networking entre empresas

Networking entre empresas: conheça as vantagens dessa prática

O networking entre empresas é uma estratégia fundamental para conseguir um melhor engajamento de sua marca no mercado, além de criar uma rede importante de contatos para uma série de atividades.

Muitas pessoas acreditam que o networking se resume a entregar cartões de visita e ter alguns contatos com profissionais relacionados com a sua área de atuação. Entretanto, o processo do networking é muito maior e mais funcional do que isso.

Por exemplo, um empreendedor de estrutura metálica tubular precisa que haja interesse para que um diálogo seja feito. Por isso, é preciso se fazer ouvido para conseguir apresentar um conteúdo diferenciado e aumentar seu networking.

A base de uma boa rede de contatos é a construção de relacionamentos. É identificar o que motiva as pessoas a querer saber mais sobre você, e agarrar as oportunidades de contato sempre que possível.

O importante é a via de mão dupla que este tipo de processo representa. Enquanto você conquista contatos profissionais vantajosos, você cria nestes contatos um sentimento de confiança, fazendo eles desejarem estar próximos de você.

O networking existe em diversos momentos e com diversas condições. Existem as interações físicas, como eventos, seminários e congressos, além de ações em conjunto entre as empresas. Mas os avanços da tecnologia criaram uma nova modalidade de networking, o virtual.

Aqui, é interessante pensar no relacionamento como uma ferramenta de engajamento, onde é possível manter contato constante, para evitar que alguém dentro de sua rede de contatos acabe caindo no esquecimento.

Uma empresa de confecção de adesivos personalizados, por exemplo, precisa de contato constante para apresentar suas novidades e conseguir converter novos clientes, com o apoio de um networking de qualidade.

As atividades relacionadas ao networking online são diversas, como algumas que citaremos:

  • Redes sociais;
  • Webinars e eventos online;
  • Videoconferências;
  • Trocas de e-mail.

O grande segredo de um bom networking é sua habilidade de contar histórias. Isso porque é através dessas histórias que você cativará as pessoas, fazendo-as se interessar em te procurar.

As histórias são poderosas ferramentas de vendas, tanto para negociações tradicionais quanto para contar sua história, bem como mostrar o quanto sua empresa tem a oferecer.

Isso porque a maioria das pessoas lembra muito mais de experiências e histórias do que de estatísticas sobre um empreendimento.

Qual a importância do networking?

O networking é uma rede de conexões que pode ser fundamental para sua empresa. Essa troca de experiência, muitas vezes, é proveitosa para ambos os lados, e você deve fortalecê-la sempre que possível.

Para manter sua rede sempre em ordem, é preciso pensar de forma proativa. Não espere a abordagem de alguém que você deseja inserir em sua rede de relacionamentos. Apresente-se e divulgue sua ideia, mostrando o interesse em interação.

Por exemplo, criar um folder de viagem exótica pode ser uma excelente ideia de uma agência para conseguir captar novas possibilidades de negócios.

Dessa forma, você acabará aumentando sua rede de contatos de forma orgânica, com muitas pessoas dispostas a trocar experiências com você.

Estamos o tempo todo realizando diversas ações. Isso significa que seu networking é muito mais do que um círculo social empresarial. Esse tipo de aproximação pode permitir a longo prazo muitas vantagens para ambos os lados.

Parcerias e projetos novos podem surgir de uma conversa com alguém de seu networking, ampliando ainda mais os conceitos das empresas envolvidas e trazendo novos profissionais para o círculo.

Todos os empresários querem um mesmo objetivo, os resultados. Para isso, é importante se aliar a outras empresas do mesmo nicho de mercado, principalmente para criar ações afirmativas e criar contatos relevantes e importantes.

Assim, toda vez que você apresentar uma proposta, seja fisicamente ou por meio da internet, com seu blog ou suas redes sociais, terá apoio de outros empreendedores para indicações e contato, caso seja do interesse de seu networking.

Por isso, é importante ter em mente que os relacionamentos nas redes sociais devem sempre ser benéficos. Isso fará você expandir seu conteúdo de forma natural e orgânica. Além disso, seu networking pode ajudar a conseguir investidores para seu projeto.

Se você tem uma empresa de produtos de higiene pessoal atacado, por exemplo, pode conseguir alavancar resultados muito melhores se tiver contatos que divulguem o trabalho.

Isso porque ao compartilhar seu conteúdo e dar o aval de qualidade, outras empresas estão possibilitando que suas próprias redes verifiquem o trabalho e compreendam que o investimento em você pode ser uma boa.

É importante ter um networking também porque, hoje em dia, é muito difícil realizar qualquer feito sozinho. Uma empresa que não procura por apoio acabará sendo engolida por gigantes do mercado, enquanto outra que possui um bom networking pode prosperar e crescer.

Quanto maior for seu networking, maior será a possibilidade de você apresentar seu conteúdo para novos clientes. Isso porque toda sua rede de contatos pode servir como uma forma de divulgar o seu trabalho.

Você pode, até mesmo, pegar uma sala de reunião para alugar para apresentar seus novos conteúdos a um público selecionado. Quanto maior o número de consumidores, mais fácil será manter o ritmo de trabalho e ampliar os processos de sua empresa.

Você também pode ser beneficiado com essa técnica. Isso porque o networking permite que você evolua sua marca pessoal. Claro, o foco ainda deve ser o crescimento da empresa como um todo.

Mas é muito comum encontrar em grandes corporações multinacionais a importância que seus líderes têm. Então quanto melhor você trabalhar sua imagem, maior será a imagem da empresa como um todo.

Isso acaba fazendo com que pessoas queiram fazer parte de sua empresa. Neste aspecto, o networking permite conhecer novos talentos, bem como aumentar seu time com profissionais qualificados e capacitados.

Mas como criar meu networking?

Embora conhecer pessoas seja muito importante para criar uma rede de contatos, o elemento principal deve ser você. Trabalhe para ser lembrado constantemente, e garanta que as pessoas conhecem você e sua empresa.

Apresenta suas novidades com relação a sua central de monitoramento CFTV, por exemplo, para os contatos corretos e tenha garantia de melhorar ainda mais suas vendas.

O networking funciona muito melhor quando recebe contatos diretos de pessoas interessadas no que você tem a oferecer. Algumas dicas podem ajudar ainda mais no processo de criação desta rede. Confira:

1.    Pro atividade

Para um empresário, a pro atividade é fundamental. Ela permitirá que você esteja sempre um passo à frente da concorrência, estimulando sua equipe e desenvolvendo cada vez mais trabalhos.

É importante fugir das armadilhas da reatividade. Uma pessoa reativa tende a somente reagir aos problemas quando eles aparecem, e nunca está à frente deles, pensando em soluções inovadoras.

Anote todas as possibilidades de problemas antes que eles aconteçam. Você pode ter um moleskine capa mole, por exemplo, com ideias de soluções que podem ser úteis no futuro, principalmente voltadas à gestão de crise.

2.    Especialização

Uma vez que você tem definido o nicho no qual sua empresa trabalha, é preciso demonstrar conhecimento especializado para se destacar dos demais.

Quando uma pessoa inicia uma rede de contatos, ela espera trocar conhecimentos e informações, então é preciso ter algo a oferecer para conseguir engajar um relacionamento profissional.

Se você não acrescentar algo, a relação entre seu networking pode acabar ficando maçante, afastando os profissionais da área e diminuindo as possibilidades de contato que você tem.

Uma boa forma de mostrar seu conteúdo é através de publicações, seja na internet, por meio de um site ou blog de sua empresa, ou nas redes sociais. A criação de conteúdo útil e de qualidade acaba passando um ar mais profissional para você.

Além disso, as pessoas começarão a identificá-lo como referência. Isso é fundamental para o crescimento de sua companhia, e fará com que muitas pessoas te procurem para iniciar relacionamentos de networking.

3.    Interesses em comum

Procure outros empresários com interesses em comum aos seus. Se você estiver em contato com pessoas com interesses diferentes, as trocas acabarão ficando muito limitadas, e acabarão não tendo um resultado muito adequado.

Por isso, é fundamental pensar em contatos de qualidade acima da quantidade, para conquistar trocas profundas e evolutivas.

Essas pessoas são profissionais qualificados em suas áreas, então é preciso que você tenha em retorno todo o desenvolvimento que está se propondo a entregar.

4.    Fuja do óbvio

Existem diversas empresas que trabalham em um mesmo setor. Todos os dias, novas marcas surgem para tentar gerar engajamento com o público. 

Portanto, para conseguir a atenção de pessoas relevantes e crescer ainda mais sua rede de contatos, é preciso sair do óbvio.

Sua escola de danças pode se especializar em aula de ballet criativa, por exemplo, apresentando novas possibilidades para qualquer interessado. Bem como pode criar um networking forte com outra escola da área.

Não é suficiente ser bom no que você faz. É preciso pensar de formas inovadoras e inteligentes, oferecendo conteúdos de qualidade e diferentes.

Considerações finais

Não aproveitar as vantagens de uma rede de contatos próspera é algo impensável para empreendedores nos dias de hoje. 

A sobrevivência no mercado depende de parcerias e trocas de informações relevantes. Por isso, mantenha sempre as portas abertas para ampliar sua rede de contatos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

dropshipping

Dropshipping: saiba o que é e como funciona

Que a internet trouxe uma série de possibilidades de atuação para as empresas, disso ninguém duvida. Entre elas é importante mencionar o Dropshipping, que se mostra uma alternativa bastante interessante para o crescimento de um negócio. 

O número de empresários que aposta em uma atuação online vem crescendo constantemente. Isso porque além de ser um formato mais fácil de administrar, ele exige menores investimentos para a operação e manutenção da empresa. 

Assim, é cada vez mais comum encontrar lojas online de diferentes segmentos, como os e-commerces de venda de calçados ou de carpete em rolo. Tudo isso ocorre graças ao auxílio da tecnologia e da simplicidade dos processos de compra virtuais. 

Mas é muito comum que algumas pessoas que pensem em abrir um negócio digital tenham dúvidas e receios sobre o investimento, imaginando que seja preciso juntar um montante alto de dinheiro, principalmente para abrir uma plataforma e comprar o seu estoque. 

De fato, essa é uma necessidade para que qualquer loja física possa funcionar, mas ela não é a única alternativa para quem deseja construir um e-commerce.

O modelo de negócio Dropshipping veio justamente para isso: possibilitar a abertura de uma loja virtual para quem quer vender na internet, mas possui limitações financeiras para comprar grandes quantidades de produtos. 

Sendo assim, quem antes tinha uma desculpa para não empreender no mundo virtual pode hoje aproveitar essa facilidade para começar o quanto antes. 

Grandes plataformas do mercado já atuam nesse formato. Afinal, além de beneficiar os seus negócios, há vantagens também para os pequenos empresários que desejam crescer e que podem desfrutar do tráfego desses sites para conseguir resultados mais rápidos. 

Se você já ouviu falar em Dropshipping ou se ainda não conhece mas se interessou por essa alternativa, este artigo pode ajudar a esclarecer melhor o tema, dando o suporte necessário para quem quer investir nesse tipo de negócio. 

Por isso, siga na leitura deste conteúdo e entenda como utilizar o Dropshipping para abrir e manter um e-commerce lucrativo com maior facilidade. 

O que é Dropshipping?

A internet comporta uma série de possibilidades para quem deseja trabalhar com aluguel de empilhadeira ou com a venda de artigos esportivos, de modo que abrir um site para atuar nesse espaço se torna cada dia mais simples. 

O Dropshipping é um exemplo claro disso: hoje, você não precisa ter um estoque de produtos no seu estabelecimento físico para poder receber pedidos e ter um faturamento interessante. 

O formato vem ganhando cada vez mais adeptos, inclusive grandes magazines do Brasil e do mundo aproveitam da facilidade do Dropshipping para vender mais, atuar em diferentes regiões e conquistar os seus potenciais clientes. 

Para dar início ao novo negócio, é necessário buscar por fornecedores, chamados de parceiros Dropshipping, que ficam responsáveis pelo despacho e entrega das encomendas. 

Assim, após receber o pedido de uma escada andaime, por exemplo, o e-commerce envia a solicitação para o seu parceiro, que vai preparar o pacote e fazer o envio para o cliente. 

Essa alternativa de trabalho tornou possível a abertura de várias lojas virtuais, permitindo que o mercado fosse aquecido e que muitas pessoas descobrissem uma nova forma de ganhar dinheiro sem que fosse necessário investir altas quantias com espaço e estoque. 

As vantagens do Dropshipping

Depois de entender o que é o Dropshipping, é interessante conhecer algumas das principais vantagens de atuar nesse formato de negócio, conseguindo assim abrir uma loja online e ter sucesso no mundo virtual. 

1. Menor investimento inicial

Se para abrir um e-commerce de semijoias alianças era necessário ter uma boa quantia financeira para comprar produtos, com o Dropshipping isso não é preciso. 

Afinal, todo artigo vendido na loja é enviado por um fornecedor, que ficar responsável por separar e preparar o pacote e despachá-lo para o cliente. 

Esse benefício ainda pode ser sentido no aluguel de um espaço físico para o armazenamento de itens, de modo que quem abre um e-commerce para trabalhar com Dropshipping pode fazer isso sem precisar de um endereço comercial. 

Outro ponto interessante é a economia com mão de obra. Quem trabalha com van fretamento, por exemplo, depende de uma equipe completa de motoristas para atuar. No formato Dropshipping, isso também não é necessário. 

2. Facilidade para abrir o negócio

A abertura e a administração de um e-commerce por Dropshipping é bastante simplificada, o que agiliza o início de qualquer negócio. 

Sendo assim, é uma alternativa prática e funcional para quem quer trabalhar de modo autônomo rapidamente. 

3. Maior variedade de produtos

Quem deseja abrir uma loja online para vender diferentes tipos de artigos, que podem ser desde um ferro de passar profissional até itens de alimentação, pode apostar no Dropshipping para se beneficiar. 

Para tanto, será necessário encontrar bons fornecedores em segmentos distintos, sempre se preocupando em selecionar aqueles que trabalham com produtos de qualidade e que são bem avaliados no mercado. 

Dessa forma, o e-commerce pode ter uma abrangência muito maior, impactando clientes com diferentes perfis e necessidades. 

4. Crescimento simplificado

Em geral, quanto uma empresa deseja crescer ela precisa considerar uma série de fatores, tais como a locação de novos espaços físicos ou a contratação e treinamento de novos colaboradores.

No Dropshipping isso pode ser dispensável. Afinal, todo o controle pode ser feito por um sistema, e o estoque nunca será um problema para a empresa. 

Nesse sentido, o desenvolvimento do negócio se torna muito mais simples e eficaz, trazendo retornos interessantes para quem deseja atuar nesse formato de trabalho. 

Essas são algumas das vantagens de começar um e-commerce tendo como base o Dropshipping, permitindo que a empresa alcance bons resultados em pouco tempo. 

O que considerar antes de começar com essa prática?

Atuar com Dropshipping facilita bastante o processo de quem quer ter um negócio virtual de modo descomplicado. Mas antes de começar com essa prática, é fundamental considerar alguns aspectos para evitar surpresas posteriores. 

Um dos pontos fundamentais é ter um bom relacionamento com os seus parceiros. Isso porque a satisfação e a boa avaliação dos seus clientes dependem de uma entrega eficiente e de produtos de qualidade.

Por isso, saber selecionar de maneira criteriosa os fornecedores do seu negócio, verificando se eles possuem uma boa estrutura de entrega expressa transportadora é essencial para o crescimento da sua empresa. 

Além disso, é necessário que o seu catálogo de produtos esteja sempre atualizado com o dos fornecedores, evitando o risco de fazer a venda de itens que não estão disponíveis no parceiro. 

Esse cuidado evita frustração e devolução de valores, sendo que esses elementos podem trazer feedbacks negativos dos seus compradores. 

Também vale mencionar que é indispensável ouvir os seus clientes, entendendo o que eles querem encontrar na sua loja virtual. 

Sendo assim, criar um canal de relacionamento com os consumidores é essencial para colher sugestões e para ampliar o seu negócio, de modo que seja possível obter um crescimento interessante e a fidelização do público. 

Por fim, uma dica estratégica para ajudar na visibilidade do seu e-commerce é investir em marketing digital, criando campanhas de publicidade eficazes e que tragam cada vez mais clientes para o seu negócio. 

Ao tomar esses cuidados, o Dropshipping sem dúvida será um sucesso na sua jornada, garantindo que o seu site se torne uma referência na internet. 

Os resultados esperados com o Dropshipping

Quem decide atuar com vendas virtuais, seja para comercializar etiqueta adesiva grande ou produtos de limpeza, deseja que o seu e-commerce possa crescer e atingir bons resultados. 

Dessa maneira, entender como funciona o Dropshipping e saber utilizá-lo a favor do crescimento do seu site é a melhor forma de conquistar o retorno que se espera. 

Depois de conhecer bem o mercado, pesquisar fornecedores bem avaliados e investir em um atendimento ao cliente de excelência, certamente a loja virtual poderá crescer sem dificuldades ou limitações. 

Nesse processo, saber como cuidar da usabilidade e navegabilidade da sua página é a melhor maneira de fazer com que os visitantes do seu site queiram fazer compras e que recomendem a plataforma para os seus amigos. 

Ao mesmo tempo, ter uma central de relacionamento ágil e empenhada em resolver dúvidas e oferecer soluções para o público é parte importante de qualquer loja virtual.

Por fim, construir uma ponte de comunicação eficiente com os parceiros Dropshipping é o segredo para montar uma base sólida nesse formato de trabalho, de maneira que se possa conquistar bons desempenhos na sua empresa. 

Sendo assim, se você já estava considerando o Dropshipping como uma possibilidade interessante de montar o seu próprio negócio, certamente esse conteúdo ajudou no esclarecimento de algumas dúvidas. 

Então, não deixe de investir nos pontos abordados acima e tenha a tranquilidade de atingir bons resultados no seu negócio virtual.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Matriz BCG

Matriz BCG: conheça mais sobre essa ferramenta

Já imaginou uma ferramenta ou metodologia que permitisse ter uma visão ampla sobre um negócio, seus produtos e a recepção dos clientes, tudo de modo estratégico e voltado para o futuro? Eis aí a grande proposta da Matriz BCG.

Pode parecer que essa sigla não diga muito sobre o método, pois ela remete ao Boston Consulting Group, famoso grupo de consultoria empresarial norte-americano. Mas isso diz tudo sobre a história e o contexto em que a Matriz BCG surgiu.

Ela foi concebida na década de 1970, por um desenvolvedor chamado Bruce Henderson, que se esforçou ao máximo para tornar o método bastante visual, amparado em um desenvolvimento gráfico de análises.

Isso é importante para nos contextualizar sobre a origem de algo que pode mudar nossa empresa de patamar. No sentido de já entendermos, de antemão, que se trata de um método intuitivo, que pode ser aplicado por todos os interessados.

Desde sua criação, essa análise ou matriz se tornou a mais utilizada no mundo todo, segundo o famoso livro “Manual de Estratégia: Conceitos, Prática e Roteiro”, de autoria de José Crespo Carvalho e José Cruz Filipe.

Quem é da área nem precisa de referências, pois certamente já está acostumado a aplicar o método na rotina de desenvolvimento de produtos e soluções. Especialmente com foco em análises de portfólios e estratégias ligadas ao ciclo de vida de cada produto.

Na prática, essa “visão ampla” que mencionamos acima é a visão sistêmica, ou ainda visão holística de que tanto se fala atualmente. De fato, hoje em dia nada é mais importante do que a capacidade de “conversar” com o futuro.

De fato, em um mercado cada vez mais concorrente, saturado e desafiador, e sem um método que permita debater quais produtos merecem continuar na linha de produção, e quais não merecem, dificilmente uma empresa vai conseguir se manter.

Já adiantamos que a aplicação da Matriz BCG não é difícil. Mas, para aplicá-la de maneira realmente funcional e promissora, é preciso conhecer suas etapas e alguns conceitos, que vamos aprofundar adiante.

Então, se você quer conhecer mais sobre essa ferramenta incrível, basta seguir na leitura.

Por dentro da lógica da Matriz BCG

A Matriz BCG, tal como se consagrou no mundo todo, é dividida em dois blocos ou quatro partes distintas. Os blocos dizem respeito às métricas, que incluem o nível “Alto” e o nível “Baixo”, e remetem a dois conceitos práticos.

O primeiro é o de “taxa de crescimento de mercado”, que compara produtos, como o desempenho de um vinho malbec argentino com outras bebidas do mesmo portfólio. Claro, os produtos comparados precisam ter um ticket e um perfil semelhantes.

O segundo bloco diz respeito à “participação do produto no mercado”, o que alguns chamam de “participação relativa”. Essa métrica tem uma visão ainda mais abrangente sobre a realidade do produto dentro da empresa e no mercado como um todo.

Já as quatro partes ou etapas vão muito além, completando os dois blocos/eixos dessa tabela gráfica que é a Matriz BCG, conforme os seguintes símbolos:

  • A interrogação: introdução de um novo produto;
  • A estrela: produtos de crescimento no mercado;
  • A vaca leiteira: ponto de maturidade de um produto;
  • O abacaxi: símbolo de alerta e declínio no mercado.

Adiante aprofundaremos a aplicação desse gráfico. Mas já ficou claro que, se você vai lançar uma novidade como incluir um vinho lambrusco branco em sua carta de vinhos, o primeiro passo é considerar a Matriz BCG.

Ademais, tantos os dois ciclos de mercado dos eixos, quanto os quadrantes, foram pensados de modo pragmático para que um bom líder consiga fazer as demonstrações diante de sua equipe, já que as análises envolvem vários setores da empresa.

Os produtos “interrogação” e “estrela”

O ponto de interrogação é, no sentido lógico, o primeiro quadrante de todos. Trata-se de produtos que ainda não podem ser julgados com base em métricas reais, apenas cenários e conjunturas que se faça no plano de lançamento.

Se você acaba de lançar um bolo de leite ninho simples na sua loja, essa proposta ainda está no reino da aposta, da novidade. Na prática, a empresa não fica parada, é claro, pois o marketing serve justamente para esse tipo de cenário.

Mas a Matriz BCG ainda não consegue canalizar seu potencial analítico para tais itens. Às vezes não é nem sequer um produto novo, mas todo um nicho de mercado que uma marca disruptiva acaba de inventar.

Um ponto essencial a levar em conta é que realmente a adesão do público costuma ser baixa nesses casos, então não há espanto no sentido de colocar tais produtos no quadrante da interrogação, é tudo uma questão de método.

Outro ponto importante é o modo como o produto do quadrante interrogação cruza os dois eixos. Isto é, a maneira como se relaciona com o crescimento de mercado, que é alta, e com a participação do produto no mercado, que é, naturalmente, baixa.

Pela lógica, o próximo passo ou tipo de produto é o “estrela”. Como o nome já sugere, trata-se dos produtos mais interessantes ou principais de qualquer portfólio. Seria como um champagne magnum que gerasse a melhor rentabilidade para a loja.

É o alto índice de resultados/vendas que justifica sua posição de destaque, bem como sua função de manter a marca bem posicionada no mercado. Porém, existem algumas ponderações a serem feitas em relação a ele.

Primeiramente, o fato de ser um produto que, embora não seja tão novo quanto os do quadrante de interrogação, ainda não é estável em termos de vendas contínuas. Ele está vendendo muito porque é algo inovador, tem um forte potencial.

É o caso de uma marca que acaba de ter uma grande ideia, cujo produto principal se mostra um verdadeiro “arrasa quarteirões”. Contudo, é preciso testá-lo no tempo, ver se a aderência é contínua e a consolidação de mercado vai se dar de fato.

O que são o “abacaxi” e a “vaca leiteira”

Mesmo quem nunca ouviu falar na Matriz BCG, certamente já deve ter ouvido a expressão “abacaxi”, como indicando algo que não dá bons resultados ou gera transtornos. Isso diz muito sobre esse quadrante, e o processo de decadência de um produto.

Claro, se uma fabricante de alimentos para eventos percebe que itens como panquecas estão entrando em baixa no gosto do público, ela pode investir mais em crepe para festa, ou em waffles e soluções similares que substituam o produto em declínio.

Ainda assim, é importante manter no radar ou no gráfico BCG o ciclo de vida desses produtos, até como modo de evitar que outros entrem em declínio igual. O que nem sempre é impossível, pois as possibilidades de remarketing e “revisitação” estão sempre aí.

Enfim, a “vaca leiteira”, que é o sonho de toda marca. Se o produto estrela tem altos índices de venda, lembremos que os investimento também são altos, pois demandam muitos testes, muito marketing e reciclagem constante.

Já neste quarto quadrante ou cenário, o produto se consolidou, portanto continua vendendo tal como um produto estrela, porém sem altos custos. Daí sua expressão, que significa a capacidade de “ordenhar” o produto sempre, sem escassez.

Imagine uma loja que vende lembrancinha de chocolate, por exemplo. Não é preciso muito esforço para perceber que esse tipo de lembrancinha ou brinde sempre vai ter uma alta aderência no mercado.

Vale notar que a relação do produto de tipo “vaca leiteira” com as duas linhas do eixo é alta. Portanto, ele tem uma boa participação relativa de mercado e, ao mesmo tempo, um crescimento de mercado elevado, por ser consagrado.

Como se dá a dinâmica da Matriz BCG?

Falar sobre os quatro tipos de produto e sobre as duas linhas do eixo já é algo suficientemente proveitoso para entendermos como se dá o ciclo de vida de um produto.

Ainda assim, podemos abordar o método em termos de aplicação. A primeira grande dica é contentar-se com o fato de que nem todo produto vai chegar a ser “vaca leiteira”, ou mesmo “estrela”.

Como no caso de uma fábrica de peças plásticas, que precisa ter um portfólio grande, justamente para poder equilibrar esse mix de soluções, o que é normal.

Estrategicamente, é o lucro praticamente garantido do “vaca leiteira” que permite a inovação no mercado. O maior mérito da Matriz BCG é fazer a marca compreender essas relações do ciclo de vida, para conseguir consolidar-se realmente.

O sucesso de qualquer empresa está, por assim dizer, em sua carteira de produtos, e não apenas na “carteira de clientes”. Já que, afinal, sem bons produtos, não há compradores constantes.

Imagine o caso de um buffet de massas. Ele precisa ter um gráfico muito claro sobre quais itens são os que mais atraem seus clientes, e mais garantem o fechamento de pedidos e contratos, pois as estratégias vão girar em torno disso.

Hoje, toda grande empresa trabalha seu mix de produtos baseada nessa filosofia. Com isso, vemos como a Matriz BCG é uma ferramenta incrível para todo tipo de marca, especialmente as que querem se consolidar como referência no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

NPS

O que é NPS e como aplicá-lo em seu negócio

Qualquer empresário que abre um negócio e deseja que ele prospere sabe da necessidade de investir tempo e de aplicar estratégias para mensurar os seus resultados. O NPS (Net Promoter Score) é uma dessas alternativas e pode ser utilizado em diferentes comércios. 

Deter a administração de uma empresa é uma tarefa que possui diversos desafios. Isso porque é necessário mantê-la competitiva para que se possa vender mais e aumentar o faturamento da marca. 

Muitas vezes, esse tipo de investimento faz com que a companhia tenha dificuldades em cuidar do seu público, ou seja, de entender se o nível de satisfação está adequado e trará efeitos positivos para o crescimento da empresa. 

Ao deixar isso de lado, é possível que o negócio esteja sendo prejudicado em grandes proporções. Isso porque o estabelecimento que não mantém um contato próximo com o seu público pode deixar de conquistar novos clientes e começar a perder os atuais.

Isso quer dizer que uma clínica de acupuntura que já possui uma boa carteira de pacientes deve potencializar o relacionamento com eles, buscando sempre entender o que os agrada e do que eles sentem falta no seu espaço. 

Afinal, pensar no seu negócio com empenho é fundamental para que ele se desenvolva, e dar o mesmo tipo de atenção para o público é a forma mais assertiva de garantir o sucesso de qualquer marca.

Ao investir nesse cuidado, a empresa não ganha apenas mais dinheiro, mas fideliza os seus clientes, conquista parceiros e promotores da sua marca, o que gera maior engajamento e indicação de quem desfrutou dos seus serviços e aprovou cada um deles.

Para ajudar nesse processo, surgiu a metodologia NPS, uma métrica que pode oferecer dados bastante relevantes para uma empresa, principalmente quanto esta se empenha em desenvolver uma base sólida de relacionamento com os seus clientes. 

Por isso, se você é empresário e quer entender melhor sobre o NPS e como utilizá-lo no seu negócio, siga na leitura deste conteúdo e conheça as principais perguntas e respostas sobre o assunto. 

O que é o NPS?

É cada vez mais comum que um cliente que solicite um serviço de entrega de remédio receba um formulário para avaliar o atendimento recebido, a satisfação dele com o produto e prazos de recebimento, e até mesmo sobre o profissional responsável pela entrega. 

Tudo isso pode fazer parte de uma estratégia da empresa para medir o nível dos seus serviços e o quanto eles são importantes para os seus consumidores. 

Quando se fala em NPS, é preciso entender que ele se trata de uma metodologia aplicada para mensurar a satisfação do público, levando em conta em que grau de fidelidade ele pode estar, independentemente do segmento da companhia. 

Para isso, a pergunta principal do NPS é: “Qual a probabilidade de você recomendar nossos produtos ou serviços a outras pessoas?”

Ao obter essa resposta, a empresa consegue entender pontos como:

  • Se há qualidade nos seus produtos;
  • Se o atendimento está sendo eficiente;
  • Se o trabalho realizado está agregando valor;
  • Se ela precisa melhorar os seus padrões;
  • Entre outros.

Com essas respostas, uma companhia especializada na confecção de camiseta personalizada para eventos consegue entender melhor se os seus processos e o seu atendimento ao cliente estão sendo satisfatórios para os clientes.

Dessa maneira, é possível aprimorar todo o trabalho feito pelo estabelecimento com base em dados reais, o que certamente impactará nos resultados de uma empresa. 

Quais são os tipos de NPS?

Existem diferentes tipos de NPS, mas é importante ressaltar dois deles: o NPS relacional e o NPS transacional.

No NPS relacional são realizadas perguntas para entender como o cliente se sente, em termos gerais, em relação ao seu negócio. Ele permite entender a satisfação e a lealdade do comprador.

Esse processo deve ser aplicado após um pedido, de modo que seja possível avaliar a percepção do cliente em relação à sua marca. 

A métrica de NPS relacional verifica os níveis de integridade da sua companhia, e pode ser realizada para medir o avanço do seu negócio de acordo com o mercado, periodicamente. 

Já no NPS transacional, a mensuração se dá de modo mais específico, pois é aplicado depois de uma interação do cliente com o estabelecimento. 

Ele pode ser usado depois de uma entrega, depois de uma chamada telefônica para a central ou no pedido de reparo de um produto com defeito, por exemplo. 

Esse tipo de NPS é medido por meio de um feedback do cliente, e pode ser utilizado para aperfeiçoar o ciclo de vida de um consumidor do seu negócio. 

Portanto, independentemente da variedade de produtos comercializadas pela sua empresa, sejam eles um controle de acesso externo ou peças de roupas infantis, é possível aplicar esses dois tipos de NPS para entender o nível de satisfação do seu público. 

Como calcular o NPS e quais são as classificações dele?

Calcular o NPS é mais simples do que se imagina. Para isso, é necessário desconsiderar as avaliações passivas recebidas pelos entrevistados. 

Depois, é preciso saber qual a porcentagem de clientes promotores e subtrair o valor correspondente à porcentagem dos clientes detratores. Assim, o resultado pode variar entre -100 e 100.

Em resumo, a fórmula para calcular o NPS pode ser elaborada assim: % CLIENTES PROMOTORES – % CLIENTES DETRATORES = NPS da sua empresa. 

Para facilitar a compreensão, é possível usar um exemplo fictício de uma empresa que fabrica adesivo plástico personalizado que quer conhecer o seu NPS.

Após a aplicação da pergunta sobre a probabilidade de indicação, ela pode ter recebido o seguinte resultado: 20 respostas, sendo 12 de clientes promotores, 4 de clientes passivos e 4 de clientes detratores. 

Para realizar a conta, ela deve desconsiderar as avaliações passivas e subtrair a quantidade de clientes detratores do número de clientes promotores.

Ou seja, os promotores são, neste caso, 60% dos resultados e os detratores são 20%. Portanto, a nota do NPS da empresa está em 40%.

Essa métrica ajuda a entender se a empresa precisa rever os seus processos, entendendo melhor no que ela deve investir e o quanto o seu relacionamento com o público está afetando a imagem do negócio. 

A classificação do NPS é dividida em áreas, e pode ser encontrada de acordo com o número obtido no cálculo acima. 

  • Excelência: resultado entre 76 e 100;
  • Qualidade: resultado entre 51 e 75;
  • Aperfeiçoamento: resultado entre 1 e 50;
  • Crítica: resultado entre -100 e 0.

Dessa forma, números baixos podem ser um indicativo de que é necessário fazer melhorias, e números altos indicam que a companhia está no caminho certo. 

Então, não deixe de aplicar o cálculo do NPS para mensurar se o seu estabelecimento de comida para empresas está superando as expectativas do seu público, indicando que um bom trabalho está sendo realizado pela sua equipe. 

Quais as vantagens de usar o NPS?

Depois de entender melhor o que é o NPS, quais os tipos dele e como obter o resultado da sua empresa, é importante saber quais são as vantagens dessa metodologia, de maneira que seja possível aplicá-la continuamente no seu negócio. 

1. Calcular o número de vendas recorrentes

Ao aplicar o NPS, você conhecerá melhor a probabilidade de fazer vendas recorrentes. Isso quer dizer que os clientes que já compraram da sua empresa certamente voltarão para novos pedidos. 

Por isso, entender como calcular o NPS ajuda a ter uma visão sobre faturamento e sobre a necessidade de investir em ações específicas para otimizar o relacionamento com o público. 

2. Entender se é preciso mudar processos

Uma imobiliária que trabalha com a locação de salas para treinamento também pode entender se é preciso mudar os seus processos após a mensuração pelo NPS. 

Isso porque ela pode aplicar questionamentos após o encerramento de um contrato, que vai ajudá-la a perceber se a apresentação do espaço, a negociação e os prazos e preços estavam de acordo com a expectativa do cliente. 

3. Ter acesso a dados valiosos

Entender o que o cliente está pensando sobre a sua empresa é um dado de grande valor, pois permite que você tenha maiores chances de adaptar processos e oferecer produtos ou serviços cada vez mais assertivos para o público. 

Assim como um estudante precisa de um ambiente de estudo adequado para cumprir as suas metas de avaliação, uma empresa depende de informações vindas dos seus clientes para conseguir melhorar a sua atuação e garantir o desenvolvimento da sua marca. 

Nesse sentido, o NPS é uma ferramenta indispensável, pois permite conhecer a opinião do cliente de maneira prática e fidedigna, dada a sua pergunta prática e objetiva sobre o nível de satisfação do comprador. 

Por isso, se você é empresário e reconhece que está precisando mensurar de forma mais aprofundada os processos do seu estabelecimento, o NPS é uma metodologia eficaz e interessante. 

Sendo assim, não deixe de utilizá-la o quanto antes para otimizar o seu negócio e fazer com que ele cresça com maior consistência e sustentabilidade.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.