INCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

E receba por email novos conteúdos sobre Marketing Digital e Vendas

Marketing de Conteúdo para novos empreendedores

Nos últimos anos a internet tem ganhado cada vez mais importância, não apenas na esfera pessoal da maioria das pessoas do mundo, como também na rotina das empresas e marcas que, por meio de várias estratégias, dependem bastante dela. Inclusive, uma das táticas mais disseminadas na atualidade é justamente a do Marketing de Conteúdo.

Esse tipo de marketing é, na verdade, quase que um conceito, sob o qual se encontram várias modalidades distintas e uma gama enorme de possibilidades, vantagens e benefícios. 

De modo geral, sua maior promessa é a de tornar uma marca referencial em seu segmento, de modo que a empresa se torne uma autoridade no assunto. E tudo sem grandes gastos.

O que é mais interessante é que o marketing de conteúdo pode ser aplicado por qualquer nicho ou formato de negócio. 

De tal modo que é possível constatar casos em que ele traz resultados tanto para quem vende infoprodutos sobre depilação pubiana feminina na internet, por exemplo, quanto para uma indústria química multinacional.0

Portanto, se você quer entender como isso é possível e já começar a desenhar planos que realmente possam mudar seu negócio de patamar, siga adiante na leitura.

O cliente é o novo horizonte da publicidade

O principal ponto a ser compreendido aqui remete a uma mudança que, mais que meramente comercial, é cultural e até sociológica. 

Trata-se do modo como as novas gerações se relacionam com as empresas e marcas, e qual a expectativa delas para os novos formatos da relação de compra e venda.

Até alguns anos atrás o estilo mais praticado de publicidade era o de outbound marketing. Essa estratégia remete ao que se chama prospecção ativa, ou seja, à captação comercialmente apelativa de clientes e compradores.

Nesse formato antigo, uma empresa de detergente para lava louças industrial, por exemplo, só tinha uma escolha: fazer anúncios, panfletos e até comerciais em rádio e televisão explorando as vantagens da sua marca em relação à concorrência, bem como seus presumidos diferenciais em termos de produto e solução.

Ora, hoje em dia a abordagem já não é tão simples. Atualmente o foco não pode se dar apenas no produto, na concorrência ou mesmo na marca que faz a oferta, senão no novo protagonista do marketing de conteúdo: o cliente/comprador.

Isso que vale para produtos de apelo popular, como roupas, calçados, perfumes, alimentação, viagens e afins, vale também para setores mais industriais e nichados. 

Tal como aqueles que lidam com torres de resfriamento e controle de temperatura, por meio de bico aspersor e das demais peças de kits de aspersão e resfriamento.

Em todos esses casos, o que encontramos são clientes antenados em relação aos produtos que consomem e aplicam em suas vidas pessoais ou profissionais; igualmente engajados com os serviços/produtos de que realmente gostam e dependem.

Mais importante do que captar leads e converter clientes, hoje o foco da empresa deve ser o de tornar seus compradores um fã e defensor da marca. Sem isso, o risco de acabar perdendo espaço para a concorrência é cada vez maior.

Quais os principais modos de gerar conteúdo?

Também chamado de content marketing, o marketing de conteúdo vem se popularizando cada vez mais no Brasil, embora em países de primeiro mundo ele já tenha angariado alguns cases incríveis de superação e ampliação de negócios.

Há casos de empresas que começaram do absoluto zero e se tornaram referência nacional no seu segmento, bem como algumas que estavam prestes a fechar as portas, até conhecerem algumas estratégias que as permitiram recomeçar e recuperar seu lugar.

Para tanto, porém, não há fórmulas mágicas. Embora em termos de investimento financeiro o marketing de conteúdo custe bem menos que as modalidades antigas de publicidade e divulgação, é preciso ter e acumular muito conhecimento na área.

Por exemplo, uma indústria de aço e ferro que queira ser uma autoridade quando o assunto for laminados e tubos, barra redonda trefilada, vigas estruturais, aço ressulfurado e afins, certamente precisará dominar e muito o assunto.

Mas não se trata apenas desse tipo de expertise: também é preciso ter a disposição de conhecer melhor o próprio marketing de conteúdo, bem como seus principais conceitos e táticas mais utilizadas, quais sejam:

  • Inbound marketing;
  • Funil de vendas e captação de leads;
  • Conteúdos de blogs e vlogs;
  • Newsletters e e-mail marketing, etc.

Talvez o termo inbound marketing seja até mais popular do que o “marketing de conteúdo”. De fato, nem todo mundo sabe que este último é um conceito mais amplo, que inclui o anterior e o reduz a apenas mais uma de suas possibilidades.

O inbound marketing nada mais é que o marketing de prospecção passiva, em contraposição ao supracitado outbound marketing. 

Ele remete mais à parte prática da geração de conteúdo, ao passo em que o marketing de conteúdo remete a teorias mais abrangentes.

Como captar o máximo possível de leads

Como o content marketing não lida com prospecção ativa, nem se utiliza de apelos comerciais para atrair a atenção de clientes, ele encontra alguns desafios em termos de captação de leads.

Um conceito que ajuda bastante nesse momento é o de funil de vendas. Sem ele seria bem difícil administrar todos os contatos entre visitantes, prospects, suspects, clientes e daí por diante.

Se uma pessoa entra no seu site para ler sobre outorga de poço, por exemplo, ela ainda é um visitante apenas. Então, só se ela decidir deixar seus próprios dados para contato, é que chegará a ser um lead.

Daí a importância do conteúdo: seria preciso explicar, no exemplo dado, como funciona o certificado de outorga para perfuração de poços artesianos, deixando bem claro que você sabe do que está falando.

Ao mesmo tempo, seria preciso deixar algumas lacunas, de modo que o visitante quisesse entender mais, e deixasse os dados para receber novidades por e-mail. É assim que você consegue enriquecer seu banco de leads, dos quais você depende bastante.

Hoje se ouve falar de empresas que conseguem captar centenas ou mesmo milhares de leads com uma única campanha ou conteúdo. Também é aí que entra o papel dos blogs e vlogs, que veremos adiante.

O que os blogs e vlogs representam hoje

Os blogs e vlogs são a essência do marketing de conteúdo, uma vez que são os meios mais eficientes para a veiculação gratuita de informações de qualidade, as quais deverão ser capazes de realmente agregar valor aos leitores.

Em termos de funil de vendas, são eles a porta de entrada para que o visitante se torne um lead e comece a avançar pelas demais etapas. 

Nesses termos um prospect nada mais é que um lead já qualificado, cuja probabilidade de compra aumentou muito. E embora ele ainda não a tenha realizado, é questão de tempo.

A pessoa deixou contato em um artigo a respeito de cossinete manual, por exemplo, após tirar dúvidas sobre condições de pagamento e de entrega. 

Ora, também conhecido como tarraxa, esse produto é bem específico e serve para rosqueamento de máquinas de usinagem/siderurgia, de tal modo que seu visitante sabe exatamente do que precisava.

Se o seu conteúdo já encantou e a pessoa tirou dúvidas técnicas, e bem possível que vá comprar. Mas, caso o valor ou alguma condição se torne um impeditivo real, então ela se torna um suspect: alguém que precisa da sua solução, mas não está no momento ideal.

A diferença do blog para o vlog é que este último tende a atrair mais pessoas. Afinal, vivemos a era das imagens e do elemento visual. 

Hoje as pessoas vivem com o celular nas mãos, conectadas enquanto se locomovem, se alimentam, se exercitam, etc. De tal modo que às vezes é mais fácil consumir um vídeo/áudio, do que um texto.

Entenda o segredo das newsletters

Se os blogs e vlogs são a essência do marketing de conteúdo, em termos de disseminação de material gratuito e de qualidade, as newsletters são a alma da fidelização de clientes e do aumento da carteira de compradores.

Se uma empresa tem os melhores conteúdos digitais sobre ciclone industrial, por exemplo, que são equipamentos industriais voltados para a purificação da água, do ar e até de gases reutilizáveis, é certo que conseguirá cada vez mais leads.

No entanto, embora conquistar clientes novos seja uma boa estratégia, também é preciso trabalhar as taxas de fidelização e retenção de compradores, não é mesmo? Neste caso, é preciso continuar alimentando seus leads, mesmo depois de se tornarem clientes.

O ideal aqui é dividir tudo em dois grupos: os prospects e suspects de um lado, e do outro lado os já convertidos. Se um cliente seu consumiu a solução do revestimento autonivelante, por exemplo, que além de poder ser aplicado direto no contra-piso é uma superfície impermeável e fácil de limpar, você pode continuar instruindo-o sobre isso.

Ao disparar newsletters personalizadas para ele, sobre como manter o brilho, a qualidade e a durabilidade desse tipo de material, certamente ele perceberá que você não é daquele tipo que “só está preocupado na hora da venda”, e passará a indicá-lo.

Com essas táticas e todas as demais mencionadas, certamente você irá extrair do marketing de conteúdo o que ele tem de melhor: o poder de transformar um novo empreendedor em uma empresa de renome e autoridade.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Auris

Por: Auris Ideias Digitais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

INCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

E receba por email novos conteúdos sobre Marketing Digital e Vendas

Comments are closed.

Últimos Artigos e Notícias

Shopping Basket

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site.