Happy smiling couple shopping online at home. Technology, e-commerce concept

Quais passos tomar para definir o cliente ideal para o seu e-commerce?

Hoje em dia, é muito comum ouvir falar sobre persona do público, perfis da persona e público-alvo. Mas será que realmente todas as empresas e todos os gestores de marketing sabem como impactar o seu cliente ideal, gerando mais vendas?

A internet também ajudou na disseminação dessas ideias, trazendo conceitos e até conselhos que podem ajudar as marcas. Porém, é muito comum vermos certas confusões acontecendo na hora de aplicar as ideias, o que acaba comprometendo os resultados.

Se repararmos na quantidade de acao de marketing promocional diariamente na internet, veremos que muitas marcas estão tentando melhorar seus números, ou simplesmente fortalecer o negócio e marcar presença online.

Quando falamos em e-commerce tudo isso tem ainda mais fundamento, seja no sentido do crescimento ou dos desafios que cada firma encontra no meio do caminho. Quem confirma isso é uma pesquisa da Ebit|Nielsen Webshoppers.

O levantamento demonstra que a crise da pandemia de 2020 não retraiu o segmento. Pelo contrário, trouxe uma curva de crescimento que nunca se viu, chegando a atingir algo acima de 50% e cerca de 15 milhões de novos consumidores online.

É justamente nesse cenário que uma empresa precisa entender melhor quais são os passos corretos para definir o seu cliente ideal, de modo a impactá-lo, engajá-lo e conseguir transformar a loja virtual em tudo aquilo que ela pode ser.

No fundo, trata-se do mesmo esforço de sempre, que o marketing já enfrentava ao vender caderno de anotacoes personalizado em uma papelaria de bairro, e agora enfrenta nesse universo cheio de novidades que é a internet.

Trata-se de entender a fundo o cliente e pensar com a cabeça dele, conseguindo estar no lugar certo, na hora certa e do jeito ideal. Só assim é possível ter um resultado sólido e sustentável, que se confirmará no tempo.

O mais interessante é que essas estratégias de definição do cliente ideal evoluíram tanto, que elas realmente podem ajudar qualquer segmento, seja para vender maquinário industrial ou prestar serviços como educacao infantil bercario.

Sendo assim, se você quer entender de uma vez por todas como criar laços profundos com sua clientela, indo muito além de simplesmente ter picos de vendas e depois cair no ostracismo, então basta seguir adiante na leitura.

O que é um “cliente ideal”?

Antigamente, as empresas pagavam instituições para fazer censos demográficos complexos, ou usavam por subsídio dados de instituições como o próprio IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mas, nos dias de hoje, ainda há muitos escritórios de consultoria para esse tipo de levantamento, embora empresas menores possam conseguir dados semelhantes por meio da internet de vários modos diferentes, como veremos adiante.

O que tudo isso demonstra, desde já, é que as informações necessárias para definir qual realmente é o cliente ideal de uma marca não surge de “achômetros”, mas sim, de um esforço muito sério e profissional.

Se a firma lida com aluguel de stand para divulgacao, que é um serviço B2B (de empresa para empresa), pode ser ainda mais complicado do que nos casos tradicionais do B2C (de empresa para consumidor).

Ademais, se antes esse esforço já era grande e girava em torno de definir o público-alvo, hoje descobrir o “cliente ideal” ainda passa por etapas mais modernas. É justamente aí que surge a noção da persona da marca e dos perfis da mesma.

Por isso, o primeiro passo para definir o cliente ideal para o seu e-commerce é entender esse conceito tal como estamos explicando aqui, de modo aprofundado.

1 – Definindo o público-alvo

Um erro comum é considerar que, uma vez que o e-commerce e a internet trouxeram a necessidade das personas, falar em público-alvo é algo ultrapassado e desnecessário.

Na verdade, continua sendo extremamente importante definir esse público, até porque é a partir daí que você poderá aprofundar os perfis da persona.

Afinal, se a empresa trabalha com estampagem de camisetas, como ela começa a entender melhor as expectativas e os hábitos dos seus clientes?

O público-alvo precisa definir traços mais gerais, tais como:

  • A profissão;
  • A faixa etária;
  • O poder aquisitivo;
  • O endereço;
  • Os gêneros.

Às vezes a marca pode atender todos os gêneros, mas certamente tem um que é mais inclinado para aquela solução, então é preciso identificá-lo em termos percentuais.

Enfim, aqui está o segredo, no esforço de criar esse modelo inicial do cliente, fazendo um recorte que permita tatear o mercado, em vez de simplesmente partir do pressuposto de que todo mundo é seu cliente em potencial.

2 – Sobre os perfis da persona

Antes de sair criando estratégias de venda com base na imagem inicialmente criada, é preciso dar esse passo a mais, que é o do conceito de persona.

Também é comum as marcas definirem logo a persona de público, esquecendo-se de que o esforço começa com a persona da marca. Ou seja, sua filosofia e os famosos pilares de Missão, Visão e Valores.

Por exemplo, uma empresa de mobiliario urbano em sao paulo pode abraçar bandeiras como a da sustentabilidade, mostrando a importância de tornar o espaço comum da vida em sociedade melhor para todos, indo muito além de apenas querer “vender mais e mais”.

Então, a definição da persona do público pode ser feita com a ajuda da sua equipe de marketing, ou com um empresário autônomo que está começando sozinho.

O importante é que, além de perguntar-se apenas sobre profissão, endereço e dados genéricos, você entre fundo na psicologia do seu consumidor, questionando:

  • Onde está meu cliente ideal?;
  • O que ele faz nas horas vagas?;
  • Como ele consome notícias?;
  • Ele curte músicas, filmes e séries?;
  • Quais as convicções políticas dele?;
  • O que ele ama ou odeia que uma marca faça?;
  • Qual sua rede social preferida?;
  • Ele assiste TV ou ouve rádio?;
  • Entre outros.

Enfim, ao responder essas perguntas da persona, você dá o passo seguinte: criar dois ou três perfis semi fictícios, com nome e até foto de alguém real.

Assim, cada ação ou campanha do seu e-commerce será feita tendo em vista esse “cliente ideal”, de modo que a assertividade do seu marketing vai aumentar muito.

Os subsídios podem vir das pesquisas que já citamos, mas também dos clientes que você já tem (por meio de entrevistas, enquetes, quizzes e afins), além de plataformas digitais, como as mídias sociais, que dão um material farto para isso.

3 – O poder da segmentação

O importante até aqui é compreender que, além do passo a passo para chegar a montar esses modelos, é fundamental saber como implementá-los na prática, ou então tudo não passará de teoria e jamais sairá do papel.

Um exemplo muito prático que pode trazer resultados para qualquer e-commerce é o da automatização do funil de vendas, baseado em segmentação de leads.

Imagine um e-commerce que vende insumos para flyer de divulgacao. Ele simplesmente pode montar um banco de leads e, com base nos perfis já definidos, criar baterias filtradas de disparo de e-mail automático, aumentando a assertividade.

Assim, em vez de simplesmente disparar as promoções a torto e a direito, sem levar em conta qual lead realmente tem sinergia com aquela proposta, você vai utilizar a tecnologia a seu favor, com base nas definições do seu “cliente ideal”.

Lembrando que isso não vai aumentar apenas as vendas e resultados no curto prazo, mas também a satisfação do seu cliente, que vai se sentir especial.

4 – Diferenças entre cliente ideal e persona

Por fim, outro exemplo de como seu e-commerce pode aplicar estratégias de vendas com base nos conceitos trazidos aqui, está na comunicação que você estabelece com o público.

Alguns chamam esse modelo de “cliente ideal” de Ideal Customer Profile (Perfil de Cliente Ideal), outros chamam de Buyer Persona (Persona do Comprador). Na verdade, há uma diferença sutil entre ambos, que você precisa levar em conta.

A estratégia de “cliente ideal” deve focar mais nas dores e nos valores do público, já a persona vai além e traz os hábitos e convicções, tal como já colocamos.

Na prática, isso faz diferença, uma vez que você deve aplicar a noção de “cliente ideal” em suas estratégias internas, direcionando os esforços de vendas, como no caso da segmentação de leads que citamos acima.

Já a persona é algo que pensa diretamente na linguagem utilizada e no contato com o mundo externo. Por exemplo, um banco de leads ou uma pesquisa sobre o universo da impressao digital, com foco no comportamento e na receptividade.

Enfim, ao calibrar bem essa divisão de trabalho você dá um passo fundamental, no sentido de utilizar a definição de cliente ideal de modo a tornar o e-commerce ainda mais eficiente.

Conclusão

Com isso chegamos ao fim, deixando claro que definir o cliente ideal para o seu e-commerce passa por etapas que vão desde conceitos até aplicação prática.

Se o público-alvo e os perfis da persona podem ajudar, também é verdade que não podemos confundi-los, ou não atingiremos a assertividade necessária para aumentar as vendas.

Finalmente, além de conseguir resultados melhores no curto prazo, o mais bacana é que tudo isso traz um crescimento sustentável, com foco também no médio e longo prazo dos seus negócios online.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

geração de leads

Geração de leads: 5 estratégias para você captar possíveis clientes

Toda empresa precisa entender o que é a geração de leads, uma vez que, atualmente, é o caminho mais rápido para atrair e conquistar novos clientes.

O mercado está muito concorrido em qualquer setor, portanto, se destacar em seu nicho de atuação e atrair pessoas para o seu negócio não é uma tarefa fácil. Inclusive, pode ser até mesmo considerado como um desafio para os empreendedores.

Vale dizer que essa situação não está relacionada apenas ao aumento da concorrência, mas também ao comportamento cada vez mais exigente dos consumidores.

Com o marketing digital a situação não é diferente. Se uma empresa quer conquistar um número maior de consumidores, ela precisa de boas estratégias de marketing digital para conseguir mais leads, ou seja, potenciais clientes.

Se você quer ter um negócio de sucesso, então precisa saber como conquistar leads qualificados. Esse processo depende de um bom planejamento e do uso das estratégias corretas.

Tendo um bom número de pessoas interessadas na solução que seu negócio oferece, é natural que as oportunidades de venda também aumentem.

Pensando nisso, neste artigo, vamos explicar o que é lead, sua importância, dar algumas dicas, bem como mostrar quais são seus benefícios. Então, para acabar com as suas dúvidas, continue a leitura.

O que é lead?

Lead nada mais é do que alguém que, em algum momento, demonstrou interesse pelo seu produto ou serviço vendido. O primeiro contato é, digamos, provocado pela marca.

Ou seja, ela não vai diretamente em busca do cliente em potencial por meio de estratégias, como ligações. Mas sim, recebe algum tipo de contato de uma pessoa que se sentiu atraída por suas soluções.

Um exemplo disso é uma fabricante de painel de led para igreja que realizou uma pesquisa online e teve um bom número de pessoas que responderam.

Portanto, quando o visitante de um site preenche um formulário contendo dados simples, como nome e e-mail, ele passa a ser considerado um lead.

A partir disso, a marca pode enviar um e-mail para ele com um conteúdo, o que se torna uma forma de contato menos intrusiva, do que simplesmente ligar e oferecer produtos ou serviços que nem ao menos sabe se esse cliente de fato precisa.

Sendo assim, podemos resumir que o objetivo de atrair leads é estabelecer uma comunicação mais aberta com essas pessoas, a fim de entender suas reais necessidades, para aí sim oferecer seus serviços.

Importância da geração de leads para os negócios

Para um estúdio de gravação de áudio ou qualquer outra empresa, gerar leads é importante porque o processo de compra mudou, o que implica em encontrar novas maneiras de alcançar o público.

A internet acabou com a escassez de informações e trouxe uma enxurrada de conteúdos sobre absolutamente qualquer tipo de assunto.

Essa quantidade enorme é criada constantemente, mas que, por outro lado, pode levar as pessoas a não prestar tanta atenção, uma vez que não conseguem decidir onde manter o foco.

É necessário investir em práticas que prendam a atenção do público, levando em conta que as pessoas estão tão sobrecarregadas de informação que tendem a não dar ouvidos àquilo que não lhes interessa.

Por outro lado, quando alguém está interessado em algo, como som e iluminação para festas, quer saber tudo sobre o assunto e daí surge a necessidade de as marcas se relacionarem com o seu público-alvo.

Para construir esse relacionamento, é importante investir na criação de conteúdo relevante. No entanto, essa estratégia é mais abrangente do que parece.

Exemplo disso é o fato de que as organizações precisam entregar aos seus clientes exatamente o que eles precisam, uma vez que isso desperta sua atenção e faz com que se aproximem mais da marca.

Este é o processo que garante a geração de leads, ou seja, despertar o interesse das pessoas, atravessando com eles todo o processo de compra.

Quando alguém demonstra interesse genuíno por algum produto ou serviço, como montagem de stands, cria uma relação com a empresa, obtendo as informações que precisa e caminhando para o momento da compra.

É o que chamamos de inbound marketing, e trata-se do momento em que a marca atraiu seu público e pode iniciar o trabalho com sua equipe de vendas – levando para a segunda parte do processo de geração de leads.

Dicas para gerar leads

Agora que você entendeu a importância de gerar leads, vamos dar algumas dicas para implementar esse processo em seu negócio. São estratégias como:

1. E-mail marketing

O e-mail marketing é uma das melhores maneiras para um negócio gerar leads, porque por meio dele, é possível enviar mensagens convidando os contatos para eventos, além de promover produtos e serviços.

Uma boa prática de uso do e-mail marketing nesse sentido é usar uma lista de e-mails para divulgar conteúdos de outra com contatos mais segmentados.

2. Convites para eventos

Já que falamos sobre isso na dica anterior, saiba que, para qualquer tipo de negócio, como um buffet para festa de casamento simples, divulgar eventos é uma das maneiras mais eficientes de gerar leads qualificados. Alguns deles são:

  • Seminários on-line;
  • Palestras;
  • Aulas;
  • Lançamentos;
  • Entre outros.

É necessário informar que somente as pessoas que preencherem o formulário de contato terão acesso ao link para participar do evento.

3. Redes sociais

As redes sociais são excelentes plataformas que permitem que as empresas se aproximem dos consumidores de maneira mais pessoal.

Por exemplo, uma loja de artigos esportivos pode responder às dúvidas de seus seguidores e sugerir que eles entrem em seu site para preencher o formulário e ter acesso a um conteúdo completo exclusivo, como um e-book.

Você também pode compartilhar o link de sua landing page na linha do tempo e também de publicações destinadas à conversão de visitantes em leads.

Também é válido incorporar esses links da biografia dos perfis, como Facebook, Instagram e outras redes sociais que sua marca utilize.

4. Site institucional

Os sites são importantes canais onde os visitantes podem ler mais sobre a marca, seus produtos e serviços e, possivelmente, se interessar por eles.

É interessante distribuir as chamadas para ação (Call to Action, ou CTA) em diferentes formatos e com segmentações diferentes.

Exemplo disso é uma empresa de crepe para festa fazer um CTA que convide os visitantes a assinarem a newsletter, e outro que permita o download de um material.

5. Search Engine Optimization (SEO)

O SEO é um conjunto de estratégias importantes para otimizar o site da sua empresa e fazer com que ele apareça nas primeiras páginas de resultados de pesquisa.

Para usá-lo a favor da captação de leads, é necessário criar publicações que usem boas palavras-chave que sejam pesquisadas pelo público-alvo.

Assim, é mais provável que elas deixem seus dados de contato, visto que você entregou materiais que responderam às suas dúvidas.

Vantagens e resultados

A prospecção de leads traz diversas vantagens para as empresas, como uma fabricante de banner horizontal, que refletem diretamente em seus resultados.

Uma delas é o aumento da taxa de conversão, uma vez que é muito mais fácil vender para alguém que já demonstrou algum tipo de interesse no que está sendo ofertado.

Ou seja, há muito mais chances de aumentar as taxas de conversão trabalhando com a captação e a qualificação dos leads.

Os leads são contatos exclusivos da sua empresa, ou seja, durante a comunicação com eles, principalmente por e-mail, você não precisa dividir espaço com outros concorrentes.

Além do mais, a velocidade das conversões também é maior. Se formos comparar algumas ações, como o contato telefônico, convencer o consumidor a comprar é muito mais difícil do que quando o interesse parte dele.

Preencher um formulário de contato é demonstrar interesse nos produtos e serviços, como flyer de festa. Ao nutri-lo com conteúdos e até mesmo durante o contato de um vendedor, fica muito mais fácil vender.

A credibilidade do seu negócio também aumenta, e isso acontece porque é possível saber qual o momento ideal e de que maneira o potencial cliente deve ser abordado.

Isso evita uma comunicação inconveniente e vai de encontro com aquilo que realmente interessa para seu contato e a solução dos problemas dele.

Conclusão

O comportamento de consumo das pessoas mudou muito, e isso acontece porque o mercado está saturado de marcas que oferecem as mesmas soluções.

Os consumidores têm acesso a infinitas possibilidades e podem escolher a dedo quem vai comprar. É por isso que as organizações precisam conquistá-los e mostrar que estão interessadas nos desejos e necessidades deles.

É uma maneira singela de despertar seu interesse e fazer com que eles mesmos busquem estabelecer um contato com a sua marca.

Gerar leads é atrair para o seu negócio pessoas com chances reais de se tornarem clientes, aumentando a confiança delas e oferecendo soluções que realmente atendam aos seus objetivos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

CRM

CRM: o que é e qual sua importância

O CRM, sigla para Customer Relationship Management (ou Gestão do Relacionamento com o Cliente) vai muito além de apenas um software. Trata-se de uma abordagem que tem como principal foco os processos de uma empresa o cliente.

Percebendo e antecipando suas necessidades para encontrar as melhores formas de atendê-lo.

O conceito é bem simples: basicamente criar toda uma estratégia de negócios com foco no cliente. Essa estratégia engloba todas as áreas da empresa, desde o operacional até as ações de marketing, vendas e, principalmente, atendimento. 

O processo básico consiste em:

  • Definir;
  • Medir;
  • Analisar;
  • Melhorar;
  • Controlar.

Para facilitar a aplicação destas estratégias, existem diversos sistemas CRM, soluções tecnológicas que permitem um melhor preparo e execução dos elementos necessários para a realização do CRM.

Uma empresa de catraca para academia pode estar com as vendas em baixa por não conseguir lidar de forma adequada com seus clientes. Utilizar uma nova ferramenta estratégica pode acabar mudando completamente a situação da empresa.

Hoje em dia, principalmente por conta do avanço na tecnologia e a facilidade de contato que a internet traz, o perfil do cliente mudou.

Aos poucos, o relacionamento entre consumidor e marca evoluiu e tornou-se a mais importante etapa de um processo de vendas, com a criação de conceitos, como a experiência do cliente.

Não basta um folheto a3 indicando a um cliente que ele pode ter confiança para comprar um produto ali. As relações em si mudaram ao longo do tempo, e uma empresa deve se atualizar para manter-se competitiva.

Isso porque, com muito mais opções de compra no mercado, o diferencial no atendimento tornou-se um dos principais motivos de conquista no mercado. O cliente deve ser cativado, com uma interação inteligente e amigável, que não o diminua a um número.

Um sistema CRM armazena todas as informações que pode sobre clientes atuais e aqueles que ainda não completaram uma transação. Dados como nome, endereço, número de telefone, contatos anteriores que ele teve com a empresa, entre outros.

Com isso, o sistema permite um acompanhamento muito melhor do cliente em questão, que se sentirá muito mais valorizado ao se dar conta de que há um esforço para compreender suas necessidades e buscar soluções adequadas.

Uma série de processos podem ser considerados obsoletos hoje em dia. Para poder deixar de lado estes recursos e acelerar o trabalho com a automação nas áreas necessárias para poder focar-se no cliente, as ferramentas do CRM são fundamentais.

Uma clínica de drenagem linfática no rosto pode utilizar esse sistema para conseguir identificar as necessidades de seus clientes e apresentar novas propostas no mercado estético.

Isso porque você consegue automatizar o repasse de leads para sua equipe de vendas trabalhar, buscando um contato mais próximo e real com estes possíveis clientes, com o objetivo de encontrar uma conversão maior.

Tipos de CRM

Existem dois modelos básicos de CRM,sendo o Local e o de Nuvem. O caminho que sua empresa vai trilhar depende muito da necessidade e do orçamento disponível para identificar em qual deles você melhor se encaixa.

O CRM Local, também conhecido como On-Premise, é o sistema que é mantido em um servidor físico dentro da empresa. Por ser um equipamento delicado e complexo, é importante que seu estabelecimento tenha uma equipe de TI própria para lidar com ele.

Isso permite que esses profissionais possam manter um maior controle sobre o sistema, mas é importante pensar que todos os processos se tornarão extremamente independentes da equipe de Tecnologia da Informação.

Isso porque qualquer falta de energia pode atrapalhar o uso do sistema, além de problemas de outras fontes que dependam do trabalho constante de suporte do TI para conseguir uma boa utilização.

Além disso, este formato costuma ser mais custoso, uma vez que o equipamento necessário para seu uso pode acabar saindo caro.

Por exemplo, uma clínica de nutricionistas que elaboram plano alimentar para emagrecer provavelmente não terá a estrutura necessária para manter um servidor ativo como uma empresa multinacional tem.

Por isso, muitas empresas têm optado pelos serviços online. Mesmo que estes dependam da internet e estejam sujeitos a uma falha caso a conexão se perca por algum motivo, o sistema tem funcionalidades muito mais atuais neste formato.

Com este modelo, você consegue acessar o sistema 24 horas por dia, todos os dias da semana, de qualquer lugar que você esteja, desde que possua pelo menos um smartphone ou computador e conexão com a internet.

Essa mobilidade é perfeita para pessoas que costumam ter que trabalhar viajando, uma vez que elas podem continuar acompanhando os registros da empresa, independentemente do local.

Os custos de utilização de um serviço desses, se constatado de um especialista, é muito menor que o de montar e configurar um servidor próprio.

Além disso, normalmente as empresas que oferecem esse tipo de serviço já tem suas próprias equipes de TI, que oferecem suporte ao longo de todo o dia, sem gerar custos maiores para a empresa.

Com isso, é possível focar-se nos elementos principais de sua estratégia de negócios, que é a captação e conversão de clientes. Isso porque toda a etapa automatizada do serviço facilitará a busca para a equipe de vendas conseguir melhores resultados.

Benefícios e resultados do CRM

A utilização do CRM pode trazer uma série de benefícios tanto para uma empresa de placas informativas personalizadas, quanto para uma loja de equipamentos eletrônicos, uma vez que a estratégia é muito mais ligada no contato com o cliente.

Conheça, a seguir, algumas das vantagens trazidas com o uso do CRM.

1. Relacionamento com clientes

Por mantê-lo sempre no foco negocial, o CRM permite que o relacionamento com clientes se torne muito mais dinâmico, alcançando resultados melhores.

Isso porque todas as negociações passam a se tornar sistemáticas, fazendo com que a gestão de vendas seja potencializada para seu empreendimento.

Compreendendo o cliente e suas necessidades, você consegue identificar o melhor resultado para ele e gera um aumento de fidelidade, uma vez que o cliente certamente conseguirá confiar em você.

Uma loja de vinho frutado tinto precisa conhecer seus clientes para oferecer novas experiências de consumo, conquistando-os no processo.

Além disso, o sistema cria um conceito de obtenção e análise de feedbacks, permitindo que sempre seja possível aprimorar os planos de ação em vigor e criar novas ferramentas para mudar pontos negativos que surjam em um feedback.

2. Potencializa as vendas

Com a coleta de dados realizada pela ferramenta, um vendedor terá muito mais argumentos para conseguir identificar novas estratégias de vendas com um cliente.

Isso porque ele acaba tendo acesso aos gastos anteriores do cliente, bem como produtos em que houve uma consistência em compras. Em posse destas informações, é possível para um bom vendedor trabalhar a negociação com o cliente.

Quando a equipe de vendas de uma fabricante de camiseta personalizada com logo faz uma abordagem para um cliente que ela conhece, é muito mais fácil identificar quais produtos podem ser ofertados para aumentar a qualidade do comprador.

Além de tornar mais fácil estreitar o relacionamento entre consumidor e marca.

3. Melhora a comunicação

A comunicação é um fator crucial para uma boa equipe de vendas. Isso porque muitas vezes, é necessário que um atendimento se inicie em um contato e passe para outro, ou um cliente retorne uma compra depois de ter finalizado o atendimento com outro atendente.

O sistema CRM permite um compartilhamento padronizado de dados, fazendo com que toda a equipe esteja no mesmo tom quando lidar com sua clientela.

Por isso, qualquer vendedor pode tomar uma negociação de onde ela parou sem ficar perdido ou ter que recomeçar o processo.

É possível também adicionar novas informações para auxiliar os colegas de equipe a conquistar resultados muito mais positivos e adequados para a empresa.

4. Aprimora a gestão

O sistema CRM não auxilia apenas na etapa operacional de um negócio. 

Os gestores têm em suas mãos uma ferramenta poderosa de análise, da qual em poucos instantes conseguem gerar relatórios completos de atividades e avaliar as melhores ações a serem tomadas.

A utilização dessa ferramenta por gestores amplia seu panorama de visão, permitindo que ele alcance resultados muito mais satisfatórios para a empresa.

Um gerente de uma companhia de fretamento de vans, por exemplo, pode acessar em instantes as buscas e negociações de seus serviços, conseguindo identificar as estratégias mais funcionais no processo.

Por isso, é importante que toda a equipe esteja no mesmo tom com relação a aplicação, para que o gestor consiga usufruir da melhor forma possível.

O CRM para as equipes de marketing e vendas

Em muitas empresas, as equipes de marketing e de vendas acabam se rivalizando, em grande parte porque um culpa o outro quando um trabalho não é bem sucedido. Esse tipo de discussão pode acabar sendo muito prejudicial para sua empresa.

Por isso, o ideal é criar um ambiente de conforto, onde ambas as equipes sintam-se conectadas e parte da equipe.

Com um sistema CRM, a equipe de marketing pode verificar os resultados obtidos pela equipe de vendas para formular novas técnicas de engajamento, criando um mecanismo muito mais funcional para o bom andamento das negociações.

Quando as duas equipes estão unidas, você consegue extrair o melhor de cada uma alavancando seus resultados e conquistando ainda mais espaço em qualquer mercado que sua empresa atue.

Uma empresa que decida utilizar as estratégias de CRM tem muito a ganhar, uma vez que a agilidade e padronização do processo podem alavancá-la e torná-la uma líder no mercado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

marketing digital para restaurante

Marketing digital para restaurante: saiba como aplicar essa estratégia

Fazer marketing digital para restaurante é essencial para se destacar da concorrência. Mas, além disso, o uso da estratégia é importante para atrair mais pessoas para o seu negócio e aumentar seus rendimentos.

Afinal, o marketing digital mudou a maneira como as empresas dos mais variados setores do mercado divulgam sua marca, produtos e serviços.

Se antes as propagandas no rádio e na TV predominavam, assim como os anúncios em jornais, revistas e outros veículos impressos, hoje a conversa mudou de rumo.

Esses meios, além de serem mais caros e praticamente inacessíveis para os pequenos negócios, não eram feitos de maneira direcionada. Isso porque era difícil obter informações a respeito do público e as necessidades dele, para segmentá-lo.

O marketing digital mudou essa realidade. Além de ser acessível e perfeitamente cabível financeiramente aos negócios que estão começando agora, ele é feito de maneira direcionada, chegando até o público certo e na hora certa.

Isso é essencial para qualquer empresa, e com os restaurantes não seria diferente. Os seus clientes também estão conectados e é fundamental que você esteja em um contato mais direto com eles.

Pensando nisso, neste artigo, vamos explicar por que os restaurantes devem usar o marketing digital, suas vantagens, além de dar dicas para fazer isso. Confira!

Por que usar marketing digital para restaurante?

O marketing digital é considerado a melhor estratégia atualmente. Se ele for bem trabalhado, atrai um número maior de clientes e faz qualquer negócio se destacar.

Mesmo sabendo disso, algumas pessoas continuam achando que somente um panfleto pizzaria pode ajudar. É claro que essa estratégia é importante, mas ela não é a única.

Segundo o IBGE, 116 milhões de pessoas têm acesso à internet no Brasil. Ou seja, mais da metade dos brasileiros estão conectados todos os dias, e passam horas na web.

Seu público está entre essas pessoas, por isso, uma das principais razões para se investir em marketing digital para restaurantes é o fato de que ele permite que você se conecte com um público amplo.

Também é por meio dele que o seu restaurante vai se comunicar com potenciais clientes, por meio de canais como as redes sociais.

Essas plataformas somam milhões de perfis ativos no Brasil, portanto, quem marca presença por lá certamente está próximo de seus clientes e leads, interagindo e divulgando seus produtos e serviços.

Tudo isso é feito de maneira mais acessível, uma vez que as estratégias de marketing, como folhetos restaurante, anúncios no Google e em redes sociais, assim como as práticas orgânicas, são muito mais baratas.

Além de ter um custo baixo, ainda atuam de maneira segmentada, ou seja, o seu restaurante vai atingir exatamente as pessoas que têm interesse nos produtos e serviços que você oferece.

Além do mais, a internet hoje é o meio mais relevante para fazer circular as imagens do que você vende, e nós sabemos muito bem que, no caso dos restaurantes, as fotos dos pratos e da comida são muito importantes para conseguir vender.

É possível usar ferramentas que melhoram as qualidades da imagem e você vai compartilhá-la nos melhores momentos, ou seja, quando o seu público-alvo precisa do que você vende.

Sem falar que é fundamental que o seu negócio exista na web. Para se ter uma ideia, o consumidor moderno está tão habituado ao Google que, se ele pesquisar o nome do seu estabelecimento por lá e não encontrá-lo, vai partir para a concorrência.

Então não basta investir em bons anúncios de comida congelada para semana; é preciso estar em plataformas como o Google Meu Negócio. É por meio dele que o seu restaurante entra no “mapa digital” do buscador e aparece como resultado em uma pesquisa.

Por fim, investir em marketing digital para restaurantes é importante para que o seu negócio tenha mais influência e, com isso, seja indicado pelos seus clientes.

Se você tiver uma boa presença online, as pessoas podem compartilhar seu perfil nas redes sociais, publicações no blog, dentre outros que ajudam a tornar o seu estabelecimento mais conhecido.

Agora que você já sabe por que é importante usar o marketing digital no seu negócio e de que maneira ele influencia a imagem da sua marca, no tópico a seguir, vamos dar algumas dicas de como usá-lo. Acompanhe!

Dicas de marketing digital para restaurante

O marketing digital não pode ser feito de qualquer maneira. Apesar de parecer muito fácil divulgar o seu hambúrguer artesanal diferente na internet, é preciso saber trabalhar as estratégias desse tipo de marketing.

No caso dos restaurantes, existem algumas práticas que podem ajudar ainda mais a alavancar o negócio. Entre elas, podemos mencionar:

1 – Ter uma boa identidade visual

A identidade visual vai permitir que seus clientes e o público em geral conheçam a sua empresa apenas ao ver seu logo ou qualquer postagem na web.

Ela deve estar presente em todas as ações do seu negócio, ou seja, desde as placas informativas para restaurantes até as campanhas mais caras que você investir.

Para definir a identidade visual é necessário levar em conta os valores da sua companhia e a maneira como ela conversa com o público.

Independentemente do objetivo das campanhas que você cria, é preciso que a identidade visual contenha elementos marcantes e que ajudem a sua empresa a ser identificada mais facilmente pelo público.

2 – Usar fotos profissionais

Para mostrar aos clientes os pratos que são preparados em seu estabelecimento e convencê-los a irem até o local, é imprescindível investir em lindas fotografias.

Mais do que preparar os pratos e usar o melhor smartphone para fotografá-los, é preciso conhecer algumas técnicas que talvez só os fotógrafos conheçam.

Além de conhecerem bem as melhores práticas da fotografia, eles possuem os melhores equipamentos, e sabem produzir as melhores combinações. Por isso, cogite a contratação de um profissional para ter as melhores fotos dos seus alimentos.

3 – Ter um site responsivo

Para uma boa estratégia de marketing digital, é essencial que o seu restaurante tenha um site otimizado e com boa usabilidade.

Para chegar a esse objetivo, ele precisa, em primeiro lugar, ser responsivo, ou seja, um site que pode se adaptar perfeitamente a qualquer tipo de tela, como:

  • Celulares;
  • Tablets;
  • Notebooks;
  • Desktops.

Também é importante que o site tenha um blog vinculado a ele, pois é lá que o seu restaurante vai investir na publicação de conteúdos relevantes para o público.

Inclusive, o blog é uma prática usada por empresas dos mais variados mercados, para publicação de conteúdo relevante para o público-alvo.

O consumidor está cada vez mais exigente, então se ele deseja comprar vinho francês, por exemplo, quer saber mais informações acerca do produto.

No blog do restaurante, é possível falar um pouco mais a respeito da sua empresa, os serviços que ela oferece, sobre seus diferenciais e, claro, sobre o mercado.

É com este canal que você constrói a autoridade de seu negócio, mostrando aos visitantes que você entende do que faz, facilitando, assim, as conversões.

Por fim, qualquer negócio, como um buffet de massas, precisa trabalhar bem suas estratégias de SEO tanto dentro do site como do blog, para que eles possam aparecer entre os primeiros resultados de uma pesquisa.

4 – Colocar o cardápio no site

Nós falamos mais acima sobre a importância de ter um bom site para o seu negócio, só que, além daqueles detalhes, é essencial que você inclua o seu cardápio.

Isso porque ele mostra para o cliente quais são as opções que ele tem disponíveis, e ainda traz algumas vantagens para o seu estabelecimento. Por exemplo, essa prática faz com que o visitante permaneça mais tempo em sua página.

Além disso, ao contrário do cardápio impresso, neste você pode incluir as fotos dos pratos. Também é um excelente espaço para que seus parceiros façam anúncios, o que aumenta seus rendimentos e também ajuda a divulgar o restaurante.

5 – Fazer promoções no Instagram

O Instagram é uma das plataformas mais importantes para trabalhar o marketing do restaurante. Isso porque essa rede social é voltada para a divulgação de imagens, funcionando como um tipo de vitrine para os negócios.

Além de publicar imagens perfeitas do seu estabelecimento e da comida que ele serve, em alguns períodos do ano, é interessante fazer algumas promoções.

Por exemplo, no Dia das Mães, você pode sortear um tradicional bolo caseiro, colocando como regras o compartilhamento da publicação e a marcação de amigos na postagem.

Ou, ainda, no Natal ou Ano Novo, pode-se sortear um almoço entre as pessoas que compartilharem a sua publicação.

Enfim, são maneiras de usar essa rede social a favor do seu negócio, de modo que ele se destaque e ganhe mais notoriedade entre o público.

Conclusão

O marketing digital utiliza estratégias inteligentes para divulgar uma marca, seus produtos e serviços. Ele é importante para qualquer tipo de negócio, inclusive para um restaurante.

Com as dicas deste artigo, certamente você saberá usá-lo e usufruir de todos os seus benefícios. Afinal, trata-se de uma metodologia online e gratuita, que abre espaço para todos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.