shutterstock_580499569

As 6 grandes tendências do e-commerce brasileiro para 2021

Depois de um ano em que vimos um crescimento histórico, o que vem por aí neste 2021?

Para o bem ou para o mal, os últimos 12 meses foram inesquecíveis. A pandemia acelerou a digitalização do varejo de uma forma que seria impossível imaginar: no primeiro semestre de 2020, o e-commerce teve o maior crescimento dos últimos 20 anos, avançando 47%. As empresas precisaram investir em canais digitais para poder continuar em contato com os clientes. Quem tinha um e-commerce atualizou seus sistemas, quem estava offline correu para abrir um site ou entrar em um marketplace. O WhatsApp se tornou estratégico e as lojas físicas ganharam a função de hub de distribuição.

E o crescimento do e-commerce continuou acelerado no segundo semestre. Uma boa referência é a Black Friday, em que as vendas cresceram 32% na comparação anual, considerando somente a sexta-feira. Em todo o mês de novembro, a expansão foi de 70%. O varejo foi de vez para o online, incluindo segmentos como materiais de construção e supermercados, e o consumidor gostou.

Como resultado, o varejo brasileiro nunca mais será o mesmo.

O novo ano começa com a expectativa de tempos melhores, mas ainda com a promessa de turbulências. O fim do apoio emergencial e indefinições a respeito de um cronograma de vacinação (ou mesmo de quais vacinas estarão disponíveis) criam mais tensão, mas todos nós estamos imersos nesse ambiente e vamos precisar lidar com ele. A diferença estará em quem conseguir identificar os caminhos para estar mais próximo dos clientes e digitalizar ainda mais seus negócios.

Por isso, neste 2021 todo varejista deveria estar atento aos seguintes pontos, que farão a diferença entre ser líder e ficar para trás:

1) Integração online e offline

O fechamento das lojas físicas de todo o varejo considerado não essencial (responsável por cerca de dois terços das vendas do setor) teve um efeito benéfico inesperado. Com as lojas fechadas ao público, ficou claro que o PDV poderia – e deveria – ser mais que um lugar para a venda de produtos. No melhor exemplo de “se Maomé não vem à montanha, a montanha vai a Maomé”, a loja passa a estar à disposição do cliente de todas as formas possíveis.

Os varejistas perceberam que suas lojas físicas poderiam funcionar como hubs avançados de distribuição para atender os pedidos online dos clientes da vizinhança. Dessa forma, conseguem reduzir significativamente os custos logísticos e os prazos de entrega e ganhar competitividade. O ship from store ganhou um enorme impulso ao longo de 2020: dados da Linx Digital mostram que, na Black Friday, essa modalidade teve um aumento de 142% no número de pedidos e representou 63% de todos os pedidos omnichannel.

Em 2021, mais varejistas irão adotar a entrega a partir das lojas físicas, estimulando a modernização dos sistemas e acelerando a implementação de sistemas OMS. Ao mesmo tempo, o “clique e retire”, a forma mais conhecida de omnichannel, voltará a ganhar força com a vacinação e o aumento do fluxo de clientes nas lojas.

2) Siga as letras: ESG

Os cuidados com práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) ganharam espaço durante a pandemia e, neste ano, serão um fator cada vez mais importante na escolha das marcas e na fidelização dos clientes. Empresas com um posicionamento ESG relevante terão uma melhor imagem e tenderão a crescer mais rápido – desde, é claro, que as ações ESG sejam reais.

Isso é muito positivo para o e-commerce, que pode se beneficiar de várias maneiras: usando embalagens recicláveis ou retornáveis; comunicando melhor suas ações de redução da “pegada de carbono” ou para ajudar comunidades carentes; e se envolvendo em causas sociais e/ou ambientais. Empresas que são referência em ESG mostram aos clientes que têm um propósito mais nobre que a venda de produtos. E isso traz resultados financeiros.

3) Inteligência Artificial que funciona

Inteligência Artificial (IA) foi uma das expressões mais presentes nas conversas, em eventos e nos materiais de marketing. Fornecedores dizem que seus sistemas se baseiam em IA, empresas dizem que usam a tecnologia para conhecer melhor seus clientes, e assim se conquista uma imagem de modernidade. Mas é preciso ir muito além disso.

A IA oferece benefícios reais em qualquer atividade que dependa da coleta e da análise de dados para melhorar o relacionamento com os clientes. Neste ano, mais e mais aplicações de tecnologia terão IA embutida. A chave para o sucesso é entregar valor real ao cliente. A IA que funciona é aquela que antecipa demandas dos consumidores para solucionar problemas do varejo e da indústria, como ruptura, planejamento de demanda e personalização de promoções e ações de comunicação.

4) Live streaming

No meio da pandemia, o varejo descobriu o live streaming como uma forma de levar calor humano para as transações online. Uma maneira de tornar o e-commerce mais “com cara de loja física”. Em um primeiro momento, com um jeito bem vintage: apresentar ofertas em vídeo e estimular o cliente a acessar um outro canal para fechar a transação é uma forma de descrever os canais 1406 dos anos 90 (em que o cliente ligava para um número de telefone para fazer o pedido).

O exemplo da China aponta o caminho para o que será o live streaming neste 2021: comprar diretamente do vídeo, sem sair da transmissão e sem direcionar o cliente para outro canal de relacionamento. A integração dos mecanismos de compra às transmissões oferece uma experiência mais imersiva.

Não é à toa que o Interactive Advertising Bureau estima que as vendas geradas pelo live streaming alcancem US$ 120 bilhões em todo o mundo neste ano. Os consumidores querem sentir uma conexão com as marcas, não querem somente comprar produtos. O live streaming consegue oferecer essa conexão, mantendo a segurança do isolamento social. É de se esperar que, passada a crise, os consumidores voltem às lojas, mas o live streaming continue sendo uma força importante para o relacionamento com as marcas.

5) Social commerce, finalmente!

Há anos as vendas pelas redes sociais são uma tendência indicada como “agora vai”. Com a pandemia, mais pessoas passaram a interagir online com suas marcas preferidas, encurtando o caminho para as compras online. Como Instagram, Facebook e TikTok são sinônimo de internet para boa parte dos seus usuários, as experiências de compra nas redes sociais estão se sofisticando. Projeções indicam um crescimento da ordem de 30% nas vendas globais via social commerce nos próximos cinco anos. Mais poder para as big tech, mais desafios para as marcas de varejo.

6) Uma nova logística

A logística é um aspecto estratégico do e-commerce, já que a velocidade de entrega dos produtos é um enorme fator de diferenciação e um dos principais elementos decisivos de compra, ao lado do valor do frete. Novas soluções de entrega diminuem o prazo e reduzem o custo do delivery de produtos, o que torna o e-commerce ainda mais interessante para os clientes e alavanca vendas.

Além do ship from store, que transforma as lojas físicas em hubs logísticos, outro movimento importante dos varejistas online é a busca por novas modalidades de entrega. Os marketplaces estão reforçando suas estruturas de entrega, com investimentos em Centros de Distribuição, carros elétricos, aviões e drones. Startups dedicadas à logística de última milha aumentam as possibilidades do uso de lockers e parceiros de coleta e retirada de entregas. O varejo precisa levar em conta essas novas realidades e desenvolver um mix de entregas que alie velocidade e custos baixos. Essa será uma equação vencedora no e-commerce de 2021.

Fonte: e-commerce Brasil

n_40073_2f2433ffc71c83c9a171c9fbf731aade

5 tendências de marketing de conteúdo

Confira 5 tendências de marketing de conteúdo para você aplicar em seu blog:

1) Pesquisa por voz

 

O Google anda investindo bastante nas pesquisas por voz, cuja estratégia é bem simples: tornar a busca do usuário mais rápida e prática. Afinal, as pessoas andam escrevendo cada vez menos e querendo cada vez mais rapidez em sua experiência como usuário.

De acordo com pesquisa do próprio Google, desde 2017, cerca de 20% das consultas feitas na plataforma são a partir de uma pesquisa por voz.

Invista em plataformas que operem com essa tecnologia. Assim, você auxilia o usuário na busca por informação ao otimizar seu site para um SEO que leve em consideração esse comportamento do usuário.

 

2) Conteúdo em vídeo

 

Em quatro anos, o crescimento do consumo de vídeos na internet subiu 135%. A preferência vira uma oportunidade para quem acompanhar essa tendência, que só deve ganhar força em 2019.

Os vídeos são capazes de se sobressair a imagens e textos, engajando e retendo mais a atenção do público. Vale produzir lives ou até vídeos dinâmicos explicando o funcionamento do seu produto ou serviço e respondendo as principais dúvidas dos clientes. O importante é atrair a atenção do usuário.

No caso das lives, por exemplo, assistir vídeos ao vivo proporciona ao espectador a vantagem de consumir o seu conteúdo em tempo real. Com caráter de informação exclusiva. É como se você estivesse fazendo parte da vida da pessoa, visto que ela poderá te assistir de qualquer lugar e de onde estiver. No que diz respeito ao posicionamento no Google e SEO do site, o buscador já deixou claro a sua preferência por conteúdos multimídias.

Mais um ponto para as empresas que estiverem atentas a isso em 2019 e saírem na frente.

 

3) Influenciadores digitais

 

Não estamos falando daqueles influenciadores mega famosos. Se a estratégia da empresa é falar com determinado público e/ou nicho – e não com o objetivo de ter o maior alcance possível – o foco precisa estar nos pequenos e microinfluenciadores digitais. São eles que podem alavancar a sua estratégia digital ao mostrar que consomem o seu produto ou serviço.

É aquela velha história: fazer propaganda sem cara de propaganda, sem ser aquela coisa forçada, comprada. Nessas horas, os (bons) influenciadores entram em cena.

 

4) Automação de conteúdo (Chatbots)

 

A automatização do atendimento ao cliente – sem desconsiderar a personalização e a brand persona! – possibilita a redução de erros e o rápido feedback tão necessário nas redes sociais.

E isso vai muito além das respostas automáticas. Utilizar o chatbot não deve parar por aí!

Com a automação é possível coletar dados sobre os seus clientes e utilizá-los para outras estratégias de marketing. Que tal produzir um conteúdo super segmentado de acordo com os interesses do seu público?

 

5) Topic Clusters

 

No universo do SEO, essa é uma grande novidade. Topic Clusters, ou no português literal “Grupo de Tópicos”, é um recurso que trabalha termos de busca por agrupamento de acordo com relevância e interconexão.

Em outras palavras, você organiza seu conteúdo para que os assuntos sejam aglomerados de forma clara e complementar. Você produz um conteúdo principal, com uma palavra-chave mais genérica, e vários outros relacionados e linkados entre si que fortaleçam o tema em seu site para o usuário e para o Google.

A proposta é que os produtores de conteúdo não usem mais as palavras-chaves de forma “solitária”. Agora, palavras alocadas em um mesmo grupo, com alta relevância entre si, ativarão os algoritmos do Google. A ferramenta, por sua vez, entregará o melhor resultado de busca ao usuário.

Fonte: aldeiaconteudo

WhatsApp Image 2019-05-08 at 11.28.30

Tendências modernas para cartões de visita

Mesmo em um mundo cada vez mais conectado, com todos os passos da vida de uma pessoa sendo vivenciados e resolvidos por meio da internet, uma peça impressa nunca sai de moda: o cartão de visita.

Tão importante quanto um bom networking para a construção de relacionamento com possíveis parceiros de negócio, o cartão de visitas faz parte do ritual de apresentação de todos aqueles que desejem prospectar parceiros ou ampliar seus contatos. “O simples ato de entregar um cartão não constrói um relacionamento. É preciso passar a mensagem certa para aquela pessoa que se deseja aproximar”, explica Roberto Eskenazi, sócio da Gráfica Online Eskenazi.

Em uma feira de negócios de porte médio, em que estimativas mostram que circulam mais de 10 mil pessoas por dia, quem não tem um cartão não é lembrado depois. O executivo recomenda que, na hora de fazer a encomenda de seus cartões de visita, o cliente opte por modelos modernos, que fujam do trivial e conquistem a atenção de quem lê. “Imagine um diretor em uma feira de negócios. Ele recebe milhares de cartões a cada rodada de conversa. Desses, só um ou dois captarão sua atenção. Por isso, é preciso inovar em cada detalhe, para que a pessoa esteja nesse seleto grupo”, diz.

Com mais de 60 anos de experiência na impressão de !ink cartões de visitas Roberto separou as principais tendências modernas que podem aumentar a visibilidade desse produto:

1. Letterpress

O cartão de visitas impresso em letterpress costuma se destacar dentre os demais, pois fornece a quem o recebe uma sensação tátil que aguça os sentidos.

A técnica, que imprime em baixo relevo, é antiga. Surgiu com a tipografia clássica de Gutemberg e aparece em desuso atualmente, mas pode ser utilizada para surpreender clientes.

2. Handmade

Para o sócio da gráfica online , um cartão que use uma técnica onde se simule a escrita cursiva ou que ele tenha sido preparado artesanalmente em casa, sem o auxílio profissional, imediatamente chama a atenção, pois denota um cuidado maior na produção de cada um deles.

3. Cortes especiais

Um cartão de visitas não precisa sempre ser quadrado. É possível brincar com seu formato, simulando nele seu ramo de atividade. “Se você trabalha com doces ou consertos de eletrodomésticos, pode inovar, criando um cartão em formato de bolo ou de serra, por exemplo”, diz.

4. Diferentes texturas

Uma tendência moderna – e que vem ganhando muita força no mercado da impressão de cartões de visitas -, mescla diferentes texturas em um mesmo produto.

Produtos que misturem papéis mais ásperos com mais suaves, brincando não só com o sentido tátil, são escolhas interessantes.

5. Uso de outros materiais

A preocupação com a sustentabilidade vem motivando o mercado gráfico a procurar outros materiais para a confecção de seus cartões. O sócio diretor da empresa identifica como tendência crescente o uso de elementos biodegradáveis ou, ainda, reciclados.

6. Cartões estampados com imagens

Os cartões de visita tradicionais, ilustrados apenas com textos, estão começando a dividir muito espaço com aqueles feitos apenas com imagens. Em geral, as figuras escolhidas tem relação direta com o trabalho de quem encomenda aquele tipo de produto.

7. Mensagens criativas

Empreendedores já estão investindo nesse diferencial: um cartão de visitas com um formato tão inusitado que mais se parece com uma lembrança de festa.
“As pessoas estão percebendo que não adianta só caprichar na apresentação do cartão. É preciso passar uma mensagem instigante, que deixe aquela pulga atrás da orelha de quem recebe”, explica Roberto.

8. Tecnologia

Por fim, uma tendência que vem crescendo cada vez mais na confecção de cartões de visita é o uso da tecnologia. Roberto Eskenazi destaca a inserção de elementos como o QR Code, código em que todos os dados de uma pessoa ou empresa podem ser consultados via aplicativo.

“Com o uso cada vez maior do celular, muita gente não dá atenção para o que recebe em papel. Então, ao mesclar o cartão tradicional com um aplicativo, muitos executivos estão percebendo resultados positivos. E nós, da indústria gráfica também, pois estamos acompanhando esse novo fenômeno”, conclui.

Fonte: exame.abril

9gb09jx9guro9corl6w2zx7bv

10 tendências de redes sociais para 2019

2018 foi um ano de muitas novidades e acontecimentos no mundo digital, principalmente quando o assunto é rede social. Novas redes surgiram, outras ganharam notoriedade, funcionalidades inéditas foram criadas, algumas redes até se envolveram em escândalos mundiais.

Tudo o que aconteceu no ano passado tem um peso importante nos próximos anos. Neste artigo iremos listar e comentar as tendências de redes sociais para 2019. Confira e comece já a utilizar essas dicas nas estratégias de marketing digital da sua empresa!

1 – Verdade e transparência em 1º lugar

Em 2018 a internet e as redes sociais foram tomadas por fake news e manipulação de dados. Isso teve uma consequência real na percepção dos usuários em relação às redes sociais. De acordo com uma pesquisa da Edelman, agência especializada em relações públicas e marketing, 60% dos usuários disseram não sentir confiança em empresas de mídias sociais. Isso mostra que o principal foco da gestão de redes sociais em 2019 deve ser mais do que nunca o engajamento transparente e significativo de usuários, e não apenas a maximização no alcance de publicações.

2 – Instagram como principal rede social

O Instagram existe desde 2010, mas o ano de 2018 foi um ano especial que trouxe muitas novidades para a rede. Só para ter uma ideia, os gastos com anúncios pagos no Facebook cresceu 40% no segundo trimestre de 2018, enquanto os gastos com anúncios no Instagram aumentaram 177% no mesmo período. Foram muitas novidades: atualização no algoritmo (permitindo ao usuário visualizar conteúdos que mais gosta), compartilhamento de conteúdo de outras contas no Stories, criação do IGTV (aplicativo para vídeos mais longos) e criação do Instagram Shopping (possibilidade de adicionar etiquetas a produtos, com informações de preço e links). Graças a essas novas funcionalidades, o Instagram elevou o seu status e tem grandes chances de ser considerada a principal rede social de 2019.

3 – O crescimento do LinkedIn

Em 2018 o LinkedIn, rede social de negócios, passou dos 500 milhões de usuários, com conteúdo potencial de 100 mil artigos por semana na plataforma. Isso tudo enquanto outras redes sociais passavam por diversos escândalos e problemas. Funcionalidades de grupos, vídeos e a possibilidade de integração com outras redes sociais e aplicativos foram responsáveis por dar ao LinkedIn uma maior visibilidade, transformando a rede numa das melhores mídias para divulgação em 2019.

4 – Conteúdos em vídeo

Os conteúdos disponibilizados em vídeo vêm crescendo desde 2015. Especialistas estimam que em 2019, 80% do que consumimos online será em vídeo, mostrando que este formato poderá dominar a web em pouco tempo. As redes sociais estão disponibilizando cada vez mais funcionalidades audiovisuais, confirmando essa tendência. E as opções de como usar os vídeos são muitas: vídeos gravados e editados, vídeos ao vivo, uso de realidade virtual e outras.

5 – Conteúdo criado pelo usuário (UCG)

O conteúdo criado pelo usuário, também conhecido como UCG (user-generated content), é qualquer tipo de conteúdo que usuários comuns (nada de artistas, celebridades ou influencers) criam espontaneamente sobre produtos ou serviços. A ideia por trás do UCG é aproveitar-se da autenticidade e credibilidade para a criação de um conteúdo com o qual o público pode se identificar. Esse conteúdo pode estar presente em espaços para comentários e avaliações, fóruns de discussões, sessões de perguntas e respostas e ações com hashtags, por exemplo.

6 – Stories

Stories são conteúdos curtos que ficam disponíveis por 24h e depois desaparecem. Essa funcionalidade, presente em redes sociais como Instagram, Snapchat, Whatsapp e Facebook Messenger, está crescendo 15 vezes mais rápido do que o conteúdo compartilhado em feed. Isso mostra que em 2019 esse tipo de recurso pode superar os outros. Assim, as empresas que pretendem melhorar a performance em 2019, devem manter seus stories atualizados e bem gerenciados.

7 – Influenciadores digitais

Já faz algum tempo que realizar ações com influenciadores digitais traz bons resultados para empresas. E parece que em 2019 isso não vai mudar. Só que nesses últimos anos, as empresas perceberam que a quantidade de seguidores não é o dado mais relevante de um influenciador, mas sim os seus resultados mensuráveis. Visto isso, algo que provavelmente crescerá em 2019 serão as buscas por micro influenciadores, que são perfis menores, porém fortes em determinados nichos.

8 – Aplicativos de mensagens privadas

Os aplicativos de mensagem privada, como Whatsapp e Facebook Messenger, estão dominando nossa comunicação. Juntos eles possuem mais de 2,8 bilhões de usuários. Muitas empresas estão preferindo transferir o atendimento ao cliente para esse tipo de ambiente, mais íntimo. Empresas que não disponibilizam de atendimento 24h podem contar com uma outra tendência para ajudar nessa tarefa: os chatbots.

9 – Chatbots e mensagens diretas automáticas

Em 2018 começaram a ser usados com mais frequência os chatbots, programas de computador que usam algoritmos para simular conversas humanas em chats, automatizando tarefas repetitivas e burocráticas. Em 2019 essa tendência se consolida e se aperfeiçoa. Hoje ela já é uma solução viável, de fácil acesso e implementação. Já é possível usar esses robozinhos no Facebook Messenger, Whatsapp e outras redes sociais.

10 – Social Commerce

Social Commerce, ou Comércio Social, é a integração dos e-commerces com as redes sociais. Diversas novidades apareceram em 2018 mostrando que essa integração será tendência em 2019. O Instagram disponibilizou o Instagram Shopping e a loja virtual no Facebook ganhou mais adeptos. Fora que Facebook e Pinterest já contam há algum tempo com funcionalidades características de e-commerce (call to action, links e botões de compra).

Essas foram algumas tendências para redes sociais em 2019. Coloque essas dicas em prática agora ou procure uma agência de mídias sociais para um gerenciamento completo.

Fonte: king.host

2 _ vendas

8 tendências do mercado norte americano de Marketing Digital que devem ser consideradas por aqui em 2019

O marketing digital, simplesmente, não pode ser ignorado. Ninguém está contestando o poder do marketing eficaz. Uma campanha de marketing e publicidade efetivamente executada pode atender às necessidades de qualquer negócio e aumentar a demanda pelo produto ou serviço que eles oferecem. Mas os tempos mudaram e, embora a necessidade de marketing ainda seja essencial, o marketing mais eficaz mudou muito.

Se você quiser ir onde as pessoas estão, você precisa estar ativamente on-line. A influência do cenário digital, ou ‘ciberespaço’, tem crescido constantemente desde os anos 90, e agora, apenas algumas décadas depois, é um grande ambiente virtual para a grande maioria das pessoas no planeta.

As mídias sociais , o streaming de conteúdo e a facilidade de criar ou consumir conteúdo digital tornaram a Internet o local ideal. Então, se você quer vender para o seu público online, como você deve fazer isso? O ano de 2018 está chegando ao fim, um ano novo está chegando e isso significa revisar as principais tendências que os profissionais de marketing digital devem conhecer ou se preparar para dominar.

1. Facebook continua vivo

A boa notícia é que o Facebook ainda é a principal plataforma de mídia social nos Estados Unidos, com um impressionante 41% de seus usuários com mais de 65 anos. Aqui no Brasil o Facebook segue esta tendência. Então, para o marketing que tem como alvo um grupo demográfico sênior, simplesmente não há uma plataforma melhor. Por outro lado, o Facebook teve um 2018 difícil, com uma violação de dados que afetou 14 milhões de usuários , ganhando a reputação de ser a plataforma preferida para propaganda política armada e uma queda contínua na popularidade entre mais jovem, tanto que muitas pessoas sentem que a relação entre o público e o Facebook pode estar mudando .

É importante que os futuros profissionais de marketing digital vejam realmente quem pode ser o seu mercado-alvo, porque o Facebook pode ser muito inadequado para algumas campanhas, especialmente porque continua tendendo para baixo com a demografia mais jovem. Não se engane, o Facebook ainda é enorme, e muitos usuários continuam a usá-lo, mas seja mais criterioso com quem você está fazendo marketing, e certifique-se de que eles ainda estejam no Facebook, ou você estará alvejando a mídia social errada.

2. Instagram é um sucesso com as crianças

Instagram é um sucesso com as crianças

Felizmente para o Facebook, a maior ameaça deles não existe desde que eles compraram o Instagram. A plataforma de mídia social baseada em imagem e vídeo é otimizada para facilitar aos usuários o compartilhamento de fotos e vídeos de seu telefone, que agora é o dispositivo de computação mais onipresente do planeta e está crescendo rapidamente como a plataforma preferida do público em geral .

A ascensão meteórica do Instagram já ultrapassou um bilhão de usuários, uma conquista impressionante. Isso significa que é uma das plataformas de mídia social que mais cresce e, talvez mais importante, grande parte de sua base de usuários é o cobiçado grupo demográfico mais jovem, especialmente abaixo dos 30 anos , que o Facebook está perdendo devido à sua reputação como plataforma de mídia social para “ pessoas mais velhas.”

3. O uso do Chatbot aumentará

Os chatbots são apenas uma forma especializada de software que atua como um “concierge” virtual, comunicando-se com os usuários e ajudando-os a completar suas metas. Os chatbots interagem com os humanos de forma natural, principalmente através do uso de janelas de chat de texto, mas interações verbais também são possíveis.

Os chatbots já são usados ​​extensivamente no Facebook, às dezenas de milharesde tarefas diferentes. Tudo, desde o fornecimento de relatórios meteorológicos até a automatização de algumas funções básicas de suporte ao cliente, pode ser facilmente manipulado por software sofisticado. Os bots permitem que os usuários obtenham interações personalizadas e focadas sem retirar muito dos recursos humanos limitados. Sua eficácia em 2018 já está mostrando um aumento significativo no uso, e esse uso provavelmente continuará crescendo para o marketing digital em 2019.

4. Vídeo é uma obrigação

Vídeo é uma obrigação

Um total de 73% de todos os americanos se envolve com o YouTube . Isso significa que mais da metade dos americanos assiste a vídeos, e muitos desses vídeos são criados a serviço do marketing digital. Embora o YouTube seja a maneira mais popular de consumir vídeos, ainda mais popular que o Facebook, isso não significa que você não deveria colocar vídeos no Facebook ou em qualquer outra plataforma de mídia social.

O marketing digital em vídeo , de certa forma, oferece o melhor dos dois mundos. O orçamento real e a mecânica da produção de vídeo são bem compreendidos e documentados, já que o vídeo em si é um meio do século XX. No entanto, agora o vídeo está emparelhado com as métricas de usuários de mídia digital incrivelmente precisas e valiosas para fornecer dados muito mais úteis sobre o desempenho de esforços específicos. Quer você esteja criando vídeos para o Instagram, Facebook, YouTube ou até mesmo seu próprio site, é uma ferramenta de marketing digital incrivelmente eficaz e de primeira linha. Você pode capturar e transmitir muitas informações e a personalidade de sua marca com vídeos. Contanto que você se atenha aos fundamentos da boa produção de vídeo, você pode obter ganhos impressionantes.

5. O vídeo ao vivo é uma coisa separada, porém importante

Embora o vídeo seja uma ferramenta valiosa, uma das estrelas que mais cresce no marketing digital é o uso de vídeo ao vivo. Parte disso se deve ao grande aumento nos serviços de streaming, graças a canais populares como o “Twitch”, que permite que as pessoas transmitam facilmente jogos de videogame ou até mesmo dispositivos como o console de videogame PS4 da Sony, com recursos de streaming ao vivo.

A transmissão ao vivo, como é chamada, é especialmente importante para o marketing digital quando combinada com o marketing de influência. Seja a nova geração de influenciadores de mídia social ou fontes tradicionais, como celebridades, atletas e músicos, ter uma transmissão ao vivo com um influenciador que esteja interagindo diretamente com os comentários é um grande atrativo para o público. Uma transmissão ao vivo de influenciadores é uma forma incrivelmente útil e de alto perfil de marketing digital no momento. A espontaneidade e a interatividade da transmissão ao vivo podem, sem dúvida, ser uma grande atração quando feita corretamente, com uma personalidade bem escolhida.

6. Bom conteúdo ainda é importante

O marketing de conteúdo continua a ser um componente essencial do marketing digital, embora haja uma ênfase crescente na nuance do conteúdo. A qualidade sempre vai importar muito, mas agora há um interesse renovado em examinar mais profundamente quem são os destinatários pretendidos. Ter uma compreensão mais profunda e sofisticada de um mercado-alvo e ser capaz de atingir esse mercado com mais precisão é uma tendência crescente em marketing mais eficaz.

Assim, enquanto o conteúdo geral da audiência era, é e sempre será importante, o material especializado para indústrias ou especialistas específicos também pode produzir resultados impressionantes. Isso, combinado com o aperfeiçoamento de técnicas para medir a eficácia do conteúdo, mantém o marketing de conteúdo relevante e avançando.

7. O email está ficando mais personalizado

E-mail continua a ser um importante canal de comunicação, com bilhões ainda usando para fins pessoais, comerciais, industriais, legais, científicos e acadêmicos. Em outras palavras, o email chegou para ficar, e o email marketing em si continua sendo importante.

No entanto, o marketing por e-mail está evoluindo e os e-mails de marketing genéricos não são tão eficazes quanto eram antes. Agora é uma combinação de automação e, mais importante, personalização que torna o e-mail marketing importante para 2019. Quando você pode acionar seu e-mail marketing para algo específico, como um usuário navegando em um determinado produto, e depois acompanhar com um preço promocional ou vídeo de demonstração em um email personalizado, isso pode ser muito eficaz. E-mails costumam ser o “gatilho” final para motivar uma ação, especialmente quando combinados com suas técnicas de remarketing.

8. A interação de voz está subindo

Interação de voz está subindo

Graças a Siri, Google, Alexa e uma série de outros dispositivos “inteligentes”, a interação verbal com dispositivos continua a aumentar . O verdadeiro argumento é que falar é simplesmente uma maneira preferida de interagir. E agora as máquinas estão finalmente alcançando a maneira como as pessoas querem pesquisar, comprar e descobrir coisas novas.

No entanto, isso apresenta alguns desafios interessantes. A realização de uma pesquisa por voz, por exemplo, é muito diferente da digitação de uma consulta, principalmente nos resultados. Quando uma pessoa realiza uma pesquisa baseada em texto, a tela exibe uma página de cada vez os resultados. Mas quando alguém pergunta a um dispositivo para realizar uma pesquisa e o dispositivo responde verbalmente, ele pode fornecer apenas algumas opções no máximo e, com frequência, eles fornecem apenas uma opção.

Isso significa que a preparação para as buscas por  voz exigirá uma abordagem diferente, mas é uma área do marketing digital que não pode ser ignorada porque as pessoas confiam nela mais do que nunca. Por exemplo, escrever meta-descrições de sites pode precisar ser otimizado para a fala para que “leia melhor” em voz alta, ao ser falado, em vez do estilo mais seco usado para uma abordagem de pesquisa estritamente baseada em texto.

Fonte: Digital Marketing Institute