Working on logo design

4 Dicas para desenvolver um bom logo para o seu e-commerce

A relação entre uma empresa e cliente é essencial, sendo exatamente por isso que definir um bom logo é tão importante para um e-commerce que deseja ser reconhecido no mercado digital, independentemente do seu ramo de atuação.

 

Os e-commerces estão crescendo a um nível jamais visto, e essa nova realidade faz diversos empreendedores investirem na identidade visual de suas empresas. Normalmente, essa identidade é idealizada pelo empresário e desenvolvida por designers gráficos.

 

O designer gráfico é um profissional que estuda durante longos anos em busca das melhores combinações para arquitetar a forma como uma empresa será vista, isto é, “dar a cara” para ela, além de outras funções que envolvem a profissão. 

 

É importante saber disso, pois assim é possível mensurar a importância que é elaborar o logo de uma empresa. Se pararmos para pensar agora, veremos que existem diversas companhias que, somente ao observar seus logos, já vêm em mente o nome e o segmento. 

 

Isso ocorre porque a atuação e o logo dessas empresas é tão forte que acabamos por fazer a referência quase que de imediato. É como se nossa mente fizesse uma espécie de digitalizacao 3d, capaz de constatar que já tivemos alguma experiência com a marca.

 

Deste modo, é possível chegar no que chamamos de empresas top of mind, ou topo da mente. Essas empresas lideram os nossos pensamentos sobre um determinado assunto de referência.

 

Por exemplo, se você pensar em marca de esporte, imediatamente uma empresa específica aparece na sua mente. Agora, pense em uma marca de celulares. Certamente, outra já também já tomou conta. 

 

Mas perceba que o conceito dessas empresas é visualizado em torno de seus logotipos. Ou seja, quando pensamos na primeira empresa de esportes que surge em nossa mente, o que aparece não é a loja física com um adesivo de vinil.

 

Fazemos memória, quase de imediato, dos logos de cada empresa, seguido de um produto em que o logo está acoplado. É por isso que muitos acham que pelos e-commerces serem algo do ramo digital não há a necessidade de um logo.

 

Porém, estão infinitamente equivocados nesse sentido, pois é exatamente ao contrário. A necessidade de uma identidade visual e um logotipo, quando a empresa não compõe uma loja física, se faz ainda mais necessário.

 

O conteúdo digital é extremamente competitivo, visto que no planejamento parece mais fácil montar um site do que erguer uma loja do zero, entretanto, você não é a única pessoa que entendeu isso e estará competindo com diversas outras lojas. 

 

Essa competição cria a necessidade de estar sempre em destaque, por isso a importância de ter um logo bonito e imponente, que passe a mensagem da sua marca para as pessoas que adentrarem o seu site de vendas e redes sociais.


Desta forma, a imagem da empresa será reforçada na mente dos consumidores e leads (clientes em potencial). O logo de uma empresa é tão relevante quanto ter um cartão de visita pessoal, para o caso de quem presta serviços.

 

Todo o investimento em imagem é visto com muita seriedade pelos consumidores e é quase que um padrão de qualidade exigido por eles para escolher o local em que o capital será gasto. 

 

Afinal, quanto mais profissional o site for, maior será a confiança das pessoas que o acessarem.

 

Ocorre que muitos empreendedores querem ter o feeling de criar seus próprios logos sem a necessidade de contratar um designer. É interessante esse método de pensar faz todo o sentido para quem quer ser um empresário. 

 

Aprender a fazer coisas novas e aprimorá-las é a essência do empreendedorismo. Não basta sair por aí com uma camisa gola polo personalizada, mas o pensamento do sucesso deve estar dentro de quem se arrisca todos os dias.

 

Pensando nisso, separamos algumas dicas  de diversos especialistas incríveis de como conseguir criar o seu próprio logotipo para um e-commerce. Nosso objetivo foi trazer ao máximo tudo isso que dissemos acima. Vamos à elas:

1 – Tenha conhecimento do seu segmento

O logo de um e-commerce precisa englobar ao máximo todos os sentimentos que envolvem a ideia principal da empresa. É a mesma coisa quando uma pessoa faz uma tatuagem, mas antes busca por um significado que possa ser eternizado em sua pele.

 

O logotipo da sua empresa será a forma como as pessoas a reconhecerão, por isso, será preciso identificar os principais pontos que envolvem o seu segmento e seu sonho no momento em que fundou a companhia.

 

Uma boa dica é observar de forma bem atenta a missão, visão e valores que você propôs no momento da criação dela e tentar condensar tudo em um logotipo. Esse pensamento dará a você o tom exato que busca, tornando a tarefa de visualizar a sua ideia mais fácil.

 

É preciso que as cores e a fonte também estejam de acordo com o segmento em que o e-commerce atua. Por acaso você já viu uma marca de alguma bebida, como o vinho, com o logo e uma fonte de estilo aleatório, por exemplo?

 

Não faz muito sentido. As marcas de vinho compõe mais uma espécie de fonte como que de uma camisa de uniforme social, ou seja, algo a ser levado a sério com requintes de luxo e outras coisas referentes a essa bebida tão tradicional. 

 

Ademais, se você colocar uma caracterização de outro segmento no logo da sua empresa, ela poderá ser eternamente confundida com outro setor.

2 – Foque na simplicidade  

As grandes empresas detêm logos simples, mas diretos. Se pensamos nas maiores indústrias de refrigerante ou telefonia, já imaginamos os seus logos. Note que qualquer um desses logos pode ser desenhado por uma criança de 10 anos ou até menos.

 

A facilidade e identidade dessas marcas é tão forte que se tornam um simples sinal de referência.

 

Isso significa que uma criança, por mais inocente que seja, já sabe identificar a marca somente de olhá-la em um outdoor, um flyer digital ou um comercial de televisão. Isto é, designs simples são difíceis de serem esquecidos. 

 

Fuja da complexidade, pois por mais bonitos que possam ser, dificilmente serão lembrados, sem falar que podem fugir um pouco do objetivo da marca. Todo o seu público-alvo precisa identificar facilmente o seu logotipo sem maiores dificuldades.

 

Dessa maneira, o objetivo do logo que é referenciar a marca poderá ser cumprido sem problemas. Quanto mais cores forem inseridas, mais cores você terá que colocar dentro do seu site, portanto, tenha cuidado para não se colocar em uma confusão sem saída.

3 – Crie logos que possam ser impressos 

Esse é um ponto importante que precisa ser lembrado por todas as pessoas que criam uma empresa. No início de tudo, pode ser que você não tenha uma fábrica ou a necessidade de colocar o logo da sua empresa em tudo que você faz.

 

Contudo, tenha em mente que se o seu objetivo for conquistar cada vez mais pessoas, pode ser preciso fazer a adesivacao de carros propaganda, montar uniformes para seus funcionários ou até camisas para você possa gravar vídeos ou fazer atendimentos.

 

É comum que os logos sejam feitos com cores como rosa ou amarelo e, quando impressos, ficam totalmente distantes daquilo que foi elaborado. É mais fácil passar da impressão para o digital do que do digital para a impressão.

 

Faça seus logos imaginando que serão impressos, tendo cuidado com as cores em excesso que podem ser prejudiciais ao seu objetivo final, principalmente no momento em que a empresa estiver se expandindo ou colocando algum projeto de identificação em prática. 

4 – Coloque fontes adequadas

Fontes são importantes e essenciais para a identificação das marcas. Há muitos anos, Steve Jobs e alguns amigos elaboraram uma série de fontes que seriam utilizadas no mundo todo. Tudo isso nos anos 1990, o que foi considerado um avanço no mundo digital.

 

Mesmo antes, diversas pessoas já haviam identificado a importância das fontes dentro da empresa e principalmente nos logotipos. 

 

São bastante interessantes de serem usadas fontes como:

 

  • Arial;
  • Times New Roman;
  • Ubuntu;
  • Lora.

 

No entanto, tenha em mente que um logotipo pode ser reconhecido mundialmente somente por sua fonte. Quase todos reconhecem só de pensar na fonte utilizada nos livros e filmes de Harry Potter, por exemplo.

 

Uma grafica de producao de impressao digital pode ser tão bem sucedida ao idealizar fontes exclusivas e ser facilmente reconhecida.  

 

Somadas as cores com a fonte, você montará um logo incrível para o seu e-commerce. Recomendados que você tenha a identidade de alguma empresa parecida com a sua e possa usá-la como referência. 

Conclusão

Por fim, esperamos que as dicas que abordamos nesse conteúdo possam te auxiliar a criar um logotipo para seu negócio online e gerar um efeito positivo em seu público.

 

Tenha em mente que essa ferramenta pode ser uma catalisadora, que irá atrair ainda mais consumidores para seu e-commerce e tornar a sua marca conhecida, portanto, lembre-se de projetá-lo com simplicidade, mas ao mesmo tempo, com excelência.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

pexels-andrea-piacquadio-3761509 (1)

Humanização de marca: entenda como usar essa estratégia na sua empresa

No meio de tantas estratégias e meios de gerar mais resultados para uma empresa, surge a humanização de marca que quebra todos os paradigmas e estereótipos criados em torno de um negócio e de como ele deve se comunicar com seus clientes. 

Os internautas estão cada vez mais interessados em pessoas e não apenas em produtos ou serviços.

Isso significa que toda aquela linguagem robotizada criada pela internet já não faz mais sentido. 

Isso porque os profissionais que usam as redes sociais para divulgar o seu trabalho e os usuários que a utilizam para comprar algum produto ou serviço, no fim das contas, são a mesma coisa, seres humanos. 

Por mais óbvio que isso possa parecer, muitos ainda acham que todos do outro lado da tela são robôs, mas este é um conceito que está morrendo aos poucos. 

Portanto, iremos abordar o conceito de humanização de marca, a sua importância, os benefícios que traz ao seu negócio e dicas práticas para você aplicá-lo e mudar por completo a relação da sua marca com seus clientes. 

O que é humanização de marca? 

O conceito de humanização de marca é justamente tornar o seu negócio mais humano.

Sendo assim, trazer características da vida real para as redes sociais e fazer os internautas entenderem que estão sendo tratados de acordo com aquilo que eles são, pessoas. 

É normal que um negócio como a consultoria TOTVS protheus produza conteúdos e crie anúncios nas redes sociais de maneira automática e com uma linguagem mais genérica e aberta, sem especificar seu público e buscar um relacionamento com ele. 

O usuário acaba entendendo que aquele negócio não é tão bom assim, justamente por não chamar a sua atenção e mostrar o seu diferencial perante as milhares de marcas que existem no mercado. 

Hoje, as pessoas estão à procura de relações saudáveis e recíprocas, e isso também engloba o universo dos negócios, os clientes querem um relacionamento com a marca que estão tendo contato. 

Humanizar a sua marca vai muito além de prestar um bom atendimento na hora de fazer um orçamento de assessoria contábil da sua empresa, é mostrar que ela não é perfeita e também possui os seus momentos difíceis. 

É muito fácil identificarmos as qualidades e bons momentos, mas é muito difícil reconhecer e falar sobre aquilo que não está bom.

Entretanto, é justamente este o ponto crucial que irá ajudar a humanizar a sua marca. 

Qual a importância da humanização de marketing? 

A construção dessa imagem mais humanista traz um ar mais leve e real para a marca, pois com as redes sociais, as pessoas tendem a acreditar que tudo é um conto de fadas, perfeito e sem defeitos, mas sabemos bem que não é assim. 

Lembrando que a internet é uma grande ferramenta de uso para as pessoas, ela mudou completamente a forma das pessoas se relacionarem, e encontrar uma fibra óptica para indústria, por exemplo, ficou ainda mais fácil. 

Porém, ela também trouxe os seus malefícios que acabam sendo responsáveis até mesmo por transtornos como ansiedade, depressão e compulsão alimentar devido aos conteúdos compartilhados nas redes sociais. 

Mas, quando um internauta se depara com uma marca que não faz questão de demonstrar os seus lados negativos, seus desafios e momentos difíceis, ele se enxerga naquela marca e entende que nada nessa vida é perfeito como parece. 

Tomar essa atitude de humanizar o seu negócio, traz diversos benefícios como:

Maior relacionamento com o cliente 

A humanização de uma marca faz com que o cliente se sinta mais confiante e pronto para comprar da sua marca.

Isso porque essa estratégia gera empatia e emoção entre o cliente e a sua marca. 

Caso você seja o gerente de uma equipe de fornecedores de brindes corporativos, a humanização da sua marca garante que esses clientes se sintam mais próximos da cultura do seu negócio. 

É a intimidade que gera um relacionamento saudável e confiável, que garante a conquista e fidelização desse cliente junto a sua marca. 

Comunicação natural 

Pense que você está em um almoço de domingo com amigos e conversando sobre a vida e a procura de um escritório de contabilidade na Zona Sul de SP

A última coisa com a qual irá se preocupar é utilizar um linguajar formal e sério com os seus amigos. 

Pois bem, essa é a ideia que a humanização também traz, você não precisa abraçar toda aquela pressão de venda e de relacionamento para falar com o seu cliente. 

Basta entender que ele será como um amigo seu, e a comunicação de vocês fluirá. 

Quando não entendemos isso, é comum adotar uma linguagem mais formal e séria que nem sempre é bem recebida pelos clientes. 

Por isso, personalize a sua comunicação e faça ela ser natural entre a sua marca e os seus clientes. 

Feedbacks reais 

A humanização de uma marca gera uma relação mais próxima com os clientes que permitem a devolutiva com feedbacks reais que realmente irão ajudar a empresa a crescer. 

Assim como clientes deixam o seu feedback em sites de marcas de montagem de câmara fria preço, por exemplo.

Eles também podem enviar esses comentários por meio das redes sociais e dos comentários na publicação da sua marca. 

Portanto, são aqueles que realmente irão acrescentar algo na sua empresa e ajudá-los a ver o que precisa ser mantido e o que precisa ser mudado na marca. 

Os feedbacks são extremamente importantes para a construção de um negócio que atinja os desejos de seu público-alvo e ele só consegue aparecer com um relacionamento saudável e humano entre a marca e o cliente. 

3 dicas para humanizar o seu negócio 

Por fim, selecionamos algumas dicas para você colocar todo este conceito em prática e humanizar a sua marca Confira: 

Fale com seus fregueses diariamente 

Um relacionamento não é construído do dia para a noite, é necessário esforço, atenção e comunicação de ambos os lados e diariamente. 

Portanto, isso não muda quando falamos da construção de um relacionamento entre a marca e seus clientes. 

Por meio das redes sociais é possível se comunicar todos os dias com seus seguidores através de ferramentas de comunicação fornecidas nas redes sociais, como:

  • Stories;
  • Enquetes;
  • Caixa de perguntas;
  • Live;
  • Publicações no feed

Tudo isso ajuda na construção da humanização da sua marca e do relacionamento saudável entre você e seus clientes. 

Mostre o seu rosto 

Muitos donos de empresas acham que não é necessário dar a sua cara a tapa e aparecer nas redes sociais da marca.

Por isso, criam logos e símbolos para ocuparem o seu lugar, mas isso é impossível. 

Quando um possível cliente busca por um despachante em Londrina e encontra uma marca que possua não apenas uma boa identidade visual, mas também a presença de um rosto na marca, tudo fica ainda mais confiável.

Isso porque as pessoas irão entender que por trás daquele negócio existe uma pessoa assim como ela, e essa identificação, acaba gerando uma proximidade, confiança e segurança ainda maior entre a sua marca e esse possível cliente. 

Compartilhe os bons e maus momentos 

As redes sociais tendem a compartilhar tudo o que é bom, o que reforça a ideia das pessoas acharem que tudo é perfeito, e isso acaba gerando uma grande desilusão quando elas não veem tudo perfeito em suas próprias vidas. 

Por exemplo, se um internauta vê uma CRLV digital BA perfeita e adquire pensando que o seu resultado será igual ao do seu amigo, ele pode se frustrar ao ver que tudo foi muito diferente do que ele pensava. 

Mas, nem sempre o problema está no produto ou serviço, mas sim nas altas expectativas que o cliente cria em cima daquilo e que são reforçados pelo ambiente das redes sociais. 

Quando esses internautas se deparam com pessoas e marcas que não escondem os seus lados negativos e os problemas que aparecem, eles se sentem mais confiantes e caem na realidade que é a vida, nada é perfeito. 

E isso é mais uma forma de construir uma relação duradoura com seus clientes e humanizar a sua marca por meio daquilo que é normal e presente em tudo na vida, os erros, defeitos, desafios e momentos difíceis. 

Considerações finais 

Humanizar a sua marca é uma atitude de coragem, pois você estará disposto a mostrar os lados positivos e negativos de uma empresa e da rotina de um negócio. 

Por mais que isso gere medo e desconforto no início, é algo que irá gerar grandes frutos lá na frente. 

Mais do que números e resultados, é importante criar uma marca que se preocupa em ouvir e se comunicar com aqueles que sempre irão ser o motivo da existência e sucesso do seu negócio, os seres humanos. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Marketing team.

6 dicas para trabalhar com marketing de conteúdo

O tempo passa e o marketing de conteúdo se mantém como uma opção de destaque para atrair novos clientes.

Não é de hoje que a produção de conteúdo proporciona campanhas de sucesso para as empresas.

Contudo, a popularização do marketing digital trouxe novas possibilidades, visto que agora, uma marca pode usar vários formatos para transmitir mensagens para todo o mundo.

Desse modo, esse tipo de estratégia ganha novos contornos, portanto, vamos apresentar o conceito de marketing de conteúdo, a importância de fazer uso dele e 6 dicas para aplicá-lo da melhor maneira, confira.

Apresentando o marketing de conteúdo

Como denuncia o nome, essa vertente do marketing se baseia na produção de conteúdos relevantes como forma de agregar valor à marca.

Hoje, mais do que nunca, as empresas que se esforçam para influenciar o dia a dia das pessoas são aquelas que mais têm sucesso.

Para isso, não basta investir em anúncios atrativos, é necessário demonstrar na prática como a empresa pode mudar a vida de quem entra em contato com ela.

O marketing de conteúdo serve especificamente para isso.

Vamos usar lojas de películas automotivas como exemplo, para conquistar o maior número possível de clientes, não basta só fazer propagandas deste produto.

É importante alimentar sites, blogs ou redes sociais com informações complementares às películas automotivas. 

O objetivo deve ser informar o público sobre o que está sendo oferecido.

Quanto mais informações as pessoas obtiverem por meio das suas plataformas, mais preparadas elas estarão para fechar negócio com você.

Sendo assim, o marketing de conteúdo é uma maneira de atender às necessidades do público-alvo ao mesmo tempo em que se valoriza o produto anunciado.

Entenda a importância do marketing de conteúdo

Portanto, agora você conhece o conceito que estamos abordando. O próximo passo é saber em detalhes quais os benefícios de aplicá-lo em uma empresa de projeto usinas solares, por exemplo.

Mais visibilidade na web

O Google privilegia os sites e blogs que produzem conteúdo original. Os métodos de rastreio dos motores de busca identificam páginas desse tipo como mais relevantes.

Dessa forma, investir em marketing de conteúdo significa trabalhar para ter mais visibilidade no ambiente virtual.

Portanto, seguir as estratégias de SEO é vital para concretizar essa possibilidade. 

Interação com o público

Usar as plataformas de comunicação virtuais é primordial se uma empresa fabricante de divisórias sanitárias para banheiros coletivos quer interagir com seus clientes.

Isso inclui:

  • Responder comentários;
  • Acompanhar as reações;
  • Prestar assistência técnica;
  • Tirar dúvidas.

Uma resposta atenciosa ou um compartilhamento podem inclusive se transformar em publicidade espontânea para a marca.

Além disso, o conjunto de ações que um post desperta (engajamento) define a relevância de um perfil nas redes sociais.

Nutrição de leads

Os leads são as pessoas que demonstraram interesse em um produto ou serviço, mas ainda não o adquiriram ou contrataram.

Para transformá-los em clientes efetivos, você precisa nutri-los com as informações necessárias.

Por exemplo, se uma mulher que está construindo uma nova casa pesquisou sobre borda de piscina antiderrapante e chegou ao seu site, é essencial que ela seja exposta a conteúdos que a convençam a fazer a compra.

Esse direcionamento de conteúdo deve ser baseado no chamado funil de vendas, que consiste nas etapas que cada lead percorre até completar uma compra.

Cada perfil tem características próprias, portanto, acompanhe-os para definir quais são os conteúdos mais adequados para eles.

Diminuição do CAC

O CAC é o custo de aquisição de clientes. Essa métrica indica quanto uma empresa gasta para conquistar um novo cliente.

Existem várias formas de fazer isso, mas só o marketing de conteúdo incentiva o tráfego orgânico e a fidelização com um custo-benefício baixo.

Afinal, se você produzir material de qualidade sobre restauração de fachadas preço e souber divulgá-lo nas redes, com o tempo o público vai acessar seu site sem precisar de intermediários como anúncios.

Boa reputação

O marketing de conteúdo é essencial para construir uma boa reputação na internet. 

As empresas que investem nisso têm mais chances de se tornarem referência no ramo de atuação.

Basta pensar que a consultoria de direcionamento de carreira que se dedica a entregar posts relevantes para os seguidores se faz mais presente na vida deles.

As pessoas valorizam marcas que assumem uma postura mais próxima, quando houver necessidade, elas consideram primeiro esse tipo de empresa.

Foco no pós-venda

As ações que a marca assume no pós-venda são partes fundamentais do processo de fidelização de clientes.

Um marketing de conteúdo consistente é um grande auxílio nesta etapa.

Portanto, invista em atendimento online, FAQ e e-mail marketing a fim de incentivar os clientes a continuarem com você. Esse tratamento diferenciado causa uma ótima impressão.

6 dicas para aplicar o marketing de conteúdo

Tendo ciência dos benefícios que essa prática pode proporcionar para a sua atuação profissional, o interesse aumenta.

A seguir, separamos 6 dicas para ter uma atuação impactante no mercado usando essa estratégia, acompanhe.

1- Crie um blog

É essencial que você tenha uma plataforma acessível para publicar o conteúdo produzido. Nesse aspecto, o mais indicado é criar um blog.

Na época das mídias sociais os blogs podem parecer ultrapassados, mas, na verdade, eles são muito úteis para que você tenha o controle do seu marketing de conteúdo.

Depender apenas das redes sociais para repercutir os materiais sobre transferência de veículo valor, por exemplo, pode ser arriscado.

Além disso, em um blog há a possibilidade de pensar todo o layout e o design das páginas para proporcionar uma excelente experiência aos visitantes.

2- Use as técnicas de SEO

As técnicas de SEO já foram citadas no texto anteriormente. Elas consistem em medidas para obter um bom posicionamento nos motores de busca.

Algumas dessas técnicas são:

  • Uso de palavras-chaves;
  • Uso de imagens, listas e vídeos;
  • Produção de conteúdo 100% original;
  • Fácil legibilidade.

Não se esqueça de também valorizar a experiência do usuário. Isso significa não encher o texto de palavras-chaves e vídeos visando apenas o posicionamento.

3- Invista em conteúdos ricos

Os conteúdos ricos são materiais voltados para educar o lead sobre aspectos do produto ou serviço oferecidos.

A principal função deles, além da função didática, é incentivar que os leads forneçam informações pessoais em troca de e-books sobre seguro de moto valor em Curitiba, para citar um exemplo concreto.

Normalmente esses conteúdos são oferecidos por meio de landing pages, páginas independentes do seu site que tem como finalidade conseguir mais conversões.

Os dados que a empresa consegue captar a partir dessa estratégia podem ser usados para segmentar campanhas de anúncios e aprimorar o atendimento ao cliente como um todo.

4- Pense nas redes sociais como aliadas

É preciso pensar nas redes sociais além do senso comum. Elas não são apenas grandes plataformas de entretenimento, muito pelo contrário.

Uma marca que investe em redes sociais está investindo em uma comunicação mais direta e efetiva com a sua base de clientes.

Não é à toa que plataformas como o Twitter e o Instagram são os principais canais de consumo de conteúdo hoje em dia.

Pesquise as principais funcionalidades de cada rede e estude quais são mais interessantes para você, de acordo com os hábitos dos seus clientes.

Elas são ferramentas fundamentais para construir uma imagem positiva na web.

5- Acompanhe os resultados

As principais ferramentas de marketing de conteúdo possibilitam que os usuários acompanhem de perto os resultados obtidos.

No Facebook, são os números de curtidas, compartilhamentos e comentários. No Instagram, o número de visualizações nos stories e cliques nos links.

Esses são apenas alguns exemplos de como você pode mensurar os resultados das suas campanhas.

É importante destacar que nem sempre um grande número de visualizações se traduz em conversões.

Portanto, o melhor a se fazer é analisar o impacto dos seus posts e trabalhar para que cada vez mais pessoas se tornem clientes a partir deles.

6- Faça e-mail marketing

O e-mail é um método de comunicação já consagrado na internet. Você pode pensar que as redes sociais o tornaram obsoleto, mas isso não é verdade.

O ponto é que, hoje em dia, o e-mail vai além do envio de mensagens.

É possível separar o público por áreas de interesse, segmentar mensagens para um tipo de cliente, enviar e-mails promocionais e investir em newsletters, cartas digitais que contêm as principais novidades da empresa.

Só tome o cuidado de não enviar e-mails com frequência excessiva e segmentar o público corretamente.

Esse texto traz todas as informações básicas sobre o marketing de conteúdo, desde a definição até as formas de aplicação.

Portanto, você sabe em detalhes a importância da produção de conteúdo para a divulgação dos produtos ou serviços de uma empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

títulos

5 dicas para criar títulos para o seu conteúdo

Não é segredo para ninguém que algumas pessoas leem apenas os títulos de matérias jornalísticas e manchetes de jornal. No marketing digital, esse problema ressurge na importância dos títulos para conteúdos de blogs, vlogs e afins.

Na verdade, de nada adianta ter os melhores produtos do mundo, sejam infoprodutos (e-books, apostilas, videoaulas, etc) ou produtos convencionais como roupas, calçados e joias, se o título não for eficiente em atrair a atenção dos clientes em potencial.

Lembrando que a internet trouxe uma democratização incrível dos veículos de divulgação, permitindo que qualquer empresa marque presença nela e promova seu trabalho. Mas o que é bom, por outro lado, cria uma concorrência enorme.

Então, se seus concorrentes utilizam gatilhos e toda uma estratégia de criação de títulos, não é possível você ficar para trás e ainda assim querer resultados melhores, não é mesmo? Daí que decidimos escrever este artigo, sobre como fazer títulos matadores.

Além disso, alguns vícios de formatos antigos de marketing precisam ficar para trás. Por exemplo, o erro de tentar falar a todos os públicos, sem segmentação ou personalização da mensagem, como será aprofundado adiante.

Se a televisão e o rádio tinham o desafio de pulverizar sua mensagem, fazendo o famoso “atirar para todo lado”, no marketing digital isso jamais funcionará, uma vez que tudo precisa levar em conta os perfis da sua persona, com base no público-alvo.

Outro extremo que costuma cair em erro e gerar títulos ruins, é o tamanho da frase. Segmentar não quer dizer colocar quase todas as informações no título, pois isso pode deixá-lo muito grande e bastante desinteressante.

Aliás, existem plataformas que priorizam títulos curtos, como algumas redes sociais e, sobretudo, os motores de busca, que chegam a sugerir limites (como o de não passar de 65 caracteres, por razões de otimização da página).

Na mesma linha, um erro comum é exagerar na dose de humor, metáforas ou até mesmo sensacionalismo. Até porque, é preciso estudar cada segmento a sério e primeiro compreender a linguagem apropriada para seu público.

Além do mais, um título sempre vai precisar entregar o que promete, portanto, não adianta exagerar na promessa apenas para atrair público, e depois frustrar a maioria das pessoas. Esse tipo de ação acaba se tornando um desserviço para o site e a marca.

Então, agora que já vimos o que não é um bom título, que tal irmos no sentido contrário? 

Se você quer entender como criar títulos que engajam de verdade, atraindo o seu público de maneira criativa e assertiva, é só seguir adiante na leitura.

1. AIDA: a estratégia principal

Do que foi dito acima, já deu para compreender que a criação de títulos é quase que uma ciência, ou mesmo uma arte. Por isso mesmo, já existe até uma técnica utilizada pela maioria dos especialistas da área, que é o método AIDA.

Na prática, essa estratégia contém todos os elementos que qualquer segmento pode precisar, seja uma oficina de troca de óleo carro ou uma indústria petrolífera. O próprio significado das quatro letras já demonstra isso:

  • A de ATTENTION (Atração);
  • I de INTEREST (Interesse);
  • D de DESIRE (Desejo);
  • A de ACTION (Ação).

Isso já mostra como a falta de planejamento ou estratégia pode trazer limitações. A maioria de nós pensaria, em um primeiro momento, apenas em gerar atração, não é mesmo? No máximo, interesse e desejo, já a parte da ação provavelmente escaparia.

Inclusive, a própria distinção entre interesse e desejo poderia ficar nebulosa. Então, vamos por partes: primeiro, a atração, que nada mais é do que utilizar ao menos uma palavra central a respeito do que será entregue, e que seja atraente para o leitor.

O interesse pode ser despertado pelo uso de palavras que indiquem qual o benefício ou as vantagens que o leitor terá em acessar aquele conteúdo. Ao passo que o desejo pode surgir no senso de urgência, o que faz a pessoa querer consumir aquilo rápido.

O timing é um elemento fundamental na internet, pois, como vimos, a concorrência e disputa por atenção é muito grande. Aí é que entra o papel da ação, como um título que diga “Aprenda tudo sobre aula de direção baliza”.

Geralmente, a ação vai ser incluída por meio de um verbo, como o “aprenda” do exemplo acima. Outro ainda mais prático seria algo na linha do título que utilizamos neste artigo, que também poderia ser: “5 dicas para criar sites que superam a concorrência”.

Neste caso, a palavra “site” é o elemento de atração, a ação permanece no verbo “criar”, ao passo que o interesse e o desejo (aliado à urgência) surgem no termo “superam a concorrência”, que é algo que todo empresário quer.

2. Por que customizar ao máximo?

Acima falamos sobre segmentação e perfis da persona. É preciso aprofundar isso, afinal, a tentação de “falar para todo mundo” é muito grande. A gente sempre pensa que com isso as chances de atingir alguém aumentam.

Mas não é bem assim. Na verdade, diminuímos as chances, pois é impossível um produto impactar todo mundo. Ele sempre vai ter alguma restrição de gênero, de valor ou simplesmente de interesse.

Pense em um exemplo clássico, se um título diz “Você aí que é advogado, quer resolver X problemas?”, talvez 90% das pessoas que lerem não são advogadas realmente. Porém, quando um advogado ler, vai parecer que foi feito especialmente para ele, concorda?

O mesmo vale para limpeza de bancos automotivos e qualquer outro segmento do mercado. A ideia é customizar ao máximo o título e o conteúdo. Acredite, isso gera um gatilho que torna o material muito mais assertivo e converte muito mais.

3. O poder da simplicidade

É claro que um técnico conhece todos os jargões ou termos específicos do seu segmento. Contudo, embora o foco seja customizar, é sempre bom lembrar que um título não precisa ter palavras difíceis por causa disso.

Então, a não ser que uma palavra-chave técnica seja o grande segredo que você tem certeza que vai atrair a atenção do seu público, prefira sempre o simples, como diz a regra de que “menos é mais”.

Por exemplo: faria mais sentido dizer “Somos a melhor oficina funilaria e pintura do bairro”, ou “Somos a oficina de melhor performance…?”. Perceba que a segunda opção ficou truncada e nichada demais.

Na regra do método AIDA, lembre-se do último elemento, o da “ação”. Foque no verbo como o grande motivador do título, e isso vai evitar o uso de termos secundários. Como no caso de “somos” a melhor do bairro. No fundo, isso é o que importa, concorda?

4. Palavras boas e palavras ruins

É sempre bom lembrar que as palavras ruins precisam ser evitadas, assim como um vendedor costuma evitar elementos negativos, correto? Não exatamente, pois o marketing digital tem suas regras próprias.

É claro que você não fala mal do seu produto, porém, uma palavra ou expressão negativa pode ressaltar a sua solução. Um exemplo clássico seria “Pare de perder dinheiro…”, ou ainda “Não corra riscos: renove sua cnh tipo b”.

É claro que perder dinheiro é algo ruim, e correr o risco de ser parado por um policial rodoviário com a carteira vencida, também. Mas se você aplica esse gatilho psicológico, no fundo, o termo caiu como uma isca, concorda?

Na verdade, todo produto pode ser explorado pela negatividade que sua ausência causa, como um cronograma capilar para crescimento, ou produtos alimentícios, ou mesmo de saúde. 

Também assim, os adjetivos podem ter o mesmo efeito, porém com o sinal invertido. No caso deles, você explora a positividade das palavras, como ao usar os termos “oportunidade”, “incrível”, “excelente”, “única” e tantas outras.

5. Nunca se esqueça do SEO

Não é possível falar em marketing digital sem mencionar o SEO (Search Engine Optimization), que nada mais é do que a Otimização de Páginas para Motores de Busca, como o Google, o Bing e o Yahoo.

Atualmente, quando uma pessoa pesquisa algo como “projeto data center”, ela só encontra nas primeiras páginas os sites que fizeram otimização e seguiram os algoritmos. Portanto, seu título precisa levar em conta esses parâmetros.

Afinal, você não vai querer ficar de fora dos grandes buscadores, não é mesmo? Saiba que hoje essas plataformas já são capazes de identificar até mesmo se uma palavra-chave, que consta no título, realmente está presente no corpo do texto.

Então, se for explorar um título com a palavra-chave “escapamento de carro”, certifique-se de que ela está presente no primeiro parágrafo, e que aparece algumas vezes em subtítulos e até no nome das imagens da página.

Tudo isso vai facilitar na otimização e permitir que suas páginas consigam atingir um bom ranqueamento nessas que se tornaram as maiores vitrines da atualidade.

Com isso, vemos que a aplicação de um título estratégico pode fazer toda diferença na hora de criar e promover um conteúdo, especialmente quando as dicas dadas acima são levadas em conta.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

20blog-20

15 dicas de marketing pessoal

Atualmente, com a competitividade cada vez mais acirrada no mercado de trabalho e no mundo corporativo, ter um diploma e uma boa atuação profissional já não são mais garantia de conseguir (e manter) aquela vaga dos sonhos.

É preciso, antes de mais nada, mostrar ao mundo suas qualidades e potencialidades. Tudo isso sem, contudo, parecer egocêntrico, arrogante ou prepotente. Parece difícil? Pois saiba que não é tão complicado assim!

Estamos falando aqui da construção de um bom marketing pessoal. Quer aprender o que é isso e ainda ficar por dentro de ótimas dicas para transformar teoria em prática? Então acompanhe o nosso post de hoje!

O que é marketing pessoal?

Quem nunca ouviu aquele velho ditado que diz que “quem não é visto não é lembrado”? Pois é exatamente essa uma das principais bases do marketing pessoal! Afinal, de que adianta ser um excelente profissional, dotado de capacidades e qualidades extremamente valorizadas pelo mundo corporativo, se absolutamente ninguém sabe disso?

Para que seja efetivamente reconhecido perante chefes, gestores e demais colaboradores em sua área de atuação, você não pode passar despercebido. Assim, quando bem aplicadas, as estratégias de marketing pessoal podem fazer milagres por você nesse quesito.

O marketing pessoal é a melhor maneira de promover imagem, conteúdo e trabalho, de maneira a se destacar não só na empresa em que atua como no mercado de trabalho em geral. No entanto, atenção: marketing pessoal não é, de maneira nenhuma, sinônimo de culto ao ego ou simples vaidade pessoal, ok?

Na verdade, é apenas uma maneira de destacar positivamente suas habilidades, entregando valor às pessoas e fazendo com que elas tenham uma excelente impressão a seu respeito.

Está bastante enganado quem pensa que saber fazer um bom marketing pessoal é uma qualidade que já nasce com determinadas pessoas. Muito pelo contrário! Essa habilidade pode ser aprendida, desenvolvida e aprimorada. Para isso, basta querer.

E então? Quer descobrir 15 dicas de marketing pessoal extremamente úteis e fáceis de colocar em prática? Então pule para o próximo tópico!

Como colocar o marketing pessoal em prática?

1. Aja com naturalidade

A primeira e mais valiosa dica é ser você mesmo e agir naturalmente, independentemente da situação. Tente não criar um personagem profissional que nada tenha a ver com você. Assim, se você é uma pessoa alegre e extrovertida, está tudo bem ser assim também no escritório.

No entanto, aqui vale fazer uma ressalva: isso não significa adotar gírias ao travar conversas formais, tampouco gargalhar aos brados dentro do ambiente de trabalho por ser essa a maneira como você interage com sua família e seus amigos, por exemplo.

Por mais que tudo flua melhor agindo naturalmente, lembre-se de que tudo tem um limite e que cada ambiente exige uma determinada postura.

2. Seja pontual

Se você quer fazer um bom marketing pessoal, nada de seguir o (mau) exemplo de profissionais que estão quase sempre atrasados ou em cima da hora para compromissos e prazos de entrega.

Você sabia, aliás, que há empresas que desclassificam candidatos antes mesmo de entrevistá-los, justamente porque eles chegaram atrasados ao local da entrevista?

Então aprenda desde já a gerenciar melhor o seu tempo e, de preferência, acostume-se a chegar sempre com 15 minutos de antecedência a todo e qualquer compromisso. Esse cuidado automaticamente passa uma imagem de pessoa comprometida e interessada.

3. Tenha um aperto de mão firme

Esse é um detalhe que faz toda a diferença. Nós, brasileiros, já estamos acostumados a nos aproximar com abraços e beijos no rosto. Mesmo assim, em uma situação profissional, esse cumprimento não é muito indicado.

Em vez disso, prefira apertar a mão das pessoas com firmeza. Essa atitude demonstra, ao mesmo tempo, seriedade e autoconfiança.

4. Olhe nos olhos das pessoas

Olhar nos olhos é uma forma de demonstrar, de maneira não-verbal, transparência e sinceridade. Por isso, é importante que você mantenha contato visual mesmo quando estiver falando de um assunto difícil.

Além disso, também é uma comprovação física de que você está interessado no que a outra pessoa tem a dizer. Então, quando estiver conversando, evite olhar para as mãos, para o chão ou para o que está ao redor.

5. Fique atento à sua postura corporal

Isso não é mito: a postura corporal transmite mensagens sobre você a todos que o rodeiam. Uma pessoa que se senta de maneira torta na cadeira, por exemplo, não impõe muito respeito. Alguém que está sempre curvado ou de braços cruzados parece isolado, sem vontade de se enturmar. Mãos nos bolsos são um sinal de falta de interesse ou tédio.

Em vez disso, procure manter a coluna ereta, olhar sempre para a frente e deixar os braços soltos ao lado do corpo. Essencialmente, sua postura deve transmitir uma imagem de atenção, interesse, autocontrole e abertura.

Existe uma forma simples de saber se está funcionando: observe se as pessoas tentam se aproximar espontaneamente de você, pois uma boa postura corporal atrai as pessoas à sua volta.

6. Adapte a vestimenta

Não há como negar: uma pessoa adequadamente vestida passa muita confiança e uma ótima imagem pessoal. Então, leve isso em consideração sempre que for escolher o vestuário para ocasiões profissionais.

A dica aqui é vestir-se de acordo com o cargo que almeja alcançar. Se quer ser gerente um dia, por exemplo, observe como quem ocupa esse cargo na sua empresa se veste e tente se aproximar do estilo, mas sem abrir mão do seu toque próprio — afinal, são as particularidades que o distinguem dos demais.

Além das roupas, essa dica também é válida para o corte de cabelo, para os acessórios e para a maquiagem das mulheres. Todo o seu visual é um cartão de visitas.

7. Tenha iniciativa

Investir em marketing pessoal significa, dentre outras coisas, destacar-se na multidão. Nada melhor nesse quesito do que demonstrar iniciativa. Assim, não espere que os outros digam o que deve ser feito. Tome a frente e vá atrás, preferencialmente buscando soluções para problemas que sequer ocorreram.

Proponha alternativas que facilitem o trabalho e exponha suas ideias para se mostrar uma pessoa indispensável. Demonstre que você tem um lado inovador. Se a sua ideia não for bem recebida logo no começo, tudo bem.

Entenda que, pelo simples fato de participar, você já está deixando uma marca e colaborando com o grupo. É uma situação bem melhor do que ser aquela pessoa que fica no canto, sem participar ou se manifestar. Aos poucos você construirá mais aceitação e conquistará o seu espaço!

8. Procure conhecer-se

Para que você possa entender melhor os outros, é necessário, antes de mais nada, que conheça a si mesmo. Então, pare por um minuto e pense tanto nos seus pontos fortes como nos fracos. Faça uma análise SWOT pessoal.

Saiba exatamente o que você tem de bom a oferecer e efetivamente ofereça. Ao mesmo tempo, aprenda sobre os aspectos que devem ser aprimorados e como administrá-los. No entanto, não entenda esse conselho como uma recomendação para acomodar-se em relação aos seus pontos fracos.

É importante reconhecer suas limitações exatamente para que seja possível tentar superá-las. Em outras palavras, em vez de alimentar pensamentos como “eu não entendo desse assunto, então vou ficar de fora”, busque um estado mental de “se eu não entendo desse assunto, então, vou aprender tudo o que puder”.

9. Saiba ouvir

Um dos maiores problemas do mundo corporativo atual e da sociedade como um todo está na nossa extrema dificuldade em saber escutar o que os outros têm a dizer. Já reparou como, normalmente, só estamos interessados em falar sobre nós mesmos, expondo nossas opiniões e ideias? Essa postura acaba já.

Reverta de vez esse quadro, aprendendo a ouvir! Colegas de trabalho, chefes e estagiários: todos têm algo a ensinar. Além do mais, mostrar-se um bom ouvinte faz com que as pessoas tenham apreço e admiração por você. Então aproveite a chance de aprender enquanto promove seu marketing pessoal!

10. Atualize seus conhecimentos

Na era do conhecimento, toneladas de novas informações, técnicas, teorias e metodologias sobre absolutamente todas as áreas do conhecimento são lançadas no mercado diariamente. Por isso, acomodar-se não é uma solução.

Esteja sempre na vanguarda do conhecimento em sua área de atuação, frequentando congressos, palestras e workshops, lendo publicações recentes ou matriculando-se em um curso de pós-graduação, MBA ou especialização.

Além de aumentar o seu conhecimento, fazendo de você um colaborador essencial à empresa, essas atitudes ampliam significativamente seu networking profissional, fazendo com que seu marketing pessoal ultrapasse as fronteiras do ambiente de trabalho.

11. Acompanhe as notícias

A nossa última dica nem vai exigir muito de você. De fato, acompanhar as notícias é algo que já faz parte da rotina das pessoas. Porém, é ainda mais importante se você deseja melhorar o seu marketing pessoal e causar uma boa impressão.

Afinal, você não vai querer ficar sem resposta quando, em um evento ou uma entrevista, alguém perguntar sua opinião sobre um evento da política, da economia ou do meio ambiente, certo?

Portanto, procure acompanhar as principais notícias diariamente. Você pode ler ou assistir jornais. Caso isso pareça inviável na sua agenda de compromissos, não tem problema. Muitos dos melhores meios de comunicação do mundo também divulgam seus conteúdos online. Ou seja, basta um toque no smartphone para manter-se atualizado com tudo o que acontece por aí.

O que não fazer?

Para encerrar, que tal descobrir algumas atitudes que você deve evitar, em favor de um bom marketing pessoal? Nós preparamos uma pequena lista. Confira!

12. Evite demonstrar arrogância

Existem muitas atitudes que demonstram arrogância. Uma das principais é o foco em si mesmo. Se tudo que você fala começa com “eu” — “eu acho”, “eu faço”, “eu prefiro” —, cuidado.

Você provavelmente está transmitindo uma imagem excessivamente autocentrada, o que não vai ajudá-lo a conquistar nenhuma simpatia (e nenhuma oportunidade profissional). Uma solução simples é transformar essas falas em um interesse genuíno pelo outro. Já falamos sobre a importância de ouvir, certo?

Além disso, você pode também perguntar: “o que você acha daquilo?”, “como você faz isso?”, “você prefere assim ou assado?”. Ao colocar o foco no outro, você melhora a sua imagem e, por tabela, ainda aprende muito.

13. Evite fazer piadas de tudo

Muitas pessoas com dificuldade para interagir socialmente recorrem ao humor para quebrar o gelo. Você ficaria surpreso em saber quantas pessoas “engraçadas” são, na verdade, extremamente tímidas.

O problema é que você corre o risco de fazer piada com algo que não deveria ser alvo de humor e pode até ofender alguém. Mesmo que a intenção não seja essa, impressões ruins são difíceis de reverter. Então, para preservar o seu marketing pessoal, uma boa regra é tentar não usar o seu lado comediante com pessoas que ainda não conhece muito bem.

14. Evite opiniões fortes

Quando você está expondo sua imagem profissional, não é interessante associá-la a opiniões fortes. Você pode perder excelentes oportunidades simplesmente porque se posicionou de uma maneira que vai contra o que a outra pessoa acredita.

Quer saber quais temas devem sair do seu vocabulário? Todos aqueles que possam gerar uma tensão mais forte. Opiniões divergentes são algo natural — entretanto, quando crenças e valores estão envolvidos, qualquer discordância se transforma em uma discussão.

Use o seu bom senso e desvie dessas situações, deixando suas opiniões fortes fora da conversa. Existem momentos e pessoas mais adequados para compartilhá-las.

15. Evite tentar demonstrar toda a sua elegância

Nas dicas positivas, já explicamos sobre a questão da vestimenta e do estilo. Esperamos que você já tenha entendido a importância de se vestir bem. Ao contrário do que os contos de fadas ensinam, o exterior também conta no mundo profissional.

No entanto, cuidado. A linha é muito fina entre o adequado e o exagerado. Por um lado, não é legal ir de bermudas e chinelos a uma entrevista. Por outro, aquele relógio rolex de ouro ou seu sapato de salto fino de 12cm pode também não ser ideal.

A dica é simples: lembre-se de que você está em uma situação de trabalho e não em um desfile — e, muito menos, uma competição — de moda. É claro que não existe uma regra única. Se você está em uma multinacional multimilionária, pode ser que essa vestimenta faça sentido.

O segredo é estar atento para não ultrapassar os limites, nem para mais, nem para menos.

Viu só como não é assim tão complicado? Coloque nossas dicas de marketing pessoal em prática o quanto antes para observar logo uma guinada no seu sucesso profissional! Se quiser outras ideias e recomendações para alavancar sua carreira, assine a nossa newsletter e acompanhe todos os conteúdos da Fundação Dom Cabral!

Fonte: Fund. Dom Cabral