Branding Copyright Design Spaceship Graphic Concept

Branding: O que você precisa saber para melhorar a gestão da sua marca?

Escolher colocar em prática estratégias voltadas à concretização de branding é uma das melhores apostas existentes no mercado atualmente. Além de formar um maior valor e percepção da marca, com a gestão de marca, o negócio tem mais chances de se perpetuar.

Mas, para entendermos melhor sobre o que se trata essa ideia, é preciso ter conhecimento de que uma marca é muito mais do que ela oferece aos seus clientes, no quesito produtos e serviços.

Pontos como identidade visual, propósito e até mesmo os conteúdos que a empresa produz nos principais canais de comunicação com seu público poderão criar a importância de uma marca no mercado, conseguindo atingir uma diferenciação genuína.

Com isso, na medida em que sua estratégia para caixa de papelão personalizada com logo for sendo fortalecida, mais e mais pontos serão facilmente reconhecidos.

Um bom exemplo disso é um slogan ou até mesmo as cores utilizadas pela companhia, que poderão ser rapidamente assimiladas como parte de um conteúdo da marca.

A seguir, vamos entender um pouco mais sobre o que é o branding, desde seu impacto até algumas das formas utilizadas por grandes profissionais e empresas para trabalhar ações. Acompanhe a leitura!

O conceito de branding

De forma a compreendermos melhor a explicação sobre o que é branding, primeiramente é preciso olharmos para alguns exemplos de empresas no mercado que podem servir como base para reconhecer os trabalhos feitos para essa estratégia se concretizar.

Por exemplo, provavelmente você conhece a marca mais famosa de refrigerantes do mundo, que é reconhecida pela maioria das pessoas apenas pelo formato do produto, slogan e até mesmo cor.

Ainda que estes sejam pontos de grande compreensão, podemos entender que assim que olhamos para seu adesivo para logotipo, identifica-se prontamente a mensagem que a empresa quer passar, devido ao alto investimento em branding.

Em outro caso, podemos notar que uma grande marca de perfume francês passa a imagem de exclusividade, de alto valor e que, quem o utiliza, será reconhecido a metros de distância.

Tudo isso é o que compreendemos apenas ao olhar para o produto, quanto mais consumi-lo. Toda essa percepção foi criada como base de grandes estratégias, que fizerem esses produtos e as empresas ganharem um espaço definitivo no mercado.

Porém, mais do que isso, podemos dizer que as companhias que trabalham esses pontos, conhecido como branding, conseguem se diferenciar facilmente da concorrência.

O branding, então, é compreendido como uma série de práticas que são trabalhadas por esses e tantos outros negócios com o intuito de gerar identificação e, sobretudo, pertencimento aos clientes, fazendo com que o público em geral entenda a marca.

São alguns os pontos base de trabalho dessa estratégia:

Você deve se perguntar: como todos esses itens, dentro de uma percepção de marca, conseguem informar tudo o que ela traz de diferente? Isso faz parte de uma construção que, seguindo dentro de um planejamento estratégico, é capaz de fazer efeito.

Afinal, nenhuma empresa que é facilmente reconhecida em todo o mundo surgiu sendo a melhor ou a que chama mais atenção do público dentro do mercado de atuação sem fazer nada.

Foi a partir de agendamentos, seja em canais de conexão com o público ou em pontos de atendimento e consumo do que oferecem, é que o branding da empresa foi sendo formado e fortalecido, a ponto de fazê-la ser reconhecida e destacada facilmente dos concorrentes.

Qual seu impacto nas empresas?

Como dito anteriormente, o branding trabalha a percepção da marca feita pelo cliente e também pela concorrência, fazendo com que a empresa consiga se destacar pelo seu diferencial, seja em atendimento, no produto e, sobretudo, em sua comunicação.

Pode até parecer fácil conceber todos esses pontos com harmonia e exatidão, mas tudo é muito mais trabalhoso do que se imagina, motivo que leva muitos negócios a escolherem caminhos considerados mais simples, não trazendo tantos resultados a longo prazo.

Por esse motivo, a seguir, vamos levantar alguns pontos de benefícios do branding para empresas de adesivo jateado para box e outros tantos ramos, considerando a importância desta:

1 – Maior valor à marca

O valor de uma marca diz respeito à força e significado que ela agrega aos seus clientes e ao mercado em geral. Isso pode ser facilmente compreendido quando vemos consumidores que compram de empresas apenas pelo fato de que o produto ou serviço é delas.

Ou seja, existe uma preferência pela marca a partir daquilo que ela agrega, seja de uma vista social, pessoal e até mesmo coletiva, como é o caso de marcas de maquiagem.

Para um negócio de convites personalizados, essa pode ser uma grande chance de escolher valores maiores, tendo em vista tudo o que a marca construiu e hoje representa para o público, garantindo, como acompanhamento, melhores vendas.

2 – Diferenciação da concorrência

Empresas que trabalham bem a concepção de branding certamente conseguem alcançar públicos com maior facilidade que seus concorrentes. Além disso, elas têm a potência de se diferenciar, muitas vezes estando em patamares maiores e mais respeitados.

Para entender melhor, na prática, basta olhar para a prateleira de shampoos em um supermercado e ver quais os produtos que são consideravelmente mais comprados.

Certamente, em um cenário onde não há promoções relâmpago, isso vai provar que o produto é mais requisitado pela fama que têm, mas sobretudo pelo valor que agrega, tornando sua preferência algo mais comum do que com os seus concorrentes.

3 – Fidelização e defesa do público

As marcas que trabalham estratégias de branding e conseguem concretizar seus resultados são muito mais próximas do público, a ponto de tornarem a fidelização e a defesa por parte deles algo muito mais natural do que se imagina, alcançando mais e mais consumidores.

Prova disso é uma loja de venda de fachada para comércio que é referência por parte dos clientes, chegando a ser bem divulgada por eles e defendida quando é criticada.

4 – Crescimento saudável e perpetuação

Com todos os pontos de trabalho de branding bem orientados e a partir da conquista dos benefícios acima, dentre outros, podemos dizer que a empresa é capaz de ter acesso a um crescimento muito mais saudável e estável, em comparação com a não utilização da ação.

Afinal, é muito mais fácil aguentar e se sustentar ao longo dos anos com uma imagem e percepção de marca bem formada dentre os consumidores e do mercado em geral.

Algumas das principais estratégias de branding

Chegou o momento de entender melhor algumas das principais estratégias de branding a serem executadas por uma empresa de paisagismo fachada que quer ter acesso a todas a vantagens que a gestão de marca garante à curto, médio e longo prazo:

Foco no propósito e posicionamento

O propósito da sua marca é extremamente essencial para as estratégias de branding, uma vez que vai ditar todo o posicionamento perante o mercado, que inclui desde conteúdos em uma determinada rede social, até as ações que faz presencialmente em pontos de venda.

Um bom exemplo é a pauta sustentável. Empresas que seguem por meio de um objetivo de colaboração com o meio ambiente precisam fazer o ponto ser entendido sempre.

Viabilize uma boa identidade visual

A identidade visual de uma companhia, em alguns casos, é considerada o ponto de partida para uma decisão positiva ou negativa de um cliente, sendo essencialmente o rosto e a marca principal do negócio, indo desde uma fachada até um folder promocional.

Por isso, tenha sempre a certeza de escolher algo que represente o que sua empresa deseja passar, mas que também chame a atenção do público consumidor.

Não deixe de fora uma frase marcante

Os slogans são os queridinhos das marcas que constroem um branding, porque trabalha, juntamente com a identidade visual e as ações da marca, aquilo que deve ser fixado no consumidor e no mercado, seguindo a principal ideia de trabalho da empresa.

A voz da sua empresa é a base de tudo

A voz da marca nada mais é do que a comunicação que ela exerce dentro dos principais canais, principalmente na maneira como ela transpassa o que deseja para seus clientes, desde a escolha de uma garota propaganda até a seleção de lojas de distribuição.

Considerações finais 

O branding nada mais é do que uma estratégia voltada essencialmente à construção de uma marca, desde pontos de importância, como um logotipo e um nome, até itens cada vez mais enraizados, como objetivos e o posicionamento perante o público.

Colocar isso em prática consegue trazer valor, diferenciação, fidelização e tantas outras vantagens, dignas de uma empresa com um bom posicionamento no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Working on logo design

4 Dicas para desenvolver um bom logo para o seu e-commerce

A relação entre uma empresa e cliente é essencial, sendo exatamente por isso que definir um bom logo é tão importante para um e-commerce que deseja ser reconhecido no mercado digital, independentemente do seu ramo de atuação.

 

Os e-commerces estão crescendo a um nível jamais visto, e essa nova realidade faz diversos empreendedores investirem na identidade visual de suas empresas. Normalmente, essa identidade é idealizada pelo empresário e desenvolvida por designers gráficos.

 

O designer gráfico é um profissional que estuda durante longos anos em busca das melhores combinações para arquitetar a forma como uma empresa será vista, isto é, “dar a cara” para ela, além de outras funções que envolvem a profissão. 

 

É importante saber disso, pois assim é possível mensurar a importância que é elaborar o logo de uma empresa. Se pararmos para pensar agora, veremos que existem diversas companhias que, somente ao observar seus logos, já vêm em mente o nome e o segmento. 

 

Isso ocorre porque a atuação e o logo dessas empresas é tão forte que acabamos por fazer a referência quase que de imediato. É como se nossa mente fizesse uma espécie de digitalizacao 3d, capaz de constatar que já tivemos alguma experiência com a marca.

 

Deste modo, é possível chegar no que chamamos de empresas top of mind, ou topo da mente. Essas empresas lideram os nossos pensamentos sobre um determinado assunto de referência.

 

Por exemplo, se você pensar em marca de esporte, imediatamente uma empresa específica aparece na sua mente. Agora, pense em uma marca de celulares. Certamente, outra já também já tomou conta. 

 

Mas perceba que o conceito dessas empresas é visualizado em torno de seus logotipos. Ou seja, quando pensamos na primeira empresa de esportes que surge em nossa mente, o que aparece não é a loja física com um adesivo de vinil.

 

Fazemos memória, quase de imediato, dos logos de cada empresa, seguido de um produto em que o logo está acoplado. É por isso que muitos acham que pelos e-commerces serem algo do ramo digital não há a necessidade de um logo.

 

Porém, estão infinitamente equivocados nesse sentido, pois é exatamente ao contrário. A necessidade de uma identidade visual e um logotipo, quando a empresa não compõe uma loja física, se faz ainda mais necessário.

 

O conteúdo digital é extremamente competitivo, visto que no planejamento parece mais fácil montar um site do que erguer uma loja do zero, entretanto, você não é a única pessoa que entendeu isso e estará competindo com diversas outras lojas. 

 

Essa competição cria a necessidade de estar sempre em destaque, por isso a importância de ter um logo bonito e imponente, que passe a mensagem da sua marca para as pessoas que adentrarem o seu site de vendas e redes sociais.


Desta forma, a imagem da empresa será reforçada na mente dos consumidores e leads (clientes em potencial). O logo de uma empresa é tão relevante quanto ter um cartão de visita pessoal, para o caso de quem presta serviços.

 

Todo o investimento em imagem é visto com muita seriedade pelos consumidores e é quase que um padrão de qualidade exigido por eles para escolher o local em que o capital será gasto. 

 

Afinal, quanto mais profissional o site for, maior será a confiança das pessoas que o acessarem.

 

Ocorre que muitos empreendedores querem ter o feeling de criar seus próprios logos sem a necessidade de contratar um designer. É interessante esse método de pensar faz todo o sentido para quem quer ser um empresário. 

 

Aprender a fazer coisas novas e aprimorá-las é a essência do empreendedorismo. Não basta sair por aí com uma camisa gola polo personalizada, mas o pensamento do sucesso deve estar dentro de quem se arrisca todos os dias.

 

Pensando nisso, separamos algumas dicas  de diversos especialistas incríveis de como conseguir criar o seu próprio logotipo para um e-commerce. Nosso objetivo foi trazer ao máximo tudo isso que dissemos acima. Vamos à elas:

1 – Tenha conhecimento do seu segmento

O logo de um e-commerce precisa englobar ao máximo todos os sentimentos que envolvem a ideia principal da empresa. É a mesma coisa quando uma pessoa faz uma tatuagem, mas antes busca por um significado que possa ser eternizado em sua pele.

 

O logotipo da sua empresa será a forma como as pessoas a reconhecerão, por isso, será preciso identificar os principais pontos que envolvem o seu segmento e seu sonho no momento em que fundou a companhia.

 

Uma boa dica é observar de forma bem atenta a missão, visão e valores que você propôs no momento da criação dela e tentar condensar tudo em um logotipo. Esse pensamento dará a você o tom exato que busca, tornando a tarefa de visualizar a sua ideia mais fácil.

 

É preciso que as cores e a fonte também estejam de acordo com o segmento em que o e-commerce atua. Por acaso você já viu uma marca de alguma bebida, como o vinho, com o logo e uma fonte de estilo aleatório, por exemplo?

 

Não faz muito sentido. As marcas de vinho compõe mais uma espécie de fonte como que de uma camisa de uniforme social, ou seja, algo a ser levado a sério com requintes de luxo e outras coisas referentes a essa bebida tão tradicional. 

 

Ademais, se você colocar uma caracterização de outro segmento no logo da sua empresa, ela poderá ser eternamente confundida com outro setor.

2 – Foque na simplicidade  

As grandes empresas detêm logos simples, mas diretos. Se pensamos nas maiores indústrias de refrigerante ou telefonia, já imaginamos os seus logos. Note que qualquer um desses logos pode ser desenhado por uma criança de 10 anos ou até menos.

 

A facilidade e identidade dessas marcas é tão forte que se tornam um simples sinal de referência.

 

Isso significa que uma criança, por mais inocente que seja, já sabe identificar a marca somente de olhá-la em um outdoor, um flyer digital ou um comercial de televisão. Isto é, designs simples são difíceis de serem esquecidos. 

 

Fuja da complexidade, pois por mais bonitos que possam ser, dificilmente serão lembrados, sem falar que podem fugir um pouco do objetivo da marca. Todo o seu público-alvo precisa identificar facilmente o seu logotipo sem maiores dificuldades.

 

Dessa maneira, o objetivo do logo que é referenciar a marca poderá ser cumprido sem problemas. Quanto mais cores forem inseridas, mais cores você terá que colocar dentro do seu site, portanto, tenha cuidado para não se colocar em uma confusão sem saída.

3 – Crie logos que possam ser impressos 

Esse é um ponto importante que precisa ser lembrado por todas as pessoas que criam uma empresa. No início de tudo, pode ser que você não tenha uma fábrica ou a necessidade de colocar o logo da sua empresa em tudo que você faz.

 

Contudo, tenha em mente que se o seu objetivo for conquistar cada vez mais pessoas, pode ser preciso fazer a adesivacao de carros propaganda, montar uniformes para seus funcionários ou até camisas para você possa gravar vídeos ou fazer atendimentos.

 

É comum que os logos sejam feitos com cores como rosa ou amarelo e, quando impressos, ficam totalmente distantes daquilo que foi elaborado. É mais fácil passar da impressão para o digital do que do digital para a impressão.

 

Faça seus logos imaginando que serão impressos, tendo cuidado com as cores em excesso que podem ser prejudiciais ao seu objetivo final, principalmente no momento em que a empresa estiver se expandindo ou colocando algum projeto de identificação em prática. 

4 – Coloque fontes adequadas

Fontes são importantes e essenciais para a identificação das marcas. Há muitos anos, Steve Jobs e alguns amigos elaboraram uma série de fontes que seriam utilizadas no mundo todo. Tudo isso nos anos 1990, o que foi considerado um avanço no mundo digital.

 

Mesmo antes, diversas pessoas já haviam identificado a importância das fontes dentro da empresa e principalmente nos logotipos. 

 

São bastante interessantes de serem usadas fontes como:

 

  • Arial;
  • Times New Roman;
  • Ubuntu;
  • Lora.

 

No entanto, tenha em mente que um logotipo pode ser reconhecido mundialmente somente por sua fonte. Quase todos reconhecem só de pensar na fonte utilizada nos livros e filmes de Harry Potter, por exemplo.

 

Uma grafica de producao de impressao digital pode ser tão bem sucedida ao idealizar fontes exclusivas e ser facilmente reconhecida.  

 

Somadas as cores com a fonte, você montará um logo incrível para o seu e-commerce. Recomendados que você tenha a identidade de alguma empresa parecida com a sua e possa usá-la como referência. 

Conclusão

Por fim, esperamos que as dicas que abordamos nesse conteúdo possam te auxiliar a criar um logotipo para seu negócio online e gerar um efeito positivo em seu público.

 

Tenha em mente que essa ferramenta pode ser uma catalisadora, que irá atrair ainda mais consumidores para seu e-commerce e tornar a sua marca conhecida, portanto, lembre-se de projetá-lo com simplicidade, mas ao mesmo tempo, com excelência.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

pexels-andrea-piacquadio-3761509 (1)

Humanização de marca: entenda como usar essa estratégia na sua empresa

No meio de tantas estratégias e meios de gerar mais resultados para uma empresa, surge a humanização de marca que quebra todos os paradigmas e estereótipos criados em torno de um negócio e de como ele deve se comunicar com seus clientes. 

Os internautas estão cada vez mais interessados em pessoas e não apenas em produtos ou serviços.

Isso significa que toda aquela linguagem robotizada criada pela internet já não faz mais sentido. 

Isso porque os profissionais que usam as redes sociais para divulgar o seu trabalho e os usuários que a utilizam para comprar algum produto ou serviço, no fim das contas, são a mesma coisa, seres humanos. 

Por mais óbvio que isso possa parecer, muitos ainda acham que todos do outro lado da tela são robôs, mas este é um conceito que está morrendo aos poucos. 

Portanto, iremos abordar o conceito de humanização de marca, a sua importância, os benefícios que traz ao seu negócio e dicas práticas para você aplicá-lo e mudar por completo a relação da sua marca com seus clientes. 

O que é humanização de marca? 

O conceito de humanização de marca é justamente tornar o seu negócio mais humano.

Sendo assim, trazer características da vida real para as redes sociais e fazer os internautas entenderem que estão sendo tratados de acordo com aquilo que eles são, pessoas. 

É normal que um negócio como a consultoria TOTVS protheus produza conteúdos e crie anúncios nas redes sociais de maneira automática e com uma linguagem mais genérica e aberta, sem especificar seu público e buscar um relacionamento com ele. 

O usuário acaba entendendo que aquele negócio não é tão bom assim, justamente por não chamar a sua atenção e mostrar o seu diferencial perante as milhares de marcas que existem no mercado. 

Hoje, as pessoas estão à procura de relações saudáveis e recíprocas, e isso também engloba o universo dos negócios, os clientes querem um relacionamento com a marca que estão tendo contato. 

Humanizar a sua marca vai muito além de prestar um bom atendimento na hora de fazer um orçamento de assessoria contábil da sua empresa, é mostrar que ela não é perfeita e também possui os seus momentos difíceis. 

É muito fácil identificarmos as qualidades e bons momentos, mas é muito difícil reconhecer e falar sobre aquilo que não está bom.

Entretanto, é justamente este o ponto crucial que irá ajudar a humanizar a sua marca. 

Qual a importância da humanização de marketing? 

A construção dessa imagem mais humanista traz um ar mais leve e real para a marca, pois com as redes sociais, as pessoas tendem a acreditar que tudo é um conto de fadas, perfeito e sem defeitos, mas sabemos bem que não é assim. 

Lembrando que a internet é uma grande ferramenta de uso para as pessoas, ela mudou completamente a forma das pessoas se relacionarem, e encontrar uma fibra óptica para indústria, por exemplo, ficou ainda mais fácil. 

Porém, ela também trouxe os seus malefícios que acabam sendo responsáveis até mesmo por transtornos como ansiedade, depressão e compulsão alimentar devido aos conteúdos compartilhados nas redes sociais. 

Mas, quando um internauta se depara com uma marca que não faz questão de demonstrar os seus lados negativos, seus desafios e momentos difíceis, ele se enxerga naquela marca e entende que nada nessa vida é perfeito como parece. 

Tomar essa atitude de humanizar o seu negócio, traz diversos benefícios como:

Maior relacionamento com o cliente 

A humanização de uma marca faz com que o cliente se sinta mais confiante e pronto para comprar da sua marca.

Isso porque essa estratégia gera empatia e emoção entre o cliente e a sua marca. 

Caso você seja o gerente de uma equipe de fornecedores de brindes corporativos, a humanização da sua marca garante que esses clientes se sintam mais próximos da cultura do seu negócio. 

É a intimidade que gera um relacionamento saudável e confiável, que garante a conquista e fidelização desse cliente junto a sua marca. 

Comunicação natural 

Pense que você está em um almoço de domingo com amigos e conversando sobre a vida e a procura de um escritório de contabilidade na Zona Sul de SP

A última coisa com a qual irá se preocupar é utilizar um linguajar formal e sério com os seus amigos. 

Pois bem, essa é a ideia que a humanização também traz, você não precisa abraçar toda aquela pressão de venda e de relacionamento para falar com o seu cliente. 

Basta entender que ele será como um amigo seu, e a comunicação de vocês fluirá. 

Quando não entendemos isso, é comum adotar uma linguagem mais formal e séria que nem sempre é bem recebida pelos clientes. 

Por isso, personalize a sua comunicação e faça ela ser natural entre a sua marca e os seus clientes. 

Feedbacks reais 

A humanização de uma marca gera uma relação mais próxima com os clientes que permitem a devolutiva com feedbacks reais que realmente irão ajudar a empresa a crescer. 

Assim como clientes deixam o seu feedback em sites de marcas de montagem de câmara fria preço, por exemplo.

Eles também podem enviar esses comentários por meio das redes sociais e dos comentários na publicação da sua marca. 

Portanto, são aqueles que realmente irão acrescentar algo na sua empresa e ajudá-los a ver o que precisa ser mantido e o que precisa ser mudado na marca. 

Os feedbacks são extremamente importantes para a construção de um negócio que atinja os desejos de seu público-alvo e ele só consegue aparecer com um relacionamento saudável e humano entre a marca e o cliente. 

3 dicas para humanizar o seu negócio 

Por fim, selecionamos algumas dicas para você colocar todo este conceito em prática e humanizar a sua marca Confira: 

Fale com seus fregueses diariamente 

Um relacionamento não é construído do dia para a noite, é necessário esforço, atenção e comunicação de ambos os lados e diariamente. 

Portanto, isso não muda quando falamos da construção de um relacionamento entre a marca e seus clientes. 

Por meio das redes sociais é possível se comunicar todos os dias com seus seguidores através de ferramentas de comunicação fornecidas nas redes sociais, como:

  • Stories;
  • Enquetes;
  • Caixa de perguntas;
  • Live;
  • Publicações no feed

Tudo isso ajuda na construção da humanização da sua marca e do relacionamento saudável entre você e seus clientes. 

Mostre o seu rosto 

Muitos donos de empresas acham que não é necessário dar a sua cara a tapa e aparecer nas redes sociais da marca.

Por isso, criam logos e símbolos para ocuparem o seu lugar, mas isso é impossível. 

Quando um possível cliente busca por um despachante em Londrina e encontra uma marca que possua não apenas uma boa identidade visual, mas também a presença de um rosto na marca, tudo fica ainda mais confiável.

Isso porque as pessoas irão entender que por trás daquele negócio existe uma pessoa assim como ela, e essa identificação, acaba gerando uma proximidade, confiança e segurança ainda maior entre a sua marca e esse possível cliente. 

Compartilhe os bons e maus momentos 

As redes sociais tendem a compartilhar tudo o que é bom, o que reforça a ideia das pessoas acharem que tudo é perfeito, e isso acaba gerando uma grande desilusão quando elas não veem tudo perfeito em suas próprias vidas. 

Por exemplo, se um internauta vê uma CRLV digital BA perfeita e adquire pensando que o seu resultado será igual ao do seu amigo, ele pode se frustrar ao ver que tudo foi muito diferente do que ele pensava. 

Mas, nem sempre o problema está no produto ou serviço, mas sim nas altas expectativas que o cliente cria em cima daquilo e que são reforçados pelo ambiente das redes sociais. 

Quando esses internautas se deparam com pessoas e marcas que não escondem os seus lados negativos e os problemas que aparecem, eles se sentem mais confiantes e caem na realidade que é a vida, nada é perfeito. 

E isso é mais uma forma de construir uma relação duradoura com seus clientes e humanizar a sua marca por meio daquilo que é normal e presente em tudo na vida, os erros, defeitos, desafios e momentos difíceis. 

Considerações finais 

Humanizar a sua marca é uma atitude de coragem, pois você estará disposto a mostrar os lados positivos e negativos de uma empresa e da rotina de um negócio. 

Por mais que isso gere medo e desconforto no início, é algo que irá gerar grandes frutos lá na frente. 

Mais do que números e resultados, é importante criar uma marca que se preocupa em ouvir e se comunicar com aqueles que sempre irão ser o motivo da existência e sucesso do seu negócio, os seres humanos. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

branding

Branding: o que é e como fazer a gestão da sua marca

É bem provável que não exista ninguém que nunca ouviu falar em marketing e publicidade. Porém, existe um outro conceito que é igualmente importante, e que, aliás, vem antes de tudo isso, que é o branding, geralmente ignorado por muitas empresas.

Na verdade, para uma ação publicitária funcionar bem, ela precisa se inserir em uma campanha maior, ou ao menos em uma percepção de marca bem fundada. O papel de lançar essa base é do marketing.

Ao mesmo tempo, para que o marketing funcione de maneira realmente eficiente no médio e longo prazo, ele também precisa de uma base bem formada, que é, justamente, a do branding. Sem levar essa ordem a sério, dificilmente uma marca terá sucesso.

Quando se fala em identidade visual, por exemplo, muita gente pensa no marketing. Contudo, por curioso que pareça, na verdade é papel do branding iniciar o processo de criação do logotipo, da tipografia, das cores e até do slogan.

Neste último caso, inclusive, já entramos na esfera de outra identidade, que muitas pessoas da mesma forma costumam ignorar: é a identidade verbal da marca. Cabe ao branding desenvolver essas duas frentes.

Só então podem começar a vir as peças, ações e campanhas de marketing e publicidade. Porém, cabe outra observação aqui: falar em branding também exige falar sobre outras ideias e conceitos, como a questão da persona e das Gerações X, Y e Z.

Portanto, o branding é só o começo do desafio, daí que decidimos escrever este artigo. Hoje, já não é possível ignorar as demandas de um mercado que se torna cada vez mais competitivo, cujo público também se mostra muito mais exigente.

Todo esforço de fundar a marca, fazer a gestão dela e impactar o público-alvo com eficiência, fazendo as pessoas realmente se engajarem mais e comprarem de você, passa pelo esforço de compreender essas novas gerações.

O traço principal delas é o fato de que hoje até as crianças já crescem com celular e tablet nas mãos. Ou seja, têm um acesso muito maior à informação, e por isso mesmo, são mais exigentes e esperam muito mais das empresas e das relações de compra e venda.

Portanto, se você quer compreender melhor como mudar sua marca de patamar, tornando-a realmente sustentável, basta seguir adiante na leitura.

O que é e qual o objetivo do Branding

Você já ouviu falar em “cultura corporativa”? Tem tudo a ver com isso. O branding, também conhecido como brand management (gestão de marca, em inglês), que nada mais é que o esforço de tornar a marca mais eficiente e desejada perante o público.

Assim, uma empresa de escavação precisa de um esforço sólido que garanta uma comunicação efetiva com o mercado, especialmente se a sua ambição for a de se tornar uma referência na região, no país, ou (por que não?) no mundo.

Essa comunicação efetiva visa a transmitir vários aspectos da marca para o público, entre os principais deles:

  • A cultura da marca;
  • O propósito da empresa;
  • Os valores de equipe;
  • A identidade verbal;
  • A identidade visual;
  • O posicionamento.

Você já ouviu aquela afirmação antiga do mundo das vendas, de que os clientes não compram o produto, mas a pessoa, isto é, o vendedor? Com o advento do marketing digital isso continua assim, só que mudou um pouco.

O cenário que temos atualmente é semelhante, com a diferença de que hoje os clientes esperam que a marca se apresente mais ou menos como se ela mesma fosse uma pessoa. Aquela relação fria entre as partes já não existe mais.

Nesse sentido, as pessoas não compram um produto/serviço, mas uma convicção, uma filosofia ou mesmo um estilo de vida. 

O que é ainda mais claro quando o produto lida com questões ambientais, por exemplo, ou de alimentação, entre outras.

Por isso, uma empresa de detergente que mostre suas preocupações com questões de reciclagem, preservação da natureza e maneiras de a indústria química viver harmoniosamente com o meio ambiente, com certeza sairá na frente da concorrência.

Tudo isso pode e deve ser desenvolvido pelo branding. Daí dizer que ele é o esforço de tornar a marca mais desejada na mente das pessoas, que é exatamente o que as maiores marcas do mercado vêm fazendo.

Sobre como fazer a gestão de uma marca

Depois de dizer tudo isso, é bem provável que você esteja convencido da importância do branding. Contudo, a primeira dúvida que surge é como colocar a mão na massa, ou seja, como dar os primeiros passos e fazer a coisa acontecer.

O primeiro ponto a ficar claro é o do propósito. Pegue o exemplo de uma placa informativa para banheiro, ela pode simplesmente colocar seus produtos no mercado, seguindo o que todos os outros já fizeram, ou virar a chave e se destacar.

Toda empresa sabe o que faz, muitas sabem como fazer, mas poucas sabem o seu porquê de existir. É aí que está o grande diferencial, você pode vender “plaquinhas para banheiro”, ou então, “ajudar as pessoas a se orientarem em locais públicos”.

Neste caso, imagine você dizer para seus clientes (estabelecimentos que precisam dessas placas), que o papel deles é fazer com que os consumidores se sintam em casa, tendo uma experiência positiva mesmo quando precisarem utilizar o toilette.

Depois do propósito criado, o que leva essa mensagem para o mercado é a “promessa de marca”, etapa em que a filosofia começa a ser traduzida em logotipo, slogans e elementos que comunicam suas convicções ao público.

O terceiro pilar que ajuda a tornar a coisa real é o posicionamento, que auxilia, como já dito, a humanizar sua marca perante o público. Imaginemos o exemplo de uma empresa que lida com confecção de adesivos personalizados.

Uma dica de ouro seria a de utilizar o elemento “novidade” e “inovação”. Ou seja, você se posicionaria mostrando que sua confecção é moderna, está alinhada com os ideais de hoje, e entrega uma solução que é antiga, mas que você repaginou.

É como dizer que as outras marcas não fazem o que você faz tão bem assim, pois você acabou de fundar (ou de fazer remarketing) dentro do segmento em questão. Isso instiga as pessoas e atrai o público.

Quais elementos trabalhar para chegar lá?

Se pudermos ser ainda mais práticos, é possível detalhar os elementos exatos que você vai precisar gerir, na prática, para fazer a administração da sua marca. Já os mencionamos, mas vamos aprofundar.

O primeiro é a identidade verbal, um esforço que é intransferível. Ele precisa ser feito em todos os segmentos, seja uma empresa de segurança bancária, uma indústria química que lida com termoplásticos ou mesmo um fast food.

Além disso, ninguém nunca vai deixar isso na mão de funcionários, pois o que você precisa é sentar com os sócios e definir os famosos pontos: “Missão, Visão e Valores”. Na sequência vem a identidade visual, que dá um corpo para a etapa anterior.

Alguns começam pelas cores, outros pelo logotipo, como quando uma marcenaria utiliza alguma ferramenta da sua rotina de trabalho. Uma dica é lançar mão de símbolos, ilustrações e ícones, que ajudam na hora de criar o visual.

É o que se chama brainstorming. Outros começam pelo slogan, e depois é que pensam em um modo de torná-lo visível por meio de uma imagem/logotipo. Mais um elemento importante é a tipografia, a fonte principal que a marca utiliza nos textos.

Uma dica bacana é a do tom e da voz. Muitas empresas esquecem, mas é preciso “falar a língua dos clientes”. Ao vender talão de rifa personalizado, você precisa entender como as pessoas que buscam essa solução se expressam.

Um dos principais motivos desse esforço é a internet, pois no blog ou mesmo nas redes sociais, se você perder o tom ou a voz da marca, certamente vai perder engajamento.

Vantagens, benefícios e horizontes do branding

Um passo fundamental é nunca deixa de evoluir, de se informar sobre o que está acontecendo no mercado e buscar informações constantemente.

Você pode saber tudo sobre impressão de cartazes grandes, mas a verdade é que hoje em dia, as coisas mudam bem depressa, e quem não se atualizar acabará ficando para trás.

Além de compreender os perfis dos seus compradores, fique sempre de olho no que a concorrência está fazendo. Além disso, não é preciso ter medo de errar.

O branding também envolve tentativa e erro, bem como reciclagem. Quando você perceber que a equipe está dispersando, que os valores ficaram para trás e todo mundo perdeu o horizonte, cabe a você colocar tudo em ordem novamente.

Essas são as vantagens e resultados de fazer um bom gerenciamento de marca. Seja uma papelaria que vende caixa de encomenda 6b no bairro, ou uma importadora que negocia com o mundo todo, todos precisam ter uma base muito sólida.

Com isso, vemos que o branding é uma bússola para toda marca que queira fazer sua gestão e obter resultados imediatos, bem como para quem foca no médio e no longo prazo.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Como usar o Linkedin como uma plataforma de divulgação de sua marca

Vamos fazer um jogo de palavras: eu vou dizer uma palavra, então você responde com a primeira palavra que vem sua cabeça.

A palavra é “LinkedIn“.

Você respondeu “carreira“?

Se respondeu “carreira” então você está no mesmo campo que muitos usuários sobre o seu perfil no LinkedIn, como curriculum on-line. Você lista seus trabalhos recentes e o que você realizou neles. Envia solicitações de conexão para colegas, até para aqueles que você não tem contato ahá muito tempo, e para colegas em seus círculos profissionais.

Você solicita e fornece endossos e recomendações. Você mantém seus perfis polidos e atraentes. Então procura adotar uma abordagem de marketing de entrada, onde você se senta, relaxa e espera que o emprego dos sonhos ou o cliente dos sonhos o encontre, certo? mas essa seqüência perfeita pode às vezes pode ser uma fantasia e na maioria das vezes é.

LinkedIn = conversa

Se eu fizesse o mesmo jogo de associação de palavras com Viveka Von Rosen e Bernie Borges, eles responderiam: “conversa”.

Viveka, é diretora de visibilidade e Bernie, CMO da Vengreso, e apresentaram 3 Estratégias de Marketing de Conteúdo do LinkedIn que impulsionarão a visibilidade, a credibilidade e o tráfego no Content Marketing WorldSuas estratégias centram-se no objetivo de gerar conversas no LinkedIn.

Por que as conversas são importantes? Eles geram um envolvimento mais profundo com seu público-alvo (por exemplo, colegas, clientes em potencial, parceiros) e ajudam a aumentar a liderança de pensamento em seu setor.

Como diz Viveka, “você tem uma oportunidade incrível quando alguém se envolve com seu conteúdo para se conectar com ele e aprofundar ainda mais esse relacionamento e começar a conversar com ele”.

Vamos percorrer as estratégias compartilhadas por Viveka e Bernie. As estratégias se aplicam a postagens no LinkedIn para perfis pessoais. Eles não abordam postagens feitas em páginas de empresas do LinkedIn.

Estratégias para composição de posts

Você tem 1300 caracteres disponíveis ao postar no seu perfil pessoal, muito mais do que os 280 caracteres disponíveis no Twitter.

Viveka recomenda que você aproveite o espaço extra: “O que estamos descobrindo no LinkedIn é que às vezes é melhor usar os 1300 caracteres pois estão obtendo melhores resultados.

Ela diz que suas atualizações de formato longo recebem de cinco a dez vezes mais visibilidade do que uma postagem curta que simplesmente diz: “Ah, confira este artigo incrível”. Veja o exemplo abaixo:

Observe o alto nível de envolvimento (por exemplo, 238 “curtidas” e 76 comentários). Além disso, observe que não há link no post. A atualização de status é um “mini-artigo”, que ajuda Viveka a chamar atenção para seus pontos.

No final do post, ela aconselha os leitores a verificar o link nos comentários, em vez do corpo de sua atualização de status. Pode funcionar melhor devido ao modo como o algoritmo do LinkedIn trata os comentários. Eu recomendo testar isso (por exemplo, colocando o link no corpo versus os comentários) para ver como ele funciona para você.

Teste colocando o link na cópia do corpo de sua atualização de status @LinkedIn vs. os comentários

Etiquetar pessoas nas postagens

Se uma árvore cai em uma floresta e ninguém está lá para ouvi-la, como fazer opara chamar a atenção?

A versão do LinkedIn desta pergunta é: Se você compartilha uma postagem, mas não marca pessoas, alguém a vê?

Às vezes sua postagem não é vista pelos seguintes motivos:

  • Volume de atualizações postadas no LinkedIn
  • Algoritmo de newsfeed do LinkedIn
  • Falta de usuários que duram o dia todo

Quando você marca alguém em uma atualização de status, ela aparece nas notificações deles, o que aumenta a probabilidade de que irão visulizar. E uma vez que alguns usuários se envolvem com sua postagem, ela é vista por suas conexões e, potencialmente, pelas conexões de suas conexões, e assim por diante.

Se você conhece pessoas mencionadas em um artigo, marque-as, diz Viveka. “Outras pessoas com as quais você esteve conversando, outros clientes com quem você esteve conversando, que podem achar este artigo, este white paper, este vídeo interessante, marque-os também”, diz ela.

Adicione hashtags para descoberta

Recentemente, o LinkedIn começou a auto-sugerir hashtags quando você posta uma atualização de status. De acordo com Viveka, “(o LinkedIn) decide quais hashtags serão relevantes, e você pode percorrer as diferentes hashtags e escolher aquelas que deseja atualizar”.

Assim como em outras redes sociais, as hashtags ajudam na descoberta. O LinkedIn mantém um conjunto de “comunidades hashtag ” ou lugares onde você pode encontrar postagens sobre uma hashtag em um só lugar.

Você pode usar hashtags relevantes em seu conteúdo e há uma chance de que seu conteúdo seja colocado nessas diferentes comunidades hashtag e visto por mais pessoas“, diz Viveka. “Dê uma olhada no lado esquerdo da sua página inicial. Veja algumas dessas comunidades de hashtags.

Aqui estão as comunidades hashtag listadas na minha home page do LinkedIn agora:

Quando clico na hashtag “#branding”, sou direcionado para esta página:

No topo está um post da agência Promoeve, com quem não estou conectado no LinkedIn. Este é um bom exemplo de como as comunidades de hashtags ajudaram os posts da agência Promoeve a serem descobertos por pessoas (como eu) fora de sua rede.

Enquanto alguns usuários enlouquecem e incluem 10 a mais de 20 hashtags em seus posts, Viveka sugere usar cinco a 10 hashtags por post.

Combinando essas táticas: escrevendo atualizações de formato longo, etiquetando pessoas e incluindo hashtags, Viveka estima que você pode aumentar em 10 a visibilidade de suas postagens.

Use vídeo nativo

Compartilhar vídeo nativo no LinkedIn significa fazer o upload de um arquivo de vídeo (ou seja, do smartphone, tablet ou laptop) diretamente na plataforma. Vincular a um vídeo hospedado em outro lugar (por exemplo, YouTube ou Vimeo) não conta.

Viveka diz que o algoritmo do LinkedIn gosta de vídeo nativo. Na verdade, ela testa postagens usando o mesmo vídeo, publicando uma versão com a postagem de vídeo nativa e a outra com o link do YouTube . “Eu vejo de 10 a 100 vezes as visualizações em um vídeo nativo em comparação com um link do YouTube“, diz ela.

Viveka recomenda usar o seu celular para fazer vídeos relevantes para o seu negócio. O upload desse vídeo para o seu perfil do LinkedIn pode resultar em muita visibilidade.

Quando compartilho um conteúdo no LinkedIn, às vezes eu gravo um vídeo de um a dois minutos falando sobre o artigo. Vejo de 10 a 20 vezes as visualizações, “curtidas” e comentários em comparação com minhas postagens semelhantes sem vídeo. Demoro 10 minutos para gravar e enviar o vídeo. Certamente vale a pena o tempo.

Outro benefício do vídeo é a autenticidade. Quando você está na câmera, seu público consegue ver o seu verdadeiro eu. Não há como esconder atrás de um avatar ou uma foto de perfil de 10 anos de idade. Embora o vídeo possa não ser para todos, Viveka diz que pode ajudar a construir sua marca.

Tipos de conteúdo de vídeo nativo para compartilhar

Viveka fornece muitas ideias sobre o que compartilhar com o vídeo nativo:

  • Dicas e truques
  • Depoimentos
  • Resenhas de livros ou produtos
  • Entrevistas
  • Habilidades de instruções
  • Demonstrações de produtos
  • Mostra de eventos
  • Envolvimento do público-alvo
  • Empresa Quem Somos página
  • Vídeo patrocinado

Tal como acontece com todo o marketing de conteúdo eficaz, Viveka recomenda publicar conteúdo de vídeo que seja útil e resolva uma necessidade. “Dicas ou truques são sempre úteis, úteis, ótimos. Eles não são muito promocionais. As pessoas tendem a gostar deles. Eles tendem a ser muito compartilhados e isso ajuda na visibilidade ”, diz ela.

Para praticar o que eles pregaram com o vídeo nativo do LinkedIn, Viveka e Bernie gravaram e fizeram o upload de um vídeo durante a sessão do Content Marketing World. Aqui está o post resultante no perfil de Bernie:

Amplifique o conteúdo para além do LinkedIn

A terceira estratégia do LinkedIn compartilhada por Viveka e Bernie é ampliar o conteúdo além da plataforma. Para postagens de perfil, copie o link (clique nos três pontos no canto superior direito).

Você pode compartilhar esse link no Facebook. Na verdade, ele fica realmente bom no Facebook, a propósito, em suas mensagens privadas, mesmo no Twitter ”, diz Viveka.

Quando você compartilha postagens do LinkedIn em outras redes sociais, Viveka sugere que você salve o URL em um documento ou pasta para usar e compartilhar os links com mais facilidade. Caso contrário, você precisará percorrer o histórico de postagens do LinkedIn. Se for um vídeo postado há dois anos, haverá muita rolagem.

Um truque relacionado é usar uma hashtag com marca (e exclusiva) para suas postagens. Viveka e Bernie usam o #VengresoVids. Quando eles pesquisam essa hashtag no LinkedIn, é um atalho para todos os vídeos que eles postaram.

Finalmente, a Viveka recomenda criar hubs de conteúdo privados no LinkedIn, onde você, seus colegas e talvez alguns influenciadores possam trocar links e vídeos. “Não abuse excessivamente, mas você está recebendo outras pessoas compartilhando seu conteúdo, e ele está indo para a rede deles, e se o conteúdo for bom o suficiente, ele começa a se multiplicar e multiplicar“, diz ela.

Ative seus superpoderes do LinkedIn

Eu costumava pensar no LinkedIn como um lugar para manter meu perfil profissional atualizado. Hoje em dia é muito mais que isso. Como Viveka e Bernie mostraram, é um veículo para gerar consciência, visibilidade e conversação. Um veículo para conhecer novas pessoas e aprofundar relacionamentos.

Use o LinkedIn de forma consistente e você poderá conseguir novos negócios ou encontrar o emprego dos sonhos. Mas você deve começar! Eu recomendo aplicar as estratégias de Viveka e Bernie nestes três estágios:

  • Compor posts mais eficazes.
  • Experimente com o vídeo nativo.
  • Amplifique para outras redes sociais.

Tente uma postagem essa semana que seja uma atualização de formato longo, identifique as pessoas e use hashtags. Compartilhe nos comentários e deixe-nos saber como é.

Aqui está um trecho da palestra de Bernie e Viveka:

Texto Original: How to Use LinkedIn as a Brand Publishing Platform