INCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

E receba por email novos conteúdos sobre Marketing Digital e Vendas

Conheça as principais atualizações do algoritmo do Google

As atualizações do algoritmo do Google não param. A cada ano que passa, o buscador lança uma nova tendência, que reflete na maneira em que os sites são classificados nos resultados de pesquisa (SERPs).

Com isso, quem investe em SEO (Search Engine Optimization), ou otimização para os mecanismos de busca, precisa ficar de olho em todas as mudanças, para reformular os conteúdos e, dessa forma, alcançar a tão sonhada primeira posição.

No artigo de hoje, conheça as principais atualizações do algoritmo do Google e saiba como otimizar o seu site para melhorar a classificação nas SERPs. Acompanhe a leitura!

Mas, primeiro: como funcionam os algoritmos?

O algoritmo do Google nada mais é que um conjunto de operações que define a forma como os resultados das buscas serão apresentados aos usuários.

Por exemplo, quando você faz uma pesquisa sobre reeducação alimentar para emagrecer, o Google oferece uma série de resultados. Porém, os que estão no topo da lista são os que seguiram as recomendações dos algoritmos.

Sendo assim, eles são considerados mais valiosos do que os outros sites, com um conteúdo informativo de qualidade, além de oferecer uma boa experiência ao usuário.

Em resumo, os algoritmos são responsáveis por descobrir, entender e organizar o conteúdo que irá aparecer nos resultados de pesquisas, para entregar as melhores respostas aos usuários.

9 principais atualizações do algoritmo do Google

Agora que você já entendeu como os algoritmos funcionam, é o momento de conhecer as principais atualizações do Google nos últimos anos. Dessa forma, você saberá exatamente como otimizar o seu site para melhorar a classificação.

1 – Panda (2011)

O Panda foi uma atualização lançada oficialmente em 2011, que transformou significativamente a estratégia de SEO. Com ela, mais de 12% dos resultados de busca foram afetados e milhares de sites foram rebaixados.

A principal diretriz do Panda é punir as páginas com conteúdos de baixa qualidade. Sendo assim, alguns sites tiveram que reestruturar seus materiais.

De acordo com a atualização, as páginas serão punidas em caso de:

  • Plágio (conteúdo duplicado ou copiado);
  • Produção automática de textos;
  • Pouca informação de qualidade;
  • Excesso de publicidade, ao invés de conteúdo;
  • Geração indiscriminada de backlinks.

Por isso, se uma empresa de motoboy quer começar a investir no SEO, ela precisa ficar atenta a todas as recomendações do Panda, pois essa é uma das atualizações que mais pesa na hora de classificar os conteúdos no Google.

2 – Penguin (2012)

O Penguin (ou pinguim) foi uma atualização lançada em 2012, que afetou cerca de 3% das páginas nas SERPs. 

A ideia aqui é evitar a “superotimização” dos sites, ou seja, páginas que investem pesado em SEO, mas acabam esquecendo que o usuário é quem merece destaque. Normalmente, o excesso de otimização resultava no famoso black hat (técnicas abusivas).

Diante disso, o Penguin passou a punir os sites que produziam conteúdos de baixa qualidade somente para ludibriar o algoritmo.

Como exemplo, podemos destacar os textos que somente repetiam as palavras-chave aleatoriamente. Desse modo, se o termo era contrato motoboy, por exemplo, essa mesma palavra era repetida indiscriminadamente ao longo do artigo.

Essa é uma prática de black hat, punida pelo Penguin.

3 – Hummingbird (2013)

O Hummingbird foi lançado em 2013, tendo como principal objetivo aprimorar os resultados de busca. Diferentemente das atualizações anteriores, a intenção aqui não é punir, mas sim, fazer uma classificação mais estratégica.

Com o Hummingbird, as páginas não precisavam mais conter a representação exata das palavras-chave pesquisadas pelo usuário. Sendo assim, os conteúdos poderiam ter termos variantes, o que colabora com a riqueza textual.

Dessa forma, ao invés de escrever “moto frete” em um blog post, por exemplo, é possível optar pelo conjunto “frete de moto”, que dá mais sentido e leveza ao conteúdo.

Com a ajuda de sinônimos e melhor correspondência do campo semântico, o Google era capaz de compreender o que está sendo pesquisado e, assim, entregar os melhores resultados ao usuário.

4 – Pigeon (2014)

O Pigeon é uma atualização de 2014, que aprimorou as buscas para resultados locais.

Com ela, o Google passou a classificar as pesquisas de acordo com a localização do usuário, entregando resultados de empresas, lojas e outras informações de negócios próximos.

Assim, quando o usuário busca por sala comercial compartilhada, por exemplo, o buscador irá indexar os coworkings que estão dentro da cidade ou bairro em que a pessoa está. Isso ajuda nas buscas mais específicas.

Estima-se que o Pigeon modificou a classificação de vários sites, além de melhorar o rankeamento de pequenos negócios locais.

5 – HTTP/SSL Update (2014)

Também em 2014, o Google lançou outra atualização, mas dessa vez, com foco na segurança. O HTTPS tornou-se um fator de rankeamento porque incentivou a adoção de protocolos de proteção nos sites.

Sendo assim, as páginas que possuem certificados SSL e migram para o HTTPS contam com informações criptografadas, impedindo que os dados possam ser usados por pessoas mal intencionadas, ou perdidos.

Além disso, alguns sites mais seguros, com tecnologia similar a uma catraca controle de acesso, permitindo que somente pessoas autorizadas possam verificar informações, também obtiveram melhor classificação no Google.

6 – Mobilegeddon (2015)

Já em 2015, o Google lançou o Mobilegeddon, uma atualização voltada às pesquisas em dispositivos móveis.

Com essa mudança, os sites mobile-friendly passaram a ganhar mais destaque nos resultados de busca, justamente porque permitiam o acesso através de tablets e smartphones, aparelhos em expansão nos últimos anos.

O objetivo do Mobilegeddon era melhorar a experiência dos usuários que fazem buscas por dispositivos móveis, tendo um site com design mais responsivo e maior velocidade de carregamento.

Na prática, essa atualização não causou grandes mudanças, uma vez que várias páginas já se preparavam para oferecer uma boa navegabilidade em diferentes telas.

7 – Rank Brain (2015)

Outra atualização lançada em 2015 foi o Rank Brain, como uma evolução do Hummingbird

Visto que o Google já era capaz de compreender as intenções de busca do usuário, agora o buscador também utilizaria a inteligência artificial e machine learning para a classificação.

Dessa forma, o mecanismo de busca conseguiu interpretar melhor as consultas dos usuários. Sem a ajuda de intervenção humana, o Google aprendeu automaticamente as questões de interação, para entregar resultados mais relevantes.

Nesse sentido, quando um usuário pesquisava por gravação áudio, por exemplo, o Google já sabia qual era a intenção, por exemplo, encontrar um software ou um estúdio, de acordo com as pesquisas previamente feitas e o comportamento do internauta.

8 – Fred (2017)

A atualização nomeada como Fred foi lançada em 2017, tendo como principal objetivo identificar os sites com conteúdos de baixa qualidade, com excesso de banners publicitários.

O Fred funciona basicamente como o Panda, porém, tem como foco identificar a presença de anúncios patrocinados usados indiscriminadamente nos sites.

9 – BERT (2019)

Em 2019, o Google lançou a atualização conhecida como BERT (Bidirectional Encoder Representations from Transformers). O algoritmo conta com um novo sistema de inteligência artificial, especializado no processamento de linguagem natural (NLP).

De acordo com o próprio Google, cerca de 15% das buscas realizadas diariamente são inéditas. Sendo assim, os sistemas precisam de inteligência suficiente para compreender as intenções dos usuários, mesmo que as pesquisas nunca tenham sido feitas.

Além disso, o BERT consegue identificar quando as palavras-chave são escritas incorretamente. Dessa forma, se alguém busca por “aluguel de endereço fiscal”, mas escreve algo errado, o algoritmo é capaz de fazer essa diferenciação.

Em suma, o BERT consegue compreender o contexto geral das buscas, tendo como base uma análise dos termos que compõem a pesquisa, os significados, o contexto e a relação entre as palavras.

Com essa atualização, a indexação do Google não fica travada em palavras-chave específicas, já que o buscador entende frases completas, mesmo quando são escritas de modo informal.

Conclusão

Ter uma boa classificação no Google não é uma tarefa simples. Afinal de contas, é preciso considerar uma série de aspectos na hora de produzir o conteúdo e, além disso, levar em consideração os algoritmos envolvidos no buscador.

Em conjunto, o Google está em constante mudança, sempre lançando novas atualizações para melhorar a classificação das páginas. Como consequência, o SEO é afetado e vários sites precisam renovar seus materiais para manter o bom rankeamento.

O artigo de hoje buscou trazer algumas das principais atualizações do algoritmo do Google, destacando as mudanças que afetaram diretamente o SEO. 

Ao conhecer todas elas, é possível produzir conteúdos mais direcionados, tendo em vista não só as exigências do buscador, mas também as intenções de busca do usuário.

Assim, você irá conseguir alcançar a tão sonhada primeira posição no Google!

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Auris

Por: Auris Ideias Digitais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

INCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

E receba por email novos conteúdos sobre Marketing Digital e Vendas

Comments are closed.

Últimos Artigos e Notícias

Shopping Basket

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site.