conteudo

Como criar um bom conteúdo para seu negócio

Em tempos de SEO e Inbound Marketing, a questão de como criar conteúdo relevante para o seu negócio, deve ser uma preocupação constante, pois um erro nesta questão, pode colocar por água abaixo toda sua estratégia de marketing de conteúdo.

Para que estratégias de atração de tráfego e captura de Leads funcionem, precisamos ir muito além da simples questão de como criar conteúdo relevante para o seu site e abordarmos também o problema de como gerar o engajamento neste conteúdo.

Uma coisa é criar conteúdo, outra coisa completamente diferente é fazer com que este conteúdo gere Leads. Conteúdo sem retorno é somente isso mesmo, conteúdo grátis.

Defina sua persona de marketing

Para quem deseja saber como criar conteúdo relevante para seu site, blog ou rede social, o primeiro conselho é definir sua persona de marketing.

A Persona de Marketing é um personagem que você desenvolve durante a etapa de planejamento da sua estratégia de marketing digital, que representa o público que você deseja atingir.

Identifique quais são as necessidades e interesses do seu público-alvo para que você possa produzir um conteúdo que seja realmente atraente para estas pessoas. Quanto mais você conhece o seu público, mais eficiente serão suas campanhas e consequentemente sua conversão.

Coloque-se no lugar da sua audiência

A primeira coisa a ser pensada na hora de produzir conteúdo relevante para o seu site ou blog é se colocar na posição da sua audiência, ou seja, entender o momento do visitante do seu site e dirigir a sua mensagem diretamente a ele.

Quanto mais intimista e pessoal for a linguagem adotada, melhor, pois isso criará um ambiente mais acolhedor e psicologicamente, deixará o leitor mais receptivo a sua mensagem.

Coloque-se no mesmo patamar de conhecimento do leitor

Um erro muito comum, principalmente aqui no Brasil, é o autor se colocar em um pedestal e acabar criando um texto onde o “Deus do Conhecimento” discursa para a plebe ignara. Se você quiser afastar os leitores, este é o caminho certo.

Quando você se coloca em um patamar igual ao do seu interlocutor, você quebra uma barreira para a assimilação da mensagem que você pretende passar.

Não coloque o SEO acima de tudo

Um erro muito comum entre as equipes de conteúdo é colocar o processo de SEO – Search Engine Optimization, acima de qualquer outro objetivo. É claro que estar bem posicionado nas páginas de respostas dos buscadores é importante, mas, como dito anteriormente, o foco deve ser o visitante do seu site.

Uma discussão constante entre os profissionais de SEO é a questão da super otimização.

É claro que a otimização de sites é importante no contexto de uma estratégia de marketing digital, mas é importante ter em mente que sua audiência é igualmente importante.

Criação de conteúdo relevante para o seu site

Ofereça opções para aprofundamento no assunto

Outra prática interessante para produzir conteúdo relevante para o seu site ou blog é oferecer sempre opções para que o leitor aprofunde seus conhecimentos. Isso irá deixar a experiência do leitor completa.

Sempre que possível, ofereça links para outros sites de referência para que, caso o visitante queira, possa conhecer mais a fundo o assunto ou assuntos relacionados. Além de oferecer uma melhor experiência você também estará dando uma ajuda no seu processo de SEO.

Contextualize seu conteúdo

Outro segredo para quem deseja saber como produzir conteúdo relevante para o seu site e realmente impactar sua audiência é contextualizar o conteúdo no momento pelo que passa o público que você pretende impactar.

Traga para o seu site ou blog a discussão sobre um assunto que esteja “quente” para sua audiência. Busque identificar em sites de destaque na área, quais são as matérias que estão gerando mais discussão. Os melhores indicadores são comentários e compartilhamentos em redes sociais.

Traga algo de novo a discussão

Frequentemente nos deparamos com artigos que ao término da leitura constatamos que trata-se apenas de um pouco mais sobre a mesma coisa.

Se você quer produzir conteúdo relevante para o seu site, é preciso acrescentar algo mais, caso contrário, irá cair na mesmice. A essência do marketing de conteúdo é justamente informar e se destacar.

Faça uma pesquisa mais aprofundada sobre o assunto e levante novas questões, dê uma abordagem diferenciada ao tema, e se for o caso, levante alguma polêmica sobre o que já foi apresentado em outros lugares. Uma das funções do Inbound Marketing é promover a discussão.

Crie relacionamentos internos de conteúdo

Outro aspecto interessante de um conteúdo relevante é a complementação da informação. Muitas vezes é inviável colocar toda a informação em um único texto, pois isso o tornaria extenso e sabemos que muitas pessoas não tem paciência para ler. Mas existem pessoas que desejam se aprofundar mais na matéria. Como resolver isso?

A solução é simples, crie linkagens internas ou até mesmo externas para outros conteúdos que complementem a informação que você deseja passar. Isso além de deixar seu conteúdo mais completo, também irpá dar uma boa força no seu trabalho de SEO do site.

Agora que você já tem uma boa ideia sobre como criar conteúdo relevante para o seu negócio, o que acha de começar a desenhar uma estratégia de marketing de conteúdo para ele? A gente pode te ajduar, entre em contato para retirar dúvidas:

 

[sc name=”call-to-action-especialista”]

 

Fonte do artigo: Academia Mkt

 

google-shopping

Google anuncia mudanças para entrar de vez no e-commerce e virar marketplace nos EUA

O Google anunciou, nesta terça-feira (14), durante seu evento anual Marketing Live, uma série de mudanças nas suas plataformas voltadas a anunciantes e lojistas. Com as novidades, a gigante das buscas começa a entrar de vez no mundo do e-commerce – nos Estados Unidos, Amazon é o principal concorrente.

De São Francisco, a empresa apresentou uma versão remodelada do Google Shopping que, a princípio, funcionará apenas nos Estados Unidos*. As atualizações permitem aos usuários navegar por itens e lhes dá opções para comprar um produto tanto do site da marca quanto em uma loja física próxima ao consumidor e, até, no site do próprio Google, em breve. Neste caso, o internauta verá o ícone de um carrinho azul que adiciona aquele item à sacola.

Caso os clientes tenham problemas com a compra ou não sejam reembolsados, fará a intermediação com o varejista, afirmou Oliver Heckmann, vice-presidente de Engenharia, Shopping e Viagem do Google.

O pagamento também será feito por meio da plataforma da gigante das buscas usando os meios cadastrados na carteira virtual da companhia.

Na prática, essas novidades fazem com que o Google se torne um marketplace, em um movimento que segue a tendência de redes sociais – o Instagram, por exemplo, também entrou de cabeça no comércio eletrônico recentemente.

A empresa nega, porém, que esteja se preparando para virar uma plataforma no mesmo modelo de players tradicionais, que ganham uma porcentagem sobre as vendas, e tornar-se uma concorrente. Segundo a gigante das buscas, os próprios marketplaces também podem usar o Google Shopping para alcançar mais consumidores e impulsionar as vendas.

Oliver Heckmann, vice-presidente de Engenharia, Shopping e Viagem, anuncia novo Google Shopping/Reprodução

Anúncios no YouTube

Como parte da remodelação dos produtos, o Google também vai dar a opção de fazer compras diretamente de vídeos no YouTube. Por exemplo, se um criador posta um tutorial de maquiagem, a gigante das buscas dará a chance de os internautas comprarem aquele item específico – como um tipo de batom ou máscara.

A companhia também anunciou que a sua nova “galeria” de anúncios vai aparecer nas pesquisas. O formato vai usar fotos de uma maneira similar ao que ocorre no Instagram. Outra novidade é o Discovery Ads – campanhas publicitárias em vídeo e foto que podem mirar determinados critérios demográficos e que serão inseridos no feed do YouTube e nas guias de promoção do Gmail.

Todas as novidades serão colocadas no ar “até o fim do ano”, segundo o Google. Não foi explicado em quais países as novidades aparecerão primeiro,, mas, segundo o Google, no momento não há qualquer previsão de chegada da nova experiência ao Brasil.

Concorrência

As novas ferramentas marcam uma ofensiva da empresa no mundo do e-commerce. A habilidade do Google para facilitar a venda direta é um grande fator – um movimento que coloca a companhia no mesmo patamar de competição da Amazon e do Instagram para atrair mais criadores de conteúdo e marca às suas plataformas de publicidade e vendas.

Com informações da CNET

*Texto atualizado no dia 16 de maio com a informação de que o serviço não tem previsão de chegada ao Brasil. A empresa também informou, posteriormente, que o Google Shopping não vai virar uma plataforma no mesmo padrão de outros marketplaces – essas empresas, inclusive, podem usar o Shopping como forma de impulsionar as vendas. 

Fonte: ecommercebrasil

Google+ será encerrado após falha que expôs dados de 500 mil usuários

Segundo o comunicado do Google, a brecha estava aberta desde 201

A saga do Google+ finalmente chegou ao fim. A rede social do Google, criada no início da década para tentar fazer frente à popularização do Facebook será oficialmente aposentada após a descoberta de uma falha de segurança que expôs dados de aproximadamente 500 mil usuários.

Segundo o comunicado do Google, a brecha estava aberta desde 2015, mas só foi detectada e corrigida em março deste ano. A empresa havia escondido a vulnerabilidade temendo a repercussão do caso. Um comunicado interno vazado pelo Wall Street Journal menciona que revelar a falha no momento da descoberta fariam a empresa “ficar nos holofotes ao lado ou até mesmo no lugar do Facebook, mesmo tendo passado despercebidos pelo escândalo Cambridge Analytica”.

Como resultado da falha, quando o usuário aceitava ceder os dados de seu perfil público ao usar o Google para se conectar a um aplicativo, ele também acabava cedendo informações de todos os seus contatos, e não apenas os dados públicos. A empresa estima que 496.951 pessoas tiveram suas informações expostas, incluindo nomes completos, endereços de e-mail, datas de nascimento, gênero, fotos de perfil, lugares onde as pessoas viveram, ocupação e estado civil. No entanto, o Google diz não ter encontrado evidências de que esses dados foram acessados indevidamente.

De qualquer forma, a empresa aproveitou a situação para anunciar o fim do Google+ como um serviço para o usuário comum. “Esta análise cristalizou o que já sabemos há algum tempo: ainda que nossos engenheiros tenham se esforçado e dedicado para construir o Google+ ao longo dos anos, ele não alcançou adesão ampla de consumidores ou desenvolvedores, e vê pouca interação dos usuários com os apps.

A versão para consumidor do Google+ atualmente tem pouco uso e engajamento: 90% das sessões de usuários do Google+ têm cinco segundos ou menos”, explica o comunicado. Na prática, isso significa que a maioria das pessoas que abrem o aplicativo o fazem por engano e fecham logo em seguida.

Além do fechamento do Google+, que deve acontecer de forma gradativa ao longo dos próximos 10 meses, o Google também prometeu uma série de funções novas para sua ferramenta de login em outros apps. Com isso, usuário terão mais controle sobre as permissões que darão a aplicativos para que acessem informações de suas contas.

Fonte: Olhar Digital

 

Google: como apagar suas informações.

É possível excluir dados de localização e até mesmo buscas armazenadas em seu smarthphone, além de impedir que eles sejam usados por anunciantes.

Ele sabe o que você procura, o que te interessa e os lugares que você visita, entre muitas outras coisas. Esse é o Google, a ferramenta de busca mais usada do mundo, que completa 20 anos.

“Quando o usuário usa nossos serviços, confia a nós informações dele.”

É assim, de forma clara, que o gigante tecnológico se dirige a seus usuários logo na primeira linha dos termos e condições de privacidade.

Mas o que você provavelmente não sabe é que o Google oferece a possibilidade de excluir as informações armazenadas em um lugar chamado “Minha atividade” ou “My activity”, em inglês.

Nós explicamos como fazer isso em alguns passos.

1. Excluir minha atividade

Cada vez que você faz uma pesquisa no Google, a empresa a salva e a associa à sua conta.

Ela também registra todos os movimentos que você faz, como preencher um formulário ou ler seu e-mail no Gmail.

Todos os dados são coletados em um site chamado “Atividade”. É exatamente nesta área que você tem que ir para consultá-lo.

Você tem três opções na hora de excluir informações:

A primeira é usar a pesquisa para encontrar uma página específica para apagar.

Página mostra informações que o Google mantém sobre você — Foto: ReproduçãoPágina mostra informações que o Google mantém sobre você — Foto: Reprodução

Página mostra informações que o Google mantém sobre você — Foto: Reprodução

A segunda é limpar as buscas feitas no mesmo dia, escolhendo “Hoje” e depois clicando na opção “Excluir”

A terceira opção é eliminar toda a sua pesquisa. Para fazer isso, clique em “Excluir por” na lista à esquerda. Clique em “Excluir por data” e selecione “Todo o período”. Se você tem certeza desta opção, clique em “Excluir”.

Em todos os casos, aparecerá um aviso do Google sobre os possíveis impactos dessa decisão. Mas, na realidade, excluir o histórico de pesquisa do Google e a trilha de navegação não tem nenhuma consequência em relação à operação da sua conta do Google ou seus aplicativos.

2. Elimine toda a sua atividade no YouTube

O Google também mantém um registro de todas as suas pesquisas no YouTube.

Google permite que você veja e exclua suas informações de busca no YouTube — Foto: ReproduçãoGoogle permite que você veja e exclua suas informações de busca no YouTube — Foto: Reprodução

Google permite que você veja e exclua suas informações de busca no YouTube — Foto: Reprodução

Mas isso é algo que você também pode excluir facilmente, apagando o histórico de pesquisa.

3. Como eliminar tudo que os anunciantes sabem sobre você

O Google não só sabe tudo sobre você, mas também repassa essa informação a anunciantes.

É por isso que ele é capaz de mostrar anúncios que combinam com o que você procura.

Mas é possível descobrir quais informações estão sendo transmitidas aos anunciantes.

Para isso, acesse sua conta do Google e depois “Informações pessoais e privacidade”. Desta vez, o que interessa é a opção “Configurações de anúncio”.

As configurações de privacidade permitem que o usuário impeça seus dados de serem repassados a anunciantes — Foto: ReproduçãoAs configurações de privacidade permitem que o usuário impeça seus dados de serem repassados a anunciantes — Foto: Reprodução

As configurações de privacidade permitem que o usuário impeça seus dados de serem repassados a anunciantes — Foto: Reprodução

Uma vez dentro, clique em “Gerenciar Configurações de Anúncio”.

Na sequência, opte por “Controlar anúncios com sessão fechada”. Se você clicar nessa opção, você pode escolher se deseja receber anúncios com seus interesses ativados ou desativados (a opção de não receber publicidade não está disponível).

O Google irá avisá-lo de que não se adequará a você porque você vai parar de ver anúncios relacionados aos seus interesses, mas cabe a você escolher.

4. Remover o histórico de localização do Google

Se você usa um dispositivo Android, o Google acompanha os locais que você visitou com seu dispositivo por meio de um recurso chamado Rotas.

Página de privacidade do Google — Foto: ReproduçãoPágina de privacidade do Google — Foto: Reprodução

Página de privacidade do Google — Foto: Reprodução

Para apagar todas essas informações do Google Maps, você deve acessar essa página.

Na tela inicial, é possível interromper o registro virando para a esquerda a chave do “Histórico de localização”.

Para excluir todo o histórico anterior, clique em “gerenciar histórico de localização” e, depois, no ícone de Configurações.

Para deletar dias específicos, basta selecionar, na mesma página, a data no calendário na área esquerda da tela e clicar no botão da lixeira.

Fonte: G1.

Google e Mastercard supostamente fazem parceria para rastrear compras off-line

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” center_content=”no” last=”no” min_height=”” hover_type=”none” link=””][fusion_text]

De acordo com um relatório da Bloomberg , o Google e Mastercard assinaram um acordo secreto para que o Google possa rastrear as vendas no varejo usando dados de transação da Mastercard. Esta é mais uma prova de que os verdadeiros clientes do Google são seus parceiros de publicidade.

A publicidade on-line já superou todos os outros métodos de publicidade. As empresas gastam mais em anúncios on-line do que anúncios de TV, anúncios em jornais e muito mais.

E o motivo pelo qual os anúncios on-line se tornaram tão populares é que é muito mais fácil acompanhar a eficácia de sua campanha publicitária. Se você gasta dinheiro em anúncios do Google ou do Facebook, pode acompanhar diretamente o número de clientes que acabam na sua loja on-line devido à sua campanha. Você pode até ver o que eles acabam comprando.

E, no entanto, se você vir um anúncio on-line para uma TV e comprar uma TV na loja? As empresas de tecnologia tentaram por anos preencher a lacuna entre anúncios on-line e vendas off-line. É por isso que o Google rastreia sua localização o tempo todo , mesmo que você desative o histórico de localização. E é também por isso que o Google e a Mastercard podem ter assinado um acordo.

De acordo com a Bloomberg, todos os dados de transações da Mastercard nos EUA são criptografados e transmitidos ao Google. O Google está pagando à Mastercard, e potencialmente a outras redes de cartões, para acessar essas informações.

O Google não pode ver transações individuais. Mas a empresa pode extrair informações relevantes dessa pilha de dados. Por exemplo, poderia combinar compras off-line com perfis de usuário. E a empresa sabe se um usuário clicou em um anúncio.

Os anunciantes podem fazer upload de um banco de dados de e-mail para corresponder às vendas off-line com os perfis do Google e os cliques em anúncios. O Google envia relatórios com total de vendas off-line. Os anunciantes, em seguida, podem ver quanto dinheiro eles geraram graças a sua campanha publicitária on-line.

É uma boa maneira de convencer os clientes de publicidade de que a campanha deles foi eficaz. Quando essas empresas estão pensando em seu orçamento de publicidade, as chances são de que acabarão gastando mais dinheiro no Google se perceberem que isso gera muitas vendas.

Essa estratégia mostra mais uma vez que a construção de uma empresa de publicidade em escala requer algumas concessões de privacidade. É ainda mais ofensivo que o Google não fale sobre esses negócios mais publicamente. Os usuários merecem saber o que acontece.

Você pode optar por recusar essa oferta da Mastercard desativando “Atividade na Web e de apps” na sua conta do Google. Mas essa configuração é difícil de encontrar e engloba uma tonelada de coisas. As compras off-line não são dados “web” nem “app”, por exemplo.

Fonte: Tech Crunch

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Ganhos da Alphabet no 2º Quadrimestre: o que você deve esperar

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” center_content=”no” last=”no” min_height=”” hover_type=”none” link=””][fusion_text]

Uma grande semana de ganhos com tecnologia está em andamento após o fechamento da NASDAQ nesta segunda-feira, quando a empresa-mãe do Google, a Alphabet revelou seus resultados do segundo trimestre.

Analistas esperam que a gigante de tecnologia registre lucro por ação de US$ 9,59, sobre receita de US $ 32,17 bilhões nos três meses encerrados em junho. No mesmo trimestre do ano passado, a Alphabet divulgou lucro de US$ 5,01 por ação e receita de US $ 26 bilhões.

No mesmo trimestre do ano passado, o Alphabet divulgou lucro de US $ 8,90 por ação, excluindo uma multa regulamentar de US $ 2,7 bilhões que a União Europeia impôs à gigante de tecnologia.

MULTA DA UNIÃO EUROPEIA

Apesar da pesada penalidade, a multa é inferior a 1% do valor de mercado da empresa, que é de cerca de US $ 830 bilhões. O Google disse que apelaria da decisão.

A multa da Comissão Europeia superou uma multa recorde anterior de US $ 2,7 bilhões que a companhia sofreu em 2017, depois que reguladores da UE disseram que o Google violou as regras antitruste para práticas de compras online.

“O Google abusou de seu domínio de mercado como um mecanismo de busca ao promover seu próprio serviço de comparação de compras em seus resultados de busca e rebaixar os dos concorrentes”, disse a comissária Margrethe Vestager na época da multa.

Outras gigantes da tecnologia, Amazon e Facebook, divulgarão resultados trimestrais no final da semana.

Fonte: Fox Business

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Facebook, Amazon e Cisco podem enfrentar multas de US $ 10 bilhões na UE

Algumas grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos podem sofrer penalidades adicionais após multa recorde de US $ 5 bilhões da União Européia aplicada ao Google na semana passada, segundo o CEO da Acronis, Serguei Beloussov.

Amazon, Facebook, Cisco estão entre as principais empresas dos EUA que devem ser mais cuidadosas com suas práticas de negócios na Europa, de acordo com Beloussov.

“Essas empresas precisam melhorar a coordenaçção entre o pessoal de vendas e o departamento jurídico sobre como eles lidam com certas práticas”, disse Beloussov durante uma entrevista com Stuart Varney, da FOX Business, nesta segunda-feira.

De acordo com a Acronis CEO, a nova realidade enfrentada pelas companhias americanas que fazem negócios com a Europa enfrentam as leis estrangeiras, as quais são planejadas com o objetivo de regular o mercado.

“Se você não seguir as regras, você dá uma oportunidade para a União Europeia multá-lo”, disse Beloussov.

multa recorde contra as violações antitruste do Google para Android foi a segunda multa recebida em mais de um ano. A UE impôs uma multa de US $ 2,7 bilhões ao Google em junho de 2017 por abusos relacionados ao negócio de plataformas de compras do mecanismo de busca.

Beloussov prevê que a UE batize empresas de tecnologia dos EUA com mais de US $ 10 bilhões em multas em um ano.

Fonte: Fox Business

IA do Google é tão boa que poderia levá-lo a pensar que é uma pessoa

É uma agradável segunda-feira à tarde em Nova York e estou sentada em um restaurante tailandês no Upper East Side de Manhattan. Eu não estou aqui para comer um pouco de pad Thai, no entanto. Em vez disso, um punhado de jornalistas e eu estamos reunidos com a equipe Duplex do Google para ver o sistema acionado por AI em ação.

Duplex, você se lembra, estreou na conferência de E / S do Google em maio, onde o CEO Sundar Pichai impressionou a multidão demonstrando como sua nova tecnologia Duplex pode fazer ligações para lugares como restaurantes, salões de beleza e lojas para fazer reservas, solicitar compromissos. e verifique as horas de férias.

Essa demonstração foi tão impressionante que deixou muitos na platéia questionando se foi encenada. O que nos leva ao THEP Thai onde o Google (GOOG, GOOGL) está exibindo o Duplex em ação. E depois de testemunhar a tecnologia em primeira mão, posso dizer que é muito real – e ainda mais realista do que percebi inicialmente.

Para quem você vai ligar?

Duplex vive dentro do Assistente do Google. Para usá-lo, basta ativar o Assistente usando seu Google Home ou por meio do aplicativo para smartphone. Você pode então pedir ao Assistente para fazer uma ligação para fazer uma reserva em um restaurante por um tempo específico para um determinado número de pessoas, e ele cuidará do resto. Você receberá uma notificação no Assistente e um email confirmando seus planos.

A IA – Inteligência Artificial não estará disponível para todos logo de cara. Em vez disso, o Google está lançando para um pequeno número de empresas e usuários confiáveis. Começará com a verificação das horas de férias das empresas, depois passará para restaurantes e salões. Portanto, não espere usar o Duplex em breve.

O Google reconhece que a tecnologia ainda está sendo trabalhada. Neste ponto, ele é capaz de completar uma ligação quatro vezes em cinco. Quando uma chamada falha, no entanto, ela volta para, acredite ou não, um operador humano. Durante nossa demonstração em NY, um jornalista conseguiu desarmar a IA o suficiente para trazer o operador que tinha que resolver as coisas.

O Google realmente usou operadores humanos para treinar os algoritmos que alimentam o Duplex. No desenvolvimento da tecnologia, o Google fez com que as operadoras telefonassem para os restaurantes para fazer reservas, marcar consultas e marcar o horário de funcionamento das lojas para que a empresa entendesse melhor como essas conversas costumam fluir.

A partir daí, os engenheiros da empresa construíram o sistema Duplex para que ele pudesse fazer suas próprias chamadas solicitadas pelo usuário. Isso nos leva à atual permutação do Duplex, na qual o sistema pode, em grande parte, lidar com as conversas por conta própria, mas ainda pode sinalizar para um usuário quando ele passa por cima de sua cabeça.

O “é” e “hum” durante uma conversa

Durante o meu telefonema com Assistente, pediu uma reserva em um domingo, e eu respondi que o restaurante estava fechado apenas para ver o que aconteceria. Para minha surpresa, o sistema reagiu exatamente como uma pessoa normal faria. Ele disse tudo bem, me agradeceu e desligou. Era assustador o quão realista era.

Além disso, o fato de o Assistente alimentado do Duplex se parecer muito com uma pessoa real. Ao longo da demonstração, o sistema usava os mesmos tipos de inflexões e tons que você esperaria ouvir enquanto conversava com um funcionário do restaurante.

O Google diz que trabalhou com linguistas para entender como e por que as pessoas usam “é” e “hum” em conversas. O resultado é uma IA com uma incrível capacidade de imitar padrões de fala humanos. Se eu não soubesse que estava ouvindo uma IA, não teria sido capaz de notar a diferença.

Na verdade, o Google precisava garantir que, quando você está falando com o Assistente, ele se identifique e indique que está chamando um cliente. Isso é importante porque o Assistente registra suas chamadas como um meio de melhorar sua precisão. Se você não quiser que o Assistente grave a chamada, ela será automaticamente alternado para o operador humano.

Para quem é isso?

A verdadeira questão aqui é para quem o assistente de Duplex foi criado? O Google diz que a inteligência artificial tornará mais fácil para as empresas que não possuem serviços de reservas on-line atrair clientes que, de outra forma, poderiam não ter encontrado por conta própria. Para o Google, o serviço certamente ajudará a gigante de tecnologia a desenvolver melhor seus recursos de inteligência artificial, aumentando ainda mais seu enorme conjunto de conhecimento.

Fonte: Yahoo Finance