small carton boxes on laptop with blank screen, e-commerce concept

Como mudar de plataforma no e-commerce sem sofrer prejuízo?

O e-commerce é uma modalidade de negócio que tem atraído cada vez mais empreendedores e consumidores.

Por meio dele, você pode vender qualquer tipo de produto e até serviços, para qualquer lugar do mundo, 24 horas por dia, nos 365 dias do ano.

Além disso, não precisa arcar com os custos altos de um negócio físico, como aluguel, conta de água e luz, pagamento de funcionários, dentre outros.

Para os clientes, é a oportunidade de comprar soluções de qualidade para o dia a dia, por um valor mais acessível e receber tudo no conforto do lar.

Para estruturar esse modelo de negócio, a empresa precisa de uma boa plataforma. 

É importante pensar nela com cuidado porque é o que vai definir a experiência do cliente, a qualidade da jornada de compra e a imagem da sua marca.

Quando a plataforma escolhida já não é suficiente, é necessário trocá-la, mas muitas pessoas têm medo de que isso possa trazer muitos prejuízos.

Esse pensamento faz sentido, e para te ajudar, vamos explicar a importância do layout e estabilidade da plataforma, como alterá-la e quais os impactos de um site mais seguro.

Importância do layout e da estabilidade da plataforma

O layout de uma plataforma e-commerce tem duas funções, a primeira é que ele dá uma aparência para o site, algo muito importante para a identidade visual da marca. 

Ele representa a empresa e suas características não podem ser perdidas.

Isso é ainda mais importante para as organizações que já são mais conhecidas e que o público já se adaptou à sua identidade. 

Nesse caso, ela deve estar muito presente no layout.

A outra função, é que o layout de uma grafica online atual card, por exemplo, precisa dialogar com o usuário, ser confiável e guiá-lo durante todo o processo de compra, desde o momento em que ele visualiza o produto até o pagamento.

Em outras palavras, o layout da sua plataforma e-commerce exerce a função de vitrine e vendedor, causa um impacto positivo, garante uma boa experiência ao usuário e mostra que a sua loja é a melhor opção.

Outro fator de peso para a plataforma do seu e-commerce é sua estabilidade. Em alguns períodos do ano, o tráfego é mais intenso, tais como:

  • Natal;
  • Black Friday;
  • Dia das mães;
  • Dia dos pais.

Essas datas são perfeitas para aumentar as vendas de qualquer setor, mas seu negócio online precisa estar preparado para isso.

Não estamos falando apenas em renovar o estoque, preparar promoções, caprichar nos anúncios e colocar uma equipe pronta para atender os clientes. 

É necessário preparar o site em si para suportar os picos de acesso.

Para se sair bem durante os períodos sazonais, uma gráfica de impressao digital adota soluções de escalabilidade, como as soluções em nuvem, que permitem aumentar ou diminuir o tamanho da banda, de acordo com o período.

Fora dessas datas de grande demanda, seu site volta ao funcionamento normal. 

Sendo assim, é necessário investir em maneiras de garantir o bom funcionamento da plataforma e conquistar mais vendas em períodos de pico.

Mas, se a sua plataforma já não comporta mais as necessidades de seus consumidores, talvez seja o momento de alterá-la. 

Portanto, no próximo tópico, vamos mostrar como fazer isso sem amargar prejuízos.

Dicas para alterar a plataforma e-commerce com segurança

Se seu e-commerce está crescendo, antes de comemorar, é necessário se certificar de que a plataforma dele está pronta para lidar com o aumento de demanda.

Mas, fazer as alterações e ajustes necessários pode trazer alguns problemas. A boa notícia é que podemos evitá-los, por meio de ações, como:

Alterar o layout ou usar um modelo novo

Como falamos, o visual de seu site é fundamental, então, ao fazer a migração de plataforma, aproveite para modernizar o seu design e garantir uma experiência ainda melhor para os visitantes.

Assim você levanta algumas informações para investir em acao de marketing promocional, identifique quais são as características de seu layout atual para saber se vai mudar apenas alguns aspectos ou trocá-lo totalmente.

Confirme se suas páginas são responsivas para que se adaptem a diferentes tamanhos de telas, visto que muitas pessoas acessam a internet por meio dos dispositivos móveis.

Veja se não é o momento de renovar alguns conceitos e melhorar o posicionamento da sua marca por meio de layout

Além disso, veja se seu e-commerce se destaca em algum nicho de mercado.

Analisar os fornecedores

É possível que você tenha pesquisado algumas opções para fazer a migração, mas não desconsidere as empresas especialistas nesse processo de migração.

Veja o que cada uma delas pode oferecer, no que diz respeito ao suporte, pois os problemas podem surgir do nada, e é necessário resolvê-los o quanto antes.

Se você tem uma empresa de reparo do Iphone, veja se a empresa oferece um bom template, e se as opções se encaixam àquilo que você procura.

Considere os formatos de entrega que você oferece, para analisar a possibilidade de instalar um chatbot e outras integrações.

Migrar funcionalidades customizadas

É necessário documentar e levar todas as funcionalidades desenvolvidas para a sua loja virtual. 

Considere nessa lista os diferenciais oferecidos por ela, como agendamento de entrega, por exemplo.

Isso quer dizer que qualquer função que seu e-commerce ofereça para o cliente na plataforma atual, deve estar disponível na próxima plataforma que você for usar.

Não se esqueça dos dados

Além das funcionalidades que mencionamos no tópico anterior, uma assistencia tecnica de informatica computador pela internet precisa considerar outros dois pontos fundamentais que devem ser levados para a nova plataforma.

Um deles é o conteúdo, ou seja, os produtos, juntamente com a descrição, fotos e vídeos, além das informações que você já tem sobre os seus clientes.

Trata-se de um processo mais complexo, sendo assim, faça uso de recursos como tabelas do Excel para não se esquecer de nenhum dado que precisa ser transferido.

Fazer um mapeamento da situação

É necessário ter um mapa completo de seu site para migrar de plataforma. 

Se você não puder contar com a ajuda de um profissional de TI, precisa saber onde exatamente se encontra sua loja online.

Um fabricante de camisa gola polo personalizada deve salvar todos os dados e mídias disponíveis. 

Isso porque, como falamos no tópico anterior, as fotos e vídeos devem estar presentes no novo site.

Ademais, é necessário solicitar e salvar o código fonte do seu site, assim como saber como anda a sua estratégia atualmente.

Existem algumas ferramentas que podem ajudar, mostrando a pontuação do seu domínio, ranqueamento de palavras-chave, dentre outras possibilidades.

Portanto, agora que já sabe como migrar a plataforma do seu e-commerce, no próximo tópico, vamos mostrar os impactos positivos de uma opção mais segura.

Impactos de uma plataforma mais segura

A segurança deve ser a prioridade de qualquer plataforma e-commerce, seja ela uma loja de roupa que vende camisa com logo bordado ou um supermercado.

Uma plataforma segura traz inúmeros impactos positivos para os negócios e para os clientes. 

Um deles é a redução de custos, uma vez que cuidar da proteção do seu site evita descontrole nos gastos futuramente.

Se a sua loja virtual está sempre protegida, evita dores de cabeça e transtornos que podem colocar em risco a recuperação das operações. 

Em outras palavras, seu negócio vai se manter mais eficiente e otimizar a gestão.

Se, porventura, houver algum problema mais grave, como vazamento de dados pessoais de clientes, você vai ter que lidar com implicações legais que podem desestruturar todo o negócio.

O melhor é investir em práticas que protejam a sua plataforma e evitar esse tipo de desgaste. 

Além do mais, a proteção de sua plataforma é requisito básico para garantir uma boa experiência aos clientes.

Portanto, quando uma loja virtual de conjunto de semijoias cuida desse assunto, atende às expectativas de seu público-alvo e se adapta a tudo aquilo que o consumidor moderno deseja.

Se a empresa não investe nessas práticas, vai vivenciar frequentemente situações como abandono de carrinho e desistências de compra.

Conclusão

As lojas virtuais estão em alta e cada vez mais pessoas preferem comprar com elas. 

Se você tem um comércio eletrônico e precisa mudar a plataforma dele, viu que é possível fazer isso sem amargar prejuízos.

São cuidados que garantem a integridade do seu negócio virtual, de modo a torná-lo cada vez melhor e mais seguro para os clientes.

Mudar a plataforma é sinal de crescimento, e neste artigo, você aprendeu quais são as melhores formas de fazer isso. Com certeza, seu e-commerce vai ficar ainda melhor e mais completo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Small business owners, startup and e-commerce concept. Smiling asian woman get lots of orders

Qual é o impacto que uma boa embalagem pode gerar ao seu e-commerce?

A primeira embalagem foi confeccionada para servir como propósito de proteção. No momento em que os humanos começaram a armazenar e transportar alimentos e outros itens de subsistência, protegê-los de intempéries, colisões e animais, tornou-se prioridade. 

 

Esta é uma função cumprida pelas embalagens até os dias atuais, elevada à décima potência com o advento do e-commerce e das transferências remotas de bens. A distância entre produtor e consumidor força o produto a percorrer longos e árduos trajetos. 

 

As longas viagens estão presentes no roteiro da civilização em seus primeiros relatos, nas sociedades altamente organizadas do Crescente Fértil. Restritas, porém, ao nível de distribuição, ainda não havia o conceito de embalagem como propaganda. 

 

Este cenário se estendeu por grande parte da história das embalagens, formadas por tecido, madeira, palha, papel e ferro, envolvendo imensos volumes de mercadorias em navios, barcas, trens e o tronco de animais de grande porte.

 

Conforme desenvolveram-se os meios de transporte, transformando a movimentação de cargas em uma tarefa mais rápida e menos arriscada, os humanos puderam enxergar o material que as envolvia de outra maneira. 

 

Neste contexto, situado no epicentro da terceira fase da Revolução Industrial, nasce a ideia de embalagem como material publicitário, junto ao surgimento da teoria moderna do marketing e a apresentação das marcas ao mercado consumidor. 

 

A inclusão de anexos que tornaram a embalagem um artigo de luxo, em impressao 3d brindes da logomarca acrescentaram apelo ao produto, destacando-o do mar de novas alternativas e substituições.  

 

O objetivo de uma embalagem, que consiste em aumentar ou preservar a vida útil do produto, aplicou-se ao mundo das ideias quando os itens vendidos ganharam status de identidade e símbolo. Afinal, uma embalagem atraente indica os benefícios da aquisição. 

 

A transformação das embalagens acompanhou a mudança de paradigma no que diz respeito ao comportamento da empresa diante de seu mercado. O volume de opções para a aquisição de qualquer bem cresceu exponencialmente, multiplicando a concorrência. 

 

A partir da formação e aplicação das personas comerciais, a embalagem passa a cumprir o papel de transmitir os valores e sofisticação da marca ao cliente. 

 

Todas as etapas de sua confecção, cores e material utilizado, além de formatos e lacres, são cuidadosamente planejados. 

 

A oferta de serviços como entrega de encomendas com motoboy eleva os serviços de distribuição ao patamar de fase final, em que o cliente recebe o produto ainda envolto em caixas ou pacotes, ao invés de exibido em uma prateleira. 

A embalagem como produto

As embalagens devem ser vistas, no mercado atual, como parte do produto oferecido. O consumidor informado, fenômeno próprio da era digital, estende suas demandas por qualidade até a logística de transporte do produto que comprou. 

 

Cada embalagem é pensada de acordo com seu item correspondente, o destino final, o veículo de transporte utilizado e as especificações de peso e tamanho permitidas. O material escolhido, mais resistente e mais barato que o produto. 

 

As embalagens também fornecem informações importantes ao órgão distribuidor. Nela são grifados símbolos que indicam a fragilidade do conteúdo, o tamanho, além das datas de fabricação e validade, cumprindo as finalidades de melhoria na proteção e manuseio.

 

Esses dados exibidos na caixa facilitam o trabalho de colaboradores que manuseiam e transportam as mercadorias em postos intermediários, sem acesso à entrega de documento, com especificações para cada tipo de carga.  

Sobre a segurança que esses itens promovem

A função primordial da embalagem é executada dividindo-a em camadas que podem multiplicar-se a depender do tipo e quantidade do item. As embalagens de primeira camada estão em contato direto com o produto envolvido e servem para imobilização. 

 

Estas primeiras camadas de embalagem não cumprem função estética e são pouco trabalhadas, consistindo em blocos de papel, isopor ou plástico compactados nos espaços entre o produto e a embalagem secundária. 

 

Sua utilidade parte da norma que garante uma pequena distância entre a embalagem que estará em contato com o meio externo e o produto, de forma a proteger ambas as unidades, evitando a violação de um e a danificação de outro. 

 

Nota-se a diferença do material utilizado para cada camada. As embalagens mais próximas ao produto são fabricadas por substâncias mais maleáveis e leves, ideais para absorção de impacto. É o caso das esponjas, folhas de plástico e papel. 

Quanto mais distantes do bem transportado as embalagens estão posicionadas, mais rígidos e resistentes são os materiais utilizados para confecção, como uma embalagem de madeira para exportacao, por exemplo.

selective focus of toy shopping cart with small carton boxes near laptop, e-commerce concept

Naming: Descubra o que é e conheça 12 dicas para criar o nome de uma loja online

A fase de planejamento para iniciar um novo negócio digital envolve diversos detalhes, e um ponto-chave do negócio é o nome. Para isso, uma importante ferramenta é o naming, um método que envolve um conjunto de práticas para guiar uma decisão assertiva.

Essa tarefa estratégica tem grande influência sobre como será a experiência do consumidor com a marca, sendo comumente considerado desde o primeiro instante do contato.

O nome de um negócio pesa sobre a primeira impressão das pessoas, antes de qualquer outra informação.

Portanto, se está no processo de estruturação de um novo negócio, como um e-commerce de adesivo de vinil.

Assim como uma linha de produção para vendas online ou qualquer outro empreendimento, ou mesmo se apenas buscando mais conhecimento estratégico, esse texto é para você.  

Visto que trouxemos 12 dicas de naming, para auxiliar nesse momento tão crucial para o nascimento de uma marca, portanto, continue lendo e confira.

Construindo o nome do seu e-commerce

Seguindo uma metodologia desenvolvida exclusivamente para auxiliar os empreendedores nesse processo crucial, certamente você fará uma escolha que acarretará bons resultados. 

Para começarmos, tenha em mente que estamos falando do ponto central da identidade da sua empresa.

1. Olhe para seu objetivo

Antes de escolher o nome do seu negócio para um lindo cartão de visita pessoal,  o primeiro passo é ter seus objetivos, princípios, valores e propósitos muito claros.

Afinal, um nome deve comunicar a essência do seu negócio, aquilo que quer transmitir com a sua marca.

Aconselhamos fazer exercícios de brainstorm, dinâmicas que reúnem a equipe envolvida com o projeto para uma “tempestade de ideias”, literalmente.

Tome nota de tudo e aproveite essas reuniões, em um primeiro momento, as ideias podem não fazer sentido ou serem desconexas, mas talvez se analisadas de outros ângulos, podem trazer insights geniais.

Esse é um ótimo exercício para todo o desenvolvimento do Plano de Negócio de uma empresa, como uma assistencia tecnica LG smart TV, por um profissional empreendedor.

Sendo assim, atenção para não iniciar um negócio sem essa ferramenta-chave norteadora do projeto. 

Os riscos envolvidos se tornam potencialmente grandes quando não há o planejamento adequado.

2. Seja estratégico e não limite seu negócio

Nesse momento é importante ter um cuidado especial para não se limitar quanto às possíveis expansões futuras.

Seja pela criação de novas linhas de produtos ou mesmo pela ampliação dos serviços para outras localidades.

Fuja de nomes muito específicos e de expressões regionais, assim o seu e-commerce se mantém flexível para as possibilidades.

3. Seja criativo

Nesse momento de planejamento você não deve se limitar, exercite sua criatividade ao máximo, inspire-se e esteja aberto a novas ideias, como as seguintes: 

  • Desenvolva conceitos literais e figurativos;
  • Busque por sinônimos;
  • Considere palavras estrangeiras;
  • Considere palavras compostas;
  • Brinque com o som e com fonemas;
  • Teste prefixos e sufixos;
  • Teste alterações ortográficas;
  • Considere adicionar números;
  • Teste inversões.

Crie alternativas e visualize suas aplicações práticas, já imaginando como seriam as redes sociais do seu novo e-commerce que vende computador completo para gamers, para darmos um exemplo mais prático.

Imagine também as possibilidades de nomes em relação ao logotipo, a identidade visual e os demais detalhes. Quanto mais original e criativo você for, mais tem a ganhar.

4. Faça listas

Anote todas as possibilidades, crie listagens de pontos fortes e fracos, prós e contras, qualidades e diferenciais dos nomes que achar mais interessantes.

Pense nos adjetivos e associações possíveis. Com uma lista ficará bem mais fácil  visualizar os possíveis cenários, pesar as opções e tomar a melhor decisão.

5. Pesquise e use a tecnologia a seu favor

Até mesmo para auxiliar o processo criativo, as pesquisas são essenciais. 

Vários pontos que vamos citar a seguir envolvem uma pesquisa detalhada, o que evita margens para problemas.

Buscar os significados, e fazer uma busca no site do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) com os possíveis nomes para uma gráfica online de digitalizacao 3D, ou para qualquer outra empresa, é essencial.

Além disso, a tecnologia pode ajudar muito, pois existem diversas ferramentas desenvolvidas exclusivamente para o naming, como sites geradores de nomes, por exemplo. Certamente muitas ideias aparecerão.

6. Use palavras-chave para potencializar o SEO

Em negócios digitais, o SEO (Search Engine Optimization), que podemos traduzir como Otimização para Mecanismos de Busca, é uma ferramenta essencial para garantir um posicionamento de destaque para uma empresa.

O uso de palavras-chave é um de seus focos principais. Mas, usá-las no nome não é uma regra, apenas uma dica que pode trazer muitas vantagens em relação às pesquisas em mecanismos como o Google ou Bing. 

Por exemplo, uma loja de camisa gola polo personalizada, posiciona-se organicamente mais fácil, tendo palavras como “polo” ou “moda” em seu nome. Essa dica vale para o slogan também.

7. Analise os concorrentes

Outra pesquisa que deve ser feita é um diagnóstico da concorrência, afinal nomes iguais são altamente prejudiciais para os negócios, e para ambas empresas.

Além de ferir os direitos de propriedade intelectual, portanto, tome cuidado.

Ao mesmo tempo, seus concorrentes podem ser uma exímia fonte de inspiração. Busque cases de sucesso em sua área, e aprenda com eles.

8. Conheça muito bem seu público-alvo

Ainda mais importante do que conhecer sua concorrência, é conhecer detalhadamente seu público-alvo.

Esse é o pilar central de seu Plano de Negócio, e obviamente, fará toda a diferença na escolha do nome de sua empresa.

Escolha um nome que combine com o consumidor, com sua realidade e com suas expectativas a respeito de seus produtos ou serviços.

Seguindo o exemplo anterior, pense em um nome para sua loja de camisa com logo bordado, que projete o valor do negócio, e crie uma conexão entre marca e público.

9. Prefira nomes curtos e simples

Escolher um nome mais simples facilita o engajamento do público. Cuidado com escolhas impronunciáveis e muito longas. 

Um nome curto também deixa o registro do domínio mais simples, além de ajudar na fixação na mente dos consumidores.

Considerar o uso de siglas, pode ser uma boa saída para quem está com dificuldades, pois é uma solução simples e fácil de memorizar, mas tenha muito cuidado quanto a sua originalidade. 

10.  Cuidado com as associações

As possíveis associações devem ser consideradas, uma vez que um risco comum é que o nome escolhido possa não transmitir a ideia que você esperava.

Pesquise sobre o significado dos termos em outros países e culturas, e evite erros de interpretação ou até mesmo conflitos. 

11. Peça a opinião do seu público

O foco do seu negócio deve ser o público, e pedir sua opinião é uma boa forma de fazer a melhor escolha para poder confeccionar um belo cartao de visita advogado, ou mesmo para guiar no design de sua página. 

Sendo assim, lembre-se de usar a tecnologia a seu favor, visto que existem diversas formas de fazer esse contato, como:

  • Formulários do Google;
  • Enquetes no Instagram;
  • Enquetes no Facebook;
  • Contato direto via WhatsApp;
  • Contato via email.

Além de valorizar o conceito de quem realmente importa, nesse processo você já inicia uma conexão e um diálogo com o público, e de uma ótima forma, ao mostrar que quer saber sua opinião.

12. Confira a disponibilidade de domínio

Para um negócio virtual, o domínio é tão importante quanto o próprio nome, afinal uma URL simples, intuitiva e de fácil digitação, garante um maior tráfego em sua página.

Existem ferramentas, como o site no qual você pode pesquisar a disponibilidade do domínio de seu interesse, a partir de uma lista de possibilidades. 

Outra opção para fazer a checagem de disponibilidade é o site de registros de domínios. Caso tenha dificuldades em relação ao domínio, uma dica é testar extensões alternativas ao  “.com.br”.

Considerações finais

Portanto, após essas 12 dicas de naming, uma estratégia desenvolvida por profissionais para auxiliar empreendedores nessa que é uma das decisões mais importantes.

Antes mesmo de uma empresa sair do papel, certamente esse será um processo mais simples.

Escolher um nome para o seu negócio digital é um momento estratégico, e sabemos que após essa leitura você já tem um excelente norte para as melhores escolhas.

Tome essa decisão com calma e tente não se pressionar, afinal, esse costuma ser um momento delicado para qualquer empreendedor.

É normal que fazer essa escolha leve um certo tempo, e é bem melhor que demore mais, mas seja realmente uma opção assertiva e que trará bons resultados, do que optar pela primeira coisa que vier à cabeça.  

Além disso, nesse artigo você também viu que utilizando a tecnologia, você já pode iniciar o relacionamento com seu público, então não perca essa oportunidade. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Business Person With Smartphone

Compra por voz: você conhece essa nova modalidade para o e-commerce?

Uma das mais recentes atualizações dentro do mercado mundial é a possibilidade de assistentes virtuais auxiliarem em inúmeras ações do dia a dia, desde um alarme a ser ajustado até uma ligação. Dentro dessas novidades, também temos as compras por voz.

De forma generalizada, podemos dizer que essa é uma forma de uma inteligência artificial colocar em prática uma atitude que seria própria de um usuário que usa internet.

Neste caso, por meio de um comando de voz, uma pessoa pode pedir pela compra de uma camisa com logo bordado em alguns instantes, direcionando o local de compra, bem como os detalhes dessa aquisição, como os números da roupa que a pessoa utiliza.

O mais interessante é que, hoje em dia, muitas pessoas têm sido adeptas do repasse de tarefas mais simples para os assistentes virtuais, presentes em celulares e utensílios.

Porém, segundo estudiosos, o formato de compras, que ainda é pequeno, está entrando em um crescimento significativo.

Isso por conta não apenas da popularização desses assistente em aparelhos, mas pelo impulsionamento feito pelas empresas de diferentes setores.

Para entender mais sobre isso, bem como detalhes sobre a compra por voz e os impactos positivos que ela pode trazer para sua empresa, acompanhe o texto a seguir.

Compra por voz: o novo comportamento do mercado

Para entendermos melhor sobre o que é a compra por voz, é interessante voltar no tempo e entender mais sobre os comportamentos do consumidor e usuários de tecnologia nos últimos anos, principalmente após a popularização em larga escala dos aparelhos celulares.

Essas tecnologias, que estão cada vez mais em atualização com a ideia principal de ajudar seus usuários, tem apresentando cada vez mais ações de comandos, manual ou via voz.

Sobre este último, tem sido bem comum acompanhar aparelhos, de marcas diferentes, que possuem assistentes virtuais.

Geralmente, nomeadas pela marca, que estão ali para atender o dono daquele aparelho em múltiplos sentidos, exercendo as mais variadas funções.

É interessante pontuar que dentro disso estão sempre dispostas ações que poderiam ser feitas por um usuário, mas que acabam sendo repassadas, por diferentes motivos.

Por exemplo, uma pessoa que deseja comprar um anel folheado a ouro feminino geralmente entra em um site na internet para pesquisar valores e modelos do objetivo.

Com o assistente virtual ela pode, em um momento de tarefas múltiplas, pedir que ele o faça.

Em outro caso, podemos entender que os assistentes virtuais têm sido essenciais para pessoas que precisam de algum tipo de auxílio, por conviverem com deficiências.

Sobre a compra de voz, podemos dizer que é uma função que tem sido cada vez mais popular, principalmente, por pessoas que já sabem o que querem, e desejam que o processo de compra seja o mais prático e rápido possível, inclusive pagamento.

O que acontece é um direcionamento para uma página de compra de camisa com logo bordado onde os dados e todas as informações são facilitadas pelo assistente.

Com tanta utilização, o mercado tem visto uma maior propensão para negócios firmados apenas pela voz.

Fazendo com que grande parte das compras futuras sejam vinculadas a esse formato de consumo, o que pede, além de experiência, entendimento das empresas.

Por exemplo, se uma empresa que trabalha com entrega de encomendas com motoboy possibilitar dentro de seu site ou até mesmo em aplicativos o uso adequado de uma compra feita por um assistente virtual, certamente terá mais vendas e maior fidelização.

Já em um caso contrário, onde não acontece essa atenção por parte da empresa, o então consumidor pode acabar escolhendo outro lugar onde possa de fato fazer um contrato.

De acordo com as previsões de especialistas, esse método de compra só tende a crescer ainda mais, principalmente com o impulsionamento de outras funções que familiarizam uma utilização a mais do assistente virtual ou de mecanismos totalmente tecnológicos.

É o caso de pessoas que não teclam e nem colocam mais senhas nos celulares, fazendo com que o processo de desbloqueio do aparelho ocorra apenas por digital ou face.

Assim, podemos entender que quanto mais o mercado, as empresas e os próprios empresários estiverem preparados para os próximos avanços tecnológicos, que estão mais alinhados a esse viés de assistência, melhores chances eles terão em suas vendas.

Como e-commerces podem se adaptar a essa modalidade

Abaixo, vamos mostrar como empresas de moda, até aquelas que trabalham com conserto de celular podem começar a moldar seus negócios para receberem as futuras atualizações e grandes chances de popularização da venda por meio de assistentes virtuais. Veja:

Otimizações no e-commerce

Se tem algum lugar por onde sua empresa pode começar se preparar para receber clientes adeptos à compra de voz é por meio da otimização, que pode ser feita em:

  • Descrições;
  • Mídias;
  • Programação do site;
  • Títulos de produtos.

Com o Search Engine Optimization (SEO) ferramenta do Google que filtra informações repassadas por empresas para que possam servir de resposta ao que o consumidor procura, é possível levar maior facilidade na hora de encontrar um produto para compra.

Afinal, quando um sistema de comando de voz procura por uma opção, ele leva em consideração as pesquisas do Google e tudo o que a ferramenta entrega a ele, fazendo então uma ponte entre comprador e empresa de grafica de impressao digital.

Além disso, quanto maior proximidade a empresa tiver dentro de suas otimizações de palavras com aquilo que vai ser dito por cum comprador, como frases que colocam as possíveis falas para um assistente, maior compatibilidade ela vai agregar.

Google Shopping Actions

O Google Shopping é uma ferramenta dentro do buscador onde produtos de diferentes empresas ficam dispostos, oferecendo um catálogo variado de opções, de preços, modelos e até mesmo localidades diferentes com maior propriedade ao público comprador.

Estar ali faz parte de um processo de cadastro, que é totalmente vinculado com o trabalho da própria empresa, que faz o cadastro e atualizações constantes sobre este produto.

Muitas vezes os assistentes virtuais dão preferências aos produtos que estão dentro desse shopping.

Visto que já são pontuados pelos buscadores como flyer digital de um produto que está sendo pedido pelo cliente por meio de seu aparelho.

Faça pesquisas sobre o público

É essencial que sua empresa faça um acompanhamento sobre o público comprador, principalmente em questão das constantes mudanças no mercado, algo que pode trazer uma maior compreensão sobre a pessoa certa que deve ser atendida.

O ideal é que haja uma maior identificação com o público que utiliza compra por voz, e que também tem semelhanças com o que a empresa oferece, trazendo uma união.

Dessa forma, uma empresa de impressao 3D brindes consegue ter muito mais conexão não apenas com questões práticas da venda por voz, mas também nas formas como falar sobre o produto, que podem indicar ou não um encontro com mais facilidade.

Os impactos dessa reorganização nas vendas

Começar a pesquisar e atualizar sua empresa para as novas mudanças no mercado de compras poderá, em pouco tempo, trazer grandes frutos para o seu negócio.

Principalmente, em tempos onde muitas pessoas estão de fato preferindo as compras por voz.

O primeiro ponto de alto impacto é o pioneirismo, que pode ser uma grande maneira de aparecer com maior frequência no mercado, mas principalmente de estar à frente.

Outro ponto que vem em conjunto com essa adequação são as vendas em maior escala, visto que em breve muitas pessoas vão preferir fazer estes tipos de compra, muito mais do que informar em uma loja física, o que ainda é bem comum nos dias de hoje.

Com toda essa transformação sua empresa acaba alcançando clientes cada vez mais rápido, e sendo para eles um negócio confiável, onde os problemas podem ser resolvidos.

Tudo isso agrega fidelização, o que é importante para as empresas nos últimos tempos, principalmente quando falamos em um mercado altamente competitivo e cheio de possibilidades de crescimento, o que pode ser importante para sua empresa.

Estar em constante atualização e entendimento sobre as novas formas de compra também agrega uma alta possibilidade de adaptação do seu negócio para os novos tempos, o que deve ser essencial para empresas que querem continuar em evidência.

Considerações finais 

O comando de voz tem possibilidade de compras por meio desses mecanismos, trazendo uma nova forma de venda onde o cliente deixa para um assistente virtual toda a parte burocrática de colocar em prática uma compra, facilitando ainda mais o processo.

Empresas que desejam ter maiores vendas e reconhecimento diante do mercado dentro dessa conformidade devem, mais do que nunca, procurar aprendizados e atualizações.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Man working on laptop computer

Marketing digital: Qual é a experiência de consumo que o seu e-commerce oferece aos clientes?

O marketing digital é composto por uma série de ações e estratégias que tem como o objetivo ajudar um negócio a conquistar cada vez mais clientes para o negócio. 

Essas estratégias abordam ações de fidelização, autoridade, reforço da imagem e até o uso de banner impressao, assim como outras.

Ocorre que dentre todas essas táticas existe uma muito importante que deve ser vista com um grande potencial de mudança de realidade.

Pois, trata-se de mudar a forma de atuação para si e passar a agir pensando quase sempre no consumidor.

Ótima experiência de consumo

Estamos falando da Experiência do Cliente ou Customer Experience que consiste basicamente em priorizar a percepção e interações que o público tem com a empresa. 

Por meio dessa análise é preciso definir métricas a fim de conquistá-los para sempre. 

O mercado está se tornando um universo extremamente competitivo o que faz uma acao de marketing promocional de anos anteriores ser totalmente inadequada para o sistema que é vivência hoje, por isso, existe a necessidade da constante evolução de estratégias.

Antes era comum as empresas oferecerem um produto por serem as únicas a terem no mercado aquela necessidade dentro de seus universos, hoje, praticamente há concorrência para qualquer tipo de setor. 

Isso não significa que não há pessoas para comprar, pelo contrário, existem muitos mais clientes do que antes.

Entretanto, todas essas pessoas estão centralizadas por empresas que entenderam que apenas vender não gera o maior lucro possível. 

Os clientes fazem uma espécie de impressao digital das empresas que estão aderindo as novas compras. 

São avaliados diversos aspectos da empresa e comparada com outras que podem ter tido algum tipo de experiência anterior.

São analisados alguns tópicos como:

  • Qualidade dos produtos;
  • Qualidade do atendimento (virtual ou por telefone);
  • Prazo de entrega;
  • Qualidade da entrega;
  • Autoridade no assunto;
  • Tratamento pessoal;
  • Embalagens únicas;
  • Promoções exclusivas.

Esses são alguns pontos que a Customer Experience tenta trazer para as empresas com o objetivo de conquistar os clientes dando a eles a melhor compra que já fizeram. 

Algumas empresas atuam tão bem no ramo que possuem apenas um flyer digital.                             Isso ocorre porque os próprios consumidores fazem o marketing da empresa. 

Quem nunca discutiu com uma pessoa que é tão fã de uma determinada empresa ou produto que é incapaz de criticá-la seja lá qual forem os erros que ela cometer?

Isso ocorre porque o consumidor está tão identificado com a marca e teve experiências tão positivas que cria um apego sentimental por ela. 

Sempre que possível ele tentará fazer com que seus familiares e amigos compartilhem da mesma experiência que ele. 

Eis então a principal importância de atuar com a experiência de cliente dentro da sua empresa. 

É preciso levar em consideração que o consumidor anseia por ser bem tratado e cada vez mais o mercado pede por isso. 

O novo consumidor

O novo consumidor é aquele que está totalmente integrado à internet ou está migrando totalmente para os grandes benefícios que ela tem a trazer. 

Ocorre que por diversas experiências positivas e negativas eles acabaram se tornando grandes sábios das compras.

Isso significa que os novos consumidores estudam muito um produto antes de comprá-lo e acabam por buscar diversas referências de produtos que oferecem algo a mais para eles. 

O preço não é algo tão relevante, mas a qualidade de serviço e a exclusividade. 

Quando nós vemos os funcionários de uma empresa com uma camisa de empresa bordada todos iguais, o que identificamos? Que dentro daquele local existe uma organização feita por alguém que pede para que os funcionários usem as mesmas roupas.

Deste modo fica mais fácil identificá-los e solicitar a ajuda caso necessário. 

Pois, muitas vezes o consumidor já sabe o que deseja e chama o funcionário somente para sanar alguma dúvida ou procurar um a diferente daquele que ele viu. 

Portanto, ele quer que ele esteja pronto com todas as informações na mente e disposto a ajudá-lo, se tudo for comprido a compra será efetiva e você terá um cliente feliz. 

Sendo assim, pense se o funcionário não estiver devidamente uniformizado como será identificado. O cliente não saberá dizer quem é a pessoa que ele deverá tirar suas dúvidas.

Portanto, se o líder não estiver visível há todos à quem o funcionário irá recorrer. Assim como se o sistema da loja ou site travar. 

Até mesmo se a pesquisa que for feita tiver dado informações erradas. Todas essas perguntas devem ser respondidas e resolvidas pelos responsáveis por criar uma boa experiência de cliente. 

Se uniformes não são a cara da sua empresa, ao menos uma camisa gola polo personalizada pode ser o caminho, seja criativo. 

O atendimento de qualidade ajuda a todos 

Muitas pessoas acreditam que o atendimento por telefone está morrendo, mas esquecem que atender um cliente vai além de falar bem no telefone, atualmente é preciso levar em conta o atendimento físico, por aplicativos de mensagens e chats online.

Existem diversos métodos de atender o cliente e todos eles precisam ser feitos com alta qualidade. 

Para que isso seja feito, será preciso que os líderes treinem bem as pessoas que irão fazer esses atendimentos e se possível deixar pautas com saídas para as situações.

Lembre-se que os atendentes também precisam ser bem tratados, eles também são pessoas e a forma como eles estiverem se sentindo  no dia refletirá clientes com quem eles forem entrar em contato.

O uso da tecnologia com robôs que lidam com assuntos simples e um bom modelo de atendimento 24  horas pode resolver os problemas que envolvem esses temas, tirando a sobrecarga dos funcionários e dando a eles outras tarefas.

A rotatividade é importante para que todos saibam atuar em diferentes áreas e sentir como os colegas se sentem, principalmente, quando se trata de modelos menos hierárquicos. 

Invista em bons sites e boas páginas de venda

Da mesma forma que o novo consumidor é carente por atenção ele tem o tempo escasso.

Sendo assim, ele quer a atenção no momento exato que tiver alguma dúvida ou precisar de algo, mas fora essa realidade tentará resolver por conta própria. 

O cliente não estará procurando um produto em um busdoor anuncio em Amazonas, mas em sites de vendas e blogs que oferecem produtos que geram interesse. 

Por isso, é preciso que a empresa tenha um bom site e que ele funcione super bem.

Uma das piores sensações que um consumidor tem é quando tenta entrar em um determinado site e ele não carrega ou quando a  página de comprar não dá prosseguimento nas ações. 

Uma boa empresa que investe na experiência do cliente, trata de investir na tecnologia de seu site de vendas por entender que o potencial gerado de compras virtuais é enorme. 

Portanto, se faz cada vez mais necessário nos dias de hoje.

Pense no que você gostaria de ter

Por fim, uma das maiores estratégias realizadas para as pessoas que querem ter uma boa experiência de usuário em suas empresas é se colocar no lugar do cliente. 

Essa estratégia é extremamente efetiva para entender os pontos fortes e fracos da sua empresa.

Portanto, verá que precisará estudar bastante para conseguir agradar um número grande de consumidores. 

Até as cores do seu site e a forma como as informações são mostradas podem interferir na maneira com que os consumidores enxergam o seu trabalho. 

O empreendedor por natureza tem que ter a capacidade interna de querer melhorar os serviços que alí compõe o seu esquema de vendas. 

Sendo assim, não há forma melhor para isso do que estudar e se aprimorar referente a técnicas e modelos de atendimento.

Por isso, torne-se cliente de seu concorrente, com isso queremos dizer que passe por todos os processos que seus clientes que preferem o seu concorrente passam e identifique os motivos que fazem eles serem bons ou que fazem você se diferenciar deles.

Não necessariamente somos piores que nossos concorrentes, mas é interessante se espelhar em empresas que tem um poderio de venda maior que a sua, e que geram mais interações nas redes sociais ou na fala popular.

Compreender o que faz dessas marcas gigantes é um processo interessante é bastante necessário. 

Se o seu concorrente faz adesivacao de carros propaganda, se fizer sentido para você faça também só que coloque LED, aprimore e seja melhor veja se deu certo e evolua. 

Os clientes permanecerão mudando de opinião e serão cada vez mais difíceis de serem conquistados, mas com uma boa Customer Experience você será capaz de trazê-los para a sua empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos. 

Mature student using computer

Como o seu e-commerce pode oferecer suporte para Bugs e evitar a evasão de clientes?

O mercado digital possibilitou muitas mudanças na forma de se fazer comércio. Com o avanço dos sites e plataformas online, muitas empresas passaram a sofrer com o chamados bugs encontrados em diversos sistemas no mundo todo.

Um bug é basicamente um problema não previsto pelos desenvolvedores que ocorre no decorrer do funcionamento de um sistema e passa a prejudicar todo um processo de um determinado segmento.

Existem diversas histórias que dizem explicar a origem do termo “bug”, mas a mais aceita de todas envolve o grande inventor Thomas Edison.

Em um determinado dia Thomas foi utilizar seu fonógrafo e uma mosca acabou o encontrando dentro do aparelho.

A presença do animal prejudicou todo o funcionamento do sistema e foi preciso toda uma parafernalha para conseguir retirá-lo e fazer o fonógrafo voltar a funcionar adequadamente. 

Desde então o termo tornou-se famoso ao fazer referência a erros não previstos.

Os sites recebem o acesso de diversas pessoas que precisam comprar algo como uma camisa com logo bordado ou livros e cursos.

As possibilidades são muitas, mas quanto mais digital o sistema mais será preciso de cuidados para fazer o sistema funcionar. 

Desenvolvedores tem como objetivo testar uma série de possibilidades que envolvem os programas que estão sendo disponibilizados pelas empresas que comprarem seus sistemas, mas é humanamente impossível que tudo seja devidamente testado.

Quando o sistema é vendido para uma empresa de e-commerce, por exemplo, o sistema então passa a ser utilizado de diferentes formas por inúmeras pessoas para os mais diferentes fins. 

Isso resulta em uma gama bem maior de situações não previstas pelos desenvolvedores, neste momento são descobertos os bugs do sistema. 

Em outras palavras, é como uma pessoa que busca por um adesivo de vinil para realizar a pesquisa em um campo de endereço.

Ocorre que o desenvolvedor não tinha previsto que as pessoas procurariam por produtos dentro de um campo feito para colocar o endereço e em vez do sistema recusar, ele simplesmente trava ou faz o formulário voltar desde o início. 

Quase todas as pessoas que mantém contato diário com sistemas de computadores, sejam instalados em uma máquina ou acessados pela internet já se depararam com um bug em algum momento de suas vidas.

Dentro do ramo dos analistas de desenvolvimento de sistemas existe um setor específico que fica realizando testes de diversos sistemas em busca de bugs

Portanto, é bem comum que exista um botão dentro desses programas que se chama “reportar um bug”.

Deste modo os usuários conseguem avisar os desenvolvedores de um erro frequente que precisa ser corrigido. 

Dessa maneira são feitas atualizações dentro do programa e enviadas aos usuário para que sejam instalados, assim os erros são corrigidos. 

É como realizar a impressao digital dos problemas e encaminhar aos responsáveis para correção. 

No universo dos jogos digitais isso é algo bem comum e visto como algo padrão para milhares de jogadores, mas infelizmente em um setor de vendas esses erros geram um problema gravíssimo.

Clientes de um e-commerce costumam não ter muita paciência com erros que consideram simples de serem resolvidos (apesar de não serem) e o impedimento no momento de realizar uma compra pode ser fatal para nunca mais tê-lo dentro do site novamente.

É por isso que surge a necessidade de criar estratégias de suporte para que os bugs sejam cada menos presentes principalmente nos canais de venda das empresas. Deste modo é possível evitar a evasão dos clientes.

A confiança é a chave principal que deve moldar a internet uma vez que muitos usuários ainda ficam com um pé atrás no momento de realizar a compra de um colar feminino folheado a ouro ou qualquer que seja o outro produto que está sendo comprado.

Avise e encaminhe os clientes

Como dissemos, prever todos os bugs que um sistema pode gerar é algo impossível de ser feito.

Entretanto, é possível entender que eles podem aparecer e estar preparados para esse tipo de solução.

O primeiro e melhor processo de suporte contra bugs é encaminhar uma mensagem quando algum tipo de erro ocorrer.

Isso pode ser feito em uma função no momento em que a página demora muito para carregar ou o sistema estiver travando. 

Há também épocas sazonais em que os sites podem estar com um alto número de acessos e dessa forma o sistema fica mais lento. 

Um aviso prévio pode ser feito, deste modo o cliente sabe que não vai precisar de uma assistencia tecnica de informatica computador.

Eles também tentam encontrar horários em que acreditam que o sistema esteja menos superlotado como madrugada e de manhã. 

Esses avisos são importantes para mostrar que você está ciente dos erros que possam vir a ocorrer e já promoveu uma solução a ser feita.

Verifique a necessidade de um suporte especializado

Esse é um ponto que pode vir a ocorrer e independente da sua boa vontade, somente profissionais especializados conseguirão resolver o problema. 

Muitos acessos e um alto número de dados alinhados em um sistema integrado podem gerar problemas.

Toda empresa em um determinado momento precisa se render a necessidade de contratar pessoas especialistas em tratar da sua rede de usuários. 

Além de lidar com a manutenção de tudo o que estiver ocorrendo, eles podem elaborar sistemas mais fáceis de serem utilizados.

O flyer digital do seu e-commerce pode ser o produto, mas a fachada dele é a celeridade em que os sistemas funcionarão. 

Portanto, chegará um momento em que sozinho não será possível administrar tudo. 

Você como empreendedor terá de tomar a decisão no momento certo, pois quanto mais acessos e mais vendas, maior será a necessidade de buscar por ajuda. Quando o negócio for pequeno não existe a necessidade. 

Acione a sua plataforma paga

Tornou-se bem comum pessoas leigas no desenvolvimento de sites, pagarem por plataformas que entregam sites prontos para o uso, por um valor mensal de diferentes ferramentas e possibilidades.

Ocorre que um grande erro das empresas é deixar de acionar essas empresas no momento em que precisam de ajuda e apoio. 

Lembre-se, o que está em jogo é o seu sustento e a sua empresa, por isso sempre que algo de estranho ocorrer acione a plataforma.

Existem equipes que trabalham para isso e no momento em que você paga pela plataforma eles prometem o apoio ao usuário. 

Tudo isso acaba por facilitar todos os trâmites que envolvem a formação e administração do site. 

Pense que você trabalha com advocacia, contabilidade ou até outro setor que precise da efetivação da entrega de encomendas com motoboy ou digitalmente.

É preciso que o consumidor se sinta confiante em entregar sua privacidade, por isso a necessidade de um sistema que gere essa confiança. 

Erros que ocorrem com frequência

Diferentes de bugs que são erros não previstos, existem erros que podem vir a acontecer, mas que poderiam ter sido evitados e ainda podem.

Basta que os administradores do site estejam cientes do que fazer caso algum deles tenha ocorrido. Vejamos alguns deles:

  • Sites lentos que não carregam e links quebrados;
  • Funções visíveis, mas não disponíveis;
  • Sites pouco seguros com muitos pop-ups;
  • Sites que parecem ser do segmento da marca.

Cada um desses erros podem ser evitados antes mesmo da criação do site. 

Todos os erros afetam a decisão final do consumidor em finalizar a compra do seu e-commerce.

Além de que dependendo do que ocorrer eles saem antes de verem os produtos.

Imagine uma pessoa que busca fazer o reparo do Iphone de um familiar, mas quando entra no site depara com um design infantil que não transpassa autoridade. 

Além disso, os links de orçamentos e informações sobre a empresa não funcionam ou não carregam.

Esses cuidados precisam ser tomados para que afete a confiança do seu cliente, evitando a evasão deles no seu e-commerce.

Considerações finais

A evasão de um e-commerce pode ocorrer por diversos fatores e um deles são os erros aparentes no próprio site. 

Podemos elencar tópicos simples como erros de ortografia até erros gravíssimos como o vazamento de dados do cartão dos seus clientes.

Cada esfera de erro afeta na forma como o seu consumidor enxerga sua empresa, por isso existe a necessidade oferecer suporte para bugs e diminuir a evasão. 

Existe uma taxa de evasão de clientes que é natural de todo o negócio, mas não pode ter referência com erros.

Toda a empresa precisa garantir o bom funcionamento de seu e-commerce e dar o máximo de confiança para o consumidor realizar todas as suas compras ali dentro. 

No decorrer do artigo demos uma série de exemplos que podem ser seguidos para evitar essa situação.

Uma forma interessante é se espelhar em um concorrente muito maior que você e ver como eles trabalham. 

No mercado digital é preciso ter boas referências, se o concorrente faz sucesso, algo de certo ele está fazendo é interessante entender os porquês. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Two young businesswomen working on a report

Entenda como a sua loja pode aproveitar a tendência do Social commerce e se destacar no mercado

Se pensa que o e-commerce ainda é uma tendência, saiba que ele é uma realidade inerente aos nossos hábitos cotidianos, nem que seja apenas para pedir comida. Mas, na verdade, há outro conceito embutido que está em ascensão: o social commerce.

Se nunca ouviu falar sobre ele, então você precisa entender o que é essa nova tendência de mercado para destacar sua loja e aproveitar tudo o que há de melhor das estratégias que fazem parte disso.

O que é social commerce?

Social Commerce é uma vertente do e-commerce que acontece de forma exclusiva, nas plataformas de redes sociais.

Visto que há investimentos por para de seus criadores para torná-las ambientes propícios para esses tipos de transações.

Em outras palavras, as redes estão se tornando verdadeiros shoppings por meio de um bom conteúdo.

Por exemplo, você pode navegar e comprar produtos no Facebook, como camisa gola polo personalizada, ou seja, fazer a compra na própria rede social, sem sair dela ou ter que acessar outro site. 

Essa é a grande sacada do social commerce, que aproveita o uso massivo dessas redes por grande parte da população para se tornar um local virtual de compras, enquanto há diversão, entretenimento e absorção de conhecimento. 

É uma maneira simples de trazer a funcionalidade básica do e-commerce diretamente para a lógica das plataformas de redes sociais. 

Quais são as vantagens?

Hoje em dia, a boa experiência do cliente é “quanto menos passos tiver melhor”. 

E por que não aproveitar o tempo na rede social para fazer uma compra rápida após clicar em banner impressao de algo que você viu e gostou? 

Comprou? Então já é possível em poucos segundos voltar à navegação de novo e até postar o item que você comprou, sem ter que sair da rede social para entrar em um site. 

Além disso, quando os clientes estão satisfeitos com a marca de grafica online atual card e se a experiência de compra foi fluida.

Eles fazem recomendações para os amigos ou familiares fica ainda mais fácil por conta disso por causa do rápido compartilhamento em um simples clique de botão.

Para empresas e suas marcas, o social commerce oferece grandes vantagens, desde uma maior visitação às páginas de redes sociais ao aumento do envolvimento do cliente com a companhia, facilitando o famoso marketing boca a boca. 

Quais estratégias seguir para ter sucesso?

Compartilhe conteúdo regularmente para aparecer mais no feed do seus seguidores. 

Isso ajuda muito a construir oportunidades e tornar as marcas de grafica de impressao digital mais poderosas em seu impacto nas redes sociais. 

Ao fazer isso, seus seguidores aumentarão porque sua marca tende a ser mais recomendada para outras pessoas. 

O social commerce, ao se desenvolver cada vez mais, vai tornando a necessidade de as empresas levarem um bom atendimento a esses canais, e quem prestar atenção nisso e tiver uma boa estratégia nesse sentido sairá na frente.

O aumento do público é nítido quando se foca no social commerce, ou seja, na recorrência e na qualidade dos seus conteúdos, sejam eles para fins educativos ou apenas comerciais. 

O que interessa é que ambos se retroalimentam, pois, bilhões de pessoas já estão ativas nas redes sociais. 

Sendo essa é uma oportunidade de aumentar o tráfego, e consequentemente, as vendas.

Cada empresa pode procurar maneiras diferentes de expandir seus negócios e vender seus produtos para seu público-alvo.

O social commerce, por envolver a necessidade de consumo por parte das pessoas, ajudou muito no desenvolvimento de várias empresas.

Por exemplo, as marcas de camisa de empresa bordada, que aproveitaram essa tendência para melhorar suas presenças nas redes sociais, elevando a experiência ao cliente.

Além desse caráter de marca que o social commerce impulsiona, essa vertente do e-commerce se destaca pela facilidade que deu para os consumidores.

Além disso, ainda incentiva um maior tíquete médio para as empresas. 

Por exemplo, uma assistencia tecnica de informatica computador pode estabelecer em suas redes sociais instalação do serviço com um simples botão a partir de um cadastro mínimo feito pelo cliente.

Isso é de extremo valor para a pessoa que precisa do serviço. Por isso, provavelmente, ela sempre voltará lá por causa da facilidade ou ela indicará quem precisar. 

Portanto, fica claro que as redes sociais têm um papel de convencimento das pessoas a gastar mais pela experiência de compra mais assertiva e objetiva. 

Não importa onde estiverem: com poucos toques no smartphone já é possível adquirir algo. 

Por dentro das redes sociais

As principais plataformas de redes sociais têm em sua experiência de navegação o social commerce, sensação dos chamados online shoppers. 

Isto posto, estamos falando das seguintes redes sociais:

  • Facebook;
  • Instagram;
  • WhatsApp;
  • Pinterest;
  • LinkedIn;
  • TikTok.

No Facebook, as empresas conseguem emitir um catálogo próprio de produtos, permitindo a integração do que você quer vender a um e-commerce na própria rede social. 

Esse catálogo pode ser integrado ao Instagram e ao WhatsApp, que fazem parte do mesmo conglomerado possuído por Mark Zuckerberg.

A partir disso, é possível, por exemplo, fazer transmissões ao vivo, que estão em alta, de forma sincronizada com o seu catálogo nas redes sociais. 

Sendo assim, as pessoas podem assistir a live e comprar sem sair da tela, com o link ali mesmo disponível.

No caso do Instagram, a integração do catálogo é feita pela navegação da ferramenta Instagram Shopping. 

Dessa forma, sua empresa pode criar posts com tags de preços em cima dos produtos na própria postagem. 

É possível já ver o preço ali mesmo, e ao clicar, o cliente já será direcionado para a página do produto para visualizar as especificações do produto e efetuar a compra.

Além da ferramenta do Instagram, o WhatsApp, com seu serviço de pagamento disponível nas próprias mensagens.

O que facilita e muito por meio do social commerce porque você pode estar conversando com um atendente, e em questão de minutos, já fazer o pagamento ali mesmo, também sem sair da rede social. 

Os pequenos negócios, panfleto para hamburgueria, se beneficiam e muito dessas ferramentas de social commerce das principais plataformas de redes sociais.

O Pinterest, que é uma rede social muito voltada a referências de produtos e de imagens exuberantes, também adotou o social commerce e ativou a funcionalidade de compra por meio de uma simples foto. 

Sempre que sua loja coloca algo no catálogo, um post já replica isso para o Pinterest e cria automaticamente um card de compra. 

E se muda o preço? Isso também é atualizado conforme vão sendo definidas as promoções e novas precificações.

O TikTok, a rede social do momento, também vem testando a modalidade de social commerce muito parecida com a do Instagram, formando parcerias com grandes redes de e-commerce para se estabelecer neste mercado.

Vale mencionar aqui que a ByteDance, empresa controladora do TikTok, já havia lançado o aplicativo Douyin, que segundo a Bloomberg, acumulou ganhos por meio do social commerce de 26 bilhões de dólares em apenas um ano de lançamento. 

Isso mostra a tendência que veio realmente para ficar, de acordo com o comportamento dos consumidores. 

O papel dos influenciadores

O surgimento do marketing de influência com uso de flyer digital foi concomitante ao social commerce. 

As pessoas se baseiam e se referenciam muito nas redes sociais em seus ídolos e grandes influenciadores nas redes sociais.

O papel deles é essencial para o crescimento do social commerce no mundo. Em canais seguidos por milhões de pessoas e às vezes até em participações no canal principal das empresas, os influenciadores

Eles são capazes de mover multidões para os perfis das empresas, basta seguir as recomendações deles. 

Os seguidores, geralmente, seguem à risca, portanto, de forma direta ou indireta, a participação deles é enorme no social commerce. 

O influenciador, então, tem um potencial altamente explorável pelas marcas. As suas formas de comunicação chamam atenção de forma que uma empresa talvez não poderia, adequando-se a novos públicos. 

Considerações finais

Portanto, nesse sentido, uma das tendências que as companhias devem seguir, pegando a onda dos influenciadores, é a transformação do cliente em um real promotor da marca. 

É assim que as grandes empresas chegam onde elas chegaram. 

A marca é boa, a qualidade também, mas sem uma boa estratégia de comunicação, dificilmente se ganha projeção em um mercado altamente competitivo como o da internet, abrangendo diversos tipos de negócio e de serviços. 

É altamente desafiador ter que se sobressair neste cenário, mas as alternativas são várias e esta que vimos neste conteúdo é uma das grandes apostas de quem realmente acredita no e-commerce. 

Por isso, o social commerce é altamente recomendável para estes casos e para qualquer empresa que precise alavancar seu negócio de forma exponencial, explorando tudo o que as redes sociais podem oferecer.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Innovative idea and marketing business for new company

Conheça mais sobre o futuro do e-commerce: O Conversational Commerce

Já não é possível um empresário ou gestor ignorar o papel da internet, especialmente no sentido do comércio eletrônico. Nessa linha, uma tendência que tem se disseminado é a do Conversational Commerce, que veio para ficar.

O nome pode soar um pouco estranho, mas isso se deve justamente à ousadia da proposta. Trata-se de inserir nas negociações e transações digitais um elemento mais humanizado, para que a ponte entre a marca e o cliente não pareça algo robótico demais.

Imagine negociar um lote de embalagem de madeira para exportacao, tudo pela internet, sem que os dois lados jamais venham a se conhecer presencialmente. Certamente, a empresa não poderá ser fria, objetiva e sucinta o tempo todo.

É preciso que haja uma relação mais humana e até mais dinâmica. No fundo, essa busca por contato e conversação vem de um elemento que já estava em voga no mundo corporativo, que é o da customização e personalização das soluções.

Ou seja, nos últimos anos já não adiantava uma grande empresa oferecer aos seus clientes produtos ou serviços genéricos, como se o cliente fosse apenas um número a mais. Então, customizar a experiência é algo que vinha acontecendo cada vez mais.

Hoje isso culminou no Conversational Commerce, que é o Comércio de Conversação, também chamado de Varejo de Bate-Papo. Graças a ele, sem deixar de lado o aspecto objetivo e ágil da internet, é possível engajar e conquistar mais clientes.

Por exemplo, quando uma empresa faz uma acao de marketing promocional, isso não quer dizer que ela vai “massificar” sua clientela, vendendo para mais pessoas do que ela suportaria atender em termos de suporte.

Pelo contrário, é preciso ter uma estratégia de antemão para garantir que todos terão uma jornada digital facilitada, humanizada e otimizada. Assim, é preciso que o processo seja de excelência para ambos os lados, não só para a marca.

Por isso decidimos escrever este artigo, mostrando como o Conversational Commerce tem tudo para se tornar o futuro do comércio eletrônico, especialmente por ser um apanhado de várias tendências que já vinham se cristalizando.

O mais interessante é que ele já tem evoluído bastante, então realmente pode ajudar no processo de vendas de qualquer segmento ou nicho, seja para lidar com venda de produtos ou com serviços como a criação de panfleto para hamburgueria.

Então, se você quer compreender melhor como essa estratégia pode mudar seu negócio de patamar, tornando sua marca muito mais conectada e preparada para o futuro, basta seguir adiante na leitura.

O que é o C-Commerce?

Sigla para Conversational Commerce, vimos acima que se trata de uma estratégia que simplesmente tomou consciência de vários fatores e elementos antigos, que já vinham pairando sobre o mundo corporativo.

Em essência, o que o Comércio Conversacional ou Varejo Online de Bate-Papo propõe é uma nova visão sobre o fenômeno da jornada de compra na esfera digital.

Na prática, ele surge com novos veículos de comunicação entre a parte consumidora e a parte vendedora ou prestadora de serviço.

Como exemplo de que isso já vinha acontecendo em certa medida, basta pensarmos em certos serviços, como um de impressao digital, que já exigia várias etapas de comunicação entre as partes.

Tanto é assim que uma pesquisa recente da empresa Aivo Brasil, marca argentina da área de softwares, revelou que só no ano passado a conversação digital entre pessoas e marcas verificou um aumento de 500%.

Quem ajuda nisso são os serviços e aplicativos de mensagens, que permitem que com poucos cliques os consumidores enviem textos ou mesmo áudios para as empresas.

Entendendo essas tendências

Não é de agora que uma marca que queira crescer precisa compreender melhor o comportamento do seu público-alvo.

Na verdade, isso sempre foi assim, desde o surgimento do marketing, que veio como um reforço para ajudar a vender o excesso de produção ocasionado pela Revolução Industrial.

O que ocorre é que, após o advento da internet, verificamos uma outra espécie de revolução, agora com efeitos de várias ordens, tais como:

  • Ordem cultural;
  • Ordem econômica;
  • Ordem sociológica;
  • Ordem psicológica.

Um modo de se referir a isso é o recorte geracional das famosas Gerações Y e Z, das pessoas nascidas de meados de 1980 e 2000 para cá, respectivamente.

A princípio pode não parecer, mas a mudança de comportamento foi tão grande que ao falarmos de algo como a criação de ações e campanhas publicitárias, ou de um simples banner informativo, estamos nos referindo também a esses novos consumidores.

Trata-se de pessoas que cresceram com maior acesso à informática, à internet e à informação como um todo, o que as torna muito mais críticas e exigentes, inclusive na hora de comprar.

No caso da Geração Z, são pessoas que já se desenvolvem com a tecnologia na palma das mãos, literalmente, graças aos smartphones e tablets.

Assim, fenômenos como as salas de bate-papo e as redes sociais vão imprimindo nesse perfil consumidor um desejo maior por conversação e customização.

Com isso, o modo como tudo isso aponta para o Conversational Commerce já se tornou evidente e muito mais claro. O fato é que hoje a atenção personalizada é um ativo, ou seja, um valor a mais que ajuda as marcas a proporcionarem experiências positivas.

Por fim, as empresas se tornam capazes de atender o cerne da expectativa das novas gerações consumidoras. Ao passo que aquelas que não se adaptarem, simplesmente acabarão ficando para trás.

Como aplicar a estratégia?

Em termos de funil de vendas e de jornada de compra, o C-Commerce ocorre sobretudo no fundo do funil, depois que o cliente já entendeu a proposta da solução que a marca está prestando.

Ou seja, a fase de captação de leads e de nutrição desses contatos já foi. Portanto, as estratégias de prospecção e até alguns gatilhos podem entrar aqui, de modo a trabalhar o fechamento e já começar a pensar na fidelização.

Por isso, vamos aprofundar logo abaixo os veículos mais indicados para colocar em prática o Conversational Commerce, no seu sentido mais original e promissor.

Mensagens instantâneas

Ninguém que tenha smartphone com acesso à internet deve ignorar como os aplicativos de mensagens instantâneas revolucionaram a comunicação.

Nomes como WhatsApp, Telegram, WeChat e Viber simplesmente dominam a nossa rotina, tanto no sentido pessoal quanto profissional.

De fato, se uma loja vende caixa display papelao, esse é o primeiro passo que ela deve dar na direção do Conversational Commerce, como modo de entrar em cheio na conversação com o cliente.

Uma comprovação disso são as soluções que têm surgido mais recentemente, como a do WhatsApp Business, que adapta a plataforma justamente para aplicação comercial, facilitando formas de pagamento, de contato e afins.

O poder do chat ou bate-papo

Outro ponto realmente inevitável é o dos chats ou bate-papos, especialmente por meio das mídias sociais. Porém, já não como plataforma de postagens, curtidas e compartilhamento apenas.

É preciso ir além, pensar fora da caixa e abrir espaço para uma conversa personalizada com o cliente. Um exemplo são as redes que oferecem um campo de chat, como o próprio Messenger do Facebook, ou o Direct do Instagram.

Na verdade, cada vez mais essas grandes plataformas trazem opções de conversação direta, pensando justamente no Conversational Commerce.

Assim, se a empresa lida com flyer digital, o cliente pode tirar dúvidas sobre preços, prazos e customização do seu pedido, que pode demandar alguns cuidados especiais. Isso cumpre a essência da proposta.

Outro exemplo é o dos próprios sites, como os chatbots que você pode implementar na sua loja virtual, unindo o C-Commerce com a automatização – mas não deixe tudo nas mãos dela, para não perder em termos de personalização.

Lives, webinários e “ao vivo”

Uma dica que serve como bônus é a de “dar a cara” como modo de entender melhor sua clientela, mostrando a face humanizada da marca e fazendo um Conversational Commerce bem diferenciado.

Trata-se das transmissões ao vivo, como as famosas lives, nas quais algum representante da empresa (ou o próprio dono), faz uma programação especialmente voltada para o público, com direito a interação pelos comentários.

Uma empresa de motoboys pode convidar profissionais da área e tornar tudo ainda mais dinâmico. O mesmo vale para os webinários, que são lives ainda mais específicos, com foco na geração de conteúdo e em dar algo para o público.

Considerações finais

Tudo o que analisamos acima indica que o Conversational Commerce realmente veio para ficar, até porque ele acumula tendências que já existiam.

Como as pessoas querem serviços cada vez mais personalizados e experiências marcantes, a personalização que o C-Commerce traz é um grande diferencial.

Agora, basta você seguir nossas dicas, assumindo o tom de voz da sua marca, estudando as melhores plataformas que podem ajudar e correr para a mudança.

O importante é não ficar parado, mas sim, usar o Conversational Commerce como um modo de ressignificar toda a relação entre sua marca e o público.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

post

Quais são os pontos essenciais para iniciar a trabalhar com e-commerce?

O e-commerce é uma modalidade de negócios que comercializa produtos e serviços pela internet. Esse tipo de compra e venda cresceu muito nos últimos anos, mas teve um salto impressionante em 2020.

O que era tendência se tornou realidade, e os consumidores perceberam o quanto é vantajoso comprar online, afinal, é possível adquirir os produtos que quiserem, por um preço mais em conta e receber tudo no conforto de casa.

Para os empreendedores, essas lojas virtuais também são muito vantajosas, pois o investimento é menor, sendo possível vender para qualquer lugar do mundo, em qualquer horário ou dia da semana.

Sem falar que não é necessário ter gastos comuns aos de um negócio físico, como aluguel, contas de água e luz, além de pagamento de funcionários e demais despesas.

Vários segmentos estão obtendo lucros com o e-commerce, por isso muitas lojas físicas famosas e grandes marcas estão investindo nesse tipo de transação online.

Pensando nisso, neste artigo, vamos mostrar o crescimento do e-commerce, bem como os principais pontos a se considerar antes de começar um e as estratégias cabíveis para fazê-lo crescer. Então, se você tem dúvidas, vale a pena conferir.

A expansão do e-commerce nos últimos meses

O e-commerce está em vasto crescimento no Brasil. Para se ter uma ideia, em 2020, no mês de dezembro, houve uma alta de 53,83% em relação ao mesmo período de 2019, e o faturamento teve um crescimento de 55,74%.

Esses dados são do MCC-ENET, do Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Economia Digital, e quem acredita que esse aumento se deve apenas a um único fator, está enganado.

Mesmo com as lojas físicas funcionando normalmente, as compras online se tornaram hábitos dos brasileiros. Isso porque, além dos preços mais atraentes, eles têm acesso a embalagens delivery personalizadas, pagamento flexível e segurança.

Olhando por esse lado, as compras virtuais vieram para ficar, e o empreendedor que investir nessa modalidade vai lucrar em todos os cantos do país. O aumento das vendas nas regiões brasileiras se destaca mais em algumas, veja:

  • Nordeste (77,63%);
  • Sul (66,22%);
  • Sudeste (48,32%);
  • Centro-Oeste (46,99%);
  • Norte (39,25%).

Além disso, em dezembro de 2020, 18,4% dos usuários de internet realizaram, ao menos, uma compra em plataformas e-commerce. Dentre as categorias que mais tiveram aumento nas vendas pela internet, podemos mencionar:

  • Equipamentos e materiais de escritório;
  • Informática e comunicação;
  • Móveis e eletrodomésticos;
  • Vestuário e calçados;
  • Artigos farmacêuticos;
  • Perfumaria e cosméticos;
  • Artigos domésticos;
  • Hipermercados.

Agora que você reconhece o quanto as vendas pela internet cresceram, no próximo tópico, vamos dar algumas informações importantes antes de investir no setor.

O que considerar antes de abrir seu e-commerce

Antes de abrir seu negócio virtual para vender digitalizacao 3d ou qualquer outro produto ou serviço, é essencial se atentar a alguns pontos, como:

1 – Perfil dos consumidores

É necessário saber quem é o seu público-alvo para planejar o seu e-commerce. O consumidor moderno não quer apenas comprar o produto, ele também deseja encontrar verdadeiras soluções para seu dia a dia.

Para saber como entregar essas soluções, é preciso ter conhecimento da faixa etária do seu público-alvo, se é formado por homens ou mulheres (ou ambos), com o que trabalham, renda, se costumam comprar pela internet, sua localização, entre outros.

2 – Ter um portfólio de produtos e precificar

Faça uma lista dos produtos que serão comercializados, dividindo-os entre categorias e subcategorias. Também é importante especificar alguns detalhes como tamanho, marca, sabor, cor, modelo, dentre outros.

Em outras palavras, assim como uma gráfica é especializada em impressao digital, você precisa ser um expert em seu segmento, sabendo o que o cliente quer do produto, qual necessidade ele tem e como sua solução se diferencia da concorrência.

Ademais, toda empresa precisa dar um preço aos seus produtos e serviços. É necessário considerar os custos com a solução e qual retorno você deseja obter com ela para precificá-la.

Leve em consideração o quanto o consumidor está disposto a pagar, para saber se o seu preço é compatível com aquele praticado pelos concorrentes. Ele não deve estar muito acima ou muito abaixo da média do mercado.

3 – Estudar o nicho em que irá atuar

Alguns empreendedores cometem o erro de começar um e-commerce sem estudar o mercado em que vão se inserir.

Não estamos falando aqui de números exatos, mas de um levantamento que permite compreender as tendências e quais produtos têm mais destaque ou procura no mercado.

Como empreendedor, é necessário vender o que está em alta dentro do seu segmento, com base em dados concretos. Isso está relacionado às estratégias que você vai adotar.

4 – Analisar a concorrência

Para aprender um pouco sobre o funcionamento do seu futuro negócio, nada melhor do que analisar a concorrência. Veja quais são os principais e estude suas práticas, além de pontos fortes e pontos fracos.

Analise como é a precificação deles, formas de pagamento que oferecem, como as entregas são realizadas, a qualidade do atendimento, garantias e políticas de devolução, além de seus diferenciais em flyer de divulgacao.

5 – Canais de divulgação

É importante sempre verificar para descobrir em quais canais o seu público-alvo procura por produtos e serviços, como as redes sociais, buscadores, entre outros.

Você também pode promover os seus produtos em marketplaces, uma vez que esses canais ajudam a divulgá-los e aumentam as vendas.

6 – Escolher uma boa plataforma

Existem muitas plataformas que você pode usar para montar o seu e-commerce. Entretanto, é necessário escolher aquela que melhor atenda às suas necessidades, expectativas, e que seja compatível com o seu orçamento.

Atente-se a alguns pontos para escolher sua plataforma, como possibilidades de acao de marketing promocional que ela oferece, custos, integração com marketplaces e sistemas ERP (sistema de gestão), opções de pagamento e facilidade para cadastro de produtos.

Otimize o seu site de vendas para os buscadores, ofereça cupons de desconto para os clientes e escolha um layout atraente e responsivo.

Estratégias para continuar crescendo

Além dos pontos para se atentar antes de criar uma plataforma e-commerce, depois de pronta, é necessário investir em seu crescimento.

Todo empreendedor quer ver o seu negócio crescer, e nos que diz respeito a um comércio eletrônico, algumas estratégias essenciais para isso são:

Fazer promoções

Toda empresa, desde as que trabalham com aluguel de projetor de imagens, até um minimercado, precisam fazer promoções para atrair os clientes.

Os consumidores enxergam as ofertas como oportunidades únicas, algo que eles podem perder se recusarem. Ou seja, eles enxergam a vantagem e sentem como se estivesse sendo recompensado pela loja.

Tudo isso quer dizer que as promoções deixam os clientes satisfeitos, e essa experiência positiva faz qualquer empresa crescer.

Além de conquistar e fidelizar clientes, essa estratégia é ótima para desencalhar aquele produto difícil de vender, e de quebra, ajuda a divulgar a sua marca.

Para fazer boas promoções, aproveite datas especiais como Natal, Dia das Mães, Dia dos Pais, entre outras que você achar interessantes.

Investir em Marketing Digital

O Marketing Digital se tornou o principal meio para divulgação das marcas, produtos e serviços, e dele dependem empresas de absolutamente qualquer setor, como uma companhia especializada em cenografia arquitetura.

Mas, pelo fato de o e-commerce trabalhar exclusivamente pela internet, o marketing online é ainda mais necessário. Por isso, invista em anúncios segmentados em plataformas como as redes sociais e os buscadores.

Trabalhe com Marketing de Conteúdo, que visa à criação de materiais valiosos e que falem sobre assuntos relacionados ao seu mercado e do interesse do público.

Ademais, aplique boas estratégias de otimização em seu site, para que ele apareça entre os primeiros resultados do Google.

Utilizar as redes sociais

As redes sociais merecem atenção de qualquer negócio, como uma empresa entrega encomendas, pois por meio delas é possível construir uma presença mais forte na internet.

Estude quais delas o seu público-alvo mais utiliza e mantenha cada perfil sempre atualizado. Responda comentários, como críticas e elogios, sempre de maneira cordial e respeitosa.

Varie os tipos de conteúdo, de acordo com o foco da plataforma. Por exemplo, no Instagram você deve postar mais fotos e vídeos, enquanto no Facebook é possível publicar textos e links que direcionam o usuário ao seu site.

Interaja com os seguidores para mantê-los engajados e sempre analise os resultados para saber se as suas estratégias estão no caminho certo.

Conclusão

As plataformas e-commerce se destacaram muito nos últimos anos, e em um futuro não muito distante, elas serão o principal meio de compra e venda no mundo.

Saber o que é necessário antes de criar a sua loja virtual é o primeiro passo para investir em um empreendimento de sucesso. Depois, é só colocar as nossas dicas em prática para fazer o seu e-commerce crescer.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.