GettyImages-1212189013

Instagram aposta no e-commerce e expande acesso a sua loja virtual

Rede social, do Facebook, libera novos recursos para ajudar marcas, pessoas e pequenas e médias empresas a venderem pela plataforma

A rede social Instagram está dando nesta quinta-feira, 9, mais um passo na tentativa de ser relevante no comércio eletrônico. A partir de hoje a rede social vai estender a compra de produtos e serviços a qualquer loja virtual ou criador de conteúdo na rede – como influenciadores, por exemplo. Até agora, apenas um grupo restrito de empresas tinha esse benefício. A ideia é que as marcas possam usar o Instagram como uma vitrine, expondo ali os preços de seus produtos, e a partir dali redirecionar os seguidores para sites de fora do Instagram.

Ao menos por enquanto, a vitrine virtual será gratuita. A julgar pela receita dos demais anúncios na rede social, trata-se de um negócio e tanto. No ano passado, o Facebook faturou perto de 70 bilhões de dólares com publicidade. Só 6% desse total vêm de grandes empresas como Unilever e Adidas, que na semana passada anunciaram um boicote global à rede social fundada por Mark Zuckerberg por causa da política frouxa contra o discurso do ódio em suas plataformas. O grosso da publicidade vem de mais de 8 milhões de anunciantes – muitos deles pequenos negócios, numa estratégia de cauda longa.

Não é só o Facebook está de olho nesse público. O aplicativo chinês de vídeos TikTok lançou uma opção Business no final de junho. Em uma plataforma própria, a empresa permite que marcas criem campanhas de vendas. Até mesmo o Google entrou na onda. A empresa lançou o Business Messages, canal que permite que os clientes conversem com as empresas a partir do buscador ou do Google Maps.

Fonte: Exame

student-849819_1280

Como usar o Marketing de Relacionamento no seu e-commerce

O crescimento do e-commerce no Brasil acompanha o desenvolvimento de novas tecnologias e a ampliação da internet pela população. 

Isso revela um novo consumidor cada vez mais preocupado com informação de qualidade e em adquirir produtos ou serviços personalizados.

Por esse motivo, o Marketing de Relacionamento tornou-se indispensável para os comércios eletrônicos que desejam se destacar no mercado, oferecendo um atendimento diferenciado aos clientes e construindo uma proximidade com o público.

Ou seja, a estratégia promete fidelizar os compradores, algo essencial para aumentar as vendas e ajudar na captação de novos nichos. 

Afinal de contas, as pessoas querem ser bem atendidas e dão preferência para empresas que confiam.

Mas, como usar o Marketing de Relacionamento no seu e-commerce?

O artigo de hoje pretende responder a esta pergunta e dar dicas de como aplicar a estratégia no comércio eletrônico. Acompanhe mais com a leitura!

Mas, afinal, o que é Marketing de Relacionamento?

O Marketing de Relacionamento consiste em um conjunto de ações tomadas pela empresa, com o intuito de criar e manter uma proximidade com os clientes.

Por exemplo, um professor que dá aula de bateria, ao tratar bem seu aluno, constrói um relacionamento saudável, fazendo com que o estudante queira continuar tendo aulas, isto é, adquirindo o serviço.

Para reforçar essa relação, o Marketing de Relacionamento conta com algumas estratégias, oferecendo benefícios aos seus consumidores para fidelizá-los. 

Dessa maneira, os clientes se tornam fãs dos produtos e serviços prestados pela empresa, recomendando-os para outras pessoas.

Em resumo, o Marketing de Relacionamento engloba os seguintes aspectos:

  • Construção de uma marca forte;
  • Criação de autoridade no mercado;
  • Fidelização dos clientes;
  • Comunicação próxima com o público;
  • Contato em diferentes canais de marketing.

Diferentemente do marketing tradicional, em que se vê uma propaganda de persiana double vision que somente tem a intenção de vender, o Marketing de Relacionamento leva em conta todo o processo, desde a produção de conteúdo até o pós-venda.

Nesse sentido, o foco não é somente incitar a compra, mas sim, encantar os clientes. 

Desse modo, cria-se uma relação de confiança e o consumidor passa a defender a marca dentro do seu círculo social.

Quais as vantagens do Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce?

Vivemos em uma era em que vender não é tudo. Atualmente, não adianta nada conseguir vender um gerador eólico, por exemplo, se a empresa não é capaz de manter um bom atendimento ao cliente.

As organizações perceberam que existe algo muito valioso nos negócios: a satisfação dos consumidores. 

Por esse motivo, elas mantêm os clientes em primeiro lugar em todas as suas estratégias, desde o desenvolvimento do produto até depois de ter feito uma compra.

Em conjunto a isso, quando um cliente está contente com a sua marca, ele pode indicar a empresa para amigos e familiares, tornando-se um promotor da empresa. 

Grande parte dos lucros virá de consumidores já existentes e do famoso marketing “boca a boca”.

A seguir, confira algumas vantagens do Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce.

1 – Aproximação com os clientes

Um dos principais objetivos da estratégia é aproximar os seus clientes da marca, ao ponto em que é possível conhecer melhor quem são os consumidores e, com isso, oferecer as soluções ideais para cada um.

Dessa maneira, é possível segmentar melhor o público e ter uma comunicação mais direcionada, entregando justamente aquilo que o cliente precisa.

Afinal de contas, uma pessoa interessada em um serviço de hidrojateamento, por exemplo, está em busca de um processo de limpeza mais complexo e, portanto, é preciso um atendimento personalizado.

2 – Aumento do faturamento

O Marketing de Relacionamento ajuda a melhorar o faturamento das empresas, visto que o CAC (Custo de Aquisição por Cliente) custa de 5 a 7 vezes mais do que manter um antigo. 

Além disso, quando se mantém os consumidores, há maiores chances de revenda de outros produtos ou serviços.

Fora que o ROI (Retorno sobre Investimento) também é maior, ainda mais quando cada um de seus compradores indica a sua empresa para outras pessoas.

3 – Melhor posicionamento no mercado

Com um relacionamento personalizado e próximo, garante-se a satisfação e a confiança do público. 

Como consequência, o seu negócio pode tornar-se uma referência no mercado e se diferenciar da concorrência.

Afinal de contas, mesmo que muitos comércios eletrônicos tenham uma tecnologia similar de led para piscina, por exemplo, a audiência costuma preferir os e-commerces que se destacam pelo atendimento, pela credibilidade e pela reputação.

4 dicas de Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce

O Marketing de Relacionamento serve para formar uma relação constante e progressiva com cada indivíduo. Isso pode ser feito de várias formas, especialmente com o auxílio de ferramentas digitais, para implantação de uma estratégia a médio e longo prazo.

Vale dizer que o Marketing de Relacionamento é uma ação complementar a várias outras iniciativas dentro da empresa. 

Por exemplo, é possível produzir conteúdo relevante sobre uma treliça de ferro, em uma abordagem que privilegia a oferta de materiais interessantes para aproximar o público.

Por esse motivo, a construção do relacionamento é feita em conjunto com demais iniciativas de marketing. Abaixo, conheça algumas técnicas para de Marketing de Relacionamento para o seu e-commerce.

1 – Criação de conteúdo em blogs

Atualmente, o consumidor não quer apenas se deparar com uma propaganda invasiva, como um banner preço das mercadorias. Ao contrário, ele quer ser bem informado sobre o produto ou serviço que está prestes a adquirir.

Sendo assim, o Marketing de Relacionamento pode oferecer exatamente a informação que o público procura, por meio da criação de conteúdo em blogs posts.

Para isso, é necessário conhecer a audiência, quais são suas demandas, preferências e características. 

Dessa forma, é possível elaborar materiais direcionados, que vão realmente chamar a atenção dos potenciais clientes.

Assim, é fundamental que a empresa crie as personas, isto é, representações semifictícias dos clientes, com base nas especificações do público-alvo. 

Depois disso, a criação de conteúdo será muito melhor, com uma linguagem adaptada aos seus consumidores.

2 – Envio de mensagens por e-mail marketing

O e-mail marketing é uma ferramenta poderosa para criar uma proximidade com seus clientes. 

A estratégia é baseada na comunicação entre a empresa e seus consumidores ou leads (potenciais clientes), por meio do envio de mensagens segmentadas.

Normalmente, o e-mail marketing utiliza recursos de automação, para personalizar o conteúdo e enviar mensagens conforme o estágio do funil de vendas em que cada cliente está (ou seja, mais perto ou mais afastado para realizar uma compra).

Além disso, o e-mail marketing também é usado para receber feedbacks dos consumidores. 

Por exemplo, após adquirir um adesivo jateado, a empresa pode enviar uma mensagem ao cliente, perguntando como foi a experiência com o produto.

3 – Participação em programas de fidelidade

Os programas de fidelidade têm como objetivo oferecer vantagens aos clientes que realizam compras recorrentes no seu e-commerce. 

É uma maneira eficiente de fidelizar os consumidores, construindo um relacionamento mais duradouro com a marca.

Mais do que descontos e recompensas, os programas de fidelidade criam vínculos fortes com o público, pois os compradores se sentem especiais e, com isso, tendem a comprar mais com a sua empresa.

4 – Construção de relacionamento por redes sociais

Estar presente nas redes sociais permite que a empresa possa levar o seu conteúdo para um número cada vez maior de usuários. 

Afinal de contas, esses canais crescem exponencialmente na internet e, por isso, são amplamente usados como parte das estratégias de marketing.

Contudo, justamente pelo grande alcance das redes sociais, todos os conteúdos, comentários e respostas ao público devem ser muito bem pensados. 

Até porque, do mesmo modo que uma publicação pode se tornar viral em benefício do seu e-commerce, ela também tem o poder de prejudicar os negócios.

As redes sociais permitem o trabalho com vários tipos de conteúdos, incluindo promoções, anúncios patrocinados, oferta de materiais e publicações interativas para gerar engajamento. 

Portanto, procure saber como trabalhar em cada mídia, para oferecer o melhor material ao seu público.

Conclusão

O Marketing de Relacionamento é uma estratégia extremamente vantajosa para os e-commerces. 

Com capacidade de aproximar a audiência, fidelizar clientes e alcançar novos nichos de mercado, suas técnicas vão muito além da venda, abarcando a construção de laços, mesmo após a compra.

Por esse motivo, é importante trabalhar com o Marketing de Relacionamento em todos os processos de contato com os clientes – desde uma simples publicação em um blog, até uma pesquisa de satisfação enviada por e-mail.

Desse modo, é possível alcançar não só um aumento de vendas, mas o reconhecimento do mercado e o destaque perante a concorrência.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Referências

https://neilpatel.com/br/blog/importancia-do-marketing-de-relacionamento/#:~:text=Implementar%20um%20programa%20de%20recompensa,Gastar%20mais%20em%20cada%20transa%C3%A7%C3%A3o.

https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-marketing-de-relacionamento/#:~:text=Marketing%20de%20Relacionamento%20%C3%A9%20o,defensores%20e%20divulgadores%20da%20marca.

https://www.e-commerce.org.br/como-o-marketing-de-relacionamento-influencia-no-e-commerce/

https://tangerin.com.br/5-vantagens-do-marketing-de-relacionamento-para-o-seu-negocio/

https://rockcontent.com/blog/marketing-de-relacionamento/

https://rockcontent.com/blog/tudo-sobre-email-marketing/

https://www.sunoresearch.com.br/artigos/programa-de-fidelidade/

e-commerce-online-shopping-internet-purchases-conc-PFHRY5Ealt

Pandemia de coronavírus: é a hora de investir sua energia no e-commerce

O coronavírus está transformando os hábitos de consumo. Pessoas que nunca haviam feito uma compra online agora estão acessando e comprando de lojas virtuais. A perspectiva era de que o e-commerce duplicasse seu crescimento em 5 anos mas, diante da quarentena, a previsão deste aumento é de 12 meses.

Empresas que pensavam ainda não ser necessário vender online despertaram para uma nova realidade. Diante disso, temos algumas dicas para quem deseja finalmente iniciar seu e-commerce. Estamos há 11 anos no mercado, com nosso conhecimento e experiência, desenvolvemos uma metodologia para auxiliar os empreendedores na atuação no mercado digital.

A metodologia que verá a seguir é o BOPI (Base do Negócio, Oferta, Público e Marketing e Impulsão).

Passo 1: base do negócio

Para vender online é importante que sua empresa esteja constituída legalmente, tenha um CNPJ. A logo é essencial também, e deve representar a identidade do seu produto. Além disso, você precisa ter um domínio, seu endereço na web. O domínio pode ser registrado no RegistroBr. Aconselho ter o registro .com.br e o registro .com.

É muito importante a integração com um ERP (sistema de gestão) para a emissão da nota fiscal, e auxílio no controle financeiro, controle de estoque e controle de vendas. Outro aspecto é a definição dos meios de envio que, inicialmente, pode ser realizado pelos Correios. Nesse quesito, é importante que a plataforma faça o cálculo automático do frete.

Nesta etapa também devem ser definidos os meios de pagamento. O ideal é ter um gateway de pagamento. Ele contribui com a segurança e melhor experiência de compra para o seu cliente, que pode optar pelo pagamento via boleto ou cartão de todas as bandeiras. Também é importante vincular as redes sociais com a sua página: Instagram, Facebook e WhatsApp, por exemplo. Ter um chat disponível é outro diferencial.

Assim, você deve escolher uma plataforma que atenda os aspectos citados acima para a melhor experiência do seu cliente. Isso levará o cliente a comprar de você, assim como fidelizá-lo à sua loja.

Passo 2: a oferta

Aqui vem a pergunta: o que você vai vender? Mesmo que você venda mais de um produto, é importante ter definido aquele que é o produto principal, que soluciona a dor do seu cliente — o produto estrela.

Tenha bem claro se o seu produto é adquirido por impulso ou por necessidade, pois esta definição irá impactar diretamente a sua comunicação com o público alvo.

O modo como o produto é cadastrado fará toda a diferença — e neste caso o SEO é rei! O que é SEO? SEO significa Search Engine Optimization (otimização para mecanismos de busca). É um conjunto de técnicas de otimização para sites, blogs e páginas na web. Essas otimizações visam alcançar bons rankings orgânicos, gerando tráfego e autoridade para um site ou blog.

Passo 3: público

Para quem você irá vender? Quem são suas personas? Público-alvo e persona não têm o mesmo significado. A principal diferença entre os dois é que o público-alvo apresenta informações de forma bem mais ampla e geral, enquanto a persona consiste em detalhes mais específicos, formando assim seu cliente ideal.

Para excelentes resultados no passo seguinte, que é a impulsão, você precisa conhecer muito bem o seu público: o que ele pensa, sente, ouve, vê, fala e faz, dores e ganhos. (mapa da empatia)

Este conhecimento é bem importante para realizar as campanhas de marketing e segmentar o público na impulsão — campanhas pagas.

Passo 4: impulsão

Neste passo estão: Facebook Ads, Google Ads, Instagram, e-mail marketing, recuperação de carrinho abandonado, venda em marketplaces, entre outros.

Quem já tem um e-commerce deve focar nos passos 2, 3 e 4 para vender cada vez mais. Seguindo esta metodologia, estamos falando de um processo de aquisição de clientes: previsível, escalável e lucrativo.

Quando trazemos o conceito onffline, o offline gera receita e o online gera lucro (+ de 70% das compras nas lojas físicas começam na internet). Diante da realidade que a quarentena nos impôs, com restrições para vendas nas lojas físicas, o online é a melhor opção.

Seu e-commerce pode salvar a sua loja física. Trabalhe muito a sua presença digital também no Google, nas redes sociais… Esteja onde o seu cliente lhe procurar. Quando tudo voltar à normalidade, que não será tão normal assim, pois os hábitos de consumo terão se transformado, você conseguirá se destacar cada vez mais no mercado que atua.

Fonte: e-commerce Brasil
Autor: Josele Delazeri de Oliveira