divulgam seus conteúdos online. Ou seja, basta um toque no smartphone para manter-se atualizado com tudo o que acontece por aí.

O que não fazer?

Para encerrar, que tal descobrir algumas atitudes que você deve evitar, em favor de um bom marketing pessoal? Nós preparamos uma pequena lista. Confira!

12. Evite demonstrar arrogância

Existem muitas atitudes que demonstram arrogância. Uma das principais é o foco em si mesmo. Se tudo que você fala começa com “eu” — “eu acho”, “eu faço”, “eu prefiro” —, cuidado.

Você provavelmente está transmitindo uma imagem excessivamente autocentrada, o que não vai ajudá-lo a conquistar nenhuma simpatia (e nenhuma oportunidade profissional). Uma solução simples é transformar essas falas em um interesse genuíno pelo outro. Já falamos sobre a importância de ouvir, certo?

Além disso, você pode também perguntar: “o que você acha daquilo?”, “como você faz isso?”, “você prefere assim ou assado?”. Ao colocar o foco no outro, você melhora a sua imagem e, por tabela, ainda aprende muito.

13. Evite fazer piadas de tudo

Muitas pessoas com dificuldade para interagir socialmente recorrem ao humor para quebrar o gelo. Você ficaria surpreso em saber quantas pessoas “engraçadas” são, na verdade, extremamente tímidas.

O problema é que você corre o risco de fazer piada com algo que não deveria ser alvo de humor e pode até ofender alguém. Mesmo que a intenção não seja essa, impressões ruins são difíceis de reverter. Então, para preservar o seu marketing pessoal, uma boa regra é tentar não usar o seu lado comediante com pessoas que ainda não conhece muito bem.

14. Evite opiniões fortes

Quando você está expondo sua imagem profissional, não é interessante associá-la a opiniões fortes. Você pode perder excelentes oportunidades simplesmente porque se posicionou de uma maneira que vai contra o que a outra pessoa acredita.

Quer saber quais temas devem sair do seu vocabulário? Todos aqueles que possam gerar uma tensão mais forte. Opiniões divergentes são algo natural — entretanto, quando crenças e valores estão envolvidos, qualquer discordância se transforma em uma discussão.

Use o seu bom senso e desvie dessas situações, deixando suas opiniões fortes fora da conversa. Existem momentos e pessoas mais adequados para compartilhá-las.

15. Evite tentar demonstrar toda a sua elegância

Nas dicas positivas, já explicamos sobre a questão da vestimenta e do estilo. Esperamos que você já tenha entendido a importância de se vestir bem. Ao contrário do que os contos de fadas ensinam, o exterior também conta no mundo profissional.

No entanto, cuidado. A linha é muito fina entre o adequado e o exagerado. Por um lado, não é legal ir de bermudas e chinelos a uma entrevista. Por outro, aquele relógio rolex de ouro ou seu sapato de salto fino de 12cm pode também não ser ideal.

A dica é simples: lembre-se de que você está em uma situação de trabalho e não em um desfile — e, muito menos, uma competição — de moda. É claro que não existe uma regra única. Se você está em uma multinacional multimilionária, pode ser que essa vestimenta faça sentido.

O segredo é estar atento para não ultrapassar os limites, nem para mais, nem para menos.

Viu só como não é assim tão complicado? Coloque nossas dicas de marketing pessoal em prática o quanto antes para observar logo uma guinada no seu sucesso profissional! Se quiser outras ideias e recomendações para alavancar sua carreira, assine a nossa newsletter e acompanhe todos os conteúdos da Fundação Dom Cabral!

Fonte: Fund. Dom Cabral

8 Dicas para aumentar suas vendas

Hoje as tendências ao redor do globo estão se tornando cada vez mais digitais, não há necessidade de se ter uma loja de frente para a rua para vender produtos ou serviços, algo que está se popularizando gradativamente é a plataforma de e-commerce, mas você já parou para pensar que só ter a loja virtual não basta? Já imaginou a logística por trás de tudo isso? É essencial contratar uma agência para lhe ajudar a gerenciar todo esse processo! Pensando nisso nossa equipe preparou algumas dicas importantíssimas para você vender mais no meio digital!

1.Ensine seu público a usar a plataforma

Não basta você ter a plataforma mais linda e eficaz do mundo todo, seu cliente precisa saber como utilizar ela, se ele não souber o passo a passo ele pode se sentir inseguro e nem sequer tentar comprar o seu produto ou abandonar o carrinho de compras no momento do pagamento!

Você DEVE marcar presença no meio digital, nas suas redes sociais: faça vídeos, fotos e carrosséis mostrando o passo a passo para fazer um compra, mostre como utilizar as diversas formas de pagamento, como proceder caso apareça uma mensagem de erro, ensine e eduque o seu cliente!

 2. Evidencie seu produto

Se você já possui loja virtual, mesmo que seja de modo mais informal como vendas pelas redes sociais e agora você resolveu lançar uma plataforma e-commerce, na pagina inicial do seu site é preciso que o usuário veja e deseje aquilo que você está oferecendo!

No inicio do seu site evidencie os produtos com mais saída, humanize as fotos, trabalhe fundos que valorizem seu produto, dê destaque, contrate uma agência que possa lhe auxiliar nesse processo, agregue valor ao seu produto e mude a forma como seu consumidor vê a sua empresa.

Dica: no inicio do site evite imagens somente com fundo branco, dê evidência aos detalhes, contrastar o produto com uma ambientação vai enriquecer seu produto e sua marca!

3. Use as redes sociais ao seu favor

Pare de pensar que as redes sociais só servem para postar fotos bonitinhas, use as redes para se tornar uma autoridade no seu segmento, mostre seu produto, faça um unboxing e poste na rede, faça stories mostrando sua empresa, o dia a dia, sua rotina, mostre quando chegam novos produtos, conte novidades, dê dicas, interaja com seu público!

Se você vende resina por exemplo, faça um vídeo mostrando como misturar a resina com o catalisador, dê dicas para dosagem, indique materiais bons para fazer molde, conte sua experiência com o produto.

Se você é da área de moda, dê dicas de combinação, mostre como seu produto pode ser usado, humanize as fotos para aproximar o usuário da rede e do seu segmento, preze por uma boa imagem.

Dica: esqueça a quantidade de seguidores, isso não é tão importante quanto você pensa! Imagine, você tem 90mil seguidores e quando você posta uma foto 300 pessoas interagem com você: curtem, comentam, salvam como referência…. mas aí eu te pergunto, e o restante desses 90mil seguidores que estão no seu perfil? É enfeite? Pra que? Qual a finalidade disso? Mais vale você ter 200 seguidores fiéis que interagem com você e compram seu produto, do que seguidores de fachada….

Tenha em mente: Seguidores que não são fieis a sua empresa não enchem seu caixa!

Pense: poucos seguidores que são fieis e compram seu produto, esses sim abrem seu caixa, se de 200 seguidores 100 deles fizerem uma compra de 200,00 cada, seu caixa já está no positivo!

Uma frase que sempre falamos para nossos clientes:

“Para nós não importa a quantidade de seguidores, mas sim a qualidade dos que estão nos seguindo”

Beleza, você já fez todos esses passos até aqui, e agora? Acabou?

CLARO QUE NÃO!!!!

É importante você fazer o processo de pós-venda! Seu cliente precisa se sentir próximo de você, da sua marca, da sua empresa!

6. Use o WhatsApp para dar um tão famoso: “OI SUMIDO”

Nos processos de pós-venda você precisa se aproximar do seu cliente, mas atenção, nada de chegar e dizer:

“Oiiiiii Fulano, tudo bem? Como foi a sua experiência com nosso produto?”

Você não conhece e nem tem intimidade com esse usuário, seja menos informal e não tão “intimo”, tente algo como:

“Oi, Fulano, sou a Sicrana da empresa X, gostaria de saber se deu tudo certo com o nosso produto, você precisa de alguma ajuda? teve algum problema durante o transporte?”

Seja direto e objetivo, não seja insistente!

7. Hora do pós venda!

Depois do processo de pós-venda, você precisa manter seu consumidor ativo!

Já parou para pensar em como fidelizar o seu cliente? Não? Você está fazendo isso errado!

Pense em como fidelizar ele, como pode tornar a experiência dele agradável! você pode utilizar listas de transmissão por exemplo!

Exemplo: João comprou um tênis de corrida tamanho 44!

Você DEVE pedir autorização para enviar promoções e novidades exclusivas, crie uma lista de transmissão no WhatsApp e segmente ela, por exemplo:

Lista de transmissão: TÊNIS DE CORRIDA MASCULINO 44

Nesta lista você inclui todas as pessoas que compraram este tipo de tênis ou então você pode abranger mais pessoas e criar a lista TÊNIS DE CORRIDA MASCULINO,  e assim ir segmentando cada vez mais, pois quando chegar um tênis novo super incrível de corrida na sua loja, você sabe quem são seus potenciais clientes!

Ok? Mas eu tenho um grupo de clientes no WhatsApp posso mandar ali também!?

NÃO PODE!

Grupos de WhatsApp expõem pessoas, imagine que um amigo seu coloca você em um grupo no qual a pornografia rola solta, pronto, se alguém das pessoas do grupo salvar seu número você já está exposto e pode vir a ter dores de cabeça com isso! Dê adeus a sua privacidade! Enquanto nas listas de transmissão não, você tem uma lista que funciona como um e-mail com cópia oculta, tudo que você enviar ali todos da lista recebem de forma individual e desta forma ninguém é exposto!

Até aqui tudo bem, tudo muito bom, mas apesar de tudo isso, você pensa na experiência do seu consumidor? Já pensou na sensação que seu produto oferece a ele? Já parou para imaginar qual a cara que ele faz ao abrir sua embalagem?

Bom, isso é um ponto muito importante! E é a nossa próxima dica:

8. Foque nos detalhes

Pense em todo o ciclo do seu produto, pense em como ele chega ao seu cliente, pense em como poderia ser mais prazerosa a experiência… por exemplo:

Você tem uma pizzaria e atende somente Delivery, ok?

Se você entrega em uma emba,lagem de papelão só com a logo e telefone estampados na tampa em serigrafia da cor preta. Você está transmitindo a sensação de que não está nem ai para seu cliente! Você só quer vender o produto e acabou… aí gera duas opções:

  1. Se seu cliente recebeu a pizza intacta, o gosto era bom e o preço baixo ele pode vir a comprar novamente no futuro;
  2. Se seu cliente recebeu a pizza com recheio fora do lugar e demorou 5min a mais na entrega, já era, você nunca mais pega esse cliente, porque além do recheio fora do lugar e o atraso na entrega gerou uma frustração e uma experiência ruim.

Agora, se você fica atento aos detalhes e pensa na experiência do seu usuário, aí meu amigo a conversa muda!

Imagina a mesma situação, você tem uma pizzaria e atende somente Delivery, seu cliente fez um pedido no site, pagou um valor um pouco mais alto que o da concorrência para experimentar o seu produto, você todo preocupado com ele pensou:

  1. Vou fazer uma embalagem toda trabalhada que vai estender o ciclo de vida dela, meu usuário vai poder usar a tampa como prato e se ele dobrar ela no meio ele pode fechar ela desta forma, guardar na geladeira ocupando o mínimo de espaço possível;
  2. Também vou mandar um cupom de fidelidade para que a cada 10 pizzas ele ganhe um super combo com tudo que tem direito;
  3. Vou mandar nosso cardápio impresso bem diagramado para que ele veja que nós temos muitos sabores e nos preocupamos com a opção de alimentação que ele tem, vou oferecer opções sem glúten, sem lactose e para os veganos vou ter esses sabores.

Ai furou um pneu da moto do entregador e atrasou 5 minutos, no momento da entrega o motoboy pede desculpas pelo ocorrido de forma educada como você treinou ele para fazer e entregou a pizza na embalagem com todas aquelas funções que vão proporcionar um excelente experiência com o produto, com o cupom de fidelidade que vai trazer benefícios para seu cliente e com o cardápio todo diagramado por um profissional evidenciando seus sabores super apetitosos e opções de alimentação para todos os gostos. O consumidor recebeu, pagou, agradeceu e tudo correu bem!

Mais tarde você entra em contato e pergunta como foi a experiencia dele com o restaurante e aí vem a resposta:

“houve um pequeno atraso na entrega, mas o motoboy explicou que havia furado um pneu, essas coisas acontecem, né? Mas os meninos aqui em casa adoraram a pizza, minha filha se apaixonou pela embalagem e queria que não consumíssemos toda a pizza pra ela dobrar e guardar na geladeira, ela já estava falando “mãe amanhã vamos pedir novamente né?” estou pensando em pedir mesmo, afinal esse sistema de pontuação aqui é bem atrativo!”

Por isso sempre pense: Como eu gostaria de receber esse produto?

Pensar no seu consumidor não é perda de tempo! É TEMPO INVESTIDO!

Essas foram algumas dicas que nossa equipe preparou para você, nós já vivenciamos situações como essa e sabemos que é de extrema importância manter o relacionamento com o cliente!

Siga nosso perfil no instagram @auris_id  e fique por dentro das novidades!

BLOG_imagens-para-redes-sociais

Pesquisa mostra como escolher imagens melhores para mídias sociais

O que sua marca pode fazer para melhorar o engajamento nas mídias sociais? Pense mais visualmente.

Claro, você já usa imagens. Mas você está selecionando os melhores para engajar seu público com base no que é mostrado para ser bem-sucedido em geral e nos fatores exclusivos de cada plataforma? (Dica: nem todas as plataformas de mídia social têm as mesmas práticas recomendadas quando se trata de recursos visuais de sucesso.)

Crie imagens visuais pequenas para o compartilhamento do Facebook

Em plataformas sociais, a mídia visual funciona melhor que o texto. Por exemplo, as imagens ganham 2,3 vezes mais envolvimento no Facebook do que as mensagens de texto, de acordo com a pesquisa do BuzzSumo.

Para promover o seu conteúdo de forma “mais longa no social”, utilize uma imagem que atraiam a atenção nas mídias sociais. Crie uma postagem de imagem relacionada ao conteúdo do seu blog e cite esse conteúdo no campo de texto para estender seu alcance além de simplesmente compartilhar o texto.

Imagens de mídia social devem ser facilmente consumíveis, transmitindo rapidamente uma mensagem emocionalmente impactante e simples. Aqui está o que a pesquisa nos diz sobre quais tipos de imagens são compartilhadas:

  • Mostre uma parte do corpo como uma mão ou um tornozelo. A pesquisa da Convince & Convert mostra que as imagens da marca obtêm o maior engajamento quando mostram uma parte de uma pessoa, normalmente uma mão, interagindo com um objeto. Essas imagens corporais parciais foram 29% melhores que as imagens com uma pessoa completa e 10% melhores que as imagens sem uma pessoa. A sugestão por trás da pesquisa é que os consumidores são mais capazes de se imaginarem interagindo com o produto quando vêem uma parte de outra pessoa interagindo fisicamente com ele. Ver o rosto de uma pessoa tira o espectador da “foto”. Curiosamente, as imagens sem uma pessoa ou parte do corpo receberam o maior número de comentários .

Imagens corporais parciais de marcas têm melhor desempenho do que uma pessoa completa ou nenhuma pessoa por meio do @Convince & Convert.

  • Seja brilhante, claro, vivo e original. A pesquisa apresentada na Conferência Internacional de 2018 sobre Gestão da Informação encontrou imagens muito apreciadas no Facebook tendem a exibir quatro qualidades: brilho, clareza, vivacidade e engenhosidade. Do ponto de vista técnico, os posts da sua imagem de marca devem ser bem iluminados e fáceis de interpretar. Eles também devem apresentar algo lúdico e criativo. Imagens de produtos de estoque não necessariamente farão o trabalho.

Não se esqueça de procurar por dicas visuais no seu feed do Facebook – o que você vê no seu feed é um exemplo do que está sendo compartilhado.

Exemplo: marca de roupas A Shein é uma das marcas de maior crescimento no Facebook, de acordo com os SocialBakers . Um de seus posts recentes mais compartilhados possuía 112 ações:

Enquanto esta postagem teve três compartilhamentos:

Por quê? O primeiro provavelmente é compartilhado mais porque favorece o público. É interessante, bonitinho e bom, o tipo de coisa que você espera ver no seu feed do Facebook, e é por isso que as pessoas o compartilham em seus feeds. O segundo post é focado em vendas (e inclui um rosto), o que não solicita que os espectadores cliquem em “compartilhar”.

Conheça os segredos visuais do Instagram

Imagens que se destacam no Pinterest e no Instagram diferem dos tipos de imagens que tem um bom desempenho no Facebook. De acordo com a pesquisa da Curalate , postagens de sucesso no Instagram tendem a ter as seguintes propriedades:

  • Imagens mais brilhantes
  • Imagens com mais espaço em branco ou espaço de fundo
  • Cores em direção ao extremo azul do espectro
  • Única cor dominante
  • Imagens de baixa saturação, com cores relativamente cinzentas, desbotadas ou pastel
  • Imagens com muita textura

Exemplo: Considere este post da marca de moda Everlane.

post Everlane

DICA: Em contraste com a pesquisa sobre rostos no Facebook, rostos no Instagram ganham mais “curtidas” do que imagens sem rostos, de acordo com pesquisa da Georgia Tech .

Visualize seus dados

Falando de imagens simples que transmitem informações úteis, a visualização de dados pode ser uma maneira poderosa de ganhar atenção nas mídias sociais. As imagens informativas tendem a atrair mais atenção do que o texto e são três vezes mais propensas a serem compartilhadas nas mídias sociais do que os documentos.

Clare McDermott discutiu isso em profundidade. Aqui estão algumas dicas sobre como melhor criar visualizações de dados para conteúdo:

  • Simplifique a visualização de dados. Use formas que as pessoas reconheçam com facilidade como gráficos de pizza e gráficos de barras, e não representações novas que possam ser muito criativas para o seu público.
  • Não mostre tudo . Concentre-se nos resultados mais acionáveis ​​ou interessantes.
  • Use métodos de design sutis para chamar a atenção do usuário para os pontos mais importantes.
  • Use cores com propósito, não para decoração. Use-o para separar categorias ou chamar atenção para um ponto. Nunca use apenas para enfeitar sua imagem.
  • Não use um método que acabe parecendo confuso . Por exemplo, os gráficos de pizza não são o melhor formato se você estiver transmitindo um grande número de categorias.

A visualização de dados é melhor combinada com pesquisa original e como um lead-in para um ímã de lead, como um e-book ou white paper. Aproveite seus dados de uma forma que permita que sua marca faça comentários úteis sobre os principais tópicos de seu setor ou o público em geral. Isso atrai seu público-alvo a compartilhar seu conteúdo e possivelmente suas informações de contato em troca do conteúdo detalhado.

Crie uma chamada para ação que traga uma reação

O conteúdo que é compartilhado e apreciado não envia necessariamente tráfego para seu site, e o conteúdo que atrai altas taxas de cliques não é necessariamente compartilhado o suficiente. A chave é encontrar o equilíbrio certo com as metas de engajamento e CTR. E o apelo à ação deve corresponder ao objetivo do post.

Exemplo: Forever 21 publicou dois posts no Instagram, ambos projetados para vender produtos.

Com 40.000 “curtidas”, essa imagem incorpora uma pessoa (um fator alto no engajamento). O Forever 21 facilita a localização do produto, fornecendo um código de pesquisa e lembrando o público do link da loja na biografia. O apelo à ação é lógico, porque se você gosta da imagem, provavelmente você está interessado na roupa.

post Forever 21

Agora compare isso com este outro post do Forever21:

Forever 21

A imagem transmite a venda claramente, mas não é o tipo de imagem que os Instagrammers estão procurando. O número relativamente baixo de “curtidas” (dois terços da postagem da camisa torcida, embora estivesse on-line 50% mais tempo que a postagem de exibição do produto) significa que menos pessoas verão a publicação e, em última análise, significaria menos referências ao site do que o post acima.

Se você deseja expandir o alcance de suas chamadas para ação, destaque seus produtos de uma maneira que faça sentido para a plataforma. Instagrammers estão procurando por algo artístico. Os usuários do Facebook estão procurando por algo relacionado. Tweeters estão procurando por algo interessante, e assim por diante.

Conclusão

Usuários de mídia social são vorazes por conteúdo visual e é uma das ferramentas mais poderosas do seu arsenal para expandir seu alcance e impulsionar conversões. Invista em conteúdo visual exclusivo, dê um passo além das imagens de produtos em estoque e preste atenção aos padrões de plataforma para ter sucesso a curto e longo prazo.

Fonte: CMI