n_40073_2f2433ffc71c83c9a171c9fbf731aade

5 tendências de marketing de conteúdo

Confira 5 tendências de marketing de conteúdo para você aplicar em seu blog:

1) Pesquisa por voz

 

O Google anda investindo bastante nas pesquisas por voz, cuja estratégia é bem simples: tornar a busca do usuário mais rápida e prática. Afinal, as pessoas andam escrevendo cada vez menos e querendo cada vez mais rapidez em sua experiência como usuário.

De acordo com pesquisa do próprio Google, desde 2017, cerca de 20% das consultas feitas na plataforma são a partir de uma pesquisa por voz.

Invista em plataformas que operem com essa tecnologia. Assim, você auxilia o usuário na busca por informação ao otimizar seu site para um SEO que leve em consideração esse comportamento do usuário.

 

2) Conteúdo em vídeo

 

Em quatro anos, o crescimento do consumo de vídeos na internet subiu 135%. A preferência vira uma oportunidade para quem acompanhar essa tendência, que só deve ganhar força em 2019.

Os vídeos são capazes de se sobressair a imagens e textos, engajando e retendo mais a atenção do público. Vale produzir lives ou até vídeos dinâmicos explicando o funcionamento do seu produto ou serviço e respondendo as principais dúvidas dos clientes. O importante é atrair a atenção do usuário.

No caso das lives, por exemplo, assistir vídeos ao vivo proporciona ao espectador a vantagem de consumir o seu conteúdo em tempo real. Com caráter de informação exclusiva. É como se você estivesse fazendo parte da vida da pessoa, visto que ela poderá te assistir de qualquer lugar e de onde estiver. No que diz respeito ao posicionamento no Google e SEO do site, o buscador já deixou claro a sua preferência por conteúdos multimídias.

Mais um ponto para as empresas que estiverem atentas a isso em 2019 e saírem na frente.

 

3) Influenciadores digitais

 

Não estamos falando daqueles influenciadores mega famosos. Se a estratégia da empresa é falar com determinado público e/ou nicho – e não com o objetivo de ter o maior alcance possível – o foco precisa estar nos pequenos e microinfluenciadores digitais. São eles que podem alavancar a sua estratégia digital ao mostrar que consomem o seu produto ou serviço.

É aquela velha história: fazer propaganda sem cara de propaganda, sem ser aquela coisa forçada, comprada. Nessas horas, os (bons) influenciadores entram em cena.

 

4) Automação de conteúdo (Chatbots)

 

A automatização do atendimento ao cliente – sem desconsiderar a personalização e a brand persona! – possibilita a redução de erros e o rápido feedback tão necessário nas redes sociais.

E isso vai muito além das respostas automáticas. Utilizar o chatbot não deve parar por aí!

Com a automação é possível coletar dados sobre os seus clientes e utilizá-los para outras estratégias de marketing. Que tal produzir um conteúdo super segmentado de acordo com os interesses do seu público?

 

5) Topic Clusters

 

No universo do SEO, essa é uma grande novidade. Topic Clusters, ou no português literal “Grupo de Tópicos”, é um recurso que trabalha termos de busca por agrupamento de acordo com relevância e interconexão.

Em outras palavras, você organiza seu conteúdo para que os assuntos sejam aglomerados de forma clara e complementar. Você produz um conteúdo principal, com uma palavra-chave mais genérica, e vários outros relacionados e linkados entre si que fortaleçam o tema em seu site para o usuário e para o Google.

A proposta é que os produtores de conteúdo não usem mais as palavras-chaves de forma “solitária”. Agora, palavras alocadas em um mesmo grupo, com alta relevância entre si, ativarão os algoritmos do Google. A ferramenta, por sua vez, entregará o melhor resultado de busca ao usuário.

Fonte: aldeiaconteudo

a_5423_cda2faa49c0b29a37d06f0479d357670

As principais aplicações da Inteligência Artificial no Marketing Digital

Conheça usos da Inteligência Artificial no Marketing Digital, além do papel do Machine Learning nessa relação

Neste post, vamos falar sobre como a Inteligência Artificial pode atuar no Marketing Digital. Algumas coisas já são realidade, enquanto outras ainda têm muito a se desenvolver. O importante é estarmos preparados para quando a revolução vier.

O que é Marketing Digital

Marketing Digital é o conjunto de estratégias voltadas para a promoção de uma marca na internet. É diferente do marketing “tradicional” por envolver o uso diferentes canais online e métodos que permitem a análise dos resultados em tempo real.

Os canais mais usados – que apresentam historicamente melhores resultados – são os seguintes: Marketing de Conteúdo, Email Marketing, Redes Sociais, Otimização da Conversão (CRO) e Marketing de Busca (SEM).

Se você está lendo este post, é porque fomos bem sucedidos em te atrair usando algum dos canais acima. Pode ser, também, que já leia habitualmente nosso blog. De qualquer forma, em algum momento nosso trabalho de Marketing Digital te impactou, certo?

Inteligência Artificial

O que é Inteligência Artificial

Muitas pessoas — incluindo a mim, no começo deste post — fazem a ligação, meio brincando, meio levemente desesperadas, da Inteligência Artificial com um domínio das máquinas sobre os humanos. Ao menos por enquanto, é o contrário: elas nos ajudam a resolver problemas.

Inteligência Artificial é algo amplo demais para uma definição direta. O termo em si se refere a uma inteligência parecida com ou que simula a humana, porém através de um mecanismo ou de um software. Ela também é um campo de estudo científico.

Sua face mais visível, além da de Arnold Schwarzenegger (prometo que essa é a última piada com o tema), são os bots de atendimento. Você certamente já viu um — aqui no blog, por exemplo, tem um robozinho. Eles resumem bem uma das grandes vantagens da IA: fazer uma tarefa em escala maior, liberando humanos para resolver problemas mais complexos.

Mas resolver problemas mais complexos não seria, exatamente, a função da tecnologia? Sim e não. A criatividade e a capacidade de adaptação ainda são características que nos diferenciam das máquinas.

Inteligência Artificial fail

Antes que você se ache muito especial, porém, saiba que há campos de estudos tentando acabar com essa nova vantagem. Entre eles, está o Machine Learning, que é relevante para falar sobre as aplicações de Inteligência Artifical no Marketing Digital.

O que é Machine Learning

Machine Learning é mais fácil de conceituar: é a habilidade de uma máquina ou sistema aprender sem necessidade de programação. Quem deu essa definição foi Avinash Kaushik, um especialista no assunto.

Para esse aprendizado, os computadores identificam padrões em uma grande quantidade de dados. A partir dessas informações, fazem previsões com alta precisão, lançando mão de algoritmos e técnicas estatísticas.

Dessa forma, o Machine Learning pode auxiliar empresas de diversos setores. Quer um exemplo do seu dia a dia? As sugestões que sites de ecommerce lhe apresentam após uma compra. Elas são o resultado da análise de milhões de interações de consumidores.

Os dois lados dessa relação têm vantagens: você recebe promoções que fazem sentido para o seu perfil, enquanto a empresa pode fazer uma nova venda. A Inteligência Artificial ajuda a criar uma relação de fidelização natural.

Usos da Inteligência Artificial no Marketing Digital

Os principais usos da Inteligência Artificial no Marketing Digital passam por Machine Learning. A seguir, listamos algumas ações que já combinam as duas coisas:

Qualificação de Leads

A mensuração das contribuições do time de Marketing para o aumento da receita da empresa é cada vez mais precisa e rápida. Saber o que gera mais Marketing Qualified Leads (MQLs) e Sales Qualified Leads (SQL) é um dos muitos benefícios que o Machine Learning traz.

Com ele, a Inteligência Artificial ajuda a qualificar de forma muito precisa as listas de clientes e os prospects, usando dados relevantes disponíveis online. Assim, eles podem construir um ideal customer profile (ICP).

A cada venda feita, os dados vão sendo atualizados, melhorando o prognóstico de novas possíveis vendas, ajudando os vendedores e pré-vendedores a economizarem tempo. Assim, podem priorizar os Leads mais qualificados e canalizar esforços de vendas para os locais e estratégias corretas.

Mídia paga

A Inteligência Artificial também pode ajudar a criar anúncios mais personalizados, chegando  a serem específicos para uma única pessoa. A partir das informações que você fornece para criar os anúncios, o Machine Learning interpreta qual combinação faz mais sentido para determinado perfil de cliente, usando as informações que os consumidores fornecem.

Isso inclui seus dados e também seu comportamento na internet, como sites que ele visita, onde ele clica etc. O Google anunciou que, em breve, todos os anúncios vão ser otimizados na sua plataforma por meio do Machine Learning.

Chatbots

Os simpáticos e prestativos chatbots já estão por todos os lados na internet. Pois eles também se utilizam do Machine Learning para auxiliar um visitante em determinado site.

Os bots de serviço ao cliente usam o processamento de linguagem natural e os dados de atendimento ao cliente. Assim, respondem perguntas comuns, melhorando a qualidade dessas respostas ao longo do tempo.

Sistemas de recomendação

Amazon, Netflix e Spotify estão sempre tentando acertar o seu gosto, não é? Nem sempre acertam, mas a verdade é que os mecanismos de recomendação online utilizados por essas plataformas são sim bons exemplos de como funciona o Machine Learning.

inteligência artificial recomendação

Esse tipo de Inteligência Artificial usa dados coletados de milhões de usuários e compradores. Dessa forma, pode prever itens que você gostará, de acordo com suas compras anteriores, hábitos de visualização e correlações mais comuns entre os usuários.

Marketing de Conteúdo

Antes de entrar neste item, vale lembrar: textos produzidos com criatividade e que buscam um diálogo verdadeiro com o leitor são essenciais para uma boa estratégia de Marketing de Conteúdo. Isso posto, é possível usar Machine Learning para analisar dados, criar novas ideias e construir uma estratégia de conteúdo personalizada.

Ou seja, profissionais de Marketing podem ter mais chances de criar conteúdos mais eficientes, personalizados e que gerem mais valor. Além disso, torna-os mais fáceis de serem encontrados pelos mecanismos de busca.

Evitar o churn

O churn também pode ser impactado positivamente. Ao invés de depender de abordagem caras e demoradas para minimizá-lo, o Machine Learning usa modelos de risco para ajudar a determinar como ações para evitar o churn geram, de fato, resultados.

Assim, profissionais de Customer Success, por exemplo, podem levar em consideração quando e como devem intervir para reduzir a probabilidade de churn, e também para calcular o lifetime value (CLV).

Fonte: resultadosdigitais

 

Sem título

Qual a importância de um Web Site para o meu Negócio?

Criar um site é essencial para que a sua empresa ganhe mais visibilidade na internet e conquiste, por consequência, um número maior de clientes. Ele funciona como uma vitrine para o seu negócio, reunindo todas as informações importantes para o seu público-alvo. Além de aumentar a visibilidade da marca, ele também facilita o atendimento ao cliente. Ele funciona como uma vitrine para o seu negócio, reunindo todas as informações importantes para o seu público-alvo.

Além de aumentar a visibilidade da marca, ele também facilita o atendimento ao cliente. Afinal, quando ele entra em contato com a empresa já está mais certo do que quer ou até mesmo esclareceu suas principais dúvidas no próprio site.

Ainda existe uma infinidade de vantagens em criar um site para a sua empresa, principalmente se contar com um trabalho conjunto de marketing digital. No post de hoje, pontuamos algumas delas, que expressam bem por que é importante investir na criação de um site e quais são os benefícios que essa estratégia pode trazer para você. Acompanhe!

Criar um site para a sua empresa gera credibilidade

A internet já é indiscutivelmente parte do cotidiano das pessoas. Além do desktop, o ambiente virtual está nas mãos dos potenciais consumidores por meio dos smartphones, cada vez mais evoluídos. Assim, essas pessoas procuram por empresas, serviços, produtos, dúvidas, experiências, ou seja, procuram por tudo na internet e estão acostumadas a resolverem seus problemas por lá

Uma empresa que ainda não tem uma presença digital perde espaço para os concorrentes que têm. As pessoas enxergam essa empresa como ultrapassada e pouco acessível (já que não oferece uma maneira de se comunicar com ela), o que pode prejudicar sua credibilidade.

Maior visibilidade da empresa

Com um site, é possível marcar presença online e desenvolver um trabalho de marketing digital que possibilita alcançar resultados bastante expressivos, atraindo potenciais clientes, construindo relacionamentos, proporcionando experiências positivas e gerando mais conversões.

Além disso, o site rompe as barreiras da localização geográfica. Dependendo do seu tipo de produto ou serviço, sua atuação não ficará mais restrita aos clientes que estão próximos à sua empresa; em vez disso, será possível lidar com clientes de qualquer lugar do país e do mundo.

Possibilidade de novos clientes

Com um site e uma boa estratégia de marketing digital, é possível atrair novos clientes. Dentro do marketing digital, há uma variedade muito grande de estratégias, técnicas e ações, e é possível contar com a ajuda de profissionais ou agências especializadas para identificar as melhores para sua empresa. Um bom plano de marketing digital, adequado aos objetivos da sua empresa e ao público que pretende alcançar, resultam em possibilidades infinitas de atração de novos clientes.

Interação com Mídias Sociais

Se o seu público é fã de mídias sociais, então você também precisa estar presente nesse universo, e um site pode te ajudar a potencializar seus resultados nesses canais (e vice-versa). O seu site pode ter links que direcionem o visitante para seus perfis nas mídias, por exemplo, e artigos do blog podem possibilitar compartilhamentos, comentários e curtidas nas redes sociais. Da mesma forma, através das redes sociais você pode gerar tráfego para conteúdos publicados no seu site.

Possibilidade de aumentar as conversões

Pelo site, a empresa consegue promover seus produtos e serviços de forma visual, dinâmica e atrativa, proporcionando uma experiência positiva aos visitantes. Além disso, pode lançar mão de ações que estimulam um relacionamento mais próximo entre empresa e visitantes (como criação de landing pages e pop-ups), levando-os à decisão final de compra ou ao fechamento de um contrato.

Ser encontrado por usuários no Google

Como já dissemos, as pessoas estão procurando por tudo na internet — e, se não encontrarem sua empresa, certamente encontrarão seu concorrente. O Google é o maior mecanismo de busca que existe na internet e é a ele que a maior parte das pessoas recorre quando tem alguma dúvida ou precisa solucionar alguma necessidade.

Por isso, a criação do site da sua empresa deve ser feita de acordo com as técnicas de SEO (Search Engine Optimization), que possibilitam que os robôs do Google o vejam como de qualidade e relevante para a experiência dos usuários. Fatores como um servidor rápido e de qualidade, conteúdo bem estruturado e aplicação correta de tags possibilitam que seu site esteja melhor posicionado nas páginas do Google.

Facilidade nas respostas rápidas

Sua empresa provavelmente tem uma lista de questionamentos que são quase “padrão” e de dúvidas comuns à maioria das pessoas. Com um site, você pode criar uma página específica e exclusiva sobre perguntas frequentes.

Essa facilidade do visitante encontrar informações gera uma sensação positiva em relação à empresa, pois ela facilita sua busca por informações, e ainda ajuda a superar possíveis obstáculos que poderiam atrapalhar a venda. Além disso ainda reduz a quantidade de contatos com a sua equipe, deixando-os mais livres para realizar outras tarefas mais importantes no atendimento aos clientes.

Conclusão

Criar um site para a sua empresa não é mais um luxo ou um capricho, mas sim um investimento necessário para se destacar. Você já usufrui de todas as vantagens que apresentamos aqui? Se ainda não possui um site, que tal começar hoje?

Fonte: Andre Cardia

WhatsApp Image 2019-05-08 at 11.28.30

Tendências modernas para cartões de visita

Mesmo em um mundo cada vez mais conectado, com todos os passos da vida de uma pessoa sendo vivenciados e resolvidos por meio da internet, uma peça impressa nunca sai de moda: o cartão de visita.

Tão importante quanto um bom networking para a construção de relacionamento com possíveis parceiros de negócio, o cartão de visitas faz parte do ritual de apresentação de todos aqueles que desejem prospectar parceiros ou ampliar seus contatos. “O simples ato de entregar um cartão não constrói um relacionamento. É preciso passar a mensagem certa para aquela pessoa que se deseja aproximar”, explica Roberto Eskenazi, sócio da Gráfica Online Eskenazi.

Em uma feira de negócios de porte médio, em que estimativas mostram que circulam mais de 10 mil pessoas por dia, quem não tem um cartão não é lembrado depois. O executivo recomenda que, na hora de fazer a encomenda de seus cartões de visita, o cliente opte por modelos modernos, que fujam do trivial e conquistem a atenção de quem lê. “Imagine um diretor em uma feira de negócios. Ele recebe milhares de cartões a cada rodada de conversa. Desses, só um ou dois captarão sua atenção. Por isso, é preciso inovar em cada detalhe, para que a pessoa esteja nesse seleto grupo”, diz.

Com mais de 60 anos de experiência na impressão de !ink cartões de visitas Roberto separou as principais tendências modernas que podem aumentar a visibilidade desse produto:

1. Letterpress

O cartão de visitas impresso em letterpress costuma se destacar dentre os demais, pois fornece a quem o recebe uma sensação tátil que aguça os sentidos.

A técnica, que imprime em baixo relevo, é antiga. Surgiu com a tipografia clássica de Gutemberg e aparece em desuso atualmente, mas pode ser utilizada para surpreender clientes.

2. Handmade

Para o sócio da gráfica online , um cartão que use uma técnica onde se simule a escrita cursiva ou que ele tenha sido preparado artesanalmente em casa, sem o auxílio profissional, imediatamente chama a atenção, pois denota um cuidado maior na produção de cada um deles.

3. Cortes especiais

Um cartão de visitas não precisa sempre ser quadrado. É possível brincar com seu formato, simulando nele seu ramo de atividade. “Se você trabalha com doces ou consertos de eletrodomésticos, pode inovar, criando um cartão em formato de bolo ou de serra, por exemplo”, diz.

4. Diferentes texturas

Uma tendência moderna – e que vem ganhando muita força no mercado da impressão de cartões de visitas -, mescla diferentes texturas em um mesmo produto.

Produtos que misturem papéis mais ásperos com mais suaves, brincando não só com o sentido tátil, são escolhas interessantes.

5. Uso de outros materiais

A preocupação com a sustentabilidade vem motivando o mercado gráfico a procurar outros materiais para a confecção de seus cartões. O sócio diretor da empresa identifica como tendência crescente o uso de elementos biodegradáveis ou, ainda, reciclados.

6. Cartões estampados com imagens

Os cartões de visita tradicionais, ilustrados apenas com textos, estão começando a dividir muito espaço com aqueles feitos apenas com imagens. Em geral, as figuras escolhidas tem relação direta com o trabalho de quem encomenda aquele tipo de produto.

7. Mensagens criativas

Empreendedores já estão investindo nesse diferencial: um cartão de visitas com um formato tão inusitado que mais se parece com uma lembrança de festa.
“As pessoas estão percebendo que não adianta só caprichar na apresentação do cartão. É preciso passar uma mensagem instigante, que deixe aquela pulga atrás da orelha de quem recebe”, explica Roberto.

8. Tecnologia

Por fim, uma tendência que vem crescendo cada vez mais na confecção de cartões de visita é o uso da tecnologia. Roberto Eskenazi destaca a inserção de elementos como o QR Code, código em que todos os dados de uma pessoa ou empresa podem ser consultados via aplicativo.

“Com o uso cada vez maior do celular, muita gente não dá atenção para o que recebe em papel. Então, ao mesclar o cartão tradicional com um aplicativo, muitos executivos estão percebendo resultados positivos. E nós, da indústria gráfica também, pois estamos acompanhando esse novo fenômeno”, conclui.

Fonte: exame.abril

9gb09jx9guro9corl6w2zx7bv

As marcas nas redes sociais

A internet pegou todas as regras que conhecíamos, a respeito de relacionamento com o cliente, e as modificou. Afinal, os hábitos de navegação on-line das pessoas se transformaram em informações úteis para as empresas, suas redes sociais e novas oportunidades de negócio.

Sem falar que os próprios usuários podem ser considerados, atualmente, como mídia: um meio para divulgar a sua marca, promovê-la e expandir o alcance do seu negócio. Bastava traduzir esse volume massivo de dados on-line para convertê-los em prospects — clientes em potencial.

E a melhor solução para isso foi humanizar as marcas. Afinal de contas, ainda que as empresas queiram conquistar novos seguidores e gerar engajamento, publicações institucionais não surtiriam impacto algum na vida das pessoas.

O que significa humanizar as marcas

As marcas precisam de um rosto, precisam de uma voz — uma que dialogue de forma que o seu público se identifique. Elas precisam de uma abordagem para que sejam encontradas nas preferências e nos assuntos de interesse dos consumidores em potencial.

Isso ocorre em todas as redes sociais e de múltiplas maneiras, como:

  • postagens em blogs
  • ações nas redes sociais
  • entrevistas
  • aplicativos
  • vídeos
  • conteúdo gratuito para download

E mais uma infinidade de estratégias que, lenta e gradativamente, tem humanizado as marcas – pois as pessoas curtem, comentam, compartilham, marcam os amigos e interagem com quem alimenta as redes sociais de suas empresas.

Quais os desafios de manter-se próximo do público

Como em todo relacionamento saudável, deve existir uma troca. E, nesse caso, ela ocorre quando as empresas fazem mais do que divulgar, expor e apresentar conteúdos relevantes para o seu público: acontece quando elas passam a ouvir os clientes.

E essa tem sido a grande sacada na humanização das marcas. Ou seja, o estabelecimento de um diálogo aberto, franco e o mais transparente possível. Principalmente porque essa relação também trafega por linhas tênues, nas quais ações ou comentários equivocados podem colocar toda a estratégia a perder. Daí nasce a necessidade de se manter relevante, atrativo e com cuidado para não fragilizar essa relação, que é um dos grandes desafios de humanizar as marcas.

A personalização é o caminho para desenvolver as marcas

Não é de se admirar que as pessoas prefiram que as suas marcas favoritas sejam humanizadas, ganhando DNA e personalidade. As próprias empresas já fazem isso com o seu público-alvo, ao desenvolver as suas estratégias de marketing digital, traçando um perfil do seu cliente ideal. Principalmente em uma época em que nossos hábitos de consumo diários se transformam em dados, compilados em tempo real por servidores e enviados para empresas os explorarem.

Ao criarmos um rosto, uma voz e uma personalidade— em ambos os lados dessa relação —, humanizamos também a internet, colocando-nos em um mesmo patamar. O foco ainda é a divulgação de sua marca, a exposição dos seus produtos ou serviços e as estratégias mais eficientes para gerar vantagem competitiva, mas agora tratamos os nossos consumidores pelo primeiro nome.

Fonte: penseavanti

9gb09jx9guro9corl6w2zx7bv

10 tendências de redes sociais para 2019

2018 foi um ano de muitas novidades e acontecimentos no mundo digital, principalmente quando o assunto é rede social. Novas redes surgiram, outras ganharam notoriedade, funcionalidades inéditas foram criadas, algumas redes até se envolveram em escândalos mundiais.

Tudo o que aconteceu no ano passado tem um peso importante nos próximos anos. Neste artigo iremos listar e comentar as tendências de redes sociais para 2019. Confira e comece já a utilizar essas dicas nas estratégias de marketing digital da sua empresa!

1 – Verdade e transparência em 1º lugar

Em 2018 a internet e as redes sociais foram tomadas por fake news e manipulação de dados. Isso teve uma consequência real na percepção dos usuários em relação às redes sociais. De acordo com uma pesquisa da Edelman, agência especializada em relações públicas e marketing, 60% dos usuários disseram não sentir confiança em empresas de mídias sociais. Isso mostra que o principal foco da gestão de redes sociais em 2019 deve ser mais do que nunca o engajamento transparente e significativo de usuários, e não apenas a maximização no alcance de publicações.

2 – Instagram como principal rede social

O Instagram existe desde 2010, mas o ano de 2018 foi um ano especial que trouxe muitas novidades para a rede. Só para ter uma ideia, os gastos com anúncios pagos no Facebook cresceu 40% no segundo trimestre de 2018, enquanto os gastos com anúncios no Instagram aumentaram 177% no mesmo período. Foram muitas novidades: atualização no algoritmo (permitindo ao usuário visualizar conteúdos que mais gosta), compartilhamento de conteúdo de outras contas no Stories, criação do IGTV (aplicativo para vídeos mais longos) e criação do Instagram Shopping (possibilidade de adicionar etiquetas a produtos, com informações de preço e links). Graças a essas novas funcionalidades, o Instagram elevou o seu status e tem grandes chances de ser considerada a principal rede social de 2019.

3 – O crescimento do LinkedIn

Em 2018 o LinkedIn, rede social de negócios, passou dos 500 milhões de usuários, com conteúdo potencial de 100 mil artigos por semana na plataforma. Isso tudo enquanto outras redes sociais passavam por diversos escândalos e problemas. Funcionalidades de grupos, vídeos e a possibilidade de integração com outras redes sociais e aplicativos foram responsáveis por dar ao LinkedIn uma maior visibilidade, transformando a rede numa das melhores mídias para divulgação em 2019.

4 – Conteúdos em vídeo

Os conteúdos disponibilizados em vídeo vêm crescendo desde 2015. Especialistas estimam que em 2019, 80% do que consumimos online será em vídeo, mostrando que este formato poderá dominar a web em pouco tempo. As redes sociais estão disponibilizando cada vez mais funcionalidades audiovisuais, confirmando essa tendência. E as opções de como usar os vídeos são muitas: vídeos gravados e editados, vídeos ao vivo, uso de realidade virtual e outras.

5 – Conteúdo criado pelo usuário (UCG)

O conteúdo criado pelo usuário, também conhecido como UCG (user-generated content), é qualquer tipo de conteúdo que usuários comuns (nada de artistas, celebridades ou influencers) criam espontaneamente sobre produtos ou serviços. A ideia por trás do UCG é aproveitar-se da autenticidade e credibilidade para a criação de um conteúdo com o qual o público pode se identificar. Esse conteúdo pode estar presente em espaços para comentários e avaliações, fóruns de discussões, sessões de perguntas e respostas e ações com hashtags, por exemplo.

6 – Stories

Stories são conteúdos curtos que ficam disponíveis por 24h e depois desaparecem. Essa funcionalidade, presente em redes sociais como Instagram, Snapchat, Whatsapp e Facebook Messenger, está crescendo 15 vezes mais rápido do que o conteúdo compartilhado em feed. Isso mostra que em 2019 esse tipo de recurso pode superar os outros. Assim, as empresas que pretendem melhorar a performance em 2019, devem manter seus stories atualizados e bem gerenciados.

7 – Influenciadores digitais

Já faz algum tempo que realizar ações com influenciadores digitais traz bons resultados para empresas. E parece que em 2019 isso não vai mudar. Só que nesses últimos anos, as empresas perceberam que a quantidade de seguidores não é o dado mais relevante de um influenciador, mas sim os seus resultados mensuráveis. Visto isso, algo que provavelmente crescerá em 2019 serão as buscas por micro influenciadores, que são perfis menores, porém fortes em determinados nichos.

8 – Aplicativos de mensagens privadas

Os aplicativos de mensagem privada, como Whatsapp e Facebook Messenger, estão dominando nossa comunicação. Juntos eles possuem mais de 2,8 bilhões de usuários. Muitas empresas estão preferindo transferir o atendimento ao cliente para esse tipo de ambiente, mais íntimo. Empresas que não disponibilizam de atendimento 24h podem contar com uma outra tendência para ajudar nessa tarefa: os chatbots.

9 – Chatbots e mensagens diretas automáticas

Em 2018 começaram a ser usados com mais frequência os chatbots, programas de computador que usam algoritmos para simular conversas humanas em chats, automatizando tarefas repetitivas e burocráticas. Em 2019 essa tendência se consolida e se aperfeiçoa. Hoje ela já é uma solução viável, de fácil acesso e implementação. Já é possível usar esses robozinhos no Facebook Messenger, Whatsapp e outras redes sociais.

10 – Social Commerce

Social Commerce, ou Comércio Social, é a integração dos e-commerces com as redes sociais. Diversas novidades apareceram em 2018 mostrando que essa integração será tendência em 2019. O Instagram disponibilizou o Instagram Shopping e a loja virtual no Facebook ganhou mais adeptos. Fora que Facebook e Pinterest já contam há algum tempo com funcionalidades características de e-commerce (call to action, links e botões de compra).

Essas foram algumas tendências para redes sociais em 2019. Coloque essas dicas em prática agora ou procure uma agência de mídias sociais para um gerenciamento completo.

Fonte: king.host

celular com instagram aberto

Fim dos likes? Entenda o teste do Instagram que vai esconder curtidas

Ao saber dessa notícia, a primeira reação das pessoas foi entender que o “Like” acabaria, mas não é isso que vai acontecer. Ferramentas de interação é a base de qualquer rede social, e o Instagram não é diferente. Abaixo, tentamos explicar os aspectos que levaram a esta mudança e as implicações para o futuro da plataforma.

Instagram vai esconder os likes da audiência geral — Foto: Divulgação/InstagramInstagram vai esconder os likes da audiência geral — Foto: Divulgação/Instagram

Instagram vai esconder os likes da audiência geral — Foto: Divulgação/Instagram

Quando a novidade estará disponível?

Facebook ainda não se manifestou quanto a data para essa alteração entrar em vigor. No momento, os testes estão sendo conduzidos por usuários selecionados no Canará. Também não há previsão do recurso chegar ao Brasil até o momento.

Qual o objetivo real por trás dessa mudança?

De acordo com o The Verge, um porta-voz não identificado pelo site afirmou que o objetivo principal é “tirar a pressão” de cima do usuário. O Instagram entende que a sua rede social deve ser um local para as pessoas se expressarem, e não um concurso de popularidade. Além disso, querem deixar o ambiente menos tóxico e competitivo.

Continuarei tendo acesso ao meu número de likes?

Sim, cada usuário saberá exatamente quantas curtidas uma foto ou vídeo recebeu, porém, isso não estará aberto para o público. Perguntado pelo site TechCrunch sobre como os influenciadores vão lidar com esta novidade, um porta-voz do Facebook afirmou que eles estudam uma maneira de fazer o usuário demonstrar o seu valor digital para possíveis marcas que queiram patrocinar o seu conteúdo.

Durante o congresso F8, Adam Mosseri, líder do Instagram, anunciou outras possíveis ferramentas da plataforma que entrarão em testes, a maioria com o objetivo de combater o bullying na rede social de fotos. Um deles vai “cutucar” o usuário quando ele estiver escrevendo uma mensagem tóxica ou ofensiva de certa forma, antes de postar o comentário.

Outra ferramenta é o “Away mode”, que permite ao usuário encerrar todas as notificações do Instagram e deixar a sua conta “suspensa” sem precisar deletar, ideal para momentos em que estiver passando por um “período difícil”. Depois que conseguir superar essa fase, poderá voltar normalmente que todo conteúdo estará lá.

Além disso, novas funções vão dar mais controle para o usuário decidir como as pessoas em geral vão interagir com o seu perfil. Assim, poderá escolher quem pode enviar mensagem privada, por exemplo, ou ainda, quem pode comentar em suas postagens.

Fonte: techtudo