dropshipping

Dropshipping: saiba o que é e como funciona

Que a internet trouxe uma série de possibilidades de atuação para as empresas, disso ninguém duvida. Entre elas é importante mencionar o Dropshipping, que se mostra uma alternativa bastante interessante para o crescimento de um negócio. 

O número de empresários que aposta em uma atuação online vem crescendo constantemente. Isso porque além de ser um formato mais fácil de administrar, ele exige menores investimentos para a operação e manutenção da empresa. 

Assim, é cada vez mais comum encontrar lojas online de diferentes segmentos, como os e-commerces de venda de calçados ou de carpete em rolo. Tudo isso ocorre graças ao auxílio da tecnologia e da simplicidade dos processos de compra virtuais. 

Mas é muito comum que algumas pessoas que pensem em abrir um negócio digital tenham dúvidas e receios sobre o investimento, imaginando que seja preciso juntar um montante alto de dinheiro, principalmente para abrir uma plataforma e comprar o seu estoque. 

De fato, essa é uma necessidade para que qualquer loja física possa funcionar, mas ela não é a única alternativa para quem deseja construir um e-commerce.

O modelo de negócio Dropshipping veio justamente para isso: possibilitar a abertura de uma loja virtual para quem quer vender na internet, mas possui limitações financeiras para comprar grandes quantidades de produtos. 

Sendo assim, quem antes tinha uma desculpa para não empreender no mundo virtual pode hoje aproveitar essa facilidade para começar o quanto antes. 

Grandes plataformas do mercado já atuam nesse formato. Afinal, além de beneficiar os seus negócios, há vantagens também para os pequenos empresários que desejam crescer e que podem desfrutar do tráfego desses sites para conseguir resultados mais rápidos. 

Se você já ouviu falar em Dropshipping ou se ainda não conhece mas se interessou por essa alternativa, este artigo pode ajudar a esclarecer melhor o tema, dando o suporte necessário para quem quer investir nesse tipo de negócio. 

Por isso, siga na leitura deste conteúdo e entenda como utilizar o Dropshipping para abrir e manter um e-commerce lucrativo com maior facilidade. 

O que é Dropshipping?

A internet comporta uma série de possibilidades para quem deseja trabalhar com aluguel de empilhadeira ou com a venda de artigos esportivos, de modo que abrir um site para atuar nesse espaço se torna cada dia mais simples. 

O Dropshipping é um exemplo claro disso: hoje, você não precisa ter um estoque de produtos no seu estabelecimento físico para poder receber pedidos e ter um faturamento interessante. 

O formato vem ganhando cada vez mais adeptos, inclusive grandes magazines do Brasil e do mundo aproveitam da facilidade do Dropshipping para vender mais, atuar em diferentes regiões e conquistar os seus potenciais clientes. 

Para dar início ao novo negócio, é necessário buscar por fornecedores, chamados de parceiros Dropshipping, que ficam responsáveis pelo despacho e entrega das encomendas. 

Assim, após receber o pedido de uma escada andaime, por exemplo, o e-commerce envia a solicitação para o seu parceiro, que vai preparar o pacote e fazer o envio para o cliente. 

Essa alternativa de trabalho tornou possível a abertura de várias lojas virtuais, permitindo que o mercado fosse aquecido e que muitas pessoas descobrissem uma nova forma de ganhar dinheiro sem que fosse necessário investir altas quantias com espaço e estoque. 

As vantagens do Dropshipping

Depois de entender o que é o Dropshipping, é interessante conhecer algumas das principais vantagens de atuar nesse formato de negócio, conseguindo assim abrir uma loja online e ter sucesso no mundo virtual. 

1. Menor investimento inicial

Se para abrir um e-commerce de semijoias alianças era necessário ter uma boa quantia financeira para comprar produtos, com o Dropshipping isso não é preciso. 

Afinal, todo artigo vendido na loja é enviado por um fornecedor, que ficar responsável por separar e preparar o pacote e despachá-lo para o cliente. 

Esse benefício ainda pode ser sentido no aluguel de um espaço físico para o armazenamento de itens, de modo que quem abre um e-commerce para trabalhar com Dropshipping pode fazer isso sem precisar de um endereço comercial. 

Outro ponto interessante é a economia com mão de obra. Quem trabalha com van fretamento, por exemplo, depende de uma equipe completa de motoristas para atuar. No formato Dropshipping, isso também não é necessário. 

2. Facilidade para abrir o negócio

A abertura e a administração de um e-commerce por Dropshipping é bastante simplificada, o que agiliza o início de qualquer negócio. 

Sendo assim, é uma alternativa prática e funcional para quem quer trabalhar de modo autônomo rapidamente. 

3. Maior variedade de produtos

Quem deseja abrir uma loja online para vender diferentes tipos de artigos, que podem ser desde um ferro de passar profissional até itens de alimentação, pode apostar no Dropshipping para se beneficiar. 

Para tanto, será necessário encontrar bons fornecedores em segmentos distintos, sempre se preocupando em selecionar aqueles que trabalham com produtos de qualidade e que são bem avaliados no mercado. 

Dessa forma, o e-commerce pode ter uma abrangência muito maior, impactando clientes com diferentes perfis e necessidades. 

4. Crescimento simplificado

Em geral, quanto uma empresa deseja crescer ela precisa considerar uma série de fatores, tais como a locação de novos espaços físicos ou a contratação e treinamento de novos colaboradores.

No Dropshipping isso pode ser dispensável. Afinal, todo o controle pode ser feito por um sistema, e o estoque nunca será um problema para a empresa. 

Nesse sentido, o desenvolvimento do negócio se torna muito mais simples e eficaz, trazendo retornos interessantes para quem deseja atuar nesse formato de trabalho. 

Essas são algumas das vantagens de começar um e-commerce tendo como base o Dropshipping, permitindo que a empresa alcance bons resultados em pouco tempo. 

O que considerar antes de começar com essa prática?

Atuar com Dropshipping facilita bastante o processo de quem quer ter um negócio virtual de modo descomplicado. Mas antes de começar com essa prática, é fundamental considerar alguns aspectos para evitar surpresas posteriores. 

Um dos pontos fundamentais é ter um bom relacionamento com os seus parceiros. Isso porque a satisfação e a boa avaliação dos seus clientes dependem de uma entrega eficiente e de produtos de qualidade.

Por isso, saber selecionar de maneira criteriosa os fornecedores do seu negócio, verificando se eles possuem uma boa estrutura de entrega expressa transportadora é essencial para o crescimento da sua empresa. 

Além disso, é necessário que o seu catálogo de produtos esteja sempre atualizado com o dos fornecedores, evitando o risco de fazer a venda de itens que não estão disponíveis no parceiro. 

Esse cuidado evita frustração e devolução de valores, sendo que esses elementos podem trazer feedbacks negativos dos seus compradores. 

Também vale mencionar que é indispensável ouvir os seus clientes, entendendo o que eles querem encontrar na sua loja virtual. 

Sendo assim, criar um canal de relacionamento com os consumidores é essencial para colher sugestões e para ampliar o seu negócio, de modo que seja possível obter um crescimento interessante e a fidelização do público. 

Por fim, uma dica estratégica para ajudar na visibilidade do seu e-commerce é investir em marketing digital, criando campanhas de publicidade eficazes e que tragam cada vez mais clientes para o seu negócio. 

Ao tomar esses cuidados, o Dropshipping sem dúvida será um sucesso na sua jornada, garantindo que o seu site se torne uma referência na internet. 

Os resultados esperados com o Dropshipping

Quem decide atuar com vendas virtuais, seja para comercializar etiqueta adesiva grande ou produtos de limpeza, deseja que o seu e-commerce possa crescer e atingir bons resultados. 

Dessa maneira, entender como funciona o Dropshipping e saber utilizá-lo a favor do crescimento do seu site é a melhor forma de conquistar o retorno que se espera. 

Depois de conhecer bem o mercado, pesquisar fornecedores bem avaliados e investir em um atendimento ao cliente de excelência, certamente a loja virtual poderá crescer sem dificuldades ou limitações. 

Nesse processo, saber como cuidar da usabilidade e navegabilidade da sua página é a melhor maneira de fazer com que os visitantes do seu site queiram fazer compras e que recomendem a plataforma para os seus amigos. 

Ao mesmo tempo, ter uma central de relacionamento ágil e empenhada em resolver dúvidas e oferecer soluções para o público é parte importante de qualquer loja virtual.

Por fim, construir uma ponte de comunicação eficiente com os parceiros Dropshipping é o segredo para montar uma base sólida nesse formato de trabalho, de maneira que se possa conquistar bons desempenhos na sua empresa. 

Sendo assim, se você já estava considerando o Dropshipping como uma possibilidade interessante de montar o seu próprio negócio, certamente esse conteúdo ajudou no esclarecimento de algumas dúvidas. 

Então, não deixe de investir nos pontos abordados acima e tenha a tranquilidade de atingir bons resultados no seu negócio virtual.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

instagram shopping

Instagram Shopping: tudo o que você precisa saber para vender nessa plataforma

O Instagram Shopping é uma ferramenta para vendas diretas dentro do aplicativo. Seus produtos podem ser colocados diretamente na plataforma do Instagram e comprados por lá, ou então encaminhados para seu próprio site onde a venda pode ser finalizada. 

As compras diretas no aplicativo agilizam e muito o processo de seus clientes, além de servirem como uma vitrine virtual de seu empreendimento.

O Instagram é uma rede social de estilo de vida que utiliza fotos e vídeos como veículo de interação entre os usuários. É uma das mais bem-sucedidas redes sociais do mundo desde seu primeiro ano de atividade, tendo sido criada em 2010.

O sucesso do instagram é refletido no Brasil, onde é possivelmente a mais acessada das redes sociais. A participação dos brasileiros no serviço é superior a outras médias mundiais, ocupando um lugar de destaque entre as estatísticas do aplicativo.

Uma empresa de banner informativo tem a possibilidade de explorar a ferramenta para fazer seu objeto de vendas chegar a clientes que buscam a solução, mas que teriam muita dificuldade de encontrar seu negócio por meios arcaicos.

Pensando nisso, a rede social se tornou uma poderosa ferramenta negocial. O Instagram Shopping apresenta algumas vantagens imediatas, como:

  • Aprimora a experiência de compra;
  • Torna-se uma vitrine virtual;
  • Facilita as operações de compra e venda;
  • Maior interação com o público.

O Instagram possui algumas ferramentas integradas que podem ser muito úteis para a análise de seu comércio, buscando um maior engajamento com o público da rede social e ampliando assim suas oportunidades de negócios.

O lojista tem a facilidade de incluir produtos como faria com uma publicação normal, adicionando fotos e vídeos demonstrativos.

A grande diferença está na possibilidade de marcar cada produto, permitindo uma visualização com mais detalhes como preço, descrição e um encaminhamento para mais detalhes sobre o item.

Esta marcação é similar a utilizada no aplicativo para registrar pessoas que aparecem nas fotos. Com essa opção, um balão com o link para o perfil marcado aparece imediatamente na foto, permitindo que você consiga ir ao perfil da pessoa em questão.

No caso das marcações de produtos, o balão aparecerá com o nome e o preço estipulado, além de ser um link que levará o possível consumidor diretamente para a página de descrição do produto. É possível também ser encaminhado para a compra do item.

Ao vender toy art em papel, você pode explorar os recursos artísticos do produto através de publicações, ao mesmo tempo que direciona aqueles interessados em obter as peças para o endereço de venda.

Como explorar melhor o recurso do Instagram Shopping?

Todo recurso novo precisa de uma certa adaptação para começar a funcionar adequadamente para seu empreendimento, mas esta ferramenta é de fácil identificação e pode auxiliar as vendas com uma velocidade impressionante.

Para isso, basta lembrar de algumas opções que o aplicativo já utilizava em suas contas pessoais, otimizando a forma como as publicações são feitas, para dessa forma alcançar o objetivo esperado.

1.       Uso de Hashtags

As hashtags são ferramentas essenciais para o Instagram. Com elas é possível atrair novas pessoas para as publicações, espalhar as informações e se colocar nas páginas de busca do aplicativo. 

Entretanto, o uso das hashtags deve ser utilizado com sabedoria para não gerar um impacto negativo no perfil e nas vendas.  

Usar uma hashtag que não esteja relacionada com o assunto que você está abordando na publicação pode acabar afastando clientes em potencial, uma vez que as pessoas que buscam uma hashtag específica querem encontrar conteúdo relacionado.

Se você trabalha com venda de anel de ouro feminino delicado, é importante compreender que tipo de hashtag atrairá o público que você pretende alcançar com a publicação. Gerar tráfego é bom, mas direcioná-lo é a garantia de mais negócios fechados.

O ideal é identificar as hashtags adequadas a seus produtos e iniciar seu uso consciente para atrair uma quantidade melhor de público, bem como concentrar potenciais clientes que já tem interesse no tópico que seu produto está.

2.       Faça promoções

A vantagem do Instagram é o poder de interação que os usuários podem ter com as empresas.

Pensando nisso, é importante identificar o tipo de promoção que você fará com seu produto, buscando uma maior aceitação entre os clientes.

Muitas publicações podem acabar afastando o público, por serem repetitivas ou pouco atraentes. Compreender as necessidades da rede é uma tarefa essencial para sua estratégia de marketing.

Procure criar conteúdo relevante. Uma publicação que faça as pessoas entenderem por que elas devem consumir seu produto é muito mais assertiva do que uma publicação descrevendo simplesmente sua funcionalidade.

Uma empresa de empresa de demolição de casas pode trabalhar seu público com conteúdos relevantes ao serviço, além de mostrar o dia a dia dos trabalhos, a equipe e quais elementos são ideais para se conhecer nessa linha de trabalho.

Mostre seu processo de criação. Fotos e vídeos de bastidores podem ser um diferencial para atrair as pessoas, que conseguirão se identificar mais com sua marca. Por fim, é importante que sua promoção tenha consistência, mas sem exageros.

É importante criar uma rotina de publicação, uma vez que a existência na rede depende de publicações constantes. Entretanto, o excesso pode soar desesperado, e assim acabar afastando o público de sua rede.

3.       Integração

O Instagram pode servir como um comunicador com suas outras redes sociais e sites. Da mesma forma, é importante levar seu público de outras mídias até a rede social, para que eles possam ter acesso a seu mostruário e possam utilizar a ferramenta para efetuar as compras.

Gerenciar seu perfil no Instagram Shopping não envolve somente colocar os produtos, valores e informações básicas sobre eles. É uma estratégia de negociação, e como tal, depende da relação entre o vendedor e os consumidores.

O site de sua farmácia pode ser completo, mas no instagram você pode ofertar remédio homeopático para ácido úrico, encontrando diretamente pessoas que se interessem por esse tipo de produto.

Deste ponto, você pode encaminhá-lo para outros serviços oferecidos pela empresa. Esse tipo de recurso só funciona quando você compreende as necessidades do aplicativo, tornando-o parte de sua rotina empresarial.

Dessa forma, o público compreenderá sua responsabilidade acerca dos relacionamentos, criando um perfil de confiança para aqueles interessados em adquirir seus produtos.

4.       Simplificação do processo de compra

Um dos grandes problemas das compras online ainda é o excesso de burocracias envolvidas. O Instagram Shopping oferece uma alternativa a isso, permitindo que o cliente consiga chegar ao momento de efetuar a compra com um simples clique.

Isso torna a ferramenta uma das maiores aliadas do mercado de consumo atual.

Pessoas gostam de elementos de simplificação em suas vidas, e conseguir efetuar uma compra sem passar pela dor de cabeça de um utilitário mais ultrapassado pode ser o diferencial de negócios que você pode apresentar.

Isso não só auxilia a transação em si, mas também ajuda como estratégia de marketing, uma vez que um cliente satisfeito com a agilidade da compra certamente irá falar sobre sua empresa com outras pessoas, gerando de forma espontânea mais procura e ampliação de seu negócio.

Se uma corporação busca crachá com chip e encontra sua empresa no Instagram Shopping, ela evita uma série de etapas para conseguir compreender como entrar em contato e iniciar um relacionamento de compra e venda.

Apesar de parecer trabalhoso, a plataforma é simples e intuitiva, permitindo que em alguns instantes explorando seus recursos você consiga utilizar de forma satisfatória o Instagram Shopping.

Como referência de solução estratégica, o aplicativo se torna fundamental para o desenvolvimento de uma empresa no âmbito digital, ampliando o acesso de milhares de pessoas a seus produtos de forma natural e organizada.

Hoje em dia muitas pessoas buscam primeiro na internet quando precisam de algum serviço prestado. Estar com sua empresa de serviço de motofrete conectada é a chave para ser encontrada e conquistar uma gama maior de clientes.

O que eu preciso para usar o Instagram Shopping?

Você tem que adequar seu perfil para poder usar esta ferramenta, compreendendo alguns requisitos que são necessários para atestar a idoneidade do empreendimento e mantendo o padrão de confiança do aplicativo.

Um dos elementos principais é ter a conta empresarial do Instagram. Este elemento é fundamental para acessar não só o shopping, mas todas as ferramentas de análise e de auxílio para o perfil.

Você também precisa ter um site oficial, como prova de existência de sua empresa. No mundo digital, o site toma a forma de um endereço físico, uma vez que será onde os clientes poderão te procurar com dúvidas, elogios ou reclamações.

Mesmo que você trabalhe com serviços presenciais, como uma clínica de acupuntura, é importante identificar a necessidade de se manter relevante nos dias de hoje, tendo o site como cartão postal de sua empresa.

Apesar de o serviço não estar disponível em todos os países, ele já pode ser utilizado no Brasil, sendo uma excelente ferramenta de negócio para expandir seu mercado e conquistar mais clientes.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

growth hacking

Growth Hacking: saiba o que é e como aplicá-lo

Quem trabalha com gerenciamento de empresas já deve ter ouvido falar no Growth Hacking

O termo é usado para referir-se a uma estratégia que visa o crescimento dos negócios como um todo e, recentemente, vem sendo muito usado para as ações de marketing.

O artigo de hoje vai tratar mais sobre o que é o Growth Hacking e como aplicá-lo no seu negócio. Continue lendo!

O que é o Growth Hacking?

O termo Growth Hacking foi usado pela primeira vez por Sean Ellis, CEO da Growth Hackers, para tratar de uma estratégia de marketing voltada a experimentos. 

Ou seja, a intenção é encontrar oportunidades e desenvolver ações em prol do crescimento da empresa.

Por exemplo, ao propor a elaboração de um calendário com espaço para escrever como produto publicitário, a estratégia de Growth Hacking deve avaliar o impacto da iniciativa e como ela pode ajudar na ampliação das vendas.

No entanto, para conhecer a real influência da estratégia de marketing, as equipes devem realizar a identificação dos pontos críticos das campanhas, além de descobrir brechas e oportunidades, para a produção de uma ação inteligente e direcionada.

Sendo assim, um dos principais aspectos do Growth Hacking é o uso de KPIs (Key Performance Indicators, ou indicadores-chave de performance, em tradução), que mostram o desempenho de cada material de marketing, de acordo com os objetivos.

Dessa forma, se a intenção é aumentar o tráfego orgânico de um site, por exemplo, o Growth Hacking irá transformar o KPI em experimentos, para verificar qual campanha irá contribuir para melhorar o número de visitantes na sua página.

Mas qual a diferença do Growth Hacking para as demais estratégias de marketing?

Em primeiro lugar, nem toda campanha de marketing leva em consideração os KPIs. Por exemplo, um grande painel de publicidade já é uma ação tradicional de propaganda, de difícil mensuração e, por conta disso, dificilmente se baseia em um indicador.

No entanto, o grande diferencial está na possibilidade de elaborar ações rápidas, otimizadas e de baixo custo, através de métodos experimentais que validam as hipóteses.

Quer dizer que a proposta do Growth Hacking é descobrir as oportunidades para crescer, com o menor custo possível.

Para alcançar essa meta, a estratégia trabalha com os seguintes elementos:

  • Objetivo: o que se pretende conquistar com a campanha;
  • Hipótese: o que se espera alcançar, tendo um know-how prévio;
  • Experimentos: testes realizados para comprovar a hipótese;
  • Ferramentas: recursos tecnológicos que ajudam na mensuração e implementação.

Dessa maneira, em uma campanha para elaborar flyers odontologia, por exemplo, é possível conquistar ótimos resultados e contribuir para o crescimento do negócio.

O trabalho de um Growth Hacker

O Growth Hacker é um profissional de marketing que tem uma visão estratégica da organização, pois o objetivo não é apenas faturar, mas sim, buscar o crescimento das empresas do modo mais rápido e barato.

Por esse motivo, é importante ter um perfil criativo e explorador, justamente para encontrar inúmeras possibilidades para teste e formular hipóteses. Ao mesmo tempo, o Growth Hacker precisa ser analítico, para conseguir analisar os dados de forma precisa.

Sendo assim, o profissional deve ter conhecimento acerca de metodologia de processos, análise de dados e, é claro, o comportamento do consumidor. 

Esse último aspecto é fundamental para o desenvolvimento de campanhas assertivas, visto que as pessoas interessadas em produtos naturais para emagrecer rápido, por exemplo, têm um perfil bastante específico.

Importante ressaltar que qualquer profissional pode adotar a cultura do Growth Hacking. Afinal de contas, quanto mais os trabalhadores se empenharem em prol do crescimento dos negócios, melhor será o desempenho das campanhas.

Além do mais, a estratégia não precisa ficar restrita ao departamento de marketing. 

Outros setores podem usar a metodologia, como a própria área de vendas, que pode fazer testes da aceitação de rótulos em inglês em seus produtos, por exemplo.

Como aplicar o Growth Hacking nos seus negócios?

O Growth Hacking é um processo, não apenas uma iniciativa. Por esse motivo, é importante conhecer o método a fundo, pois sem as ferramentas corretas, o seu experimento pode não ter os resultados esperados.

A seguir, confira as 4 fases principais para a implementação do Growth Hacking.

1 – Product-Market Fit

O Product-Market Fit é a base do Growth Hacking, pois ele refere-se à criação de produtos, de acordo com as preferências do público-alvo.

Por exemplo, uma auto escola com carros adaptados pode oferecer um serviço diferenciado depois de ter feito uma pesquisa de mercado e visto quais são as reais necessidades de seus clientes.

A falta dessa etapa pode prejudicar o seu negócio, pois muitos produtos são lançados em mercados errados, ou sem levar em consideração os desejos do público.

Por conta disso, aqui o foco é compreender o comportamento do consumidor para então desenvolver produtos conforme a demanda.

2 – Growth Hacks

A segunda etapa consiste na aplicação do Growth Hacking propriamente dita. Aqui, é o momento em que o time vai formular hipóteses e começar a verificar quais iniciativas podem gerar resultados mais rápidos e baratos.

Para isso, é necessário analisar o produto e, com base nos conhecimentos prévios da instituição, encontrar as vulnerabilidades e oportunidades de crescimento.

Por exemplo, um médico domicílio pode verificar o que em seu atendimento pode ser melhorado, quais serviços ele pode realizar de uma nova maneira, como é a abordagem aos pacientes, entre outros aspectos.

3 – Escala e viralização

O objetivo do Growth Hacking é gastar o mínimo possível, por isso, o ideal é fazer com que os consumidores se tornem promotores do seu negócio – e possam receber algum benefício em troca dessa divulgação.

Esta pode ser a etapa mais difícil, pois é necessário criar um relacionamento saudável e duradouro com os clientes, além de oferecer algo vantajoso em troca, para que eles possam indicar o seu produto/serviço.

Por exemplo, os estúdios de música podem fazer um clube de parceiros, oferecendo descontos para os próximos ensaios, aos clientes que já são fiéis.

4 – Otimização e retenção

Nessa etapa, a intenção é melhorar a usabilidade do seu produto ou serviço para satisfazer os interesses dos usuários. Ou seja, é o momento de consolidar a base de clientes.Caso você consiga alcançar esse processo, o seu Growth Hacking está finalizado.

Por esse motivo, a análise dos indicadores e o feedback do público são fundamentais para concretizar as campanhas. Com essas informações, os gestores de marketing podem saber se suas ações contribuíram de fato para o crescimento da empresa.

Principais estratégias de Growth Hacking para a sua empresa

Agora que você já sabe quais são as etapas do Growth Hacking, chegou o momento de aplicar a estratégia na prática. 

Abaixo, conheça algumas campanhas que são capazes de contribuir com o crescimento rápido e barato das empresas.

1 – Marketing de referência

O marketing de referência tem a intenção de fidelizar os clientes e transformá-los em promotores da marca. É o famoso “boca a boca”, quando alguém indica um produto ou serviço, porque teve uma boa experiência com o seu negócio.

A dica é combinar estratégias de fidelização com programas de benefícios, como clubes de vantagens, descontos exclusivos e parcerias com clientes fiéis.

2 – Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é um velho conhecido do marketing digital, pois ele consiste na oferta de materiais informativos e relevantes, conforme os interesses do público-alvo, acompanhando o comportamento do consumidor digital.

Nesse sentido, é necessário que a empresa produza diferentes tipos de conteúdos e, desse modo, conquiste o reconhecimento e autoridade no mercado.

3 – Gatilhos mentais

Os gatilhos mentais podem ser aplicados em conjunto com o marketing de referência e o de conteúdo, pois eles têm a intenção de despertar emoções no público, fazendo com que a tomada de decisão de compra seja muito mais rápida.

Um exemplo é o princípio da escassez, quando uma empresa anuncia que aquele determinado produto irá acabar no estoque, portanto é a última oportunidade para o cliente realizar a compra.

Conclusão

O Growth Hacking é um dos métodos mais eficientes para a elaboração de campanhas estratégias em marketing digital. 

Diferentemente das iniciativas tradicionais, o grande destaque da estratégia é focar em um crescimento rápido da empresa, porém, com redução de custos. 

Dessa forma, é possível melhorar o reconhecimento da marca, bem como a lucratividade.

Para isso, o processo faz uso de diferentes ferramentas, mas também foca em propor testes com base em indicadores de performance.

O artigo de hoje buscou trazer algumas dicas de como aplicar o Growth Hacking no departamento de marketing. No entanto, vale dizer que a metodologia pode ser ampliada para diferentes setores da empresa, contribuindo, assim, para melhorar os negócios.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Screenshot 2020-09-10 130733

Teste A/B: entenda como essa estratégia auxilia seu blog a ter mais tráfego

O Teste A/B é um dos experimentos mais eficazes no marketing digital, usado para verificar se uma determinada iniciativa está realmente obtendo sucesso ou se é necessário realizar algumas modificações na campanha.

No artigo de hoje, entenda como essa estratégia auxilia seu blog a ter mais tráfego e saiba como aplicar o teste A/B na avaliação das métricas em marketing digital.

O que são testes A/B?

Os testes A/B são comparações entre algumas variáveis de marketing, com a intenção de verificar qual componente irá gerar os melhores resultados.

Por exemplo, você pode testar duas landing pages: a primeira com um banner colorido próximo ao CTA (Call to Action) e a segunda somente com a chamada para a ação, sem figuras, botões ou qualquer outro elemento.

A partir disso, verifica-se qual página teve uma taxa melhor de conversão, sendo possível criar uma campanha mais assertiva da próxima vez.

Os testes A/B não é um teste multivariável, isto é, ele não permite analisar mais de uma variável em uma mesma iniciativa. Em geral, a avaliação é feita apenas com duas variações, com o objetivo de escolher a melhor entre elas.

No caso do exemplo anterior, a variável escolhida era a presença de elementos visuais, com destaque para o banner.

A grande vantagem dos testes A/B nas campanhas de marketing digital é a eliminação de suposições acerca da efetividade de uma determinada ação. 

Por meio da análise, é possível tomar decisões mais embasadas, justificadas em números, diminuindo o risco de falhas.

A eficácia é tanta que o teste A/B é aplicado em muitos contextos. Por exemplo, a avaliação pode ser usada para escolher o melhor rótulo de um vinho para lembrança, com base no número de produtos vendidos com a ilustração X, e outro com a ilustração Y.

Como usar o teste A/B?

Como mencionado, o teste A/B pode ser empregado em uma série de análises dentro do marketing digital. Entretanto, ele é mais usual para medir taxas de conversão.

Até porque quando a intenção é analisar mais de uma variável, há outros tipos de testes possíveis, que podem se mostrar mais relevantes, dependendo do contexto. 

Por conseguinte, é importante ter critério na hora de empregar a verificação.

Diante disso, o teste A/B é fortemente recomendado para as landing pages, sendo possível analisar inúmeras variáveis na página, incluindo:

  • Os títulos;
  • As descrições;
  • Os CTAs;
  • O layout;
  • As cores;
  • O domínio (URL);
  • O formulário;
  • Entre outros.

Fora as landing pages, os testes A/B são muito usados em estratégias de e-mail marketing, já que elas também atuam na conversão e nutrição dos leads.

Por exemplo, ao oferecer desconto em materiais escolares personalizados, através de uma mensagem por e-mail, é possível enviar dois conteúdos: o primeiro com fotos dos produtos, o segundo só com o botão de chamamento. 

A partir daí, verifica-se a taxa de cliques em cada um dos conteúdos. Isso irá ajudar a perceber se o que faz diferença é mesmo o recurso visual, ou a forma como o CTA é desenvolvido/escrito.

Para os blogs, os testes A/B são fundamentais para aumentar o tráfego, uma vez que eles podem apontar quais variáveis são mais atrativas para o público e, consequentemente, elevam o número de visitantes.

Dicas para aplicar o teste A/B nas campanhas

Um dos pontos positivos do teste A/B é a sua facilidade de aplicação, embora isso não implique em uma simplicidade ou reducionismo da análise.

Ao contrário, essa praticidade mostra que a avaliação pode ser aplicada em várias situações, como na oferta de um software para portaria virtual por e-mail, no download de um e-book específico, entre outros.

Nesse momento, pode surgir uma dúvida sobre como aplicar o teste A/B nas campanhas de marketing digital. Abaixo, confira algumas dicas.

1 – Use ferramentas tecnológicas e personalizadas

A evolução tecnológica permitiu que a realização do teste A/B pudesse ser feita com o auxílio de ferramentas digitais, como é o caso do Google Analytics

Isso ajuda a diminuir a ocorrência de erros, visto que muitos cálculos e comparações podem ser passíveis de falhas, seja por desatenção do analista ou por qualquer outro motivo.

2 – Tenha uma significância estatística

A efetividade de um teste A/B deve ser garantida por uma significância estatística. 

Ou seja, se a intenção é analisar duas versões de uma landing page, que oferece um e-book de como fazer uma ambientação 3d, é preciso que um certo número de pessoas acesse a página, para gerar os dados.

 

Ao contrário do que se parece, a significância não é sinônimo de grande volume de dados, mas sim um número relativo aos objetivos da sua empresa.

3 – Escolha boas variações

A melhor maneira de determinar a amostragem do teste A/B é escolhendo as variações certas. Vale dizer que a análise deve, obrigatoriamente, ter apenas um elemento de diferença.

Por exemplo, verificar a ação de uma imagem em uma campanha de e-mail marketing com oferta de serviço de entrega com fiorino é uma boa variação. Mas trocar apenas uma palavra no CTA da iniciativa pode não ser a melhor estratégia.

4 – Estabeleça uma meta

Toda estratégia de marketing necessita de um planejamento e não seria diferente com o teste A/B. Por isso, é necessário determinar o que se espera com a campanha, para identificar o que realmente precisa ser melhorado.

Por exemplo, mesmo observando um crescimento na taxa de conversão em uma landing page com uma imagem do projeto de stand, a porcentagem resultante não é suficiente para as metas da empresa.

4 – Teste as duas versões ao mesmo tempo

O objetivo do teste A/B é verificar como a audiência reage a um determinado conteúdo/ação de marketing. 

Por isso, para realmente avaliar a eficácia das campanhas, é preciso que os testes sejam feitos simultaneamente para avaliar o comportamento do público em um mesmo período.

Isso porque o contexto pode influenciar os resultados. Em um período de alta procura por sala reunião pequena, mesmo que a landing page tenha poucos recursos imagéticos, ela pode ter uma boa taxa de conversão.

Como medir os resultados dos testes A/B?

A última etapa da aplicação do teste A/B é verificar os resultados da avaliação. Ou seja, é o coração da estratégia, pois a análise dos dados irá orientar o desenvolvimento das próximas campanhas de marketing.

A seguir, veja algumas maneiras de medir os resultados.

1 – Espere o tempo certo

Não é preciso conferir os resultados a cada minuto, logo após a aplicação do teste A/B. Dê tempo ao tempo, pois a avaliação pode demorar dias, dependendo dos objetivos.

No caso específico do tráfego em blogs, o período de incubação do teste é de 15 a 30 dias, para uma significância estatísticas. 

2 – Use apenas uma métrica

Caso a sua empresa não possua uma ferramenta tecnológica para automatizar a avaliação do teste A/B, é preciso lembrar de empregar a mesma “fórmula” na análise de ambas versões, verificando a mesma métrica.

Isso ajuda a comparar melhor cada campanha, sendo possível perceber realmente o que está “certo” ou “errado”.

CRO x teste A/B: quais as diferenças?

Muitas pessoas confundem o teste A/B com uma outra forma de análise, o CRO (Conversion Rate Optimization). De maneira geral, este segundo método é um esforço sistemático para otimização das taxas de conversão de um site.

Ou seja, o CRO considera não só as principais variáveis, mas também outros aspectos, como a arquitetura da informação, o UX Design da página, o copywriting, entre outros.

O objetivo do CRO é aproveitar melhor o tráfego já existente na página, aprimorando a experiência do usuário. Como consequência, o público terá uma visão melhor das campanhas, o que é extremamente importante para aumentar as vendas nas empresas.

Daí a importância de estabelecer um planejamento prévio e objetivos, para evitar o emprego de métodos de análise diferenciados, que podem ter efeitos divergentes, comprometendo a análise.

Conclusão

Se tem uma coisa extremamente vantajosa no marketing digital é a possibilidade de avaliação dos resultados de forma precisa, devido à capacidade de armazenamento e análise de dados de cada uma das campanhas.

Nesse sentido, a realização dos testes A/B é fundamental para perceber quais elementos são capazes de conquistar a atenção do público e, consequentemente, melhorar as taxas de conversão, o tráfego orgânico, entre outras métricas.

O artigo de hoje teve a pretensão de trazer algumas informações sobre a aplicação dos testes A/B, embora a eficácia de análise irá depender diretamente dos objetivos e metas da empresa. 

Por isso, vale a pena investir em um planejamento detalhado e personalizado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

capa-blog-site-funil3

Saiba o que é funil de vendas e como desenvolver para seu negócio

Os hábitos de consumo mudaram com a internet e “empurrar” um produto para os clientes não é algo bem visto, já que o poder é de quem compra. 

Contar com um funil de vendas é uma forma de se aproximar dos clientes e futuros clientes, ofertando soluções úteis de acordo com sua jornada de compra.

O funil é uma representação de todas as fases que o cliente passa até fechar negócio com a empresa. Basicamente, há três etapas: topo, meio e fundo de funil, e cada uma delas é determinante para planejar conteúdos, estratégias de venda e atendimento do seu negócio.

Não importa se a sua empresa é voltada à venda de materiais de construção como a brita para concreto ou se o foco é atender pessoas que buscam procedimentos estéticos, construir um funil é importante para que você saiba como atrair e nutrir estratégias eficientes para leads e clientes. 

Para te ajudar a entender tudo sobre esse assunto, preparamos esse artigo. Nas próximas linhas, você vai aprender sobre como funcionam as etapas de um funil, de que forma construir uma boa estratégia e qual a importância dessa técnica para a sua empresa. Vamos lá? 

As etapas de um funil de vendas

Antes do cliente fechar negócio, existe um percurso que ele percorre até tomar essa decisão. Esse caminho se chama jornada do cliente e é formado por algumas etapas que ajudam a construir o que entende por funil.

Digamos que a sua empresa trabalha com itens como a chapa de aço perfurada para montagem de máquinas industriais e superfícies. Quais são os gatilhos e estratégias para a sua empresa atender à necessidade do cliente?

Nas estratégias digitais de um site, por exemplo, há um esquema que faz sentido para resumir esse caminho até a decisão: visitantes, leads, oportunidades e vendas. 

Para que a evolução em cada fase tenha sucesso, é importante saber quais são as etapas do funil e como elas podem agregar valor ao público da sua empresa. Confira cada etapa abaixo:

Aprendizado e descoberta

Também conhecida por topo de funil, essa é a primeira etapa na qual os visitantes identificam um problema e buscam possíveis respostas. Digamos que uma empresa terceirizada oferece serviços de limpeza em fachada e precisa melhorar a capacitação e segurança dos colaboradores.

É provável que o setor responsável procure saber mais sobre como funciona o treinamento para trabalho em altura, além do conteúdo da NR-12, da Associação Brasileira de Normas Técnicas que trata desta questão.

Qual é a função de uma estratégia de marketing no topo do funil? Trazer o máximo de informações sobre o assunto, considerando que essa empresa não teve contato com as normas e não sabe por onde começar. Em uma estratégia inteligente, esses conteúdos podem estar disponíveis em um e-book online.

Grande parte das empresas lança o conteúdo rico em uma landing page, de forma gratuita, em troca de contatos do visitante, como o nome e o e-mail e, a partir desse momento, a pessoa vira um lead e avança no funil.

Reconhecimento do problema

Na segunda etapa do funil, o lead já reconhece o problema e suas necessidades, mas ainda considera possíveis soluções. Não é à toa que essa etapa também é conhecida como consideração.

De demandas como ter informações sobre o funcionamento de um queimador industrial no setor agrícola às diferentes alternativas para um tratamento dentário, essa etapa pode ser explorada com a oferta de dicas e técnicas.

No caso do queimador, por exemplo, trazer conteúdos sobre como esse equipamento queima combustíveis, abordar os tipos de queimadores e a manutenção do aparelho são opções. Lembre-se que conteúdo útil é capaz de atrair, engajar e pode levar o lead à uma decisão.

Em relação a procedimentos de saúde como um implante dentário de porcelana, produzir gráficos, tabelas, informações sobre as técnicas, cuidados de recuperação, alternativas e resultados é uma contribuição interessante. 

Independente do tema, coloque-se no lugar da persona, explore e entenda suas necessidades, oferte conteúdo informativo que se enquadre na realidade da pessoa para que ela crie confiança na sua marca.

Decisão de compra

Após oferecer o máximo de informações construtivas sobre o problema do lead, é natural que a sua empresa seja vista como uma referência. Nesta etapa, é importante que a sua empresa transmita essa mensagem: você definitivamente pode ajudar e tem a competência necessária.

A comunicação nos materiais de marketing ou mesmo no atendimento e equipe de vendas deve ser assertiva. Vamos exemplificar:

Imagine que a sua empresa é referência em confecção de materiais para construção civil, como porta de aço reforçada. Ao mostrar alguma solução sobre esse produto, vale criar uma comunicação que destaque pontos como:

  • A durabilidade do aço em relação à outras portas;
  • A segurança que a porta oferece contra arrombamentos;
  • Experiência da sua empresa no mercado de portas de aço;
  • A resistência do aço contra ferrugem e corrosão.

A linguagem deve ser estratégica, e todos os materiais podem despertar um senso de urgência no lead, pois é isso que o torna qualificado para a negociação. Mostre que a sua empresa é a especialista ideal para atender a necessidade do cliente.

Por que construir um funil para o seu negócio?

Se engana quem pensa que as informações da jornada de compra são estratégias somente para o marketing. Todas as pessoas que lidam com o relacionamento em relação ao cliente podem usufruir positivamente a criação do funil.

Um negócio que trabalha com iluminação para piscina LED, por exemplo, pode utilizar as informações da jornada de compra para saber qual a linguagem utilizar e como vender essa solução.

Algumas pessoas podem considerar a segurança um fator importante na hora de buscar iluminação de LED, outras mais facilidade para praticar esportes à noite.

Essas informações são coletadas durante a interação da sua empresa com os leads e ter acesso à elas pode ser útil na hora de melhorar estratégias, otimizar vendas e ter contatos qualificados para uma possível compra.

O funil faz parte do novo marketing, ajuda as empresas na entrega de valor e pode ser utilizado para entender os motivos que influenciam ou afastam os clientes do seu negócio. Sendo assim, vamos para o próximo tópico no qual você terá mais informações sobre como construir essa técnica.

Saiba como desenvolver um funil

O primeiro passo para desenvolver um bom funil é mapear a jornada de compra do seu cliente ideal. Tudo começa com a construção do que se entende por persona, que é um personagem fictício, feito com base em pesquisas reais sobre os hábitos, comportamentos, idade, emprego e preferências do seu público.

Pense em um motorista que pretende transferir ou vender um veículo porque decidiu comprar outro. Essa pessoa precisa saber sobre as obrigatoriedades e emissão de documentos que regularizam a mudança e o laudo cautelar veicular é um deles.

Na prática, essa é uma perícia sobre as condições do veículo, a originalidade das peças, a numeração original do chassi e a autenticidade do automóvel. 

Se a sua empresa oferece consultorias para esse tipo de solução, entender as emoções, gostos e motivos que levaram essa pessoa a buscar sua empresa é uma forma de coletar informações e mapear a jornada.

Outra demanda importante nessa missão é identificar o que pode fazer o seu cliente amadurecer em relação ao produto da sua empresa. Utilizar ferramentas, criar milestones – marcos que mostram fatores de decisão, e investigar possíveis fatores de influência que podem convencer o lead avançar é válido.

Melhorar a comunicação entre as equipes de vendas, marketing e atendimento também é significativo para mapear a jornada e ações de conversão. Todas as equipes podem contribuir com insights, ações, feedbacks, levantamentos e alinhar os pontos de complemento para atender da melhor forma o cliente e converter atendimentos em venda.

Independente da etapa de construção, anote algumas dicas para ter mais sucesso neste momento:

  • Não espere que todo visitante se torne um cliente;
  • Além de conteúdo relevante, ofereça boas experiências aos leads;
  • Não foque no resultado final sem cuidar dos detalhes de cada etapa;
  • Lembre-se que cada etapa pode refletir na decisão final;
  • Ouça clientes, por pesquisa, e-mail e canais de comunicação;
  • Desenvolva conteúdos adequados para cada perfil.

Com todas essas dicas, é válido ressaltar que elaborar uma boa estratégia de vendas não é responsabilidade única do time de marketing e sim faz parte da união de equipes. 

Portanto, uma boa comunicação entre os times é fundamental para unir as melhores informações e embasar tomadas de decisão na hora de vender.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.